Coron, Busuanga, Filipinas

A Armada Japonesa Secreta mas Pouco


Enseada escondida
Uma bangka nas águas cristalinas da enseada que conduz ao lago Kayangan.
Power Gym Coron
Amigos descansam à entrada de um ginásio escuro de Coron.
Flutuação
Visitantes asiáticos flutuam com coletes no lago Kayangan.
Contraluz marinha
Moradores de Coron remam numa pequena embarcação ao largo da cidade.
Coron Island
Duas nativas falam num bar de Coron.
De volta a Coron
Bangkas prestes a deixarem a enseada em que se esconde o lago Kayangan.
Mergulhadores
Mergulhadores preparam-se para explorar as embarcações afundadas da armada nipónica.
Bangkas ancoradas
Várias bangkas esperam o regresso de passageiros do outro lado da falésia, onde se esconde o lago Kayangan.
Flutuação Trajada
Turista coreano bóia na água semi salobra do lago Kayangan.
Convívio no Convés
Pescadores navegam no Mar da China do Sul, ao largo de Busuanga.
Vista Sea Dive
Vista do litoral de Busuanga a partir do hotel Sea Dive.
Mao Suerte
Empregado escreve resultados de um jogo de sorte numa loja de Coron.
Treino de mergulho
Mergulhadores ambientam-se ao largo da ilha Dimakaya.
Palafita ao pôr-do-sol
Palafita e uma lancha nas imediações do hotel Sea Dive, ao largo de Coron
Na 2ª Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Pelo menos nos dez dias seguintes, eram nulas as hipóteses de conseguirmos voo.

Vêmo-nos obrigados a ultrapassar a desconfiança e o receio. E a comprar bilhetes para um dos barcos que assegurava a rota El Nido – Busuanga, a principal ilha do arquipélago filipino Calamian.

O sol ainda nasce. Subimos a bordo de uma bangka garrida, de dimensões maiores que as habituais numa bangka.

Para todos os efeitos, tratava-se de uma simples embarcação típica, de madeira, equipada com flutuadores laterais, desadequada a longas travessias e a ondulação. Instalamo-nos a bordo o melhor que podemos e com a companhia de outros passageiros franceses, ingleses e australianos.

Quando a bangka zarpa, submetemo-nos ao destino.

pescadores, coron, busuanga, filipinas

Pescadores navegam no Mar da China do Sul, ao largo de Busuanga.

A Navegação Precária entre El Nido e Coron

A viagem para norte do Mar da China do Sul prossegue. O timoneiro filipino ao leme, trata de que avancemos o mais possível ao longo da costa.

Ainda assim, acabamos por enfrentar ondas que ensopam a embarcação e obrigam os tripulantes a recorrer a uma velha bomba de extracção de água.

Os trajectos por que seguimos sem a protecção de ilhas são, felizmente curtos. Apesar de longa e emocionante, a navegação termina sem incidentes.

Já é de tarde, quando desembarcamos em Coron.

palafita, coron, busuanga, filipinas

Palafita e uma lancha nas imediações do hotel Sea Dive, ao largo de Coron

Sea Dive: check in no Hotel Local dos Mergulhadores

Cumprida uma caminhada curta, damos entrada no Sea Dive, um hotel de quatro andares plantado à beira-mar, humilde mas acolhedor.

Como o nome deixa antever, é conhecido por reunir mergulhadores de todo o mundo, forasteiros ávidos por descobrir sobretudo os destroços de uma armada nipónica que jaz ao largo da ilha vizinha de Coron, entre os dez e os quarenta metros de profundidade.

Pouco depois de nos instalarmos, conhecemos Andy Pownall, o proprietário de uma pequena reserva insular próxima, especialista no tema.

Quando a Força Aérea Americana Afundou uma Frota Nipónica Mal Escondida

Andy apressa-se a desbobinar à história deslumbrante daquele agora museu subaquático: “Em 1944, durante a fase asiática da 2ª Guerra Mundial, os norte-americanos bombardearam uma frota de embarcações nipónicas que se encontrava em Manila.

Afundaram quinze navios e obrigaram os japoneses a esconder os barcos que resistiram fora do que pensavam ser o raio de acção dos bombardeiros. A baía de Coron e as águas em redor de Busuanga foram os ancoradouros escolhidos.  Os aviões de reconhecimento americanos acabaram por descobrir o paradeiro da frota.

bangkas, coron, busuanga, filipinas

Bangkas prestes a deixarem a enseada em que se esconde o lago Kayangan.

Às seis da manhã de 24 de Setembro, depois de descolarem de porta-aviões e voarem 550km (na altura, uma distância recorde para este tipo de ataques) em mais de seis horas, levaram a cabo um ataque devastador que afundou ou danificou outros 24 barcos. Entre as embarcações, encontravam-se jóias da marinha japonesa: o Akitsushima, o Kogyo Maru e o Irako todos com cerca de 150 metros de comprimento; o Olympia Maru; o Lusong e o Tae Maru.”

Parte deles afundaram ao alcance dos mergulhadores e até snorkelers. Assim continuam.

A Omnipresença de Jim no Hotel Sea Dive de Coron

A Jim, o norte-americano expatriado dono do hotel, o abrigo em Busuanga parece ter corrido melhor. Passada a fase de adaptação, garantido o sucesso do seu investimento inicial no Sea Dive, Jim limita-se a colher os lucros garantidos pela febre gerada pela frota afundada.

Em simultâneo, usufrui dos cuidados femininos fáceis que abundam em Coron, como um pouco por todas as Filipinas. Sem muito mais que fazer, pavoneia-se pelo bar e pela sala de refeições exterior do estabelecimento que ergueu quase só em madeira, também ele, se visto do mar contíguo, com a forma de uma embarcação multi-convés.

Jim oferece uma outra sugestão aos mergulhadores estrangeiros que detecta a  planearem as suas aventuras. Logo, desaparece na companhia das jovens do seu séquito de empregadas e acompanhantes nativas.

Deixamos de o ver por algum tempo. Nem que seja porque partimos à descoberta das redondezas de Coron.

bar, coron, busuanga, filipinas

Duas nativas falam num bar de Coron.

À Descoberta da Vizinha de Busuanga e dos Seus Lagos

Sabemos que por ali existem sete lagos, todos cercados por rochedos de calcário. Sabemos ainda que, destes, se destacam o Kayangan e o Barracuda, ambos com acesso através de enseadas com cores marinhas de postais do paraíso.

Começamos por visitar o primeiro. Mal a bangka barulhenta que nos transporta atraca, subimos a uma das vertentes rochosas que isolam o lago do oceano.

bangka, lago kayangan, coron, busuanga, filipinas

Uma bangka nas águas cristalinas da enseada que conduz ao lago Kayangan.

Uma vez do outro lado, descemos outro trilho até às suas margens abruptas.

Quando entramos no Kayangan, somos quase os únicos nadadores naquela espécie de aquário natural. A exclusividade dura menos do que desejávamos.

Várias excursões de coreanos e japoneses invadem o lago e entregam os clientes a uma diversão entre o infantil e o tresloucado, a chapinharem e a boiarem em grupo, sustentados por coletes salva-vidas garridos que aniquilam a magia do estranho cenário tropical.

flutuacao, coron, busuanga, filipinas

Visitantes asiáticos flutuam com coletes no lago Kayangan.

Falta ao Kayangan a característica mais interessante do “irmão” Barracuda: as três camadas sobrepostas de água doce, salobra e salgada.

Mudamos de enseada e verificamos a excentricidade química deste último, na paz líquida que tínhamos sentido por momentos no lago irmão e que reconquistamos com apreço.

Quando a sombra se apodera do Barracuda, regressamos a Coron e ao SeaDive.

bangkas, coron, busuanga, filipinas

Várias bangkas esperam o regresso de passageiros do outro lado da falésia, onde se esconde o lago Kayangan.

Jim reaparece na manhã seguinte. Um batalhão de mergulhadores embarca em várias bangkas pré-alinhadas no retalho de mar de que se eleva o hotel. Sob a supervisão do anfitrião, as operações fluem sem percalços.

Assim que sente as embarcações desaparecer da vista do varandim, Jim regressa à sua vida. Farto da frota nipónica afundada e de tanto mergulho, carrega a sua própria lancha com mobiliário e utensílios de praia, comida, cerveja e outros géneros.

Já ao leme, despede-se com trejeitos de político sem escrúpulos dos funcionários e dos hóspedes curiosos. Logo, zarpa com um grupo de amigos e acompanhantes filipinas, rumo ao seu piquenique num recanto balnear qualquer de Busuanga.

A Excentricidade Bélica do Mergulho em Coron

Todos os embarcados regressam ao fim do dia. Vêmo-los trocarem narrativas entusiasmadas das suas peripécias, regadas por cervejas San Miguel geladas.

mergulho, coron, busuanga, filipinas

Mergulhadores preparam-se para explorar as embarcações afundadas da armada nipónica.

Os proeminentes franceses, discípulos de Jacques Costeau, adeptos incondicionais destas odisseias exóticas lideram o debate: “A determinada altura, percebemos mesmo que era mesmo o Kogyo Maru.” afiança um deles. “Havia coral por todos os lados. Os mastros estavam cobertos de coral-alface em que se escondiam pequenas colónias de peixes-leão. Descemos ao longo do convés no meio de cardumes ondulantes de peixes-fuzileiro, peixes-morcego, alguns cavalos-marinhos solitários e até tartarugas. O barco estava repleto de vida, foi mais que impressionante! … tudo iluminado por uma luz azul fria estilo extraterrestre que chegava da superfície.”

As embarcações japonesas ali afundadas são mais longas que a profundidade a que jazem. Proporcionam mergulhos sem grandes dificuldades técnicas, ainda assim, arriscados devido às armadilhas labirínticas que as estruturas complexas e agora camufladas pelas algas e corais suscitam.

São inúmeras as possibilidade da suas exploração. Era esse o motivo porque as expedições de muitos dos mergulhadores no Sea Dive duravam vários dias.

treino mergulho, coron, busuanga, filipinas

Mergulhadores ambientam-se ao largo da ilha Dimakaya.

Jim regressa à sua base hoteleira com espalhafato comparável ao da partida. Deixa o descarregamento da lancha a cargo dos empregados do hotel. Em vez, inteira-se pela enésima vez da situação subaquática do Okikawa Maru, do Tangat, do Akitsushima e companhia.

Na realidade pouco ou nada interessado naquela repetição das experiências alheias, proclama sem qualquer pejo: “muito bem rapazes, estou a ver que continuam com a adrenalina toda.

Vejam mas é se arranjam umas filipinas jeitosas para se acalmarem!”.

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Wall like an Egyptian
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Cidades
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Em Viagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Em manobras
Étnico

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
História
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Ilhas
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Vaca cachena em Valdreu, Terras de Bouro, Portugal
Natureza
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Cortejo garrido
Património Mundial UNESCO
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Cidade dourada
Religião
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Sociedade
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.