Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta


Golden Beach, Stavros
A Praia Dourada de Stavros, no cimo da península de Akrotiri.
Mesquita dos Janízaros
O principal monumento otomano de Chania, destoante face a predominante arquitectura veneziana.
Igreja Amuleto
Miniatura de igreja abençoa uma casa de Chania.
Crepúsculo sobre o Porto Veneziano
Perspectiva do Porto Veneziano de Chania.
Balcão Cretemse
Balcão de um dos muitos restaurantes de Chania.
Prédios Venezianos
Edificios coloridos e com arquitectura veneziana do centro histórico de Chania.
Charrete em Espera
Condutor de charrete aguarda por passageiros junto à Mesquita dos Janízaros.
Chania Crepuscular
Visitantes assistem ao cair da noite sobre o Porto Veneziano de Chania.
Pesca à Sombra
Pescadores no lado sombrio do Porto Veneziano.
O Porto Veneziano
Perspectiva do Porto Veneziano com a Mesquita dos Janízaros em primeiro plano.
Ruas em Grego
Esquina secular da cidade cretense de Chania.
Arquitectura Veneziana
Visitantes descem uma escadaria entre edifícios com arquitectura veneziana de Chania.
Silhuetas do Porto
A noite gera sombras e novos tons sobre o Porto Veneziano.
Último Barco do Dia
Embarcação dá entrada no Porto Veneziano de Chania.
À Varanda
Restaurante instalado num edifício iluminados do Porto Veneziano.
Violoncelo no Porto Veneziano
Violoncelista anima o anoitecer do Porto Veneziano de Chania.
Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.

Tal como receávamos, as multidões desembarcadas dos cruzeiros e apontadas ao Palácio de Knossos prejudicam-nos.

Estávamos pouco dispostos a visitar e a fotografar um monumento incontornável da civilização minóica e da história helénica a rebentar pelas costuras. Para o evitarmos, madrugamos.

Fazemos as malas necessárias à viagem de Iraklio para Chania que se seguia.

Às oito da manhã em ponto, chegamos à entrada do complexo. Somos os primeiros a entrar. Desvendamos o palácio tal como ele é, banhado por uma luz solar ainda suave, se bem que já não dourada.

A incursão madrugadora deixa-nos extasiados, mas de rastos. Impedidos de dar entrada na casa de Chania até à uma da tarde, resolvemos espreitar algumas das praias no cimo da península de Acrotíri, a nordeste, onde se encaixa o aeroporto da cidade. As do sul de Creta, Elafonisi, por exemplo, ficaram para mais tarde.

Cento e cinquenta quilómetros e duas horas depois, damos connosco na enseada da praia Gold Coast, de frente para a montanha de Zorba que a encerrava.

Chania Creta Grécia, Stavros, Golden BeachPor razões que só as marés conhecem, a água mal nos chegava aos joelhos. Tal profundidade dispensava os serviços do salva-vidas. Mantinha-o ausente do posto.

E, a nós, sem motivação para ali mergulharmos, ou para voltarmos ao carro em busca de outra praia. Acabamos por dormir sobre as toalhas, a recuperarmos as horas de sono que as multidões desembarcadas em Iraklio nos haviam furtado.

Para cá e Para lá, pela História de Chania e de Creta

Às duas da tarde, encontramo-nos, por fim, com Yannis e o seu cão Fidel. Instalamo-nos na casa que o anfitrião cretense alugava e que um casal irlandês acabara de vagar. Meia-hora depois, inauguramos a descoberta de Chania.

Chania Creta Grécia, Porto VenezianoAbastada e resplandecente, Chania sempre despertou a cobiça dos povos vizinhos. Fortificou-se a condizer.

É ao longo da muralha ocidental da sua fortaleza Firka que nos aproximamos do âmago histórico e urbano da cidade, o seu Porto Veneziano, em tempos a transbordar de navios que sulcavam o Mediterrâneo.

A via faz-nos atravessar a praça de Talos, disposta entre as muralhas e a Baía de Chania. Sem que o esperássemos, a determinada altura, desemboca numa esquina.

Chania Creta Grécia, ruas em gregoConfronta-nos com farol da cidade, erguido na extremidade de uma muralha marinha oposta, dali, apenas acessível por uma caminhada quase circular a toda a volta do porto.

Contornamos o ângulo mais próximo, sob as ameias e a torre da bandeira grega de Firka.

Do lado de lá da fortaleza, espaçados pelos bancos e lampiões parisienses, pescadores mantinham as canas em riste, a passarem o tempo de olho no Mar de Creta.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, silhuetasTranseuntes detinham-se a admirar a elegância de pastel do casario por diante, espartilhado entre os azuis helénicos rivais, o marinho e o celeste.

A Gastronomia Greta e Cretense em Volta do Porto Veneziano

Prosseguimos nessa mesma direcção. O casario de cá está à sombra. Percorrem-no um pelotão de veraneantes chegados do norte da Europa, habituados a jantar cedo e, de acordo, já de olho nos menus dos restaurantes que preenchem a marginal.

Chania Creta Grécia, restauranteO interesse é mútuo. À boa maneira mediterrânica, angariadores dos sucessivos estabelecimentos abordam-nos e tentam seduzi-los com os sabores inconfundíveis da gastronomia local, as saladas dakos de tomate e queijo feta, também servido frito e grelhado.

A beringela, os tomates e as batatas recheados, entradas semi-leves para os pratos a sério que se devem seguir: lula, polvo ou peixe grelhados bem regados de azeite ou, apenas e só para os mais corajosos, moussakas aprimoradas.

Continuamos a calcorrear a marginal Akti Kountorioti.

Passamos pelos principais marcos históricos em seu redor, de tal forma diversificados e até díspares que comprovam, na perfeição, a complexidade e dinâmica civilizacional que deu origem a Chania.

Da Civilização Minoica à Grécia dos Nossos Dias

Umas poucas dezenas de metros para dentro do casario, escondia-se a sinagoga Etz Hayymim, polo religioso dos judeus mizrahim que se creem originários sobretudo de Alexandria e de outras partes do Egipto. A catedral ortodoxa da Apresentação da Virgem Maria dista pouco.

De regresso à baía, já a caminharmos do seu fundo para norte, deparamo-nos com a mesquita Kyuchuk Hassan, conhecida por Mesquita dos Janízaros.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, mesquita dos JanízarosÉ este o mais destoante dos edifícios do Porto Veneziano, culminado por um cimo abobadado de um tom de argila mal-cozida, um legado fulcral do período otomano da cidade, quando o próprio paxá da ilha de Creta lá residia.

O Otomano é, todavia, apenas o quinto período histórico principal de Chania.

De que existam registos, a génese da urbe foi uma povoação minoica tratada por Cidónia (o marmeleiro). Mais tarde, por volta de 1100 a.C. conquistaram-na os Dóricos.

Num contexto de constantes conflitos entre as cidades-estado vizinhas, em 69 a.C, tomaram-na os Romanos que lhe concederam um estatuto de autonomia.

A Persistência Bizantina

Seguiu-se uma vigência Bizantina e, logo, árabe. Os árabes – que tratavam a cidade por Chania al Hanim (a estalagem) – obrigaram a população cristã a refugiar-se nas montanhas imponentes do centro da ilha, tão elevadas que é normal preservarem cumes nevados em Abril e até por Maio adentro.

Os Bizantinos retomaram a cidade em 961, preservaram-na até 1204 e consolidaram o uso do termo grego Chania. Receosos de nova investida árabe, acrescentaram-lhe as fortificações adicionais que a continuam a envolver.

O espaço entre a mesquita dos Janízaros e o mar, acomoda uma fila de charretes brancas que aguardam por passageiros para as voltas guiadas ao porto e à povoação.

Nas imediações, uma violoncelista instala-se de costas para o ocaso. Ajusta as partituras e oferece a Chania uma banda-sonora clássica alternativa aos acordes do sirtaki que ressoam dos vários restaurantes.

Chania Creta Grécia, violoncelo Porto VenezianoNão tarda, os transeuntes recompensam a música com numerário. Conscientes da vulnerabilidade da rapariga, dois rapazotes mendigos do leste europeu rapam-lhe o lucro da capa do instrumento.

Deixamos a marginal para uma perpendicular que nos conduz ao cimo de um outro ponto fortificado, encaixado entre o casario veneziano do Kastelli, panorâmico como poucos.

Dali, na companhia de pequenos clãs de jovens cretenses, admiramos o cenário da cidade oposto ao inaugural, a baía logo abaixo e estendida a quase 360º, a silhueta solitária do farol, difusa contra o sol não tarda poente.

E as figurinhas de uns poucos visitantes apostados em percorrer a muralha marinha de fio a pavio para assim atingirem a base do pilarete campanulado que nela assenta, com vista para o Mar de Creta e para a Chania integral a sul.

Chania Creta Grécia, Porto VenezianoE a Longa Prevalência da História e da Arquitectura Veneziana

É sobretudo veneziana a imagem de marca da cidade, algo que surpreende, se tivermos em conta a forma como os venezianos dela se apoderaram.

Reza a história que, após a quarta Cruzada em que os Cristãos lograram apoderar-se de Constantinopla, à laia de recompensa, Bonifácio de Montferrat, o líder da Cruzada, foi prendado com a ilha de Creta.

Ora, fruto de uma complicada disputa entre os Bizantinos e os Venezianos, este marquês viu-se arredado do título de primeiro imperador do Império Latino.

De maneira a compensar a desfeita, investiu na conquista de Salónica. Ao ver-se dono e senhor da segunda maior cidade bizantina, desprezou Creta.Diz-se que a vendeu aos venezianos por meros cem marcos de prata.

Estes, não se fizeram rogados. Submeteram os cretenses ao seu jugo e edificaram a cidade de forma a servir os propósitos mercantis que há muito os moviam, o comércio de especiarias, de cereais, sedas e outros tecidos, de porcelana, de sal e de escravos.

Hoje, com as suas janelas dotadas de portadas uniformes, a dar para varandas de ferro-forjado, em vez de grego, a capital veneziana de Creta, ostenta um visual italiano.

Vindos de ilhas a norte, de Santorini, Míconos e vizinhas, a maior parte dos visitantes europeus, não se deixa enganar.

Chania Creta Grécia, prédios do Porto Veneziano

A Imposição dos Otomanos e o Legado da Mesquita dos Janízaros

O sol depressa se precipitaria sobre as muralhas a ocidente como, em 1646, ditou o término do período áureo veneziano. Embalados pela expansão do seu império ao longo dos séculos XV e XVI, os Otomanos enfrentaram uma resistência condigna.

Após dois meses de cerco, frustrados pelo sacrifício e pelos custos a que se viram obrigados, irromperam pela cidade sem misericórdia, chacinaram os venezianos que conseguiram capturar e apressaram-se a converter as igrejas locais em mesquitas.

Na derradeira vez nesse dia que passamos pela dos Janízaros, a violoncelista continuava a tocar, conformada com o furto intermitente dos seus proveitos.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, crepúsculoPor fim, o aterrar do sol a leste de Creta incendiou a atmosfera a norte do farol e da fortaleza de Firka. Sentamo-nos a pouca distância da instrumentista.

Com os pés quase dentro da água lisa, deixamo-nos hipnotizar pelos movimentos dos vultozinhos negros sobre a muralha marinha e em redor do farol.

Confirmado o escurecer, vemos Chania render-se à invasão internacional de todas as noites. E apreciamos a celebração dos convivas da cidade mais italiana do bastião grego de Creta.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano

Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Navala, Viti Levu, Fiji
Étnico
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
História
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Ilhas
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
city hall, capital, oslo, noruega
Património Mundial UNESCO
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Praias
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Religião
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES