San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana


Negócios indígenas
Vendedoras e compradoras maias no mercado municipal da cidade.
Emiliano Zapata
Letreiro de um dos estabelecimentos zapatistas de San Cristóbal homenageia Emiliano Zapata, um revolucionário histórico que se tornou ídolo mexicano.
Sob o peso do catolicismo
Nativos junto a uma das muitas igrejas do pueblo mágico.
Viva Zapata !
Letreiro de um dos estabelecimentos zapatistas de San Cristóbal.
Vestes felpudas
Indígena com traje típico de San Juan Chamula, uma povoação vizinha conhecida pela fusão autonomista que criou de crenças indígenas e do catolicismo.
Graxa & Sombreros
Engraxadores fazem brilhar os sapatos e botas de habitantes de San Cristóbal de las Casas.
Gente cristobalense
Transeuntes percorrem uma rua nas traseiras da catedral de San Cristóbal de Las Casas.
Uma Fé móvel
Devoto carrega uma estátua da Virgen de Guadalupe, durante tempos de peregrinação em sua honra.
Uma montra ambulante
Vendedora maia carregada com a sua mercadoria colorida.
Vendas em Família
Mulheres maias vendedoras de artesanato.
san-cristobal-de-las-casas-chiapas-zapatismo-mexico-vendedoras-igreja
Grupo de mulheres maias atentas à aproximação da polícia que não permite a venda ambulantes em San Cristobal.
“Aqui manda el Pueblo”
Placa numa estrada de Chiapas anuncia a entrada num território zapatista e rebelde.
No coração amarelo de San Cristóbal
Transeuntes de San Cristobal de Las Casas cruzam-se em frente à catedral secular da cidade.
san-cristobal-de-las-casas-chiapas-zapatismo-mexico-igreja-san-nicolau-calle
Transeuntes percorrem uma rua nas traseiras da catedral de San Cristóbal de Las Casas.
Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

É de longe uma das principais imagens de marca da povoação e não havia como escapar-lhe. “Señores, no quieren acaso unas pulseritas?

Fossemos para onde fossemos, pequenos esquadrões de vendedoras maias seguiam-nos ou apareciam do nada determinadas em ganhar mais uns pesos.

Miren, tenemos de todos los colores!” e esticavam-nos os braços curtos, sobrecarregadas com redes de dormir, fitas, bolsas e tantas outras peças de artesanato com padrões garridos do mesmo estilo. Por vezes, ainda com crianças de colo.

Mulheres maias vendedoras de artesanato.

Estas mulheres de baixa estatura, cabelos negros longos entrançados como os tecidos que produzem, peles douradas e olhos ligeiramente amendoados chegavam logo bem cedo, a pé ou nos autocarros velhos e folclóricos que serviam o trajecto entre as aldeias mais distantes e a cidade.

Eram maias Tzotzil ou Tzeltal, as sub-etnias predominantes naquelas terras altas (acima dos 2000 metros de altitude) da província mexicana de Chiapas onde, em conjunto, contam com mais de oitocentos mil elementos.

Famílias inteiras de nativos dão mais vida ao mercado municipal onde, além do artesanato, vendem de tudo um pouco, tanto aos habitantes regateadores da região como aos forasteiros curiosos que sondam as bancas em busca das recordações.

Em complemento, os lugares preferidos das vendedoras ambulantes maias são a frente sempre movimentada da catedral de San Cristobal e o Zócalo, no caso, um parque verdejante que percorrem de olho na polícia local que as proíbe de vender fora do mercado.

Grupo de mulheres maias atentas à aproximação da polícia que não permite a venda ambulantes em San Cristobal.

A Chegada dos Conquistadores Espanhóis e a Opressão dos Indígenas que Perdura

Passou meio milénio desde que os invasores espanhóis assentaram arraiais por estes lados, depois de o conquistador Diego de Mazariegos ter derrotado vários subgrupos maias e instalado um forte que lhe permitiu resistir aos contra-ataques.

Mesmo se não tão desconsiderados como então, depressa constatamos que os indígenas não são propriamente amados por grande parte da população branca e até mestiça da cidade.

Vestes felpudas

Indígena com traje típico de San Juan Chamula, uma povoação vizinha conhecida pela fusão autonomista que criou de crenças indígenas e do catolicismo.

Apesar de a maior parte falar castelhano como segunda língua, raras são as vezes que os vemos em diálogo com os seus moradores.

Gente cristobalense

Transeuntes percorrem uma rua nas traseiras da catedral de San Cristóbal de Las Casas.

Pelo contrário, chegamos a ouvir conversas destes em que os continuam a menosprezar como seres humanos.

À imagem do que se passou em tantas outras paragens das Américas, com a colonização, veio a pilhagem e a exploração.

Na região de Chiapas, os cidadãos espanhóis acumularam fortunas, sobretudo com a produção de trigo. As terras cultivadas foram todas confiscadas aos nativos.

Em troca, ser-lhes-iam impostos, trabalho forçado, tributos e doenças recém-trazidas do Velho Mundo.

Esta opressão prolongou-se pelos séculos fora, apesar da resistência que passou a encontrar.

Morador de San Cristobal caminha em frente a um portal arcado da cidade.

Bartolomeu de Las Casas, um Defensor Acérrimo dos Indígenas Maias

Os monges dominicanos chegaram à região em 1545 e fizeram de San Cristobal a sua base operacional. O nome da cidade foi estendido em honra de um deles, Bartolomé de Las Casas, entretanto apontado Bispo de Chiapas.

De Las Casas tornou-se no mais notório defensor espanhol dos povos indígenas da era colonial. Em tempos recentes, um bispo de nome Samuel Ruiz, seguiu os passos de Las Casas.

Mereceu o repúdio e a hostilidade da elite governante e financeira de Chiapas.

Ruiz acabou por se retirar são e salvo, em 1999, após muitos anos no cargo. Faleceu em 2011.

As intervenções de cariz político-social que lhe granjearam vários prémios de instituições internacionais pela paz, incluindo a UNESCO, foram várias.

Hoje, San Cristobal integra a Rede de Cidades Criativas desta organização. Foi decretada Ciudad Creativa de la Artesanía y arte popular.

Uma Fé móvel

Devoto carrega uma estátua da Virgen de Guadalupe, durante tempos de peregrinação em sua honra.

Contaram-se frequentes mediações do conflito entre o Governo Federal Mexicano e o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN).

A Emergência do Exército Zapatista

Duas décadas de ressentimento e activismo depois, em 1994, o EZLN começou a operar a partir da selva de Lacándon, nas terras baixas da província, no dia em que o Tratado NAFTA (Tratado Norte-americano de Livre Comércio entrou em vigor.

Mesmo sem as intervenções militares de outrora, preserva a sua estrutura.

Uns dias antes, enquanto viajávamos montanha luxuriante acima pela estrada sinuosa que liga Tuxtla Gutiérrez – a capital actual de Chiapas – a San Cristóbal, sucediam-se as pequenas portagens impostas às viaturas com simples cordas esticadas por aldeãos, por vezes crianças, de ambos os lados da estrada.

“Isto são os impostos locais!” explica-nos Edgardo Coello o condutor e guia que há muito mostrava aquelas paragens a forasteiros. O dinheiro do governo não chega até eles e eles, cobram as taxas que acham devidas a quem passa.

Viva Zapata !

Letreiro de um dos estabelecimentos zapatistas de San Cristóbal.

Eu não me importo de deixar uns pesos de vez em quando mas, quando acho que são demasiado seguidas e oportunistas, aí, simplesmente não paro.

Nunca me aconteceu levar ninguém atrás mas já me contaram histórias de um ou outro incidente rocambolesco com os portageiros, à conta de não reagirem a tempo!”

Uns quilómetros para diante e para cima, já de noite, mandam-nos parar as autoridades oficiais de metralhadoras a tiracolo. Investigam o jipe e os passageiros com critério. “E porque é que estão a passar já de noite?” quer saber um dos militares federais a quem intriga a hora tardia para os hábitos dos guias locais.

Edgardo impinge-lhe uma qualquer explicação logística e consegue permissão para prosseguirmos. Pouco depois, atingimos a entrada de uma povoação mal iluminada.

Com o reforço dos faróis do jipe, detectamos uma tabuleta de madeira rudimentar e envelhecida que publicita: “Está usted en território Zapatista en rebeldia. Aqui manda el Pueblo y el gobierno obedece.

Placa numa estrada de Chiapas anuncia a entrada num território zapatista e rebelde.

E o Zapatismo que ainda Reina em Chiapas

Em poucos lugares do México esta proclamação fez tanto sentido como em Chiapas. No estado mais meridional do país, os zapatistas provaram-se na quase totalidade nativos.

Não foi o caso do emblemático e holográfico Subcomandante Marcos que há pouco mais de um ano publicou uma carta em que confessava ser na realidade Subcomandante Insurgente Galeano.

Inspirado na figura do herói nacional-revolucionário Emiliano Zapata, o Zapatismo sintetizou práticas maias tradicionais com elementos libertários do socialismo, anarquismo e Marxismo contra a selvajaria neo-liberal e pró-globalização.

Emiliano Zapata

Letreiro de um dos estabelecimentos zapatistas de San Cristóbal homenageia Emiliano Zapata, um revolucionário histórico que se tornou ídolo mexicano.

Armado da sua ideologia, de metralhadoras e da densidade da selva de Lácandon, o EZLN procurou devolver aos indígenas o controlo das suas terras e matérias-primas, com todas as forças e apesar das baixas probabilidades de sucesso.

O Subcomandante Marcos – Insurgente Galeano, aliás – foi abatido em Maio de 2014 numa emboscada levada a cabo por paramilitares. Com a sua morte, o EZLN passou a ter liderança indígena e reforçou a notoriedade mundial que já conquistara.

O Turismo Convencional de San Cristóbal de Las Casas

Em San Cristóbal, em particular, relançou o fenómeno do Zapaturismo.

Neste pueblo mágico ­– assim lhe chamam os mexicanos – é a deslumbrante arquitectura colonial que começa por se destacar.

Impressiona-nos a beleza da catedral da cidade, em particular da sua fachada barroca e oitocentista que o descer do sol no horizonte vai tornando mais amarela ao longo da tarde, quando dezenas moradores usam a cruz à sua frente como ponto de encontro.

Transeuntes de San Cristobal de Las Casas cruzam-se em frente à catedral secular da cidade.

Outra igreja igualmente barroca e ainda mais elaborada que nos encanta é o Templo de São Domingo, todo ele decorado em filigrana de estuque.

Subimos os incontáveis degraus que levam ao cimo dos cerros de San Cristóbal e de Nª Srª de Guadalupe e admiramos o casario hispânico térreo colorido e repleto de pátios interiores que constitui a cidade.

A rua repleta de lojas de comércios que leva ao cimo da Igreja de Nª Srª de Guadalupe.

Ainda exploramos a casa-museu Na Bolom que estuda e apoia as culturas indígenas de Chiapas.

Como nós, milhares de forasteiros deixam-se todos os anos fascinar por estas atracções mais óbvias.

E o fenómeno do Zapaturismo de Chiapas

Mas, passados os anos de conflito mais aceso (1994-1997) que prejudicaram sobremaneira a chegada de visitantes, hoje, a velha capital da província atrai um bom número de adeptos e activistas internacionais do Zapatismo.

Instalam-se em pousadas baratas para debater e conspirar em bares, restaurantes e centros de artesanato ou combinações de todos, baptizados como “Revolución” e com outros nomes do género.

Estes lugares assumem-se agora sem receios. Ernesto Ledesma, psicólogo e dono do restaurante Tierra Adentro – um dos mais emblemáticos – que trabalha com duas cooperativas zapatistas, a “Mujeres por Dignidad” e a “Fábrica de Calzado 1 de Enero” explica que os turistas zapatistas se dividem em duas categorias.

Graxa & Sombreros

Engraxadores fazem brilhar os sapatos e botas de habitantes de San Cristóbal de las Casas.

“A uns interessa tirar umas fotos com zapatistas e seguir o seu itinerário pela atracções históricas e naturais de renome.

Ou, vá lá que seja, pelo Zapatour, o percurso que, em 2001, levou os Zapatistas por doze estados mexicanos para colocarem a questão indígena no centro do debate político nacional.

Os outros, não devemos sequer chamá-los de turistas. Partilham um verdadeiro interesse social e político. Interessa-lhes aprender e colaborar com a causa. San Cristóbal de Las Casas beneficiou muito com a notoriedade conquistada pelo Zapatismo.

Ainda mais com a proliferação destas duas classes de visitantes. Chiapas, sempre foi esquecida pelo governo.

Sem saber muito bem como, o Subcomandante Marcos foi o melhor relações públicas que podíamos ter tido.”

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Moradora de Dali, Yunnan, China
Cidades
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cultura
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
ilha Streymoy, Ilhas Faroe, Tjornuvik, Gigante e Bruxa
Em Viagem
Streymoy, Ilhas Faroé

Streymoy Acima, ao Sabor da Ilha das Correntes

Deixamos a capital Torshavn rumo a norte. Cruzamos de Vestmanna para a costa leste de Streymoy. Até chegarmos ao extremo setentrional de Tjornuvík, deslumbramo-nos vezes sem conta com a excentricidade verdejante da maior ilha faroesa.
Moradora de Nzulezu, Gana
Étnico
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
História
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Djerba Ilha da Tunísia, Amazigh e os seus camelos
Ilhas
Djerba, Tunísia

A Ilha Tunisina da Convivência

Há muito que a maior ilha do Norte de África acolhe gentes que não lhe resistiram. Ao longo dos tempos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos, Árabes chamaram-lhe casa. Hoje, comunidades muçulmanas, cristãs e judaicas prolongam uma partilha incomum de Djerba com os seus nativos Berberes.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Natureza
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Grand Canyon, Arizona, Viagem América do Norte, Abismal, Sombras Quentes
Património Mundial UNESCO
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Sociedade
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.