Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico


Àgua doce, lágrimas salgadas
Família hindu faz-se fotografar com a queda de água de Chamarel em fundo.
Degraus de fé
Crentes hindus sobem ao templo hindu Sibra Subramany de Quatre Bornes, também conhecido por Kovil Montagne.
À pesca de emoções
Pai e filha contemplam o ilhéu de Coin de Mire, ao largo do Cap Malheureux, na extremidade norte da ilha Maurícia.
Terra molhada
Visitantes apreciam os tons da Terre des Sept Couleurs, em Chamarel, então humedecidas por alguma chuva.
Cristianismo em dia hindu
Moradores e visitantes de Mahébourg nas imediações da igreja de Notre Dame des Anges, num dia de feriado nacional hindu Maha Shivaratri.
Conversa pela conversa
Donas de banca de praia convivem enquanto aguardam por novos clientes, nas imediações do Cap Malheureux.
Uma geologia exuberante
Pescadores na foz conjunta dos rios Tamarin e Rempart com a Lion Mountain
Num retiro garrido
Fiel hindu contempla o casario de Quatre Bornes a partir da varanda do templo Sibra Subramany Kovil Montagne.
O chá de Bois-Cheri
Sunassee Goranah descreve o funcionamento da fábrica de chá de Bois-Cheri, no coração mais fresco e chuvoso da Maurícia.
Fim de semana balnear
Pai e filhos banham-se no mar tranquilo de Trou Eau Douce.
Aapravasi Gate
O pórtico da cidade de Port Louis por que passaram milhares de trabalhadores indianos que nunca mais regressaram à Índia
Estrada adocicada
Uma das várias estradas da ilha Maurícia que atravessa plantações de cana-de-açúcar.
Família Turista
Torre Hindu
Gopuram (torre) do templo Sibra Subramany, situado no cimo da Kovil Montagne.
O Lugar do 2º desembarque
A Montagne du Lion projectada do Grand Port, uma baía verdejante em que os holandeses desembarcaram pela primeira vez, depois de já os portugueses o terem feito.
Plantação & Chá
Varanda do café da plantação Bois Cheri com uma das suas plantações em fundo.
Colheita Chuvosa
Apanhadora de chá da plantação Bois Cheri trabalha sob a chuva frequente desta zona elevada da ilha Maurícia.
Port Louis
Casario da capital das Maurícias, Port Louis
Trou-aux-cerfs
A cratera e lago de Trou-aux-Cerfs.
No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.

Já estávamos habituados a contemplar canaviais sem fim enquanto percorríamos a ilha de lés a lés.

Foi ali, entre Poste de Flacq e a vastidão do oceano que reparámos, pela primeira vez, na profusão de montes de pedra vulcânica que deles se projectavam, com as bases sumidas no verde da vegetação.

“Isto são algumas ruínas cerimoniais?” perguntamos a Jean-François do fundo da mais doce ignorância e inocência. “O quê, aquilo?” questiona-nos de volta o nativo, algo incrédulo e a esboçar um sorriso sarcástico.

“Não. Aquilo são as pedras que os nossos ancestrais tiveram que remover do campo para que a cana-de-açúcar pudesse ser plantada. Acabaram assim amontoadas.”

Ilha Maurícia, viagem Índico, estrada entre cana-de-açúcar

Uma das várias estradas da ilha Maurícia que atravessa plantações de cana-de-açúcar.

Descemos um pouco mais naquela Côte Sauvage da região de Flacq.

Por estradinhas interiores campestres e de vilarejos que, entre templos hindus, pequenas mercearias disputadas por saris de todas as cores, açougues e domicílios também garridos e repletos de vida, nos obrigavam a interromper a marcha vezes sem conta.

A Ilha Maurícia que se Confunde com um Recanto da Índia

Estávamos no leste da Maurícia. Qualquer visitante mais confuso com a geografia do mundo podia ser levado a pensar que dera à costa num litoral luxuriante de Karnataka ou Tamil Nadu.

Ilha Maurícia, viagem Índico, Trou Eau Douce.

Pai e filhos banham-se no mar tranquilo de Trou Eau Douce.

Passámos Palmar e chegámos à baía de Trou d’Eau Douce, uma vila pitoresca mas bipolar que separa o domínio aquém recife coralífero dos grandes resorts do bem mais genuíno para sul.

Ali, pescadores mantêm-se de cana em riste apenas com a cabeça de fora de água, lado a lado com as lanchas e catamarãs que transportam turistas nas travessias para Île aux Cerfs, um dos refúgios balneares turquesa predilectos daquelas paragens.

Sucedem-se uma série de povoações ribeirinhas encaixadas entre o Índico e as plantações de cana no sopé da Lion Mountain que se projecta sobre a emblemática enseada Grand Port.

Ilha Maurícia, viagem Índico, Lion Mountain

Pescadores na foz conjunta dos rios Tamarin e Rempart com a Lion Mountain

O Desembarque dos Navegadores Portugueses e os Inevitáveis Holandeses

Em 1598, os holandeses desembarcaram naquele exacto lugar e baptizaram a ilha de Mauritius, em honra do seu Prince Maurice van Nassau.

O que não invalida que tenham sido os incontornáveis navegadores portugueses os primeiros a nela aportar quando ainda se mantinha inabitada.

Diogo Fernandes Pereira fê-lo noventa e um anos antes dos holandeses. Chamou ao lugar Ilha de Cirne mas nem ele nem a Coroa – mais preocupada com o comércio das especiarias – lhe dedicaram muita atenção.

Ilha Maurícia, viagem Índico, Cap Malheureux

Pai e filha contemplam o ilhéu de Coin de Mire, ao largo do Cap Malheureux, na extremidade norte da ilha Maurícia.

Os holandeses, esses, fixaram-se.

Ainda assim, as suas tentativas de colonização só duraram setenta anos, até 1710, tempo suficiente para serem acusados do extermínio do “dodo” a grande ave incapaz de voar que proliferava na região antes da chegada dos navegadores europeus.

O gaguejante Dogson de “Alice no País das Maravilhas”.

Cruzamos o Grand Port. É já numa espécie de forno tropical que chegamos a Mahébourg.

Por essa altura, não seria propriamente necessário, mas a grande catedral Notre Dame des Anges, confirma-nos quem foram os colonos seguintes.

Ilha Maurícia, viagem Índico, igreja de Notre Dame des Anges

Moradores e visitantes de Mahébourg nas imediações da igreja de Notre Dame des Anges, num dia de feriado nacional hindu Maha Shivaratri.

Frequentam-na e ao mercado contíguo uma minoria de habitantes cristãos do sul da ilha, com o dia livre por ser feriado nacional, dedicado ao deus hindu Xiva.

Quando os Franceses se Sucederam aos Holandeses

Cinco anos depois de os holandeses terem partido de vez, chegaram os franceses que já controlavam a vizinha ilha Bourbon, hoje Reunião. Pouco depois, chamaram-na de Île de France.

Inauguraram um cultivo prolífico da cana-de-açúcar que ditaria para sempre o sucesso comercial da colónia, com base numa nova base naval mandada erguer pelo recém-chegado governador Mahé de La Bourdonnais, Port Louis, a capital actual da nação.

Ilha Maurícia, viagem Índico, Port Louis

Casario da capital das Maurícias, Port Louis

A Maurícia foi feita destas curiosas sequências e fusões. Por estranho que pareça, ultrapassado o período colonial, a nação rendeu-se a um delicioso marasmo multiétnico.

Caminhamos numa rua assolada pelo calor repelido pelo asfalto e pelo trânsito infernal quando, azar dos azares, um de nós sofre um dano irreparável num chinelo.

Entramos num supermercado para encontrar um par substituto. Ao pagarmos, é tal a quantidade de bebidas alcoólicas registadas pelos caixas que as festas privadas que iriam animar pouco poderiam ter de sagradas.

Do extremo sudeste da Maurícia, espreitamos a Blue Bay onde o azul do Índico regressa ao seu mais vivo.

Bois Chéri: o Chá Abundante que os Britânicos Aproveitaram

Dali, cortamos para o interior elevado de Bois-Chéri, a zona mais fria e chuvosa da ilha, também a sua primeira plantação de chá, introduzida em escala considerável, em 1892, como seria de esperar, já não pelos franceses.

Chove cada vez mais forte à medida que serpenteamos entre os campos atapetados pela planta. Ainda assim, dezenas de trabalhadores sob vestes de plástico laboram por entre as intermináveis sebes.

Ilha Maurícia, viagem Índico, chá de Bois-Cheri

Apanhadora de chá da plantação Bois Cheri trabalha sob a chuva frequente desta zona elevada da ilha Maurícia.

Já demasiado ensopados, damos meia volta e apontamos para a fábrica que recebe e processa o fruto, ou melhor, as folhas, do seu trabalho.

Recebe-nos Sunassee Goranah, um responsável feito guia da empresa. Apresenta-se elegante mas sóbrio, numa camisa branca que contrasta com o castanho escuro da sua pele e o negro intenso do cabelo e do bigode farto.

Percorremos, com ele, cada sector da produção – dos secadores das folhas, às embalagens – para espanto das empregadas fardadas que já não contavam com visitantes aquela hora tardia.

Ilha Maurícia, viagem Índico, chá de Bois-Cheri

Sunassee Goranah descreve o funcionamento da fábrica de chá de Bois-Cheri, no coração mais fresco e chuvoso da Maurícia.

À despedida, Sunassee voltou a gabar as qualidades do chá verde e do da sua produção em particular.

Quando nos passou alguns pacotes para as mãos, acrescentou de forma muito seca para que não restassem dúvidas: “se o querem beber com todas as propriedades, não lhe acrescentem leite. Isso é que estraga tudo!”

Mudámo-nos para o restaurante da fazenda. Almoçámos e deleitámo-nos com uma prova exaustiva dos melhores rótulos Bois-Chéri, num alpendre com vista para um lago sumido na névoa.

Ilha Maurícia, viagem Índico, chá de Bois-Cheri

Varanda do café da plantação Bois Cheri com uma das suas plantações em fundo.

Os franceses nunca valorizaram o chá. Ao contrário dos próximos donos e senhores da ilha.

A Conquista da Ilha pelos Britânicos e Nova Colonização Afrancesada

Por volta de 1810, os britânicos tinham-se fartado dos ataques dos corsários franceses aos seus navios no Índico, decidiram assumir a cobiça pela colónia dos rivais e dela apoderar-se.

Como não fazia sentido deterem um território denominado Île de France, rebaptizaram-na de Maurícia.

No entanto, permitiram à maior parte dos colonos franceses manterem as suas propriedades, o uso do francês e do código civil e penal francês. A fusão cultural não se ficaria por aí.

Até 1835, os proprietários das plantações tinham recorrido ao trabalho de escravos trazidos da África continental e de Madagáscar.

Os Trabalhadores do Subcontinente que Indianizaram a Ilha Maurícia

Com a abolição da escravatura, a maior parte destes proprietários usou as verbas que receberam como compensação para contratar trabalhadores vindos do subcontinente. O mesmo que fizeram nas Ilhas Fiji.

Entre 1834 e 1921, cerca de meio milhão de indianos desembarcou no Aapravasi Gate de Port Louis, hoje Património Mundial da UNESCO pelo seu significado histórico.

Ilha Maurícia, viagem Índico, ilha-mauricia-viagem-indico-aapravasi-gate

O pórtico da cidade de Port Louis por que passaram milhares de trabalhadores indianos que nunca mais regressaram à Índia

Nem sempre tratados com a dignidade que mereciam, os recém-chegados adaptaram-se aos modos e dialecto franceses que vigoravam mas indianizaram a ilha o mais que puderam. Reforçaram os exércitos britânicos tanto na Iª como na IIª Guerra Mundial.

Duas décadas depois, os Ventos de Mudança sopraram na Grã-Bretanha e, em 1968, a Maurícia conquistou a independência.

À medida que avançamos para oeste, continuamos a cruzar-nos com descendentes das famílias de proprietários de plantações e dos seus trabalhadores indianos.

Assim se passou no miradouro sobre o desfiladeiro grandioso de River Gorges, na queda d’água e no arco-íris geológico da Terre de 7 Couleurs de Chamarel, em redor da cratera verdejante de Troux-aux-cerfs.

Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel

Família hindu faz-se fotografar com a queda de água de Chamarel em fundo.

Ou nas alturas do Kovil Montagne, um templo repleto de divindades.

E de outras figuras hindus empoleirado a meia-encosta sobre o casario sem fim de Quatre Bornes.

Ilha Maurícia, viagem Índico, templo Sibra Subramany Kovil Montagne

Gopuram (torre) do templo Sibra Subramany, situado no cimo da Kovil Montagne.

Mais tarde, jantamos com Sandrine Petit e Jean-Marie Delort, ambos funcionários de um dos hotéis mais populares do oeste da ilha. O tema do que identifica hoje os mauricianos anima-os.

Após alguma ponderação, Sandrine atreve-se a teorizar: “agora está a passar na TV um anúncio da nossa cerveja Phoenix que faz um apanhado de tudo mas, se tivesse que escolher um único trejeito, eu diria que é o Aiô.

Nós dizemos aiô por tudo e por nada, seja bom ou seja mau.

Uma vez, estava no metro em Paris com amigos de cá e disse aiô mais alto. De imediato, quatro ou cinco pessoas ficaram especadas a olhar para mim. Nesse preciso momento, tivemos a certeza de que só podiam ser mauricianos!”

Era demasiado indisfarçável para que nos deixasse dúvidas o enorme orgulho com que Sandrine encerrou a sua história.

Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

no Palco, Antigua, Guatemala
História
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Parque Terra Nostra, Furnas, São Miguel, Açores, Portugal
Ilhas
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Sal Muito Grosso
Natureza
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
Património Mundial UNESCO
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Religião
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Gatis de Tóquio, Japão, clientes e gato sphynx
Sociedade
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT