Caribe profundo
Vista do promontório em que se instalou a guest-house Casa Iguana.
Alvorada nas Caraíbas
Nativos remam em direcção a uma doca de Bluefields.
Vista suprema
Cenário de floresta e mar das Caraíbas visto a partir do ponto mais alto da Little Corn.
Mergulhos de ferrugem
Nativos da Big Corn Island mergulham do cimo de um barco encalhado ao largo da Brig Bay.
Visual caribenho
Coqueiro destacado acima do mar das Caraíbas.
Partida
Morador de Bluefields - na costa nicaraguense - observa um barco afastar-se em direcção às Corn Islands.
Hit
Nativo da Big Corn treina baseball sobre a relva do principal estádio da ilha. O baseball é o principal desporto da Nicarágua.
Arte balnear
Pequena instalação com búzios abandonada num areal imaculado da Little Corn island.
Snorkeling
Visitantes da Little Corn island exploram o fundo do mar coralífero ao largo da ilha.
Erva Little Corn
Prado tropical do interior da Little Corn Island.
Lado da Bonança
A baía que acolhe a única povoação da Little Corn Island.
Arte balnear
Casal passa por uma construção de troncos no litoral idílico da Little Corn.
Recoleção Tropical
Morador apanha cocos numa praia tranquila da Little Corn Island.
Vólei crioulo
Nativos jogam vólei, numa partida que teve como prémio gelados em sacos de plástico.
Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Apanhar um autocarro num terminal de Manágua não é experiência em que se embarque de ânimo leve.

A cidade respira uma atmosfera de hostilidade latente. As grades que contêm lojas, as habitações e os seguranças armados de caçadeiras de canos cerrados intimidam.

A nossa passagem pela capital confirmou-se, assim, apressada como a tínhamos previsto. Seguiu-se uma travessia tão desconfortável quanto enigmática do interior do país, por estradas de terra enlameada, rios escondidos pela selva e pela neblina.

Chegamos a Bluefields, já na costa Atlântica, ao fim do dia. Com tempo para sentirmos, nas ruas e num ou outro bar, o seu pulsar caribenho garifuna e reggae, pesado e arrítmico devido ao tráfego de cocaína “white lobster” que há muito agarrou a povoação.

Bluefield, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Morador de Bluefields – na costa nicaraguense – observa um barco afastar-se em direcção às Corn Islands.

A Chegada Domingueira e Matinal à Big Corn Island

Na manhã seguinte, bem cedo, sobrevoamos 60 km do Mar das Caraíbas e as duas Corn Islands, antes de aterrarmos na maior, a Big Corn.

Instalamo-nos na Casa Blanca, uma pequena guest house familiar a funcionar numa vivenda verde e amarela de madeira, envelhecida, gasta como quase todas em redor.

Sem tempo a perder, refrescamo-nos no mar cristalino da praia em frente. Logo, saímos à descoberta, em duas velhas pasteleiras alugadas.

snorkeling, corn islands, puro caribe, nicaragua

Visitantes da Little Corn island exploram o fundo do mar coralífero ao largo da ilha.

Os trilhos passam junto a grupos espaçados de habitações espartanas que as tempestades tropicais e os ciclones sacodem com frequência. Como o fez, em 1988, o Joan que derrubou a maior parte dos coqueiros e a produção vital de copra da ilha, deixando-a dependente da pesca e de um turismo irrisório.

É Domingo. Cruzamo-nos com famílias pitorescas trajadas a rigor, a caminho das suas igrejas preferidas. Como noutras partes da Nicarágua e do Caribe, a religião sustenta a comunidade. ao mesmo tempo, divide-a entre as várias ramificações que se foram instalando.

Pela multidão que se dirige ao seu templo, a adventista parece ter conquistado a maior parte dos fiéis. Mesmo menos frequentadas, as anglicanas e as baptistas, capricham nas suas cerimónias, aqui e ali, realizadas à laia de musical gospel.

Os nativos que não aderiram a nenhuma das fés, ficam-se pelos domicílios e pequenos jardins contíguos. Deixam-se embalar pelos ritmos caribenhos que chegam em onda curta do outro lado do mar.

Barco Ferrugento, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Nativos da Big Corn Island mergulham do cimo de um barco encalhado ao largo da Brig Bay.

Enquanto isso, verificam a longa cozedura de mais um almoço de arroz e feijão, quem sabe enriquecido por algum peixe frito.

A História e Aventura Étnica das Corn Islands/Islas del Maiz

A população de quase sete mil habitantes das Corn Islands / Islas del Maiz era predominantemente crioula. Formada por uma mescla sanguínea dos indígenas com escravos africanos trazidos de outras paragens das Caraíbas, como a Jamaica.

Os ingleses colonizaram as Corn Island até 1894.

Nos últimos tempos, o panorama étnico das Corn Islands complexificou-se. As ilhas atraíram nicaraguenses hispânicos vindos do continente e miskitos (da Costa dos Mosquitos), ambos responsáveis por o castelhano estar prestes a ultrapassar o inglês crioulo como língua mais falada.

Os miskitos provaram-se eles próprios, uma improvável combinação genética. Atestam vários historiadores que gerada pela displicência marítima de um português.

Baseball, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Nativo da Big Corn treina baseball sobre a relva do principal estádio da ilha. O baseball é o principal desporto da Nicarágua.

A Revolta no Navio de Lourenço Gramalxo que Africanizou a Costa dos Mosquitos

Lourenço Gramalxo era um capitão de um barco negreiro que transportava escravos da Ilha de Samba, ao largo do Senegal, com o Brasil como provável destino. Durante a viagem transatlântica, os escravos apoderaram-se do seu navio.

Sem qualquer conhecimentos de navegação, não evitaram que naufragasse na zona dos Cayos Miskitos. Numa primeira fase, foram aprisionados. Mais tarde, adoptados pelo povo Tawira que aceitou uniões dos africanos com mulheres da sua tribo e os seus filhos como membros livres.

Apreciamos a intrusão dos hispânicos e dos nativos miskitos nas Corn Islands nos bares da avenida principal e da praia Pic-nic Center. Ali, o reggae e o calypso e as cervejas nacionais, a Toña e a Vitória animam o ambiente e puxam pelas conversas fáceis dos latino-americanos.

Troncos, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Casal passa por uma construção de troncos no litoral idílico da Little Corn.

Prendados pela bonança meteorológica, os dias sucedem-se, gloriosos, sob um céu sempre azulão, afagados por uma brisa que suaviza o calor tropical.

Umas poucas nuvens aventuram-se junto ao pôr-do-sol.

A chuva que irriga a vegetação tropical da ilha cai apenas de noite, em bátegas fulminantes que limpam a atmosfera matinal iminente.

Baia coqueiro, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Coqueiro destacado acima do mar das Caraíbas.

Tempo de Navegar da Big Corn para Little Corn Island

Após três dias de Big Corn Island, mudamo-nos de lancha para a irmã miniatura, a Little Corn island. A Pequeña Isla del Maíz, como preferem tratá-la os nicaraguenses continentais.

Depressa compreendemos que é bem mais que a dimensão aquilo que distingue a Big da Little Corn. A primeira abriga a alma cultural e a sede laboral do arquipélago.

Já a Little permanece à margem dos acontecimentos, num retiro tropical que só os seus seiscentos habitantes e umas dezenas de visitantes por dia, em época alta, têm o privilégio de usufruir.

Pouco depois de nos instalarmos, tomamos o trilho que contorna a ilha. Descobrimos as variantes do seu litoral, levemente urbanizado na costa oeste, a protegida do vento e da rebentação.

Baia Oeste, Corn islands, puro caribe, nicaragua

A baía que acolhe a única povoação da Little Corn Island.

Selvagem de um modo quase divinal na oposta, onde o mar é quebrado por uma extensão da segunda maior barreira de coral do mundo. Ali, assume um estranho padrão listado de azuis e verdes que se estende ao areal branco e quase toca a linha de coqueiros que lhe faz sombra.

Ao longo desse trilho e de outros que dele ramificam, cruzamo-nos com nativos. Saudamo-los com um convencional “Hi” ou “Hello”. Mas, digamos o que dissermos, o cumprimento que deles obtemos é sempre “OK”.

Ao fim de algum tempo sem percebermos a lógica, confirmamos com um dos transeuntes a explicação para o fenómeno a que tínhamos entretanto chegado. A ilha é tão pequena e tem tão poucos trilhos que os seus 600 habitantes acabam por neles se cruzar várias vezes ao dia.

De maneira a evitarem o desconforto e a chatice das constantes repetições de saudações, simplificaram as abordagens até ao extremo de omitirem a pergunta e trocarem apenas a mais básica das respostas, “OK”.

O Panorama Perfeito a Partir da Casa Iguana

Um declive acentuado leva-nos à propriedade da Casa Iguana, uma guest house de impacto ecológico quase nulo que se instalou junto a uma saliência elevada na costa e tem a melhor vista da ilha.

Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Vista do promontório em que se instalou a guest-house Casa Iguana.

“É algo realmente especial, não é?” pergunta-nos Jeff, uma espécie de sócio-capataz do lugar que se mudou do Canada vasto e frígido para usufruir, por uns tempos, da beleza e do calor aconchegantes daquele cenário.

“Até tenho arrepios quando aqui volto.”, confessa-nos. E continua a contemplar a floresta verdejante do interior, a linha curva de costa delineada pelo areal e o Caribe azulado que o encontra.

O sol precipita-se sobre o horizonte. Sem qualquer fonte de iluminação, preocupamo-nos em regressar à costa oeste antes que o escuro nos escondesse os caminhos.

Prado, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Prado tropical do interior da Little Corn Island.

Seguimos por um atalho assinalado no croqui “oficial” da ilha. Numa zona quase cimeira da ilha, deparamo-nos com um enigmático prado amarelado.

Vóleibol de Praia e Água de Coco Fresca

Já na povoação, paramos para assistirmos ao final de um torneio caseiro de voleibol sobre a areia. Disputam-no adolescentes e homens aguerridos.

Volei, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Nativos jogam vólei, numa partida que teve como prémio gelados em sacos de plástico.

Entre manchetes e remates esforçados gritam, discutem e praguejam tanto em castelhano como no inglês apiratado, quase incompreensível da ilha.

Quinhentos metros ao lado, num bar minimal à beira-mar plantado, um grupo de visitantes escandinavos delicia-se a beber águas de cocos.

Coqueiro, Corn islands, puro caribe, nicaragua

Morador apanha cocos numa praia tranquila da Little Corn Island.

Esteban, o dono hispânico, barman residente colhe-os de um coqueiro do seu quintal com a ajuda meticulosa de um machete e da esposa. Juntamo-nos ao convívio.

Nós, admiramos a simplicidade do seu negócio. Comparamo-lo com o frenesim do dia-a-dia europeu e elogiamos a vida pachorrenta daquelas quase desconhecidas Caraíbas.

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
São Tomé, cidade, São Tomé e Príncipe, ruela do Forte
Cidades
São Tomé (cidade), São Tomé e Príncipe

A Capital dos Trópicos Santomenses

Fundada pelos portugueses, em 1485, São Tomé prosperou séculos a fio, como a cidade porque passavam as mercadorias de entrada e de saída na ilha homónima. A independência do arquipélago confirmou-a a capital atarefada que calcorreamos, sempre a suar.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Retorno na mesma moeda
Étnico
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
História
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Praia do Penedo, Ilha de Porto Santo, Portugal
Ilhas
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Natureza
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Parques Naturais
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Património Mundial UNESCO
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Cortejo garrido
Religião
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES