Aquismón, San Luís Potosi, México

A Água que os Deuses Despejam de Jarros


O Letreito Habitual
Vendedora Huasteca
barcos-rio-tanpaon-huasteca-potosina-san-luis-potosi
A Grande Tamul
Decoração de Mercado
A Sombra Possível
Tamul à Vista
Riacho Afluente
Rápidos pouco Rápidos
Sobre um Rio Tampaón Espelho
Peregrinação Guadalupense
Bebedouro Improvisado
Um Naturista Potosino
xilitla-huasteca-potosina-san-luis-potosi-encostas-sierra-gorda
Indígena Huasteca
Tamul à Vista
Nenhuma queda d’água da Huasteca Potosina se compara com a de Tamul, a terceira mais alta do México, com 105 metros de altura e, na época das chuvas, quase 300 metros de largo. De visita à região, saímos na demanda do salto de rio que os indígenas viam como divino.

A meio da manhã, o Pueblo, desde 2018, Mágico de Aquismón vive o dia-a-dia animado que contribuiu para a sua distinção.

Moradores mayores põem a conversa em dia, sentados no muro que delimita o jardim, junto às letras multicolores com que a municipalidade se anuncia a quem a visita.

O mercado do lado de lá do jardim central já entrou, há algum tempo, no modo frenético habitual. Indígenas teenek e huastecas expõem vegetais, fruta e artesanato.

Em bancas próximas, servem-se tacos, zacahuiles e atoles.

E outros petiscos que, àquela hora, fazem de qualquer coisa entre o pequeno-almoço e o almoço, ou até de ambos.

As Cores e Sabores Huastecas do Pueblo Mágico Aquismón

Numa aresta distinta da também praça, o estabelecimento das raspas Chavitas mantinha a sua promoção sonora badalada pelo altifalante.

Sebastian Madera, mais conhecido por Chavas, relembra-nos o clássico “quem vai a Aquismón e não prova as suas raspas, é como se nunca lá tivesse ido”.

Convicto de que nos tinha persuadido, raspa o gelo de forma enérgica.

Sobre a pilha frígida que assenta nos copos, despeja leite condensado, mango, coco, banana, waffles, gomas e outros itens de doçaria que dão sabor extra ao petisco e fazem o seu total calórico ascender a números recordistas.

Devoramo-lo em três tempos.

Com o sol tropical da Huasteca a subir no horizonte, o efeito refrescante da tal raspa dura o que dura. É sob um braseiro que chegamos ao adro da parróquia de San Miguel Arcangel.

O Adro Inusitado da Parróquia San Miguel Arcangel

Já nos tínhamos habituado à jardinagem de Eduardo Mãos-de-Tesoura que embeleza os zócalos e anuncia tantos templos cristãos do México.

Esta igreja alaranjada e cor de lacre de Aquismón, contentava-se com um arbusto solitário. Uma espécie de Hidra vegetal, de cujos ramos despontavam coroas de folhagem viçosa.

Só por si, o conjunto reluzia de excentricidade. Como se não bastasse, uma moradora, utilitária de um qualquer serviço público próximo, chega determinada a estacionar à sombra. Sem cerimónias, deixa o carro na gerada pelo bonsai superlativo da paróquia.

Além de mínimo, o veículo é de um verde metalizado que rivaliza com o do arbusto.

Por pouco tempo.

Quando ela o remove do adro, nós, apontamos ao carro em que seguíamos e inauguramos o trajecto para fora de Aquismón, na senda de onde um tal de rio Santa Maria, se cruzava com um outro, denominado Gallinas.

Na Demanda do rio Santa Maria. Que de Santa Maria, se Converte em Tampaón

Demorado, o caminho começa por nos levar ao embarcadero La Morena, situado às margens do Tampaón, uma espécie de reencarnação do Santa Maria.

Encontramo-lo numa zona de grandes pastos mantidos à custa da floresta ribeirinha. Lá nos espera Carlos López, o responsável pelo trajecto fluvial que se seguia.

Carlos conduz-nos, por um trilho ervado.

Quando chegamos à beira-rio, juntam-se dois ajudantes, encarregues de escolher e preparar o barco para a navegação, de entre os vários que víamos, de cores sortidas, uns a flutuarem, outros semi-afundados no caudal translúcido do rio.

Enquanto esperávamos pelo embarque, vacas sedentas surgiam dos pastos acima, algo empoeiradas devido à época de estio e de sequia que estávamos a atravessar.

Duas delas, ignoram a nossa presença.

Descem pela orla enlameada e enfiam os focinhos largos nos barcos anfíbios, como se preferissem beber de uma gamela improvisada.

O Embarque Peculiar em Barcos semi-Afundados

Por fim, os ajudantes de Carlos trazem-nos uma primeira embarcação. Notamos que a água entrava por uma fenda logo à nossa frente. Na posse do equipamento fotográfico com que trabalhamos, recusamo-nos a prosseguir. Carlos pede que lhe tragam outro barco.

O segundo só estava um pouco melhor.

Carlos esforça-se por nos convencer que eram assim mesmo, que todos eles deixavam entrar um pouco de água e que era o inchaço da madeira consequente que os mantinha operacionais. Assegura-nos, ainda, que todos os dias liderava grupos no Tampaón e que, malgrado a entrada de alguma água, nada acontecia.

Acedemos. O barco zarpa.

Ao fim de umas boas pagaiadas contracorrente, algumas centenas de metros para diante, percebemos que tanto Carlos como os ajudantes garantiam que a água que removiam era superior à que entrava.

A Navegação conta-corrente do Tampaón

Tranquilizamo-nos. Dedicamo-nos às pagaiadas que nos competiam e, sempre que o cenário o merecia, a fotografar as margens abruptas do Tampaón.

Chegamos aos primeiros rápidos, impossíveis de vencermos apenas com a força dos braços. Carlos faz-nos desembarcar e percorrer um novo trilho de beira-rio.

Reentramos mais à frente, numa zona em que torrentes de água vindas das encostas a norte se juntavam ao rio, sob distintos fluxos: pequenas cascatas que irrompiam de paredes de musgo pendente, riachos ziguezagueantes pejados de fetos.

E outros.

Desembarcamos num ancoradouro que dava acesso a uns passadiços reveladores de tudo um pouco.

Do seu cimo, encontramos um cenote, uma gruta também ela repleta de água.

Uma Peregrinação Guadalupense pelo Fim da Pandemia

De novo mais próximos do Tampaón, surpreende-nos a passagem de dezenas de remadores, a bordo de uma frota de barcos. Carlos explica-nos que se tratava de uma peregrinação fluvial.

Agradecia o facto de, após um largo período em que, devido à pandemia, as autoridades proibiram a navegação de turistas no rio e inviabilizou o ganha-pão dos seus trabalhadores, a actividade ter voltado ao normal.

Assim, o que víamos passar, eram os donos de barcos, remadores e outros agentes a transportarem e acompanharem uma imagem da Virgem de Guadalupe até às imediações da cascata de Tamul, o garante financeiro e razão de ser de muitas das suas vidas.

Decorrido algum tempo, prosseguimos no mesmo rumo. Até que nos cruzamos com o seu regresso.

Numa zona em que o Tampaón se vê apertado num desfiladeiro de grande altura e, como tal, sombrio, mas em que a água fluía, tranquila, como um espelho de tom azul-esverdeado.

Continuávamos na expectativa do encontro com a grande Tamul. As pagaiadas sucediam-se, umas vezes de uns, outras, de outros.

A pressa era relativa. Além disso, contra a corrente, sempre que nos aplicávamos, sentíamos, num instante, os braços e os ombros a arder.

Por fim, entramos numa zona ainda mais sombria.

Lá damos com um ilhéu de rocha no meio do rio, elevado face ao caudal. Carlos confirma que se tratava do derradeiro ponto de desembarque e da plataforma de que iríamos apreciar Tamul, umas cascatas mais impressionantes que já admirámos.

Subimos para o ponto mais alto do ilhéu.

O Primeiro Vislumbre da Grande Cascata Tamul

Dali, vemos a enorme cortina de água gerada pelo mergulho de mais de 100 metros do afluente Gallinas sobre o Santa Maria que, dali em diante e com um caudal quase duplo, assumia o nome de Tampaón.

O Tampaón flui por mais 165km, até se juntar ao rio Moctezuma e formar o Pánuco, no caminho do inevitável Golfo do México, do mar em que Hernán Cortez desembarcou e mudou, para todo o sempre, o destino dos Mexicas, dos Maias e de tantos outros indígenas.

Aquismón, Huasteca Potosina, San Luís Potosi, México, vendedora huasteca

Do ilhéu de rocha em que nos mantínhamos, só quase víamos o perfil fumegante das quedas mais próximas da cascata.

Sabíamos, no entanto, que se estendia por centenas de metros mais e que tanto no cimo do Gallinas como no fundo do desfiladeiro ainda ao sol, o rio exibia um caudal quase turquesa.

Para os nativos huastecas (ou teenek) aquela visão e o seu fenómeno eram de tal maneira exuberantes que acreditavam serem criados pelos deuses, que eram as divindades quem fazia despejar a água, ora azulada ora esverdeada, de gigantescos jarros.

Por curto que pareça, é esse o conceito sintetizado em Tamul, “o lugar dos jarros”.

A Contemplação em Modo Drone da Tamul que se Escondia

Frustrados pelo pouco que o miradouro nos revelava, tratamos de enviar, como emissário visual e fotográfico, o mais recente reforço tecnológico, o drone que agora carregamos.

O seu lançamento prova-se um martírio. Naquele desfiladeiro apertado, o sinal de GPS teimava em se esconder.

Só após um demorado período de voo precário o conseguimos detectar, e manobrar o aparelho para altitudes que nos revelavam o conjunto dos dois rios, das cascatas e da selva envolvente em todo o seu esplendor.

Estávamos entretidos nessa pilotagem quando Carlos nos vêm alertar para o problema que se avolumava abaixo, e nas nossas costas.

Nos instantes finais dessa já quase meia-hora, tinham chegado vários barcos ao ilhéu. Os passageiros estavam tão fartos de remar como ansiosos para espreitarem a famosa Tamul.

Aflito, Carlos dita que tínhamos que fazer o drone regressar e voltar ao barco o quanto antes. Enquanto finalizávamos a recuperação do aparelho, já o ilhéu se enchia de passageiros inquietos, indignados, num equilíbrio que a sobrelotação do rochedo fazia instável.

Regressamos a favor da corrente. Percebemos, no entanto, que nem o alegado sentido descendente da navegação nos ajudava. O Tampaón como que resistia a poupar-nos o esforço e o cansaço.

Só quando chegamos aos rápidos pudemos largar as pagaias e deixar-nos levar pela força da corrente, sobrevoados por abutres na expectativa de um acidente, embalados pelo canto mágico das oropéndolas centroamericanas.

Ao voltarmos a terra, ao mesmo embarcadouro La Morena, outras vacas bebiam no meio da esquadra de barcos garridos, anfíbios e até afundados que enchia o Tampaón de cor.

Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Rabat, Malta, Mdina, Palazzo Xara
Cidades
Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta

Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cultura
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Península Banks, Akaroa, Canterbury, Nova Zelândia
História
Península de Banks, Nova Zelândia

O Estilhaço de Terra Divinal da Península de Banks

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Ilhas
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Mirador de La Peña, El Hierro, Canárias, Espanha
Natureza
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Património Mundial UNESCO
Cascatas e Quedas de Água

Cascatas do Mundo: Impressionantes Rios Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra cascatas de todos os tipos.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Religião
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Sociedade
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Vida Selvagem
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES