Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji


Uma Correria
Crianças de Navala acolhem os recém-chegados forasteiros.
Terras Verdes de Nausori
Cenário das Nausori Highlands, a caminho de Navala.
O Veículo à Altura
Carrinha progride por uma estrada de encosta que liga Ba a Navala.
Navala
As bures tradicionais da aldeia de Navala
Beringelas em Promoção
Vendedora indo-fijiana vende vegetais no mercado de Ba, no norte de Fiji.
Terras altas de Fiji
Encosta verdejante das Nausori Highlands, no norte de Viti Levu.
O Futuro da aldeia
Jovem rapaz de Navala posa com orgulho.
Bures
Fila de cabanas tradicionais de Navala.
Cerimónia Kava
Chefe da aldeia de Navala leva a cabo uma cerimónia de acolhimento com Kava.
Animal & Vegetal
Vaca dá escala à cana-de-açúcar enorme entre Ba e Navala.
O Verde de Navala
Panorâmica de Navala com coqueiros e no sopé das elevações de Nausori.
Pequena Família
Família de Indo-fijianos contra a cana-de-açúcar que levou os seus ancestrais a Fiji.
Encostas Rolantes
Outro cenário enrugado das Nausori Highlands.
Criançada melanésia
Crianças de Navala entusiasmadas pela visita de forasteiros.
Bure entre coqueiros
Uma bure de Navala entre coqueiros.
Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Tínhamos resistido às chuvas fortes e aos trechos atolados de lama da vertente oriental da ilha. Prosseguíamos na sinuosa Kings Road, num nordeste e norte ainda húmido e luxuriante mas já bem mais solarengo e acolhedor.

Poucos visitantes para ali se dirigem e os nativos entusiasmam-se com a passagem efémera dos exploradores inesperados. Admiramo-nos com a atenção suplementar que nos prestam nestes confins de Viti Levu, em comparação com o tratamento algo indiferente concedido pela população da costa contrária

Mais ainda com o simplificar gradual dos nomes curiosos e rítmicos das povoações que havíamos deixado para trás: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau e outras igualmente musicais mas não tão fáceis de pronunciar, casos de Nabukelevu, Korovisilou e Tilivalevu.

Cruzamos Tavua e o litoral da península de Vatia Point conduz-nos a um lugar que conseguimos finalmente dizer de um só fôlego e sem balbuciarmos como recém-nascidos. É Ba.

Vendedora indo fijiana, Ba, Viti Levu, Fiji

Vendedora indo-fijiana vende vegetais no mercado de Ba, no norte de Fiji.

São poucas as razões para nos demorarmos nesta cidade despretensiosa instalada junto à foz de um rio homónimo. Apuramos que os residentes são loucos por futebol e que a equipa local ganha os campeonatos nacionais com frequência.

Ao mesmo tempo, Ba tem a melhor pista de corridas de cavalos de Fiji e rejubila com as provas equestres. Nenhuma das competições iria ter lugar por aqueles dias.

O Caminho Rugoso e Sinuoso Entre Ba e Navala

Como tal, abastecemo-nos de fruta no mercado partilhado por nativos melanésios e indo-fijianos, damos entrada num hostel humilde e fazemos planos para o dia seguinte. A estrada para Navala partia dali mas, pior que muitos caminhos de cabras, nunca lá poderíamos chegar no FIAT Tipo frágil que tínhamos alugado num pequeno rent-a-car familiar de Nadi.

Despertamos numa madrugada resplandecente. Trincamos espetadas de abacaxi refrescantes quando o guia que nos há-de levar à aldeia nos surpreende de dentro de um mini-bus todo-o-terreno: “Vão connosco a Navala, não é? Entrem e instalem-se! Daqui seguimos já para lá.”

O cicerone volta a apresentar-se como Kali e aos passageiros já a bordo, dois casais australianos que tentam acrescentar alguma emoção às suas férias balneares. Depois, o veículo abandona a planura em que assenta Ba. Trepa lentamente para o domínio elevado da cordilheira de Nausori pelos tais caminhos rudes que nos tinham desencorajado.

Carrinha a caminho de Navala, Viti Levu, Fiji

Carrinha progride por uma estrada de encosta que liga Ba a Navala.

Em pouco tempo, vemo-nos cercados de plantações de cana-de-açúcar e Kali desbobina dados que filtramos o mais possível: que Fiji tem uma complexa divisão administrativa composta por 14 províncias cada qual com distritos, estes, com cidades e aldeias que agrupam clãs, sub-clãs e, por fim, famílias.

Que apesar de fortemente multicultural, os vários grupos étnicos e religiosos da nação aprenderam a respeitar-se e os conflitos são pouco frequentes.

Os Doces Turistas, os Indo-Fijianos e os Melanésios

Ao passarmos por uma velha destilaria, uma informação humorística relacionada apanha os passageiros desprevenidos e desperta risos pouco contidos: “como podem ver, o açúcar foi durante muito tempo a grande exportação e a riqueza de Fiji mas, com o advento do turismo, vocês, meus amigos, tornaram-se muito mais doces que o açúcar.“

Paisagem proximo de Navala, Viti Levu, Fiji

Cenário das Nausori Highlands, a caminho de Navala.

Continuamos a subir por um trilho largo de terra-batida que esventra vastidões de cana a perder de vista. Do topo de uma das primeiras encostas das montanhas de Nausori abre-se finalmente uma panorâmica e paramos para admirar a vastidão retalhada dos campos cultivados entre o sopé e o Pacífico do Sul longínquo.

Na proximidade encontramos três jovens irmãos indo-fijianos que se preparavam para regressar a casa depois uma manhã de safra numa plantação vizinha. Na conversa com Atish, Radhika e Joythisma confirmamos o que, entretanto, já tínhamos percebido.

Trio indo-fijiano, Ba, Viti Levu, Fiji

Família de Indo-fijianos contra a cana-de-açúcar que levou os seus ancestrais a Fiji.

Que a maior parte destes habitantes deslocados pelos colonos britânicos que os contrataram séculos antes e trouxeram sem retorno do sub-continente por necessitarem de mão-de-obra qualificada tinham perdido a noção da verdadeira origem étnica.

A imagem com que ficamos dos três, alinhados contra plantas de cana-doce com quase o dobro da sua altura espelha na perfeição a forma como Fiji e Viti Levu, em particular, se impuseram abruptamente ao destino dos seus ancestrais e continuavam a submeter os descendentes a uma espécie de degredo herdado.

A Harmoniosa Nasala, Encaixada na Vastidão de Nausori

Algumas curvas, contracurvas e solavancos adicionais e entramos num dos primeiros vales da cordilheira, ainda mais verdejante que os cenários para trás. Ao longe, encaixadas entre lombas de vertente graciosas, vislumbramos um grande núcleo de palhotas distribuídas entre coqueiros com uma geometria apurada.

Kali anuncia: “ali está ela, a famosa Navala. Mais uns cinco minutos e atravessamos um rio que deve estar cheio de miúdos a brincar, a aldeia começa exactamente na outra margem.”

Navala, Viti Levu, Fiji

As bures tradicionais da aldeia de Navala

Quando cruzamos a ponte, os miúdos do rio apressam-se a abandoná-lo e seguem o mini-bus até que este se imobiliza.

Cercam-nos e dão as boas-vindas com sorrisos e perguntas sem fim no inglês que só há pouco tinham começado a dominar.

Crianças de Navala, Viti Levu, Fiji

Crianças de Navala acolhem os recém-chegados forasteiros.

Uma Cerimónia de Kava Enlutada

Kali resgata-nos do seu cerco e conduz-nos à bure do chefe e à principal obrigação protocolar da aldeia. O interior daquela cabana superior é amplo mas lúgubre e desconfortável. Kali faz-nos sentar sobre a esteira que cobre o chão e aguarda que o ancião e a sua família se posicionem na outra metade da circunferência.

Sentimos um ambiente pesado no ar e o guia não tarda a percebê-lo. Explica-nos que tinha morrido uma pessoa muito querida e que a aldeia estava de luto, razão porque não poderíamos andar à vontade entre as casas como num dia normal e teríamos que ser comedidos com as fotografias.

Depois, apresenta-nos como os forasteiros que somos e dá início a uma longa troca de frases em que o termo “naka” – o diminutivo da palavra fijiana para obrigado “vinaka” – é repetido vezes sem conta.

Chefe, cerimónia Kava, Navala, Fiji

Chefe da aldeia de Navala leva a cabo uma cerimónia de acolhimento com Kava.

Quando o diálogo se encerra, o chefe coloca uma grande tanoa (recipiente esculpido de madeira) à sua frente e espreme raízes de kava (uma planta da região) confeccionando a bebida homónima que há muito inebria os homens da Melanésia e de Fiji.

Quando o caldo fica pronto é passada uma malga a cada um dos visitantes. Dois dos australianos recusam-se a bebê-la e desiludem Kali e os anfitriões que, apesar de tudo, já passaram várias vezes pela desfeita.

Nós e os outros dois aussies fazemo-nos fortes e afligimo-nos com o estranho sabor a terra mentolada da mistela mas logo agradecemos com os nossos próprios “nakas” e a batemos as palmas duas vezes, segundo nos havia instruído o guia.

Bebemos apenas o suficiente para respeitarmos a cerimónia e não ficamos com grande vontade de repetir. É a salvo de uma embriaguez tropical indesejada que deixamos o chefe entregue à família de luto. Saímos para o ar puro mas húmido do exterior satisfeitos por podermos explorar um pouco mais da povoação.

Bures, Navala, Viti Levu, Fiji

Fila de cabanas tradicionais de Navala.

O Urbanismo Ecológico de Navala

Contam-se mais de duzentas as bures de Navala, dispostas segundo critérios que os chefes estudam estipulam e fazem respeitar para proporcionar aos cerca  de 800 súbditos uma vida organizada e funcional.

Por volta de 1950, numa altura em que Fiji acolhia os primeiros hotéis e resorts de luxo, muito deles em cimento, a comunidade de Navala optou por rejeitar os materiais modernos – com excepção para a escola e, por razões de segurança, de algumas estruturas que albergam geradores.

Os jovens nativos foram encorajados a aprender a arte da construção secular das cabanas em que tinham crescido. Como resultado, passados 60 anos, Navala é, hoje, a última das grandes aldeias de Fiji erguida apenas com recurso a madeira, palhota e barro seco.

Bure, Navala, Viti Levu, Fiji

Uma bure de Navala entre coqueiros.

As suas imagens surgem em guias, livros e postais e deslumbram praticamente todos os visitantes de Viti Levu. Felizmente para os nativos, a maioria frequenta Fiji apenas como retiro balnear.

Até há alguns anos atrás, o acesso ao vale em que se situa era bem mais complicado e, mesmo que o quisessem, quase nenhum estrangeiro a podia descobrir. Os tempos mudaram. Navala teve que ceder, pelo menos em parte.

Navala Village, Viti Levu, Fiji

Panorâmica de Navala com coqueiros e no sopé das elevações de Nausori.

Hoje, voluntariamente ou à força – não conseguimos apurar – Navala tem uma página de Facebook preenchida em dialecto fijiano e, a data de criação deste texto, com 12 “gostos” conquistados. Acolhe os forasteiros que, como nós, vão chegando o melhor que pode sem descurar a protecção dos seus habitantes dos malefícios da intrusão.

Entretanto, os homens da aldeia reúnem-se debaixo de uma grande estrutura comunal e preparam um ritual fúnebre sagrado que nos obriga a partir.

Crianças de Navala, Viti Levu, Fiji

Crianças de Navala entusiasmadas pela visita de forasteiros.

Quando a deixamos de regresso a Ba, os mais novos fazem o que a tenra idade os aconselha. Ignoram a perda do congénere e despedem-se da mesma forma com que nos tinham recebido, com correrias frenéticas atrás do mini-bus, acenos, caretas e a excitação de quem partilha a vida numa tribo que desde há muito protege as suas tradições e se sabe valorizar.

Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Ogimashi, Japão

Uma Aldeia Fiel ao A

Ogimashi revela uma herança fascinante da adaptabilidade nipónica. Situada num dos locais mais nevosos à face da Terra, esta povoação aperfeiçoou casas com verdadeiras estruturas anti-colapso.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos Trinta

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Cidades
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Moradora de Dali, Yunnan, China
Étnico
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Missoes, San Ignacio Mini, argentina
História
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Ilhas
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
À boleia do mar
Parques Naturais
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Património Mundial UNESCO
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Brigada incrédula
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Religião
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.