Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique


Fotografia macro-acrobática
Dois visitantes tentam fotografar os caranguejinhos endémicos dos Jameos del Água.
Selfie da praxe
Visitantes da Fundación César Manrique com o vulcão Tahíche em fundo.
El Jameo
Obra símbolo dos Jameos del Água, inspirada nos pequenos caranguejos endémicos destas grutas.
Caminho insólito
Panorâmica da Fundación César Manrique, no limiar da lava libertada pelo vulcão Tahíche.
Magma Decor
Sala subterrânea da Fundación César Manrique.
Deslumbre a dois
Visitantes exploram um dos trilhos do Jardin del Cactus.
Vulcano-Piscina
A Piscina tropical dos Jameos del Água.
Túnel de luz
Jogo de luz mágico no interior dos Jameos del Água.
Uma Fundação Centenária
Edifício da Fundación César Manrique, com o vulcão Tahíche fundo.
Vapores de magma
Funcionário do PN Timanfaya leva a cabo uma experiência vulcânica em frente ao restaurante El Diablo, com arquitectura de César Manrique.
Ascensão em loop
Visitantes sobem a escadaria de acesso ao restaurante do Museo del Campesino.
Passeios em duo
Panorâmica do Museo del Campesino, no âmago da ilha de Lanzarote.
Floresta de cactus
Uma das secções mais exuberantes do Jardin del Cactus, uma das obras de César Manrique.
Jardin-casa-Saramago-e-pilar-Lanzarote-Canarias-Espanha
Mãe e filha visitantes da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, percorrem o jardim.
Sobre o abismo
Fotografia no limiar norte de Lanzarote, com a silhueta da ilha Graciosa em fundo. Um lugar da ilha adorado por Manrique e onde ergueu o seu Mirador del Rio.
Multidão nas profundezas
Grupo de visitantes no interior da Cueva de los Verdes, iluminado por Jesús Soto, um amigo de Manrique.
Cores ao vento
Um engenho de vento da autoria de César Manrique, à entrada da sua fundação.
Parede Rica
Recanto criativo da Fundação César Manrique, adornado com elementos visuais da ilha.
Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.

Não há como falhar, é tão simples como isso.

Quem, como nós, procura os lugares imperdíveis de Lanzarote, acaba por os listar a todos num itinerário de descoberta da ilha: o Jardin de Cactus, em Guatiza, os Jameos del Água, o Mirador del Rio, a Casa-Museo del Campesino e o Monumento Al Campesino, o Restaurante El Diablo das Montanhas del Fuego, o Museu LagOmar. Sem esquecer a Casa-Museo e a Fundação César Manrique. Todos estes, entre outros menos populares. Nem por isso a ignorar.

Jardin del Cactus, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes exploram um dos trilhos do Jardin del Cactus.

Nos dias que passamos em Lanzarote visitamos, claro está, aquele que foi o refúgio de José Saramago da hipocrisia e intolerância beata de demasiados dignitários e instituições portuguesas para com a sua pessoa e a sua obra.

Dois Autores Geniais para Sempre na História de Lanzarote

A presença de Saramago em Lanzarote de 1992 a 2010 (ano da sua morte) centrou a atenção dos media na vida exilada do escritor, sobretudo no período que se seguiu à atribuição do Prémio Nobel da Literatura, em 1998.

Hoje, o legado de Saramago está eternizado à escala universal em cada página dos livros que escreveu. Após a sua morte, em termos tangíveis, imobiliários, vá lá que seja, Lanzarote, preservou pouco mais a casa de Saramago e Pilar, com a biblioteca de ambos, o escritório do escritor e restantes espaços comuns, incluindo uma varanda que dá para um jardim verdejante, com vista sobre o Atlântico.

Este património não chega a concorrer com o deixado por César Manrique, de tal forma abundante e diversificado que, a determinada altura, nos dá a sensação de se confundir com a ilha.

Visitantes no jardim da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, Canárias

Mãe e filha visitantes da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, percorrem o jardim.

Nos dias supostamente primaveris que passamos em Lanzarote, os dias amanhecem nublados e frescos. Só já bem para o fim da manhã consegue o sol afastar o manto de nuvens denso que se forma durante a noite para logo fazer resplandecer os cenários.

As Formas e as Cores Lanzarotenhas de César Manrique

Sob as nuvens, Lanzarote parece-nos uma ilha a preto e branco com laivos de verde. Mal o grande astro irrompe por entre a nebulosidade, esse tricolorido ganha uma dimensão e complexidade de tons e formas antes difíceis de prever. Muitas das formas humanizadas de Lanzarote – de entre as excêntricas, pelo menos – são os contornos, jeitos e trejeitos da mente insatisfeita de César Manrique.

Os primeiros de que damos conta, encontramo-los nas imediações de San Bartolomé, no coração da ilha. Seguimos a estrada Tinajo quando vislumbramos uma espécie de totem modernista bem destacado acima do asfalto e dos campos em redor.

A escultura “Fecundidad”, de 1968, serve-nos de farol. Guia-nos até ao Museo del Campesino circundante. Gerações após gerações, os nativos de Lanzarote viram-se servos de uma vida rural extenuante, local ou emigrada, em Lanzarote ainda mais ingrata devido à dificuldade em cultivar e obter produção de um solo vulcânico áspero.

Com o monumento e o museu, Manrique granjeou aos descendentes uma obra que dignifica e celebra a era dos seus pais, avós e bisavós. Lá encontramos um conglomerado de pequenos edifícios alvos com janelos e varandins verdes que contrastam com a negrura vulcânica em redor.

Museo del Campesino, Lanzarote,

Panorâmica do Museo del Campesino, no âmago da ilha de Lanzarote.

César Manrique dotou-os de algumas das expressões incontornáveis da cultura campesina de Lanzarote: os vinhedos sobre a lava, protegidos por muros de pedra basáltica, à imagem dos da ilha do Pico. Instalações com os instrumentos mais usados na lavra da terra e na pecuária. Pequenas oficinas de tecelagem e cerâmica, exemplos pitorescos da arte que as gentes de Lanzarote aperfeiçoaram com os séculos e lojas que vendem exemplares em forma de recuerdos.

Madrid, Nova Iorque. De Lanzarote a… Lanzarote.

Manrique viveu o que pôde em Lanzarote. Na sua adolescência, mudou-se para Tenerife. Lá estudou arquitectura sem ter completado a licenciatura. Entre 1936 e 1939, alistou-se como voluntário numa unidade de artilharia do exército que servia Franco. Em 1945, mudou-se para Madrid.

Na capital espanhola, recebeu uma bolsa para frequentar a Escola de Belas-Artes de San Fernando. Nesta escola, formou-se como professor de arte e de pintura. Manrique viveu e expôs as suas obras de arte não-figurativa em Madrid durante os 19 anos que se seguiram.

Nesse tempo, foi associado ao movimento “informalista” que então ganhava relevo em Espanha, visto como um empenhado abstracionista, obcecado pelas propriedades e especificidades da matéria. Em particular, com as da diversificada matéria vulcânica de que era e é feita Lanzarote. Em 1964, Manrique mudou-se para Nova Iorque. De chegada à Big Apple, voltou a ver o mundo com outros olhos.

Sala da Fundación César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Sala subterrânea da Fundación César Manrique.

César Manrique, o Autor e Artista Multifacetado

Em contacto permanente com o Expressionismo abstracto norte-americano, com a pop e a kinetic art que despontavam, Manrique enriqueceu o seu próprio estilo, aventurou-se de corpo e alma em diversas disciplinas. De tal maneira que, nos dias que correm, ninguém se atreve a catalogá-lo como escultor, pintor ou arquitecto. Nem sequer como pertencendo mais a uma destas modalidades da arte.

Em Nova Iorque, viu ser-lhe atribuída uma bolsa Rockefeller que lhe permitiu alugar um estúdio e viver na cidade. Conheceu e lidou com outros artistas e personalidades de renome, entre os quais Andy Warhol. O seu crescente estatuto e o das obras que criou já na cidade granjeou-lhe três exibições a solo na conceituada galeria Catherine Viviano. E um crescente desafogo financeiro.

A Beleza Crua e Insuperável de Lanzarote

Na sua mente, Nova Iorque era, no entanto, Nova Iorque. Por mais fascínio cosmopolita e artístico que a megalópole norte-americana lhe despertasse, nenhum lugar chegava aos calcanhares da sua Lanzarote. Manrique chegou a proferir “Para mim, (Lanzarote) era o lugar mais bonito na Terra e eu percebi que se as pessoas o pudessem ver pelos meus olhos, pensariam a mesma coisa.” Mais que uma declaração, estas suas palavras não tardaram a soar a missão. A aventura novaiorquina durou dois anos.

Em 1966, Manrique regressou e entregou-se de alma e coração à sua ilha. Por esta altura, o turismo começava a tomar conta das povoações mais sedutoras de Espanha e, em particular, das Canárias.

Com os seus cenários resultantes de um vulcanismo excêntrico, Lanzarote, tinha o destino traçado por um exército de investidores construtores civis que proliferavam sem controle na Espanha de Franco: ser inundado de hotéis e resorts de cimento que acolheriam milhares de forasteiros e incentivariam novas construções afins.

De uma forma precoce, Manrique lutou pela sua consciência ecológica da paisagem, pela preservação da sua ilha e das Canárias. Malgrado o inexorável crescimento local do turismo, pelo menos em Lanzarote, vários dos seus pedidos às autoridades e à população continuam a ser atendidos.

São raros os outdoors publicitários e as vedações a infestar a beira das estradas, os prédios altos provam-se inexistentes e os moradores cativados pela filosofia de Manrique acrescentam tons pastel harmoniosos às paredes tradicionalmente brancas das casas. Em vez dos outdoors publicitários, muitas rotundas foram embelezadas com intrigantes engenhos movidos a vento.

Engenho de vento, Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Um engenho de vento da autoria de César Manrique, à entrada da sua fundação.

Fundação César Manrique: o projecto gradual e fulcral que Manrique nunca viu terminado

É um destes moinhos esdrúxulos mas hipnotizantes que nos recebe e fixa o olhar quando chegamos à entrada da Fundação César Manrique, uma verdadeira base experimental e galeria de arte expandida a partir da casa que habitava em Tahíche. Isto, ainda antes de se ter mudado para a sua amada Haría, um vilarejo repleto de palmeiras, verdejante a condizer, situado no norte da ilha.

Na Fundação de Manrique, desvendamos, semi-incrédulos, aquilo em que se transformou o lar desafogado em que se instalou após o seu regresso de Nova Iorque, um lote com 30002 disposto em boa parte, sobre a lava de uma erupção do século XVIII do vulcão de Tahíche.

Visitantes numa secção da Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes da Fundación César Manrique com o vulcão Tahíche em fundo.

À medida que progredimos pelo espaço branco-cinza lava, salpicado de cardones espinhosos e um sortido improvável obras de arte: os estúdios dos artistas a ocuparem os antigos quartos do andar superior.

A cave disposta a agrupar cinco câmaras de lava amplas legadas pela solidificação do magma, cada qual decorada no seu próprio estilo inusitado, uma delas a dar para um jardim que faz fronteira com a própria maré de lava, embelezado de uma piscina, uma área de churrascos e até uma pista de dança.

Obras de Manrique mas Não Só

De volta ao âmbito que lá nos levou, a Fundação acolhe ainda uma galeria que expõe várias das obras da autoria de Manrique outras por ele obtidas ao longo da sua vida, entre as quais, esboços originais de Pablo Picasso e de Joan Miró.

A partir de 1982, a Fundação foi expandida por Manrique e um grupo de amigos. Só viria a ser aberta ao público dez anos mais tarde, após o acidente de viação ocorrido nas imediações da fundação que lhe abreviaria a vida.

A fundação César Manrique revelou-se um projecto gradual. Até porque Manrique e os seus a desenvolveram em simultâneo com intervenções paralelas que moldaram para sempre a ilha de Lanzarote e contribuíram para que conquistasse a classificação protectora de Reserva da Biosfera, a segunda a ser atribuída pela UNESCO às Canárias em 1993, dez anos após a classificação de La Palma.

Recanto da Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Recanto criativo da Fundação César Manrique, adornado com elementos visuais da ilha.

Um Périplo Fascinante por Outras das Intervenções de Manrique

Como o próprio Manrique definiu “Eu tento ser a mão livre que molda a geologia.” E, de facto, a sua mente e mãos moldaram para sempre Lanzarote e outras ilhas das Canárias.

Depois da curta passagem pelo restaurante “El Diablo” do PN Timanfaya e das aventuras sensoriais do Museu del Campesino e da Fundação, progredimos para norte.

Experiência térmica em frente ao restaurante El Diablo, PN Timafaya, Lanzarote, Canárias, Espanha

Funcionário do PN Timanfaya leva a cabo uma experiência vulcânica em frente ao restaurante El Diablo, com arquitectura de César Manrique.

Damos entrada nos Jameos de Água e na Cueva de los Verdes, ambos situados num túnel vasto produzido por erupções do vulcão Corona, em pleno Monumento Natural del Malpaís de la Corona. O primeiro, surge à beira do oceano Atlântico, o último, mais para o interior, dotado de uma sala de concertos que, com meras cadeiras e um palco aproveita a magnificência e a acústica especial da câmara.

Lá nos deslumbramos com a decoração, o paisagismo e os jogos de luz emprestados por Manrique e pelo seu aliado Jesús Soto.

Ao entrarmos nas profundezas dos Jameos, a elegância colorida e luxuriante da câmara adaptada a sala de refeições insinua-se como um prenúncio do insólito subterrâneo que se segue. Descemos a escadaria para a beira de um lago azulado. Alguns visitantes chegados antes de nós acocoram-se minutos a fio.

Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes tentam fotografar os caranguejinhos endémicos dos Jameos del Água.

Demoramos mas percebemos que se esforçam para fotografar os caranguejinhos albinos e cegos (munidopsis polyorpha) endémicos da gruta, num fundo pintado de vermelho pela luz artificial ali dissimulada e que contrasta com o azul petróleo da lagoa.

Cruzamos para o lado de lá. Da margem oposta, como por magia, vemos a escadaria vermelha espelhar-se e duplicar-se na água. De volta à superfície, ficamos de boca a aberta a contemplar a espécie de praia tropical-vulcânica e afundada com que Manrique continua a prendar os visitantes.

Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha

Jogo de luz mágico no interior dos Jameos del Água.

Dos Jameos del Água ao Mirador del Rio

Mais alguns quilómetros para norte, passamos pela sua casa de Haría, situada em pleno palmeiral e onde estão preservados mobília e pertences bem como o novo estúdio em que trabalhou até à morte.

Chegados ao limiar norte e abismal de Lanzarote, sob uns alísios furibundos, deixamo-nos deslumbrar pela miragem real da pequena ilha vizinha de La Graciosa e do arquipélago Chinijo. Esta sempre foi uma das vistas que mais admiração gerou em Manrique.

Sem espanto, Manrique lá ergueu o Mirador del Rio, um edifício que se confunde com a Natureza fronteiriça e, através das formas e da luz, a torna mais rica e acolhedora. César Manrique também proferiu alto e em bom tom que “Lanzarote era como uma obra de arte sem moldura e por montar e que a pendurava e segurava para que todos pudessem admirar”.

Casal no limiar norte de Lanzarote, Canárias, Espanha

Fotografia no limiar norte de Lanzarote, com a silhueta da ilha Graciosa em fundo. Um lugar da ilha adorado por Manrique e onde ergueu o seu Mirador del Rio.

Poderíamos ter passado outra semana a explorar e louvar o império artístico-naturalista que legou à sua ilha.

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
As forças ocupantes
Cidades

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Cultura
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Telhados cinza
Étnico

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Normatior
História

PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.

Um cenário imponente
Ilhas

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Túnel de gelo
Natureza

Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Baie d'Oro
Praias

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Cavaleiros do Divino durante a Festa do Divino Espírito Santo, Pirenópolis, Brasil
Religião
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Trólei Azul
Sociedade

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.