Montãna Redonda e Rancho Salto Yanigua, República Dominicana

Da Montaña Redonda ao Rancho Salto Yanigua


los-haitises-republica-dominicana-resgate-garca
Acrobacias
Cruz Dominicana
Retalhos Tropicais
Direcções
Arrozais e o Atlântico
O Burro do rancho Salto Yanigua
Pão-de-Côco
Mineração de Âmbar
Poço da Mineração
Montra Tropical
Lagoa Verdejante
O Retratista Fotografado
Pedras da Mineração
Letreiro de Todas as Cores
Salto Yanigua
À descoberta do noroeste dominicano, ascendemos à Montaña Redonda de Miches, recém-transformada num insólito apogeu de evasão. Desse cimo, apontamos à Bahia de Samaná e a Los Haitises, com passagem pelo pitoresco rancho Salto Yanigua.

De viagem, nem sempre as soluções a que chegamos são as perfeitas.

Nessa alvorada em particular, deixado o pueblo de Uvero Alto para trás, damos conosco à bordo de um autocarro coreano importado, repleto de turistas da Europa germânica ensonados.

Joel Montilla, o guia de serviço, sabe que tem que despertar e activar os passageiros.

Munido de microfone, questiona o grupo sobre as nacionalidades a bordo. A maior parte são alemães. Acompanham-nos austríacos e suíços. A destoarem e, por certo, a intrigarem os restantes, estão ainda dois portugueses. Nós.

Seguíamos a bordo, com um conhecimento demasiado básico de alemão. O meu, adquirido em dois anos já longínquos de aulas no Gõethe Institut de Lisboa, entre os 13 e 15 anos de idade.

O da Sara, pela aprendizagem de ouvir os pais comunicarem em alemão, por razões que, por si só, dariam para outra longa estória.

Ora, estes antecedentes insólitos permitiam-nos compreender bem mais do discurso tranquilo e pausado de Joel do que estávamos a contar. Uma vez que o guia fazia questão de abordar todos os temas dominicanos interessantes de que se lembrava, esforçamo-nos a dobrar.

Neste entretém cognitivo, quase uma hora depois, chegamos à primeira escala do dia.

Quando Joel aflora uma “Runde Berg”, sabemos que estamos perante a famosa Montaña Redonda de Miches.

O guia dita um transbordo do autocarro para camiões equipados de assentos e de uma poderosa tracção às quatro rodas.

Galgamos a estrada enlameada que conduz ao cume, num modo rali que delicia parte dos passageiros. Deixa outros em pânico.

 Montaña Redonda: uma Colina com Panoramas Privilegiados

Menos de dez minutos depois, desembarcamos no topo arredondado e ventoso da elevação, malgrado o nome pomposo, um mero outeiro.

Ainda assim, devido à sua localização privilegiada, lugar de panoramas a toda a volta, uns, a norte e noroeste, do oceano Atlântico, da baía de Samaná e das lagoas Redonda e del Limón.

Outros, nas direcções opostas, de pastos sulcados por sobras de vegetação, nas vertentes das montanhas de Hispaniola a sério.

Aos poucos, uma multidão, já não só germânica, ocupa o zénite da montaña.

Os forasteiros contemplam as suas vistas por tempo que acabam por abreviar, atraídos pelas diversões que os dominicanos por ali instalaram.

Uns, fazem fila para os baloiços.

Outros, para a tirolesa que desliza, em L, para a meia-encosta virada ao mar.

Destacada da colina, bem acima dos baloiços, uma cruz branca fixada contra um pilar com as cores da bandeira da República Dominicana, abençoa o lugar e as tropelias e acrobacias que por lá se sucedem.

Incluindo os balouçares de cabeça para baixo que, às tantas, dois guias fazem questão de exibir.

Esgota-se o tempo previsto para a montanha, mas não o vento que a castiga dia adentro.

Rumo a Norte e à Cidade de Miches

Regressamos ao sopé, ao bus e à carretera Bavaro-Miches, uma via estreita que serpenteia por aldeolas e lugarejos de génese piscatória, até que cruza o rio Yeguada, no âmago da cidade que lhe empresta a segunda metade do nome.

A partir de Miches, seguimos pela continuação, já adaptada a “Sabana-Miches”, de acordo com a escala que se segue. Por altura de Sabana, flectimos para sul, com destino em El Valle.

Nessa povoação, passamos do asfalto para uma via de terra batida que sulca a floresta tropical e, a espaços, plantações de palmeiras geradoras do valioso óleo de palma.

Por essa altura, já o rio Yanigua ziguezagueia a sul, numa profusão e exuberância de meandros que, entretanto, intersectamos.

Desviamos para outra via, quase caminho, perdida numa vegetação que a proximidade do rio adensa.

Rancho Salto Yanigua: o Interior Pitoresco da República Dominicana

Detemo-nos na clareira aberta por um dos muitos ranchos e haciendas que salpicam este interior esquecido da República Dominicana.

Um letreiro amplo e garrido identifica-o à moda sinalética que se tornou viral na América Latina. De todas as cores. E ilustrado com exemplos da fauna e flora destas paragens.

Composto por três andares de largura crescente, o letreiro adorna e identifica a propriedade, sem grandes margens para dúvidas: “Rancho Salto Yanigua.”

Joel Montilla saúda Simón Duran, o dono.

O duo trata de conduzir os visitantes à zona gastronómica da fazenda, instalada, por mais que uma conveniência, à beira do caudal afundado do rio, de frente para a queda d’água que lhe justifica a toponímia.

Por ali, sobre um fogo alimentado a lenha, uma cozinheira tímida faz cozer e dourar pão-de-côco que preenche quase metade de uma grande panela.

A manhã tinha avançado.

Àquela hora, qualquer alma filha de boa gente começa a sentir-se faminta.

Experientes na arte de acolher e satisfazer os forasteiros, Simón e os seus tratam de os confortar.

Petiscos Dominicanos do Campo, uns atrás dos Outros

Com copinhos de mamajuana, o licor nacional dominicano, afiançam-nos sempre que fonte de vigor, virilidade ou, vá lá que seja de fertilidade.

Como alternativas não alcoólicas, oferecem café, cacau ou café moca, neste caso, adoçado com chocolate de cacau produzido na horta biológica do rancho.

Bebericamos um pouco de ambos quando Simón Duran e a cozinheira começam a servir os pães-de-côco, ainda fumegantes e que nos aconselham a rechear de um creme de cacau e mel, nutritivo e delicioso.

Tardio, o pequeno-almoço chega como um manjar dos deuses de Hispaniola.

Só o fluir convidativo do Salto Yaniqua, logo ali à frente, desmobiliza os visitantes de continuarem a empanturrar-se.

Num ápice, uma multidão de banhistas ansiosos inunda o rio.

O Salto do Rio Yanigua, mesmo à Beira do Rancho

Entregam-se a chapinhanços, a saltos e, por exemplo de um anfitrião que os acompanhava, a tratamentos dermo-faciais espontâneos assegurados pela argila esbranquiçada que forrava o fundo do rio.

Também Juan Carlos, o fotógrafo-retratista ao serviço do tour compõe a sua máscara.

Embeleza-se, aliás, a dobrar. Com uma pluméria vermelha exposta acima de uma orelha.

Chicos, no aprovechan esto?” indaga-nos, quase ofendido, quando nos vê sem sinal da argila de que tinha coberto a face.

Pouco depois, sem que o esperássemos, vemo-nos vítima da tal lama milagrosa.

Seguimos Simón Duran num périplo em redor do rancho. Com passagem por bananais, plantações de abacaxis, de papaieiras e de outras frutas e vegetais.

Apreciamos a casa que havia instalado na árvore mais alta e frondosa da propriedade, já dotada de painel solar e de outros equipamentos e decorações dignas de hóspedes aventureiros.

Conversamos à sua sombra, quando um burro do rancho se junta ao grupo, determinado a conseguir um petisco de cenoura ou afim a que já tinha sido habituado.

Simón aconselha-nos a não lhe darmos demasiada atenção.

A Descoberta Atribulada da Mina de Âmbar Local

Continuamos numa espécie de fuga disfarçada quando esbarramos com a mineração de âmbar, larimar e outras pedras, do rancho.

De novo à beira-rio, três trabalhadores haitianos, repetiam uma mesma sequência de operações.

Um deles, no fundo de um poço, enchia um bidão de cascalho extraído do leito.

Dois outros, tratavam de o içar à corda e de o vazar para uma área de triagem.

Intrigados, acompanhamos o tal processo, à conversa. Uma, duas vezes.

Por um qualquer acaso, à terceira, o bidão vinha mais cheio.

Os homens à superfície, despejam-no no solo.

A sobrecarga gera um ricochete que os enche e a nós da argila encharcada.

Demoramos quase vinte minutos a restabelecer-nos do percalço, boa parte desse tempo, a limparmos os olhos da microterra semi-preciosa.

Quando contamos o infortúnio a Juan Carlos, o fotógrafo deixa-se levar numa risada bem-disposta: “Ah, então fizeram um tratamento à força!” conclui no seu castelhano dominicano suavizado das Antilhas.

Juntamo-nos à comitiva que Simón Duran convidava para as mesas e para o buffet que complementava as opções da bandera dominicana, composta do clássico arroz com feijão com frango e salada ou, numa variante com nome por atribuir, com peixe do rio Yanigua panado, tão ou mais divinal.

Incursão Fluvio-Marinha ao Parque Nacional Los Haitises

Findo o repasto, partimos para norte, pelo domínio terrestre do Parque Nacional Los Haitises. Vários quilómetros depois, já a bordo de um catamarã, pelo mar recolhido e remoto no sopé da imensa cordilheira.

Anos antes, já tínhamos tido o privilégio de explorarmos as suas grutas repletas de pinturas rupestres, obras dos indígenas taínos.

E os ilhéus sempre disputados pelas fragatas e pelicanos, tal e qual na Laguna Oviedo do sudoeste dominicano, situada entre Barahona e a Bahia de Las Águilas.

Fragatas, Cayo de Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.

Nem tudo se repetiu. A determinada altura, avistamos uma garça a flutuar no mar. Padecia de um defeito nas patas pelo que não conseguia levantar voo. Os tripulantes decidem resgatá-la.

Tentam por várias vezes navegar a rasar e apanhá-la. Em vão. Já farto da frustração, um dos tripulantes oferece-se para mergulhar.

Persegue a garça que, sentindo-se ameaçada tudo faz para o bicar. “Cuidado com tus ojos! Proteje los ojos!” gritam os companheiros cientes do dano que o bico afiado poderia infligir na vista do voluntário. Por fim, este consegue agarrá-la e subi-la a bordo.

O capitão aproxima o catamarã de um dos ilhéus aviários de Los Haitises, aquele de que, com forte probabilidade, teria caído a ave.

A operação de salvamento contribuiu para deixar ainda mais marcado o cariz natural e selvagem ainda tão exótico em certos redutos da República Dominicana.

Nesta nação cada vez mais rendida aos mega-resorts e ambientes artificiais colossais, tais impressões entraram há muito em perigo de extinção.

 

COMO IR:

Reserve o seu pacote para a República Dominicana e respectivas excursões – incluindo Ilha Saona – comercializados pelo operador Jolidey e disponíveis nas agências de viagens.

Já na Rep. Dominicana, também poderá reservar a sua excursão à Ilha Saona ou outros tours através da agência Visit Dominican Republic

Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Ilha Saona, República Dominicana

Uma Savona nas Antilhas

Durante a sua segunda viagem às Américas, Colombo desembarcou numa ilha exótica encantadora. Baptizou-a de Savona, em honra de Michele da Cuneo, marinheiro savonês que a percebeu destacada da grande Hispaniola. Hoje tratada por Saona, essa ilha é um dos édenes tropicais idolatrados da República Dominicana.

Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Cidades
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Cultura
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Étnico
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Jerusalém deus, Israel, cidade dourada
História
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Ilhas
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Natureza
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Parques Naturais
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Solovestsky Outonal
Património Mundial UNESCO
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Religião
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
imperador akihito acena, imperador sem imperio, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Vida Selvagem
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.