Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana


Pela sombra

Visitante percorre um trilho do jardim das Wynwood Walls, de igual forma decorado por murais sugestivos.

Culpado ?

Casal de visitantes de Miami prestes a passar por um Andrew Warhol(a) criminoso da autoria da canadiana Elisabetta Fantone.

Mulher mistério

Pormenor da decoração interior do "Wynwood Restaurant and Bar" da autoria de Shepard Fairey

Bem-vindo a:

O pórtico das Wynwood Walls sonhadas por Tony Goldman.

The Mr.

Grafiti de um personagem da grande cidade da Florida numa parede de Wynwood.

Entre os dedos

Visitante das Wynwood Walls faz-se fotografar como parte da obra de um dos artistas convidados por Tony Goldman para dar vida às Wynwood Walls.

Um rosto de Vhils

Um vulto empresta algum contraste à obra que Vhils mantém nas Wynwood Walls.

Face arco-íris

Rapaz espera e parece silenciar outra das obras de artistas eleitos por Tony Goldman.

Nos nossos tempos…

Dois visitantes seniores descansam e conversam debaixo de uma decoração de velhas ventoínhas.

Um certo desagrado

Outra visitante que, pela fotografia, se integra na obra soturna e surreal de Logan Hicks.

Passeio Solitário

Transeunte percorre um enorme mural de uma rua normal de Wynwood, externa a Wynwood Walls, portanto.

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.

Por fim, conseguimos estacionar num parque em altura que abandonamos à pressa estimulados pelo regresso ao afago estival. Em pleno Inverno do Hemisfério Norte, um sol suave mas generoso continuava a prendar a Florida e o bairro Wynwood que buscávamos.

As ruas de Edgewater em redor, esquadrinhadas à boa moda anglo-saxónica, exibem uma fascinante atmosfera recreativa-laboral, percorridas por executivos confortáveis em uniformes de calção-camisa a cruzarem-se com ciclistas, skaters e muitos clientes de ginásios próximos que identificamos pelas lycras, t-shirts respiráveis e ténis, tudo das melhores marcas e de última geração.

Da sua classe média para cima, há muito que não falta dinheiro a Miami. Os Bentleys, Mustangs, BMW Z3, Porsches Cayennes e afins que por ali circulam indiciam que essa prosperidade está para durar.

É daquele reduto à beira do Mar das Caraíbas e a norte da Baixa de Miami que apontamos a Wynwood, a Oeste. Com os anos, Wynwood subdividiu-se. Conta com um Art District que ocupa vários eixos e com um Fashion District concentrado ao longo da West 5th Avenue.

As Origens Humildes do Bairro Wynwood

De 1950 em diante, o bairro Wynwood foi conhecido como “El Barrio” ou “Little San Juan”. Era apenas um de tantos núcleos habitacionais gerado por imigrantes com a mesma origem geográfica e étnica que compunham Miami. Como “El Barrio”, coexistiam “Little Haiti”, “Little Havana”, “Little Jamaica”, “Little Brazil” e até “Little Moscow”, entre outros.

A nova cena porto-riquenha do “Little San Juan” antecedeu a hoje bem mais famosa “Little Havana” em quase dez anos. Após o término da 2ª Guerra Mundial, os antigos residentes anglo-saxónicos da classe média trabalhadora debandaram para bairros dos arredores onde podiam viver com melhores condições.

Os porto-riquenhos ocuparam o seu espaço mas não beneficiaram nem dos anteriores empregos em fábricas nem das vantagens colaterais. Ainda assim, aos poucos, lá proliferaram restaurantes, mercados, lojas e outros negócios dos próprios moradores.

The Mr., grafitti de Wynwood, em Miami

Grafiti de um personagem da grande cidade da Florida numa parede de Wynwood.

Com o tempo, o bairro Wynwood diversificou-se. Acolheu negros de distintas origens, cubanos, haitianos, colombianos, dominicanos. No fim dos anos 70, já não era “Little San Juan”. Nem harmonioso nem próspero. Tinha regredido para um Wynwood multiétnico de classe baixa. Metade dos seus quase 20.000 habitantes mantinham-se desempregados.

O tráfico de droga alastrou-se como uma epidemia. A insegurança e o crime minaram o bem-estar, como acontece ainda nas zonas mais desfavorecidas de Miami.

Dos anos 70 até 1987, pouco aconteceu em Wynwood digno de registo salvo que uma grande fábrica de pão que lá resistia ninguém sabia bem porquê vagou o seu edifício. Por essa altura, uma facção de um tal de South Florida Art Center deixava Coconut Grove devido ao aumento das rendas.

O Edifício de Arte Pioneiro

Alguns dos seus artistas formaram uma organização não lucrativa e compraram-no. Em 1987, inauguraram-no para os novos fins. Baptizado de Bakehouse, tinha quase 9.000 m2. Era o maior espaço de trabalho artístico da Flórida. Hoje, o Bakehouse Art Complex mantem-se operacional na mesma antiga fábrica que fermentou o incrível movimento criativo que se viria a formar.

De tanto andar, damos com o contraste absoluto dos anos 70 e 80 deprimidos do bairro Wynwood. Em pleno Miami Design District, o Palm Court foi erguido com a leveza e subtileza de acrílico azulado que combina com o verde de cinquenta palmeiras de distintas espécies.

A agência de comunicação do espaço comunica, orgulhosa, que entre elas “se incluem a Coccothrinax spinosa e a Heterospathe elata em redor de uma catedral geodésica icónica da autoria de um arquitecto e inventor de renome, Buckminster Fuller.”

Ofuscados por tanta pompa, uma coisa temos como certa: à parte das palmeiras de tronco fino e folhagem elegante, aquela praça interior agrupava obras de arte, instalações e, claro está, algumas das lojas mais dispendiosas do Planeta. Deixamo-la apenas e só com memórias visuais e fotográficas.

Wynwood Walls: o Fulcro Creativo do Distrito

Quando percorremos uma rua no exterior, dirigidos ao âmago de grafiti de Wynwood, temos a certeza praticamente absoluta que é o ex-futebolista italiano Gianluca Vialli quem está sentado a ler um catálogo no interior de um atelier de mobiliário. Prosseguimos com essa convicção.

Estúdio atrás de estúdio, antro hipster após antro hipster, chegamos ao pórtico das Wynwood Walls e ao ponto mais popular do bairro Wynwood. Passado o estímulo inicial da Bakehouse, foram os sprays de artistas de rua ansiosos por exibir o seu talento que mais cor emprestaram ao bairro.

Wynwood Walls em Wynwood, Miami, Estados Unidos da América

O pórtico das Wynwood Walls sonhadas por Tony Goldman.

Durante décadas, ilegal e até perseguida, a sua acção acabou sacralizada. As Wynwood Walls são o templo que milhares de seguidores da arte visitam, uns vindos das imediações, outros, como nós, do outro lado do oceano e do Mundo.

Miami parece reconhecer o papel determinante de um homem em particular na transformação do bairro Wynwood da noite para o dia. Tony Goldman era um investidor imobiliário multimilionário que já tinha estado por detrás da recuperação do SoHo e da South Beach de Miami.

Obra instalada nas Walls de Wynwood, Miami, Estados Unidos da América

Rapaz espera e parece silenciar outra das obras de artistas eleitos por Tony Goldman.

Tony Goldman: o Mentor e Investidor do Wynwood

Ora, no que dizia respeito a bairros, Goldman sempre teve o condão de ver ouro onde os outros só achavam lixo. Com Wynwood, a história repetiu-se. O investidor e dois dos seus filhos começaram a comprar partes do distrito de armazéns de Wynwood.

Em vez de arrasarem as velhas estruturas, deram-lhes nova vida com recuperações sábias das propriedades e, em simultâneo, em arte que as valorizasse. Em 2009, abriram uma galeria ao ar livre que permitiu aos grafiters e outros artistas exibir as suas pinturas em murais.

Fizeram coincidir a inauguração desta galeria, a Wynwood Walls, com a reputada Art Basel de Miami. Essa opção granjeou à nova galeria uma enorme projecção mediática.

Mural de Wynwood, Miami, Estados Unidos da América

Transeunte percorre um enorme mural de uma rua normal do bairro Wynwood, externa a Wynwood Walls,

A Determinação Urbanizadora de Tony Goldman

Entusiasmado, Tony Goldman projectou muito mais para o seu bairro então predilecto de Miami. A seu ver, todo Wynwood devia ser promovido a uma exibição de arte urbana de rua. A realidade excedeu as expectativas até no plano imobiliário. De cemitério de armazéns e fábricas abandonadas, Wynwood tem, hoje, dos metros quadrados mais valiosos da Flórida.

Tudo começou, todavia, ao ar livre, nas Walls. Com o sol quase a deixar de incidir no seu pórtico nominativo, apressámo-nos a lá entrar.

Um caminho de lajes conduz-nos por um relvado de brilho sintético, entre os sucessivos murais garridos, imaginativos, quase sempre surreais que compõem a galeria.

Antes de falecer em 2012, com 68 anos, o mentor das Walls agrupou nomes conceituados ou, pelo menos, promissores do panorama mundial da arte urbana: a japonesa Aiko, o chileno Inti, Avaf, P.H.A.S.E. 2, os brasileiros Gémeos, uma armada de nova-iorquinos, sobretudo de Brooklyn, e o português Alexandre Farto, mais conhecido como Vhils, mas tantos outros.

Obras para Todos os Gostos, incluindo de Vhils

Entre as Walls, longe de intelectualóide, o ambiente é de diversão domingueira. Grupos de amigos, famílias e namorados começam por contemplar os grafitis e pinturas destes artistas de rua com alguma ponderação e debate intelectual. Essa abordagem dura o que dura. Num ápice, é substituída pelas incontáveis selfies ou fotos de grupo tiradas com as obras em fundo.

Bem menos policromática e excêntrica que as restantes, a obra de Vhils pode ser menos observada, mas parece merecer um interesse mais curioso de quem a confronta. Fiel à sua linha, em vez de apenas grafitar ou pintar – como acontece com boa parte dos autores das obras em redor – Vhils, pinta o seu mural.

Obra de Vhils em Wynwood, Miami, Estados Unidos da América

Um vulto empresta algum contraste à obra que Vhils mantem nas Wynwood Walls.

Depois, escava-o, branqueia-o com ácidos, perfura-o com pequenos martelos pneumáticos. Trabalha os pormenores com martelo, cinzéis e afins, de distintas dimensões. E tal como o próprio Vhils sintetiza no seu perfil da galeria: “valoriza pessoas comuns em ícones, muitas das suas imagens são baseadas em fotos de pessoas que tira de revistas, do trabalho de Sebastião Salgado, ou da sua própria câmera.”

Outras obras, patentes nos murais, portas e jardins das Wynwood Walls, suscitam-nos distintas sensações. O mural panorâmico de Logan Hicks transporta-nos para uma frieza urbana digna de um Blade Runner contemporâneo, ou de uma qualquer misteriosa pré-alvorada de Brooklyn. As pretensas mentes das “crianças trabalhadoras” do chileno Inti, parecem penetrar nas de quem nelas fixa o olhar.

Até os próprios bares e restaurantes que servem as Walls – com destaque para o Wynwood Restaurant and Bar – são decorados por obras de uma inacreditável criatividade. O logotipo e as paredes interiores deste pouso sempre à pinha são da autoria de Shepard Fairey, eternizado pelo seu poster azul-avermelhado “Hope” que exibe a face de Barak Obama.

As Ruas Esquadrinhadas e Grafitadas em Redor

Deixamos o interior muralhado das Wynwood Walls, por uma espécie de túnel pintado de verde, dotado de uma composição de velhas ventoinhas de parede e de um longo banco de madeira. Nele, por baixo das ventoinhas, repousam e tagarelam dois velhotes de bonés que tanta modernice parece ter deixado extenuados.

Saímos para a NW 26th Street e cedemos, de imediato, prioridade a um grupo de skaters mais hip que o próprio bairro. Atravessamos a rua. Do lado de lá, esbarramos com um mural da multifacetada (actriz, pintora, modelo, autora) canadiana Elisabetta Fantone.

Nele, Andy Warhol surge enquanto Andrew Warhola, um prisioneiro por crimes contra a arte. De uniforme laranja, Warhol vê-se obrigado a segurar uma placa da sua infracção que descreve isto mesmo. Divertimo-nos a fotografar aquela que era uma das mais atrevidas paredes do bairro.

Andrew Warhol(a) criminoso da autoria de Elisabetta Fantone, Wynwood, Miami, Estados Unidos da América

Casal de visitantes de Miami prestes a passar por um Andrew Warhol(a) criminoso da autoria da canadiana Elisabetta Fantone.

Davel e o Privilégio de Morar em Wynwood

E a adicionarmo-nos à composição das formas o mais cómicas possível. Então, um grafiter que coloria a parede contígua, aproveita o pretexto e mete conversa. Apesar do ar de miúdo de bicicleta BMX, Davel já tinha os seus trinta e tal anos. Ficamos à fala uns bons vinte minutos.

Foi mais que suficiente para percebermos o quanto tinha beneficiado do boom de Wynwood mas, ao mesmo tempo, para ele contribuído. “Vivo nesta zona desde pouco depois de que nasci. Antes, andar nestas mesmas ruas, à noite, era uma aventura.

Davel grafiter nativo de Miami, Wynwood, Estados Unidos da América

Davel, um artista-grafiter nativo de Wynwood que assistiu à boa parte da transformação do bairro.

Agora, é um dos bairros mais caros de Miami. É incrível o poder que arte pode ter, não é? E, por falar nisso, que tal a minha obra? Gostam?” Afastamo-nos para a podermos interpretar e gabamos-lhe a excentricidade garrida da sua completamente louca abstração.

Trocamos contactos. Prometemos ainda que espreitaríamos mais do seu talento online. O ocaso já obscurecia a arte de Wynwood e o dia em geral. Estava na hora de recorrermos ao acolhimento festivo dos bares no interior das Walls.

 

ESTE ARTIGO FOI CRIADO COM O APOIO DA TAP – flytap.pt   

A TAP tem voos diários de Lisboa para Miami, com partida às 10:50 e chegada a Miami às 15:15

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Overseas Highway, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Gentlemen Club & Steakhouse
Arquitectura & Design

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Tribal
Cultura

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Um outro templo
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
História
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Chocolate hills
Ilhas

Bohol, Filipinas

Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km2 de oceano Pacífico. No grupo Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e colinas extraterrenas a que chamaram Chocolate Mountains

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Parques Naturais
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Uma Busca solitária
Património Mundial UNESCO

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Em louvor do vulcão
Religião

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Cavaleiros cruzam a Ponte do Carmo, Pirenópolis, Goiás, Brasil
Sociedade
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.