Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)


Coração Budista do Myanmar
O grande pagode de resplandece reflectido na água do lago Kandawgyi.
A salvo
Jovem monge posa junto a uma pintura religiosa presente no pagode de Shwedagon.
Herança Colonial
Parcialmente isolada do mundo devido à rigidez do regime militar, Yangon é uma das cidades do Sudeste asiático com mais edifícios coloniais.
Corte budista
Monge do mosteiro Chauk Htat Gyi tem o seu cabelo rapado com uma lâmina por um um outro.
Buda descansado
Buda reclinado de Chauk Htat Gyi Pagoda, com 65 metros de comprimento e 16 metros de altura.
Um momento de fé
Crentes budistas rezam virados para o grande pagode de Shwedagon, o fulcro religioso de Yangon e do Myanmar.
A grande Shwedagon paya
Fiéis e visitantes em redor da base ampla do pagode Shwedagon.
Boa-disposição a bordo
Ajudante de um autocarro esboça um enorme sorriso perante a atenção que o seu veículo desperta nos fotógrafos forasteiros.
Vendedor do meio da rua
Pequeno comerciante expõe os seus vegetais num dos vários mercados ao ar livre de Yangon.
Mini-birmanês
Bebé aventura-se num dos vários pátios do pagode Shwedagon em que um monge lê um jornal.
Quiromante ambulante
Um quiromante lê a mão a uma cliente na baixa de Yangon.
À luz do Budismo
Moradores de Yangon vivem a noite da cidade também iluminados pelo pagode de Shwedagon.
Curiosidade budista
Bebé espreita do interior de uma divisão em que se abrigavam dois monges budistas.
A velha Yangon
Perspectiva do casario decadente de Yangon visto de um dos edifícios mais altos da cidade.
Sombras privadas
Jovens visitantes do pagode Shwedagon protegem-se do sol tropical a meio da tarde de Yangon.
Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.

Foi tão casual como recompensador. A primeira vez que entrámos no Myanmar coincidiu com o dia da libertação de Aung San Suu Kyi, The Lady, como gostam de chamar os birmaneses à sua salvadora.

O povo deste país agrilhoado, já de si, gentil e caloroso, vivia então uma esperança renovada e concedia longos sorrisos que a urgência de vender os serviços de guias, o artesanato, os souvenirs, seja o que for, não pareciam afectar.

Vendedor do meio da rua

Pequeno comerciante expõe os seus vegetais num dos vários mercados ao ar livre de Yangon.

Como a população do Myanmar, Suu Kyi fora mantida, na maior parte dos últimos vinte e um anos da sua vida, sob os espartilhos do regime militar.

Nem a pressão internacional, nem o estatuto de Prémio Nobel entretanto adquirido abreviaram as penas a que havia sido condenada.

Ao fim da tarde de 13 de Novembro de 2010, passamos, de táxi, mesmo em frente à avenida que conduz à sua casa. A entrada estava bloqueada pelo exército mas depressa ficámos a saber como correra a libertação.

O motorista do táxi não conseguia disfarçar a alegria e recorria a um inglês aceitável para a expressar: “a senhora parece mais nova que nunca. Não pode ter sido apenas impressão minha.

Quando vi as imagens na TV, fiquei comovido com a beleza dela, com aquela dignidade sofredora a que sempre nos habituou…”

Naypyidaw: a Emergência da Capital Fantasma da Velha Birmânia

Oito anos antes, o governo militar tinha transtornado uma vez mais o povo que oprimia com outra das suas decisões tresloucadas.

Cerca de 25 empresas de construção foram contratadas para erguer uma nova capital do zero.

Entre os birmaneses, popularizou-se a crença de que, tal como acontecera com várias outras decisões dos ditadores militares, um astrólogo teria alertado Than Shwe – o antigo líder da Junta – de que estaria iminente um ataque estrangeiro.

O aviso despoletou o processo de mudança para longe de Yangon e do mar.

Duas gigantescas caravanas militares asseguraram o transporte dos ministérios governamentais e batalhões do exército para a nova capital. A mudança precipitada provocou falta de escolas e várias outras infraestruturas essenciais.

Por isto, enquanto os trabalhadores do governo já laboravam em Naypyidaw, as suas famílias permaneceram um tempo sem fim em Yangon.

Boa-disposição a bordo

Ajudante de um autocarro esboça um enorme sorriso perante a atenção que o seu veículo desperta nos fotógrafos forasteiros.

A nova capital assumiu-se como a maior aberração urbanística do Sudeste asiático. Na exótica e decadente Yangon, daí para cá, pouco ou nada mudou.

Yangon (ou Rangoon): em Deambulação pela Verdadeira Velha Capital

Fugimos das garras de um terrível jet lag.

Do cimo de um dos edifícios mais altos da cidade, admiramos o seu casario sortido.

Feito de prédios envelhecidos, acastanhados pelo tempo e pela ferrugem dos telhados de zinco, do estilo dos de Havana ou de Calcutá mas de que se destacam, aqui e ali, novos exemplares coloridos.

A velha Yangon

Perspectiva do casario decadente de Yangon visto de um dos edifícios mais altos da cidade.

Descemos ao nível térreo da rua Sule Paya.

Em plena baixa, esforçamo-nos para trocar dólares ao melhor câmbio possível, nunca aquele que surge nas tabelas internacionais e oficiais.

Logo em seguida, cedemos à ansiedade e vamos de imediato até coração espiritual da cidade e um dos templos budistas mais impressionantes do Mundo.

O táxi deixa-nos numa das várias entradas do grande pagode Shwedagon.

Estamos em terreno sagrado e, como todos os visitantes na quase totalidade crentes locais ou peregrinos birmaneses, temos que entrar descalços.

A grande Shwedagon paya

Fiéis e visitantes em redor da base ampla do pagode Shwedagon.

Pagode Shwedagon: o Cerne Budista de Yangon

No interior, o piso de mosaico branco irradia a luz forte própria da latitude tropical e o brilho dourado da enorme estupa em forma de sino ofusca qualquer outra visão.

Não tardamos a adaptar-nos à nova luminosidade e a admirarmos a espiritualidade do lugar.

Em redor, dezenas de fiéis dirigem as suas preces ao símbolo majestoso, sós ou sincronizados em grandes grupos.

Monges meditam ou convivem entre si e com crentes junto a mini-estupas ou conjuntos harmoniosos de estátuas de buda.

Sombras privadas

Jovens visitantes do pagode Shwedagon protegem-se do sol tropical a meio da tarde de Yangon.

Mais para o fim do dia, fiéis femininas voluntariam-se como varredoras.

Formam brigadas de limpeza populares, dão a volta à estupa alinhadas de vassouras de palha em riste e deixam o templo imaculado para os devotos do dia seguinte.

Deixamos o templo entregue à sua religiosidade e exploramos outras partes da cidade. Depressa compreendemos que o que o torna ainda mais especial é a forma como se integra num cenário urbano denso e contrastante como o de Yangon.

Quando o sol começa a pôr-se estamos a passear nas margens do lago Kandawgyi.

Surpreende-nos, ali, a arquitectura birmanesa do restaurante flutuante Karaweik, inspirado e com a forma de uma ave mitológica com um nome similar e um pio melodioso.

À luz do Budismo

Moradores de Yangon vivem a noite da cidade também iluminados pelo pagode de Shwedagon.

O pagode de Shwedagon não tarda a recuperar toda a nossa atenção. A bola do sol aumenta de tamanho e precipita-se sobre o horizonte. Depois, desfaz-se num crepúsculo ainda mais exuberante.

Aos poucos, o lusco-fusco concede ao lago um reflexo esplendoroso do templo supremo e do restaurante Karaweik, ambos dourados, ambos iluminados num fundo ligeiramente tropical sob um céu quente salpicado de pequenas nuvens magentas.

E nem quando anoitece, a estupa descomunal deixa de resplandecer no quase-escuro de Yangon.

Coração Budista do Myanmar

O grande pagode de resplandece reflectido na água do lago Kandawgyi.

Uma Cidade Cosmopolita em que a Ásia se Encontra

Na manhã seguinte, saímos de novo à descoberta da cidade que abençoa. Yangon surge numa região fértil do delta do rio homónimo, no centro do Myanmar.

Quanto mais caminhamos pelas suas ruas húmidas, mais temos as  sensações de estar nas imediações da Índia – o que é verdade – e perante uma obra daquelas que ficou a meio.

Edifícios decrépitos sucedem-se enquanto residências particulares ou sedes de ministérios. Por vezes, intercalam com torres de escritórios recentes e com templos hindus com gopurams (torres ornamentadas) mais excêntricos que tudo o resto nas imediações.

Herança Colonial

Parcialmente isolada do mundo devido à rigidez do regime militar, Yangon é uma das cidades do Sudeste asiático com mais edifícios coloniais.

Em conjunto com as dezenas de estupas douradas, formam uma fascinante desordem urbanística que abriga a vida intensa de mais de cinco milhões de pessoas, entre birmaneses, da Índia, chineses e de outras nações do sul da Ásia.

Em redor do grande edifício do mercado coberto de Bogyoke Aung San onde tudo se vende e se compra ao abrigo do sol abrasivo, os negócios paralelos são tão ou mais espontâneos e abundantes que em Nova Deli ou Bombaim.

Um jovem quiromante lê a mão de uma senhora, instalado na sua banca móvel, não mais que a caixa de uma carrinha sinalizada com grandes posters que explicam o significado de cada linha da palma.

Quiromante ambulante

Um quiromante lê a mão a uma cliente na baixa de Yangon.

Mercados e Negócios para Todos os Gostos

Nas imediações e um pouco por toda a parte, vendedores de noz de bétele mantêm o stock a par dos muitos consumidores que frequentam as suas bancas, paredes meias com outras de revistas, posters de modelos e estrelas de cinema birmanesas.

Outra de tantas ruas, esta com sombras perdidas entre mangueiras seculares e as portadas de janelas cada qual de sua cor, acolhe estendais recolhidos, uma floresta de cabos telefónicos e sobre o asfalto um deslumbrante mercado de rua.

Expõem-se móveis e grilos fritos prontos a trincar, vegetais e frutas de todos os tipos e ovinhos estrelados numa grande forma repleta de orifícios para os receber.

Fondue de rua

Vendedor de rua de Yangoon, Myanmar, alicia transeuntes com pequenas espetadinhas acabadas de fritar

Caminhamos neste mercado frenético por grande parte da baixa de Yangon, com passagem pelo pagode Botataung, pelos muitos mosteiros em redor, com tempo ainda para espreitarmos alguns edifícios governamentais coloniais majestosos.

Detemo-nos apenas no cais do rio Yangon lodoso em que uma parte da população apanha barcos para Sirião e outras povoações na outra margem,  e outra descontrai a praticar desporto ou conviver junto ao cenário ribeirinho.

Chauk Htat Gyi: Novo Pagode, Outra Visão do Budismo Birmanês

Novo dia em Rangoon – como preferiam chamar os colonos britânicos à cidade. Dedicamo-nos uma vez mais ao budismo, em paragens mais interiores da cidade. Passamos pelo terminal da velha estação de comboio.

Apanhamos um táxi que nos deixa à porta do Chauk Htat Gyi Pagoda.

Mais que o interesse do pagode em si, habita aqui um Buda reclinado com 65 metros de comprimento e 16 metros de altura.

“Eu vou convosco e mostro-vos tudo e levo-vos de volta ao centro. Tudo junto faço um preço irrecusável!

Buda descansado

Buda reclinado de Chauk Htat Gyi Pagoda, com 65 metros de comprimento e 16 metros de altura.

A promoção do taxista Nyi Nyi Win deixa-nos desarmados pelo que aceitamos de bom grado. Acabamos por admirar o Buda superlativo.

Por especial favor do recém-contratado guia, também visitamos o interior mosteiro adjacente em que ele próprio viveu quando era pequeno e confraternizamos com o líder espiritual da comunidade e com vários outros monges.

Incluindo um a quem é pacientemente rapado o cabelo no exterior com uma máquina de barbear das clássicas.

Corte budista

Monge do mosteiro Chauk Htat Gyi tem o seu cabelo rapado com uma lâmina por um um outro.

Só Nyi Nyi fala inglês. “os monges deste mosteiro tiveram um papel muito importante numa das revoltas religiosas contra o regime” informa-nos com indisfarçável orgulho.

Em Abril de 2012, Aung Suu Kyi foi eleita para a câmara baixa do parlamento birmanês. Foi escolhida para presidente do Myanmar em 2015.

Seis anos depois, (2021), os homens fortes do Myanmar voltaram a apoderar-se do país e enfrentam, com gás lacrimogéneo e balas a fúria do povo birmanês.

O odiado regime militar mantém sede na capital oficial mas surreal de Naypyidaw.

Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Cidades
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Em Viagem
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
História
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura
Ilhas
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Enseada do Éden
Natureza
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Serra Dourada, Cerrado, Goiás, Brasil
Parques Naturais
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Campeche, México, Península de Iucatão, Can Pech, Pastéis nos ares
Património Mundial UNESCO
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Praias
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Cabo Espichel, Santuário da Senhora do Cabo, Sesimbra,
Religião
Lagoa de Albufeira ao Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Romagem a um Cabo de Culto

Do cimo dos seus 134 metros de altura, o Cabo Espichel revela uma costa atlântica tão dramática como deslumbrante. Com partida na Lagoa de Albufeira a norte, litoral dourado abaixo, aventuramo-nos pelos mais de 600 anos de mistério, misticismo e veneração da sua aparecida Nossa Senhora do Cabo.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT