Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas


A Caminho da Tabanca
A Tabanca
Os Homens Grandes
Hora do Chá
A Fonte Mecânica
Sorriso d’Água
Convívio Meio à Sombra
Em redor dos anciãos
Baidi
Aprendiz de Balafonista II
Aprendiz de Balafonista
Fatu
Dançarinas
Demba e os miúdos
Tábuas Muçulmanas
Fanta e Satan
Fatu Sissoko
Fili e Descendentes
Exibição do grupo dos Anciãos
Iaia Djabaté
Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.

Quatro horas depois de termos deixado Bissau, o condutor da velha carrinha Peugeot sinaliza-nos a beira de estrada mais próxima de Tabatô.

Saímos para um lugarejo percorrido por porcos, galinhas e cabras deambulantes.

Como é também habitual por estas partes, decoram-no sacas de carvão vegetal.

Mulheres em modo de cabeleireiro mutual indicam-nos o trilho certo. Seguimo-lo, em plena floresta de cajueiros, sustento principal de quase todas as aldeias da região.

Junta-se a nós um outro grupo. São moradoras de Tabatô. Dirigem-se para a sua tabanca.

Algumas equilibram cargas sobre a cabeça. Nem isso, nem o pouco português que falam nos impede de estabelecermos uma comunicação elementar.

Passado um campo pelado de futebol, damos com o casario do destino final.

Na ausência temporária de Demba, com quem tínhamos combinado a visita à tabanca, recebe-nos Fili, um outro dos irmãos Djabaté.

São músicos prodigiosos da aldeia, herdeiros do apelido comum que define os “djébatés”, “os construtores”, neste caso, dos balafons que a comunidade há muito aperfeiçoa e toca.

Fili mostra-nos uma divisão de uma das casas em que os guardam.

E, no exterior, onde queimavam e secavam a madeira que, sobre a base de cabaças, produz o som característico de xilofone africano.

O Cicerone Demba e um Périplo Inicial por Tabatô

Demba aparece. Assume o papel de anfitrião e a responsabilidade de nos apresentar aos anciãos e líderes da comunidade.

Encontramo-los à sombra de uma árvore, em frente à mesquita rosada da tabanca. As jilabas e kufis brancas que trajam confirmam a fé muçulmana da tabanca.

Demba instala-nos frente a frente. Assume-se tradutor.

Ajuda-nos a explicar o que fazíamos e como poderíamos ajudar a promover a arte secular de Tabatô. Vemo-nos aprovados.

Demba enceta um périplo pela aldeia. Começa pela casa das madrastas, as mulheres que dele tinham cuidado após a morte da mãe, quando ainda era criança.

Das suas madrastas, passamos aos outros irmãos, do mesmo pai Aladjer Imutar Djabaté (um dos líderes que nos havia validado) mas de mães diferentes.

A Grande Família Djabaté

De uma assentada, conhecemos Bubacar e Mutaro. Dos irmãos, vemos no jovem Mutaro, o mais parecido com o pai Aladjer. É ele quem nos hospeda.

Já em termos de geografia de vivência, Bubacar revela-se o mais familiar. Com o filho mais novo ao colo, fala-nos da sua outra existência, a de Lisboa. Da vida que leva por Arroios, Martim Moniz e a do Castelo de São Jorge, onde vende artesanato, e complementa o dinheiro dos seus espectáculos musicais.

Em Lisboa, mas não só, Bubacar Djabaté é apresentado com frequência como mestre do balafom. À imagem de outro nome famoso gerado pela tabanca e morador de Lisboa, o também cantor Kimi Djabaté.

Já Mutaro, nunca tinha ido a Portugal. Ainda assim, surpreende-nos com um português quase-perfeito que lhe elogiamos.

À hora do calor, o seu alpendre garante sombra ao convívio com os irmãos e outros nativos de Tabatô de distintas gerações, muitos deles, crianças curiosas.

Demba reaparece.

Entregamo-nos a um almoço tradicional muçulmano, uma grande dose de arroz com galinha, regada com molho de quiabo picante. Partilhamos o repasto com os irmãos e vários outros comensais.

Eles, de Tabatô, comem à mão. Nós, forasteiros, com colheres que, por respeito ao que estávamos habituados, nos permitem usar.

Finda a refeição, Demba convoca-nos para nova conferência com os anciãos. Confirmamos a nossa contribuição monetária para a visita e a exibição com que a tabanca nos prendaria.

Escolhemos o lugar que nos parecia indicado ao trabalho fotográfico e vídeo que íamos levar a cabo. Optamos pelo espaço entre a árvore mangueira e a mesquita, o mesmo da reunião inicial.

Com o essencial resolvido, os anciãos, Demba e os irmãos, convocam os djidius(músicos) da aldeia.

Num ápice, estendem um grande tapete vermelho pejado de motivos africanos.

Um biombo de vime estabelece um fundo à orquestra. Nesse espaço, organizam-se os balafonistas, os tocadores de tambores e jambés e até um de corá.

Iaia Djabaté, irmão de Aladjer Imutar, dita um derradeiro ajustamento. No mesmo ápice, os músicos afinam os instrumentos e dão por completo um breve ensaio.

A Actuação de Arrepiar da Tabanca em Peso

Demba, enuncia-nos que o que se segue é algo com que, para nosso contentamento, a tabanca nos prenda. Os djidius de Tabatô começam a tocar.

E, nós, a filmá-los.

No centro, ladeados de crianças que os imitam, Fili e Mutaro, os balafonistas destacados, geram ritmos e melodias acelerados que os tocadores de tambores e ferrinhos acompanham.

As mulheres juntam-lhes as suas vozes.

Queta e Fatou, fazem-nas propagar de megafones em riste, nos mesmos tons sinuosos a que as dançarinas e coros ondulam os seus corpos e os longos vestidos coloridos, seguidas pelo, agora batucador, Iaia Djabaté.

Ainda nos arrepiamos com a genuinidade e intensidade da actuação quando Baidi, o mais exuberante dos tocadores de jambé, de traje amarelo e apito na boca, assume um protagonismo frenético e enriquece a já incrível diversidade de sons e de visuais.

Nesse êxtase, completam-se quatro temas.

Bubacar, que participara como tocador de tambor, traduz as palavras de cerimónia de Imutar Djabaté.

Encerrada a actuação, aos poucos, os djidius voltam aos seus lares e os trajes do dia.

Demba, recupera o périplo incompleto.

Passamos pela bomba de água, em que diversas raparigas da tabanca enchem alguidares e convivem.

Também pelo campo de futebol, onde homens e rapazes disputam uma partida poeirenta.

Em jeito de dever protocolar, Demba apresenta-nos ainda ao chefe fula de Tabatô e o sector fula da tabanca, em termos políticos, o predominante.

A Migração dos Mandingas Djidius

É algo que só o contexto histórico destas partes da África Ocidental explica.

Recuemos a 1866.

Uma vaga de coligação e imposição de estados islâmicos fula fez derrocar o Império de Kaabu (Gabu) de etnia mandinga.

Entre outras, essa coligação tomou a região de Boké, a sul da Guiné Bissau (hoje, parte da Guiné Conacri).

Ora, até então, aí estabilizados e prolíficos, o subgrupo mandinga djidiu viu-se forçado a encontrar novas paragens.

Viajaram para norte. Diz-se que se detiveram em Koiada, em Sintchan Ocko, sobre a fronteira actual entre as Guinés. E em Gabu, já na Guiné Bissau, destinados a Geba, a oeste da Bafatá natal de Amílcar Cabral.

Tal como nos explica Demba, “durante esse seu percurso, o régulo fula local (Mamadu Alfa) reconheceu o valor da presença dos djidius. Concedeu-lhes a terra de que precisavam para assentarem na actual Tabatô”.

Com os djidius de Boké, chegou o balafom, o instrumento que tocavam a mando de quem requeria a sua animação e que lhes servia de sustento.

Uma Arte que os Tempos e a Guiné Bissau tornaram menos Rentável

Faziam-no, amiúde, em matrimónios de gente abastada e poderosa, em que cantavam e contavam a sua história, em que acompanhavam os noivos até à sua casa de casados.

Essas actuações rendiam-lhes um bom proveito, uma, duas vacas do régulo e contribuições adicionais das famílias e participantes.

Mais tarde, foram vários os djabatés que difundiram a arte de Tabatô em redor do Mundo.

Em 1940, Bunun Ka Djabaté exibiu os seus dotes de balafonista na Exposição Colonial de Lisboa. Tcherno Djabaté, na sempre artística China e na Coreia.

Com o passar dos anos, exponenciado pelo caos pós-colonial da Guiné Bissau, as oportunidades e recompensas dos djidius diminuíram.

Noutra era, músicos prodigiosos a tempo inteiro, os mandingas de Tabatô têm agora que assegurar cultivos e que criar gado.

Essa noção, ajuda-nos a compreender a importância da contribuição financeira que deixamos.

Convívio sob o Céu Estrelado da Guiné Bissau

Cai a noite.

Jantamos na mesma modalidade partilhada.

Logo, recuperamos o convívio no alpendre de Mutaro, com os mesmos irmãos, com Fanta e Satan, as filhas gémeas de Bubacar, com outros adolescentes e crianças, cada vez mais à vontade connosco e divertidos.

Sob o firmamento salpicado de outras estrelas, Mutaro, Bubacar e Demba tocam guitarra e cantam.

As crianças acompanham-nos, afinadas, numa exibição deslumbrante de harmonia intergeracional que, na manhã seguinte, de volta à casa de Fili, vemos replicada.

Os Super Kamarimba e Participações Internacionais Memoráveis

Ali, Demba, Mutaro, Fili, Baidi, outros Djabatés da mesma geração e seus descendentes tocam, cantam e dançam sob outro dos nomes musicais de Tabatô, a banda familiar Super Kamarimba.

Aplaudimo-los e agradecemos o empenho que nos dedicavam, sendo, como éramos, tão ínfima assistência.

Chega a hora de nos despedirmos. Demba leva-nos à casa do pai Aladjer Imutar. Este, senta-se num sofá cor-de-rosa volumoso. Passamos-lhe o pagamento estipulado.

O ancião elogia o modo como tínhamos aparecido, sozinhos, a caminharmos aldeia adentro, em vez de guiados, como é usual. Relembra o quanto a recuperação da importância de Tabatô dependia de visitas como a nossa.

Nessa mesma lógica, narra-nos glórias de outros tempos.

O ano de 1982 em que o falecido presidente Nino Vieira convidou a tabanca a representar a Guiné Bissau num festival internacional na Coreia do Sul. “Ficámos em segundo lugar, atrás da Tanzânia. E só levámos cinco elementos, sublinha.”

“Estamos certos de que, se se tivessem exibido com mais músicos e dançarinas, com a beleza a que tínhamos assistido e filmado, que teriam ganho.” respondemos-lhe.

Como nós, o líder dos músicos sabia ser essa a verdade.

E que a sua talentosa Tabatô merecia todo apoio que, na vulnerável e instável Guiné Bissau, lhe tem faltado.­

 

COMO IR:

Voe com a Euroatlantic , Lisboa-Bissau e Bissau-Lisboa, às sextas-feiras.

Contacto para Visitas a Tabatô

Demba Djabaté: Telm. e Whats App: +245 6825243

Tabatô, Guiné Bissau

Tabatô: ao Ritmo do Balafom

Durante a nossa visita à tabanca, num ápice, os djidius (músicos poetas)  mandingas organizam-se. Dois dos balafonistas prodigiosos da aldeia assumem a frente, ladeados de crianças que os imitam. Cantoras de megafone em riste, cantam, dançam e tocam ferrinhos. Há um tocador de corá e vários de djambés e tambores. A sua exibição gera-nos sucessivos arrepios.
Cruzeiro Africa Princess, 2º Orangozinho, Bijagós, Guiné Bissau

Orangozinho e os Confins do PN Orango

Após uma primeira incursão à ilha Roxa, zarpamos de Canhambaque para um fim de dia à descoberta do litoral no fundo vasto e inabitado de Orangozinho. Na manhã seguinte, navegamos rio Canecapane acima, em busca da grande tabanca da ilha, Uite.
Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho

Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Bubaque, Bijagós, Guiné Bissau

O Portal das Bijagós

No plano político, Bolama subsiste capital. No âmago do arquipélago e no dia-a-dia, Bubaque ocupa esse lugar. Esta cidade da ilha homónima acolhe a maior parte dos forasteiros. Em Bubaque se encantam. A partir de Bubaque, muitos se aventuram rumo a outras Bijagós.
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal

Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 12º - Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Tequila, cidade de Jalisco, México, jima
Cidades
Tequila, JaliscoMéxico

Tequila: a Destilação do Oeste Mexicano que Anima o Mundo

Desiludidos com a falta de vinho e de aguardente, os Conquistadores do México aprimoraram a aptidão indígena milenar de produzir álcool. No século XVII, os espanhóis estavam satisfeitos com a sua pinga e começaram a exportá-la. A partir de Tequila, o pueblo, hoje, centro de região demarcada. E nome por que se tornou famosa.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Em Viagem
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Teatro de Manaus
História
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Em espera, Mauna Kea vulcão no espaço, Big Island, Havai
Ilhas
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Serra Dourada, Cerrado, Goiás, Brasil
Natureza
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Caminhantes abaixo do Zabriskie Point, Vale da Morte, Califórnia, Estados Unidos da América
Parques Naturais
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Templo Kongobuji
Religião
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Sociedade
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.