Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique


Fotografia macro-acrobática
Dois visitantes tentam fotografar os caranguejinhos endémicos dos Jameos del Água.
Selfie da praxe
Visitantes da Fundación César Manrique com o vulcão Tahíche em fundo.
El Jameo
Obra símbolo dos Jameos del Água, inspirada nos pequenos caranguejos endémicos destas grutas.
Caminho insólito
Panorâmica da Fundación César Manrique, no limiar da lava libertada pelo vulcão Tahíche.
Magma Decor
Sala subterrânea da Fundación César Manrique.
Deslumbre a dois
Visitantes exploram um dos trilhos do Jardin del Cactus.
Vulcano-Piscina
A Piscina tropical dos Jameos del Água.
Túnel de luz
Jogo de luz mágico no interior dos Jameos del Água.
Uma Fundação Centenária
Edifício da Fundación César Manrique, com o vulcão Tahíche fundo.
Vapores de magma
Funcionário do PN Timanfaya leva a cabo uma experiência vulcânica em frente ao restaurante El Diablo, com arquitectura de César Manrique.
Ascensão em loop
Visitantes sobem a escadaria de acesso ao restaurante do Museo del Campesino.
Passeios em duo
Panorâmica do Museo del Campesino, no âmago da ilha de Lanzarote.
Floresta de cactus
Uma das secções mais exuberantes do Jardin del Cactus, uma das obras de César Manrique.
Jardin-casa-Saramago-e-pilar-Lanzarote-Canarias-Espanha
Mãe e filha visitantes da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, percorrem o jardim.
Sobre o abismo
Fotografia no limiar norte de Lanzarote, com a silhueta da ilha Graciosa em fundo. Um lugar da ilha adorado por Manrique e onde ergueu o seu Mirador del Rio.
Multidão nas profundezas
Grupo de visitantes no interior da Cueva de los Verdes, iluminado por Jesús Soto, um amigo de Manrique.
Cores ao vento
Um engenho de vento da autoria de César Manrique, à entrada da sua fundação.
Parede Rica
Recanto criativo da Fundação César Manrique, adornado com elementos visuais da ilha.
Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.

Não há como falhar, é tão simples como isso.

Quem, como nós, procura os lugares imperdíveis de Lanzarote, acaba por os listar a todos num itinerário de descoberta da ilha: o Jardin de Cactus, em Guatiza, os Jameos del Água, o Mirador del Rio, a Casa-Museo del Campesino e o Monumento Al Campesino, o Restaurante El Diablo das Montanhas del Fuego, o Museu LagOmar. Sem esquecer a Casa-Museo e a Fundação César Manrique. Todos estes, entre outros menos populares. Nem por isso a ignorar.

Jardin del Cactus, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes exploram um dos trilhos do Jardin del Cactus.

Nos dias que passamos em Lanzarote visitamos, claro está, aquele que foi o refúgio de José Saramago da hipocrisia e intolerância beata de demasiados dignitários e instituições portuguesas para com a sua pessoa e a sua obra.

Dois Autores Geniais para Sempre na História de Lanzarote

A presença de Saramago em Lanzarote de 1992 a 2010 (ano da sua morte) centrou a atenção dos media na vida exilada do escritor, sobretudo no período que se seguiu à atribuição do Prémio Nobel da Literatura, em 1998.

Hoje, o legado de Saramago está eternizado à escala universal em cada página dos livros que escreveu. Após a sua morte, em termos tangíveis, imobiliários, vá lá que seja, Lanzarote, preservou pouco mais a casa de Saramago e Pilar, com a biblioteca de ambos, o escritório do escritor e restantes espaços comuns, incluindo uma varanda que dá para um jardim verdejante, com vista sobre o Atlântico.

Este património não chega a concorrer com o deixado por César Manrique, de tal forma abundante e diversificado que, a determinada altura, nos dá a sensação de se confundir com a ilha.

Visitantes no jardim da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, Canárias

Mãe e filha visitantes da casa de Saramago e Pilar em Lanzarote, percorrem o jardim.

Nos dias supostamente primaveris que passamos em Lanzarote, os dias amanhecem nublados e frescos. Só já bem para o fim da manhã consegue o sol afastar o manto de nuvens denso que se forma durante a noite para logo fazer resplandecer os cenários.

As Formas e as Cores Lanzarotenhas de César Manrique

Sob as nuvens, Lanzarote parece-nos uma ilha a preto e branco com laivos de verde. Mal o grande astro irrompe por entre a nebulosidade, esse tricolorido ganha uma dimensão e complexidade de tons e formas antes difíceis de prever. Muitas das formas humanizadas de Lanzarote – de entre as excêntricas, pelo menos – são os contornos, jeitos e trejeitos da mente insatisfeita de César Manrique.

Os primeiros de que damos conta, encontramo-los nas imediações de San Bartolomé, no coração da ilha. Seguimos a estrada Tinajo quando vislumbramos uma espécie de totem modernista bem destacado acima do asfalto e dos campos em redor.

A escultura “Fecundidad”, de 1968, serve-nos de farol. Guia-nos até ao Museo del Campesino circundante. Gerações após gerações, os nativos de Lanzarote viram-se servos de uma vida rural extenuante, local ou emigrada, em Lanzarote ainda mais ingrata devido à dificuldade em cultivar e obter produção de um solo vulcânico áspero.

Com o monumento e o museu, Manrique granjeou aos descendentes uma obra que dignifica e celebra a era dos seus pais, avós e bisavós. Lá encontramos um conglomerado de pequenos edifícios alvos com janelos e varandins verdes que contrastam com a negrura vulcânica em redor.

Museo del Campesino, Lanzarote,

Panorâmica do Museo del Campesino, no âmago da ilha de Lanzarote.

César Manrique dotou-os de algumas das expressões incontornáveis da cultura campesina de Lanzarote: os vinhedos sobre a lava, protegidos por muros de pedra basáltica, à imagem dos da ilha do Pico. Instalações com os instrumentos mais usados na lavra da terra e na pecuária. Pequenas oficinas de tecelagem e cerâmica, exemplos pitorescos da arte que as gentes de Lanzarote aperfeiçoaram com os séculos e lojas que vendem exemplares em forma de recuerdos.

Madrid, Nova Iorque. De Lanzarote a… Lanzarote.

Manrique viveu o que pôde em Lanzarote. Na sua adolescência, mudou-se para Tenerife. Lá estudou arquitectura sem ter completado a licenciatura. Entre 1936 e 1939, alistou-se como voluntário numa unidade de artilharia do exército que servia Franco. Em 1945, mudou-se para Madrid.

Na capital espanhola, recebeu uma bolsa para frequentar a Escola de Belas-Artes de San Fernando. Nesta escola, formou-se como professor de arte e de pintura. Manrique viveu e expôs as suas obras de arte não-figurativa em Madrid durante os 19 anos que se seguiram.

Nesse tempo, foi associado ao movimento “informalista” que então ganhava relevo em Espanha, visto como um empenhado abstracionista, obcecado pelas propriedades e especificidades da matéria. Em particular, com as da diversificada matéria vulcânica de que era e é feita Lanzarote. Em 1964, Manrique mudou-se para Nova Iorque. De chegada à Big Apple, voltou a ver o mundo com outros olhos.

Sala da Fundación César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Sala subterrânea da Fundación César Manrique.

César Manrique, o Autor e Artista Multifacetado

Em contacto permanente com o Expressionismo abstracto norte-americano, com a pop e a kinetic art que despontavam, Manrique enriqueceu o seu próprio estilo, aventurou-se de corpo e alma em diversas disciplinas. De tal maneira que, nos dias que correm, ninguém se atreve a catalogá-lo como escultor, pintor ou arquitecto. Nem sequer como pertencendo mais a uma destas modalidades da arte.

Em Nova Iorque, viu ser-lhe atribuída uma bolsa Rockefeller que lhe permitiu alugar um estúdio e viver na cidade. Conheceu e lidou com outros artistas e personalidades de renome, entre os quais Andy Warhol. O seu crescente estatuto e o das obras que criou já na cidade granjeou-lhe três exibições a solo na conceituada galeria Catherine Viviano. E um crescente desafogo financeiro.

A Beleza Crua e Insuperável de Lanzarote

Na sua mente, Nova Iorque era, no entanto, Nova Iorque. Por mais fascínio cosmopolita e artístico que a megalópole norte-americana lhe despertasse, nenhum lugar chegava aos calcanhares da sua Lanzarote. Manrique chegou a proferir “Para mim, (Lanzarote) era o lugar mais bonito na Terra e eu percebi que se as pessoas o pudessem ver pelos meus olhos, pensariam a mesma coisa.” Mais que uma declaração, estas suas palavras não tardaram a soar a missão. A aventura novaiorquina durou dois anos.

Em 1966, Manrique regressou e entregou-se de alma e coração à sua ilha. Por esta altura, o turismo começava a tomar conta das povoações mais sedutoras de Espanha e, em particular, das Canárias.

Com os seus cenários resultantes de um vulcanismo excêntrico, Lanzarote, tinha o destino traçado por um exército de investidores construtores civis que proliferavam sem controle na Espanha de Franco: ser inundado de hotéis e resorts de cimento que acolheriam milhares de forasteiros e incentivariam novas construções afins.

De uma forma precoce, Manrique lutou pela sua consciência ecológica da paisagem, pela preservação da sua ilha e das Canárias. Malgrado o inexorável crescimento local do turismo, pelo menos em Lanzarote, vários dos seus pedidos às autoridades e à população continuam a ser atendidos.

São raros os outdoors publicitários e as vedações a infestar a beira das estradas, os prédios altos provam-se inexistentes e os moradores cativados pela filosofia de Manrique acrescentam tons pastel harmoniosos às paredes tradicionalmente brancas das casas. Em vez dos outdoors publicitários, muitas rotundas foram embelezadas com intrigantes engenhos movidos a vento.

Engenho de vento, Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Um engenho de vento da autoria de César Manrique, à entrada da sua fundação.

Fundação César Manrique: o projecto gradual e fulcral que Manrique nunca viu terminado

É um destes moinhos esdrúxulos mas hipnotizantes que nos recebe e fixa o olhar quando chegamos à entrada da Fundação César Manrique, uma verdadeira base experimental e galeria de arte expandida a partir da casa que habitava em Tahíche. Isto, ainda antes de se ter mudado para a sua amada Haría, um vilarejo repleto de palmeiras, verdejante a condizer, situado no norte da ilha.

Na Fundação de Manrique, desvendamos, semi-incrédulos, aquilo em que se transformou o lar desafogado em que se instalou após o seu regresso de Nova Iorque, um lote com 30002 disposto em boa parte, sobre a lava de uma erupção do século XVIII do vulcão de Tahíche.

Visitantes numa secção da Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes da Fundación César Manrique com o vulcão Tahíche em fundo.

À medida que progredimos pelo espaço branco-cinza lava, salpicado de cardones espinhosos e um sortido improvável obras de arte: os estúdios dos artistas a ocuparem os antigos quartos do andar superior.

A cave disposta a agrupar cinco câmaras de lava amplas legadas pela solidificação do magma, cada qual decorada no seu próprio estilo inusitado, uma delas a dar para um jardim que faz fronteira com a própria maré de lava, embelezado de uma piscina, uma área de churrascos e até uma pista de dança.

Obras de Manrique mas Não Só

De volta ao âmbito que lá nos levou, a Fundação acolhe ainda uma galeria que expõe várias das obras da autoria de Manrique outras por ele obtidas ao longo da sua vida, entre as quais, esboços originais de Pablo Picasso e de Joan Miró.

A partir de 1982, a Fundação foi expandida por Manrique e um grupo de amigos. Só viria a ser aberta ao público dez anos mais tarde, após o acidente de viação ocorrido nas imediações da fundação que lhe abreviaria a vida.

A fundação César Manrique revelou-se um projecto gradual. Até porque Manrique e os seus a desenvolveram em simultâneo com intervenções paralelas que moldaram para sempre a ilha de Lanzarote e contribuíram para que conquistasse a classificação protectora de Reserva da Biosfera, a segunda a ser atribuída pela UNESCO às Canárias em 1993, dez anos após a classificação de La Palma.

Recanto da Fundação César Manrique, Lanzarote, Canárias, Espanha

Recanto criativo da Fundação César Manrique, adornado com elementos visuais da ilha.

Um Périplo Fascinante por Outras das Intervenções de Manrique

Como o próprio Manrique definiu “Eu tento ser a mão livre que molda a geologia.” E, de facto, a sua mente e mãos moldaram para sempre Lanzarote e outras ilhas das Canárias.

Depois da curta passagem pelo restaurante “El Diablo” do PN Timanfaya e das aventuras sensoriais do Museu del Campesino e da Fundação, progredimos para norte.

Experiência térmica em frente ao restaurante El Diablo, PN Timafaya, Lanzarote, Canárias, Espanha

Funcionário do PN Timanfaya leva a cabo uma experiência vulcânica em frente ao restaurante El Diablo, com arquitectura de César Manrique.

Damos entrada nos Jameos de Água e na Cueva de los Verdes, ambos situados num túnel vasto produzido por erupções do vulcão Corona, em pleno Monumento Natural del Malpaís de la Corona. O primeiro, surge à beira do oceano Atlântico, o último, mais para o interior, dotado de uma sala de concertos que, com meras cadeiras e um palco aproveita a magnificência e a acústica especial da câmara.

Lá nos deslumbramos com a decoração, o paisagismo e os jogos de luz emprestados por Manrique e pelo seu aliado Jesús Soto.

Ao entrarmos nas profundezas dos Jameos, a elegância colorida e luxuriante da câmara adaptada a sala de refeições insinua-se como um prenúncio do insólito subterrâneo que se segue. Descemos a escadaria para a beira de um lago azulado. Alguns visitantes chegados antes de nós acocoram-se minutos a fio.

Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha

Visitantes tentam fotografar os caranguejinhos endémicos dos Jameos del Água.

Demoramos mas percebemos que se esforçam para fotografar os caranguejinhos albinos e cegos (munidopsis polyorpha) endémicos da gruta, num fundo pintado de vermelho pela luz artificial ali dissimulada e que contrasta com o azul petróleo da lagoa.

Cruzamos para o lado de lá. Da margem oposta, como por magia, vemos a escadaria vermelha espelhar-se e duplicar-se na água. De volta à superfície, ficamos de boca a aberta a contemplar a espécie de praia tropical-vulcânica e afundada com que Manrique continua a prendar os visitantes.

Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha

Jogo de luz mágico no interior dos Jameos del Água.

Dos Jameos del Água ao Mirador del Rio

Mais alguns quilómetros para norte, passamos pela sua casa de Haría, situada em pleno palmeiral e onde estão preservados mobília e pertences bem como o novo estúdio em que trabalhou até à morte.

Chegados ao limiar norte e abismal de Lanzarote, sob uns alísios furibundos, deixamo-nos deslumbrar pela miragem real da pequena ilha vizinha de La Graciosa e do arquipélago Chinijo. Esta sempre foi uma das vistas que mais admiração gerou em Manrique.

Sem espanto, Manrique lá ergueu o Mirador del Rio, um edifício que se confunde com a Natureza fronteiriça e, através das formas e da luz, a torna mais rica e acolhedora. César Manrique também proferiu alto e em bom tom que “Lanzarote era como uma obra de arte sem moldura e por montar e que a pendurava e segurava para que todos pudessem admirar”.

Casal no limiar norte de Lanzarote, Canárias, Espanha

Fotografia no limiar norte de Lanzarote, com a silhueta da ilha Graciosa em fundo. Um lugar da ilha adorado por Manrique e onde ergueu o seu Mirador del Rio.

Poderíamos ter passado outra semana a explorar e louvar o império artístico-naturalista que legou à sua ilha.

Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Forte de San Louis, Fort de France-Martinica, Antihas Francesas
Cidades
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Étnico
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Do lado de cá do Atlântico
História

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Ilhas
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Natureza
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Uma Busca solitária
Parques Naturais

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Património Mundial UNESCO
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Religião
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.