Daytona Beach, Flórida, Estados Unidos

A Dita Praia Mais Famosa do Mundo


Auto-Promoção
Gaivinas Acossadas
Banhistas
A Marisqueira
O Pontão do Joe’s Crab Shack
Eat at Joe’s
Bay Watch
Caos Visual
Pouso das Gaivinas
Praia sem Trânsito
Estranha Arquitectura
A Moldura do Pontão
Pesca sentada
Estranha Arquitectura II
Repuxos Rituais
Na Onda
A Horas
Se a sua notoriedade advém sobretudo das corridas NASCAR, em Daytona Beach, encontramos uma estância balnear peculiar e um areal vasto e compacto que, em tempos, serviu para testes de velocidade automóvel.

O dia já ia longo, preenchido por um sortido de lugares e episódios destoantes que nos começavam a drenar a energia.

Tínhamo-lo começado, ainda era escuro, a acompanhar o lançamento de um foguetão Space X no Centro Espacial Kennedy. Enquanto a nave seguia a órbita programada, viajamos para noroeste, para o outro lado da Flórida.

Nas águas cristalinas do Manatee Springs Park, admiramos manatins esquivos.

Dura o que dura. Voltamos a cruzar a península, na direcção da sua costa oriental, apontados a Daytona.

No derradeiro trecho do percurso, interpõe-se o Halifax, outro dos rios que, em jeito de canal, fluem paralelos ao Atlântico, na iminência do oceano. Uma tal de W International Speedway Boulevard converte-se em ponte.

Eleva-nos. E leva-nos até à margem oposta, onde a urbanização continua a reclamar uma franja arenosa de terra.

A longa avenida esgota-se. Deixa-nos já com vista do mar, num enquadramento que uma combinação Homem-Natureza tornou artístico.

Daytona Beach: Uma Praia sem Igual

Um letreiro verde-vermelho ajustado a um arco anuncia “Daytona Beach. World’s Most Famous Beach”, destacado contra um céu carregado de nuvens encharcadas de humidade, azuladas a condizer.

A luz de poente tinge o mar de um verde-esmeralda opaco.

No plano abaixo, areia empurrada pelo vento forma manchas que cobrem as linhas amarelas e brancas adicionadas a um asfalto canela.

Fazemos da pintura fotografia. Logo, cruzamos o pórtico, ainda mais intrigados quanto ao que nos reservava a gabarolas Daytona Beach.

Uns poucos passos sobre o areal revelam-nos uma maré-cheia que a brisa estendia em forma de vagas.

À esquerda, um nadador-salvador mantinha-se refastelado sobre uma torre de observação de que se destacava uma bandeira vermelha.

Com um mar tão alongado e superficial, o salva-vidas tolerava umas poucas incursões que julgava inofensivas.

Três miúdos enfiados na água até ao joelho, entretinham-se a atirar bolas de areia a gaivinas pousadas sobre postes anfíbios.

A Longa História Automóvel de Daytona Beach

À direita, algo afastados, carros estacionados a salvo da água salgada destoavam dos cenários de até então.

Não da história e da actualidade profundamente automóvel destas paragens, ambas razões para Daytona Beach se promover como “a praia mais famosa do mundo”.

Em tempos, aficionados dos carros e da velocidade aperceberam-se de que o areal imenso e compactado a sul e a norte da actual povoação era ideal para testar modelos.

Com os testes, vieram as corridas e um magote de fãs dos desportos motorizados deleitados por as poderem assistir, à beira-mar.

De início experimentais, as corridas evoluíram para algo institucionalizado. A Daytona Beach and Road Course foi registada. Da sua legalização, surgiu a renomeada NASCAR – National Association for Stock Car Auto Racing de que Daytona se tornou o quartel-general.

A pista que percorria a praia, em particular, acolheu corridas internacionais de carros durante mais de meio século. As primeiras, geraram prejuízos financeiros de monta que fizeram a edilidade e posteriores organizadores norte-americanos jurar que não se voltariam a meter nos eventos.

Nos anos decorridos, os condutores e mecânicos bateram quinze recordes de velocidade em terra. O primeiro, de 1927, registou 340km/h. O último, de 1936, atingiu os 461.4 km/h.

A partir de 1936, a conclusão de que a Daytona Beach and Road Course era demasiado estreita para tais velocidades, causou que os organizadores passassem as tentativas de recordes para os grandes salares do Utah.

Da Pista na Praia ao Circuito NASCAR

As corridas na Daytona Beach and Road Course prosseguiram. Até 1959.

Nesse ano, as autoridades decretaram-nas demasiado prejudiciais para o meio-ambiente e para a imagem de estância balnear que procuravam promover.

Os próprios hotéis e banhistas ocupavam áreas antes desertas do areal, pelo que a organização dos eventos se tornava um pesadelo.

Ao mesmo tempo, a NASCAR sonhava com outros voos baixinhos. Lucrativa ou lá perto, reuniu investimentos num novo circuito da cidade, o Circuito Internacional de Daytona, desde pouco depois e até aos nossos dias, notório pelas corridas NASCAR.

Só as corridas que abrem a época: as 24 Horas de Daytona, em Janeiro, seguidas das Speedweeks, intercaladas com competições de motorizadas, levam à cidade para cima de 200.000 espectadores. Daytona tornou-se, sim, mundialmente famosa. Mais pelo circuito e as corridas que pela beira-mar.

Longe de, com este juízo, menosprezarmos o seu valor balnear.

A Daytona Beach em que os Carros já não Entram

Do lado esquerdo do pórtico “Daytona Beach. World’s Most Famous Beach”, mesmo se o dia pouco tinha de estival, o nadador-salvador permanecia no seu posto, diante de um aviso Traffic Free Zone que proibia a passagem de veículos motorizados.

Para norte, do seu cadeirão elevado, Daytona Beach proporcionava a praia então possível.

Durante a Primavera da Flórida, a meteorologia tropicaliza-se. Concede dias balneares perfeitos.

Se ao longo do ano, a zona abriga inúmeros norte-americanos que se refugiam do frio do Norte, com a entrada dos dias quentes de praia, junta-se-lhes uma multidão de estudantes nas suas primeiras férias do ano.

Depois, de meio de Abril em diante, e pela longa época veraneante e de furacões caribenhos adentro, este trecho da Flórida, à imagem da Florida Beach fica à pinha de banhistas e adoradores do sol.

Num estado republicano e, em certas bolsas, seriamente conservador, os trajes de banhos são controlados.

As mulheres, por exemplo, não podem fazer topless ou usar biquínis demasiado reveladores. Os populares biquínis fio-dental podem gerar multas que começam nos 500 dólares.

No extremo oposto, as próximas pessoas com que nos cruzamos a usufruírem da beira-mar são muçulmanas.

Um casal de mais idade sentado em cadeiras desdobráveis, sobre o limiar da areia seca.

Uma mulher que tira uma selfie com os pés na água e as vagas diminutas em fundo, de traje completo, incluindo um hijab.

Joe’s Crab Shack e o Pontão dos Pescadores

Observamo-los do pontão do “Joe’s Crab Shack” uma típica marisqueira americana, sinalizada por néones garridos e instalada numa arrojada mansão palafítica.

Em termos dimensionais, o Joe’s Crab Shack pode ficar aquém dos hotéis opostos e que delimitam o areal.

É o único estabelecimento que se sobrepõe ao Atlântico, dotado de um passadiço elevado que serve de poiso a uma comunidade de pescadores determinados.

Reclamamos um pedaço do reduto em que se sentam, o mais para dentro que conseguem do mar, tendo em conta que um portão gradeado veda a passagem para o verdadeiro extremo.

Dessa varanda ventosa, admiramos a da Daytona Beach em formato panorâmico.

As vagas a desenrolarem-se, quase em câmara lenta, cada vez mais longe da areia, da frente urbanizada e do calçadão que lhe percorre a base, no prolongamento do cerne histórico da povoação.

A Origem Pós-Colonial de Daytona Beach

Na sua génese do final do século XVIII, Samuel Williams, um lealista britânico, explorava uma plantação de cana-de-açúcar e citrinos denominada Orange Grove.

Williams acabara de regressar das Bahamas quando a administração ainda espanhola da província colonial reabriu a Flórida a estrangeiros.

Após a sua morte, a família Williams passou a gerir a plantação. Até que, no complicado contexto da disputa espanhola-britânica e independentista dos Estados Unidos, a plantação foi queimada e deixada sem futuro.

Passaram outros trinta e seis anos. Mathias Day Jr., um americano recém-chegado do Ohio, adquiriu o que sobrava de Orange Grove. e apressou-se a erguer o primeiro hotel da povoação.

Ditaram o destino e apuros financeiros que viesse a perder o hotel e o terreno.

Ainda assim, os vizinhos decidiram honrar o seu pioneirismo. Baptizaram a futura cidade de Daytona.

Mas regressemos aos dias que por lá passámos e ao pontão. Berros indignados dos pescadores distraem-nos da contemplação.

“Saí daí, idiota! Também tens ondas lá para a frente!”

Para seu azar, as raras vagas surfáveis quebravam logo ao lado do pontão, na zona exacta onde teriam os anzóis.

Desavisado ou pouco preocupado, um surfista mantinha-se por ali, a apanhar boa parte de uma rebentação que quase só servia para o propulsionar para a costa.

Pouco tempo depois, o culminar do entardecer afogueou o céu acima do skyline comedido de Daytona Beach.

Os néones do “Joe’s Crab Shack” conquistaram um destaque indisputado.

Ainda com uma hora e meia de estrada até Saint Augustine e à Florida Historical Coast, pusemo-nos a caminho.

 

COMO IR

Reserve e voe com TAP Air Portugal: www.flytap.com  A TAP voa, directo, de Lisboa para Miami, todos os dias.

New Orleans, Luisiana, E.U.A.

A Musa do Grande Sul Americano

New Orleans destoa dos fundos conservadores dos E.U.A. como a defensora de todos os direitos, talentos e irreverências. Em tempos francesa, para sempre afrancesada, a cidade do jazz inspira, a novos ritmos contagiantes, a fusão de etnias, culturas, estilos e sabores.
Miami, Flórida, E.U.A.

A Porta de Entrada da América Latina

Não é só a localização privilegiada, entre um oceano exuberante e o verde dos Everglades, com a vastidão caribenha logo ali a sul. É o afago tropical, o do clima e o cultural e uma modernidade urbana exemplar. Cada vez mais em castelhano, num contexto latino-americano.
Kennedy Space Center, Florida, Estados Unidos

A Rampa de Lançamento do Programa Espacial Americano

De viagem pela Flórida, desviamos da órbita programada. Apontamos ao litoral atlântico de Merrit Island e do Cabo Canaveral. Lá exploramos o Kennedy Space Center e acompanhamos um dos lançamentos com que a empresa Space X e os Estados Unidos agora almejam o Espaço.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Saint Augustine, Florida, E.U.A.

De Regresso aos Primórdios da Florida Hispânica

A disseminação de atracções turísticas de gosto questionável, torna-se superficial se tivermos em conta a profundidade histórica em questão. Estamos perante a cidade dos E.U.A. contíguos há mais tempo habitada. Desde que os exploradores espanhóis a fundaram, em 1565, que St. Augustine resiste a quase tudo.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Parque Nacional Everglades, Flórida, E.U.A.

O Grande Rio Ervado da Flórida

Quem sobrevoa o sul do 27º estado espanta-se com a vastidão verde, lisa e ensopada que contrasta com os tons oceânicos em redor. Este ecossistema de pântano-pradaria único nos EUA abriga uma fauna prolífica dominada por 200 mil dos 1.25 milhões de jacarés da Flórida.
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Vista Serra do Cume, Ilha Terceira, Açores Ímpares
Cidades
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Em Viagem
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Étnico
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
História
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Ilhas
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Natureza
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Grand Canyon, Arizona, Viagem América do Norte, Abismal, Sombras Quentes
Parques Naturais
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Património Mundial UNESCO
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Religião
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.