Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico


Los Roques de Garcia
A formação rochosa dos Roques de Garcia, em plena planície de Llanos de Ucanca.
TF-21
Carros percorrem a grande recta da estrada TF 21 que cruza a caldeira Las Cañadas.
Sol em queda
Raios solares refractem numa encosta irregular da Caldeira Las Cañadas.
Acima de Tudo
O cone massivo do vulcão Teide (3718m), a montanha mais elevada das Canárias, de Espanha e das ilhas do Atlântico.
Parapentes
Parapentes planam acima do vale a norte do vulcão Teide, com Puerto de la Cruz e o Atlântico em fundo.
Pan de Azúcar
A cratera hoje principal e cimeira do vulcão Teide, conhecida por Pan de Azúcar.
Escoadas de Lava
Manchas de lava solidificada que em tempos flui da cratera principal do vulcão El Teide.
Ocaso Rolante
Sol prestes a pôr-se atrás de um manto de Calima. Névoa seca e poeirenta vinda do Deserto do Sara.
A vegetação da Lava
Vegetação resiliente sobrevive à aridez de lava da Caldeira las Cañadas.
A Neve que Resiste
Neve contrasta com a lava ancestral da caldeira Las Cañadas do vulcão Teide.
Pan de Azucar
Casal percorre um trilho na base da cratera cimeira do Pan de Azucar.
A Tarta del Teide
Motorizada faz-se ao gancho da estrada TF-21 em frente a Tarta del Teide, uma formação geológica peculiar.
O Dragoeiro e o Vulcão
O velho dragoeiro de Icod resplandece de idade, com o muito mais velho vulcão El Teide em fundo.
Vulcão El Teide
O cimo do grande vulcão El Teide, o tecto das Canárias, de Espanha e de todas as ilhas do Atlântico.
Com o Grande Sol a Oeste
Visitante do PN El Teide fotografa a planície do Llano de Ucanca.
Parapentes II
Parapentes pairam acima dos meandros da estrada TF-21 em que se esconde a Tarta del Teide.
Vista Privilegiada
Um ponto de vista destacado do pinhal em redor para o cone do vulcão Teide.
Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.

Saímos uns meros minutos depois do sol detrás do horizonte.

Avançávamos pela crista do triângulo imperfeito de Tenerife acima. Deixadas para trás La Esperanza e Lomo Pesado, a estrada enfia-se no pinhal vasto que há muito domina as encostas intermédias da ilha.

Por um bom tempo, pouco mais vemos que os troncos seculares, os galhos e a folhagem acicular dos pinus canariensis.

A atmosfera extra-purificada, lúgubre e misteriosa suscita-nos uma inevitável curiosidade matinal. Ao volante, Juan Miguel Delporte ilumina-nos sobre todo um sortido de eras e temas, dos tempos coloniais em que os conquistadores se confrontaram com os indígenas guanchinet, aos contemporâneos em que as equipas multimilionárias do ciclismo internacional se mudam de bicicletas e bagagens para Tenerife.

Os tempos em que lá levam a cabo treinos em altitude cruciais para a ambição disputada de triunfarem nas etapas pirenaicas, alpinas e apeninas da Volta à França, da Volta à Itália e da Volta à Espanha, para mencionar apenas as principais.

De ambos os lados do asfalto, sucessivas veias aquíferas ganham volume vertentes norte e sul abaixo. Numa direcção e na outra, o seu destino final é um mesmo, o grande Atlântico, ainda sub-tropical mas de águas bem mais cálidas que as que banham a Ibéria.

Estávamos em pleno Estio. Fazia um bom tempo que uma chuva digna desse nome não reabastecia o reservatório natural de Tenerife.

O Avistamento Inagurual do Colosso Teide

Uns quilómetros para diante, a Carretera de la Esperanza e Juan Miguel revelam-nos o primeiro de vários pontos privilegiados de observação do grande pico El Teide (3718m).

Subimos um pequeno morro. Livramo-nos da ditadura do pinhal. Por diante, para sudoeste, descobrimos o cone do vulcão destacado sobre uma base verde, com o seu castanho ferroso a destoar da vastidão azul-celeste.

Na metade inferior da vertente aquém da montanha, gerada por deslizamento gravitacional, um casario alvo adensava-se com a proximidade do azul mais escuro do mar.

Juan Miguel já antes nos tinha avisado. “Isto mudou e para vocês não é nada bom. O dia não está límpido como ontem. Durante a noite a calima voltou entrar.” O fenómeno vem com o Verão particular das Canárias.

Às vezes, acontece bem fora do estio. A meteorologia seca e tórrida do sul ganha supremacia. Invade as ilhas mais próximas de África, sobretudo de Lanzarote a Tenerife. Menos as setentrionais, como La Palma.  Apodera-se de boa parte do arquipélago, carregada de poeira e areias finas arrancadas do Sara.

Como o víamos, por norma, de Julho em diante, deixa de fazer sentido o nome da ilha usado pelos Romanos, Nivaria, de acordo com a cobertura de neve que se habituaram a ver na secção superior da montanha, nos dias mais límpidos do ano, até mesmo a partir da costa africana, com o seu vislumbre se deslumbravam também os cartagineses, os Numídios, os navegadores fenícios.

Os Romanos não foram os primeiros a nela se inspiraram. Malgrado o domínio de Roma e a expansão do império aos confins ocidentais do Velho Mundo, o baptismo que prevaleceu tem uma origem indígena.

Dragoeiro Icod e vulcão El Teide, Tenerife, Canárias

Vulcão Teide à distância, com o dragoeiro de Icod em primeiro plano.

A Enigmática Exclusividade Guanche de Tenerife e das Canárias

Os guanches tratavam-na por Tene (montanha) ife (branca). Diz-se que foram os colonos castelhanos que, mais tarde, de maneira a facilitarem a sua pronúncia, acrescentaram o erre entre os dois termos.

Como nos elucida Juan Miguel, o grande enigma está em como foram parar os guanches a Tenerife e às restantes Canárias que habitavam. À chegada dos colonos europeus, nenhuma outra ilha da Macaronésia era habitada.

Mesmo tendo em conta a relativa proximidade das Canárias da costa ocidental de África – 300 km de Tenerife, pouco mais de 100km de Lanzarote – e a comprovada genética berbere dos guanches, continua por comprovar de que maneira conseguiram atingir o arquipélago com gado, outros animais domésticos quando não tinham conhecimentos para construírem embarcações que assegurassem a viagem.

Achados arqueológicos e vestígios orgânicos que a ciência datou de meio milénio antes de Cristo ou ainda mais antigos indiciam que, de uma maneira ou de outra, os guanches terão cumprido a travessia.

Vulcão Teide: a Origem Geológica e a Mitologia Guanche

Por essa altura, há muito que o grande El Teide se projectava acima de Tenerife e do firmamento das Canárias.

A datação de uma ilha peca quase sempre por inexacta mas, ainda de acordo com estudos científicos, terão sido erupções submarinas massivas de há cerca de 25 milhões de anos a gerar o arquipélago.

Tenerife, em específico, formou-se através de um processo de acreção de três enormes vulcões de escudo, de início numa ilha com três penínsulas agregadas a um vulcão massivo, o de Las Cañadas.

No tempo em que Tenerife os acolheu, os guanches cultivaram o significado mitológico da montanha que parecia sempre vigiá-los. Sem grandes dúvidas espectadores e vítimas de mais que uma erupção ou distinta manifestação vulcânica, os aborígenes habituaram-se a temer o vulcão.

Chamavam-lhe o inferno, no seu dialecto, Echeyde, o termo que os castelhanos depressa adaptaram para El Teide.

Para os guanches, a montanha Echeyde era a morada sagrada de Guayota, o demónio do mal. Acreditavam que Guayota teria sequestrado Magec, o deus da luz e do sol que aprisionou no interior do vulcão, votando o seu mundo à obscuridade, sem surpresa a mistificação do fenómeno provocado por uma erupção significativa que, como tantas outras ao longo da história, ao libertar nuvens de cinza e pó, terá bloqueado o sol.

Sempre apreensivos quanto ao que o vulcão lhes reservava, os guanches aprofundaram a sua mitologia. Os missionários que mais tarde acompanhavam os colonos europeus registaram o que os nativos lhes contavam, que o seu povo havia rogado perdão a Achamán, o seu Deus de todos os deuses.

Este, acedeu. Após um combate intenso, Achamán triunfou sobre Guayota. Resgatou Magec das profundezas de Echeyde, fechou a cratera do inferno e aprisionou Guayota lá dentro.

A tampa salvadora, hoje identificada como a sub-cone Pilón ou Pan de Azucar, coroada pela cratera menor do Pico del Teide, não voltou a ver erupções. Outras se deram, com expressão reduzida, em zonas distintas do enorme vulcão. Algumas tiveram lugar em plena era colonial.

O Testemunho Presencial de Cristovão Colombo, uma Erupção a Caminho das Américas

A de 24 de Agosto de 1492, horas antes de zarpar rumo às Índias pelo Ocidente e de dar com as Américas, Cristovão Colombo narrou no seu diário de bordo: ”Zarpou no dia seguinte e passou a noite próximo de Tenerife, de cujo cume, que é altíssimo se viam sair grandes labaredas que, maravilhando-se a sua gente, lhes deu a entender o fundamento e a causa do fogo, aduzindo para respeito, o exemplo do monte Etna, na Sicília de vários outros onde se via o mesmo.”

Os cientistas chegaram à conclusão que, nessa data, Colombo e os seus marinheiros terão assistido à erupção de Boca del Cangrejo, no sul da ilha.

Terá sido a quinta das erupções históricas de Tenerife, nenhuma delas provinda da cratera principal do monte Teide. Seguiram-se outras no período 1704-1706, registadas em Fasnia, em Siete Fuentes e que causaram forte destruição no casario à beira-mar de Garachico.

Uma do Pico Viejo, conhecida como Chahorra, entre o início de Junho e Setembro de 1798. A derradeira deu-se em 1909, a partir do vulcão secundário de Chinyero. Haveríamos de passar por parte destes focos do vulcanismo de Tenerife.

Até lá, prosseguimos pela via TF-24.

Não tarda, já livres da sombra verdejante dos pinheiros, deslumbrados com o paredão geológico formado por várias camadas de escoadas lávicas, de distintas texturas e tons, de tal maneira que recebeu o nome informal de Tarte do Teide.

Esta tarte tem os seus próprios dois miradores, ambos reveladores da magnificência do estratovulcão, ainda mais sobranceiro se face ao vale imenso partilhado por La Orotava, Puerto de La Cruz e várias outras cidades, vilas, aldeias, lugarejos.

Detemo-nos num dos miradouros.

Dali, apreciamos um esquadrão de praticantes de parapente elevar-se e planar, em deliciosas elipses entre o observatório do Instituto de Astrofísica das Canárias e o fundo oceânico, boa parte do tempo, com o cone da montanha em fundo.

Do Domínio Grandioso da Caldeira Las Cañadas ao Cimo do Pan de Azúcar

À medida que também o sol ascendia para o seu zénite, a calima intensificava-se. Quando entramos no domínio da caldeira de Las Cañadas, formada pelo abatimento do vulcão homónimo, a sua névoa seca desilude-nos.

Esforçamo-nos por ignorar a adversidade fotográfica.

Apontamos ao sector de Tabonal Negro e, logo, à base do teleférico que assegura a ligação dos 2.356 metros aos 3.555m do quase topo da cratera principal, no sopé da cimeira Pilón de Azucar.

Dedicamo-nos a percorrer dois trilhos principais assentes em basalto, irregulares a condizer e que sulcam um entorno áspero, até cortante, de lava entre o ocre e o acastanhado.

Seguimos o que conduzia ao ponto de observação do Pico Viejo.

E, no regresso, o que levava ao miradouro da Fortaleza, revelador da orla norte da caldeira de Las Cañadas e de boa parte da costa setentrional de Tenerife.

Em conjunto, os dois panoramas opostos e o concedido pelo trilho que ligava os pontos de partida revelaram-nos imponência geológica há milhões de anos no âmago da ilha.

Em diversas direcções, a caldeira encontrava-se coberta de distintas escoadas de lava, algumas só detidas pela vertente interior da sua orla.

Instantes depois, inaugurámos os 1200 metros de descida de teleférico que emulava a da lava. Aos poucos, a cabine reaproximou-nos do tracejado da TF-21.

O Ocaso na Calima, em Volta dos Roques de Garcia

 

Uma vez mais pelo seu asfalto, visamos o recanto sudoeste da caldeira. Deixamos a estrada para a vista aberta do Llano de Ucanca.

Apoiados na vedação-parapeito que separa a estrada da planície apreciamos o sol a oeste a esconder-se atrás de um retalho afiado da caldeira e, ao mesmo tempo, ao alaranjar gradual dos rochedos rivais de Roques de Garcia.

Um fotógrafo de casamentos esforçava-se para fotografar um casal no meio da via com aquela luz suavizada.

Mais cedo do que estimávamos, o fundo atmosférico de calima começou a apoderar-se do grande astro.

Quando o buscamos já no mirante de La Ruleta, a sua bola amarelada resplandece do céu enegrecido e parece rolar sobre o cimo da silhueta entre os Roques.

Dois namorados sentados numa laje conveniente, deixavam-se contagiar pelo romantismo vulcânico e cósmico do momento.

La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura - Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)

É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Moradora de Dali, Yunnan, China
História
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Ilhas
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal
Natureza
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
agua grande plataforma, cataratas iguacu, brasil, argentina
Parques Naturais
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
Património Mundial UNESCO
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Sociedade
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Vida Selvagem
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.