Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara


Fantasma do “Cabo Santa Maria”
As vagas do Atlântico embatem no cargueiro "Cabo Santa Maria" e prosseguem para o areal da Praia de Atlanta.
Cabredo
Rebanho de cabras aproxima-se de um tanque de água onde é suposto matarem a sede.
Chaminé de Chaves
Dois banhistas correm em direcção à chaminé de Chaves, ápice de uma antiga fábrica de tijolos e telhas.
Duo de Coqueiros
Dois coqueiros destacam-se do solo arenoso em redor das ruínas do Curral Velho.
Ginásio Sal Rei
Trabalhadores da ilha da Boa Vista exercitam-se num ginásio improvisado de Sal Rei.
Ginásio Sal Rei II
Morador de Sal Rei fortalece o corpo numa parede de um edifício abandonado de Sal Rei.
Na Sombra de Deus
Moradora passa em frente à igreja de Santa Isabel, em Sal Rei.
Sorriso Bubista
Uma menina de Sal Rei interrompe as brincadeiras com as amigas para rir para a máquia fotográfica.
Montanha seca
Elevação do interior da ilha da Boa Vista, esculpida pelo ventos alísios.
Palmeira
Sombra de uma das palmeiras que dotam as dunas junto à chaminé de Chaves.
Peixeira de Sal Rei
Peixeira de Sal Rei, guarda um balde a transbordar de peixe acabado de pescar.
Suave Peixeirada
Peixeiras convivem à entrada da peixaria municipal de Sal Rei.
Mar agitado em Chaves
Banhistas enfrentam vagas poderosas na vasta Praia de Chaves.
Um velho mural dá mais cor à cidade de Sal Rei, a capital da ilha da Boa Vista.
Salina Curral Velho
Uma das salinas que justificou a formação da povoação de Curral Velho, hoje em ruínas.
Costura Caboverdiana
Costureira de Sal Rei termina um vestido azul numa velha máquina de costura.
Brincadeiras Marinhas
Três amigas brincam na maré vazia da Praia d D'Diante.
O Curral Velho
Ruínas e arbustos espinhosos da antiga povoação de Curral Velho.
ilha-boa-vista-cabo-verde-sal-sara-sandboard-dunas-chaves
Dois amigos chegam ao cimo de uma duna da Praia de Chaves, prestes a descê-la de sandboard.
Barco urbano
Barco e redes repousam contra uma casa de Sal Rei, a capital da ilha da Boa Vista.
Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.

Caminhamos pela beira-mar da grande praia de Chaves, de sobreaviso para as incursões das vagas areal acima.

Os alísios que as geram sopram forte. Em aliança, o vento e as ondas castigam o litoral arenoso do oeste da ilha. Mantêm a bandeira da praia vermelha e uns poucos banhistas de pé atrás.

Vemos os seus vultos ao longo da baía sem fim. Salpicam-na mesmo até ao sopé da cordilheira de areia que isola a praia da vastidão ocre do interior.

A água do mar está a 23º. Em dia de boa-disposição oceânica, os banhos e mergulhos dos vultos dariam que fazer ao nadador-salvador

Naquelas condições, o homem destacado permanecia semi-afundado na sua torre de madeira. Limitava-se a espreitar de quando em quando se alguma alma tresloucada desafiava o Atlântico.

Praia de Chaves, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Banhistas enfrentam vagas poderosas na vasta Praia de Chaves.

A Chaminé Emblemática (da Praia) de Chaves

Prosseguimos para norte, na direcção da velha chaminé de Chaves. Deixamo-la guiar-nos como um farol de tijolinho. Desde há muito desactivada e legada às dunas que a envolvem, por mais inverosímil que pareça, esta chaminé teve a sua era de glória fumarenta.

No início do século XX, investidores constaram que o solo argiloso em volta era ideal para produzir tijolos e telhas. E que os poderiam depois vender nos países mais próximos, nas Guinés, no Senegal. A unidade fabril desenvolveu-se.

Chegou a dar trabalho a dezenas de funcionários cabo-verdianos, alguns migrados de outras ilhas. Sem aviso, em 1928, a fábrica fechou as portas.

Com o tempo, ao sabor do vento, a areia e os arbustos invadiram a secção mais baixa dos fornos. Não tarda cem anos depois, a chaminé resiste, contra o céu quase sempre azulão.

Chaminé de Chaves, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal a Evocar o Sara

Dois banhistas correm em direcção à chaminé de Chaves, ápice de uma antiga fábrica de tijolos e telhas.

Tornou-se uma imagem de marca da ilha da Boa Vista. Por aqueles lados, só as palmeiras do restaurante Pérola de Chaves reptam a sua supremacia.

Mais passo menos passo, chegamos ao pequeno vale-oásis em que este negócio se instalou. Sentadas em cadeiras brancas, algumas famílias descontraem num convívio solarengo.

Nas imediações, dois amigos armados de sandboards, divertem-se a deslizar duna abaixo, com partida do cimo resvaladiço em que ondula uma bandeira cabo-verdiana.

Sandboard, Praia de Chaves, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Dois amigos chegam ao cimo de uma duna da Praia de Chaves, prestes a descê-la de sandboard.

Também subimos. Dali, contemplamos a vastidão de praia e semi-deserto dos 8km que ainda nos ainda separavam de Sal Rei, a capital de Boa Vista.

Meia Volta em Plenas Dunas da Boa Vista, em Busca da Capital Sal Rei

Convencidos de que, a pé, demoraríamos demais, regressamos ao ponto de partida.  Em Cabeçadas, apanhamos uma boleia para a cidade.

Chegamos a Sal Rei em cima das três e meia da tarde. O calor do sol a pique desvanecia-se. Isso facilitava-nos não só a deambulação como as fotografias consequentes.

Deixamos a boleia em plena Avenida dos Pescadores, a uns poucos metros do Wakan Bar que lhe serve de separador inusitado.

Espreitamos a Praia d´Diante. Percorremo-la até ao extremo oposto. Junto à casa Tut Dret, surpreende-nos o frenesim atlético de um ginásio ao ar livre.

O piso é o da areia da praia. A parede de uma casa abandonada e arruinada estava dotada de barras de ferro. Ali mesmo, sem grandes condições mas sem desculpas, cinco ou seis homens fortaleciam os músculos. Metemos conversa.

Exercício, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal a Evocar o Sara

Trabalhadores da ilha da Boa Vista exercitam-se num ginásio improvisado de Sal Rei.

Percebemos num ápice que eram quase todos, senão todos, imigrantes da Guiné Bissau. Trabalhavam como seguranças nos vários resorts disseminados pelo litoral balnear da Boa Vista. Percebia-se, assim, o afinco com que se entregavam às flexões, elevações e exercícios afins.

Na enseada por d’Diante, os barquinhos de pesca oscilavam, para cá, para lá, consoante o embalo do mar protegido, bem mais domado que o da Praia de Chaves.

Dois pescadores metem-se num deles e zarpam. Em terra, as gentes do bairro humilde que ocupou a saliência rochosa e repleta de limos que separava a praia Diante da baía ao lado faziam pelas vidas. Ou entretinham o tempo.

A Vida Pachorrenta da Capital Sal Rei

Dois compinchas disputavam uma partida de ouri, sobre uma tábua diminuta deste jogo africano. Uma dona sorridente limpava o seu bar Kapadocia para a noite que não tardaria a anunciar-se. Três jovens amigas munidas de pranchas artesanais brincavam às navegações nas piscinas e poças legadas pela maré-baixa.

Regressamos ao âmago urbano de Sal Rei. Deambulamos por entre o casario térreo, rendidos à beleza decadente dos seus pastéis há muito por repintar. Detemo-nos em frente a um desses edifícios despretensiosos.

Para variar, mal lhe vemos a fachada. Uma loja de artesanato cabo-verdiano e africano tinha-se dele apoderado. Uma sua funcionária costurava numa máquina digna de museu.

Costureira em Sal Rei, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Costureira de Sal Rei termina um vestido azul numa velha máquina de costura.

Um páreo, bandeira e mapa de Cabo Verde, fazia de saia da mesa em que assentava a máquina. De fita métrica ao pescoço, a senhora concedeu-nos um grande sorriso e momentos deliciosos de tagarelice, roubados à costura do vestido azul que finalizava.

Prosseguimos, com o ilhéu de Sal Rei sempre pela frente. Até esbarrarmos com uma extensão da avenida Amílcar Cabral já sem nome. E com a peixaria municipal da cidade.

À entrada, um grupo de peixeiras vestidas com lenços e capulanas garridas discutiam com grande alvoroço.

Nessa noite, a filha adolescente de uma delas não tinha dormido em casa. Inédito para a mãe, mais que um caso, a sua ausência era um drama cuja abordagem e resolução as colegas faziam questão de alvitrar.

Peixeiras, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Peixeiras convivem à entrada da peixaria municipal de Sal Rei.

Malgrado a comoção, atiramos uma outra piada e caímos no seu goto. Daí em diante, a discussão alternou com poses combinadas, com bocas e observações que nos fizeram corar.

À Descoberta do Deserto Insular da Boa Vista

Estávamos meros 16º acima do Equador. A noite caiu num ápice. Com os dias seguintes para planearmos, obrigados a despachar um “trabalho de escritório” que se acumulava, antecipamos o regresso ao hotel.

Cumprimo-lo num jipe Jimmy que tínhamos pré-alugado, achávamos que à altura da exploração da ilha.

Na manhã seguinte, deixamos Cabeçadas o mais cedo que conseguimos. Apontamos ao sul da ilha e à sua praia de Santa Mónica. Tínhamos pensado passar também pela da Varandinha.

Um inesperado fenómeno fluvial distraiu-nos dos planos e reteve-nos no deserto vermelho a sul do de Viana e da Ribeira do Rabil.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Elevação do interior da ilha da Boa Vista, esculpida pelo ventos alísios.

Conduzíamos por essa vastidão poeirenta, concentrados em nos mantermos no que achávamos ser a estrada. Sem aviso, um caudal surgiu do sentido contrário. Percorria-a sem grandes pressas, com avanços bifurcados, nem sempre sincronizados.

Aquele riacho rodoviário deixou-nos boquiabertos. Segundo nos explicaram mais tarde, acontecia porque os alísios fortalecidos do Inverno desviavam água da Ribeira do Rabil. Faziam-na fluir, como rios espontâneos, pelos sulcos mais profundos do deserto.

Confirmar de onde provinha, ia exigir-nos um desvio de muitos quilómetros. De acordo, retomámos o destino original do Kurral Bédju.

Passamos pelo derradeiro resort com visual magrebino do sul. Logo, por um enorme rebanho de cabras ansiosas por beber de um tanque próximo.

Cabras, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, Evocar o Sara

Rebanho de cabras aproxima-se de um tanque de água onde é suposto matarem a sede.

Curral Velho da Boa Vista. Legado de Uma Povoação que Entrou em Ruína

Desse limiar do asfalto e da civilização bubista, metemo-nos numa das estradas mais pedregosas da ilha. Quinze minutos de solavancos depois, de novo na iminência do Atlântico, encontramos as ruínas que buscávamos, também elas pétreas, esterilizadas pelo sol inclemente.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Ruínas e arbustos espinhosos da antiga povoação de Curral Velho.

Eram, sobretudo, paredes e muros, com a companhia de arbustos espinhosos.

O Curral Velho espreitava uma lagoa salgada. Numa ilha seca e inóspita como Boa Vista, foram essa mesma lagoa e o seu sal que justificaram a presença humana naqueles confins inóspitos.

À imagem do que sucedeu na ilha vizinha do Sal, além de peixe, os nativos do Curral Velho tinham sal, ali à mão de semear.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Uma das salinas que justificou a formação da povoação de Curral Velho, hoje em ruínas.

Ora, bem mais que o peixe, o sal era raro. E valioso.

A sua exportação para o litoral da África continental e para outras ilhas de Cabo Verde gerou um sustento que compensava a agrura de subsistir naquele inferno áspero.

No pino do Verão, a temperatura roçava os 40º. Em qualquer altura do ano, garantir água potável revelava-se um desafio complicado. Como se não bastasse, mesmo elementar, a partir do século XIX, a povoação viu-se vítima das incursões de piratas a Boa Vista.

Os ilhéus reorganizaram-se. Ergueram o Forte Duque de Bragança no ilhéu de Sal Rei e mudaram-se para uma zona sob a sua protecção, a área da cidade contemporânea de Sal Rei.

Com a ilha do Sal e outros lugares concorrentes a fornecerem muito mais sal, o Curral Velho foi abandonado ao sol, ao tempo, e às aves e tartarugas que proliferam no areal-palmeiral da Paisagem Protegida envolvente.

Coqueiros, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal a Evocar o Sara

Dois coqueiros destacam-se do solo arenoso em redor das ruínas do Curral Velho.

Povoação Velha e o Velho Deserto de Viana

No regresso, desviamos para a Povoação Velha. Mais que o Curral Velho, é esta a povoação na génese da história da Boa Vista. Encontramos apenas algumas filas de casas baixas, brancas, azuis, dispostas no sopé de morros esquecidos pela erosão.

Separam-nas uma estrada calçada ampla que, malgrado a secura, os moradores procuram dotar de palmeiras verdejantes.

Ache-se o que se achar, apesar da sua insignificância, esta que foi a primeira povoação da Boa Vista foi também a sua capital. Até 1810, o ano em que a recém-fortificada Sal Rei assumiu o protagonismo.

Regressamos ao jipe. Saímos para lá orientados. Detemo-nos a admirar as dunas do pequeno Deserto de Viana, que se diz medir 1km de largura por 5km de comprimento.

Na prática, este mini-deserto é um reduto em que se concentram as areias sopradas do Sara pelos alísios, em forma de sucessivas dunas.

À boa maneira do Sara, acolhe as suas próprias tamareiras e algumas das incontáveis acácias que tingem de verde a Boa Vista. Já a comunidade de coqueiros, essa, dificilmente a veríamos no grande deserto original.

Palmeira, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

Sombra de uma das palmeiras que dotam as dunas junto à chaminé de Chaves.

Em vez de nos determos em Sal Rei, continuamos até à praia da Atalanta.

Com uns desafogados 10km de extensão, virada a norte, exposta a todos os ventos, os alísios e os menos constantes, batida por tempestades e vagas sem fim, na praia da Atalanta desvendamos o lado mais selvagem da Boa Vista. De tal maneira rude e selvagem que reclamou e exibe aos seus visitantes chegados por terra, uma das suas vítimas náuticas.

A Praia da Atlanta e o Destroço Fantasmagórico do cargueiro “Cabo de Santa Maria”

Estacionamos o Jimmy. Caminhamos praia fora.

Decorrida quase uma hora, vislumbramos o objectivo da caminhada, um destroço adornado, ferrugento e fantasmagórico de navio que as vagas nos pareciam atravessar.

A 1 de Setembro de 1968, o cargueiro espanhol “Cabo Santa Maria” encalhou, ali mesmo, tudo aparenta que para sempre.

À imagem da chaminé de Chaves, tornou-se um símbolo de Boa Vista.

Mesmo se a sua derradeira viagem náutica e o naufrágio permanecem envoltas em controvérsia.

Cargueiro Cabo Santa Maria, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara

As vagas do Atlântico embatem no cargueiro “Cabo Santa Maria” e prosseguem para o areal da Praia de Atlanta.

A versão mais popular é a de que o “Cabo Santa Maria” viajava de Génova rumo ao porto de Santos – onde ficaria a maior parte da carga enviada por Espanha – e à Argentina.

Diz-se ainda que o cargueiro transportava quatro sinos destinados a uma catedral de Brasília.

A razão fulcral do naufrágio está por apurar. Sabe-se que, pouco depois de deixar Tenerife, a tripulação se confrontou com uma tempestade tropical e com ventos alísios ciclónicos.

Não foi considerada razão suficiente para um cargueiro tão grande e bem equipado acabar encalhado. Ao longo do tempo, muitas outras suspeitas de incompetência e de desleixo têm sido levantadas.

O que se sabe ao certo, é que, na manhã de Domingo, dia 1 de Setembro de 1968, os habitantes da Boa Vista se depararam com o navio encalhado e geraram uma corrente contínua de desembarque da carga. Durante quase um ano, o “Cabo Santa Maria” deu trabalho a muitos moradores.

Mesmo considerando que a carga mais volumosa e valiosa foi guardada, conta-se que, à laia de Pão por Deus náutico, quase todas as azeitonas, azeite, melões, vinho Jerez, farinhas e muitos outros alimentos terminaram à mesa dos boavisteiros.

Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Chania Creta Grécia, Porto Veneziano
Cidades
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Cultura
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Étnico
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Verão Escarlate
História

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

À boleia do mar
Ilhas
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Cavalgada em tons de Dourado
Parques Naturais
El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Património Mundial UNESCO
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Sociedade
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES