Moscovo, Rússia

A Fortaleza Suprema da Rússia


Marechal Zhukov
Vislumbre da Catedral de São Basílio
Lenine e Nicolau II
O Mausoléu de Lenine
Paixão por Minsk
A Catedral
Catedral São Basílio vs Kremlin
A Catedral de São Basílio
Cúpulas Ortodoxas
De Guarda, na Praça Vermelha
No Âmago do Kremlin
À Beira do Lago do Jardim Alexandre
Mais Torres de Encantar ainda
O Jardim Alexandre
Pela Base da Fortaleza
Kremlin acima do Rio Moscovo
Peregrinação na Praça Vermelha
Falso Louro
Entre o Kremlin e o rio Moscovo
O Museu Histórico do Estado
Foram muitos os kremlins erguidos, ao longos dos tempos, na vastidão do país dos czares. Nenhum se destaca, tão monumental como o da capital Moscovo, um centro histórico de despotismo e prepotência que, de Ivan o Terrível a Vladimir Putin, para melhor ou pior, ditou o destino da Rússia.

Era assim, até ao alastrar da pandemia à Rússia.

Quem regressava à superfície numa das estações de metro da Manege Square depressa se surpreendia com a animação e a excentricidade em redor. Pela primeira vez na vida, vimos casas de banho móveis decoradas com padrões floridos do folclore russo.

Passamos pela base da estátua equestre do marechal soviético, Georgy Zhukov, de quem o planeamento da defesa da União Soviética contra a Invasão Nazi fez um herói multi-condecorado.

Através dos arcos da Porta e Capela Ibérica, chegamos a vislumbrar, distantes, as cúpulas arabescas da Catedral de São Basílio.

Embrenhamo-nos na multidão que por ali flui. Sem que o esperássemos um grande urso pardo, de peluche, animado por um qualquer morador, tapa-nos o indício da iminente Praça Vermelha.

Instantes depois, um séquito de sacerdotes ortodoxos abre caminho e as portas do templo diminuto a uma comitiva de fiéis. A capela fica à pinha de crentes. De tal maneira que, enquanto, lá dentro, decorre a cerimónia que os reunia, dois padres enfiados em batinas negras, seguem-na do exterior.

Cruzamos os arcos para o domínio da praça. Do lado de lá, posicionados à porta da loja de arte e souvenirs Nasledie, dois guardas em uniformes históricos que nos parecem cossacos posam para a fotografia, de espadas cruzadas acima de uma família visitante, todos os membros com olhos amendoados típicos dos confins orientais da nação.

Nas imediações, os figurantes multiplicam-se.

Um faz de czar Nicolau II. Um outro de Lenine. Um terceiro de Estaline.

Num dos hiatos do seu negócio com os turistas, Nicolau II e Lenine entregam-se a uma cavaqueira que atraiçoa a história.

Passamos em frente à catedral de Nª Srª de Kazan, de que admiramos os sucessivos arcos de mísula, coroados por uma cúpula dourada solitária de que desponta uma cruz ortodoxa.

Monumental e elegante como a vemos, atordoa-nos descobrir que, se trata de uma reconstrução.

Mais inacreditável ainda, que a original foi mandada destruir, em 1936, por ordem expressa do secretário geral do Partido Comunista Soviético, Josef Stalin, georgiano de berço, não russo, devemos sublinhá-lo.

Cruzamos a rua Nikolskaya.

A Monumental Praça Vermelha de Moscovo

Do lado de lá, entramos, por fim, no espaço sagrado da Praça Vermelha, a vastidão de empedrado listado entre a base dos muros do Kremlin de Moscovo e o grande edifício e centro comercial GUM.

Confirmada a derrocada da URSS, passados os anos de caos e agrura económica e social da Mãe-Rússia, o atropelo do Comunismo pelo capitalismo inexorável ditou que a praça deixasse de servir apenas para paradas, comícios e comemorações político-militares afins.

Quando a percorremos, uma boa parte da sua área está ocupada por uma exposição de horticultura, com plantas e flores mantidas em pequenos vasos, dispostas por cores e formas.

Mal a montra termina, os organizadores oferecem-nas aos visitantes. Deparamo-nos, assim, com um frenesim de amantes da jardinagem a disputarem rebentos de bromélias, buganvíleas, orquídeas e outras.

Esta pilhagem autorizada auxilia a desmontagem do viveiro para o espectáculo nocturno que se segue, um concerto pop-rock seguido de fogo de artifício.

A orla oposta, a contígua ao Kremlin, permanece imune a tais confusões e comoções populares.

O Mausoléu de Lenine, Sepulcro dos Primórdios da URSS

É lá que jaz, desde 1930, embalsamado a pedido do povo, vizinho do Túmulo do Soldado Desconhecido, o fundador da URSS Vladimir Lenin.

Erguido em mármore negro e vermelho, tons do luto e do sangue, o mausoléu mantém um guarda armado quase imóvel e de olho em tudo.

Em especial, na fila de visitantes que aguardam para entrar, dependendo da afiliação ou simpatia, prestar a sua homenagem ou apenas observar o corpo conservado por truques da ciência, o sarcófago refrigerado e o interior lúgubre do edifício.

A importância histórica e política de Lenine justifica que a frente do mausoléu acolha, com frequência, palanques em que os líderes russos se dirigem ao povo. Nas suas mais de duas décadas de liderança, Vladimir Putin já lá discursou várias vezes.

Mas se Lenine, Putin e os sucessivos dirigentes soviéticos e russos pelo meio, marcam presença no mausoléu e na Praça Vermelha, o verdadeiro covil, o assento do seu poder, esconde-se atrás dos muros ameados que a delimitam.

As imagens que nos habituámos a ver do presidente Putin sentado com outros líderes mundiais, frente a frente, numa mesa inflacionada contribuíram para um imaginário difuso da outra Casa Branca, a do Leste.

O Grande Kremlin da Rússia, Assento do Poder da Nação

Pois, o salão em que Putin acolhe, com distância comparável à da sua Rússia face ao mundo, é apenas um – o fulcral – de dezenas dos cinco palácios e quatro catedrais ortodoxas que integram o centro político e religioso imenso (275.000 m2) de Moscovo.

O termo russo kremlin define uma fortaleza dentro de uma cidade. São centenas os kremlins disseminados na vastidão da Rússia, como o pudemos comprovar, sendo o de Rostov, um dos mais sumptuosos.

O de Moscovo, como agora o vemos, começou a ser delimitado na sua forma triangulada, por maçons italianos, entre 1485 e 1495. No mais de meio milénio com que conta, nem sempre se provou inexpugnável.

No início do século XVII, tomaram-no senhores de guerra polacos e lituanos.

Em 1812, em plena Campanha da Rússia, e em jeito de afirmação do poderio bélico francês, Napoleão Bonaparte arrasou seis das várias torres da fortaleza.

Expulso o Imperador Louco, em apenas sete anos, os russos restabeleceram a integridade do kremlin e, à margem do mero lar dos czares, a sua função de impressionar, de controlar e de oprimir, num primeiro nível, a Rússia e os russos, noutro, o mais possível do mundo.

Nessa mesma tarde, contornamos a Praça Vermelha e damos entrada no seu domínio. Ao contrário do que se possa pensar, em tempos de pré-pandemia e de normalidade político-militar russa, o kremlin mantinha-se, em boa parte, visitável e turístico.

Os forasteiros percorriam-no.

Oravam nas naves das suas igrejas.

A Presença Dominadora da Igreja Ortodoxa Russa

Incluindo as das grandiosas Catedrais da Anunciação e da Dormição com que a igreja ortodoxa procurou eternizar a sua aliança com o poder e a presença na fortaleza. São ambas encimadas por cúpulas douradas, espécies de mísseis de pretensa fé apontados ao céu.

Durante todo o período bolchevique e soviético (1918-1991), o Comunismo ateu sem escrúpulos instaurado pelos bolcheviques, sequestrou a Igreja Ortodoxa. Manteve-a à parte.

Sobretudo de 1991 em diante, com a anuência dos líderes pós-soviéticos, os sacerdotes depressa recuperaram a influência que tinham junto dos czares.

Vemos os visitantes admirarem o sino Kolokol III, quebrado durante o grande incêndio de 1737 e outros elementos e recantos arquitectónicos e históricos do Kremlin.

A vasta fatia não visitável da fortaleza traduz o reduto em que se engendra a política externa russa, em que Putin e os seus súbditos do governo da nação, Serviço Federal de Segurança incluído, congeminam as medidas necessárias, amiúde, maquiavélicas, a eternizar o poder do líder pseudo-eleito.

Prepotência e Paranóia, Moradores de Há Muito do Kremlin de Moscovo

Na Fortaleza Vermelha, a paranóia, aliada de sempre do despotismo, faz, há muito, companhia aos líderes russos e soviéticos.

Um dos seus primeiros moradores, o czar Ivan Valievich, Ivan IV, via em quem lhe aparecesse à frente um conspirador do seu fim.

Entre membros do governo, família e “amigos”, mandou eliminar centenas de russos. Levou à morte até o próprio filho, herdeiro do trono, que espancou com uma bengala de ferro. Sem surpresa, Ivan IV conquistou o cognome de “o Terrível”.

Em épocas de anteriores pandemias, incluindo a da não menos terrível Gripe Espanhola, Lenine refugiou-se na estanquidade do kremlin em que dotou os seus aposentos de uma câmara de desinfecção privada.

Estaline, o seu sucessor, refugiou-se no kremlin de incontáveis tentativas de assassínio, a maior parte delas imaginárias. Começou por proibir os seus camaradas comunistas de acederem à fortaleza.

A partir do kremlin, terminou a exilar centenas deles e milhares de cidadãos soviéticos nas prisões e campos de concentração do crescente “Arquipélago GULAG”, como lhe chamou Alexander Soljenítsin.

A Continuação da História Soviética-Russa, às Mãos de Vladimir Putin

Herdeiro todo-poderoso do kremlin, Putin também herdou os métodos e procedimentos despóticos dos czares e ditadores soviéticos.

Ditou, sem cerimónias, inúmeros aprisionamentos (por exemplo de Alexei Navalny), as condenações de opositores à morte, tenham sido por disparos ou através dos famosos chás envenenados químicos.

E a recente invasão sanguinária da Ucrânia, de que são de esperar desenvolvimentos ainda mais catastróficos.

Deste legado e presente soviético e russo despótico e desprezível continuam a despontar, elegantes e imponentes, as estruturas seculares da grande fortaleza moscovita e da Praça Vermelha.

No extremo oposto à Porta e Capela Ibérica por onde nos habituámos a entrar, a catedral de São Basílio mais parece pairar.

Trata-se, sem discussão, de um dos edifícios religiosos mais deslumbrantes do mundo, com as suas cúpulas em espirais de distintas cores, desenhadas como chamas de uma fogueira de fé, em crescendo.

Já sobre o anoitecer, cruzamos para a margem afastada do Moscovo.

A distância revela-nos um kremlin panorâmico, com o seu grande palácio e catedrais dourados pela luz artificial, reflectidos nas águas lisas do rio que um ferry repleto de estrangeiros maravilhados sulca.

Nos dias que correm, a Rússia de Putin perdeu o encanto que, apesar de tudo, ainda conservava.

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Fortalezas

O Mundo à Defesa - Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Nacionalismo Colorido
Cidades
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Espantoso
Étnico

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
História
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Ilhas
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Natureza
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Parques Naturais
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Património Mundial UNESCO
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Sociedade
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES