Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique


Felicidade de areia
Rapariga de Pemba, polvinhada de areia, na praia de Wimbe.
Remata – Defende
Dois rapazes entretêm-se com remates e defesas num areal ainda molhado de Pemba.
Baixa Mar
Moradores de Paquitequete caminham na maré vazia ao largo da baía de Pemba.
Acrobacias marciais
Rapazes praticam acrobacias numa beira-mar de Pemba.
Samora Machel
Estátua de Samora Machel, o primeiro presidente de Moçambique, na Biblioteca de Pemba.
Polvo de metro e meio
Casal de Pemba exibe um polvo acabado de recolher de pescadores em canoas.
Paz Vegetal
Cliente sentada numa pequena esplanada improvisada no cimo de um enorme embondeiro.
Embondeiros ou Baobás
Silhuetas de embondeiros de Pemba, à beira do Canal de Moçambique.
Wimbe Fute
Rapazes de Pemba jogam futebol no areal da praia de Wimbe.
Maria Auxiliadora
Transeunte passa em frente à Igreja de Maria Auxiliadora, na cidade alta de Pemba.
Mãe & Filhas
Mãe e filhas pembenses na praia de Wimbe.
Mesquita Aqswa
Morador do bairro de Paquitequete caminha em frente à mesquita de Awswa.
Moda Areia
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Diversão Dourada
Miúdos enfarinham-se de areia para impressionar os fotógrafos de passagem, na praia de Wimbe.
Banhos comunais
Miúdos em êxtase pela diversão balnear, na praia de Wimbe de Pemba.
Arquitectura Islâmica
Recanto com arquitectura muçulmana da mesquita Aqswa de Paquitequete.
Paquitequete. Ou Paquite
O Bairro piscatório de Paquite visto da cidade alta de Pemba.
Volta à Costa
Pescadores regressam do Canal de Moçambique às imediações de Paquitequete.
Trio de Ataque
Jogadores de uma das equipas prestes a defrontar-se sobre o pelado de Paquitequete.
Ao Vento do Canal
Pequeno dhow navega na direcção do bairro de Paquitequete, no litoral de Pemba.
Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.

Estamos em plena época seca de Moçambique.

Despertamos com mais um dia radioso. Nuvens, só uma caravana de cumulus e stratocumulus desprovidas de humidade e que branqueavam o Inverno soalheiro deste oriente africano.

Percorremos a avenida Marginal, pelo norte da península por que se espraia Pemba.

A estrada curva sob um vértice aguçado da costa, aquém de um recife do Canal de Moçambique que ali tornava o mar raso e arenoso.

Detemo-nos no cimo de uma falésia rochosa. Nesse preciso momento, um grupo de pescadores conduz as suas canoas coloridas ao areal.

Lá os espera outra comitiva, munida de baldes e de alguidares, dos receptáculos para os peixes e os polvos que os pescadores trazem a bordo.

São mulheres de lenços à cabeça, com capulanas folclóricas da cintura para baixo.

São também alguns jovens em trajes com pouco de tradicional, camisetas de equipas de futebol, calções a condizer e chinelos.

Aquela transação piscatória faz-se numa base diária pelo que há pouco a discutir. Num ápice, os compradores colocam os baldes e alguidares à cabeça e somem-se para o cerne das suas vidas.

Os vendedores, levam as canoas a ancorar do lado de lá da baía.

Reajustamos o olhar para um areal que a maré vazia ainda descobria e que o sol dourava sempre que nele incidia.

Ali, dois rapazes disputavam uma partida de baliza a baliza com uma entrega de final de Champions.

Para diante, alguns pequenos dhows deslizam sobre a água esmeralda, com um rumo similar aos das canoas.

Descemos para o sopé da falésia. Verificamos que, afinal, uns poucos compradores continuavam à sua sombra.

Uma jovem mãe com um bebé adormecido sobre o peito.

E um homem a seu lado que, para nosso espanto, desenrola um polvo com tentáculos da sua cabeça aos pés.

Percebemos que a pescaria não tinha chegado para todos.

Além deste casal, três jovens chilavam, refastelados. Intrigados quanto a de onde tinham saído os muzungos, prendam-nos com sorrisos tímidos. Esclarecem-nos que esperavam que outros pescadores dessem à costa.

Regressamos ao cimo decididos a prolongar o privilégio panorâmico. No entretanto, o trânsito de pedestres e de embarcações a cruzar as águas rentes tinha aumentado.

Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete

Pescadores e embarcações no recorte da enseada de Pemba junto a Paquitequete.

Mais canoas e dhows diminutos confluíam para um mesmo ancoradouro natural, organizado em frente à primeira vaga do casario e dos coqueiros do bairro de Paquitequete.

Lá prosseguimos à descoberta de Pemba.

É sexta-feira. Quase sobre as dez da manhã, o calor aperta.

Mesmo assim, mal chegamos ao pelado no âmago da povoação damos de cara com três jogadores equipados a rigor com as cores da sua equipa: camisola amarela, calções de um roxo brilhante.

Preparam-se para uma espécie de derby local. O tempo fotográfico que nos concedem é curto e não dá direito a descontos.

Chegam mais jogadores, uns da mesma equipa, outros rivais, em qualquer dos casos, abençoados pela mesquita Aqswa que, atrás de todos, se projecta acima do casario.

Os moradores de Paquite, como é tratado o bairro de maneira a encurtar a trabalheira de o chamar pelo nome completo são, na sua maioria muçulmanos.

Como é a população de Pemba em geral, sem prejuízo da diocese e das igrejas católicas junto ao âmago administrativo da capital de Cabo Delgado.

A zona de Pemba já era muçulmana contava-se mais de meio milénio aquando da passagem pioneira de Vasco da Gama por estas paragens, em 1492, diz-se que por ilhas do arquipélago das Quirimbas.

Era muçulmana, de forte influência suaíli e falante do dialecto quimuâni que o quase meio milénio de colonização portuguesa nunca fez desaparecer.

Pois, passado todo este tempo, a mesquita de Paquite, Pemba e as gentes do norte de Cabo Delgado veem-se aflitos com um desvario jihadista (mal) disfarçado de fé islâmica.

Explicações de especialistas em assuntos africanos afiançam que o problema começou após líderes muçulmanos se terem deixado radicalizar por ensinamentos da corrente salafita, vigorosa na Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar.

Ora, o salafismo e os seus ensinamentos são avessos ao Cristianismo, ao animismo, aos valores do ocidente e até de um Islamismo mais equilibrado.

Agravou-se, depois do seu regresso, quando rebeldes armados por eles instigados, chegaram a invadir mesquitas tradicionais e a ameaçar crentes de morte caso não aderissem aos ideais radicais que defendem.

Estes insurgentes, confrontaram-se com a resistência de muftis moderados e da população em geral, em aceitarem uma fé e vida muçulmana submetida ao salafismo.

A determinada altura desse processo insurgente, impôs-se na região a Ansar al-Sunna (Apoiantes da Tradição), uma facção dissidente.

A ela se juntaram elementos que se dizem representantes do ISIS, estima-se que somalis, tanzanianos, ugandeses, congoleses e outros.

Como resultado terrorista prático, desde Outubro de 2017 que se repetem ataques a estações de polícia e outras entidades estatais, a igrejas, a aldeias e povoados indiscriminados, ataques cada vez mais destrutivos e sanguinários.

Aconteceram primeiro na cidade de Mocímboa da Praia e aldeias em redor. Apesar de respostas militares ocasionais e mal coordenadas das forças policiais e armadas moçambicanas, reforçadas por outras de empresas privadas sul africanas e russas, o território controlado pelos dissidentes aumentou.

Em 24 de Março 2021, Palma sofreu a mais devastadora das investidas. Este ataque brutal causou um número ainda por determinar de vítimas, algumas estrangeiras. Deixou cadáveres decapitados nas ruas, a serem comidos por animais.

O ataque a Palma colocou travão nas operações de extracção de gás natural do campo Rovuma ao largo. Gerou novo fluxo de refugiados que procuraram chegar a Pemba por todos os meios.

Neste tempo, as autoridades moçambicanas encerraram mesquitas que consideraram radicalizadas. Outras, permaneceram abertas e moderadas.

Contribuíram para o acolhimento dos cerca de 700 mil refugiados que continuam a afluir a Pemba por todos os meios.

A pé, alguns após caminharem mais de 100km com filhos e uns poucos pertences às costas. E a desembarcarem de canoas, dhows e outras embarcações sobrelotadas nas praias em redor.

Também as igrejas na cidade alta de Pemba são, agora, centros de acolhimento cobertos, no âmago de campos de tendas improvisados que aumentam de dia para dia e que reforçam a noção de que, à imagem das embarcações, também Pemba já ultrapassou o seu limite.

O que não surpreende se tivermos em conta que, em tempos normais, a cidade abriga apenas 140 mil moçambicanos.

Ainda nos custa a crer – quanto mais a compreender e a interiorizar – todo o cenário atroz de que nos inteiramos pelas sucessivas más notícias.

Em Julho de 2017, quando, na sequência de Paquite, ascendemos à descoberta da cidade alta, nada em Pemba nos permitia imaginar a sua actual realidade.

Sob o calor seco que o sol quase a pique intensificava, encontrámos essa secção de Pemba, sobranceira a Paquite, quase deserta, com uma atmosfera mais que tranquila, sedativa.

A igreja Maria Auxiliadora permanecia fechada, sem sinal de fiéis, com a fachada acastanhada a recortar o céu azulão.

Um ou outro transeunte passava em frente à catedral de São Paulo, sem pressas.

A biblioteca provincial estava entregue à estátua insinuante de Samora Machel, percursor marxista e primeiro presidente da independência de Moçambique.

Na Pemba sucessora da Porto Amélia colonial, ainda repleta de legado arquitectónico e administrativo português, só o sector envolvente da Rua Comércio, contíguo ao porto de que chegam os bens (e, agora, milhares de refugiados) destoava da apatia vigente no píncaro da cidade.

Hoje, ao contrário de então, vítimas do colapso económico que acompanha a pandemia Covid 19 e a crise dos refugiados, os donos das lojas afiançam que faz cada vez menos sentido mantê-las abertas.

Voltemos ao contexto por que viajámos por terras de Cabo Delgado, em vésperas da desgraça que se viria a instalar.

Da parte da tarde, percorremos a Avenida Marginal no sentido contrário. Almoçamos num tal de Pieter’s Place.

Em seguida, calcorreamos a praia imediata, para cá e para lá, em busca dos embondeiros majestosos que por ali se insinuam ao Canal de Moçambique, como que a acenarem aos vizinhos malgaxes.

Sobre o ocaso, chegamos à praia do Wimbe.

O areal vasto e alvo e as águas translúcidas deste litoral sedutor promoveram-na a recreio balnear supremo de Pemba.

Para sorte de uma comunidade de empresários do turismo e insatisfação da maior parte dos pembenses que se que queixam que, à conta da fama da praia, o custo de vida da cidade se tornou incomportável.

Àquela hora nada disso interessava.

Wimbe estava entregue ao frenesim juvenil que sempre ali precede o ocaso.

Adolescentes disputavam uma partida aguerrida de futebol com a floresta de coqueiros residente como limite estimado do campo.

Outros, mais novos partilhavam um longo êxtase balnear, a mergulharem e a chapinharem nas vagas que o arredondado da enseada fazia mansas.

Dois ou três desses banhistas reparam que por ali andamos de máquina fotográfica.

“Olha aqui, muzungo, olha para nós! “garantem, assim, a nossa atenção. Num ápice, enfarinham-se e douram-se de areia, em jeito de máscaras mussiro improvisadas.

Noutro, geram uma pilha humana sorridente que quase se nos enfia pelas objectivas adentro.

Em Julho de 2017, Pemba vivia toda esta felicidade e muita mais.

Que Deus, seja muçulmano, cristão ou de outra fé, a poupe.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Hiroxima, cidade rendida à paz, Japão
Cidades
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Manhã cedo no Lago
Étnico

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
História
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Praia do Penedo, Ilha de Porto Santo, Portugal
Ilhas
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Natureza
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
À boleia do mar
Parques Naturais
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Património Mundial UNESCO
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
Praias
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Sociedade
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Vida Selvagem
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.