Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles


A Grande Vista
O vulcão Miravalles como visto a partir de Guayabo, sobre o ocaso.
Travessia a 2
Jovem atravessa uma das pontes suspensas da Hacienda Hornillas, seguido de um dos seus cães.
Cascada Cabro Muco
Jovens divertem-se na base da cascata de Cabro Muco, na encosta do vulcão Miravalles.
Arco & Íris
Arco-Íris exuberante no sopé ocidental do vulcão Miravalles.
Don Dimas
Don Dimas em "convívio" com uma das suas vacas.
Um Pasto Viçoso
Cavalo pasta na imediações de La Fortuna.
Um outro Pôr-do-Sol
Sol põe-se sobre o oceano Pacífico, a oeste do vulcão Miravalles.
Reconforto de Lama
Duas irmãs divertem-se no banho de lama de Las Hornillas.
Las Hornillas do Miravalles
As fumarolas sulfurosas de Las Hornillas.
Silhuetas de Miravalles
Silhuetas de árvores exóticas na falda do vulcão Miravalles.
Salsicha sem Medo
Salsicha cruza ponte suspensa de Cabro Muco.
Um Outro Pôr-do-Sol 2
Sol prestes a pôr-se a ocidente da Costa Rica.
Vinício dos Pavões
Vinício, um jovem de Guayabo entregue a uma tarefa rural.
Ponte suspensa – Cabro Muco
Casal aprecia uma das cascatas de Cabro Muco a partir de uma das pontes suspensas da hacienda Las Hornillas.
Vulcão Rosado
O ocaso rosa o cenário em redor do vulcão Miravalles, o mais elevado da província de Guanacaste.
A ver a Vista
Macaco-capuchinho investiga os visitantes humanos.
Sol posto num dia tempestuoso
Sol espreita, mesmo antes de se pôr a ocidente.
Rocha de Raízes
Guia Vilmar examina uma das rochas mais impressionantes da zona, coberta de raízes.
Vista para a cascata
Casal aprecia uma das várias cascatas do monte Cabro Muco.
Prado à sombra do vulcão
Vacas cebu pastam no sopé do vulcão Miravalles.
Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.

Trinta e cinco dias contados após aterrarmos na capital San José, já em pleno Verão, continuávamos a mercê da meteorologia caprichosa da nação Tica.

Sucessivas frentes frias vindas do norte do Mar das Caraíbas, invadiam a costa caribenha da Costa Rica e expandiam-se pelas terras altas do istmo centroamericano. Retinham-nas e ao mau tempo as montanhas da cordilheira de Guanacaste.

Alojados no sopé oriental do vulcão Miravalles, junto ao vale que o separa do vizinho vulcão Tenório, depressa nos habituámos a ver as nuvens a fluírem entre ambos e a cobrirem o cimo amplo do segundo. De acordo, a saída inaugural de reconhecimento, dedicamo-la ao Miravalles e seus arredores.

A estrada em que nos metemos a partir da pousada Agutipaca ziguezagueia num permanente drama mal asfaltado. Depois de uma subida gradual, sujeita-se a depressões fluviais e a ladeiras tão íngremes que assustam. Assim mesmo, num sobe-e-desce esburacado e infernal atinge, por fim, uma crista panorâmica sobre encostas distintas.

A de Leste, contida pela falda verdejante do Tenório. A oposta, estendida a todo o comprimento do Miravalles e por muito mais, até ao litoral distante do Oceano Pacífico.

Pelo caminho, passamos por vivendas de beira-estrada, cada qual com a sua terra de sustento, e por fazendas ganaderas com áreas desafogadas, quase sempre insuficientes, de pasto. Cruzamo-nos com um camponês ancião à entrada de uma propriedade intermédia. Uma bifurcação tinha-nos suscitado dúvidas, pelo que um seu conselho viria a calhar.

Camponês da zona de Miravalles, Costa Rica

Don Dimas em “convívio” com uma das suas vacas.

Conseguida a explicação, damos corda à conversa. “Sou Dimas, como Dimas o Bom Ladrão”, informa-nos o senhor, orgulhoso do baptismo bíblico que lhe calhara, para logo soltar uma risada que surpreende uma vaca a seu lado, prestes a dar à luz.

À Conquista da Cascata de Cabro Muco

Descemos da crista que serve de biombo ao Corredor Biológico Tenório-Miravalles até à povoação de La Fortuna. Lá encontramos Don Vilmar Villalo, responsável pela consolidação do recém-criado Parque Nacional Miravalles e por nos guiar numa das caminhadas que melhor recompensará os futuros visitantes.

Cumpridas as devidas apresentações, avançamos até ao ponto de partida. Quando deixamos La Fortuna, o dia é estival. Já sobre a falda do vulcão em que nos reencontramos, um vento repleto de rajadas borrifa-nos com chuva fina soprada de longe e de mais alto na montanha.

Experiente naquele trilho, Don Vilmar volta a validar a incursão. Seguimo-lo e às suas galochas robustas, floresta tropical adentro e acima, ao longo de um rio veloz que a chuva a montante tornava mais ruidoso.

Não o suficiente para nos demover de uma tagarelice animada sobre a Costa Rica, sobre Portugal e a Itália que o cicerone recentemente visitara. E, à falta de avistamentos da fauna residente – macacos, papa-formigas, tapires, preguiças, para mencionar apenas os mais impressionantes – sobre o ciclismo, o seu desporto favorito.

Guia, rio Cuipilapa, Costa Rica

Guia Vilmar Villala cruza o rio Cuipilapa.

Com o acumular dos passos, de tangente, a intempérie depressa nos cai em cima. Cruzamos o rio Cuipilapa três vezes, por alpondras improvisadas que não evitaram que enchêssemos as botas de água.

Quase 5km e muita água e lama depois, o trilho leva-nos à base de uma vertente íngreme repleta de grandes calhaus polidos e escorregadios, uma quebrada sulcada pelo Cuipilapa que, a determinada altura, já sob uma bátega, nos revela uma queda d’água impressionante, tanto pelo seu volume como pela altura de que caía.

Do nada, enquanto fotografávamos, atrapalhados, contra a chuva, cinco amigos passam por nós acelerados, voltam a atravessar o rio pendente e ascendem até à base da cascata.

Cascata Cabro Muco, vulcão Miravalles, Costa Rica

Jovens divertem-se na base da cascata de Cabro Muco, na encosta do vulcão Miravalles.

Um deles, entrega-se a um banho rápido de conquista. Os outros, a um chorrilho de selfies e fotografias comprovantes.

Um Regresso Diluviano

Nesse tempo, o temporal volta a agravar-se. O intensificar da chuva deixa-nos apreensivos quanto às travessias fluviais do regresso.

Completamos as fotos do lugar o melhor que o dilúvio nos permite.

A volta, cumprimo-la já em modo anfíbio, a patinarmos pelo trilho mais enlameado que nunca, sobre poças e caudal do rio que nos passavam dos tornozelos e até joelhos. Ainda assim, tudo sem percalços. Devolvidos ao ponto de partida, agradecemos a Don Vilmar. Despedimo-nos.

Secamo-nos e disparamos para um de vários almoços do incontornável e nutritivo “casado” tico, feito de arroz com feijão, de banana assada, salada e carne ou peixe à escolha.

Nessa tarde, vagueamos pela pachorrenta La Fortuna.

Percorremos ainda parte de duas estradas que irradiavam da povoação, por pastos de haciendas sabaneras (leia-se de vaqueiros) que nos desvendavam outras faldas e perspectivas do vulcão.

Arco íris, vulcão Miravalles, Costa Rica

Arco-Íris exuberante no sopé ocidental do vulcão Miravalles.

Miravalles: o Tecto Vulcânico da Província de Guanacaste

No que diz respeito a altitude, com os seus 2023 metros, o Miravalles é o vulcão suprasumo da província de Guanacaste. E, no entanto, só teve uma erupção, menor, de vapor, registada, em 1946, no seu flanco sudoeste.

Carece de uma cratera intacta e inequívoca e da forma cónica e emblemática da montanha vulcânica mais famosa da Costa Rica, o vizinho a sul Arenal.

Para compensar, o Miravalles dá origem ao maior campo geotermal da Costa Rica, explorado pela ICE, a empresa nacional Tica de fornecimento de electricidade. Aproveitam-no ainda diversos empreendimentos termais concorrentes disseminados pelo lado oeste do vulcão.

Na manhã seguinte, deparamo-nos com a mesma meteorologia da véspera. Uma vez mais, sem vislumbre do cume do Tenório, reabordamos o domínio de Miravalles, ainda em busca de um ponto de vista que melhor fizesse destacar a sua altitude e imponência.

O Domínio Fumarento e Aconchegante de Las Hornillas

Damos entrada nas termas de Las Hornillas. Apreciamos as fumarolas e poças de lama borbulhantes e enxofradas que deram azo ao nome hispânico do lugar.

Las Hornillas, vulcão Miravalles, Costa Rica

As fumarolas sulfurosas de Las Hornillas.

Moídos da caminhada do dia anterior, antecipamos a experiência termal que ali nos tinha levado.

Cobrimo-nos de argila terapêutica, à conversa com Karen e Francini, duas irmãs entretidas com o mesmo passatempo. Deixamos a argila actuar sobre a pele.

Banho lama em Las Hornillas, vulcão Miravalles, Costa RicaRemovemo-la e mudamo-nos para o tanque de água sulfurosa mais quente do complexo. Com as pernas e as costas doridas, aquele esparramar relaxante a 40 e muitos graus centígrados, soube-nos a milagroso.

Ancestral e ampla, à imagem de tantas fazendas da região, Las Hornillas contava ainda com um complemento fluvial junto à base da colina de Cabro Muco onde tínhamos começado a caminhada à cascata.

Exploramo-lo sobre um atrelado puxado por um chapulin – assim chamam os ticos aos tractores – por um percurso misto de trilho e pontes suspensas que percorre a propriedade ribeirinha.

Ponte suspensa, vulcão Miravalles, Costa Rica

Casal aprecia uma das várias cascatas do monte Cabro Muco.

Regressados ao quartel-general e termal de Las Hornillas, passamos do atrelado ao carro e voltamos a conduzir pelas estradas de Miravalles.

Vinício e a sua Quinta-Criação de Pavões

Em plena deambulação rodoviária, preparávamo-nos para inverter a marcha quando nos cruzamos com um jovem sabanero que carregava uma bilha plástica às costas.

Jovem sabanero, vulcão Miravalles, Costa Rica

Vinício, um jovem de Guayabo entregue a uma tarefa rural.

Perguntamos-lhe o melhor rumo já não sabemos bem para onde. Com tempo de sobra, o rapaz, Vinício Gonzalez de seu nome, acha-nos piada e à curiosidade que mostramos pelo que fazia. Decide revelar-nos parte da sua vida laboral.

“Já viram pavões por cá? Ah já?? Ok. Mas querem ver muitos?” A proposta intriga-nos. Seguimo-lo.

Vinício conduz-nos à quinta do avô. Nas traseiras da vivenda, mostra-nos um terreno fechado por vedações altas. E, mais bizarro do que poderíamos esperar, sobre essas vedações, uma irmandade de pavões, dezenas deles estacionados em equilíbrio, intrigados pela visita surpresa.

Percebemos que o fim da tarde e a sua luz prodigiosa passavam a voar. Vinício compreende a súbita pressa. Aceita-a de bom grado até porque se tinha atrasado na tarefa que o fizemos interromper.

Miravalles a partir de Guayabo. Mais Imponente que Nunca

Dessa feita, sim. Invertemos a marcha. Em vez de rumarmos à já familiar La Fortuna, seguimos para Guayabo, uma cidade maior espraiada a partir da estrada, delimitada por um sortido de estabelecimentos comerciais. As suas fachadas, montras e nomes fazem-nos perder o foco.

De tal maneira que, já só apenas sobre o extremo oposto da povoação, nos lembramos de sondar o Miravalles. Preparávamo-nos para atalhar para La Fortuna quando, com o carro virado para norte, o voltamos a avistar.

vulcão Miravalles, Guayabo, Costa Rica

O vulcão Miravalles como visto a partir de Guayabo, sobre o ocaso.

Dali, o vulcão exibia-se como o nunca tínhamos apreciado. Cónico, destacado bem acima do casario térreo e colorido de Guayabo, a conceder um pouso limiar às nuvens que cobriam o vale Tenório-Miravalles.

Uma cumbia qualquer tocada num dos lares abaixo fazia de banda sonora do momento, do amarelar gradual da montanha, não tarda, encarniçada sob o agasalho cada vez mais rosado da nebulosidade e das fumarolas que víamos serpentear, ansiosas pelo céu.

Essa inesperada erupção de texturas e tons depressa se rendeu ao breu.

Ocaso chuvoso, vulcão Miravalles, Costa Rica

Sol espreita, mesmo antes de se pôr a ocidente.

Em tantos outros vulcões activos, o escuro proporcionaria-nos visões dantescas de lava incandescente.

O Miravalles tem os seus próprios modos. Suaves e aconchegantes. Que o digam os ticos que com ele vivem.

 

Artigo realizado com o apoio de:

POSADA AGUTIPACA

https://es-la.facebook.com/Agutipaca.costarica

JUMBO CAR COSTA RICA

https://en.jumbocar-costarica.com/?utm_source=got2globe

Código JUMBOCOSTARICA = -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Cidades
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
História
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Ilhas
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Porto Santo, vista para sul do Pico Branco
Natureza
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Património Mundial UNESCO
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Gatis de Tóquio, Japão, clientes e gato sphynx
Sociedade
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT