São Tomé (cidade), São Tomé e Príncipe

A Capital dos Trópicos Santomenses


Forte de São Sebastião
Cores do forte em contraste com a negrura de basalto que o envolve.
Rolotte Beira-Mar
Amigos passam o tempo na recém-aberta rolotte Beira-Mar.
Conversa ao Sol
Dois colegas de escola conversam sob uma completa ausência de sombra.
Motoqueiros
Motociclistas alinhados numa via junto ao mercado de São Tomé.
A Catedral
Estudantes passam em frente à Catedral de São Tomé.
Encalhos na Costa
Velhas barcaças semi-afundadas, ao largo de São Tomé
Tchiloli
Zona com arquitectura colonial da capital de São Tomé e Príncipe.
Conversa à Sombra da História
Amigos conversam à sombra da estátua de um dos descobridores do arquipélago de São Tomé.
Equilíbrio Precoce
Acrobacias sobre basalto junto ao forte de São Sebastião.
As Defesas de Então
Recanto histórico do velho Forte de São Sebastião.
Armas Portuguesas
Armas da Coroa portuguesa guardas no museu do Forte de São Sebastião.
Moda Ideal
Habitantes da cidade de São Tomé, bem colocados para a "Moda Ideal"
Obelisco e Descobridores
Instalação histórica em redor do obelisco "oferecido" ao Presidente Amílcar Cabral e a roulotte Beira-Mar.
Obelisco e Descobridores II
O obelisco "de Amilcar Cabral" e os descobridores de São Tomé e Príncipe.
Vendedora
Vendedora mestiça, junto a uma banca de fruta da cidade de São Tomé.
A Faina do Pontão
Compradores aguardam por mais peixe num pontão na extensão do Mercado Municipal.
Ruela Amarela
Funcionário empresta escala à arquitectura amarelada do Forte São Sebastião.
Avenida das Vans
Confusão do Mercado Municipal, agravada pela praça de vans que o serve e à cidade.
Peixeiras Aversas a Fotos
Peixeiras embirram com a presença de fotógrafos metediços no seu mercado.
Xico’s Bar
A acção do Xico's Bar como vista do andar superior do estabelecimento.
Fundada pelos portugueses, em 1485, São Tomé prosperou séculos a fio, como a cidade porque passavam as mercadorias de entrada e de saída na ilha homónima. A independência do arquipélago confirmou-a a capital atarefada que calcorreamos, sempre a suar.

Da primeira vez que alvejámos o Forte de São Sebastião, encontrámo-lo inacessível.

A hora de fecho eram as 4h30 da tarde, demasiado cedo para o que íamos a contar.

Barrados do interior do também Museu Nacional de São Tomé e Príncipe, demos connosco intrigados com o entorno estranho, ao mesmo tempo, familiar do monumento.

A fortaleza ocupa um recorte arenoso da ponta que encerra a Baía de Ana Chaves, a sul.

Antecede-o a longa Av. Marginal 12 de Julho, baptizada como comemoração vial da independência de 1975, do arquipélago-colónia.

No caso de São Tomé e Príncipe, são inúmeros, estão por todo o lado, os laços que unem a nação do equador à antiga Metrópole.

O Museu Colonial Fortificado do Forte de São Sebastião

A avenida estende-se entre vivendas coloniais, à sombra de árvores africanas, e o oceano Atlântico. Sobre uma curva que a orienta para ocidente, deixa-nos junto a uma instalação histórica.

Ali mesmo, no centro de um relvado desnivelado, destaca-se um obelisco, erguido para comemorar a visita de 1970 do presidente da República português a São Tomé.

Na ocasião, Américo Tomás desembarcou do navio “Príncipe Perfeito”. A ilha do Príncipe, já a tinha visitado seis anos antes.

Logo em frente, três estátuas alvas contemplam o forte.

Representam os navegadores e colonizadores João de Santarém, Pêro Escobar e João de Paiva.

Até à independência, essas e outras estátuas de figuras e personalidades portuguesas, ocupavam lugares de destaque em praças e jardins da ilha de São Tomé.

Em 1975, as autoridades santomenses reuniram várias delas no museu. Como testemunhámos, o obelisco e as estátuas estão à solta.

Têm a companhia da Rolotte – Beira Mar, uma expressão de design da marca Sagres que mais parece uma caixa de guardanapos de papel, com coqueiros a fazer de antenas.

Sempre que se confirmava a falta de clientes, o rapaz do balcão deixava o interior lúgubre e claustrofóbico do bar.

Quando uma amiga o visita, ficam a tagarelar na sombra de Pêro Escobar.

De planta quadrangular, o forte está envolto ou de areia ou de grandes calhaus basálticos, alguns, polidos e arredondados pelas idas-e-voltas das marés e das vagas.

Àquela hora, está vigente a baixa-mar.

Um grupo de estudantes, homologados pelos uniformes, vagueia, para lá e para cá de uma árvore que a esterilidade e salinidade do solo tinham torturado e desfolhado.

Contornamos o forte, sem pressas, atentos às sucessivas expressões da história e vida santomense.

Regressados ao ponto de partida do obelisco, flectimos para o início da Baía Ana Chaves, onde nos cruzamos com pequenos pelotões de mais estudantes de saída da escola.

Da Beira Atlântico ao Mercado Municipal Frenético de São Tomé

Caminhamos por caminhar, ao longo da enseada.

Chegados aos pontões no prolongamento da Praça da Independência, com a alfândega rosada e palmeiras imperiais em fundo, damos com uma inesperada faina.

No cimo do pontão, munidas de grandes baldes e alguidares, várias mulheres aguardavam e pareciam disputar o peixe recém-pescado, ainda a bordo de lanchas elementares.

A pescaria não parecia satisfazer a procura, nem resolver a impaciência crescente das peixeiras.

Cortamos para o coração da cidade, pela Travessa do Pelourinho. Pouco tempo depois, confrontamo-nos com a verdadeira génese do problema.

O Mercado Municipal estava à pinha, de compradores interessados em produtos frescos. As varinas sabiam o dinheiro que aquela procura lhes podia render. Sentiam-se frustradas a condizer.

O mercado de São Tomé comprova-se todo um mundo africano e frenético de cor e de formas, sobretudo no exterior, onde a luz natural se mantém intacta.

Faz resplandecer os tons da fruta e dos vegetais dos trópicos, os padrões exuberantes das roupas das vendedoras e os de alguns chapéus de sol que lhe concedem um refúgio do braseiro da tarde.

O Mercado Municipal de São Tomé é um domínio matriarcal.

Compõem-no senhoras e raparigas autoritárias que antipatizam com as incursões fotográficas dos visitantes.

Não esperávamos que, mesmo favorecidos pela língua portuguesa em comum, e pela experiência que temos a lidar com tais casos, nos víssemos a braços com tamanha resistência.

Como não esperávamos encontrar um supermercado vizinho, denominado Pingo Doxi e com imagem de marca a emular a da empresa original.

Uma Caminhada ao Ritmo de São Tomé

Salvo umas poucas excepções, os trabalhadores homens mais próximos ocupam uma área vasta da Av. Conceição, ao lado.

São os condutores de uma frota amarela de táxis, de pequenos autocarros e de carrinhas estilo Hiace que, como os muitos mototáxis, percorrem a cidade e a ligam as povoações mais próximas.

Com tanto na capital ainda por descobrir, prosseguimos a pé.

Metemo-nos pela Av. da Independência que calcorreamos até identificarmos o rio ladeado de vegetação que dá o nome à avenida contígua, a da Água Grande.

Por esta última, de novo na direcção do oceano, cruzamos o desafogo urbano em frente à Catedral de São Tomé e ao Palácio Presencial rosa-claro, também conhecido como Palácio do Povo mas de que, por razões de protocolo e segurança, o povo se mantém distante.

Vislumbramos a coreografia dos guardas presidenciais, de uniforme verde-tropa e capacetes e botas brancas, abaixo da bandeira esvoaçante da nação.

Sem muito mais para ali apreciarmos que a sua retomada imobilidade, enfraquecidos de tanto andar, voltamos a cruzar o Água Grande apontados à grelha de edifícios coloniais das ruas com nomes luso-africanos e africanos de Patrice Lumumba, de Angola e de Moçambique.

Detém-nos, por breves momentos, o encanto azul-rosa e juvenil do Salão de Beleza “Moda Ideal”.

O Bar Xico’s e uma Peixeira que a História deixou na ilha de São Tomé

Sentimos os físicos já num farrapo. É com alívio que esbarramos com o Xico’s Café, o autointitulado “sabor de Portugal em São Tomé”, gerido por um luso que se mudou de Sintra.

À data, havia já uma década a viver em São Tomé, como uma espécie de elo entra a ex-Metrópole e o deslumbrante refúgio tropical.

Instalamo-nos numa mesa no topo, entretidos com a acção gastronómica e convival abaixo e com o degustar dos petiscos meio portugueses, meio africanos que pedimos.

À saída, vendedoras de rua impingem-nos fruta colorida.

Pelo menos até que a persistência fotográfica com que respondemos ao repto as cansa e demove.

Passa por elas uma outra mulher. Tem uma face que nos parece portuguesa e uma pele muito dourada pelo sol equatorial. Traja uma capulana de padrões quentes, abaixo de um top cor-de-rosa.

Transporta à cabeça um alguidar cheio de peixe, trazido do pontão onde já tínhamos estado.

Uma conversa curta faz-nos perceber que não se sentia à vontade com a atenção que dedicávamos à sua diferença face aos convencionais cidadãos santomenses.

Percebíamos, no entanto, que um qualquer capricho da história a teria separado dos mais de quatro mil residentes coloniais que, durante a década de 70, abandonaram o arquipélago rumo à metrópole.

Os Retornados de Angola e a “Cidade do Tchiloli”

Na mesma altura em que muitas centenas de santomenses de então davam entrada nas ilhas do Equador, foragidos da instabilidade político-militar pós-independência de Angola.

Intuíamos que, consequência de um destes fluxos urgentes tinha ficado semi-desfasada em São Tomé. E que, objectivas de visitantes curiosos à parte, vivia bem com a sua realidade.

As senhoras da fruta partilham fofocas. Mandam as bocas bem-dispostas, quase tão bem-intencionadas.

Quando reviramos as objectivas para a sua montra de bananas, mangas, papaias, maracujás e até algum cacau fornecido. por alguma roça, agarram em capulanas soltas e tapam-se por completo.

Nas imediações, damos com a sede da construtora Teixeira Duarte, no enfiamento de um velho póster que anuncia a exposição “A Cidade do Tchiloli”, esticado sobre a fachada de um tom de salmão gasto de um edifício abandonado e decadente.

A exposição exibia imagens da complexa, mas rica coadunação das culturas europeia e africana, visíveis, óbvias, por toda a cidade por que tínhamos passado e voltado a passar.

No dia seguinte, voltamos ao Forte de São Sebastião. A horas. De novo entre estudantes libertos das suas obrigações.

Entramos.

Examinamos o património que comprova o mais de meio milénio habitado, colonizado, escravizado.

Por fim, libertado e entregue ao seu destino de São Tomé e Príncipe.

Neste tempo, São Tomé evoluiu o que evoluiu. Aumentou de forma comedida, numa harmonia civilizacional que nos continuou a deslumbrar.

São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Ilhéu das Rolas: São Tomé e Principe a Latitude Zero

Ponto mais austral de São Tomé e Príncipe, o Ilhéu das Rolas é luxuriante e vulcânico. A grande novidade e ponto de interesse desta extensão insular da segunda menor nação africana está na coincidência de a cruzar a Linha do Equador.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Cidades
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Cultura
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Promessa?
Étnico
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Em plena costa do Ouro
História
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Ilhas
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Natureza
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Parques Naturais
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Património Mundial UNESCO
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Mosteiro de Tawang, Arunachal Pradesh, Índia
Religião
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES