Vilankulos, Moçambique

Índico vem, Índico Vai


Praia-Mar
Baixa-Mar
Dhows ao Vento
Crustáceo Azarado
Barco quase-Lotado
Pousos das Garças
Costureiro de Singer
Portal do Cavalo Marinho
Barco à Mercê das Marés
Amigos de uns Copos
Recolha da Rede II
O litoral de Vilankulos
Recolha da Rede I
Pescador Semi-Ensopado
Brigada de Pesca
Estranhas Filiações
Mãe a Tempo Inteiro
Canal Arenoso
Caminhada Equilibrada
Diversão em Txopela
A porta de entrada para o arquipélago de Bazaruto de todos os sonhos, Vilankulos tem os seus próprios encantos. A começar pela linha de costa elevada face ao leito do Canal de Moçambique que, a proveito da comunidade piscatória local, as marés ora inundam, ora descobrem.

Existem outras formas de percorrer os mais de 700km que separam Vilankulos da capital Maputo.

A aérea, claro está. Estávamos, no entanto, no início de uma nova epopeia africana que contávamos que durasse uns meses. Aconselhava o bom-senso que evitássemos gastos desproporcionais. Sabíamos, além disso, que, até Vilankulos, a N1 que serve de artéria vial de Moçambique se mantinha em condições.

Que nos proporcionaria uma contemplação de paisagem e da vida de beira da estrada com muito de valioso. Foram quase 10h, apenas as duas primeiras sob o escuro prévio à aurora. Chegamos a Pembarra sobre o meio-dia. Vilankulos ainda distava quase 20km, na direcção do litoral.

Cumprimo-los a bordo de um dos chapas que asseguram vaivéns nesta rota esburacada. Logo, passamos para a via principal da cidade, na companhia de dezenas de txopelas coloridos e competitivos.

O nome é moçambicano. Redefine o riquexó motorizado, um veículo bem mais popular na Índia, onde circulam para cima de 8 milhões, muitíssimos mais que os que se disseminam em Moçambique.

Um transfer providencial leva-nos do terminal de chapas ao Bahia Mar, o hotel que nos ia acolher, situado a norte da povoação, no topo de uma encosta, com vista panorâmica sobre o mar abaixo.

Descansamos um pouco, quase nada. Desafogado no seu mote marinho-celestial, aquele panorama continuava a deslumbrar-nos.

Motivava-nos a sairmos à descoberta.

É o que fazemos.

Vilankulos, o Índico e o Sempre Mutante Canal de Moçambique

Com a maré prestes a atingir o pleno, caminhamos pelo areal no sopé florestado da vertente. Na direcção de uma península com forma de vírgula, que gera uma baía que retém enorme quantidade de areia coralífera.

É essa uma das razões de ser dos tons de azul e de verde que o limiar oeste do Índico ali assume, exacerbados pela pouca profundidade da água e pelo sol tropical a pique.

Por volta das três e meia da tarde, o grande astro passa para ocidente da costa moçambicana. Aos poucos, o Canal de Moçambique perde o seu tom turquesa-esmeralda.

Lega boa parte da exuberância cromática à frota de barcos de pesca que, por fim, recomeçam a balouçar.

Embalam as garças brancas neles pousados, de olho noutras, activas no limiar da rebentação.

Quando atingimos a ponta da península, já um azul mais escuro preenche a enseada sem apelo. Em redor de um ponto fulcral de descarga e comércio da pescaria, os barcos multiplicam-se.

Vilankulos, num Litoral de Monções e de Furacões

Vemo-los, ancorados, uns, quase em cima de outros. Uns poucos, semi-afundados e danificados.

Eram apenas um dos danos ainda visíveis da mais recente época de tempestades e furações que, todos os anos, entre Dezembro e Maio, assola o litoral moçambicano, como Madagáscar, a leste do canal. O tufão mais famoso da última década, provou-se o “Idai” que deixou a cidade da Beira – a segunda maior de Moçambique – numa tragédia anfíbia.

Vilankulos recuperava dos caprichos da “Eleanora” uma tempestade tropical que não chegou a evoluir para tufão. Nessa época, em Março, ainda impactaria a região a tempestade “Filipo”.

Eram percalços que a comunidade de Vilankulos se havia acostumado a enfrentar. Brigadas compostas por dezenas de trabalhadores empenhavam-se na remoção de troncos, ramos e outros elementos artificiais que a tormenta tinha empurrado para terra.

Partilhavam a missão de devolver ao areal a alvura que melhor combinava com os azuis e verde marinhos, aquela que os resorts acima, por norma, promoviam.

O Arquipélago de Bazaruto Deslumbrante ao Largo

Vilankulos é, afinal, um portal costeiro para um domínio insular imaculado e deslumbrante, o do arquipélago de Bazaruto.

Quase sem excepção, os visitantes da cidade chegam e instalam-se com o sonho de zarparem para as ilhas-maravilha ao largo:

Bazaruto, a epónima e maior. Benguerra, a vizinha logo a sul. E Magaruque, a menor.

Cada qual, um reduto arenoso e dunal magnífico, comparável ao de Machangulo, envolto de um Índico ainda mais sedutor que o que banha Vilankulos.

Sem desprimor para a cidade e para a região, que desde há muito se desenvolvem em função do arquipélago e da beleza do Canal de Moçambique.

Vilanculos, Moçambique, Dhows percorrem um canalA Origem Histórica e a Etimologia Confusa de Vilankulos

Na sua origem, segundo testemunhos abundantes (se bem que demasiado clonados) a povoação pouco passava de um território de um chefe tribal, diz-se que de sua graça Gamela Vilankulo Mukoke.

Ora, de sucessivos contactos dos portugueses com esta zona da actual província de Inhambane e com o tal régulo, os colonos atribuíram o nome do chege à região. Dessa transposição e das diversas possibilidades de o escrever, surgiram as várias grafias actuais: Vilankulo, Vilankulos, Vilanculo e Vilanculos, sendo que a oficial se mantém Vilankulo.

O primeiro registo da povoação data de 1913. Em 1964, foi elevada a vila e sede de concelho. Decorridos cinquenta e seis anos dessa promoção, apenas em 2020, Vilankulos ascendeu a cidade.

É, de novo, nas suas vias, com o ocaso a fechar o dia, que encerramos a esgotante caminhada.

A Vida cada vez mais Agitada da Jovem Cidade de Vilankulos

Ao longo da denominada Rua Principal, das suas merceariazinhas e sucessivos outros negócios: alfaiates que costuram em máquinas Singer, de fita métrica ao pescoço,

vendedores de fruta com bancas montadas sobre o solo, revendedores de crédito de telecomunicações.

E, claro está, outros incontáveis condutores de txopela que nos interpelam e chegam a perseguir, como os mzungos (brancos) por certo endinheirados e interessados que todos apostavam sermos.

Acertam na segunda das premissas. Já levávamos mais de 5km nas pernas, percorridos com as mochilas pesadas às costas e, em boa parte, sobre um areal que afundava.

Por ali mesmo, o calor de estufa próprio da época das chuvas e alguma, demasiada, desidratação levam a melhor.

Compramos água e alguma fruta. Logo, acedemos ao acenar de um dos vários condutores de txopelas próximos, dispostos a regatear com a referência dos preços de Maputo.

“Isto aqui é Vilankulos!” alega o jovem motorista, só em parte satisfeito. “Certo, mas já viste quantos txopelas estão de olho em nós, só aqui em volta?” O rapaz confirma e anui.

Acordamos num meio termo, algo puxado para as nossas pretensões.

Vinte minutos depois, já em pleno na noite, abrigamo-nos no conforto do Bahia Mar, apostados em recuperarmos as energias que o dia tinha drenado em excesso.

Maré Vazia e o Canal de Moçambique a Descoberto

Dormimos até mais tarde do que contávamos. Quando chegamos à varanda panorâmica do hotel, o cenário por diante destoava do da tarde anterior.

A maré estava tão baixa quanto possível.

Revelava um leito ensopado que se estendia por centenas de metros.

Um batalhão de vultos cirandava sobre esse leito a descoberto, aqui e ali, organizado em formações intrigantes.

Era toda uma nova realidade que nos voltava a inquietar.

Sem intenção de resistirmos, aceleramos o pequeno-almoço.

Recolocamos as mochilas e descemos a escadaria que ligava as alturas do hotel à praia.

Já com os pés no areal, inauguramos o que se tornaria uma longa deambulação fotográfica.

Uma Faina Comunal sem os Resultados Ansiados

Cruzamo-nos com uns poucos nativos que caminhavam entre barcos de madeira, a seco, com as velas recolhidas.

E com outros que, sobre pequenas lagoas de maré, apanhavam crustáceos e moluscos.

A verdadeira acção comunal, por assim dizer, desenrolava-se um pouco mais para dentro da baixa-mar.

No limiar do Índico, com a água salgada pelos joelhos ou até mais alta, pescadores, familiares, homens e mulheres, algumas com filhos às costas, tentavam estender uma rede imensa sobre um mar superficial que a corrente continuava a movimentar.

Uns poucos homens, agrupados sobre um barco puxavam-na para dentro do canal e gritavam instruções à brigada que a desenrolava em terra.

Ambicioso, o projecto já devia durar desde o início da manhã. Indiciavam-no alguns trajes compridos, alguns caricatos, no seu ensopado disfuncional. Não parecia correr de feição.

As gentes puxavam e enrolavam a rede para dentro do barco. No tempo em que os vimos executar a tarefa, prendados com pouco ou nada.

Até que, por fim, os donos da embarcação se rendem às evidências e boa parte dos auxiliares debanda para pescarias paralelas, ainda mais remediadas e infrutíferas.

Ali por perto, dentro de um outro barco, um grupo distinto exibe-nos o resultado satisfatório da sua faina:

três ou quatro grandes alguidares repletos de bivalves e caranguejos.

A maré que não tarda a subir, força a multidão trespassante de volta para o areal.

Numa meia-hora, o sol atinge o seu zénite e devolve ao canal o esplendor visual que fez de Vilankulos o que a cidade é.

Salvo imprevistos climáticos, com o passar dos anos, será também essa a riqueza que alimentará os descendentes desta geração dependente das redes de pesca.

 

Como Ir

Voe para Vilankulos via Maputo, com a TAP Air Portugal: flytap.com/ e a FlyAirlink.

Reserve o seu programa de viagens em Moçambique com o operador Quadrante Viagens: quadranteviagens.pt/.

Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Moçambique

A Ilha que Ilumina a de Moçambique

A pequena ilha de Goa sustenta um farol já secular à entrada da Baía de Mossuril. A sua torre listada sinaliza a primeira escala de um périplo de dhow deslumbrante em redor da velha Ilha de Moçambique.

Machangulo, Moçambique

A Península Dourada de Machangulo

A determinada altura, um braço de mar divide a longa faixa arenosa e repleta de dunas hiperbólicas que delimita a Baía de Maputo. Machangulo, assim se denomina a secção inferior, abriga um dos litorais mais grandiosos de Moçambique.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname
Cidades
Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos

Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Cultura
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Namibe, Angola, Gruta, Parque Iona
Em Viagem
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Étnico
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

New Orleans luisiana, First Line
História
New Orleans, Luisiana, E.U.A.

A Musa do Grande Sul Americano

New Orleans destoa dos fundos conservadores dos E.U.A. como a defensora de todos os direitos, talentos e irreverências. Em tempos francesa, para sempre afrancesada, a cidade do jazz inspira, a novos ritmos contagiantes, a fusão de etnias, culturas, estilos e sabores.
Passadiço principal da Mumbo Island, Lago Malawi
Ilhas
Mumbo Island, Malawi

Um Lago Malawi Só para Nós

Dista meros 10km ou 40 minutos num barco tradicional do litoral sempre concorrido de Cape MacLear. Com apenas 1km de diâmetro, a ilha Mumbo proporciona-nos um retiro ecológico memorável no imenso Lago Malawi.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Walvis Bay, Namíbia, baía, dunas
Natureza
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Remadores Intha num canal do Lago Inlé
Património Mundial UNESCO
Lago Inle, Myanmar

A Deslumbrante Birmânia Lacustre

Com uma área de 116km2, o Lago Inle é o segundo maior lago do Myanmar. É muito mais que isso. A diversidade étnica da sua população, a profusão de templos budistas e o exotismo da vida local, tornam-no um reduto incontornável do Sudeste Asiático.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Sombra vs Luz
Religião
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Sociedade
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.