Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei


Vestígios de Vegetação
Acácia e arbustos salpicam o solo pedregoso do vale de Sossusvlei.
Acácia sobre Duna
Uma acácia subsiste na vertente arenosa da Duna 45.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-silhuetas
Rumo aos céus do Namibe
Balão eleva-se acima da estrada que percorre o vale de Sossusvlei.
Esqueletos arbóreos
Troncos mortos e hirtos de acácias que, em tempos, proliferaram em Dead Vlei.
As Acácias e a Sombra
Acácias proliferam no fundo de uma das grandes dunas de Sossusvlei.
Duo das Areias
Caminhantes percorre a crista de uma duna curva de Sossusvlei.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-sombra-acacia
Sessão de Balão
Um balão ascende enquanto um outro é enchido de hélio por forma a acompanhar o primeiro.
Vale das Acácias Mortas
O fundo de argila salgada que preenche o vale de tempos a tempos alagado de Deadvlei.
Linhas de areia
Composição de Dunas enriquecida pelas sombras do sol ainda baixo sobre o Namibe.
Kulala Lodge
Troncos de acácias em redor do Kulala Eco-Lodge, nas imediações de Sesriem.
deserto-do-namibe-sossusvlei-namibia-ocaso
GOPR4007
Caminhada Solitária
Caminhante percorre um trilho já aberto na base da Duna 45.
Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.

O lodge em que tínhamos dado entrada na noite anterior denominava-se Le Mirage.

Não o conseguíamos ver de outra maneira, perdido como estava na vastidão do Sossus namibiano e na do tempo, numa excentricidade desenquadrada de castelo ou ksar medieval norte-africano, todo ele arredondado, feito de torres cilíndricas agrupadas numa quase circunferência exterior.

Partilhámos o interior empedrado e fortificado com uma comunidade internacional, requintada e endinheirada de exploradores da Namíbia, um deles aniversariante. Voltámos assim a assistir ao cerimonial tão frequente na Namíbia e sul de África, dos empregados  a cantarem os parabéns e a dançarem ao som de tambores na da sala de jantar.

Assim como surgiu do nada, a celebração depressa se dissipou. Não obstante estarem previstos cinco pratos, abreviámos o repasto tanto quanto possível. Tínhamos imenso trabalho de escritório para resolver para os dias vindouros e, para ajudar à festa, as paredes massivas daquelas quase masmorras barravam o sinal de Wi-Fi do quarto 24 que nos tinha calhado. Resolvemos o que conseguimos do imbróglio.

Extasiados das viagens pelas estradas poeirentas e escorregadias da Namíbia, cedemos ao sono mais cedo do que estávamos a contar. Ainda não foi dessa que recuperámos como devíamos.

Às 4h30, os despertadores soaram em jeito de filme de terror. Meia-hora depois, esforçávamo-nos para tomar o pequeno-almoço de olhos abertos. Às cinco da manhã, ainda atordoados, saímos à descoberta de Sossusvlei.

A Descoberta Madrugadora de Sossusvlei

Estávamos a pouco mais de 20km de Sesriem, a principal povoação da zona e ponto de entrada para o domínio vasto dos seus grandes vleis, o termos empregue pelos colonos afrikaners destas partes para definir os pântanos formados quando a água temporária dos rios se espalha pelos desertos, neste caso, o do Namibe.

O Namibe é tido como o ancião dos desertos. Com mais de 2000 km de extensão de uma faixa atlântica alargada de Angola, da Namíbia e da África do Sul, também é um dos maiores à face da Terra. Por onde andávamos, estávamos sobre o meio da latitude que ocupa. Não chegamos a aproximar-nos de Sesriem.

Deixamos a estrada namibiana C27 apontados a oeste. Nas imediações de um tal de Kulala Desert Lodge, a via arenosa porque seguíamos alinhou-se com o sulco escavado no deserto por um tal de rio Tsauchab. Sem que então tivéssemos noção, o Tsauchab tem protagonismo em quase todos os cenários que viríamos a desvendar.

De tempos a tempos, raros dias de chuva nas longínquas montanhas Naukluft, cerca de 150km para nordeste, fazem ressuscitar o rio. Renovam a erosão do solo e a compactação das areias dos fundos do Namibe. Escavam, assim, mais profunda e definida, a espécie de ponta de seta aluvial, bem visível dos ares ou em imagem de satélite.

Na companhia do caudal ressequido do Tsauchab, sob o olhar desconfiado dos órix residentes, o jipe passa pelos balões de ar que quase salpicam os céus límpidos destes confins.

Enre órix e balões, internamo-nos no vale barrento do Sossusvlei, entre as dunas imponentes que o delimitam a norte e a sul.

E a Conquista Arenosa da Reputada Duna 45

Detemo-nos junto à base da Duna 45. Por uma óbvia razão.

Situada ao quilómetro 45 da estrada que conduz Sesriem a Sossusvlei, esta duna ergue-se a 170 metros de altura, um monstro geológico formado por areia com em redor de cinco milhões de anos.

Estima-se que a do rio Orange, soprada do deserto do Kalahari até à quase orla marinha do Namibe. Encetamos a subida ao cimo, devagar, devagarinho, nem a areia deslizante da sua crista curva permitiria outra coisa.

Primeiro, com o sol a querer espreitar do oriente namibiano.

Logo, nós e o topo das dunas alaranjados pelos raios inaugurais do dia, sobretudo as dunas, feitas de uma areia saturada de ferro e, por isso, já de si ocres, mais ferrosas para o interior do que próximo ao oceano.

Quanto mais ascendíamos, mais abismais se revelavam os ergs alaranjados pela aurora em redor. E mais se diminuíam as acácias nas bases, naquela altura do ano, carregadas das suas vagens em forma de lua, um dos alimentos preferidos dos elefantes.

À medida que o sol se elevava acima do horizonte e das dunas, apagava as manchas de sombra nas vertentes por iluminar. Quando esse contraste mágico se desvaneceu em demasia, regressámos ao ponto de partida, prontos a retomar a linha condutora esbranquiçada do Tsauchab.

Seguimos para ocidente, a determinada altura, já sobre o rasto de argila salgada legado pelas torrentes inesperadas, a caminho do limiar em que se some no areal sem fim do Namibe.

O Vale sem Saída e Moribundo de Dead Vlei

Algumas das dunas formam verdadeiros lagos desse sal cozinhado vezes sem conta pelo sol tropical. Um dos mais famosos, o Dead Vlei, surge na base da Big Daddy, a duna mais elevada de Sossusvlei, com 325 metros, ainda assim, ainda assim abaixo da mais alta da Namíbia, a Dune 7, esta com 383 metros.

Passamos abaixo do limiar setentrional Big Daddy. Do lado oposto da sua crista, damos com a mais exuberante das bacias de argila de Sossusvlei, a Dead Vlei, traduzível como pântano ou charco morto.

Mesmo se agora o comprovamos demasiado ressequido para alojar vida vegetal de grande porte, nem sempre assim foi.

O que torna Dead Vlei um cenário especial é a profusão de esqueletos de acácias, testemunhos hirtos e ramificados de formas caprichosas de tempos em que chuvas fartas – provavelmente a montante do rio – e um caudal significativo do Tsauchab terão concedido outra fertilidade.

O Namibe prova-se, no entanto, um deserto em permanente movimento e mutação. A dinâmica das areias é alimentada pelo conflito entre o vento prevalente de Sul-Sudoeste que, arrefecido pelas águas gélidas da Corrente de Benguela, gera o nevoeiro denso que envolve a orla do deserto e constitui a sua principal fonte de humidade.

O grande rival deste vento de sul, é conhecido como Berg, provém do deserto do Kalahari e, de acordo, é seco, uma verdadeira fornalha, aliás.  

O conflito estes dois ventos e suas derivações molda a orientação e a forma das dunas do Namibe e de Sossusvlei.

Terá acontecido que, nesta batalha, entre 500 e 900 anos atrás, alterações na duna Big Daddy e vizinhas bloquearam o fluxo intermitente (dá-se a cada 5 a 10 anos) do Tsauchab para dentro do Dead Vlei. Desprovidas da água que as irrigava, as acácias quase milenares pereceram.

Os seus troncos e ramos principais resistem. Formam monumentos surreais à aventura e desventura biológica que ali teve lugar.

Por improvável que possa parecer, o Atlântico dista menos de 50km do vale sem saída e morto de Sossusvlei e de Deadvlei. Ainda assim, nem sequer nas maiores enxurradas já ocorridas, produtos de aberrações meteorológicas, conseguiu o Tsauchab chegar ao oceano como um verdadeiro caudal.

No fim afunilado de Sossusvlei, com a Big Daddy e suas aliadas pela frente, o rio rende-se à imensidão das areias, deixa-se nelas sumir.

