Machangulo, Moçambique

A Península Dourada de Machangulo


A Miragem de Maputo
Maré quase Vazia
As Cabanas do Lodge
Bar do Lodge
O Malogrado “Blue Wave”
A Esquina da Península
Maré Crustácea
Beira do Canal de Santa Maria
Inhaca virada ao Índico
Um Ntxuva
Ocaso sobre a Baía
O Caminho das Alturas
Mini-Dunas
Pesca a Três
Tripulante Descansado
Pesca à Rede
Duo da Ponta Abril
Ocaso dourado
A determinada altura, um braço de mar divide a longa faixa arenosa e repleta de dunas hiperbólicas que delimita a Baía de Maputo. Machangulo, assim se denomina a secção inferior, abriga um dos litorais mais grandiosos de Moçambique.

Por fim, a lancha zarpa da marina de Maputo.

Aos poucos, o horizonte de gráfico de barras formado pelos prédios da grande urbe moçambicana passa a miragem tremelicante.

Logo, desvanece-se entre os azuis opressores da paisagem, o do oceano Índico e o celeste acima.

A baía torna-se imensa. Nós que a cruzarmos a motor, somos uma espécie de excepção, entre a frota de dhows de velas esticadas na direcção de um mar de nuvens movidas ao mesmo vento.

A hora da partida tinha sido tudo menos inocente. “Quanto mais para perto da península de Santa Maria mais areado aquilo está” confessa-nos, algo apreensivo, um tripulante.

“Se não passamos por lá com a maré bem cheia, podemos ficar encalhados.”

Escutamos o desabafo. Fazemos fé na experiência e perícia do homem do leme.

À medida que a profundidade diminui, as águas translúcidas tornam-se de um incrível tom de esmeralda. Acompanham-nos golfinhos.

Avistamos tartarugas e, mais próximo que nunca, outros dhows, cada qual vestido do seu triângulo colorido.

A Evasão dos Sul-Africanos na Deslumbrante Baía de Maputo

Temos mais com que nos preocuparmos que o assoreamento da baía. Enquanto serpenteamos a sul de Inhaca, percebemos que não somos os únicos.

A beira-mar está à pinha de convivas anfíbios, encorpados, com peles brancas e cabelos claros.

Partilham acampamentos, para o que estamos habituados, hipersofisticados. Equipados de grelhadores eléctricos, bombas de encher insufláveis, mesas e cadeiras dobráveis, gazebos balneares usados como protectores portáteis e providenciais do sol tropical inclemente.

Naquele reduto, as lanchas suplantam os dhows.

Tal como noutras partes meridionais de Moçambique, os sul-africanos destacam-se entre os moçambicanos. Pela sua mera presença, mas, sobretudo pelo empreendedorismo com que a revestem.

Uma das razões porque os sul-africanos por ali se concentrarem é o facto de lá abundarem lodges e resorts erguidos e explorados por seus conterrâneos.

Com a mestria e determinação que os empresários do turismo da África do Sul partilham na nação arco-íris, na Namíbia, Botswana e noutros países vizinhos.

Sem surpresa, estávamos a caminho de um deles.

Quando passamos a Ponta Torres, inauguramos a travessia do Canal de Santa Maria, conhecido pelos velejadores por “Devils Gate” devido às suas vagas, correntes, rochas e areias traiçoeiras.

A Península de Machangulo das Dunas e o Machangulo Lodge

Ficamos com o extremo norte dos mais de dez mil hectares da Península de Machangulo por diante.

E, a sul, com a vasta Reserva Natural (antiga Reserva de Elefantes) de Maputo. Sabemos, então, que estamos prestes a chegar.

A praia de Machangulo prolonga-se.

Antes de atingir o seu limiar leste e fazer esquina com o verdadeiro litoral do Índico, vemos dela elevarem-se dunas enormes.

O timoneiro cruza para a sua base. Sem que o esperássemos, uma comitiva expectante acena-nos e dá-nos as boas-vindas.

Percorremos os passadiços e escadarias do Machangulo Lodge até aos edifícios que os proprietários instalaram naquelas alturas arenosas.

Um Lodge no Cimo das Dunas Gigantes de Machangulo

Admiramos a vista incrível da cabana em que nos alojam.

Com o sol já a descair para os lados de Maputo e do Atlântico, apressamo-nos a inaugurar a descoberta.

Subimos ao que pensamos ser o zénite das areias.

Dali, damos com novos cimos e vales, com um alto supremo que concede uma vista picada sobre a praia de Machangulo e sobre outras, mais distantes, da ilha de Inhaca e dos seus ajustes sinuosos ao oceano.

Concentramo-nos no imediato.

Lá em baixo, sobre a beira-mar reluzente em tom de canela, um casal debate-se com o emaranhado de uma longa rede piscatória.

Ele, a remover da água os fios de nylon e as boias que os compartimentavam.

Ela, a puxar e a esticar o conjunto ao longo do areal.

Essa tentativa tinha rendido uns poucos espécimes.

Com a rede desembaraçada, o homem reentra no canal e volta a esticar a rede, de maneira a armadilhar os peixes que seguiam o fluxo da maré.

Aventuramo-nos na direcção oposta, entre novos morros resvaladiços em que a humidade retida irrigava uma cobertura de arbustos verdejantes, mas ásperos.

O afastamento permite-nos perceber como o Machangulo Lodge tinha instaladas, no meio dessa quase-floresta cerrada, as suas cabanas e outros edifícios mais amplos, todos com telhado de colmo, bem como o pórtico o identificava.

Atingimos novo cimo. Sobre o limiar curvo da península de Machangulo, onde o canal de Santa Maria liga a Baía de Maputo ao Índico.

Daí, vemos o sol precipitar-se para lá do Ocidente.

Dunas Abismais e Praias de Sonho  em todas as Direcções

Na direcção oposta, o ocaso arroxeava caravanas de nuvens velozes.

Um casal forasteiro passeava-se pela curva que a maré vazante tinha quase dobrado. Bandos de aves reuniam-se aquém do alcance das vagas. Salpicavam a areia encharcada dos seus vultos.

Não tarda, o anoitecer substituiu todo esse quadro crepuscular pela abóboda celeste sarapintada.

Sobre Machangulo e Inhaca, umas meras luzinhas humanas comprovavam como, malgrado a iminência de Maputo, o quão retiradas da civilização continuavam aquelas paragens.

Na manhã que se seguiu, bem cedo, passamos para norte do canal. Entregamo-nos a uma incursão à vizinha Inhaca a que, em breve, dedicaremos o seu próprio artigo.

Machangulo Abaixo, pelo Litoral Índico da Península

A meio da tarde, estávamos de volta a Machangulo. Determinados a, até ao fim do dia, explorar a costa índica a sul do canal de Santa Maria.

Nesse novo rumo, passamos por pescadores, dentro de água, até aos joelhos, a lançarem as suas linhas o mais possível para dentro do oceano.

Logo, por uma secção do areal repleta de pequenas lombas, miniaturas das verdadeiras dunas acima.

Caminhamos entre a rebentação e a sua base quando, percebemos que continuamos com companhia.

À distância, centenas de caranguejos avermelhados deixavam o mar para a secção do areal ainda batida pelo sol.

Quando deles nos tentamos aproximar, descem, à pressa. Somem-se para dentro das ondas.

Detemo-nos a apreciá-los e ao seu bailado lateralizado.

Sem a ameaça do nosso movimento, tornam-se tantos que alaranjam o areal encharcado pela frente.

Machangulo ainda nos revelaria outras excentricidades.

Adiante, dois pescadores moçambicanos encerravam o dia. Enchiam um saco de alças com os peixes que haviam pescado.

Cada qual, segurava na sua alça e partilhavam, assim, o peso do sucesso por igual.

O Veleiro Encalhado “Blue Wave”

Uma península em forma de duna, a Ponta Abril, interrompe a longitude do areal.

Para passarmos para o lado de lá, vemo-nos forçados a contorná-la a meia encosta.

Ora, quando nos preparamos para o fazer, surpreende-nos a visão de um barco naufragado, mastros para cima, quase na mesma inclinação da frente da duna.

Com a maré uma vez mais a descer, as vagas só chegavam ao fundo do casco enferrujado. O nome mal se lia.

A esforço, percebemos “Blue Wave”. Uma investigação posterior confirma-o.

O iate encalhou no recife ao largo da Ponta Abril, em Janeiro de 2017. Contam os moradores de Machangulo que o proprietário, capitão Alex, ainda se hospedou com uma equipa de salvamento, num tal de Bemugis Place, um lodge e restaurante da costa oposta, determinado a libertá-lo.

Em Outubro desse ano, muita maré cheia depois, tinha conseguido, erguer o iate e colocá-lo sobre uma plataforma. De pouco terá adiantado. O barco tinha perdido toda e qualquer condição de navegabilidade.

Pelo menos, em 2021, por lá continuava, a providenciar sombra aos pescadores adeptos da Ponta Abril.

Desse promontório, a península de Machangulo estende-se sem fim à vista, continuada pelo que resta do litoral sul de Moçambique, até à Ponta do Ouro que marca a fronteira com a África do Sul.

Sem pretensões de caminharmos noite adentro, invertemos marcha.

Encontramos o sol a desfazer-se em amarelo, cortado pela floresta arbustiva atrás da Ponta. Damos com os caranguejos ainda a usufruírem da derradeira luz.

Ao atingirmos o cimo de Machangulo, volta a assombrar-nos a Baía de Maputo em fogo.

COMO IR

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:  Voo Lisboa – Luanda – Windhoek (Namíbia) em TAAG : www.taag.com por a partir de 750€.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Moçambique

A Ilha que Ilumina a de Moçambique

A pequena ilha de Goa sustenta um farol já secular à entrada da Baía de Mossuril. A sua torre listada sinaliza a primeira escala de um périplo de dhow deslumbrante em redor da velha Ilha de Moçambique.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Cultura
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Em Viagem
Moçamedes ao PN Iona, Namibe, Angola

Entrada em Grande na Angola das Dunas

Ainda com Moçâmedes como ponto de partida, viajamos em busca das areias do Namibe e do Parque Nacional Iona. A meteorologia do cacimbo impede a continuação entre o Atlântico e as dunas para o sul deslumbrante da Baía dos Tigres. Será só uma questão de tempo.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
História
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Mirador de La Peña, El Hierro, Canárias, Espanha
Ilhas
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Natureza
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Parques Naturais
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Cataratas Victória, Zâmbia, Zimbabué, Zambeze
Património Mundial UNESCO
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Páscoa Seurassari, Helsínquia, Finlândia, Marita Nordman
Religião
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.