Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida


Babylon de Solovetsky
Espiral de pedras que emula as muitas, da época neolítica, que subsistem na ilha vizinha de Bolshoi Zayatski.
Capelas Solovki
Duas pequenas capelas precedem o enorme templo de Solovki.
Casario Soviético
Moradias coloridas disseminadas em redor do mosteiro ortodoxo de Solovki.
Em Memória das Vítimas de Solovki
Cruz ortodoxa erguida no cimo da colina de Sekirnaya.
Estendal multiusos
Um recanto inusitado ao lar livre da ilha de Solovetsky.
Poisos Cá Fora
Gatos espreitam uma oportunidade de regressarem ao aconchego do lar.
Poisos Cá Fora II
Mensagem longa ilustra os acontecimentos ocorridos em Bolshoi Solovetsky, durante a era Soviética e Gulag.
Uma Laje Histórica
Mensagem longa ilustra os acontecimentos ocorridos em Bolshoi Solovetsky, durante a era Soviética e Gulag.
Outono da Taiga
Tons de fogo tingem a floresta boreal da ilha Solovetsky.
Tons de Outono
Folhas outonais começam a preencher o solo boreal de Solovetsky.
Jantar com Andrey e Alexeys
Andrey Ignatiev, Alexey Sidnev e Alexey Kravchenko durante um jantar oferecido pelos dois primeiros.
Mar Branco em tom Escuro
Céu invernoso escurece o vasto Mar Branco
Recital de Dima
Dima toca sarangi sob o olhar do amigo Yaroslav.
Solovki Outonal
Tons pré-Invernais adornam o mosteiro de Solovki.
Despedida do Sol
Visitantes de Solovetsky louvam uma inesperada aparição do sol.
Casa a dobrar
Grande mansão de Solovetsky reflectida na lisura do Mar Branco.
UAZ na Rota do Outono
Reflexo de Solovki
Mosteiro ortodoxo de Solovki reflectido num braço do Mar Branco.
Pequeno Vodka
Um reforço à mesa de Dima, entre leite condensado, manteiga, pão, vegetais e outros petiscos
Igreja da Ascensão
O templo ortodoxo erguido num alto em que, em tempos, foram assassinados prisioneiros do primeiro campo Gulag.
Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.

A manhã, tínhamo-la passado quase toda na ilha vizinha de Bolshoi Zayatski, entre “babylons”, espirais místicas que se crê legadas por habitantes do Neolítico.

Regressados a Bolshoi Solovetsky, voltamos a encontrá-las.

Caminhávamos na direcção do Mar Branco quando nos cruzamos como jovem Dima, vindo de outro lado qualquer, a pedalar sobre a sua bicicleta.

Dima e o nosso cicerone russo, Alexey Kravchenko, trocam algumas palavras. Dima desmonta do velocípede. A caminhada passa a quatro.

Minutos depois, damos com o oeste do mar, liso como um lago, escurecido e prensado por um tecto vasto e denso de nuvens. Antecedia-o uma nova e inesperada “babylon”, emulada das do núcleo central de Zayatski.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Babylon

As “Babylons” e o Ocaso Fenomenal de Solovetsky

Examinamo-la os quatro. Damo-nos ao trabalho de a percorrer, da orla ao âmago, naquele caso, feito montículo. No momento em que o tocamos, em jeito de milagre cósmico, brota uma luz dourada de pouco acima do horizonte.

Não tarda poente, o sol ocupa toda uma faixa rasante que as nuvens se haviam esquecido de cobrir.

O seu reflexo forma um raio marinho oblíquo, uma espécie de indicador natural que, por alguma intrigante razão, nos aponta e à “babylon”.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, despedida do Sol

Admiramos o fenómeno numa comunhão de espanto e de amizade, intensificada pela presença de Dima, dono de uma aura e de uma intimidade de trato, raras entre os russos.

O sol some-se. Primeiro para trás do limiar de nuvens. Logo, para baixo do Mar Branco e do horizonte.

Exibia os seus derradeiros laivos quando um vizinho de casaco camuflado surge do nada e mete conversa com Alexey e Dima, afinal, um monólogo aturado e arrastado que o duo escuta com paciência e que Alexey nos traduz em sussurro: “está a dizer que toda a gente que aqui vem acaba por desenhar o seu próprio labirinto. Pela maneira de falar, eu acho que ele tem um atraso”.

Se assim fosse, ao mesmo tempo, havia muito de filosófico nas palavras do interlocutor que faz questão de as ilustrar.

Ajoelha-se sobre uma zona ervada da margem, próxima de uma pilha de pedras tresmalhadas da “babylon”. Inspirado pela atenção que lhe prestávamos, o rapaz põe mãos à obra.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Babylon

Em vez de uma “babylon”, desenha o que nos parece um gato sorridente mas que poderia ser uma mera face de pessoa, tão tosca como a matéria-prima o permitia.

Mesmo em modo de câmara-lenta boreal, escurece. Como escurece, arrefece.

O Chá Alcoolizado na casa de Dima de Solovetsky

Dima convida-nos para um chá. Aceitamos de bom grado, conscientes de que quando um russo convida alguém para chá, dificilmente se refere a apenas chá.

Seguimo-lo até à casa em que se alojava, segundo nos explica, dos pais de uma amiga. Um lar desarrumado e degradado que há muito não via limpeza, nenhum dos factos incomodativos, ou prejudiciais que fosse, ao convívio que dele esperávamos.

Dima aquece água e, de facto, serve-nos chá. No processo de o fazer, com ajuda de Alexey e de Yaroslav – um outro amigo da ilha que, entretanto, convidara – montam uma tradicional (ou nem tanto) mesa russa, enriquecida com pão, queijo e manteiga, latas de leite condensado, picles, caules de cebolinho e, claro está, vodka.

Uma garrafa e meia, para o caso de uma não chegar.

Em meros dois ou três copos, a tagarelice e a festa animam.

Dima vai buscar um velho sarangi que tinha mandado vir pela Net, por 600 dólares. Adorna a noite com acordes que lhe fazem de banda sonora oriental.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, Anfitrião Dima

Provavelmente graças à estratégia híperlipídica a que os russos recorrem quando bebem vodka, apesar de bebermos e brindarmos vezes conta, nunca atingimos o sempre temido estado de caixão para a cova.

Satisfeito por nos ver felizes, Dima faz questão de o confirmar. “Temos aqui uma boa mesa, não temos?” Alexey, confirma-o de imediato, com repto de um novo brinde.

Explica-nos o significado que os russos dão à expressão. Quando o faz, gera em nós aprovações efusivas e, para mal dos nossos pecados, novo brinde comemorativo.

Yaroslav por sua vez, pouco ou nada fala de inglês. Limita-se a comentar, em russo, aqui e ali, eternercido pelo desenfrear alcoólico da farra.

Dima e Yaroslav: inesperados Convivas do Outono Russo

Dima nascera nas imediações boreais de Archangelsk. À data, morava na São Petersburgo de Fiodor Dostoievski e Alexander Pushkin. Voltava à sua região sempre que podia.

Dima destoava dos preconceitos com que nos habituamos a ver os russos. Pagava por isso. Objector de consciência do serviço militar russo, teve vedado o uso de passaporte e, como tal, não pode sair do país.

Malgrado o seu parco inglês, também de Yaroslav desvendamos um pouco.

Baptizado com o nome do Grande Príncipe de Kiev, entre os 40 e os 50 anos de idade, o amigo de Dima vivia em Solovetsky fazia quase quatro. Parte desse tempo, dedicou-o a construir um barco de madeira em que já tínhamos reparado no porto da povoação.

Yaroslav cumpriu o serviço militar. “O primeiro ano, odiei. O segundo já foi bem diferente. Viajei por toda a Rússia e sempre com o governo a pagar. Não me podia queixar.”

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, vodka

Yaroslav dedicou um dos brindes inaugurais “à Ibéria e à Sibéria”.

Há muito que deambulávamos mais para os lados da segunda. Recebidos e entretidos por almas como aquelas, pouco ou nada nos lembrávamos de casa.

Alexey Kravcheko, por sua vez. Esquecia-se da que havíamos alugado na povoação e dos vizinhos Andrey Ignatiev e Alexey Sidnev que nos tinham convidado para jantar.

Mesmo ainda atordoados do lanche, não podíamos recusar.

Do Lanche para o Jantar. Tudo Regado a Vodka

Meia-hora depois, damos connosco uma vez mais à mesa do duo de geólogos, deliciados com os petiscos que Andrey preparara. Entregues a mais brindes de vodka.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, à mesa

Por essa altura, vivíamos um deslumbre absoluto por Solovetsky, partilhado, aliás, por Alexey Kravchenko que há muito sentia fascínio pelo arquipélago e que lá nos tinha levado.

De tal maneira, que o cicerone anuiu a tentarmos mudar os bilhetes de barco para Kem, para uns dias mais tarde.

O plano provou-se impossível. Comovidos pela nossa desilusão, Alexey e Andrey oferecem-se para nos conduzir pelo melhor da ilha. O único senão: logo de manhã cedo. Por essa altura, já duvidámos que sobrevivêssemos àquela arrebatadora paixão pela Rússia setentrional.

Dormimos mais para lá do que para cá. Despertamos às 8h10 com Alexey Sidnev a bater à porta, já fresco que nem uma alface. Como o conseguia após tanto vodka?

Como o faziam boa parte dos russos? Ultrapassava-nos. De qualquer maneira, a urgência estava em nos arrastarmos para fora da cama, e em garantirmos o mesmo prodígio de Alexey Kravchenko.

Com muito sofrimento, sobre as nove, estávamos prontos para sair.

O Outono Exuberante dos Arredores de Solovetsky

Seguimos o duo de geólogos até à carrinha UAZ – Ulyanovskyi Avtomobilnyi Zavod – verde-tropa em que se deslocavam. Andrey faz-nos instalar nos bancos laterais com um aviso carregado de dramatismo:

“Segurem-se bem com as mãos no tecto. Esta carripana tem uma das suspensões mais duras que alguma vez vão experimentar. Os Russos chamam-lhe cabra, por causa dos coices que dá. Acreditem ou não, já tivemos passageiros feridos.”

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono

Andrey e Alexey certificam-se de que nos estamos a proteger. Logo, partem na direcção da Sekirnaya.

O percurso de 11km, envolto de lagos, ladeado por vegetação multicolor deixa-nos extasiados.

Incontáveis solavancos depois, chegamos ao cimo da elevação e, nas imediações, a uma plataforma panorâmica que revelava a taiga sem fim, com o seu verde já convertido aos mais distintos tons de fogo outonal.

Monumental, o cenário vegetal condena-nos a um frenesim fotográfico.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono na TaigaAgradecemos a Andrey e Alexey tanto quanto podemos. “Deixem lá isso. Respondem-nos.

A sério que é um grande prazer ter-vos cá. Vamos mas é tirar umas fotos, senão só temos dentro de casa.”

A Colina de Sekirnaya e o Passado Atroz de Solovetsky

Assim fazemos, abençoados pela igreja da Ascensão, erguida num dos lugares mais negros de Solovetsky.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Igreja da Ascensão

Durante os tempos de opressão Gulag soviética, na área ocupada pelo templo, e em redor, foram levadas a cabo incontáveis torturas e execuções.

E enterros, feitos à pressa.

Em sepulturas comuns, nunca identificadas mas em que as autoridades ortodoxas colocaram pequenas cruzes que indicam o número de corpos em cada qual.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, cruz em memória das Vítimas do Campo Prisional de Solovki

Na base da escadaria que leva à igreja, há uma outra cruz, essa, enorme.

Ergueram-na também os monges, em 1992, logo após o colapso da U.R.S.S., em memória de todas as vítimas do campo prisional Gulag de Solovki.

Andrey e Alexey tinham que regressar ao mosteiro onde inaugurariam as suas tarefas agrimensoras do dia. Nós, contávamos acompanhar uma procissão que os religiosos realizavam, aos Domingos, em redor do complexo. Em vão.

Findo o pino do Verão, com muitos monges ausentes, a cerimónia já tinha sido suspensa.

Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, Mosteiro Solovki

Em pleno Outono, Alexey Kravchenko temia que um provável mau tempo suspendesse as ligações de barco para Kem e nos víssemos retidos na ilha muito mais do que queríamos.

Nesse mesmo fim de tarde, despedimo-nos de Andrey e de Alexey.

Já embarcados, com o pequeno ferry a avançar de volta para a terra firme de Kem e da Mãe-Rússia, sussurramos um “até à vista” convicto na direcção de Solovetsky.

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Presa por vários arames
Cidades
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Peregrinos no cimo, Monte Sinai, Egipto
História
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
À boleia do mar
Ilhas
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Natureza
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Parques Naturais
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, arte urbana
Património Mundial UNESCO
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT