Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas


Calle Hostos
Morador percorre uma das ruas históricas de Santo Domingo.
A Frente da Catedral
Transeuntes caminham diante da Basílica Santa Maria La Menor.
Rudi Mel fabrica charutos
Artesão Rudi Mel produz charutos à moda tradicional.
Militares e Segurança à Conversa no Panteão
Pessoal de serviço no Panteão Nacional entrega-se a uma conversa de ocasião.
Patriotismo Cego
Soldado recolhe a bandeira da República Dominicana.
Luz e Sombra de Fé
Ocaso cria linhas de contraste na Basilica Santa Maria La Menor
Calle Salome Urena
Esquina garrida do centro colonial da capital dominicana.
Taxi (stas)
Taxistas esperam por clientes no centro de Santo Domingo.
Colombo, acima da Plaza Colón
A estátua de Cristóvão Colombo sobranceira à plaza homónima.
Os Pombos da Plaza Colombo
Visitante da Plaza Colón brinca com os muitos pombos residentes.
O Farol de Colombo
O mausoléu majestoso erguido em Santo Domingo em homenagem ao navegador Cristóvão Colombo.
Colombo 1506
Pormenor do túmulo de Cristóvão Colombo,
Treinos à varanda
Amigos treinam passes de basquete no cimo curvo da Calle Hostos.
Igreja de Nª Srª del Carmén
Transeunte passa em frente a uma das igrejas mais antigas de Santo Domingo.
Descer da Bandeira
Soldado recolhe a bandeira nacional da Rep. Dominicana.
O Farol de Colombo II
Perspectiva lateral do enorme edifício do Farol de Colombo.
Hospital San Nicolás de Bari
Casal entra nas ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari, o primeiro das Américas.
O santuário de Nª Srª de Altagracia
Pombos voam em redor de uma das várias igrejas que abençoam Santo Domingo.
Soldado Frias
Soldado do exército dominicano presente na Plaza de la Independência da capital.
Diego Colombo, o Governador
Patinador desliza em frente à estátua de Diego Colombo.
Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.

Aconteceu como sempre acontece nas povoações de grelha a sério, quase a regra e esquadro.

Nos primeiros momentos, a semelhança, a aparente repetição das calles e suas esquinas deixa-nos confusos. Aos poucos, memorizamos referências e os caminhos para todo o lado.

É nestes soluços de orientação que nos deslocamos entre a Calle Arzobispo Fortes em que nos tínhamos instalado e as imediações da Basílica de Santa Maria La Menor, também tratada por Catedral Primada da América, em virtude de ser a pioneira do continente, no que a grandes igrejas diz respeito.

Quando chegamos à sua frente da Calle Arzobispo Meriño, o sol já doura a fachada poente e a moldura trabalhada da entrada que, apesar de dupla, quase não acolhe fiéis, assim ditava o fecho do portão do átrio contíguo que também nos obriga a contornar o templo.

A Plaza Colón e a Primeira Catedral do Novo Mundo

Passamos para o lado norte. Damos entrada na Plaza Colón. As copas das grandes árvores que dela despontam aumentam-lhe a sombra. Conferem mais drama ao repto de uma silhueta sobranceira que aponta o firmamento.

Como a praça, a estátua é de Cristóvão Colombo.

Nessa tarde, à imagem de todas as outras, alguns moradores afluíam à tranquilidade e ao fresco predominante.

Dois ou três músicos contribuíam com melodias fáceis. Um pintor desfazia-se em pinceladas disformes. A personagem com maior valor da praça parecia ser o vendedor de milho.

Era ele quem satisfazia o passatempo tão dominicano de alimentar os pombos e de conviver com os seus bandos esfomeados.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAté à lágrima, como constatamos em duas crianças aterrorizadas pelo excesso de asas chegadas do cimo da basílica e que, na ânsia do alimento, lhes espanam as faces.

A catedral era apenas um dos vários edifícios e instituições coloniais que os europeus fizeram estrear no Novo Mundo, entre os quais o primeiro hospital, a primeira alfândega e a primeira universidade.

Saturados de pombos, partimos em busca do próximo.

Calles Coloniais Fora, pelas Origens de Santo Domingo

Metemo-nos pela Calle El Conde acima. Interrompemos a marcha junto à “La Leyenda del Cigarro”, uma fábrica e loja de charutos.

No interior, Rudi Mel, enrola uma folha de tabaco atrás da outra, todas elas do mesmo tom do seu apelido e da pele mestiça que o sol continua a tostar.

A pedestre Calle El Conde é, por excelência, a artéria comercial de Santo Domingo, repleta de negócios de todos os tipos e de vendedores de rua que aproveitam a inércia das autoridades.

Nas imediações de uma venda de pinturas, deixamo-la para a Calle Hostos, esta, já percorrida pelo trânsito lento da Cidade Colonial e pelas calesas elegantes que o complicam.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Calle Hostos

Hospital San Nicolás de Bari, o Primeiro das Américas

Dois quarteirões depois, na sequência de uma mini-floresta urbana frondosa, damos de caras com as ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari.

Foi o primeiro a surgir nas Américas, a sua obra inaugurada em 1503, meia década após o governador de Hispaniola, Nicolás de Ovando, ter visto um furacão arrasar boa parte da cidade de Nova Isabela que Bartolomeu Colombo (irmão de Cristóvão) erguera do lado de lá do rio Ozama.

Nova Isabela ficou tão danificada que Ovando foi forçado a reconstruí-la para dentro da margem oposta, nas terras que continuávamos a calcorrear.

Naqueles novos domínios tropicais, os ataques dos indígenas tainos, as doenças convencionais e as exóticas, a par de uma panóplia de incidentes resultantes das aventuras e desventuras coloniais, suscitavam frequentes maleitas e urgências.

Disso consciente, determinado em fazer da colónia o quartel-general da expansão espanhola na região, Nicólas Ovando ditou um projecto grandioso, inspirado no Renascimento, capaz de acolher mais de sessenta pacientes.

O hospital começou a operar quase vinte anos depois. Manteve-se em funções até ao meio do século XVIII, altura em que foi abandonado, não se sabe ao certo porquê.

Devido à sua importância histórica, a UNESCO decretou o que dele resta Património da Humanidade.

Quando damos entrada no complexo, encontramo-lo repleto de antigas passagens, de aberturas semi-arcadas e ogivais, por que esvoaçam bandos de pombos concorrentes dos da Plaza Colón e outros, de corvídeos negros estridentes.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAo nível do solo, pouco incomodadas com a desadequação do piso atijolado e estriado, três crianças patinam.

Nesse tempo, o sol tinha descido tanto sobre o Mar das Caraíbas que parecia recozer os tijolos seculares da estrutura. Também convocava as aves para o seu retiro nocturno e a passarada aumentava de tal maneira que ameaçava a higiene de quem por ali se mantinha.

De sobreaviso, precipitamos a retirada.

Rumo às Margens Elevadas do Rio Ozama

Espreitamos as ruínas vizinhas do Mosteiro de São Francisco, no cimo da ladeira-curva da Calle Hostos. Logo, atalhamos na direcção do rio Ozama.

Seduz-nos o frenesim namoradeiro da Plaza María de Toledo, que cruzamos, sem pressas, para a Calle Las Damas, em busca do Panteão da Pátria Dominicana.

Lá repousam os mentores e heróis desta república de Hispaniola, em sepulturas de um branco polido que reflecte o azul-vermelho de dezenas de estandartes da nação.

Quando saímos, um soldado de camuflado recolhe a bandeira hasteada no cimo da fachada de calcário.

Fá-lo em sincronia com a cerimónia similar do Parque Independência da cidade. Na República Dominicana, os militares há muito que preservam esse privilégio.

Afinal, foram eles, na forma de forças de guerrilha, que viabilizaram os planos independentistas da sociedade secreta La Trinitaria, ao submeterem o bem mais poderoso exército do Haiti na Guerra de Independência Dominicana.

A Calle las Damas entrega-nos a um adarve desafogado, sobranceiro ao Ozama e ao ferry que zarpa do Terminal Don Diego, rumo à velha rival San Juan, a capital de Porto Rico. Dias mais tarde, haveríamos de nele embarcar.

O Anoitecer Resplandecente da Plaza de La Hispanidad

Aqui e ali, subimos às ameias. Espreitamos o cenário fluvial-urbano por diante. A determinada altura, o adarve feito caminho ajusta-se à quase meia-lua da Plaza de España o de La Hispanidad.

Inauguramo-la de uma para a outra, do dia para a noite e, como acontece vezes sem conta, em Santo Domingo, perdidos entre a contemporaneidade juvenil e a realidade colombina da capital dominicana.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaEsta que foi a plaza eleita pelos moradores para celebrarem cada fim de dia das suas vidas, acolhe mais crianças patinadoras e ciclistas, outras que conduzem carrinhos a pedais, ainda adolescentes que lançam drones ou piadas geradoras de gargalhadas comunais.

E aniversariantes que se fotografam com amigas, a segurarem balões cheios dos anos que cumprem.

E o Velho Alcácer de Diego Colombo

O limite da Plaza de España o de La Hispanidad é marcado pelas muralhas aquém do Ozama e, já no seu interior, pelo Alcácer de Diego Colombo, também conhecido por Palácio Virreinal.

Diego, o filho primogénito de Cristóvão Colombo e da portuguesa Filipa Moniz Perestrelo, nasceu em Porto Santo ou em Lisboa, em 1479. Decorridos trinta anos, sucedeu a Nicolás de Ovando no cargo de governador da ilha de Hispaniola.

Desempenhou o cargo a partir da actual Santo Domingo onde mandou construir os aposentos requintados, com vista privilegiada sobre a foz do Ozama e o Mar das Caraíbas, que nos dedicamos a apreciar.

Diego Colombo, também almirante e vice-rei, viveu 15 anos no primeiro palácio fortificado das Américas, com a esposa Maria Álvarez de Toledo e os seus quatro filhos. Habitou-o até pouco antes da sua morte precoce, ocorrida, em Espanha, em 1526.

No fim do século XVIII, o alcácer majestoso que mandou erguer encontrava-se já em ruínas. Diz-se que chegou a ser usado como curral. No ano tardio de 1955, as autoridades dominicanas reconstruíram-no.

Converteram-no num museu, um dos mais procurados de Santo Domingo, até mesmo apenas por fora e após já ter encerrado.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaA sua iluminação artificial, amarelada, gera sombras bem definidas a que a amplitude da praça concede distintos comprimentos, silhuetas moldáveis que, pela noite fora, inspiram selfies e pequenas produções.

Cristovão Colombo: Descobridor das Américas, Prisioneiro e Herói de Santo Domingo

Protegia o alcácer de Diego Colombo a vizinha fortaleza Ozama, a mais antiga fortificação europeia das Américas, anos antes, lar adaptado de Cristóvão Colombo e também a prisão em que a Coroa Espanhola o manteve, fruto de sucessivas queixas contra a sua governação tirânica, corrupta, no cômputo geral, prejudicial para Espanha.

A História sempre guardou, no entanto, os seus insondáveis caprichos. Malgrado as máculas éticas e morais que lhe foram apontadas, a importância do descobrimento de Colombo prevaleceu.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaComo pudemos testemunhar, a República Dominicana celebra Colombo com empenho e amiúde.

Do cimo da fortaleza Ozama, distante, mas bem destacado acima da vegetação a leste do rio, detectamos um outro monumento comemorativo, o Farol de Colombo, com 800 metros de extensão e 36.5 de altura, a mais imponente obra de homenagem ao navegador.

Lá percorremos as salas temáticas de cada nação e cultura nativa das Américas. Lá nos surpreendemos com a pompa de mármore do túmulo em que supostamente repousam os restos mortais de Colombo.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaHoje, sabe-se que, após a sua morte, o descobridor terá viajado quase tanto como em vida, mas, pelo menos em parte, os seus restos continuam na catedral de Sevilha.

Dentro do vasto âmbito colonial, este tema é, aliás, um dos mais controversos.

Ao contrário do pioneirismo e antiguidade colonial de Santo Domingo, ambos inequívocos.

Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Hiroxima, cidade rendida à paz, Japão
Cidades
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Cultura
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Étnico
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Promessa?
História
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Magníficos Dias Atlânticos
Ilhas
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil, cachoeira Véu de Noiva
Natureza
Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil

No Coração Ardente da América do Sul

Foi só em 1909 que o centro geodésico sul-americano foi apurado por Cândido Rondon, um marechal brasileiro. Hoje, fica na cidade de Cuiabá. Tem nas imediações, os cenários deslumbrantes mas demasiado combustíveis da Chapada dos Guimarães.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Colonia del Sacramento, Uruguai
Património Mundial UNESCO
Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Religião
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT