Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras


Fã aborígene
Um adepto aborígene da equipa de Collingwood (Magpies) segue as emoções da partida. Existem vários jogadores aborígenes ao serviço de distintas equipas australianas de AFL.
Collingwood em campo
Jogadores de Collingwood entram em campo para o início da longa partida de AFL.
Entrada no MCG
As equipas adversárias de Essendon e de Collingwood entram na arena gigantesca do Melbourne Cricket Ground.
Disputa acesa
Jogadores de Essendon e de Collingwood disputam uma bola perdida.
Em Pleno ar
Jogadores de Essendon e de Collingwood saltam para conquistar uma bola aérea.
Disputa aérea
Adversários preparam-se para tentar capturar uma bola lançada ao ar pelo árbitro da partida.
Bola em fuga
Jogadores disputam uma bola perdida no chão.
Fãs
Fans de Essendon apoiam a entrada da sua equipa.
De volta ao relvado
Espectador devolve uma bola pontapeada para a bancada do estádio MCG.
Juntos na vitória
Jogadores de Essendon regressam aos balneários após a vitória contra Collingwood.
Para a frente
Jogador de Collingwood pontapeia a bola para a frente de ataque da sua equipa.
No Escuro
Um momento de escuridão no estádio MCG (Melbourne Cricket Ground) de Melbourne, um dos maiores da Austrália, originalmente erguido para acolher partidas de criquete mas que passou a ser usado também para jogos de AFL
O futebol Australiano
Jogadores disputam um lance junto aos quatro postes que concedem pontos no recém-criado futebol AFL.
Marcadores
Quadro electrónico informa os melhores marcadores.
O Grande MCG
Panorâmica do enorme MCG, o Melbourne Cricket Ground.
Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Por algum tempo, a vida correu de feição a Tim Reynolds. A mudança da Nova Zelândia para o estado de Victoria foi mais suave do que pensava. E, num ápice, o recém-chegado encontrou emprego, formou família e começou a adaptar-se aos modos australianos.

Mas Tim nunca se conseguiu livrar da sua postura pomposa e demasiado institucional. As frases sempre lhe saíram demasiado pausadas e altivas e as suas expressões de espontaneidade surgiam com meses de intervalo,  vislumbres de uma juventude corrompida e há muito perdida.

Uma das consequências inevitáveis foi o divórcio e a ruptura total do lar que há muito ameaçava desabar. Nick, o seu  filho mais novo, decidira ficar com ele e não com a mãe. Mas a escolha, interesseira, depressa confirmou um total desprezo do descendente. E uma indiferença assumida que só aprofundava a mágoa e o vazio do pai.

É assim que o conhecemos. Desesperado e à procura de uma nova existência. As viagens tinham-se provado uma fuga deliciosa, mas o seu emprego bem remunerado – 1500 dólares australianos por semana como guarda no tribunal de Melbourne – proibiam evasões longas.

O Acolhimento Generoso de Tim Reynolds

Não podendo ir à montanha, Tim teve que atrair a montanha a si. E a solução a que chegou foi tornar-se anfitrião de estrangeiros de visita ao sul da Austrália, algo que depressa tornou numa obsessão, ao ponto de assumir online o desejo de acolher pessoas de todo o mundo.

Além de contar aos convidados peripécias dos seus desvarios pelo planeta, Tim apreciava desbobinar um requintado conhecimento enciclopédico. Ciente que chegamos de um país adepto do desporto rei, não resiste a relatar velhos feitos de Eusébio e ganha-nos 10 dólares numa aposta sobre o número de títulos mundiais do Uruguai.

Depois, passa a vangloriar as qualidades superiores do râguebi e, para nossa absoluta surpresa, de um desporto desconhecido de que se tornou adepto incondicional após ter chegado da Nova Zelândia, o Futebol Australiano.

As transmissões dos desafios do downunder destas modalidades ajudavam-no a passar o tempo, principalmente enquanto os viajantes que recebia se ausentavam para descobrir Melbourne e a sumptuosidade natural da Great Ocean Road.

Essendon vs Collingwood. Derbi no gigantesco Melbourne Cricket Ground

De vez em quando, Tim fazia ainda questão de assistir a um jogo sentado no estádio. A nossa curiosidade pela modalidade, de que nem sequer tínhamos ouvido falar, surgiu como o pretexto que lhe faltava para o repetir.

“Despachem-se, não quero perder o princípio do jogo, alerta enquanto devoramos as últimas batatas fritas na pequena casa de fish & chips de Caulfield.” Contagiados pela sua excitação contida, começamos a sentir algum frenesim.

Entrada em campo, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaAs equipas adversárias de Essendon e de Collingwood entram na arena gigantesca do Melbourne Cricket Ground.

Fazemos o caminho de carro dos arredores longínquos até ao centro de Melbourne e chegamos ao estádio atrasados. Compramos os bilhetes, entramos e sentamo-nos ainda entusiasmados, com o jogo já a decorrer.

Mas a euforia depressa se desvanece à medida que as equipas de Collingwood e Essendon disputam o pequeno esferóide esticado, ínfimo na imensidão do Etihad Stadium. Confirmamos a suspeita de que, para qualquer fanático do desporto-rei, também aquele jogo excêntrico se prova demasiado depressa soporífero.

Publico, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia

Panorâmica do enorme MCG, o Melbourne Cricket Ground.

A Inesperada Complexidade do Futebol Australiano

Contamos 36 jogadores em campo, mais uma série de árbitros. Como se não chegasse, o relvado oval – que parece maior que alguns países – é invadido a toda a hora por intervenientes secundários das equipas com funções para nós enigmáticas e revela-se palco de um caos que as frequentes substituições e interrupções reforçam.

Custa-nos também a apreciar a frequência com que a bola é pontapeada – ou, pior, projectada por punhos fechados – pelos ares ou rebatida contra o chão para depois ser disputada por adversários que saltam de braços esticados para o céu.

Jogador Collingwood, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogador de Collingwood pontapeia a bola para a frente de ataque da sua equipa.

Estes pretensos defeitos são, no entanto, qualidades únicas para os fãs incorruptíveis do estado de Victoria e de outras paragens australianas.  Num dia de Grand Final da AFL (Australian Football League), o maior estádio do país, o MCG – Melbourne Cricket Ground – sofre uma adaptação à modalidade rival e pode acolher quase cem mil adeptos.

De acordo, em 2008, a média de assistência do campeonato rondou os 39.000 espectadores, num total anual de sete milhões distribuídos por cento e setenta e seis partidas.

A Popularidade Crescente do recém-nascido Futebol Australiano

Apesar destes números convincentes, o futebol australiano é ainda um tema polémico entre os australianos. O desporto impôs-se em Melbourne (onde nasceu) e restante sul habitado da Austrália. Ganha terreno nos outros estados em que a associação nacional tem vindo a injectar dinheiro para o tornar num verdadeiro fenómeno nacional.

Mas a sua popularidade cada vez mais comercial esbarra na do râguebi e do cricket. Apesar de os registos oficiais contarem 130.000 jogadores adultos e cerca de 2.600 equipas, até agora, o footy só convenceu cerca de metade da população da grande ilha.

Curiosamente, muitos aborígenes são fãs inveterados para o que contribuiu o facto de algumas das suas comunidades terem praticantes famosos em vários clubes.

Apoiante, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaUm adepto aborígene da equipa de Collingwood (Magpies) segue as emoções da partida. Existem vários jogadores aborígenes ao serviço de distintas equipas australianas de AFL.

Fora da Austrália, são alegadamente 30 os países que o praticam, com maior significado nas vizinhas Papua Nova Guiné e Nova Zelândia mas também na África do Sul, nos Estados Unidos e até um pouco na Europa.

As Inúmeras Variantes do Futebol Australiano

Ao mesmo tempo, o Rules deu origem a uma série de modalidades adaptadas com regras que permitem distintos contactos físicos. Foram os casos do Kick-to-Kick, End-to-End Footy, Markers Up, do AusKick, do Rec Footy, do 9-a-Side Footy e do Masters Australian Footy.

Disputa no ar, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogadores de Essendon e de Collingwood saltam para conquistar uma bola aérea.

Quando confrontados com a ausência de campos dedicados, jogadores australianos a viver no estrangeiro criaram as versões locais possíveis. Foram os casos do Metro Footy e do Samoa Rules.

Em 1956, o Rules foi praticado como desporto de exibição nos Jogos Olímpicos de Verão de Melbourne. Mais tarde, a partir de 1967, tiveram lugar várias partidas entre clubes australianos e gaélicos (principalmente irlandeses).

Em 1998, concretizaram-se as Internacional Rules Series, uma competição entre as duas selecções respectivas que seria suspensa, em 2007, devido à violência desmedida da equipa australiana no ano anterior.

O exagero dos ozzies obrigou até a que as leis de jogo fossem alteradas para salvaguardar o jogador portador da bola. No ano seguinte, essa protecção pareceu assegurada e a prova minimal foi retomada na Austrália.

Correria, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia

Jogadores disputam uma bola perdida no chão.

Tim é apenas um dos muitos adeptos mais recentes mas defende o “Rules” com a força de uma multidão: “Vocês europeus são eternos viciados nesse desporto de bárbaros …” alfineta sem nunca perder a compostura. “Aqui, estamos sempre em evolução.”

Os Registos Possíveis do Derbi de Melbourne

Acabamos por o confirmar quando somos vítimas do marketing de que se envolveu a modalidade. À entrada no estádio, seguranças displicentes tinham-nos deixado passar com as máquinas fotográficas e lentes profissionais. Mas, registávamos já o jogo há meia-hora quando um steward vindo do nada nos proíbe de fotografar por restricções comerciais da equipa da casa.

Claque, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaFans de Essendon apoiam a entrada da sua equipa.

Tim faz-nos a vontade e refugiamo-nos da supervisão nuns confins isolados do terceiro anel. Dali, roubamos algumas imagens extra mas distanciamo-nos ainda mais da acção e na curta relação com o desporto.

Após o apito final, os Bombers de Essendon levam a melhor sobre os Magpies (pegas) listados de Collingwood. O anfitrião regressa a casa animado e nós com a curiosidade satisfeita mas pouco convencidos.

Essendon, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, AustraliaJogadores de Essendon regressam aos balneários após a vitória contra Collingwood.

Os australianos criaram o Rules e atrevem-se a chamar futebol a um desporto em que, quase um século depois, todos os praticantes continuam a jogar também com as mãos. Para qualquer fã do futebol a sério, o castigo é óbvio: eles que o joguem.

Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
Uma espécie de portal
Cidades

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cruzeiro Celestyal Crystal, Santorini, Grécia
História
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Àgua doce
Ilhas

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Lento fim do dia
Natureza

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Parques Naturais
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Em plena costa do Ouro
Património Mundial UNESCO
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Magníficos Dias Atlânticos
Praias
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Erika Mae
Sociedade
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.