Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta


Golden Beach, Stavros
A Praia Dourada de Stavros, no cimo da península de Akrotiri.
Mesquita dos Janízaros
O principal monumento otomano de Chania, destoante face a predominante arquitectura veneziana.
Igreja Amuleto
Miniatura de igreja abençoa uma casa de Chania.
Crepúsculo sobre o Porto Veneziano
Perspectiva do Porto Veneziano de Chania.
Balcão Cretemse
Balcão de um dos muitos restaurantes de Chania.
Prédios Venezianos
Edificios coloridos e com arquitectura veneziana do centro histórico de Chania.
Charrete em Espera
Condutor de charrete aguarda por passageiros junto à Mesquita dos Janízaros.
Chania Crepuscular
Visitantes assistem ao cair da noite sobre o Porto Veneziano de Chania.
Pesca à Sombra
Pescadores no lado sombrio do Porto Veneziano.
O Porto Veneziano
Perspectiva do Porto Veneziano com a Mesquita dos Janízaros em primeiro plano.
Ruas em Grego
Esquina secular da cidade cretense de Chania.
Arquitectura Veneziana
Visitantes descem uma escadaria entre edifícios com arquitectura veneziana de Chania.
Silhuetas do Porto
A noite gera sombras e novos tons sobre o Porto Veneziano.
Último Barco do Dia
Embarcação dá entrada no Porto Veneziano de Chania.
À Varanda
Restaurante instalado num edifício iluminados do Porto Veneziano.
Violoncelo no Porto Veneziano
Violoncelista anima o anoitecer do Porto Veneziano de Chania.
Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.

Tal como receávamos, as multidões desembarcadas dos cruzeiros e apontadas ao Palácio de Knossos prejudicam-nos.

Estávamos pouco dispostos a visitar e a fotografar um monumento incontornável da civilização minóica e da história helénica a rebentar pelas costuras. Para o evitarmos, madrugamos.

Fazemos as malas necessárias à viagem de Iraklio para Chania que se seguia.

Às oito da manhã em ponto, chegamos à entrada do complexo. Somos os primeiros a entrar. Desvendamos o palácio tal como ele é, banhado por uma luz solar ainda suave, se bem que já não dourada.

A incursão madrugadora deixa-nos extasiados, mas de rastos. Impedidos de dar entrada na casa de Chania até à uma da tarde, resolvemos espreitar algumas das praias no cimo da península de Acrotíri, a nordeste, onde se encaixa o aeroporto da cidade.

Cento e cinquenta quilómetros e duas horas depois, damos connosco na enseada da praia Gold Coast, de frente para a montanha de Zorba que a encerrava.

Chania Creta Grécia, Stavros, Golden BeachPor razões que só as marés conhecem, a água mal nos chegava aos joelhos. Tal profundidade dispensava os serviços do salva-vidas. Mantinha-o ausente do posto.

E, a nós, sem motivação para ali mergulharmos, ou para voltarmos ao carro em busca de outra praia. Acabamos por dormir sobre as toalhas, a recuperarmos as horas de sono que as multidões desembarcadas em Iraklio nos haviam furtado.

Para cá e Para lá, pela História de Chania e de Creta

Às duas da tarde, encontramo-nos, por fim, com Yannis e o seu cão Fidel. Instalamo-nos na casa que o anfitrião cretense alugava e que um casal irlandês acabara de vagar. Meia-hora depois, inauguramos a descoberta de Chania.

Chania Creta Grécia, Porto VenezianoAbastada e resplandecente, Chania sempre despertou a cobiça dos povos vizinhos. Fortificou-se a condizer.

É ao longo da muralha ocidental da sua fortaleza Firka que nos aproximamos do âmago histórico e urbano da cidade, o seu Porto Veneziano, em tempos a transbordar de navios que sulcavam o Mediterrâneo.

A via faz-nos atravessar a praça de Talos, disposta entre as muralhas e a Baía de Chania. Sem que o esperássemos, a determinada altura, desemboca numa esquina.

Chania Creta Grécia, ruas em gregoConfronta-nos com farol da cidade, erguido na extremidade de uma muralha marinha oposta, dali, apenas acessível por uma caminhada quase circular a toda a volta do porto.

Contornamos o ângulo mais próximo, sob as ameias e a torre da bandeira grega de Firka.

Do lado de lá da fortaleza, espaçados pelos bancos e lampiões parisienses, pescadores mantinham as canas em riste, a passarem o tempo de olho no Mar de Creta.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, silhuetasTranseuntes detinham-se a admirar a elegância de pastel do casario por diante, espartilhado entre os azuis helénicos rivais, o marinho e o celeste.

A Gastronomia Greta e Cretense em Volta do Porto Veneziano

Prosseguimos nessa mesma direcção. O casario de cá está à sombra. Percorrem-no um pelotão de veraneantes chegados do norte da Europa, habituados a jantar cedo e, de acordo, já de olho nos menus dos restaurantes que preenchem a marginal.

Chania Creta Grécia, restauranteO interesse é mútuo. À boa maneira mediterrânica, angariadores dos sucessivos estabelecimentos abordam-nos e tentam seduzi-los com os sabores inconfundíveis da gastronomia local, as saladas dakos de tomate e queijo feta, também servido frito e grelhado.

A beringela, os tomates e as batatas recheados, entradas semi-leves para os pratos a sério que se devem seguir: lula, polvo ou peixe grelhados bem regados de azeite ou, apenas e só para os mais corajosos, moussakas aprimoradas.

Continuamos a calcorrear a marginal Akti Kountorioti.

Passamos pelos principais marcos históricos em seu redor, de tal forma diversificados e até díspares que comprovam, na perfeição, a complexidade e dinâmica civilizacional que deu origem a Chania.

Da Civilização Minoica à Grécia dos Nossos Dias

Umas poucas dezenas de metros para dentro do casario, escondia-se a sinagoga Etz Hayymim, polo religioso dos judeus mizrahim que se creem originários sobretudo de Alexandria e de outras partes do Egipto. A catedral ortodoxa da Apresentação da Virgem Maria dista pouco.

De regresso à baía, já a caminharmos do seu fundo para norte, deparamo-nos com a mesquita Kyuchuk Hassan, conhecida por Mesquita dos Janízaros.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, mesquita dos JanízarosÉ este o mais destoante dos edifícios do Porto Veneziano, culminado por um cimo abobadado de um tom de argila mal-cozida, um legado fulcral do período otomano da cidade, quando o próprio paxá da ilha de Creta lá residia.

O Otomano é, todavia, apenas o quinto período histórico principal de Chania.

De que existam registos, a génese da urbe foi uma povoação minoica tratada por Cidónia (o marmeleiro). Mais tarde, por volta de 1100 a.C. conquistaram-na os Dóricos.

Num contexto de constantes conflitos entre as cidades-estado vizinhas, em 69 a.C, tomaram-na os Romanos que lhe concederam um estatuto de autonomia.

A Persistência Bizantina

Seguiu-se uma vigência Bizantina e, logo, árabe. Os árabes – que tratavam a cidade por Chania al Hanim (a estalagem) – obrigaram a população cristã a refugiar-se nas montanhas imponentes do centro da ilha, tão elevadas que é normal preservarem cumes nevados em Abril e até por Maio adentro.

Os Bizantinos retomaram a cidade em 961, preservaram-na até 1204 e consolidaram o uso do termo grego Chania. Receosos de nova investida árabe, acrescentaram-lhe as fortificações adicionais que a continuam a envolver.

O espaço entre a mesquita dos Janízaros e o mar, acomoda uma fila de charretes brancas que aguardam por passageiros para as voltas guiadas ao porto e à povoação.

Nas imediações, uma violoncelista instala-se de costas para o ocaso. Ajusta as partituras e oferece a Chania uma banda-sonora clássica alternativa aos acordes do sirtaki que ressoam dos vários restaurantes.

Chania Creta Grécia, violoncelo Porto VenezianoNão tarda, os transeuntes recompensam a música com numerário. Conscientes da vulnerabilidade da rapariga, dois rapazotes mendigos do leste europeu rapam-lhe o lucro da capa do instrumento.

Deixamos a marginal para uma perpendicular que nos conduz ao cimo de um outro ponto fortificado, encaixado entre o casario veneziano do Kastelli, panorâmico como poucos.

Dali, na companhia de pequenos clãs de jovens cretenses, admiramos o cenário da cidade oposto ao inaugural, a baía logo abaixo e estendida a quase 360º, a silhueta solitária do farol, difusa contra o sol não tarda poente.

E as figurinhas de uns poucos visitantes apostados em percorrer a muralha marinha de fio a pavio para assim atingirem a base do pilarete campanulado que nela assenta, com vista para o Mar de Creta e para a Chania integral a sul.

Chania Creta Grécia, Porto VenezianoE a Longa Prevalência da História e da Arquitectura Veneziana

É sobretudo veneziana a imagem de marca da cidade, algo que surpreende, se tivermos em conta a forma como os venezianos dela se apoderaram.

Reza a história que, após a quarta Cruzada em que os Cristãos lograram apoderar-se de Constantinopla, à laia de recompensa, Bonifácio de Montferrat, o líder da Cruzada, foi prendado com a ilha de Creta.

Ora, fruto de uma complicada disputa entre os Bizantinos e os Venezianos, este marquês viu-se arredado do título de primeiro imperador do Império Latino.

De maneira a compensar a desfeita, investiu na conquista de Salónica. Ao ver-se dono e senhor da segunda maior cidade bizantina, desprezou Creta.Diz-se que a vendeu aos venezianos por meros cem marcos de prata.

Estes, não se fizeram rogados. Submeteram os cretenses ao seu jugo e edificaram a cidade de forma a servir os propósitos mercantis que há muito os moviam, o comércio de especiarias, de cereais, sedas e outros tecidos, de porcelana, de sal e de escravos.

Hoje, com as suas janelas dotadas de portadas uniformes, a dar para varandas de ferro-forjado, em vez de grego, a capital veneziana de Creta, ostenta um visual italiano.

Vindos de ilhas a norte, de Santorini, Míconos e vizinhas, a maior parte dos visitantes europeus, não se deixa enganar.

Chania Creta Grécia, prédios do Porto Veneziano

A Imposição dos Otomanos e o Legado da Mesquita dos Janízaros

O sol depressa se precipitaria sobre as muralhas a ocidente como, em 1646, ditou o término do período áureo veneziano. Embalados pela expansão do seu império ao longo dos séculos XV e XVI, os Otomanos enfrentaram uma resistência condigna.

Após dois meses de cerco, frustrados pelo sacrifício e pelos custos a que se viram obrigados, irromperam pela cidade sem misericórdia, chacinaram os venezianos que conseguiram capturar e apressaram-se a converter as igrejas locais em mesquitas.

Na derradeira vez nesse dia que passamos pela dos Janízaros, a violoncelista continuava a tocar, conformada com o furto intermitente dos seus proveitos.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano, crepúsculoPor fim, o aterrar do sol a leste de Creta incendiou a atmosfera a norte do farol e da fortaleza de Firka. Sentamo-nos a pouca distância da instrumentista.

Com os pés quase dentro da água lisa, deixamo-nos hipnotizar pelos movimentos dos vultozinhos negros sobre a muralha marinha e em redor do farol.

Confirmado o escurecer, vemos Chania render-se à invasão internacional de todas as noites. E apreciamos a celebração dos convivas da cidade mais italiana do bastião grego de Creta.

Chania Creta Grécia, Porto Veneziano

Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Cidades
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Em Viagem
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Étnico
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Ilhas
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Natureza
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Parques Naturais
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
Abençoado repouso
Património Mundial UNESCO

Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.