Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique


Felicidade de areia
Rapariga de Pemba, polvinhada de areia, na praia de Wimbe.
Remata – Defende
Dois rapazes entretêm-se com remates e defesas num areal ainda molhado de Pemba.
Baixa Mar
Moradores de Paquitequete caminham na maré vazia ao largo da baía de Pemba.
Acrobacias marciais
Rapazes praticam acrobacias numa beira-mar de Pemba.
Samora Machel
Estátua de Samora Machel, o primeiro presidente de Moçambique, na Biblioteca de Pemba.
Polvo de metro e meio
Casal de Pemba exibe um polvo acabado de recolher de pescadores em canoas.
Paz Vegetal
Cliente sentada numa pequena esplanada improvisada no cimo de um enorme embondeiro.
Embondeiros ou Baobás
Silhuetas de embondeiros de Pemba, à beira do Canal de Moçambique.
Wimbe Fute
Rapazes de Pemba jogam futebol no areal da praia de Wimbe.
Maria Auxiliadora
Transeunte passa em frente à Igreja de Maria Auxiliadora, na cidade alta de Pemba.
Mãe & Filhas
Mãe e filhas pembenses na praia de Wimbe.
Mesquita Aqswa
Morador do bairro de Paquitequete caminha em frente à mesquita de Awswa.
Moda Areia
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Diversão Dourada
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Banhos comunais
Miúdos em êxtase pela diversão balnear, na praia de Wimbe de Pemba.
Arquitectura Islâmica
Recanto com arquitectura muçulmana da mesquita Aqswa de Paquitequete.
Paquitequete. Ou Paquite
O Bairro piscatório de Paquite visto da cidade alta de Pemba.
Volta à Costa
Pescadores regressam do Canal de Moçambique às imediações de Paquitequete.
Trio de Ataque
Jogadores de uma das equipas prestes a defrontar-se sobre o pelado de Paquitequete.
Ao Vento do Canal
Pequeno dhow navega na direcção do bairro de Paquitequete, no litoral de Pemba.
Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.

Estamos em plena época seca de Moçambique.

Despertamos com mais um dia radioso. Nuvens, só uma caravana de cumulus e stratocumulus desprovidas de humidade e que branqueavam o Inverno soalheiro deste oriente africano.

Percorremos a avenida Marginal, pelo norte da península por que se espraia Pemba.

A estrada curva sob um vértice aguçado da costa, aquém de um recife do Canal de Moçambique que ali tornava o mar raso e arenoso.

Detemo-nos no cimo de uma falésia rochosa. Nesse preciso momento, um grupo de pescadores conduz as suas canoas coloridas ao areal.

Lá os espera outra comitiva, munida de baldes e de alguidares, dos receptáculos para os peixes e os polvos que os pescadores trazem a bordo.

São mulheres de lenços à cabeça, com capulanas folclóricas da cintura para baixo.

São também alguns jovens em trajes com pouco de tradicional, camisetas de equipas de futebol, calções a condizer e chinelos.

Aquela transação piscatória faz-se numa base diária pelo que há pouco a discutir. Num ápice, os compradores colocam os baldes e alguidares à cabeça e somem-se para o cerne das suas vidas.

Os vendedores, levam as canoas a ancorar do lado de lá da baía.

Reajustamos o olhar para um areal que a maré vazia ainda descobria e que o sol dourava sempre que nele incidia.

Ali, dois rapazes disputavam uma partida de baliza a baliza com uma entrega de final de Champions.

Para diante, alguns pequenos dhows deslizam sobre a água esmeralda, com um rumo similar aos das canoas.

Descemos para o sopé da falésia. Verificamos que, afinal, uns poucos compradores continuavam à sua sombra.

Uma jovem mãe com um bebé adormecido sobre o peito.

E um homem a seu lado que, para nosso espanto, desenrola um polvo com tentáculos da sua cabeça aos pés.

Percebemos que a pescaria não tinha chegado para todos.

Além deste casal, três jovens chilavam, refastelados. Intrigados quanto a de onde tinham saído os muzungos, prendam-nos com sorrisos tímidos. Esclarecem-nos que esperavam que outros pescadores dessem à costa.

Regressamos ao cimo decididos a prolongar o privilégio panorâmico. No entretanto, o trânsito de pedestres e de embarcações a cruzar as águas rentes tinha aumentado.

Mais canoas e dhows diminutos confluíam para um mesmo ancoradouro natural, organizado em frente à primeira vaga do casario e dos coqueiros do bairro de Paquitequete.

Lá prosseguimos à descoberta de Pemba.

É sexta-feira. Quase sobre as dez da manhã, o calor aperta.

Mesmo assim, mal chegamos ao pelado no âmago da povoação damos de cara com três jogadores equipados a rigor com as cores da sua equipa: camisola amarela, calções de um roxo brilhante.

Preparam-se para uma espécie de derby local. O tempo fotográfico que nos concedem é curto e não dá direito a descontos.

Chegam mais jogadores, uns da mesma equipa, outros rivais, em qualquer dos casos, abençoados pela mesquita Aqswa que, atrás de todos, se projecta acima do casario.

Os moradores de Paquite, como é tratado o bairro de maneira a encurtar a trabalheira de o chamar pelo nome completo são, na sua maioria muçulmanos.

Como é a população de Pemba em geral, sem prejuízo da diocese e das igrejas católicas junto ao âmago administrativo da capital de Cabo Delgado.

A zona de Pemba já era muçulmana contava-se mais de meio milénio aquando da passagem pioneira de Vasco da Gama por estas paragens, em 1492, diz-se que por ilhas do arquipélago das Quirimbas.

Era muçulmana, de forte influência suaíli e falante do dialecto quimuâni que o quase meio milénio de colonização portuguesa nunca fez desaparecer.

Pois, passado todo este tempo, a mesquita de Paquite, Pemba e as gentes do norte de Cabo Delgado veem-se aflitos com um desvario jihadista (mal) disfarçado de fé islâmica.

Explicações de especialistas em assuntos africanos afiançam que o problema começou após líderes muçulmanos se terem deixado radicalizar por ensinamentos da corrente salafita, vigorosa na Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar.

Ora, o salafismo e os seus ensinamentos são avessos ao Cristianismo, ao animismo, aos valores do ocidente e até de um Islamismo mais equilibrado.

Agravou-se, depois do seu regresso, quando rebeldes armados por eles instigados, chegaram a invadir mesquitas tradicionais e a ameaçar crentes de morte caso não aderissem aos ideais radicais que defendem.

Estes insurgentes, confrontaram-se com a resistência de muftis moderados e da população em geral, em aceitarem uma fé e vida muçulmana submetida ao salafismo.

A determinada altura desse processo insurgente, impôs-se na região a Ansar al-Sunna (Apoiantes da Tradição), uma facção dissidente.

A ela se juntaram elementos que se dizem representantes do ISIS, estima-se que somalis, tanzanianos, ugandeses, congoleses e outros.

Como resultado terrorista prático, desde Outubro de 2017 que se repetem ataques a estações de polícia e outras entidades estatais, a igrejas, a aldeias e povoados indiscriminados, ataques cada vez mais destrutivos e sanguinários.

Aconteceram primeiro na cidade de Mocímboa da Praia e aldeias em redor. Apesar de respostas militares ocasionais e mal coordenadas das forças policiais e armadas moçambicanas, reforçadas por outras de empresas privadas sul africanas e russas, o território controlado pelos dissidentes aumentou.

Em 24 de Março 2021, Palma sofreu a mais devastadora das investidas. Este ataque brutal causou um número ainda por determinar de vítimas, algumas estrangeiras. Deixou cadáveres decapitados nas ruas, a serem comidos por animais.

O ataque a Palma colocou travão nas operações de extracção de gás natural do campo Rovuma ao largo. Gerou novo fluxo de refugiados que procuraram chegar a Pemba por todos os meios.

Neste tempo, as autoridades moçambicanas encerraram mesquitas que consideraram radicalizadas. Outras, permaneceram abertas e moderadas.

Contribuíram para o acolhimento dos cerca de 700 mil refugiados que continuam a afluir a Pemba por todos os meios.

A pé, alguns após caminharem mais de 100km com filhos e uns poucos pertences às costas. E a desembarcarem de canoas, dhows e outras embarcações sobrelotadas nas praias em redor.

Também as igrejas na cidade alta de Pemba são, agora, centros de acolhimento cobertos, no âmago de campos de tendas improvisados que aumentam de dia para dia e que reforçam a noção de que, à imagem das embarcações, também Pemba já ultrapassou o seu limite.

O que não surpreende se tivermos em conta que, em tempos normais, a cidade abriga apenas 140 mil moçambicanos.

Ainda nos custa a crer – quanto mais a compreender e a interiorizar – todo o cenário atroz de que nos inteiramos pelas sucessivas más notícias.

Em Julho de 2017, quando, na sequência de Paquite, ascendemos à descoberta da cidade alta, nada em Pemba nos permitia imaginar a sua actual realidade.

Sob o calor seco que o sol quase a pique intensificava, encontrámos essa secção de Pemba, sobranceira a Paquite, quase deserta, com uma atmosfera mais que tranquila, sedativa.

A igreja Maria Auxiliadora permanecia fechada, sem sinal de fiéis, com a fachada acastanhada a recortar o céu azulão.

Um ou outro transeunte passava em frente à catedral de São Paulo, sem pressas.

A biblioteca provincial estava entregue à estátua insinuante de Samora Machel, percursor marxista e primeiro presidente da independência de Moçambique.

Na Pemba sucessora da Porto Amélia colonial, ainda repleta de legado arquitectónico e administrativo português, só o sector envolvente da Rua Comércio, contíguo ao porto de que chegam os bens (e, agora, milhares de refugiados) destoava da apatia vigente no píncaro da cidade.

Hoje, ao contrário de então, vítimas do colapso económico que acompanha a pandemia Covid 19 e a crise dos refugiados, os donos das lojas afiançam que faz cada vez menos sentido mantê-las abertas.

Voltemos ao contexto por que viajámos por terras de Cabo Delgado, em vésperas da desgraça que se viria a instalar.

Da parte da tarde, percorremos a Avenida Marginal no sentido contrário. Almoçamos num tal de Pieter’s Place.

Em seguida, calcorreamos a praia imediata, para cá e para lá, em busca dos embondeiros majestosos que por ali se insinuam ao Canal de Moçambique, como que a acenarem aos vizinhos malgaxes.

Sobre o ocaso, chegamos à praia do Wimbe.

O areal vasto e alvo e as águas translúcidas deste litoral sedutor promoveram-na a recreio balnear supremo de Pemba.

Para sorte de uma comunidade de empresários do turismo e insatisfação da maior parte dos pembenses que se que queixam que, à conta da fama da praia, o custo de vida da cidade se tornou incomportável.

Àquela hora nada disso interessava.

Wimbe estava entregue ao frenesim juvenil que sempre ali precede o ocaso.

Adolescentes disputavam uma partida aguerrida de futebol com a floresta de coqueiros residente como limite estimado do campo.

Outros, mais novos partilhavam um longo êxtase balnear, a mergulharem e a chapinharem nas vagas que o arredondado da enseada fazia mansas.

Dois ou três desses banhistas reparam que por ali andamos de máquina fotográfica.

“Olha aqui, muzungo, olha para nós! “garantem, assim, a nossa atenção. Num ápice, enfarinham-se e douram-se de areia, em jeito de máscaras mussiro improvisadas.

Noutro, geram uma pilha humana sorridente que quase se nos enfia pelas objectivas adentro.

Em Julho de 2017, Pemba vivia toda esta felicidade e muita mais.

Que Deus, seja muçulmano, cristão ou de outra fé, a poupe.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
Cidades
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Étnico
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
História
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Buracos dos cozidos das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal
Ilhas
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Torres del Paine, Patagónia Dramática, Chile
Parques Naturais
PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Património Mundial UNESCO
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Praias
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Religião
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Vida Selvagem
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.