Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas


Calle Hostos
Morador percorre uma das ruas históricas de Santo Domingo.
A Frente da Catedral
Transeuntes caminham diante da Basílica Santa Maria La Menor.
Rudi Mel fabrica charutos
Artesão Rudi Mel produz charutos à moda tradicional.
Militares e Segurança à Conversa no Panteão
Pessoal de serviço no Panteão Nacional entrega-se a uma conversa de ocasião.
Patriotismo Cego
Soldado recolhe a bandeira da República Dominicana.
Luz e Sombra de Fé
Ocaso cria linhas de contraste na Basilica Santa Maria La Menor
Calle Salome Urena
Esquina garrida do centro colonial da capital dominicana.
Taxi (stas)
Taxistas esperam por clientes no centro de Santo Domingo.
Colombo, acima da Plaza Colón
A estátua de Cristóvão Colombo sobranceira à plaza homónima.
Os Pombos da Plaza Colombo
Visitante da Plaza Colón brinca com os muitos pombos residentes.
O Farol de Colombo
O mausoléu majestoso erguido em Santo Domingo em homenagem ao navegador Cristóvão Colombo.
Colombo 1506
Pormenor do túmulo de Cristóvão Colombo,
Treinos à varanda
Amigos treinam passes de basquete no cimo curvo da Calle Hostos.
Igreja de Nª Srª del Carmén
Transeunte passa em frente a uma das igrejas mais antigas de Santo Domingo.
Descer da Bandeira
Soldado recolhe a bandeira nacional da Rep. Dominicana.
O Farol de Colombo II
Perspectiva lateral do enorme edifício do Farol de Colombo.
Hospital San Nicolás de Bari
Casal entra nas ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari, o primeiro das Américas.
O santuário de Nª Srª de Altagracia
Pombos voam em redor de uma das várias igrejas que abençoam Santo Domingo.
Soldado Frias
Soldado do exército dominicano presente na Plaza de la Independência da capital.
Diego Colombo, o Governador
Patinador desliza em frente à estátua de Diego Colombo.
Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.

Aconteceu como sempre acontece nas povoações de grelha a sério, quase a regra e esquadro.

Nos primeiros momentos, a semelhança, a aparente repetição das calles e suas esquinas deixa-nos confusos. Aos poucos, memorizamos referências e os caminhos para todo o lado.

É nestes soluços de orientação que nos deslocamos entre a Calle Arzobispo Fortes em que nos tínhamos instalado e as imediações da Basílica de Santa Maria La Menor, também tratada por Catedral Primada da América, em virtude de ser a pioneira do continente, no que a grandes igrejas diz respeito.

Quando chegamos à sua frente da Calle Arzobispo Meriño, o sol já doura a fachada poente e a moldura trabalhada da entrada que, apesar de dupla, quase não acolhe fiéis, assim ditava o fecho do portão do átrio contíguo que também nos obriga a contornar o templo.

A Plaza Colón e a Primeira Catedral do Novo Mundo

Passamos para o lado norte. Damos entrada na Plaza Colón. As copas das grandes árvores que dela despontam aumentam-lhe a sombra. Conferem mais drama ao repto de uma silhueta sobranceira que aponta o firmamento.

Como a praça, a estátua é de Cristóvão Colombo.

Nessa tarde, à imagem de todas as outras, alguns moradores afluíam à tranquilidade e ao fresco predominante.

Dois ou três músicos contribuíam com melodias fáceis. Um pintor desfazia-se em pinceladas disformes. A personagem com maior valor da praça parecia ser o vendedor de milho.

Era ele quem satisfazia o passatempo tão dominicano de alimentar os pombos e de conviver com os seus bandos esfomeados.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAté à lágrima, como constatamos em duas crianças aterrorizadas pelo excesso de asas chegadas do cimo da basílica e que, na ânsia do alimento, lhes espanam as faces.

A catedral era apenas um dos vários edifícios e instituições coloniais que os europeus fizeram estrear no Novo Mundo, entre os quais o primeiro hospital, a primeira alfândega e a primeira universidade.

Saturados de pombos, partimos em busca do próximo.

Calles Coloniais Fora, pelas Origens de Santo Domingo

Metemo-nos pela Calle El Conde acima. Interrompemos a marcha junto à “La Leyenda del Cigarro”, uma fábrica e loja de charutos.

No interior, Rudi Mel, enrola uma folha de tabaco atrás da outra, todas elas do mesmo tom do seu apelido e da pele mestiça que o sol continua a tostar.

A pedestre Calle El Conde é, por excelência, a artéria comercial de Santo Domingo, repleta de negócios de todos os tipos e de vendedores de rua que aproveitam a inércia das autoridades.

Nas imediações de uma venda de pinturas, deixamo-la para a Calle Hostos, esta, já percorrida pelo trânsito lento da Cidade Colonial e pelas calesas elegantes que o complicam.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Calle Hostos

Hospital San Nicolás de Bari, o Primeiro das Américas

Dois quarteirões depois, na sequência de uma mini-floresta urbana frondosa, damos de caras com as ruínas do velho hospital San Nicolás de Bari.

Foi o primeiro a surgir nas Américas, a sua obra inaugurada em 1503, meia década após o governador de Hispaniola, Nicolás de Ovando, ter visto um furacão arrasar boa parte da cidade de Nova Isabela que Bartolomeu Colombo (irmão de Cristóvão) erguera do lado de lá do rio Ozama.

Nova Isabela ficou tão danificada que Ovando foi forçado a reconstruí-la para dentro da margem oposta, nas terras que continuávamos a calcorrear.

Naqueles novos domínios tropicais, os ataques dos indígenas tainos, as doenças convencionais e as exóticas, a par de uma panóplia de incidentes resultantes das aventuras e desventuras coloniais, suscitavam frequentes maleitas e urgências.

Disso consciente, determinado em fazer da colónia o quartel-general da expansão espanhola na região, Nicólas Ovando ditou um projecto grandioso, inspirado no Renascimento, capaz de acolher mais de sessenta pacientes.

O hospital começou a operar quase vinte anos depois. Manteve-se em funções até ao meio do século XVIII, altura em que foi abandonado, não se sabe ao certo porquê.

Devido à sua importância histórica, a UNESCO decretou o que dele resta Património da Humanidade.

Quando damos entrada no complexo, encontramo-lo repleto de antigas passagens, de aberturas semi-arcadas e ogivais, por que esvoaçam bandos de pombos concorrentes dos da Plaza Colón e outros, de corvídeos negros estridentes.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaAo nível do solo, pouco incomodadas com a desadequação do piso atijolado e estriado, três crianças patinam.

Nesse tempo, o sol tinha descido tanto sobre o Mar das Caraíbas que parecia recozer os tijolos seculares da estrutura. Também convocava as aves para o seu retiro nocturno e a passarada aumentava de tal maneira que ameaçava a higiene de quem por ali se mantinha.

De sobreaviso, precipitamos a retirada.

Rumo às Margens Elevadas do Rio Ozama

Espreitamos as ruínas vizinhas do Mosteiro de São Francisco, no cimo da ladeira-curva da Calle Hostos. Logo, atalhamos na direcção do rio Ozama.

Seduz-nos o frenesim namoradeiro da Plaza María de Toledo, que cruzamos, sem pressas, para a Calle Las Damas, em busca do Panteão da Pátria Dominicana.

Lá repousam os mentores e heróis desta república de Hispaniola, em sepulturas de um branco polido que reflecte o azul-vermelho de dezenas de estandartes da nação.

Quando saímos, um soldado de camuflado recolhe a bandeira hasteada no cimo da fachada de calcário.

Fá-lo em sincronia com a cerimónia similar do Parque Independência da cidade. Na República Dominicana, os militares há muito que preservam esse privilégio.

Afinal, foram eles, na forma de forças de guerrilha, que viabilizaram os planos independentistas da sociedade secreta La Trinitaria, ao submeterem o bem mais poderoso exército do Haiti na Guerra de Independência Dominicana.

A Calle las Damas entrega-nos a um adarve desafogado, sobranceiro ao Ozama e ao ferry que zarpa do Terminal Don Diego, rumo à velha rival San Juan, a capital de Porto Rico. Dias mais tarde, haveríamos de nele embarcar.

O Anoitecer Resplandecente da Plaza de La Hispanidad

Aqui e ali, subimos às ameias. Espreitamos o cenário fluvial-urbano por diante. A determinada altura, o adarve feito caminho ajusta-se à quase meia-lua da Plaza de España o de La Hispanidad.

Inauguramo-la de uma para a outra, do dia para a noite e, como acontece vezes sem conta, em Santo Domingo, perdidos entre a contemporaneidade juvenil e a realidade colombina da capital dominicana.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaEsta que foi a plaza eleita pelos moradores para celebrarem cada fim de dia das suas vidas, acolhe mais crianças patinadoras e ciclistas, outras que conduzem carrinhos a pedais, ainda adolescentes que lançam drones ou piadas geradoras de gargalhadas comunais.

E aniversariantes que se fotografam com amigas, a segurarem balões cheios dos anos que cumprem.

E o Velho Alcácer de Diego Colombo

O limite da Plaza de España o de La Hispanidad é marcado pelas muralhas aquém do Ozama e, já no seu interior, pelo Alcácer de Diego Colombo, também conhecido por Palácio Virreinal.

Diego, o filho primogénito de Cristóvão Colombo e da portuguesa Filipa Moniz Perestrelo, nasceu em Porto Santo ou em Lisboa, em 1479. Decorridos trinta anos, sucedeu a Nicolás de Ovando no cargo de governador da ilha de Hispaniola.

Desempenhou o cargo a partir da actual Santo Domingo onde mandou construir os aposentos requintados, com vista privilegiada sobre a foz do Ozama e o Mar das Caraíbas, que nos dedicamos a apreciar.

Diego Colombo, também almirante e vice-rei, viveu 15 anos no primeiro palácio fortificado das Américas, com a esposa Maria Álvarez de Toledo e os seus quatro filhos. Habitou-o até pouco antes da sua morte precoce, ocorrida, em Espanha, em 1526.

No fim do século XVIII, o alcácer majestoso que mandou erguer encontrava-se já em ruínas. Diz-se que chegou a ser usado como curral. No ano tardio de 1955, as autoridades dominicanas reconstruíram-no.

Converteram-no num museu, um dos mais procurados de Santo Domingo, até mesmo apenas por fora e após já ter encerrado.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaA sua iluminação artificial, amarelada, gera sombras bem definidas a que a amplitude da praça concede distintos comprimentos, silhuetas moldáveis que, pela noite fora, inspiram selfies e pequenas produções.

Cristovão Colombo: Descobridor das Américas, Prisioneiro e Herói de Santo Domingo

Protegia o alcácer de Diego Colombo a vizinha fortaleza Ozama, a mais antiga fortificação europeia das Américas, anos antes, lar adaptado de Cristóvão Colombo e também a prisão em que a Coroa Espanhola o manteve, fruto de sucessivas queixas contra a sua governação tirânica, corrupta, no cômputo geral, prejudicial para Espanha.

A História sempre guardou, no entanto, os seus insondáveis caprichos. Malgrado as máculas éticas e morais que lhe foram apontadas, a importância do descobrimento de Colombo prevaleceu.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaComo pudemos testemunhar, a República Dominicana celebra Colombo com empenho e amiúde.

Do cimo da fortaleza Ozama, distante, mas bem destacado acima da vegetação a leste do rio, detectamos um outro monumento comemorativo, o Farol de Colombo, com 800 metros de extensão e 36.5 de altura, a mais imponente obra de homenagem ao navegador.

Lá percorremos as salas temáticas de cada nação e cultura nativa das Américas. Lá nos surpreendemos com a pompa de mármore do túmulo em que supostamente repousam os restos mortais de Colombo.

Santo Domingo, Cidade Colonial, República DominicanaHoje, sabe-se que, após a sua morte, o descobridor terá viajado quase tanto como em vida, mas, pelo menos em parte, os seus restos continuam na catedral de Sevilha.

Dentro do vasto âmbito colonial, este tema é, aliás, um dos mais controversos.

Ao contrário do pioneirismo e antiguidade colonial de Santo Domingo, ambos inequívocos.

Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Mérida, México

A Mais Exuberante das Cidades Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Kolmanskop, Deserto do Namibe, Namíbia
Cidades
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Ilhas
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Natureza
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Mini-snorkeling
Parques Naturais
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Palmeiras de San Cristobal de La Laguna, Tenerife, Canárias
Património Mundial UNESCO
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES