Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas


Calle Hostos
Morador percorre uma das ruas históricas de Santo Domingo.
A Frente da Catedral
Transeuntes caminham diante da Basílica Santa Maria La Menor.
Rudi Mel fabrica charutos
Artesão Rudi Mel produz charutos à moda tradicional.
Militares e Segurança à Conversa no Panteão
Pessoal de serviço no Panteão Nacional entrega-se a uma conversa de ocasião.
Patriotismo Cego
Soldado recolhe a bandeira da República Dominicana.
Luz e Sombra de Fé
Ocaso cria linhas de contraste na Basilica Santa Maria La Menor
Calle Salome Urena
Esquina garrida do centro colonial da capital dominicana.
Taxi (stas)
Taxistas esperam por clientes no centro de Santo Domingo.
Colombo, acima da Plaza Colón
A estátua de Cristóvão Colombo sobranceira à plaza homónima.
Os Pombos da Plaza Colombo
Visitante da Plaza Colón brinca com os muitos pombos residentes.
O Farol de Colombo
O mausoléu majestoso erguido em Santo Domingo em homenagem ao navegador Cristóvão Colombo.
Colombo 1506
Pormenor do túmulo de Cristóvão Colombo,
Treinos à varanda
Amigos treinam passes de basquete no cimo curvo da Calle Hostos.
Igreja de Nª Srª del Carmén
Transeunte passa em frente a uma das igrejas mais antigas de Santo Domingo.
Descer da Bandeira
Soldado recolhe a bandeira nacional da Rep. Dominicana.
O Farol de Colombo II
Perspectiva lateral do enorme edifício do Farol de Colombo.
Hospital San Nicolás de Bari
Casal entra nas ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari, o primeiro das Américas.
O santuário de Nª Srª de Altagracia
Pombos voam em redor de uma das várias igrejas que abençoam Santo Domingo.
Soldado Frias
Soldado do exército dominicano presente na Plaza de la Independência da capital.
Diego Colombo, o Governador
Patinador desliza em frente à estátua de Diego Colombo.
Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.

Aconteceu como sempre acontece nas povoações de grelha a sério, quase a regra e esquadro.

Nos primeiros momentos, a semelhança, a aparente repetição das calles e suas esquinas deixa-nos confusos. Aos poucos, memorizamos referências e os caminhos para todo o lado.

É nestes soluços de orientação que nos deslocamos entre a Calle Arzobispo Fortes em que nos tínhamos instalado e as imediações da Basílica de Santa Maria La Menor, também tratada por Catedral Primada da América, em virtude de ser a pioneira do continente, no que a grandes igrejas diz respeito.

Quando chegamos à sua frente da Calle Arzobispo Meriño, o sol já doura a fachada poente e a moldura trabalhada da entrada que, apesar de dupla, quase não acolhe fiéis, assim ditava o fecho do portão do átrio contíguo que também nos obriga a contornar o templo.

A Plaza Colón e a Primeira Catedral do Novo Mundo

Passamos para o lado norte. Damos entrada na Plaza Colón. As copas das grandes árvores que dela despontam aumentam-lhe a sombra. Conferem mais drama ao repto de uma silhueta sobranceira que aponta o firmamento.

Como a praça, a estátua é de Cristóvão Colombo.

Nessa tarde, à imagem de todas as outras, alguns moradores afluíam à tranquilidade e ao fresco predominante.

Dois ou três músicos contribuíam com melodias fáceis. Um pintor desfazia-se em pinceladas disformes. A personagem com maior valor da praça parecia ser o vendedor de milho.

Era ele quem satisfazia o passatempo tão dominicano de alimentar os pombos e de conviver com os seus bandos esfomeados.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAté à lágrima, como constatamos em duas crianças aterrorizadas pelo excesso de asas chegadas do cimo da basílica e que, na ânsia do alimento, lhes espanam as faces.

A catedral era apenas um dos vários edifícios e instituições coloniais que os europeus fizeram estrear no Novo Mundo, entre os quais o primeiro hospital, a primeira alfândega e a primeira universidade.

Saturados de pombos, partimos em busca do próximo.

Calles Coloniais Fora, pelas Origens de Santo Domingo

Metemo-nos pela Calle El Conde acima. Interrompemos a marcha junto à “La Leyenda del Cigarro”, uma fábrica e loja de charutos.

No interior, Rudi Mel, enrola uma folha de tabaco atrás da outra, todas elas do mesmo tom do seu apelido e da pele mestiça que o sol continua a tostar.

A pedestre Calle El Conde é, por excelência, a artéria comercial de Santo Domingo, repleta de negócios de todos os tipos e de vendedores de rua que aproveitam a inércia das autoridades.

Nas imediações de uma venda de pinturas, deixamo-la para a Calle Hostos, esta, já percorrida pelo trânsito lento da Cidade Colonial e pelas calesas elegantes que o complicam.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Calle Hostos

Hospital San Nicolás de Bari, o Primeiro das Américas

Dois quarteirões depois, na sequência de uma mini-floresta urbana frondosa, damos de caras com as ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari.

Foi o primeiro a surgir nas Américas, a sua obra inaugurada em 1503, meia década após o governador de Hispaniola, Nicolás de Ovando, ter visto um furacão arrasar boa parte da cidade de Nova Isabela que Bartolomeu Colombo (irmão de Cristóvão) erguera do lado de lá do rio Ozama.

Nova Isabela ficou tão danificada que Ovando foi forçado a reconstruí-la para dentro da margem oposta, nas terras que continuávamos a calcorrear.

Naqueles novos domínios tropicais, os ataques dos indígenas tainos, as doenças convencionais e as exóticas, a par de uma panóplia de incidentes resultantes das aventuras e desventuras coloniais, suscitavam frequentes maleitas e urgências.

Disso consciente, determinado em fazer da colónia o quartel-general da expansão espanhola na região, Nicólas Ovando ditou um projecto grandioso, inspirado no Renascimento, capaz de acolher mais de sessenta pacientes.

O hospital começou a operar quase vinte anos depois. Manteve-se em funções até ao meio do século XVIII, altura em que foi abandonado, não se sabe ao certo porquê.

Devido à sua importância histórica, a UNESCO decretou o que dele resta Património da Humanidade.

Quando damos entrada no complexo, encontramo-lo repleto de antigas passagens, de aberturas semi-arcadas e ogivais, por que esvoaçam bandos de pombos concorrentes dos da Plaza Colón e outros, de corvídeos negros estridentes.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAo nível do solo, pouco incomodadas com a desadequação do piso atijolado e estriado, três crianças patinam.

Nesse tempo, o sol tinha descido tanto sobre o Mar das Caraíbas que parecia recozer os tijolos seculares da estrutura. Também convocava as aves para o seu retiro nocturno e a passarada aumentava de tal maneira que ameaçava a higiene de quem por ali se mantinha.

De sobreaviso, precipitamos a retirada.

Rumo às Margens Elevadas do Rio Ozama

Espreitamos as ruínas vizinhas do Mosteiro de São Francisco, no cimo da ladeira-curva da Calle Hostos. Logo, atalhamos na direcção do rio Ozama.

Seduz-nos o frenesim namoradeiro da Plaza María de Toledo, que cruzamos, sem pressas, para a Calle Las Damas, em busca do Panteão da Pátria Dominicana.

Lá repousam os mentores e heróis desta república de Hispaniola, em sepulturas de um branco polido que reflecte o azul-vermelho de dezenas de estandartes da nação.

Quando saímos, um soldado de camuflado recolhe a bandeira hasteada no cimo da fachada de calcário.

Fá-lo em sincronia com a cerimónia similar do Parque Independência da cidade. Na República Dominicana, os militares há muito que preservam esse privilégio.

Afinal, foram eles, na forma de forças de guerrilha, que viabilizaram os planos independentistas da sociedade secreta La Trinitaria, ao submeterem o bem mais poderoso exército do Haiti na Guerra de Independência Dominicana.

A Calle las Damas entrega-nos a um adarve desafogado, sobranceiro ao Ozama e ao ferry que zarpa do Terminal Don Diego, rumo à velha rival San Juan, a capital de Porto Rico. Dias mais tarde, haveríamos de nele embarcar.

O Anoitecer Resplandecente da Plaza de La Hispanidad

Aqui e ali, subimos às ameias. Espreitamos o cenário fluvial-urbano por diante. A determinada altura, o adarve feito caminho ajusta-se à quase meia-lua da Plaza de España o de La Hispanidad.

Inauguramo-la de uma para a outra, do dia para a noite e, como acontece vezes sem conta, em Santo Domingo, perdidos entre a contemporaneidade juvenil e a realidade colombina da capital dominicana.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaEsta que foi a plaza eleita pelos moradores para celebrarem cada fim de dia das suas vidas, acolhe mais crianças patinadoras e ciclistas, outras que conduzem carrinhos a pedais, ainda adolescentes que lançam drones ou piadas geradoras de gargalhadas comunais.

E aniversariantes que se fotografam com amigas, a segurarem balões cheios dos anos que cumprem.

E o Velho Alcácer de Diego Colombo

O limite da Plaza de España o de La Hispanidad é marcado pelas muralhas aquém do Ozama e, já no seu interior, pelo Alcácer de Diego Colombo, também conhecido por Palácio Virreinal.

Diego, o filho primogénito de Cristóvão Colombo e da portuguesa Filipa Moniz Perestrelo, nasceu em Porto Santo ou em Lisboa, em 1479. Decorridos trinta anos, sucedeu a Nicolás de Ovando no cargo de governador da ilha de Hispaniola.

Desempenhou o cargo a partir da actual Santo Domingo onde mandou construir os aposentos requintados, com vista privilegiada sobre a foz do Ozama e o Mar das Caraíbas, que nos dedicamos a apreciar.

Diego Colombo, também almirante e vice-rei, viveu 15 anos no primeiro palácio fortificado das Américas, com a esposa Maria Álvarez de Toledo e os seus quatro filhos. Habitou-o até pouco antes da sua morte precoce, ocorrida, em Espanha, em 1526.

No fim do século XVIII, o alcácer majestoso que mandou erguer encontrava-se já em ruínas. Diz-se que chegou a ser usado como curral. No ano tardio de 1955, as autoridades dominicanas reconstruíram-no.

Converteram-no num museu, um dos mais procurados de Santo Domingo, até mesmo apenas por fora e após já ter encerrado.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaA sua iluminação artificial, amarelada, gera sombras bem definidas a que a amplitude da praça concede distintos comprimentos, silhuetas moldáveis que, pela noite fora, inspiram selfies e pequenas produções.

Cristovão Colombo: Descobridor das Américas, Prisioneiro e Herói de Santo Domingo

Protegia o alcácer de Diego Colombo a vizinha fortaleza Ozama, a mais antiga fortificação europeia das Américas, anos antes, lar adaptado de Cristóvão Colombo e também a prisão em que a Coroa Espanhola o manteve, fruto de sucessivas queixas contra a sua governação tirânica, corrupta, no cômputo geral, prejudicial para Espanha.

A História sempre guardou, no entanto, os seus insondáveis caprichos. Malgrado as máculas éticas e morais que lhe foram apontadas, a importância do descobrimento de Colombo prevaleceu.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaComo pudemos testemunhar, a República Dominicana celebra Colombo com empenho e amiúde.

Do cimo da fortaleza Ozama, distante, mas bem destacado acima da vegetação a leste do rio, detectamos um outro monumento comemorativo, o Farol de Colombo, com 800 metros de extensão e 36.5 de altura, a mais imponente obra de homenagem ao navegador.

Lá percorremos as salas temáticas de cada nação e cultura nativa das Américas. Lá nos surpreendemos com a pompa de mármore do túmulo em que supostamente repousam os restos mortais de Colombo.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaHoje, sabe-se que, após a sua morte, o descobridor terá viajado quase tanto como em vida, mas, pelo menos em parte, os seus restos continuam na catedral de Sevilha.

Dentro do vasto âmbito colonial, este tema é, aliás, um dos mais controversos.

Ao contrário do pioneirismo e antiguidade colonial de Santo Domingo, ambos inequívocos.

Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Cidades
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Cultura
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
História
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Teleférico Achadas da Cruz à Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal
Ilhas
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Cruzeiro Navimag, Puerto Montt a Puerto-natales, Chile
Natureza
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Parques Naturais
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
city hall, capital, oslo, noruega
Património Mundial UNESCO
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Intervenção policial, judeus utraortodoxos, jaffa, Telavive, Israel
Religião
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Sociedade
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES