Praslin, Seychelles

 

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar


Enseada do Éden
Banhista explora o litoral translúcido do oceano Índico, ao largo de Anse Lazio.
Cocos-do-mar juvenis
Cocos-do-mar juvenis. Na plenitude do seu crescimento, podem atingir o triplo do tamanho.
Índico de mar e granito
Duas crianças perdidas na vastidão de granito e água turquesa da praia de Anse Lazio.
Os cocos “afrodisíacos”
Exemplares de cocos-do-mar expostos na reserva natural Vallée de Mai, onde as palmeiras que os geram continuam a crescer.
Vallée de Mai
Grupo de visitantes explora a reserva natural de Vallée de Mai, ainda repleta de palmeiras de cocos-do-mar, no coração de Praslin.
Fiel de passagem
Transeunte passa em frente à igreja protestante de Sainte-Anne.
Uma reunião fúnebre
Grupo de senhoras no interior da igreja de Sainte Anne, por ocasião da morte de uma amiga.
Anse Georgette
Banhistas divertem-se noutra das praias perfeitas de Praslin, a de Anse Georgette.
À esquina
Habitantes de Sainte Anne descansam encostados à fachada de uma loja da povoação.
À porta de Deus
Homem na fachada frontal da igreja de madeira de Sainte Anne.
Água doce e velho granito
Água de um rio que desagua na praia de Anse Lazio.
Riachinho
Riacho curvo leva água doce das terras mais altas ao oceano Índico.
Grande Folhas
Folhas das palmeiras que preenchem a reserva de Valée de Mai.
Lagarto, Lagarto
Lagarto num caule de uma das plantas que fazem o Vallee de Mai verdejante.
Passeio a 2
Banhistas divertem-se noutra das praias perfeitas de Praslin, a de Anse Georgette.
Luz à Vista
Vallée de Mai, a reserva classificada pela UNESCO e protegida por estar repleta de palmeiras de cocos-do-mar,
Papagaio Negro das Seychelles
Espécime do raro papagaio negro, ave nacional das Seychelles.
Cocos-do-Mar em Terra
Cocos-do-Mar em distintas fases de maturação expostos sobre um banco da Reserva Vallée de Mai.
Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Mal nos apareceu à frente, percebemos que a noite de Dave fora mais longa que o aconselhado. Que se levantara contrariado e a esforço.

O rapaz era de Mahé, a ilha-mãe das Seychelles. Tinha-se mudado para Praslin fazia já alguns anos alegadamente porque a vida era mais tranquila. A justificação pouco condizia com a sua condução de rali, que não tardou, tivemos que refrear.

Em vez de acatarmos o que nos sugeria e atravessarmos de imediato o parque nacional e o interior luxuriante da ilha para a costa norte, convencemo-lo a contornar toda a sul e a recortada, a leste, sem grandes pressas.

Queríamos, com aquele itinerário bem mais amplo, ficar com uma ideia abrangente do que podíamos esperar de Praslin. Depressa percebemos que tínhamos aterrado noutro dos paraísos perdidos pouco abaixo do equador, na vastidão do grande oceano Índico.

De Anse em Anse pelo Éden Tropical da Ilha de Praslin

Quase sempre entre um mar cor de esmeralda e uma floresta tropical densa, percorremos a baía Grande Anse e chegamos à confluência com a vizinha Anse Citron. Entre os dois areais, a estrada bifurca. Segue para o troço que Dave antes sugerira.

A outra ramificação transforma-se numa via litorânea de sopé de encosta, também sinuosa e ondulante, a partir de então tão estreita, que em certos trechos impede a passagem de dois veículos em simultâneo e ameaça seguir mar ou selva adentro.

As enseadas apelativas repetiam-se uma atrás da outra banhadas por águas circunscritas por uma barreira de recife ao largo. Sucederam-se uma série de outras “anses” (enseadas) sugestivas.

Enseada do Éden

Banhista explora o litoral translúcido do oceano Índico, ao largo de Anse Lazio.

A St. Sauveur, a Takamaka, esta baptizada de acordo com a colónia destas árvores quase rastejantes que lhe emprestam muito mais verde e sombra que apenas os meros coqueiros.

Seguiram-se a Anse Cimitière e a Bois de Rose, logo a Consolation e a Marie-Louise, todas elas praias privilegiadas. Até que atingimos a zona urbanizada da Baie Sante Anne e, passado o porto e a povoação contígua, cortamos para norte.

Não tardámos a dar com Anse Volbert.

À esquina

Habitantes de Sainte Anne descansam encostados à fachada de uma loja da povoação.

É este o principal núcleo habitacional e balnear da ilha, virado para longos areais também eles afagados por um mar quase imóvel, semi-represado por barreiras de recife algo mais distantes da costa que as do sul.

Com a volta de Praslin já a passar de meio, estávamos convencidos da sua beleza preservada. Ao mesmo tempo, sabíamos que havia melhor. Ansiosos por nos voltarmos a banhar numa das praias deslumbrantes das Seychelles e do Índico, convencemos Dave a prosseguir para o extremo noroeste da ilha.

Anse Citron e o Granito Rosado que faz Sobressair o Turquesa do Oceano Índico

Vinte minutos numa estrada de terra batida depois, estávamos de frente para um mar tranquilo, festivamente translúcido e de diferentes tons de azul, ciano, turquesa e um quase lápis lazúli.

Nas imediações da costa frondosa, a maré mantinha-se cheia, salpicada por uma colónia de calhaus graníticos de um rosado polido.

Índico de mar e granito

Duas crianças perdidas na vastidão de granito e água turquesa da praia de Anse Lazio.

Perante tal vista, sob o sol abrasador das quase onze da manhã, disparámos para a areia coralífera, trepámos a dois ou três rochedos volumosos e, dali, fizemos algumas fotos. Pouco depois, enfiámo-nos na água e celebrámos o momento com natações e flutuações deliciosas.

Antes de regressarmos à companhia de Dave, ainda espreitámos duas ou três outras pequenas enseadas, cada vez mais sumidas na vegetação densa, de que se destacavam os coqueiros estendidos na horizontal sobre o oceano.

Cocos do Mar: um Mistério que Vem dos Confins da Navegação

Hoje, só se encontram em Anse Lazio e ao longo do litoral de Praslin coqueiros dos convencionais.

Nem sempre assim foi.

Em plena era dos descobrimentos, os povos asiáticos e, entretanto, os marinheiros e aventureiros europeus que com eles estabeleceram contacto, nunca tinham visto palmeiras que gerassem cocos da dimensão de alguns que encontravam no mar e praias do Índico, que chegavam a ter 60 cm de diâmetro e até 42kg.

Cocos-do-mar juvenis

Cocos-do-mar juvenis. Na plenitude do seu crescimento, podem atingir o triplo do tamanho.

Diz-se que certos marinheiros malaios os terão visto “cair para cima” do leito do mar.

Disseminou-se, então, a crença de que eram produzidos por árvores que cresciam nas profundezas do oceano.

Das Palmeiras do Fundo do Mar aos Quadris Sedutores de Mulheres

Nos seus “Colóquios”, Garcia de Orta foi mais longe. Afiançou que nasciam de palmeiras que haviam sido submergidas por uma grande inundação quando o arquipélago das Maldivas se separou da Ásia.

O povo malaio acreditava que essas árvores davam abrigo a Garuda, uma espécie de ave gigante que capturava elefantes e tigres. A Garuda é, ainda hoje, o nome da companhia aérea nacional da Indonésia.

Sacerdotes africanos também acreditavam que, por vezes, as árvores dos cocos-do-mar se erguiam acima do oceano, que as vagas que geravam impediam as embarcações de prosseguir e que os marinheiros impotentes eram devorados pela Garuda.

Mas não se ficou por aí a riqueza dos imaginários criados em redor dos cocos-do-mar.

As grandes nozes que eram encontradas no oceano e nas praias já tinham perdido a sua casca (só assim flutuam) e pareciam quadris de mulheres.

Estas ancas e rabos flutuantes foram sendo recolhidos em navios e vendidos por fortunas na Arábia, na Europa e noutras paragens.

Os cocos "afrodisíacos"

Exemplares de cocos-do-mar expostos na reserva natural Vallée de Mai, onde as palmeiras que os geram continuam a crescer.

Nas Maldivas, era suposto qualquer coco-do-mar encontrado ser entregue ao rei. Guardá-los acarretava a pena de morte.

O Valor Monetário, Terapêutico e Até Literário Surreal dos Cocos do Mar

Em 1602, o almirante holandês Wolfert Hermanssen recebeu um coco-do-mar do Sultão de Bantam (actual Indonésia), por ter ajudado a defender a capital do sultanato homónimo dos portugueses.

Sabe-se ainda que Rudolf II, um imperador do Sacro Império Romano-Germânico o tentou, em vão, adquirir por 4000 florins de ouro.

Também se cria, como o descreveu João de Barros – um dos primeiros historiadores portugueses – que as nozes tinham outros poderes extraordinários.

Serviriam de antídoto para peçonhas, venenos e enfermidades. Provavelmente devido à acção inibidora da Inquisição, Garcia de Orta nunca se atreveu a mencionar o seu badalado e alegado poder afrodisíaco.

Como, pelas mesmas razões, nunca o fez Camões nos Lusíadas em que o Canto X versa:

 

“Nas Ilhas de Maldiva nace a pranta

No profundo das agoas soberana

Cujo pomo contra o veneno urgente

He tido por Antidoto excelente”

Camões retrata esse poder na Lírica, a sua obra que mais aborda o tema do amor e da paixão. Aí, recorre a abundantes artifícios léxicos por forma a evitar dissabores vindos do Inquisidor Geral (Cardeal D. Henrique) e dos censores da Inquisição.

Passagem Por Anse Volbert e por uma Igreja em Pleno Serviço Fúnebre

Tínhamos a sensação de que também Dave nos censuraria se ficássemos muito mais tempo em Anse Lazio.

Assim sendo, voltámos à carrinha apontados para Anse Volbert, onde fizemos umas compras casuais numa mercearia de donos hindus, escura, abafada e a tresandar a especiarias.

Fiel de passagem

Transeunte passa em frente à igreja protestante de Sainte-Anne.

Em nova passagem pela Baie Sante Anne detemo-nos e examinamos a povoação e a sua vida. Entrámos numa pequena igreja protestante piramidal e de madeira vermelha gasta.

No interior, damos com várias senhoras nativas, descendentes dos escravos africanos trazidos pelos franceses para as Seychelles, no século XVIII.

Uma reunião fúnebre

Grupo de senhoras no interior da igreja de Sainte Anne, por ocasião da morte de uma amiga.

Encontramo-las em amena cavaqueira sentadas nos bancos corridos. A extremidade de todos os bancos junto ao corredor está decorada com laços de cetim brancos e cor-de-rosa pelo que nos convencemos que está prestes a ter lugar um baptizado.

Metemos conversa com as senhoras que se dispõem a corrigir. “Não, não é um baptizado. Antes fosse. É um funeral de uma nossa amiga. Os laços? Nós temos a tradição de as usar nos funerais. A cor deles depende do que motivou a morte. Estes que veem correspondem a doença cancerígena.”

A surpresa deixa-nos sem palavras mas lá nos recompomos, pedimos desculpa pelo equívoco e retiramo-nos com a melhor expressão anglófona de pesar de que nos lembrámos.

Incursão à Floresta Tropical Protegida dos Cocos do Mar

Deixada para trás a igreja, percorremos uns poucos quilómetros e embrenhámo-nos no coração florestado da ilha. Pouco depois, entrámos na área de acolhimento da reserva natural e Património Mundial da UNESCO Vallée de Mai.

O Vallée de Mai preserva uma floresta de palmeiras que chegou a cobrir grande parte de Praslin e de outras ilhas das Seychelles, caso da vizinha La Digue.

Vallée de Mai

Grupo de visitantes explora a reserva natural de Vallée de Mai, ainda repleta de palmeiras de cocos-do-mar, no coração de Praslin.

Aliás, em tempos do supercontinente Gondwana cobriu outras vastas áreas da Terra.

Praslin é, à imagem das Seychelles em geral, considerada um micro-continente, já que não tem origem vulcânica ou coralina como quase todas as restantes ilhas do Índico, mas sim granítica.

E pródigo em fauna endémica.

ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Vallée de Mai, Papagaio Negro

Espécime do raro papagaio negro, ave nacional das Seychelles.

Conseguirmos resgatar Dave à sua conversa de engate com uma moça nativa da recepção, percorremos os trilhos sombrios e húmidos do parque, fascinados pela beleza frondosa da vegetação, em particular, das Loidocea Maldivicas, as palmeiras endémicas que produzem os cocos-do-mar.

Também nos encantaram, como aos marinheiros da era das descobertas, os espécimes secos que a administração do parque exibe junto aos trilhos.

ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Vallée de Mai,

Cocos-do-Mar em distintas fases de maturação expostos sobre um banco da Reserva Vallée de Mai.

Agora que pensamos no assunto, a corte feita pelo jovem Dave teve o seu quê de relação com um mito não menos cómico a que Charles George Gordon, um general britânico, chegou em 1881.

A Teoria do Jardim do Éden e os Cocos do Mar em Vez da Problemática Maçã

Tinham passado trezentos e setenta e oito anos de quando, já contornado o Cabo das Tormentas, Vasco da Gama se tornou o primeiro europeu a avistar e a navegar ao largo do arquipélago actual das Seychelles – no regresso da Índia – e o apelidou de Almirante em sua própria honra.

Decorreram sessenta e nove anos após a Grã-Bretanha o ter conquistado à França.

Segundo a teoria a que chegou através de uma análise cabalística do Livro de Genésis, o Vallée de Mai seria o Jardim do Éden e as suas palmeiras eram a árvore da sabedoria.

Representavam tanto o Bem como o Mal enquanto, devido às imaginadas propriedades afrodisíacas, o coco-do-mar corresponderia ao fruto proibido. Gordon chegou mesmo a assinalar a localização exacta do Paraíso no mapa da ilha como Vale do Coco-do-Mar.

ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Vallée de Mai

Vallée de Mai, a reserva classificada pela UNESCO e protegida por estar repleta de palmeiras de cocos-do-mar,

Esta sua postulação exótica foi contestada por um outro escritor, H. Watley Estridge que confrontou Gordon com a ínfima probabilidade de Eva ter conseguido morder um coco-do-mar através da sua casca de dez centímetros de espessura.

Gordon nunca respondeu.

Victoria, Mahé, Seychelles

De "Estabelecimento" Francófono à Capital Crioula das Seychelles

Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Île Felicité e Île Curieuse, Seychelles

De Leprosaria a Lar de Tartarugas Gigantes

A meio do século XVIII, continuava inabitada e ignorada pelos europeus. A expedição francesa do navio “La Curieuse” revelou-a e inspirou-lhe o baptismo. Os britânicos mantiveram-na uma colónia de leprosos até 1968. Hoje, a Île Curieuse acolhe centenas de tartarugas de Aldabra, o mais longevo animal terrestre.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Cidades
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Étnico
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
História
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau, do ar
Ilhas
Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho

Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Ribeiro Frio, Madeira, Vereda dos Balcões,
Natureza
Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões

Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Piton de la Fournaise, Reunião, o caminho do vulcão
Parques Naturais
Piton de la Fournaise, Reunião

O Vulcão Turbulento da Reunião

Com 2632m, o Piton de la Fournaise, o único vulcão eruptivo da Reunião, ocupa quase metade desta ilha que exploramos, montanhas acima, montanhas abaixo. É um dos vulcões mais activos e imprevisíveis do oceano Índico e à face da Terra.
Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Praias
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Religião
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Vida Selvagem
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.