Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial


Comunismo Imperial
Ciclistas pedalam em frente à velha muralha da fortaleza imperial de Hué, agora um domínio comunista, como todo o país.
Na sombra do tempo
Visitante vietnamita da fortaleza de Hué no interior sombrio de um dos seus vários edifícios históricos.
Entrada para lado nenhum
Homens vietnamitas em trajes ocidentalizados atravessam um pórtico colorido da Cidade Proibida.
Numa doca perfumada
Embarcações de recreio ancoradas numa margem do rio Perfume.
Protector solar Vietnamita
Mulher abrigada do sol tropical numa margem elevada do rio Perfume.
Passos na história vietnamita
Casal percorre um dos grandes pátios da antiga Cidade Proibida de Hué.
Protecção budista
Incenso queima lentamente num dos vários templos budistas da cidade.
Ciclo-colegas
Condutores de cyclos - rickshaws sem motor. Muitos dos homens entregues a esta profissão foram banidos de um futuro melhor pelas autoridades comunistas por terem alinhado contra as forças vietcong.
À boleia
Casal de boné e chapéu tradicionais non la partilha uma velha bicicleta em frente a uma secção massiva da fortaleza de Hué.
Jardinagem
Trabalhadores tratam duma área da Cidade Proibida de Hué, distinguida pela UNESCO como Património Mundial.
Ex-Phuoc Dien agora Thien Mu
O pagode Phuoc Dien (antiga torre Thien Mu) parte de um templo budista à beira do rio Perfume.
Badminton
Vietnamitas idosos disputam partidas aguerridas de badminton.
Velho pórtico
Guarda refugiado à sombra de um pórtico secular de Hué.
Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

O Vietname, ao estilo do Chile, é tão longilíneo que tem destas coisas.

Após vários dias de exploração da capital Hanói, da baía de Halong e outras áreas do norte sob um Inverno tropical quase frio, sempre húmido e nublado, chegamos a meio do país e a meteorologia muda de figura. Em Hué, o céu exibe um azul resplandecente e brilha um sol tórrido.

Somos aficionados incondicionais do calor seja de que tipo for. A surpresa estival afaga-nos os sentidos e estimula-nos. Não perdemos sequer tempo a recuperar da tortura rodoviária da noite anterior.

Instalamo-nos numa qualquer guest-house nas imediações da estação de camionagem, alugamos uma acelera e saímos em modo de exploração.

Logo ali, nas imediações, dezenas de condutores de uma frota de cyclos (os rickshaws movidos a força humana do Vietname) contemplam-nos e ao motociclo com desdém comparável ao que muitos taxistas lisboetas nutrem pelos recém-chegados tuk tuks.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Ciclo-colegas

Condutores de cyclos – rickshaws sem motor. Muitos dos homens entregues a esta profissão foram banidos de um futuro melhor pelas autoridades comunistas por terem alinhado contra as forças vietcong.

A Herança que Perdura da Guerra do Vietname

Quarenta anos depois do término da Guerra do Vietname, algumas das feridas sociais abertas pelo conflito ainda saram. Vários daqueles homens eram suas vítimas.

Após a vitória norte-vietnamita e a anexação forçada do sul, os novos líderes comunistas baniram de todos os cargos estatais – e o máximo possível da sociedade – os homens vietnamitas que tinham colaborado com os E.U.A na aliança anti-comunista.

Despojados de posses e de perspectivas de prosperidade, assim que conseguiram juntar parcos recursos, investiram em cyclos e numa das poucas profissões que lhes foi admitido exercerem.

O ostracismo desvaneceu-se com o passar dos anos mas o governo faz tudo para controlar a proliferação destas triciletas emblemáticas que empatam o trânsito de Hanói, Ho Chi Minh e de outras grandes cidades.

Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Um cruzamento auto-gerido da capital vietnamita, Hanói.

Em Hué, em particular,  inúmeros condutores idosos ou os seus descendentes sujeitam-se ao último estertor da pena e da tradição. Sobrevivem a pedalar contra a vontade das autoridades e contra a modernidade.

Cidade Proibida Púrpura: o Coração Imperial de Hué

Circulamos em redor do perímetro de 10 km da sua cidadela cercada de fossos e canais, pelas margens verdejantes dos rios Perfume e Nhung.

Visitamos o reduto imperial e o coração da Cidade Proibida Púrpura onde os únicos servos admitidos eram eunucos que não ameaçavam a exclusividade das concubinas reais.

Vamos para onde formos, ondula suprema a bandeira vermelho-amarelo-estrelada de Cot Co, no mastro mais alto do Vietname.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, À boleia

Casal de boné e chapéu tradicionais non la partilha uma velha bicicleta em frente a uma secção massiva da fortaleza de Hué.

Esta bandeira e várias outras não tão elevadas impõem a toda e qualquer era vietnamita, a agenda político-social e a realidade triunfal da República há já quatro décadas Socialista do Vietname.

As Atrocidades Bélicas por que Hué Passou

Pouco antes da sua morte, em 1999, Harry G. Summers, um coronel norte-americano narrava com frequência um encontro que tinha tido com um congénere vietnamita de nome Tu, em 1975, durante uma visita a Hanói.

“Sabe, vocês nunca nos derrotaram nas principais batalhas da guerra.” disse-lhe Summers no bom jeito gabarolas ianque.

Ao que o coronel vietnamita, após uma breve pausa, respondeu com a subtileza e o pragmatismo que já garantira a resistência vietcong: “Até pode ter sido, mas isso é irrelevante, não é?”

Hué acolheu uma das batalhas mais sangrentas da célebre Ofensiva Tet de 1968.

Foi a única cidade no sul do Vietname capturada pelas forças do norte por mais que alguns dias (3 semanas e meia) o suficiente para que quadros comunistas tenham implementado planos para liquidar milhares de elementos não cooperativos.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Na sombra do tempo

Visitante vietnamita da fortaleza de Hué no interior sombrio de um dos seus vários edifícios históricos.

Cerca de três mil civis, incluindo mercadores, monges budistas e padres católicos, intelectuais e outros foram abatidos a tiro, mortos à bastonada ou enterrados vivos.

Mais tarde, durante a reconquista do sul liderada pelos E.U.A., o número de baixas entre os habitantes da cidade ascendeu a dez mil, na grande maioria civis.

Em plena Guerra Fria, as palavras do coronel vietnamita resumiram a ironia geopolítica do desfecho do confronto. Preconizaram ainda a longa vigência comunista que, como aconteceu com os condutores de cyclos, não tardou a sacrificar Hué.

A Génese Medieval da Grande e Fortificada Hué

Na sua origem de 1687, a povoação chamava-se Phu Xuan.

Em 1802, já muralhada, tornou-se a capital de uma vasta área do sul então dominada por nobres que viriam a formar a poderosa dinastia Nguyen.

Esta dinastia inspirou o nome hoje mais popular no Vietname, adoptado ou herdado por quase 40% dos habitantes.

Também fundou um império que dominou parte substancial da Indochina. Os senhores feudais Nguyen mantiveram-se no poder até 1945 mas, de 1862 a 1945 – o longo período colonial francês – esse poder não passou de uma formalidade.

Os novos líderes ex-vietcong que tomaram conta do país após o termo da Guerra do Vietname consideraram os edifícios seculares da cidade heranças vergonhosas do passado imperial da nação, declararam-nos politicamente incorrectos e vetaram-nos ao abandono.

Por volta de 1990, numa altura em que o Vietname se havia já aberto ao Mundo, as autoridades locais compreenderam o potencial turístico daquele legado. Promoveram os monumentos a tesouros nacionais.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Comunismo Imperial

Ciclistas pedalam em frente à velha muralha da fortaleza imperial de Hué, agora um domínio comunista, como todo o país.

A UNESCO recompensou a reviravolta, designou-os Património Mundial da Humanidade e apoiou trabalhos de restauração e preservação de monta.

Ao explorarmos a cidade, sentimos cada vez mais dificuldade em distingui-la da sua história prolífica.

A Proliferação das Religiões, numa Nação de Forte Raíz Comunista

Apesar do proselitismo tanto dos padres portugueses como, mais tarde, dos franceses, não obstante a submissão da nação ao comunismo, em Hué, o budismo é tolerado de forma contranatura pelas autoridades da república socialista como em nenhuma outra cidade vietnamita.

Hué sempre teve o maior número de mosteiros do país e os seus monges mais reactivos e, por isso, mais notórios. De tal maneira que a torre Thap Phuoc Duyen do pagode de Thien Mu – também erguido por um senhor Nguyen e que, na década de 80, acolheu fortes protestos anti-comunistas –  se preserva como símbolo oficial da cidade.

Disso nos informa um dos guias que impinge os seus serviços à entrada. Acabamos por o admitir e o cicerone refresca-nos a memória de outros factos surpreendentes.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Numa doca perfumada

Embarcações de recreio ancoradas numa margem do rio Perfume.

“Em 1963, em plena Guerra do Vietname, Tích Quàng Dúc, um dos monges residentes mais inconformados, conduziu um Austin até Saigão com o objectivo de protestar contra a política anti-budista do governo Sul-Vietnamita. Acabou por se imolar em público.”

Vêm-nos à mente as imagens da sua morte atroz em chamas que correram o mundo e inspiraram várias outras auto-imolações. “Muitos ocidentais ficaram menos chocados pelos suicídios que pela reacção da cruel Madame Nhu, a cunhada do presidente que o povo alcunhou de borboleta de ferro devido à sua requintada crueldade.

Ela declarou que as auto-imolações eram meros churrascos e, como se não bastasse, ainda acrescentou: “deixem-nos arder que nós bateremos palmas”.

Para chegar a Thien Mu, viajamos quatro quilómetros sobre a acelera, ao longo de uma margem luxuriante do rio Perfume em que se sucedem mausoléus seculares e sumptuosos de antigos imperadores.

A torre tem 21 metros.

Surge destacada sobre uma elevação ribeirinha pelo que a detectamos sem dificuldade.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Ex-Phuoc Dien agora Thien Mu

O pagode Phuoc Dien (antiga torre Thien Mu) parte de um templo budista à beira do rio Perfume.

O Rio Perfume e a Elegância Oriental de Hué

Já dentro do pagode, juntamo-nos a comitivas de peregrinos que ali procuram expiação e aperfeiçoamento espiritual. Admiramos fiéis vietnamitas que acendem paus de incenso à entrada do templo.

Mesmo sem o desejarmos, também somos purificados pelo fumo e pelo aroma libertado.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Protecção budista

Incenso queima lentamente num dos vários templos budistas da cidade.

Como qualquer nativo ou morador, Quang aproveita a sua presença para nos referir a formosura das mulheres de Hué, reverenciada por todo o país.

Já por nossa conta, regressamos ao sossego da margem do Perfume quando damos com um potencial arquétipo tanto dessa beleza como do exotismo vietnamita.

Uma senhora trajada com calças púrpura e camisa azul de manga comprida contempla-nos acocorada à moda asiática e semi-acrobática sobre um pequeno muro elevado face ao caudal do rio.

Um lenço que condizia com as restantes vestes e um mais que esperado chapéu non la protegiam-lhe a face do sol tropical e preservavam-lhe a clareza amarelada da pele, requisito incontornável da perfeição física por estas paragens realmente vizinhas da velha Cochinchina.

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Protector solar Vietnamita

Mulher abrigada do sol tropical numa margem elevada do rio Perfume.

A senhora só falava vietnamita. Com recurso a gestos ilustrativos e instigados pela empatia que emanava dos seus ínfimos olhos amendoados, depreendemos que a podíamos fotografar.

Quando o fizemos, sentimos um grande sorriso por detrás do lenço colorido.

Até ao fim do dia, continuámos à descoberta do encanto das gentes orgulhosas da antiga capital do Vietname.

Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos

Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Bago, Myanmar

Viagem a Bago. E ao Reino Português de Pegu

Determinados e oportunistas, dois aventureiros portugueses tornaram-se reis do reino de Pegu. A sua dinastia só durou de 1600 a 1613. Ficou para a história.
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Ribeira Grande, Santo Antão
Cidades
Ribeira Grande, Santo AntãoCabo Verde

Santo Antão, Ribeira Grande Acima

Na origem, uma Povoação diminuta, a Ribeira Grande seguiu o curso da sua história. Passou a vila, mais tarde, a cidade. Tornou-se um entroncamento excêntrico e incontornável da  ilha de Santo Antão.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Manhã cedo no Lago
Étnico

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Casamentos em Jaffa, Israel,
História
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Ilhas
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, mulher Rarámuri
Natureza
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Fortaleza de Massada, Israel
Parques Naturais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Património Mundial UNESCO
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Sesimbra, Vila, Portugal, Vista do alto
Praias
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Páscoa Seurassari, Helsínquia, Finlândia, Marita Nordman
Religião
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.