Passagem pelo Aperto Fluvial do Estreito de Sesriem

São raros os rios que nunca chegam ao mar. África tem alguns. Um outro, esse permanente e abastecido em permanência pelas chuvas do Huambo angolano, espraia-se num pântano verdejante e prolífico mais para o interior de África. Trata-se do Okavango (Cubango).

O sol ergue-se a caminho do seu zénite. De regresso ao carro, descobrimos que temos um furo, por sorte, dos muito lentos. Invertemos caminho. Temos tempo de atravessar o Desfiladeiro de Sesriem que o Tsauchab atravessa mesmo antes de entrar em Sossusvlei, após deixar de vez, para trás, as montanhas de Naukluft.

Em certos pontos, o desfiladeiro tem meros dois metros de largura, um aperto que sentimos destoar em absoluto com a imensidão inóspita que vínhamos há dias a percorrer. Raro como é, a estreiteza de Sesriem tem ainda o condão de preservar um reservatório sombrio de água.

É, assim, um ponto de encontro quase obrigatório da fauna do Namibe, dos órix e cabras-de-leque, das avestruzes, dos chacais, hienas e tantos outros.

A Remota Génese Germânica do PN Namibe-Naukluft

Se recuarmos até ao início do século XX, à era colonial do Sudoeste Africano Alemão, constatamos que, mesmo sem verdadeiras intenções de protecção e preservação animal, foram os germânicos que estabeleceram a base do actual Parque Nacional Namibe-Naukluft, considerado o maior parque nacional de África e o quarto maior do mundo.

Em 1907, estabeleceram três grandes Reservas de Caça. A região de Namibe-Naukluft ficou integrada na terceira. Só que os direitos de caça alemães na sua colónia foram perdidos com a derrota do Império Germânico e aliados na 1ª Guerra Mundial. Em 1915, a administração sul-africana da ex-colónia alemã, validou as Reservas de Caça antes estabelecidas.

Daí em diante, verificaram-se sucessivas alterações, no cômputo geral, todas na direcção de aumentar a área do PN Namibe-Naukluft e, desde há já bastante tempo, em vez de promover a caça, como acontece ainda noutras regiões próximas, de proteger os seus animais.

Uma Paragem nas Boxes Forçada

Regressemos à realidade actual em que nos víamos. O furo que nos atormentava agrava-se.

De tal maneira, que nos obrigou a seguir de imediato para Sesriem, a povoação situada a 4km do desfiladeiro, mero posto de abastecimento dos veículos e das gentes chegadas em função de Sossusvlei ou a caminho de paragens não tão populares mas de igual modo extraordinárias da Namíbia, Lüderitz, Kolmanskop, Aus, como Sesriem, entre as poucas povoações que, por uma razão ou por outra, ousaram desafiar a rudez do deserto.

Paramos na estação de serviço. Um dos funcionários de turno, lava-nos os para-brisas e os vidros laterais. Em boa hora. Além de areia, o Namibe é feito de poeira que quando se aloja faz questão de resistir. Atestamos para a viagem longa rumo a Lüderitz.

Após o que o segundo funcionário, aquele que havia assumido o conserto nos dá a novidade: “estão com sorte. Era um prego pequeno. Não fez grande mossa e consigo remendá-lo só por dentro.

Assim evitam aquela chatice de a empresa de rent-a-car vos querer fazer pagar um pneu novo.” Agradecemos-lhe e recompensamos-lhe a atenção como a merecia.

O Eco-Refúgio Estrelado do Kulala Desert Lodge

Com o carro operacional e o braseiro do meio da tarde a instalar-se, refugiamo-nos no lodge dessa noite, o tal de Kulala por que tínhamos passado sobre a aurora.

O Kulala Desert Lodge revelou-se outro de vários eco-lodges construídos em madeira, pedra e outros materiais da zona, com recursos mínimos mas uma criatividade do tamanho do Namibe, acolhedor e inspirador a condizer. Recuperamos o sono que há semanas perdíamos.

Até a hora de jantar justificar um difícil despertar. Com a noite instalada, subimos ao terraço acamado do lodge.

Lá nos dedicamos a contemplar e a fotografar o firmamento híperestralado, com as suas estrelas e planetas, atrevíamo-nos a dizer que, alguns deles, menos extraterrestres como o Sossusvlei que nos envolvia.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores,
Cidades
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Étnico
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
História
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Ilhas
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Natureza
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Parques Naturais
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Património Mundial UNESCO
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT