Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras


Fã aborígene
Um adepto aborígene da equipa de Collingwood (Magpies) segue as emoções da partida. Existem vários jogadores aborígenes ao serviço de distintas equipas australianas de AFL.
Collingwood em campo
Jogadores de Collingwood entram em campo para o início da longa partida de AFL.
Entrada no MCG
As equipas adversárias de Essendon e de Collingwood entram na arena gigantesca do Melbourne Cricket Ground.
Disputa acesa
Jogadores de Essendon e de Collingwood disputam uma bola perdida.
Em Pleno ar
Jogadores de Essendon e de Collingwood saltam para conquistar uma bola aérea.
Disputa aérea
Adversários preparam-se para tentar capturar uma bola lançada ao ar pelo árbitro da partida.
Bola em fuga
Jogadores disputam uma bola perdida no chão.
Fãs
Fans de Essendon apoiam a entrada da sua equipa.
De volta ao relvado
Espectador devolve uma bola pontapeada para a bancada do estádio MCG.
Juntos na vitória
Jogadores de Essendon regressam aos balneários após a vitória contra Collingwood.
Para a frente
Jogador de Collingwood pontapeia a bola para a frente de ataque da sua equipa.
No Escuro
Um momento de escuridão no estádio MCG (Melbourne Cricket Ground) de Melbourne, um dos maiores da Austrália, originalmente erguido para acolher partidas de criquete mas que passou a ser usado também para jogos de AFL
O futebol Australiano
Jogadores disputam um lance junto aos quatro postes que concedem pontos no recém-criado futebol AFL.
Marcadores
Quadro electrónico informa os melhores marcadores.
O Grande MCG
Panorâmica do enorme MCG, o Melbourne Cricket Ground.
Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Por algum tempo, a vida correu de feição a Tim Reynolds. A mudança da Nova Zelândia para o estado de Victoria foi mais suave do que pensava. E, num ápice, o recém-chegado encontrou emprego, formou família e começou a adaptar-se aos modos australianos.

Mas Tim nunca se conseguiu livrar da sua postura pomposa e demasiado institucional. As frases sempre lhe saíram demasiado pausadas e altivas e as suas expressões de espontaneidade surgiam com meses de intervalo,  vislumbres de uma juventude corrompida e há muito perdida.

Uma das consequências inevitáveis foi o divórcio e a ruptura total do lar que há muito ameaçava desabar. Nick, o seu  filho mais novo, decidira ficar com ele e não com a mãe. Mas a escolha, interesseira, depressa confirmou um total desprezo do descendente. E uma indiferença assumida que só aprofundava a mágoa e o vazio do pai.

É assim que o conhecemos. Desesperado e à procura de uma nova existência. As viagens tinham-se provado uma fuga deliciosa, mas o seu emprego bem remunerado – 1500 dólares australianos por semana como guarda no tribunal de Melbourne – proibiam evasões longas.

O Acolhimento Generoso de Tim Reynolds

Não podendo ir à montanha, Tim teve que atrair a montanha a si. E a solução a que chegou foi tornar-se anfitrião de estrangeiros de visita ao sul da Austrália, algo que depressa tornou numa obsessão, ao ponto de assumir online o desejo de acolher pessoas de todo o mundo.

Além de contar aos convidados peripécias dos seus desvarios pelo planeta, Tim apreciava desbobinar um requintado conhecimento enciclopédico. Ciente que chegamos de um país adepto do desporto rei, não resiste a relatar velhos feitos de Eusébio e ganha-nos 10 dólares numa aposta sobre o número de títulos mundiais do Uruguai.

Depois, passa a vangloriar as qualidades superiores do râguebi e, para nossa absoluta surpresa, de um desporto desconhecido de que se tornou adepto incondicional após ter chegado da Nova Zelândia, o Futebol Australiano.

As transmissões dos desafios do downunder destas modalidades ajudavam-no a passar o tempo, principalmente enquanto os viajantes que recebia se ausentavam para descobrir Melbourne e a sumptuosidade natural da Great Ocean Road.

Essendon vs Collingwood. Derbi no gigantesco Melbourne Cricket Ground

De vez em quando, Tim fazia ainda questão de assistir a um jogo sentado no estádio. A nossa curiosidade pela modalidade, de que nem sequer tínhamos ouvido falar, surgiu como o pretexto que lhe faltava para o repetir.

“Despachem-se, não quero perder o princípio do jogo, alerta enquanto devoramos as últimas batatas fritas na pequena casa de fish & chips de Caulfield.” Contagiados pela sua excitação contida, começamos a sentir algum frenesim.

Entrada em campo, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaAs equipas adversárias de Essendon e de Collingwood entram na arena gigantesca do Melbourne Cricket Ground.

Fazemos o caminho de carro dos arredores longínquos até ao centro de Melbourne e chegamos ao estádio atrasados. Compramos os bilhetes, entramos e sentamo-nos ainda entusiasmados, com o jogo já a decorrer.

Mas a euforia depressa se desvanece à medida que as equipas de Collingwood e Essendon disputam o pequeno esferóide esticado, ínfimo na imensidão do Etihad Stadium. Confirmamos a suspeita de que, para qualquer fanático do desporto-rei, também aquele jogo excêntrico se prova demasiado depressa soporífero.

Publico, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia

Panorâmica do enorme MCG, o Melbourne Cricket Ground.

A Inesperada Complexidade do Futebol Australiano

Contamos 36 jogadores em campo, mais uma série de árbitros. Como se não chegasse, o relvado oval – que parece maior que alguns países – é invadido a toda a hora por intervenientes secundários das equipas com funções para nós enigmáticas e revela-se palco de um caos que as frequentes substituições e interrupções reforçam.

Custa-nos também a apreciar a frequência com que a bola é pontapeada – ou, pior, projectada por punhos fechados – pelos ares ou rebatida contra o chão para depois ser disputada por adversários que saltam de braços esticados para o céu.

Jogador Collingwood, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogador de Collingwood pontapeia a bola para a frente de ataque da sua equipa.

Estes pretensos defeitos são, no entanto, qualidades únicas para os fãs incorruptíveis do estado de Victoria e de outras paragens australianas.  Num dia de Grand Final da AFL (Australian Football League), o maior estádio do país, o MCG – Melbourne Cricket Ground – sofre uma adaptação à modalidade rival e pode acolher quase cem mil adeptos.

De acordo, em 2008, a média de assistência do campeonato rondou os 39.000 espectadores, num total anual de sete milhões distribuídos por cento e setenta e seis partidas.

A Popularidade Crescente do recém-nascido Futebol Australiano

Apesar destes números convincentes, o futebol australiano é ainda um tema polémico entre os australianos. O desporto impôs-se em Melbourne (onde nasceu) e restante sul habitado da Austrália. Ganha terreno nos outros estados em que a associação nacional tem vindo a injectar dinheiro para o tornar num verdadeiro fenómeno nacional.

Mas a sua popularidade cada vez mais comercial esbarra na do râguebi e do cricket. Apesar de os registos oficiais contarem 130.000 jogadores adultos e cerca de 2.600 equipas, até agora, o footy só convenceu cerca de metade da população da grande ilha.

Curiosamente, muitos aborígenes são fãs inveterados para o que contribuiu o facto de algumas das suas comunidades terem praticantes famosos em vários clubes.

Apoiante, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaUm adepto aborígene da equipa de Collingwood (Magpies) segue as emoções da partida. Existem vários jogadores aborígenes ao serviço de distintas equipas australianas de AFL.

Fora da Austrália, são alegadamente 30 os países que o praticam, com maior significado nas vizinhas Papua Nova Guiné e Nova Zelândia mas também na África do Sul, nos Estados Unidos e até um pouco na Europa.

As Inúmeras Variantes do Futebol Australiano

Ao mesmo tempo, o Rules deu origem a uma série de modalidades adaptadas com regras que permitem distintos contactos físicos. Foram os casos do Kick-to-Kick, End-to-End Footy, Markers Up, do AusKick, do Rec Footy, do 9-a-Side Footy e do Masters Australian Footy.

Disputa no ar, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogadores de Essendon e de Collingwood saltam para conquistar uma bola aérea.

Quando confrontados com a ausência de campos dedicados, jogadores australianos a viver no estrangeiro criaram as versões locais possíveis. Foram os casos do Metro Footy e do Samoa Rules.

Em 1956, o Rules foi praticado como desporto de exibição nos Jogos Olímpicos de Verão de Melbourne. Mais tarde, a partir de 1967, tiveram lugar várias partidas entre clubes australianos e gaélicos (principalmente irlandeses).

Em 1998, concretizaram-se as Internacional Rules Series, uma competição entre as duas selecções respectivas que seria suspensa, em 2007, devido à violência desmedida da equipa australiana no ano anterior.

O exagero dos ozzies obrigou até a que as leis de jogo fossem alteradas para salvaguardar o jogador portador da bola. No ano seguinte, essa protecção pareceu assegurada e a prova minimal foi retomada na Austrália.

Correria, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia

Jogadores disputam uma bola perdida no chão.

Tim é apenas um dos muitos adeptos mais recentes mas defende o “Rules” com a força de uma multidão: “Vocês europeus são eternos viciados nesse desporto de bárbaros …” alfineta sem nunca perder a compostura. “Aqui, estamos sempre em evolução.”

Os Registos Possíveis do Derbi de Melbourne

Acabamos por o confirmar quando somos vítimas do marketing de que se envolveu a modalidade. À entrada no estádio, seguranças displicentes tinham-nos deixado passar com as máquinas fotográficas e lentes profissionais. Mas, registávamos já o jogo há meia-hora quando um steward vindo do nada nos proíbe de fotografar por restricções comerciais da equipa da casa.

Claque, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaFans de Essendon apoiam a entrada da sua equipa.

Tim faz-nos a vontade e refugiamo-nos da supervisão nuns confins isolados do terceiro anel. Dali, roubamos algumas imagens extra mas distanciamo-nos ainda mais da acção e na curta relação com o desporto.

Após o apito final, os Bombers de Essendon levam a melhor sobre os Magpies (pegas) listados de Collingwood. O anfitrião regressa a casa animado e nós com a curiosidade satisfeita mas pouco convencidos.

Essendon, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogadores de Essendon regressam aos balneários após a vitória contra Collingwood.

Os australianos criaram o Rules e atrevem-se a chamar futebol a um desporto em que, quase um século depois, todos os praticantes continuam a jogar também com as mãos. Para qualquer fã do futebol a sério, o castigo é óbvio: eles que o joguem.

Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

A Crucificação em Helsínquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Em Viagem
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Ilhas
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Natureza
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Parques Naturais
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Património Mundial UNESCO
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Insólito Balnear
Praias

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Cortejo garrido
Religião
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.