Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles


A Grande Vista
O vulcão Miravalles como visto a partir de Guayabo, sobre o ocaso.
Travessia a 2
Jovem atravessa uma das pontes suspensas da Hacienda Hornillas, seguido de um dos seus cães.
Cascada Cabro Muco
Jovens divertem-se na base da cascata de Cabro Muco, na encosta do vulcão Miravalles.
Arco & Íris
Arco-Íris exuberante no sopé ocidental do vulcão Miravalles.
Don Dimas
Don Dimas em "convívio" com uma das suas vacas.
Um Pasto Viçoso
Cavalo pasta na imediações de La Fortuna.
Um outro Pôr-do-Sol
Sol põe-se sobre o oceano Pacífico, a oeste do vulcão Miravalles.
Reconforto de Lama
Duas irmãs divertem-se no banho de lama de Las Hornillas.
Las Hornillas do Miravalles
As fumarolas sulfurosas de Las Hornillas.
Silhuetas de Miravalles
Silhuetas de árvores exóticas na falda do vulcão Miravalles.
Salsicha sem Medo
Salsicha cruza ponte suspensa de Cabro Muco.
Um Outro Pôr-do-Sol 2
Sol prestes a pôr-se a ocidente da Costa Rica.
Vinício dos Pavões
Vinício, um jovem de Guayabo entregue a uma tarefa rural.
Ponte suspensa – Cabro Muco
Casal aprecia uma das cascatas de Cabro Muco a partir de uma das pontes suspensas da hacienda Las Hornillas.
Vulcão Rosado
O ocaso rosa o cenário em redor do vulcão Miravalles, o mais elevado da província de Guanacaste.
A ver a Vista
Macaco-capuchinho investiga os visitantes humanos.
Sol posto num dia tempestuoso
Sol espreita, mesmo antes de se pôr a ocidente.
Rocha de Raízes
Guia Vilmar examina uma das rochas mais impressionantes da zona, coberta de raízes.
Vista para a cascata
Casal aprecia uma das várias cascatas do monte Cabro Muco.
Prado à sombra do vulcão
Vacas cebu pastam no sopé do vulcão Miravalles.
Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.

Trinta e cinco dias contados após aterrarmos na capital San José, já em pleno Verão, continuávamos a mercê da meteorologia caprichosa da nação Tica.

Sucessivas frentes frias vindas do norte do Mar das Caraíbas, invadiam a costa caribenha da Costa Rica e expandiam-se pelas terras altas do istmo centroamericano. Retinham-nas e ao mau tempo as montanhas da cordilheira de Guanacaste.

Alojados no sopé oriental do vulcão Miravalles, junto ao vale que o separa do vizinho vulcão Tenório, depressa nos habituámos a ver as nuvens a fluírem entre ambos e a cobrirem o cimo amplo do segundo. De acordo, a saída inaugural de reconhecimento, dedicamo-la ao Miravalles e seus arredores.

A estrada em que nos metemos a partir da pousada Agutipaca ziguezagueia num permanente drama mal asfaltado. Depois de uma subida gradual, sujeita-se a depressões fluviais e a ladeiras tão íngremes que assustam. Assim mesmo, num sobe-e-desce esburacado e infernal atinge, por fim, uma crista panorâmica sobre encostas distintas.

A de Leste, contida pela falda verdejante do Tenório. A oposta, estendida a todo o comprimento do Miravalles e por muito mais, até ao litoral distante do Oceano Pacífico.

Pelo caminho, passamos por vivendas de beira-estrada, cada qual com a sua terra de sustento, e por fazendas ganaderas com áreas desafogadas, quase sempre insuficientes, de pasto. Cruzamo-nos com um camponês ancião à entrada de uma propriedade intermédia. Uma bifurcação tinha-nos suscitado dúvidas, pelo que um seu conselho viria a calhar.

Camponês da zona de Miravalles, Costa Rica

Don Dimas em “convívio” com uma das suas vacas.

Conseguida a explicação, damos corda à conversa. “Sou Dimas, como Dimas o Bom Ladrão”, informa-nos o senhor, orgulhoso do baptismo bíblico que lhe calhara, para logo soltar uma risada que surpreende uma vaca a seu lado, prestes a dar à luz.

À Conquista da Cascata de Cabro Muco

Descemos da crista que serve de biombo ao Corredor Biológico Tenório-Miravalles até à povoação de La Fortuna. Lá encontramos Don Vilmar Villalo, responsável pela consolidação do recém-criado Parque Nacional Miravalles e por nos guiar numa das caminhadas que melhor recompensará os futuros visitantes.

Cumpridas as devidas apresentações, avançamos até ao ponto de partida. Quando deixamos La Fortuna, o dia é estival. Já sobre a falda do vulcão em que nos reencontramos, um vento repleto de rajadas borrifa-nos com chuva fina soprada de longe e de mais alto na montanha.

Experiente naquele trilho, Don Vilmar volta a validar a incursão. Seguimo-lo e às suas galochas robustas, floresta tropical adentro e acima, ao longo de um rio veloz que a chuva a montante tornava mais ruidoso.

Não o suficiente para nos demover de uma tagarelice animada sobre a Costa Rica, sobre Portugal e a Itália que o cicerone recentemente visitara. E, à falta de avistamentos da fauna residente – macacos, papa-formigas, tapires, preguiças, para mencionar apenas os mais impressionantes – sobre o ciclismo, o seu desporto favorito.

Guia, rio Cuipilapa, Costa Rica

Guia Vilmar Villala cruza o rio Cuipilapa.

Com o acumular dos passos, de tangente, a intempérie depressa nos cai em cima. Cruzamos o rio Cuipilapa três vezes, por alpondras improvisadas que não evitaram que enchêssemos as botas de água.

Quase 5km e muita água e lama depois, o trilho leva-nos à base de uma vertente íngreme repleta de grandes calhaus polidos e escorregadios, uma quebrada sulcada pelo Cuipilapa que, a determinada altura, já sob uma bátega, nos revela uma queda d’água impressionante, tanto pelo seu volume como pela altura de que caía.

Do nada, enquanto fotografávamos, atrapalhados, contra a chuva, cinco amigos passam por nós acelerados, voltam a atravessar o rio pendente e ascendem até à base da cascata.

Cascata Cabro Muco, vulcão Miravalles, Costa Rica

Jovens divertem-se na base da cascata de Cabro Muco, na encosta do vulcão Miravalles.

Um deles, entrega-se a um banho rápido de conquista. Os outros, a um chorrilho de selfies e fotografias comprovantes.

Um Regresso Diluviano

Nesse tempo, o temporal volta a agravar-se. O intensificar da chuva deixa-nos apreensivos quanto às travessias fluviais do regresso.

Completamos as fotos do lugar o melhor que o dilúvio nos permite.

A volta, cumprimo-la já em modo anfíbio, a patinarmos pelo trilho mais enlameado que nunca, sobre poças e caudal do rio que nos passavam dos tornozelos e até joelhos. Ainda assim, tudo sem percalços. Devolvidos ao ponto de partida, agradecemos a Don Vilmar. Despedimo-nos.

Secamo-nos e disparamos para um de vários almoços do incontornável e nutritivo “casado” tico, feito de arroz com feijão, de banana assada, salada e carne ou peixe à escolha.

Nessa tarde, vagueamos pela pachorrenta La Fortuna.

Percorremos ainda parte de duas estradas que irradiavam da povoação, por pastos de haciendas sabaneras (leia-se de vaqueiros) que nos desvendavam outras faldas e perspectivas do vulcão.

Arco íris, vulcão Miravalles, Costa Rica

Arco-Íris exuberante no sopé ocidental do vulcão Miravalles.

Miravalles: o Tecto Vulcânico da Província de Guanacaste

No que diz respeito a altitude, com os seus 2023 metros, o Miravalles é o vulcão suprasumo da província de Guanacaste. E, no entanto, só teve uma erupção, menor, de vapor, registada, em 1946, no seu flanco sudoeste.

Carece de uma cratera intacta e inequívoca e da forma cónica e emblemática da montanha vulcânica mais famosa da Costa Rica, o vizinho a sul Arenal.

Para compensar, o Miravalles dá origem ao maior campo geotermal da Costa Rica, explorado pela ICE, a empresa nacional Tica de fornecimento de electricidade. Aproveitam-no ainda diversos empreendimentos termais concorrentes disseminados pelo lado oeste do vulcão.

Na manhã seguinte, deparamo-nos com a mesma meteorologia da véspera. Uma vez mais, sem vislumbre do cume do Tenório, reabordamos o domínio de Miravalles, ainda em busca de um ponto de vista que melhor fizesse destacar a sua altitude e imponência.

O Domínio Fumarento e Aconchegante de Las Hornillas

Damos entrada nas termas de Las Hornillas. Apreciamos as fumarolas e poças de lama borbulhantes e enxofradas que deram azo ao nome hispânico do lugar.

Las Hornillas, vulcão Miravalles, Costa Rica

As fumarolas sulfurosas de Las Hornillas.

Moídos da caminhada do dia anterior, antecipamos a experiência termal que ali nos tinha levado.

Cobrimo-nos de argila terapêutica, à conversa com Karen e Francini, duas irmãs entretidas com o mesmo passatempo. Deixamos a argila actuar sobre a pele.

Banho lama em Las Hornillas, vulcão Miravalles, Costa RicaRemovemo-la e mudamo-nos para o tanque de água sulfurosa mais quente do complexo. Com as pernas e as costas doridas, aquele esparramar relaxante a 40 e muitos graus centígrados, soube-nos a milagroso.

Ancestral e ampla, à imagem de tantas fazendas da região, Las Hornillas contava ainda com um complemento fluvial junto à base da colina de Cabro Muco onde tínhamos começado a caminhada à cascata.

Exploramo-lo sobre um atrelado puxado por um chapulin – assim chamam os ticos aos tractores – por um percurso misto de trilho e pontes suspensas que percorre a propriedade ribeirinha.

Ponte suspensa, vulcão Miravalles, Costa Rica

Casal aprecia uma das várias cascatas do monte Cabro Muco.

Regressados ao quartel-general e termal de Las Hornillas, passamos do atrelado ao carro e voltamos a conduzir pelas estradas de Miravalles.

Vinício e a sua Quinta-Criação de Pavões

Em plena deambulação rodoviária, preparávamo-nos para inverter a marcha quando nos cruzamos com um jovem sabanero que carregava uma bilha plástica às costas.

Jovem sabanero, vulcão Miravalles, Costa Rica

Vinício, um jovem de Guayabo entregue a uma tarefa rural.

Perguntamos-lhe o melhor rumo já não sabemos bem para onde. Com tempo de sobra, o rapaz, Vinício Gonzalez de seu nome, acha-nos piada e à curiosidade que mostramos pelo que fazia. Decide revelar-nos parte da sua vida laboral.

“Já viram pavões por cá? Ah já?? Ok. Mas querem ver muitos?” A proposta intriga-nos. Seguimo-lo.

Vinício conduz-nos à quinta do avô. Nas traseiras da vivenda, mostra-nos um terreno fechado por vedações altas. E, mais bizarro do que poderíamos esperar, sobre essas vedações, uma irmandade de pavões, dezenas deles estacionados em equilíbrio, intrigados pela visita surpresa.

Percebemos que o fim da tarde e a sua luz prodigiosa passavam a voar. Vinício compreende a súbita pressa. Aceita-a de bom grado até porque se tinha atrasado na tarefa que o fizemos interromper.

Miravalles a partir de Guayabo. Mais Imponente que Nunca

Dessa feita, sim. Invertemos a marcha. Em vez de rumarmos à já familiar La Fortuna, seguimos para Guayabo, uma cidade maior espraiada a partir da estrada, delimitada por um sortido de estabelecimentos comerciais. As suas fachadas, montras e nomes fazem-nos perder o foco.

De tal maneira que, já só apenas sobre o extremo oposto da povoação, nos lembramos de sondar o Miravalles. Preparávamo-nos para atalhar para La Fortuna quando, com o carro virado para norte, o voltamos a avistar.

vulcão Miravalles, Guayabo, Costa Rica

O vulcão Miravalles como visto a partir de Guayabo, sobre o ocaso.

Dali, o vulcão exibia-se como o nunca tínhamos apreciado. Cónico, destacado bem acima do casario térreo e colorido de Guayabo, a conceder um pouso limiar às nuvens que cobriam o vale Tenório-Miravalles.

Uma cumbia qualquer tocada num dos lares abaixo fazia de banda sonora do momento, do amarelar gradual da montanha, não tarda, encarniçada sob o agasalho cada vez mais rosado da nebulosidade e das fumarolas que víamos serpentear, ansiosas pelo céu.

Essa inesperada erupção de texturas e tons depressa se rendeu ao breu.

Ocaso chuvoso, vulcão Miravalles, Costa Rica

Sol espreita, mesmo antes de se pôr a ocidente.

Em tantos outros vulcões activos, o escuro proporcionaria-nos visões dantescas de lava incandescente.

O Miravalles tem os seus próprios modos. Suaves e aconchegantes. Que o digam os ticos que com ele vivem.

 

Artigo realizado com o apoio de:

POSADA AGUTIPACA

https://es-la.facebook.com/Agutipaca.costarica

JUMBO CAR COSTA RICA

https://en.jumbocar-costarica.com/?utm_source=got2globe

Código JUMBOCOSTARICA = -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Étnico
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
História
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Banco improvisado
Ilhas
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Moradora de Nzulezu, Gana
Natureza
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Parques Naturais
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Património Mundial UNESCO
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Religião
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Salão de Pachinko, video vício, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo – Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.