Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel


Cavalgada a Três
Vaquero cavalga à beira da estrada que liga Chihuahua a Cuahutemoc.
O Menonita
Abraham Peters posa junto a um poster com a árvore genealógica dos seus antepassados.
O Vale do Rio Oteros
Meandros profundos de um dos vários rios que percorre a Sierra de Tarahumara e as Barrancas del Cobre.
Rarámuris no Valle de Los Monjes
Irene, Angelica, Mirta e Elsa na base de rochedos do Valle de los Monjes.
Irene
Mulher rarámuri trajada com as vestes coloridas que este povo se habituou a usar.
Lago Arareco
O lago Arareco, entre a vastidão de pinheiros da Serra de Tarahumara.
Vendas ao Crepúsculo
Rapariga rarámuri expõe as suas artesanias, em frente a igreja da Missão San Ignácio.
Mulher Rarámuri
Mulher rarámuri agasalhada do frio ainda comedido do território da Sierra Tarahumara.
Valle de Los Monjes
Rochedos afiados desafiam os pinheiros da Serra Tarahumara na supremacia dos céus.
Casa da Dª Catalina
Rosana e filha à porta da casa-cueva de Dª Catalina.
Rosana & Filha
Rosana e filha num recanto da casa-cueva da Dª Catalina.
Aconchego Rarámuri
Criança rarámuri mantida às costas pela mãe, ocupada a tentar vender artesanato.
Mulheres Rarámuri em modo Artesão
Jovens mulheres rarámuri produzem artesanato numa margem do lago Arareco.
Mulher Rarámuri com Artesanato
Um grande molho de colares nas mãos de uma vendedora rarámuri.
Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.

A viagem, iniciámo-la por estrada, conduzidos por Pedro Palma Gutiérrez, um guia e aventureiro da região.

Cruzamos um planalto vasto, a mais de 1500m de altitude. Ainda assim, subimos, entre pomares infindáveis de macieiras das que abastecem boa parte do México.

Chegamos às imediações de Ciudad Cuauhtémoc, a 2060 m, considerada o portal para a Sierra de Tarahumara.

Em vez de entrarmos na cidade, prosseguimos por uma pradaria cultivada e, a determinada altura, salpicada de vivendas e outros edifícios, de tons sóbrios, até algo lúgubres.

Ao volante, Pedro Palma, tenta reorientar-se, em busca da propriedade que nos interessava. Passamos por armazéns em que permaneciam, estacionados, grandes camiões, estilo TIR.  E, adiante, por uma outra construção longilínea e de visual pré-fabricado.

Num Domingo de manhã, lá se concentravam homens, mulheres e crianças, chegados em pick ups agrícolas e carrinhas volumosas. “É aqui que eles se encontram para o serviço religioso.”, informa-nos Pedro Palma. “A casa do nosso anfitrião é já ali, ele fez o favor especial de nos acolher.”

Rasamos a porta de outra granja desafogada. Um Chihuahua negro estranha os forasteiros. Dispara para o limiar da propriedade, determinado a proteger o seu território com latidos estridentes.

Caminhamos um pouco mais. Pedro Palma toma a dianteira. Conduz-nos ao interior da quinta que se segue.

O dono não tinha ainda vindo do tal convívio, pelo que vasculhamos e fotografamos o que de mais interessante por ali encontramos, uma carroça antiga a transbordar de maçarocas de milho amarelo-torradas pelo sol invernal.

Visita Pré-Programada a Casa de uma Família Menonita

Estamos nessa adoração, quando o ranchero aparece, estaciona a sua carrinha e nos saúda. Pedro Palma, apresenta-nos Abraham Peters, o nosso anfitrião. O único anfitrião e guia oficializado de inúmeros visitantes que chegam intrigados pela vida à parte da comunidade menonita de Cuauhtémoc.

Recebê-los e guiá-los tornou-se uma paixão complementar aos afazeres agrícolas de Abraham Peters, em 2003, quando uma equipa de repórteres alemães lhe bateu à porta, a pedir indicações sobre os lugares mais interessantes em redor.

Abraham convida-nos para a sua casa, um lar despretensioso, feito de materiais pouco orgânicos, mobilado e decorado com um misto de objectos modernos e de preciosidades, de diplomas, velhas imagens da família e de outros antepassados.

O ancião coloca-se num canto da casa, junto a um póster da sua árvore genealógica. Ali enquadrado, explica-nos que a mulher e a única filha que ainda vivia com eles se encontravam no tal encontro dos Domingos de manhã, o motivo para só Abraham nos receber.

Várias perguntas depois, conta-nos como ele e os menonitas ali tinham ido parar, só por si, toda uma deslumbrante lição de história.

Dos Países Baixos a Chihuahua, a Longa Demanda por Paz dos Menonitas

Tal como aconteceu com os quakers e outros grupos religiosos, o que moveu estes seguidores também anabaptistas do teólogo frísio Menno Simons, até ao México, foi a urgência de se protegerem dos recrutamentos forçados gerados pelo alastrar da 1ª Guerra Mundial.

Na sua longa e contínua diáspora, os menonitas começaram por se mudar dos Países Baixos para a Prússia. Da Prússia para a Rússia, de onde, na segunda metade do século XIX, seguiram para o Canadá, sobretudo para Manitoba, e para os Estados Unidos.

“Corria tudo bem… “, conta-nos Abraham “… até que a 1ª Guerra Mundial entrou em cena e o Canadá passou a enviar tropas de reforço aos Aliados. Algum tempo depois, os canadianos mostraram-se em desacordo por nós não sermos recrutados. Sob pressão, o governo encostou-nos à parede. Vimo-nos obrigados a procurar outras paragens.”

Meses mais tarde, um dignitário mexicano do presidente Álvaro Obregon fez saber que o México precisava de gente para cultivar áreas vastas do Norte e que facilitaria o acolhimento dos Menonitas.

Em 1922, os Menonitas compraram grandes extensões de terra do actual estado de Chihuahua. Lá se instalaram cerca de 1300 famílias, cada qual com os seus cavalos, carroças e sabedoria agropecuária.

A mesma que fez enriquecer a maior comunidade menonita do México, hoje, com 45 mil habitantes, produtores das maçãs que vimos pelo caminho, de gado e de produtos lácteos, de maquinaria agrícola, mobiliário, produtos metalúrgicos e, mais recentemente, até centros comerciais, hotéis e restaurantes.

Decorrido um tempo generoso de conversa, Pedro Palma intervém e estabelece o fim da visita.

Carlos Venzor e o seu Vasto Museu de Rancho

Despedíamo-nos de Abraham Peters quando aparece um seu vizinho não menonita, Dom Carlos Venzor, um ranchero amante do colecionismo, que sugeriu a Pedro Palma que visitássemos a secção-museu da sua fazenda.

Pedro Palma anui. Lá encontramos um pouco de tudo: velhos tractores, furgonetas, bombas de gasolina, mobiliário e TVs, instrumentos de música e, nalguns casos, sabíamos lá o quê.

Dom Carlos Venzor sonhava que o museu integrasse a inusitada rota turística dos menonitas chihuahuenses.

À nossa maneira, contribuímos para o tornar realidade.

Entramos em hora de almoço.

Sem nos desviarmos demasiado da rota prevista, paramos numa pizzaria de donos menonitas que serviam pizzas feitas de ingredientes produzidos pela comunidade, com destaque para o queijo de Chihuahua, há muito famoso, por ali servido em abundância.

Por Chihuahua Acima, na Direcção de Creel

Findo o repasto, prosseguimos rumo a Creel, sempre às curvas, parte significativa do percurso, fiéis aos meandros do rio Oteros, entre povoados e lugarejos algo abarracados, encaixados entre ambas as margens e as bases do vale.

Creel, já a 2350 m de altitude, bem no cimo da Sierra Madre Occidental, não tarda. Seria lá que dormiríamos. Até ao escurecer, cumprimos um périplo pelos lugares mais emblemáticos em redor.

O lago de Arareko, revela-se um corpo de água bem verde, cercado por um pinhal condizente.

Lá vemos, ao longe, alguns visitantes que o sulcam de barco a remos.

Mal saímos da carrinha, temos o primeiro contacto com a prodigiosa etnia Rarámuri ou Tarahumara, o segundo nome, adaptado da sub-serra (chamemos-lhe assim) que integra a Sierra Madre Occidental.

São mulheres e crianças.  Num convívio tagarela que as ajuda a passar o tempo e a cuidar dos filhos, enquanto produzem as peças do artesanato colorido que lhes serve de sustento.

Os Estranhos Pináculos Rochosos do Vale dos Monges

Do lago, viajamos, em modo todo-o-terreno, e aos ziguezagues entre pinheiros até chegarmos à base de outro reduto notório da região, o Vale dos Monges.

Voltam a receber-nos crianças e mulheres rarámuri, desta vez, mais determinadas a fazer negócio.

Pedro indica-nos o início de um trilho que serpenteava entre rochedos esguios e altos, alguns com sessenta metros, destacados contra o céu azulão, bem acima da pino-imensidão circundante.

Segue-nos, a certa distância uma pequena família de tarahumaras, com passos suaves mas determinados, marcados pelo seu modo gentil e estoico de ser e de viver.

Acabamos por nos encontrar no sopé de uma formação de freis sobranceira às restantes. Irene e a filha Angélica, Mirta e a descendente Elsa expõem-nos pulseiras e afins, ou que as fotografemos.

Cedemos, com agrado, às sugestões.

Enquanto escolhemos as pulseiras, renovamos uma cavaqueira bem-disposta que o ocaso súbito e resplandecente amorna.

A Misão de San Ignácio, no Derradeiro Caminho para Creel

O lusco-fusco ainda azulava a sierra quando Pedro volta a parar, junto a uma igreja de pedras empilhadas, no âmago de um descampado repleto de casas humildes.

O templo era o edifício principal da missão de San Ignácio, estabelecida pelos jesuítas durante o século XVIII e que preserva, aliás, as suas lápides na parte de trás da igreja.

Sem surpresa, também o átrio era disputado por mulheres e raparigas rarámuri, entregues à sua missão particular de vender artesanato.

É já noite escura quando damos entrada em Creel.

Creel foi fundada em 1907, enquanto Estación Creel, pouco que mais que um depósito e fonte de abastecimento de madeira da ferrovia Chihuahua al Pacífico, baptizada em homenagem ao governador do estado de Chihuahua dessa altura, Enrique Creel.

Hoje, mantém-se uma estação fulcral da linha e a base logística mais importante para quem chega à descoberta do território rarámuri e, com planos de viajar até El Fuerte ou Los Mochis no CHEPE Express.

Aquecemo-nos em frente à lareira de um dos hotéis mais procurados da povoação, o Eco. Malgrado o nome, recuperamos do frio debaixo de uma colecção de cabeças de animal insinuantes.

Mas dormimos aconchegados e mimados pelo conforto de madeira e pedra do lugar.

A Casa-Gruta de Dª Catalina, ainda Entre Rarámuris

Na manhã seguinte, já a uns bons quilómetros de Creel, desviamos da estrada principal com o objectivo de testemunharmos como alguns rarámuri continuavam a usar grutas como os lares.

A casa-cueva de Dª Catalina tornou-se o mais exemplo mais famoso. Voltamos a serpentear entre pinheiros. Até à beira do barranco vasto do rio Oteros.

Ali, num cimo escondido da falésia, damos com uma habitação feita de toros ajustados contra uma parede de pedra e uma velha árvore com troncos retorcidos.

Faltava-lhe a decoração cuidada do hotel Eco.

Não obstante, além de Dª Catalina, habitavam-na, àquela hora, alguns familiares.

Incluindo a neta Rosenda e a bisneta Melissa, bebé de apenas um ano que dormia um sono profundo, pouco ou nada perturbado pela tagarelice generalizada.

Alguns forasteiros apostavam em perceberem, da boca das anfitriãs, como era viver por ali, quando as temperaturas da Sierra Madre desciam para dez, vinte graus negativos.

Rosenda limita-se a apontar para a lenha e para a espécie de salamandra que aquecia a gruta-domicílio. Completa a explicação com um encolher de ombros de indiferença, como se tanto deslumbre não fizesse sentido.

Nos dias seguintes, às portas das Barrancas del Cobre inóspitas a que os Rarámuri se adaptaram, o deslumbre em que todos andávamos só se viria a reforçar.

Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Páscoa Seurassari, Helsínquia, Finlândia, Marita Nordman
Cultura
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Nova Gales do Sul Austrália, Caminhada na praia
Em Viagem
Batemans Bay a Jervis Bay, Austrália

Nova Gales do Sul, de Baía em Baía

Com Sydney para trás, entregamo-nos à “South Coast” australiana. Ao longo de 150km, na companhia de pelicanos, cangurus e outras peculiares criaturas aussie, deixamo-nos perder num litoral recortado entre praias deslumbrantes e eucaliptais sem fim.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
História
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Palmeiras de San Cristobal de La Laguna, Tenerife, Canárias
Ilhas
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Natureza
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Parques Naturais
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Património Mundial UNESCO
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.