Machangulo, Moçambique

A Península Dourada de Machangulo


A Miragem de Maputo
Maré quase Vazia
As Cabanas do Lodge
Bar do Lodge
O Malogrado “Blue Wave”
A Esquina da Península
Maré Crustácea
Beira do Canal de Santa Maria
Inhaca virada ao Índico
Um Ntxuva
Ocaso sobre a Baía
O Caminho das Alturas
Mini-Dunas
Pesca a Três
Tripulante Descansado
Pesca à Rede
Duo da Ponta Abril
Ocaso dourado
A determinada altura, um braço de mar divide a longa faixa arenosa e repleta de dunas hiperbólicas que delimita a Baía de Maputo. Machangulo, assim se denomina a secção inferior, abriga um dos litorais mais grandiosos de Moçambique.

Por fim, a lancha zarpa da marina de Maputo.

Aos poucos, o horizonte de gráfico de barras formado pelos prédios da grande urbe moçambicana passa a miragem tremelicante.

Logo, desvanece-se entre os azuis opressores da paisagem, o do oceano Índico e o celeste acima.

A baía torna-se imensa. Nós que a cruzarmos a motor, somos uma espécie de excepção, entre a frota de dhows de velas esticadas na direcção de um mar de nuvens movidas ao mesmo vento.

A hora da partida tinha sido tudo menos inocente. “Quanto mais para perto da península de Santa Maria mais areado aquilo está” confessa-nos, algo apreensivo, um tripulante.

“Se não passamos por lá com a maré bem cheia, podemos ficar encalhados.”

Escutamos o desabafo. Fazemos fé na experiência e perícia do homem do leme.

À medida que a profundidade diminui, as águas translúcidas tornam-se de um incrível tom de esmeralda. Acompanham-nos golfinhos.

Avistamos tartarugas e, mais próximo que nunca, outros dhows, cada qual vestido do seu triângulo colorido.

A Evasão dos Sul-Africanos na Deslumbrante Baía de Maputo

Temos mais com que nos preocuparmos que o assoreamento da baía. Enquanto serpenteamos a sul de Inhaca, percebemos que não somos os únicos.

A beira-mar está à pinha de convivas anfíbios, encorpados, com peles brancas e cabelos claros.

Partilham acampamentos, para o que estamos habituados, hipersofisticados. Equipados de grelhadores eléctricos, bombas de encher insufláveis, mesas e cadeiras dobráveis, gazebos balneares usados como protectores portáteis e providenciais do sol tropical inclemente.

Naquele reduto, as lanchas suplantam os dhows.

Tal como noutras partes meridionais de Moçambique, os sul-africanos destacam-se entre os moçambicanos. Pela sua mera presença, mas, sobretudo pelo empreendedorismo com que a revestem.

Uma das razões porque os sul-africanos por ali se concentrarem é o facto de lá abundarem lodges e resorts erguidos e explorados por seus conterrâneos.

Com a mestria e determinação que os empresários do turismo da África do Sul partilham na nação arco-íris, na Namíbia, Botswana e noutros países vizinhos.

Sem surpresa, estávamos a caminho de um deles.

Quando passamos a Ponta Torres, inauguramos a travessia do Canal de Santa Maria, conhecido pelos velejadores por “Devils Gate” devido às suas vagas, correntes, rochas e areias traiçoeiras.

A Península de Machangulo das Dunas e o Machangulo Lodge

Ficamos com o extremo norte dos mais de dez mil hectares da Península de Machangulo por diante.

E, a sul, com a vasta Reserva Natural (antiga Reserva de Elefantes) de Maputo. Sabemos, então, que estamos prestes a chegar.

A praia de Machangulo prolonga-se.

Antes de atingir o seu limiar leste e fazer esquina com o verdadeiro litoral do Índico, vemos dela elevarem-se dunas enormes.

O timoneiro cruza para a sua base. Sem que o esperássemos, uma comitiva expectante acena-nos e dá-nos as boas-vindas.

Percorremos os passadiços e escadarias do Machangulo Lodge até aos edifícios que os proprietários instalaram naquelas alturas arenosas.

Um Lodge no Cimo das Dunas Gigantes de Machangulo

Admiramos a vista incrível da cabana em que nos alojam.

Com o sol já a descair para os lados de Maputo e do Atlântico, apressamo-nos a inaugurar a descoberta.

Subimos ao que pensamos ser o zénite das areias.

Dali, damos com novos cimos e vales, com um alto supremo que concede uma vista picada sobre a praia de Machangulo e sobre outras, mais distantes, da ilha de Inhaca e dos seus ajustes sinuosos ao oceano.

Concentramo-nos no imediato.

Lá em baixo, sobre a beira-mar reluzente em tom de canela, um casal debate-se com o emaranhado de uma longa rede piscatória.

Ele, a remover da água os fios de nylon e as boias que os compartimentavam.

Ela, a puxar e a esticar o conjunto ao longo do areal.

Essa tentativa tinha rendido uns poucos espécimes.

Com a rede desembaraçada, o homem reentra no canal e volta a esticar a rede, de maneira a armadilhar os peixes que seguiam o fluxo da maré.

Aventuramo-nos na direcção oposta, entre novos morros resvaladiços em que a humidade retida irrigava uma cobertura de arbustos verdejantes, mas ásperos.

O afastamento permite-nos perceber como o Machangulo Lodge tinha instaladas, no meio dessa quase-floresta cerrada, as suas cabanas e outros edifícios mais amplos, todos com telhado de colmo, bem como o pórtico o identificava.

Atingimos novo cimo. Sobre o limiar curvo da península de Machangulo, onde o canal de Santa Maria liga a Baía de Maputo ao Índico.

Daí, vemos o sol precipitar-se para lá do Ocidente.

Dunas Abismais e Praias de Sonho  em todas as Direcções

Na direcção oposta, o ocaso arroxeava caravanas de nuvens velozes.

Um casal forasteiro passeava-se pela curva que a maré vazante tinha quase dobrado. Bandos de aves reuniam-se aquém do alcance das vagas. Salpicavam a areia encharcada dos seus vultos.

Não tarda, o anoitecer substituiu todo esse quadro crepuscular pela abóboda celeste sarapintada.

Sobre Machangulo e Inhaca, umas meras luzinhas humanas comprovavam como, malgrado a iminência de Maputo, o quão retiradas da civilização continuavam aquelas paragens.

Na manhã que se seguiu, bem cedo, passamos para norte do canal. Entregamo-nos a uma incursão à vizinha Inhaca a que, em breve, dedicaremos o seu próprio artigo.

Machangulo Abaixo, pelo Litoral Índico da Península

A meio da tarde, estávamos de volta a Machangulo. Determinados a, até ao fim do dia, explorar a costa índica a sul do canal de Santa Maria.

Nesse novo rumo, passamos por pescadores, dentro de água, até aos joelhos, a lançarem as suas linhas o mais possível para dentro do oceano.

Logo, por uma secção do areal repleta de pequenas lombas, miniaturas das verdadeiras dunas acima.

Caminhamos entre a rebentação e a sua base quando, percebemos que continuamos com companhia.

À distância, centenas de caranguejos avermelhados deixavam o mar para a secção do areal ainda batida pelo sol.

Quando deles nos tentamos aproximar, descem, à pressa. Somem-se para dentro das ondas.

Detemo-nos a apreciá-los e ao seu bailado lateralizado.

Sem a ameaça do nosso movimento, tornam-se tantos que alaranjam o areal encharcado pela frente.

Machangulo ainda nos revelaria outras excentricidades.

Adiante, dois pescadores moçambicanos encerravam o dia. Enchiam um saco de alças com os peixes que haviam pescado.

Cada qual, segurava na sua alça e partilhavam, assim, o peso do sucesso por igual.

O Veleiro Encalhado “Blue Wave”

Uma península em forma de duna, a Ponta Abril, interrompe a longitude do areal.

Para passarmos para o lado de lá, vemo-nos forçados a contorná-la a meia encosta.

Ora, quando nos preparamos para o fazer, surpreende-nos a visão de um barco naufragado, mastros para cima, quase na mesma inclinação da frente da duna.

Com a maré uma vez mais a descer, as vagas só chegavam ao fundo do casco enferrujado. O nome mal se lia.

A esforço, percebemos “Blue Wave”. Uma investigação posterior confirma-o.

O iate encalhou no recife ao largo da Ponta Abril, em Janeiro de 2017. Contam os moradores de Machangulo que o proprietário, capitão Alex, ainda se hospedou com uma equipa de salvamento, num tal de Bemugis Place, um lodge e restaurante da costa oposta, determinado a libertá-lo.

Em Outubro desse ano, muita maré cheia depois, tinha conseguido, erguer o iate e colocá-lo sobre uma plataforma. De pouco terá adiantado. O barco tinha perdido toda e qualquer condição de navegabilidade.

Pelo menos, em 2021, por lá continuava, a providenciar sombra aos pescadores adeptos da Ponta Abril.

Desse promontório, a península de Machangulo estende-se sem fim à vista, continuada pelo que resta do litoral sul de Moçambique, até à Ponta do Ouro que marca a fronteira com a África do Sul.

Sem pretensões de caminharmos noite adentro, invertemos marcha.

Encontramos o sol a desfazer-se em amarelo, cortado pela floresta arbustiva atrás da Ponta. Damos com os caranguejos ainda a usufruírem da derradeira luz.

Ao atingirmos o cimo de Machangulo, volta a assombrar-nos a Baía de Maputo em fogo.

COMO IR

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:  Voo Lisboa – Luanda – Windhoek (Namíbia) em TAAG : www.taag.com por a partir de 750€.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Moçambique

A Ilha que Ilumina a de Moçambique

A pequena ilha de Goa sustenta um farol já secular à entrada da Baía de Mossuril. A sua torre listada sinaliza a primeira escala de um périplo de dhow deslumbrante em redor da velha Ilha de Moçambique.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Lubango, Angola, Huila, Murais
Cidades
Lubango, Angola

A Cidade no Cimo de Angola

Mesmo barradas da savana e do Atlântico por serras, as terras frescas e férteis de Calubango sempre prendaram os forasteiros. Os madeirenses que fundaram Lubango sobre os 1790m e os povos que se lhes juntaram, fizeram dela a cidade mais elevada e uma das mais cosmopolitas de Angola.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India
Cultura
Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza

Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Promessa?
Étnico
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Selfie, Muralha da china, Badaling, China
História
Badaling, China

A Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da Muralha da China, a maior estrutura criada pelo homem. Recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Ilhas
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Salto Negao, chapada diamantina, bahia gema, brasil
Natureza
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Parques Naturais
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guia explica hieróglifos
Património Mundial UNESCO
Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico

Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
Religião
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.