Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei


Vestígios de Vegetação
Acácia e arbustos salpicam o solo pedregoso do vale de Sossusvlei.
Acácia sobre Duna
Uma acácia subsiste na vertente arenosa da Duna 45.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-silhuetas
Rumo aos céus do Namibe
Balão eleva-se acima da estrada que percorre o vale de Sossusvlei.
Esqueletos arbóreos
Troncos mortos e hirtos de acácias que, em tempos, proliferaram em Dead Vlei.
As Acácias e a Sombra
Acácias proliferam no fundo de uma das grandes dunas de Sossusvlei.
Duo das Areias
Caminhantes percorre a crista de uma duna curva de Sossusvlei.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-sombra-acacia
Sessão de Balão
Um balão ascende enquanto um outro é enchido de hélio por forma a acompanhar o primeiro.
Vale das Acácias Mortas
O fundo de argila salgada que preenche o vale de tempos a tempos alagado de Deadvlei.
Linhas de areia
Composição de Dunas enriquecida pelas sombras do sol ainda baixo sobre o Namibe.
Kulala Lodge
Troncos de acácias em redor do Kulala Eco-Lodge, nas imediações de Sesriem.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-ocaso
GOPR4007
Caminhada Solitária
Caminhante percorre um trilho já aberto na base da Duna 45.
Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.

O lodge em que tínhamos dado entrada na noite anterior denominava-se Le Mirage.

Não o conseguíamos ver de outra maneira, perdido como estava na vastidão do Sossus namibiano e na do tempo, numa excentricidade desenquadrada de castelo ou ksar medieval norte-africano, todo ele arredondado, feito de torres cilíndricas agrupadas numa quase circunferência exterior.

Partilhámos o interior empedrado e fortificado com uma comunidade internacional, requintada e endinheirada de exploradores da Namíbia, um deles aniversariante. Voltámos assim a assistir ao cerimonial tão frequente na Namíbia e sul de África, dos empregados  a cantarem os parabéns e a dançarem ao som de tambores na da sala de jantar.

Assim como surgiu do nada, a celebração depressa se dissipou. Não obstante estarem previstos cinco pratos, abreviámos o repasto tanto quanto possível. Tínhamos imenso trabalho de escritório para resolver para os dias vindouros e, para ajudar à festa, as paredes massivas daquelas quase masmorras barravam o sinal de Wi-Fi do quarto 24 que nos tinha calhado. Resolvemos o que conseguimos do imbróglio.

Extasiados das viagens pelas estradas poeirentas e escorregadias da Namíbia, cedemos ao sono mais cedo do que estávamos a contar. Ainda não foi dessa que recuperámos como devíamos.

Às 4h30, os despertadores soaram em jeito de filme de terror. Meia-hora depois, esforçávamo-nos para tomar o pequeno-almoço de olhos abertos. Às cinco da manhã, ainda atordoados, saímos à descoberta de Sossusvlei.

A Descoberta Madrugadora de Sossusvlei

Estávamos a pouco mais de 20km de Sesriem, a principal povoação da zona e ponto de entrada para o domínio vasto dos seus grandes vleis, o termos empregue pelos colonos afrikaners destas partes para definir os pântanos formados quando a água temporária dos rios se espalha pelos desertos, neste caso, o do Namibe.

O Namibe é tido como o ancião dos desertos. Com mais de 2000 km de extensão de uma faixa atlântica alargada de Angola, da Namíbia e da África do Sul, também é um dos maiores à face da Terra. Por onde andávamos, estávamos sobre o meio da latitude que ocupa. Não chegamos a aproximar-nos de Sesriem.

Deixamos a estrada namibiana C27 apontados a oeste. Nas imediações de um tal de Kulala Desert Lodge, a via arenosa porque seguíamos alinhou-se com o sulco escavado no deserto por um tal de rio Tsauchab. Sem que então tivéssemos noção, o Tsauchab tem protagonismo em quase todos os cenários que viríamos a desvendar.

De tempos a tempos, raros dias de chuva nas longínquas montanhas Naukluft, cerca de 150km para nordeste, fazem ressuscitar o rio. Renovam a erosão do solo e a compactação das areias dos fundos do Namibe. Escavam, assim, mais profunda e definida, a espécie de ponta de seta aluvial, bem visível dos ares ou em imagem de satélite.

Na companhia do caudal ressequido do Tsauchab, sob o olhar desconfiado dos órix residentes, o jipe passa pelos balões de ar que quase salpicam os céus límpidos destes confins.

Enre órix e balões, internamo-nos no vale barrento do Sossusvlei, entre as dunas imponentes que o delimitam a norte e a sul.

E a Conquista Arenosa da Reputada Duna 45

Detemo-nos junto à base da Duna 45. Por uma óbvia razão.

Situada ao quilómetro 45 da estrada que conduz Sesriem a Sossusvlei, esta duna ergue-se a 170 metros de altura, um monstro geológico formado por areia com em redor de cinco milhões de anos.

Estima-se que a do rio Orange, soprada do deserto do Kalahari até à quase orla marinha do Namibe. Encetamos a subida ao cimo, devagar, devagarinho, nem a areia deslizante da sua crista curva permitiria outra coisa.

Primeiro, com o sol a querer espreitar do oriente namibiano.

Logo, nós e o topo das dunas alaranjados pelos raios inaugurais do dia, sobretudo as dunas, feitas de uma areia saturada de ferro e, por isso, já de si ocres, mais ferrosas para o interior do que próximo ao oceano.

Quanto mais ascendíamos, mais abismais se revelavam os ergs alaranjados pela aurora em redor. E mais se diminuíam as acácias nas bases, naquela altura do ano, carregadas das suas vagens em forma de lua, um dos alimentos preferidos dos elefantes.

À medida que o sol se elevava acima do horizonte e das dunas, apagava as manchas de sombra nas vertentes por iluminar. Quando esse contraste mágico se desvaneceu em demasia, regressámos ao ponto de partida, prontos a retomar a linha condutora esbranquiçada do Tsauchab.

Seguimos para ocidente, a determinada altura, já sobre o rasto de argila salgada legado pelas torrentes inesperadas, a caminho do limiar em que se some no areal sem fim do Namibe.

O Vale sem Saída e Moribundo de Dead Vlei

Algumas das dunas formam verdadeiros lagos desse sal cozinhado vezes sem conta pelo sol tropical. Um dos mais famosos, o Dead Vlei, surge na base da Big Daddy, a duna mais elevada de Sossusvlei, com 325 metros, ainda assim, ainda assim abaixo da mais alta da Namíbia, a Dune 7, esta com 383 metros.

Passamos abaixo do limiar setentrional Big Daddy. Do lado oposto da sua crista, damos com a mais exuberante das bacias de argila de Sossusvlei, a Dead Vlei, traduzível como pântano ou charco morto.

Mesmo se agora o comprovamos demasiado ressequido para alojar vida vegetal de grande porte, nem sempre assim foi.

O que torna Dead Vlei um cenário especial é a profusão de esqueletos de acácias, testemunhos hirtos e ramificados de formas caprichosas de tempos em que chuvas fartas – provavelmente a montante do rio – e um caudal significativo do Tsauchab terão concedido outra fertilidade.

O Namibe prova-se, no entanto, um deserto em permanente movimento e mutação. A dinâmica das areias é alimentada pelo conflito entre o vento prevalente de Sul-Sudoeste que, arrefecido pelas águas gélidas da Corrente de Benguela, gera o nevoeiro denso que envolve a orla do deserto e constitui a sua principal fonte de humidade.

O grande rival deste vento de sul, é conhecido como Berg, provém do deserto do Kalahari e, de acordo, é seco, uma verdadeira fornalha, aliás.  

O conflito estes dois ventos e suas derivações molda a orientação e a forma das dunas do Namibe e de Sossusvlei.

Terá acontecido que, nesta batalha, entre 500 e 900 anos atrás, alterações na duna Big Daddy e vizinhas bloquearam o fluxo intermitente (dá-se a cada 5 a 10 anos) do Tsauchab para dentro do Dead Vlei. Desprovidas da água que as irrigava, as acácias quase milenares pereceram.

Os seus troncos e ramos principais resistem. Formam monumentos surreais à aventura e desventura biológica que ali teve lugar.

Por improvável que possa parecer, o Atlântico dista menos de 50km do vale sem saída e morto de Sossusvlei e de Deadvlei. Ainda assim, nem sequer nas maiores enxurradas já ocorridas, produtos de aberrações meteorológicas, conseguiu o Tsauchab chegar ao oceano como um verdadeiro caudal.

No fim afunilado de Sossusvlei, com a Big Daddy e suas aliadas pela frente, o rio rende-se à imensidão das areias, deixa-se nelas sumir.

Passagem pelo Aperto Fluvial do Estreito de Sesriem

São raros os rios que nunca chegam ao mar. África tem alguns. Um outro, esse permanente e abastecido em permanência pelas chuvas do Huambo angolano, espraia-se num pântano verdejante e prolífico mais para o interior de África. Trata-se do Okavango (Cubango).

O sol ergue-se a caminho do seu zénite. De regresso ao carro, descobrimos que temos um furo, por sorte, dos muito lentos. Invertemos caminho. Temos tempo de atravessar o Desfiladeiro de Sesriem que o Tsauchab atravessa mesmo antes de entrar em Sossusvlei, após deixar de vez, para trás, as montanhas de Naukluft.

Em certos pontos, o desfiladeiro tem meros dois metros de largura, um aperto que sentimos destoar em absoluto com a imensidão inóspita que vínhamos há dias a percorrer. Raro como é, a estreiteza de Sesriem tem ainda o condão de preservar um reservatório sombrio de água.

É, assim, um ponto de encontro quase obrigatório da fauna do Namibe, dos órix e cabras-de-leque, das avestruzes, dos chacais, hienas e tantos outros.

A Remota Génese Germânica do PN Namibe-Naukluft

Se recuarmos até ao início do século XX, à era colonial do Sudoeste Africano Alemão, constatamos que, mesmo sem verdadeiras intenções de protecção e preservação animal, foram os germânicos que estabeleceram a base do actual Parque Nacional Namibe-Naukluft, considerado o maior parque nacional de África e o quarto maior do mundo.

Em 1907, estabeleceram três grandes Reservas de Caça. A região de Namibe-Naukluft ficou integrada na terceira. Só que os direitos de caça alemães na sua colónia foram perdidos com a derrota do Império Germânico e aliados na 1ª Guerra Mundial. Em 1915, a administração sul-africana da ex-colónia alemã, validou as Reservas de Caça antes estabelecidas.

Daí em diante, verificaram-se sucessivas alterações, no cômputo geral, todas na direcção de aumentar a área do PN Namibe-Naukluft e, desde há já bastante tempo, em vez de promover a caça, como acontece ainda noutras regiões próximas, de proteger os seus animais.

Uma Paragem nas Boxes Forçada

Regressemos à realidade actual em que nos víamos. O furo que nos atormentava agrava-se.

De tal maneira, que nos obrigou a seguir de imediato para Sesriem, a povoação situada a 4km do desfiladeiro, mero posto de abastecimento dos veículos e das gentes chegadas em função de Sossusvlei ou a caminho de paragens não tão populares mas de igual modo extraordinárias da Namíbia, Lüderitz, Kolmanskop, Aus, como Sesriem, entre as poucas povoações que, por uma razão ou por outra, ousaram desafiar a rudez do deserto.

Paramos na estação de serviço. Um dos funcionários de turno, lava-nos os para-brisas e os vidros laterais. Em boa hora. Além de areia, o Namibe é feito de poeira que quando se aloja faz questão de resistir. Atestamos para a viagem longa rumo a Lüderitz.

Após o que o segundo funcionário, aquele que havia assumido o conserto nos dá a novidade: “estão com sorte. Era um prego pequeno. Não fez grande mossa e consigo remendá-lo só por dentro.

Assim evitam aquela chatice de a empresa de rent-a-car vos querer fazer pagar um pneu novo.” Agradecemos-lhe e recompensamos-lhe a atenção como a merecia.

O Eco-Refúgio Estrelado do Kulala Desert Lodge

Com o carro operacional e o braseiro do meio da tarde a instalar-se, refugiamo-nos no lodge dessa noite, o tal de Kulala por que tínhamos passado sobre a aurora.

O Kulala Desert Lodge revelou-se outro de vários eco-lodges construídos em madeira, pedra e outros materiais da zona, com recursos mínimos mas uma criatividade do tamanho do Namibe, acolhedor e inspirador a condizer. Recuperamos o sono que há semanas perdíamos.

Até a hora de jantar justificar um difícil despertar. Com a noite instalada, subimos ao terraço acamado do lodge.

Lá nos dedicamos a contemplar e a fotografar o firmamento híperestralado, com as suas estrelas e planetas, atrevíamo-nos a dizer que, alguns deles, menos extraterrestres como o Sossusvlei que nos envolvia.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos Trinta

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Hiroxima, cidade rendida à paz, Japão
Cidades
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Étnico
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Ilhas
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Terraços de Sistelo, Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, Minho, Portugal
Natureza
Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Maias de agora
Património Mundial UNESCO

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Sociedade
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.