Victoria, Mahé, Seychelles

De “Estabelecimento” Francófono à Capital Crioula das Seychelles


“If you Can”
Reflexo da vida de Victoria numa carrinha da cidade.
A Catedral de Victoria
Alunos caminham na base de Catedral de Victoria.
Golden Boy Marcus
Marcus Hollanda, num estilo semi-dourado de vestir.
Jivan Imports
Moradora caminha em frente à loja Jivan Imports.
Conversa
Vendedoras de Victoria junto a loja de roupa infantil.
Caminho para o Victoria Market
Sinal indica o mercado Sir Selwyn Selwyn Clarke.
Vida da Capital
Transeuntes aguardam pelo verde de um semáforo no centro histórico de Victoria.
Fruta Rastafari
Vendedor trajado à moda jamaicana, no mercado Selwyn Selwyn Clarke
Torre do Relógio de Prata
Réplica prateada da Torre do Relógio existente em Vauxhall, Londres.
Vendedor de Ovos
Clientes abastecem-se de ovos de um vendedor ambulante.
Especiarias
Vendedora islâmica toma conta de uma banca de especiarias e outras especialidades seychelenses.
Templo Arul Mihu Navasakthi Vinaygar
Torre gopuram do maior templo hindu da capital das Seychelles.
Sacerdotes & Go Pro
Sacerdotes hindus examinam um câmara fotográfica de acção.
Divindades Hindus
Pormenor do gopuram do templo Templo Arul Mihu Navasakthi Vinaygar.
Tabuleiro de Oferendas
Chama de fé sobre um tabuleiro do templo Arul Mihu Navasakthi Vinaygar.
Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.

Sublinha-se com frequência o facto de se tratar de uma das menores capitais do mundo.

A sê-lo, só deverá surpreender quem desconhecer que, mesmo disperso por 115 ilhas do Índico ocidental, as Seychelles são o país mais ínfimo de África.

Ainda assim, nos seus 20km2, Victoria abriga para cima de vinte mil habitantes, um terço da população da nação. É o suficiente para se ver vítima de uma ou outra amostra de engarrafamento. Constatamos o primeiro exemplo em redor da Torre do Relógio local, uma réplica prateada e reluzente da que dita o tempo sobre a Ponte londrina de Vauxhall.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Torre do RelógioDecididos a fotografarmos o monumento secular, atravessamos a Independence Avenue. Para cá e para lá. Uma vez. Outra. E mais outra. Abusamos e detemo-nos sobre o meio do asfalto, entre condutores desejosos de dali saírem, se bem que sem a ânsia quase raivosa de outras partes.

Durante algum tempo, o sinaleiro de serviço tolera as travessias que estima, extemporâneas. Momentos depois, saturado de nos ver estragar a sua obra, abandona o posto, descompõe-nos e avisa que, se voltarmos a repetir os vaivéns, nos multa.

Submetemo-nos à autoridade. Instalamo-nos de um dos lados da avenida. Admiramos a diversidade étnica e religiosa dos peões, por alguma razão, sobretudo mulheres, rechonchudas, de trajes sortidos e descomprometidos que revelam peles de distintos dourados.

E, a destoar, uma jovem mãe que quase arrasta uma filha indignada pela nossa abordagem fotográfica.

A indisposição da miúda, a condizer com o visual muçulmano, elegante, bem mais reservado da progenitora, moldada a um hijab longo, parcialmente coberto por uma blusa de um vermelho-claro.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Torre do Relógio, transeunteSir Selwyn Selwyn-Clarke e a Economia de Mercado de Victoria

Continuamos a deambular. Caminhamos até ao Sir Selwyn Selwyn-Clarke Market, o mercado central da cidade, baptizado em homenagem ao médico militar e governador colonial das Seychelles, de 1947 a 1951.

Àquela hora, encontramo-lo em grande azáfama.

Quem não tem lugar no interior, trabalha junto ao gradeamento, como faz Jeffe, um comerciante de ovos que os vende às caixas, a partir da caixa do seu camião.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, vendedor de ovos

Damos entrada no mercado. Confirmamos a convivência das áreas expectáveis. A da fruta, a do peixe, a das bebidas, especiarias e outros produtos regionais. Em cada uma delas, uma vez mais, um sortido étnico de vendedores.

Christopher, vendedor de fruta, distingue-se pela sua moda rastafári, pela barba bicuda e pelos tons vermelhos, verdes e amarelos do gorro listado, da t-shirt de alças e do colar ao pescoço.

Nas imediações, Bah Dalanda, com origens na Guiné Conacri, prenda-nos com simpatia e com abertura de espírito para os retratos que lhe pedimos.

Não que fosse necessário, mas, em troca, compramos um quilo das suas uvas. Já na peixaria, de sorriso tímido, Marcel Santache tenta impingir-nos uma garoupa escarlate.

As Ilhas Ignoradas do Almirante Vasco da Gama e Navegadores que se Seguiram

A sul das Seychelles, a ilha da Reunião ostenta o nome que mais traduz o encontro de povos no Índico. As Seychelles e, Victoria em particular, não lhe ficam atrás.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, vendedor de fruta

Em 1502, durante a segunda expedição à Índia, Vasco de Gama passou pelo arquipélago. Baptizou-o de Ilhas do Almirante.

Malgrado a honra (a sua própria honra), nem o navegador nem a Coroa Portuguesa as consideraram prioritárias.

Durante todo o século XVI, permaneceram por reclamar pelas potências coloniais europeias que já então disputavam o Mundo.

Em 1609, um navio inglês desorientado atracou por alguns dias na ilha do Norte. Uma vez mais, as Almirantes continuaram por reclamar. Apenas os piratas do Índico as consideravam suas e de lá atacavam os navios europeus repletos de riquezas que viajavam entre África e a Ásia.

A meio do século XVIII, os franceses, que já haviam colonizado as vizinhas Maurícias (então, Île de France), desembarcaram na ilha que o navegador Lazare Picault chamou de Île de L’Abundance (a actual Mahe). Dessa base, exploraram o arquipélago em redor.

Pouco depois, reclamaram, por fim, as Almirantes. Em jeito de homenagem ao Ministro das Finanças de Luís XV, Jean Moreau de Séchelles, chamaram-lhes Séchelles.

Por Fim, a Tentativa Pioneira de Colonização das Seychelles

Em 1770, Brayer du Barré, um empreendedor validado pela Coroa Francesa, zarpou da Île de France na liderança de uma comitiva de quinze colonos brancos, sete escravos africanos, cinco indianos e uma mulher negra.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Vida da CapitalBarré deixou os colonos na ilha de St. Anne, em frente à actual cidade de Victoria, incumbidos de consolidarem o assentamento e voltou a Île de France com a missão de obter mais fundos.

Em vão. No entretanto, as autoridades da ilha tinham concluído que seria impossível abastecer a nova colónia com a regularidade necessária ou dela obter víveres.

Barré regressou a St. Anne. Em desespero, tentou resolver o bloqueio da Coroa. Frustrado, resolveu abandonar o projecto. Partiu para a Índia, onde, pouco depois, veio a falecer.

As gentes desembarcadas em St. Anne, essas, ficaram dois anos entregues ao seu destino.

Em 1772, uma parte tinha deixado a ilha. Outra, havia-se mudado para a costa oposta a St. Anne, para o litoral nordeste da maior das ilhas das Seychelles, Mahé.

L’Établissement  Repovoado com Escravos chegados da ilha Maurícia

Informados de que, apesar do abandono, a colónia sobrevivia, colonialistas emergentes retomaram o projecto de Brayer du Barré. Chegaram com navios carregados de escravos crioulos da Île de France e consolidaram o que viriam a chamar de L’Établissement.

Os recém-chegados escravos tornaram-se a génese dos actuais quase cem mil seychellenses, gradualmente anglizados a partir de 1798, quando os ingleses tomaram o quase indefeso arquipélago.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé,

Hoje, mais de 90% da população das Seychelles mantém-se crioula ou kreol.

Mesmo se os nativos abominam o termo que consideram pejorativo e tudo fazem para que os considerem apenas e só seychellois (seychellenses). Os restantes, são migrantes britânicos, franceses, chineses e indianos.

Em vez de Seychelles ou Séchelles, os nativos tratam a sua nação por Sesel.

Desde 1976, citizens da vasta Commonwealth of Nations mas independentes, expressam-se no dialecto seselwa, uma mescla prolífica de francês, inglês, de suaíli, de indiano e até malgaxe.

Mesmo conscientes das agruras coloniais sofridas pelos ancestrais, têm pela sua nação tropical e paradisíaca uma estima intocável.

O Hino Francófono da Banda “Dezil”

Assim o sentimos quando, há uns anos, nos deslumbrámos com um videoclip quase artesanal e despretensioso que passava no canal francês de música MCM. Tratava-se de “Sans Ou (La Riviere)” da banda, à data, pouco mais que adolescente, Dezil, que é como quem diz “das ilhas”.

O tema, que tem como refrão, francês, cantado com um denso sotaque kreol.

“Une minute je suis à la rivière
Une heure et je pleure la mer
Un jour sans toi baby c’est trop beaucoup
Je vais pleurer un océan
Toi que j’aime infiniment “

pode aplicar-se tanto a um qualquer namorico como à relação dos seychellois com a sua pátria. Por estranho que pareça, o coração das Seychelles está na ínfima e peculiar capital que os britânicos se apressaram a rebaptizar de Victoria.

Por lá nos mantivemos, a calcorrear as suas ruas e vielas, à descoberta de tudo um pouco, de lugares e personagens, alguns inverosímeis.

Pelas Ruas e Ruelas da Diminuta Victoria

Nas imediações do edifício colonial e garrido, quase de lego, que abriga o negócio Jivan Imports, cruzamo-nos com um nativo tirado de um qualquer desenho-animado: Marcus Hollanda faz tempo, de perna dobrada para trás, contra um muro coroado por uma sebe refrescante.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, golden

Tem uma das peles mais negras e lisas que encontrámos em Victoria.

A sua tez faz destacar o dourado do boné e o amarelo do polo que usa a combinar, com um fio argentino grosso a pender do pescoço.

De início, intimidado pelo nosso súbito interesse, Marcus depressa assimila os motivos que lhe explicamos. Posa orgulhoso, altivo a condizer. Por alguma razão, ainda o tratamos por Golden Boy.

Os Templos que Servem as Fés da Capital das Seychelles

Também ali perto, a Catedral de Victoria cumpre as suas funções de evangelização cristã, reforçada por uma aliada anglicana. Malgrado a sua arquitectura imponente, ambos os templos carecem do exotismo tropical e índico que procurávamos.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Catedral Victoria

Andamos, de um extremo ao outro, até ao templo hindu Arul Mihu Navasakthi Vinaygar, o lugar de culto incontornável e inconfundível dos habitantes hindus de Victoria e das imediações de Mahé.

Erguido em estilo dravidiano, a sua torre ornamentada (gopuram) agrupa dezenas de figuras de divindades numa comunhão garrida, acima dos fiéis de sari e de outros trajes típicos do Subcontinente.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Templo Arul Mihu Navasakthi Vinaygar

Descalçamo-nos. Entramos.

Examinamos os distintos pormenores de fé do interior, sob o olhar de dois sacerdotes enfiados em dhotis cor-de-laranja, de troncos descobertos, um deles com o peito, os braços e a testa adornados por uma pintura sagrada, listada a branco.

Dão-nos as boas-vindas. Convidam-nos a sentarmos à conversa e examinam algum do equipamento que transportávamos. Dez minutos depois, munidos de uma pequena câmara de acção que lhes emprestamos, ensaiam selfies arredondadas.

Discutem os benefícios e artifícios do aparelhinho.

Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Templo Arul Mihu Navasakthi Vinaygar, sacerdotes

Quando a eles regressamos, ainda à margem de qualquer esperada espiritualidade, colocam-nos dúvidas técnicas que nos divertimos a esclarecer.

Fotografamo-nos juntos.

De novo, como há dias se sucedia, no aconchego multiétnico de Victoria e das Seychelles.

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Cidades
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Cultura
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
História
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Ilhas
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia
Natureza
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Parques Naturais
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Património Mundial UNESCO
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Erika Mae
Sociedade
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES