Twyfelfontein - Ui Aes, Namíbia

À Descoberta da Namíbia Rupestre


Paisagem Cársica
O “Adventure Camp”
Contemplação a Dois
O vale de Aba-Huab
Monte Cársico
Desconfiança nas Alturas
Vale Rosado
Paquiderme
Rio Vegetal
Silhuetas ao Ocaso
O “Adventure Camp II”
Entre Avestruzes
Himba vs Herero
Calau
Curiosidade a Dobrar
Ao Alcance
Estrada fora
Manada ocupada
“Lion Man” e cia
“Adventure Camp”, quase noite
Durante a Idade da Pedra, o vale hoje coberto de feno do rio Aba-Huab, concentrava uma fauna diversificada que ali atraía caçadores. Em tempos mais recentes, peripécias da era colonial coloriram esta zona da Namíbia. Não tanto como os mais de 5000 petróglifos que subsistem em Ui Aes / Twyfelfontein.

Não têm conta as rochas e calhaus amarelados, empilhados com a arte dos milénios que compõem a montanha pedregosa, em forma de baleia, a que se encostou o Twyfelfontein Adventure Camp que nos abriga.

Acabados de chegar do litoral de Swakopmund, rendemo-nos num ápice ao surrealismo lítico do lugar. Um trilho-escadaria instalado pelo lodge facilita-nos a ascensão ao cimo do monte, frequentado, pelos hóspedes, sobretudo para contemplação do ocaso.

Há muito e, para sempre, deslumbrados com a peculiaridade da paisagem namibiana, conquistamo-lo mais de uma hora antes, com tempo de apreciarmos a vastidão do sul de Kunene em redor, a uns quase 360º.

Vários outros montes daquele mesmo crumble de dolomite salpicavam-na até perder de vista, intersectados por duas das estradas que servem a zona.

A distância revelava-nos ainda mesetas com topos rosados ou ocres destoantes.

Tanto a norte como a sul da ilha cársica que nos sustinha, insinuavam-se linhas densas de vegetação.

Irrigavam-nas o leito do rio Aba-Huab, por essa altura, subterrâneo mas, chegada a época das chuvas fulminante da Namíbia, uma torrente enlameada que levava tudo à frente.

Como viríamos a compreender, o Aba-Huab e o Huab eram, havia muito, as artérias que concediam a vida.

O Twyfelfontein Adventure Camp provava-se apenas um capricho de requinte no ecossistema ancestral daquele domínio de África.

No Cimo do Twyfelfontein Adventure Camp, à espera da Magia Crepuscular

Com o sol a descer sobre as montanhas a leste, os hiracoides recolhem às suas tocas.

Os hóspedes do lodge aparecem e servem-se de bebidas no bar improvisado entre pedregulhos.

Sentam-se nos assentos providenciados, cirandam pelas orlas panorâmicas da elevação.

O grande astro não tarda a sumir-se.

Tinge aquela Namíbia de rosados, lilases e até purpuras que lhe reforçam o visual já de si extraterrestre.

Escurece.

O Espaço cintilante reclama a sua dose de protagonismo, com rival único nas instalações iluminadas do lodge.

Lá se reunia, em volta da sala de jantar, uma comunidade multinacional privilegiada.

Por aqueles lados, tanto como o ocaso e o arrebol que o remata, a aurora e o seu próprio lusco-fusco representavam estímulos que começávamos a ansiar.

Dormimos aconchegados pela exaustão. Sobre a aurora, saímos em busca do Aba-Huab.

Pelo rio Aba-Huab seco acima

Guia o jipe e guia-nos a nós, Lucas, descendente de família angolana que, quando grassava a destrutiva Guerra Civil de Angola, se viu forçada a migrar para sul.

Lucas esforça-se por nos saudar com o pouco que sabia de português.

Até que outros passageiros o interrompem e reorientam para a incursão.

Passamos por boa parte das tendas do Twyfelfontein Adventure Camp.

Contornamos o monte cársico que o acolhia pelo seu norte. Logo, flectimos para sul e para uma planície coberta de um feno amarelado.

Twyfelfontein e a Fauna em Redor do vale do Aba-Huab

Instantes depois, avistamos avestruzes e antílopes kudus. No encalço de um outro jipe que tinha saído primeiro, Lucas desce para a pista arenosa do Aba-Huab seco.

Seguimos-lhe os meandros e trejeitos, entre árvores mopane, espinhos-de-camelo e outros tipos de acácias em que pululavam calaus curiosos.

Sem que o esperássemos, da folhagem áspera, despontam os pescoços e cabeças de girafas.

Uma, duas, três. Várias mais.

Adultas, crias, numa comunidade relativamente habituada à presença humana e que, como tal, tolerava a nossa aproximação.

Lucas mostra-se satisfeito com aquele avistamento tão rápido e fácil.

Os passageiros a bordo, partilham um mesmo entusiasmo.

Os Elefantes do Deserto de Damaraland

O guia sabia, no entanto, que as vedetas da fauna local eram outras.

De olho nas pegadas e fezes sobre o leito do rio, de ouvido nas comunicações chegadas de outros jipes, depressa as situou e revelou.

Uma grande manada de elefantes do deserto, mais de quinze, por serem de um bioma com menos alimento e água, substancialmente menores do que os seus congéneres da savana verdejante.

Devido a viverem em função da água, humidade e vegetação deste e de outros rios efémeros, habituados a avistarem as gentes namibianas e os visitantes a bordos de jipes.

De acordo, os paquidermes pouco ou nada se importunam ou reagem.

Apenas uma cria mais reguila decide manifestar indignação.

Finge investir e, para gáudio comunal, com a trombinha, atira terra na nossa direcção.

Relembramos que o rio Aba-Huab e o Huab a que se junta são os principais sustentos da flora e da fauna da região.

Há muito que tornam a Namíbia em redor menos desértica e ali atraem e mantêm uma panóplia de espécies.

Aba-Huab e Huab, fontes de Vida Fluvial que vêm da Idade da Pedra

Sabe-se, aliás, que, durante a Idade da Pedra, entre há 6000 e há 2000 anos, a zona era ainda mais vegetada e que os animais a frequentavam em maior abundância.

Encontramos o sítio com maior concentração de arte rupestre da Namíbia, Ui Aes (na língua nativa damara, Twyfelfontein no dialecto afrikans), a meros 9km do lodge homónimo.

Ocupa outra cordilheira de montes cársicos, habitados por lagartos e colónias prolíficas de hiracoides.

Lá, uma guia com pele negróide mas feições quase caucasianas acolhe-nos sob um céu azulão que combinava com o ocre rochoso.

Leva-nos aos petróglifos mais famosos, de entre os quase cinco mil que se estimam.

As Teorias em volta do petróglifo “Lion Man” e de outros mais

Seguimo-la pelo trilho do “Lion Man” assim denominado por conduzir a uma gravura de um leão com uma presa na boca, cinco dedos em cada pata e uma longa cauda levantada em L.

Estas últimas peculiaridades levaram alguns estudiosos a afirmar que se tratava, na realidade, de um homem, para o caso, um xamã a transformar-se num leão.

Na mesma face da mesma rocha ocre, cercam-no uma girafa, kudus e distintos antílopes, rinocerontes e outros.

Em mais de doze aglomerados de rochas próximos, constam também órix, avestruzes, flamingos e zebras.

Determinadas gravuras exibem figuras humanas e humanas-animais, caso do Kudu Dançante.

Outras ainda, revelam padrões geométricos, os animais retratados com linhas de movimento que os estudiosos afirmam serem consequência do transe em que entravam os xamãs durante rituais.

Como acontece com a do “Lion Man”, uma teoria facilmente rebatível.

Nos milénios e na ocupação, seguiram os caçadores-recolectores San, os pastores de etnia KhoiKhoi (damara/nama) que subsistem na Namíbia.

E, em tempos recentes, os colonos alemães e os afrikaners da África do Sul que, pelo menos em parte, substituíram os germânicos nas suas colónias de até à derrota na 1ª Guerra Mundial

Ui Aes / Twyfelfontein: a Inusitada História Colonial

Malgrado a sua importância histórica, Ui Aes / Twyfelfontein só foi declarada Monumento Nacional, pelas autoridades sul-africanas, em 1952. Mesmo assim, permaneceu desprotegido até 1986.

E só em 2007, viu o seu estatuto de Património Universal concedido pela UNESCO.

Como consequência, foi erguido um lodge (o Twyfelfontein Country Lodge) sobre o que é considerado o Lugar das Cerimónias ancestrais. Deparamo-nos também com as ruínas de uma antiga casa rural de estrutura europeia.

Ui Aes / Twyfelfontein manteve-se livre de colonos de origem europeia até pouco depois da 2ª Guerra Mundial.

Por essa altura, uma seca trágica fez com que agricultores bóeres lá se tivessem instalado, na esperança que a proximidade dos rios e uma nascente específica lhes viabilizassem a existência.

Um colono em particular, David Levin, dedicou-se a estudar a fiabilidade da tal nascente, que encontrou, mas de que não conseguiu obter água suficiente para os seus cultivos e criação de gado.

E a Origem não menos Rara do nome Twyfelfontein

Um amigo te-lo-á alcunhado de David Twyfelfontein, traduzível por “David duvida da nascente”, ou “David nascente duvidosa”. Em 1948, o próprio David Levin registou a sua propriedade com esse nome jocoso.

Em 1963, a quinta foi integrada no Plano Odendaal (1963) de reorganização étnica da África do Sul sob o regime do Apartheid.

Dois anos volvidos, mais de uma década após o início da investigação científica das gravuras, os colonos bóeres deixaram a zona, mais para sul e de volta à África do Sul.

O nome Twyfelfontein, esse, ficou, a par com o Ui Aes nativo. Tal como ficaram as milhares de obras de arte da Idade da Pedra locais.

Agora, devidamente valorizadas e protegidas, espera-se que para sempre.

COMO IR

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:  Voo Lisboa – Luanda – Windhoek (Namíbia) em TAAG: www.taag.com por a partir de 750€.

Reserve o seu programa de viagem na Namíbia com a Lark Journeys: www.larkjourneys.com

Whats App: +264 81 209 47 83

FB e Instagram: Lark.Journeys

Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Malealea, Lesoto

A Vida no Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Spitzkoppe, Damaraland, Namíbia

A Montanha Afiada da Namíbia

Com 1728 metros, o “Matterhorn Namibiano” ergue-se abaixo das dez maiores elevações da Namíbia. Nenhuma delas se compara com a escultura granítica, dramática e emblemática de Spitzkoppe.
PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca

Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Gelados, Festival moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Cidades
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Em Viagem
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Étnico
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
História
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Cilaos, ilha da Reunião, Casario Piton des Neiges
Ilhas
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Natureza
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Parques Naturais
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Património Mundial UNESCO
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Praias
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Cabo Espichel, Santuário da Senhora do Cabo, Sesimbra,
Religião
Lagoa de Albufeira ao Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Romagem a um Cabo de Culto

Do cimo dos seus 134 metros de altura, o Cabo Espichel revela uma costa atlântica tão dramática como deslumbrante. Com partida na Lagoa de Albufeira a norte, litoral dourado abaixo, aventuramo-nos pelos mais de 600 anos de mistério, misticismo e veneração da sua aparecida Nossa Senhora do Cabo.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.