Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique


Felicidade de areia
Rapariga de Pemba, polvinhada de areia, na praia de Wimbe.
Remata – Defende
Dois rapazes entretêm-se com remates e defesas num areal ainda molhado de Pemba.
Baixa Mar
Moradores de Paquitequete caminham na maré vazia ao largo da baía de Pemba.
Acrobacias marciais
Rapazes praticam acrobacias numa beira-mar de Pemba.
Samora Machel
Estátua de Samora Machel, o primeiro presidente de Moçambique, na Biblioteca de Pemba.
Polvo de metro e meio
Casal de Pemba exibe um polvo acabado de recolher de pescadores em canoas.
Paz Vegetal
Cliente sentada numa pequena esplanada improvisada no cimo de um enorme embondeiro.
Embondeiros ou Baobás
Silhuetas de embondeiros de Pemba, à beira do Canal de Moçambique.
Wimbe Fute
Rapazes de Pemba jogam futebol no areal da praia de Wimbe.
Maria Auxiliadora
Transeunte passa em frente à Igreja de Maria Auxiliadora, na cidade alta de Pemba.
Mãe & Filhas
Mãe e filhas pembenses na praia de Wimbe.
Mesquita Aqswa
Morador do bairro de Paquitequete caminha em frente à mesquita de Awswa.
Moda Areia
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Diversão Dourada
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Banhos comunais
Miúdos em êxtase pela diversão balnear, na praia de Wimbe de Pemba.
Arquitectura Islâmica
Recanto com arquitectura muçulmana da mesquita Aqswa de Paquitequete.
Paquitequete. Ou Paquite
O Bairro piscatório de Paquite visto da cidade alta de Pemba.
Volta à Costa
Pescadores regressam do Canal de Moçambique às imediações de Paquitequete.
Trio de Ataque
Jogadores de uma das equipas prestes a defrontar-se sobre o pelado de Paquitequete.
Ao Vento do Canal
Pequeno dhow navega na direcção do bairro de Paquitequete, no litoral de Pemba.
Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.

Estamos em plena época seca de Moçambique.

Despertamos com mais um dia radioso. Nuvens, só uma caravana de cumulus e stratocumulus desprovidas de humidade e que branqueavam o Inverno soalheiro deste oriente africano.

Percorremos a avenida Marginal, pelo norte da península por que se espraia Pemba.

A estrada curva sob um vértice aguçado da costa, aquém de um recife do Canal de Moçambique que ali tornava o mar raso e arenoso.

Detemo-nos no cimo de uma falésia rochosa. Nesse preciso momento, um grupo de pescadores conduz as suas canoas coloridas ao areal.

Lá os espera outra comitiva, munida de baldes e de alguidares, dos receptáculos para os peixes e os polvos que os pescadores trazem a bordo.

São mulheres de lenços à cabeça, com capulanas folclóricas da cintura para baixo.

São também alguns jovens em trajes com pouco de tradicional, camisetas de equipas de futebol, calções a condizer e chinelos.

Aquela transação piscatória faz-se numa base diária pelo que há pouco a discutir. Num ápice, os compradores colocam os baldes e alguidares à cabeça e somem-se para o cerne das suas vidas.

Os vendedores, levam as canoas a ancorar do lado de lá da baía.

Reajustamos o olhar para um areal que a maré vazia ainda descobria e que o sol dourava sempre que nele incidia.

Ali, dois rapazes disputavam uma partida de baliza a baliza com uma entrega de final de Champions.

Para diante, alguns pequenos dhows deslizam sobre a água esmeralda, com um rumo similar aos das canoas.

Descemos para o sopé da falésia. Verificamos que, afinal, uns poucos compradores continuavam à sua sombra.

Uma jovem mãe com um bebé adormecido sobre o peito.

E um homem a seu lado que, para nosso espanto, desenrola um polvo com tentáculos da sua cabeça aos pés.

Percebemos que a pescaria não tinha chegado para todos.

Além deste casal, três jovens chilavam, refastelados. Intrigados quanto a de onde tinham saído os muzungos, prendam-nos com sorrisos tímidos. Esclarecem-nos que esperavam que outros pescadores dessem à costa.

Regressamos ao cimo decididos a prolongar o privilégio panorâmico. No entretanto, o trânsito de pedestres e de embarcações a cruzar as águas rentes tinha aumentado.

Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete

Pescadores e embarcações no recorte da enseada de Pemba junto a Paquitequete.

Mais canoas e dhows diminutos confluíam para um mesmo ancoradouro natural, organizado em frente à primeira vaga do casario e dos coqueiros do bairro de Paquitequete.

Lá prosseguimos à descoberta de Pemba.

É sexta-feira. Quase sobre as dez da manhã, o calor aperta.

Mesmo assim, mal chegamos ao pelado no âmago da povoação damos de cara com três jogadores equipados a rigor com as cores da sua equipa: camisola amarela, calções de um roxo brilhante.

Preparam-se para uma espécie de derby local. O tempo fotográfico que nos concedem é curto e não dá direito a descontos.

Chegam mais jogadores, uns da mesma equipa, outros rivais, em qualquer dos casos, abençoados pela mesquita Aqswa que, atrás de todos, se projecta acima do casario.

Os moradores de Paquite, como é tratado o bairro de maneira a encurtar a trabalheira de o chamar pelo nome completo são, na sua maioria muçulmanos.

Como é a população de Pemba em geral, sem prejuízo da diocese e das igrejas católicas junto ao âmago administrativo da capital de Cabo Delgado.

A zona de Pemba já era muçulmana contava-se mais de meio milénio aquando da passagem pioneira de Vasco da Gama por estas paragens, em 1492, diz-se que por ilhas do arquipélago das Quirimbas.

Era muçulmana, de forte influência suaíli e falante do dialecto quimuâni que o quase meio milénio de colonização portuguesa nunca fez desaparecer.

Pois, passado todo este tempo, a mesquita de Paquite, Pemba e as gentes do norte de Cabo Delgado veem-se aflitos com um desvario jihadista (mal) disfarçado de fé islâmica.

Explicações de especialistas em assuntos africanos afiançam que o problema começou após líderes muçulmanos se terem deixado radicalizar por ensinamentos da corrente salafita, vigorosa na Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar.

Ora, o salafismo e os seus ensinamentos são avessos ao Cristianismo, ao animismo, aos valores do ocidente e até de um Islamismo mais equilibrado.

Agravou-se, depois do seu regresso, quando rebeldes armados por eles instigados, chegaram a invadir mesquitas tradicionais e a ameaçar crentes de morte caso não aderissem aos ideais radicais que defendem.

Estes insurgentes, confrontaram-se com a resistência de muftis moderados e da população em geral, em aceitarem uma fé e vida muçulmana submetida ao salafismo.

A determinada altura desse processo insurgente, impôs-se na região a Ansar al-Sunna (Apoiantes da Tradição), uma facção dissidente.

A ela se juntaram elementos que se dizem representantes do ISIS, estima-se que somalis, tanzanianos, ugandeses, congoleses e outros.

Como resultado terrorista prático, desde Outubro de 2017 que se repetem ataques a estações de polícia e outras entidades estatais, a igrejas, a aldeias e povoados indiscriminados, ataques cada vez mais destrutivos e sanguinários.

Aconteceram primeiro na cidade de Mocímboa da Praia e aldeias em redor. Apesar de respostas militares ocasionais e mal coordenadas das forças policiais e armadas moçambicanas, reforçadas por outras de empresas privadas sul africanas e russas, o território controlado pelos dissidentes aumentou.

Em 24 de Março 2021, Palma sofreu a mais devastadora das investidas. Este ataque brutal causou um número ainda por determinar de vítimas, algumas estrangeiras. Deixou cadáveres decapitados nas ruas, a serem comidos por animais.

O ataque a Palma colocou travão nas operações de extracção de gás natural do campo Rovuma ao largo. Gerou novo fluxo de refugiados que procuraram chegar a Pemba por todos os meios.

Neste tempo, as autoridades moçambicanas encerraram mesquitas que consideraram radicalizadas. Outras, permaneceram abertas e moderadas.

Contribuíram para o acolhimento dos cerca de 700 mil refugiados que continuam a afluir a Pemba por todos os meios.

A pé, alguns após caminharem mais de 100km com filhos e uns poucos pertences às costas. E a desembarcarem de canoas, dhows e outras embarcações sobrelotadas nas praias em redor.

Também as igrejas na cidade alta de Pemba são, agora, centros de acolhimento cobertos, no âmago de campos de tendas improvisados que aumentam de dia para dia e que reforçam a noção de que, à imagem das embarcações, também Pemba já ultrapassou o seu limite.

O que não surpreende se tivermos em conta que, em tempos normais, a cidade abriga apenas 140 mil moçambicanos.

Ainda nos custa a crer – quanto mais a compreender e a interiorizar – todo o cenário atroz de que nos inteiramos pelas sucessivas más notícias.

Em Julho de 2017, quando, na sequência de Paquite, ascendemos à descoberta da cidade alta, nada em Pemba nos permitia imaginar a sua actual realidade.

Sob o calor seco que o sol quase a pique intensificava, encontrámos essa secção de Pemba, sobranceira a Paquite, quase deserta, com uma atmosfera mais que tranquila, sedativa.

A igreja Maria Auxiliadora permanecia fechada, sem sinal de fiéis, com a fachada acastanhada a recortar o céu azulão.

Um ou outro transeunte passava em frente à catedral de São Paulo, sem pressas.

A biblioteca provincial estava entregue à estátua insinuante de Samora Machel, percursor marxista e primeiro presidente da independência de Moçambique.

Na Pemba sucessora da Porto Amélia colonial, ainda repleta de legado arquitectónico e administrativo português, só o sector envolvente da Rua Comércio, contíguo ao porto de que chegam os bens (e, agora, milhares de refugiados) destoava da apatia vigente no píncaro da cidade.

Hoje, ao contrário de então, vítimas do colapso económico que acompanha a pandemia Covid 19 e a crise dos refugiados, os donos das lojas afiançam que faz cada vez menos sentido mantê-las abertas.

Voltemos ao contexto por que viajámos por terras de Cabo Delgado, em vésperas da desgraça que se viria a instalar.

Da parte da tarde, percorremos a Avenida Marginal no sentido contrário. Almoçamos num tal de Pieter’s Place.

Em seguida, calcorreamos a praia imediata, para cá e para lá, em busca dos embondeiros majestosos que por ali se insinuam ao Canal de Moçambique, como que a acenarem aos vizinhos malgaxes.

Sobre o ocaso, chegamos à praia do Wimbe.

O areal vasto e alvo e as águas translúcidas deste litoral sedutor promoveram-na a recreio balnear supremo de Pemba.

Para sorte de uma comunidade de empresários do turismo e insatisfação da maior parte dos pembenses que se que queixam que, à conta da fama da praia, o custo de vida da cidade se tornou incomportável.

Àquela hora nada disso interessava.

Wimbe estava entregue ao frenesim juvenil que sempre ali precede o ocaso.

Adolescentes disputavam uma partida aguerrida de futebol com a floresta de coqueiros residente como limite estimado do campo.

Outros, mais novos partilhavam um longo êxtase balnear, a mergulharem e a chapinharem nas vagas que o arredondado da enseada fazia mansas.

Dois ou três desses banhistas reparam que por ali andamos de máquina fotográfica.

“Olha aqui, muzungo, olha para nós! “garantem, assim, a nossa atenção. Num ápice, enfarinham-se e douram-se de areia, em jeito de máscaras mussiro improvisadas.

Noutro, geram uma pilha humana sorridente que quase se nos enfia pelas objectivas adentro.

Em Julho de 2017, Pemba vivia toda esta felicidade e muita mais.

Que Deus, seja muçulmano, cristão ou de outra fé, a poupe.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Cultura
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Vulto na Praia do Curral, Ilhabela, Brasil
História
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Buraco Azul, ilha de Gozo, Malta
Ilhas
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Enriquillo, Grande lago das Antilhas, República Dominicana, vista da Cueva das Caritas de Taínos
Natureza
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Foz incandescente, Grande Ilha Havai, Parque Nacional Vulcoes, rios de Lava
Parques Naturais
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
agua grande plataforma, cataratas iguacu, brasil, argentina
Património Mundial UNESCO
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
imperador akihito acena, imperador sem imperio, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Hipopótamo na Lagoa de Anôr, Ilha de Orango, Bijagós, Guiné Bissau
Vida Selvagem
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT