Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria


Verão Escarlate

Papoilas proliferam num prado da "comunidad" de Valência, entre Xátiva e Dénia.

Luzes da Ribalta, Luzes de Dénia

Iluminação da marginal de Dénia dá mais fulgor a um lusco-fusco já de si bastante colorido.

Pesca à rede, muita rede.

Pescador prepara-se para zarpar para as águas da Albufera del Palmar, alguns km a sul de Valência.

Mediterrâneo áspero

Litoral rochoso e forrado a lajes nas imediações do Cap de La Nau.

Doca El Palmar

Barcos de pesca ancorados num pequeno pontão flutuante da albufeira El Palmar.

Casario de Xàtiva

Casario uniforme de Xàtiva, invariavelmente branco e com telhas a que o tempo deu tons de pastel.

Fim da Linha

Ciclista aproveita uma pausa para admirar a paisagem lacustre da albufeira El Palmar.

Muralhas Valencianas I

Sol amarela os paredões imponentes do castelo de Dénia, outra cidade em tempos defendida a partir de uma colina.

Mediterrâneo áspero II

Litoral rochoso e forrado a lajes nas imediações do Cap de La Nau.

Muralhas Valencianas II

Parte da estrutura medieval do castelo de Xàtiva, no sul da província de Valência.

Igreja de San Felix

Torres e cúpulas da igreja de San Félix, uma de várias nas imediações de Xàtiva.

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Valência permanecia coberta por um manto de nuvens cinzentas que prometiam aguaceiros a qualquer momento. A promessa não tardou a cumprir-se. Banida pelo sol e batida pela chuva, a cidade acinzentou-se ainda mais.

A Puente del Mar, uma das várias sobre o rio Turia, que dão acesso ao casco antigo, surge-nos perdida na névoa, atravessada, de quando em quando, por moradores e forasteiros que as figuras da Virgem e de San Pascual abençoam em permanência. Passado o rio para oeste, alcançamos a Plaza Porta del Mar. Daí para diante, Valência revela-nos o seu pólo histórico majestoso e os seus mais impressionantes testemunhos seculares: o Palácio de Cervelló, a Iglésia de Santo Tomás y San Felipe Neri e a Plaza de la Reina, assinalada, à distância, pelas torres altivas da catedral Miguelete  e da Iglésia y Torre de Santa Catalina.

Apesar das bátegas e do vento que entretanto concederiam tréguas, aglomeram-se, ali, centenas de visitantes deliciados pela combinação improvável da atmosfera medieval e religiosa dos monumentos com o reduto pagão dos bares e pubs das redondezas. Enquanto, no interior sombrio do denominado Conjunto Catedralício, alguns forasteiros se esforçam por respeitar os usuais avisos de silêncio, nas esplanadas ainda encharcadas em torno, outros entregam-se a uma galhofa cosmopolita alimentada por sucessivas rodadas de cañas e de tapas.

Abandonamos a Plaza de la Reina, percorremos a Calle San Vicente Martir e evitamos voltar a meter-nos no quase labirinto constituído pelas ruelas e becos circundantes, de onde, já antes tínhamos demorado demasiado tempo a sair.

A noite não tarda a instalar-se. Investigamos a animação de um ou outro bar mas não tardamos a recolher ao alojamento. Na manhã seguinte, íamos partir bem cedo para sul, em direcção a Dénia. Quanto a Valência, por termos o tempo contado, limitámo-nos a passar os olhos pela histórica. A futurista ou do Tercer Milénio – como gostam de lhe chamar os valencianos – deixámo-la para uma próxima visita.

O novo dia raiou com um sol intenso que parecia querer compensar os danos plúvios de até então. Entusiasmados pelo inesperado estímulo meteorológico, despachamos o pequeno-almoço e fazemo-nos à estrada. 

Deixamos para trás os arredores modernos e algo caóticos da cidade. Segundo indicavam os roteiros, os próximos locais dignos de atenção, situavam-se 20 km para sul, todos eles no Parque Natural de La Albufera,  um grande lago formado pelo assoreamento de uma entrada do Mediterrâneo e pelas praias a norte e a sul. 

Mas, como portugueses, e habituados – como estamos todos – a praias mais a sério, cedo nos pareceu que aquele litoral algo descaracterizado e quase sem ondas dificilmente nos impressionaria. De acordo, dedicámo-nos a explorar apenas a lagoa, subsumida por detrás de um capim alto e denso que escondia incontáveis aves lacustres e também pescadores atarefados. Chegamos ao extremo de um pequeno pontão de madeira quando um deles aparece detrás do canavial elevado em jeito de gondoleiro improvisado, em equilíbrio sobre uma embarcação de madeira de que transbordam redes enroladas. Não vemos sinais de peixe a bordo e quando o homem atraca junto ao pontão perguntamos-lhe em castelhano, mais na brincadeira que outra coisa, como andava a lagoa de pescarias.

“Espanhóis não são de certeza e, se fossem, só podiam ser galegos.” responde-nos com humor e atrevimento. “Bom, com portugueses conversamos sempre um pouco em castelhano, não há problema, mesmo se não é a nossa língua que isto de Espanha já fez mais sentido, como andam certamente a reparar. É o mesmo que se passa com a lagoa. Com a saída para o mar fechada como está, há dias em que andamos para aqui quase só a fazer figura. Como hoje, por exemplo.” Percebemos que o desembarque das redes ia ser um bico de obra e deixamo-lo entregue à faina e à sua indignação político-pesqueira.

Pouco depois, avançámos para Dénia e descemos até ao Cabo de la Nau que marca o ponto mais oriental da comunidade valenciana, aponta para Formentera e para o restante arquipélago das Baleares, ao largo.

Percorremos a zona setentrional da província de Alicante quando damos com o castelo originalmente mouro amarelado de Dénia, de frente para uma baía repleta de embarcações, umas piscatórias, outras nem por isso ou não fosse a cidade um importante entreposto portuário dos ferries de e para as Baleares.

Exploramos o casario baixo em redor das muralhas e subimos ao interior da fortificação de arenito. Dali, já sobre o fim da tarde, apreciámos as redondezas a 360 graus. Já com o crepúsculo a impor o seu azul etéreo, regressámos ao sopé litoral da encosta e juntamo-nos à turba boémia da marginal, com bastante mais disponibilidade que a que tivemos, à partida, em Valência. À imagem de Dénia, também grande parte do encanto do próximo destino no mapa, Xàtiva, se devia ao seu castelo.

A viagem entre os dois lugares voltou a provar-se curta. Fizemo-la por um trajecto sinuoso e bucólico, ao longo de uma sequência de florestas, campos, vinhas e pomares apenas quebrada por vilas ou aldeias pitorescas.

À chegada, Xàtiva ludibria-nos. A estrada contorna uma grande colina, íngreme que baste para impedir que, de cá debaixo, se vislumbre o cenário medieval do topo. Acontece-nos inevitavelmente o que afecta quem desconhece aquelas paragens: seguimos para o centro urbano mais agitado da povoação e falhamos por completo o monumento que dela mais se destaca.

Só mais tarde, alcançamos o casco histórico por um caminho vertiginoso que se interna nas ruas estreitas e sombrias formadas pelo casario antigo até que o ultrapassa em altitude e nos proporciona uma magnífica panorâmica da baixa-Xàtiva.

Continuamos a subir. Chegamos aos limites das longas muralhas e o cenário tem parecenças com o do cimo do castelo dos Mouros de Sintra.

A presença e os períodos de conquistas e reconquistas entre cristãos e infiéis, bem como outros confrontos “internos” posteriores, também ali deixaram vestígios imponentes. Xàtiva chegou a rivalizar em importância política e eclesiástica com a própria cidade de Valência. Esteve na origem e na vida da sempre poderosa e polémica família da Casa de Borja e dos dois papas Bórgias, Calixto III e Alexandre VI. Durante o reinado deste último, na sua ânsia por mais e mais poder, a família já italianizada fez inimigos de morte nos rivais portentosos Medici e Sforza, também reconhecidamente no frade dominicano Savonarola, entre outros. Foram de tal maneira conflituosos, que se popularizou com o passar dos séculos o desabafo de Toffana, um dos seus vários servos arrependidos: “Devia era ter ficado nos estábulos. Que família tem este Papa!”

Os Bórgias foram acusados de tudo um pouco. De incesto, adultério, roubo e subornos sistemáticos. Ao mesmo tempo, foram patronos dinâmicos do movimento renascentista. Continuam, aliás, a dar que fazer às artes.

Inspiraram recentemente uma série profícua de TV da sempre criativa produtora Showtime. E fascinam e viciam a maior parte dos jogadores de  Assassins Creed, uma longa sequela de jogos de vídeo multiplataforma em que as suas venturas e desventuras têm grande destaque. Só por si, a génese da família, confere importância e significado suplementar a Xàtiva. Implica a visita guiada a uma série de igrejas, capelas e palácios senhoriais e uma descoberta mais exaustiva da vida atribulada dos Bórgias. É o que continuamos a fazer. 

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Natal de todas as cores
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Cortejo garrido
Cidades

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Ilha menor
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Sombra de sucesso
Cultura

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Sal Muito Grosso
Em Viagem

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Maksim
Étnico

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Celebração Nahuatl
História

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Baía profunda
Ilhas

Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores há só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Eternal Spring Shrine
Natureza

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fila chilena
Parques Naturais

Pucón, Chile

A Brincar com o Fogo

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.

Património Mundial Unesco
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Brigada incrédula
Praia

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Puro Pacífico do Sul
Sociedade

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.