Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura – Ilha Canária e Jangada do Tempo


Surf na Playa del Moro
Surfistas aproveitam as vagas suaves da Playa del Moro.
Torre e Cone
Uma das torres da Casa de Los Coroneles com a Montaña del Frontón em fundo.
Enseada de El Tostón
Quase ocaso doura o litoral norte de El Cotillo.
Casa de Los Coroneles
Palmeiras destacadas do Pátio da Casa de Los Coroneles, em La Oliva.
Tefia
Arquitectura Rural da aldeia-museu de Tefia.
Farol El Tostón
Farol de El Tostón, no limiar norte da península homónima.
A Postos
Nadador salvador de uma praia do PN Corralejo.
A grande Montaña del Frontón
O vulcão cónico de El Frontón destacado acima da Iglésia de Candelária e do centro histórico de La Oliva.
Beira-mar de El Tostón
Dunas da costa oposta à do PN Corralejo.
Moínhos de El Cotillo
Duo de moinhos salpicam a paisagem no interior de El Cotillo.
Estrada no PN Corralejo
Iglésia de la Candelária
Palmeiras antecedem o grande templo cristão de La Oliva.
Montanha del Frontón II
A montanha del Frontón destacada acima de ruínas, nas imediações da Casa de Los Coroneles.
Asfalto nas Dunas
Estrada percorre o PN Corralejo entre as maiores dunas das ilhas Canárias.
Montanha Tindaya
O vulcão cónico e icónico de Tindaya, acima de uma sebe de cactos.
Abrigo de Basalto
Banhistas abrigados dos ventos Alísios no interior de um abrigo feito de basalto.
A Montanha Roja
Jipe dirige-se ao sopé da montanha Roja, no leste de Fuerteventura.
PN Corralejo
Sombras do Farol de El Tostón
Sol põe-se atrás do Farol El Tostón.
Banhistas Nudistas
Veraneantes do norte da Europa entram na água cristalina da Playa del Pozo.
Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.

No mapa, o ponto em que a vastidão do Saara se rende ao Atlântico mais próximo, coincide com Tarfaya e o Cabo Juby.

São litorais da região Laâyoune-Boujdour-Sakia El Hamra que os marroquinos da zona celebram, mesmo se banhados por um mar que os Alísios mantêm enfarinhado de poeiras do deserto.

Ao deixarmos Corralejo na direcção do parque natural homónimo, deparamo-nos com uma espécie de extensão canária deste mundo.

Parte da areia com que os irascíveis e instáveis Alísios polvilham o Atlântico (e fazem, inclusive chegar às Américas) cai sobre Fuerteventura.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo

A costa nordeste da ilha, em particular, recebe quantidade tal que lá se formaram as dunas supremas das Canárias, avolumadas sobre uma base de matéria orgânica gerada pela desintegração de conchas e dos esqueletos externos de outras criaturas do mar.

Bem mais distante do Saara, a água do Atlântico é, por ali, cristalina. Mesmo se o vento raramente dá tréguas, flui em temperaturas que deixam os visitantes do norte da Europa em êxtase.

Parque Nacional Corralejo. O Deserto Litoral de Fuerteventura

O casario da Corralejo urbana fica, em definitivo e sem excepção para trás. Então, a estrada marginal ziguezagueia pelo deserto de Fuerteventura abaixo. Revela-nos praias selvagens com atmosferas balneares inusitadas.

À entrada da Playa del Pozo, uma manada de cabras verificava o quão edíveis seriam os arbustos que salpicavam o branco sem fim.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, Playa del Pozo

Veraneantes do norte da Europa entram na água cristalina da Playa del Pozo.

Quando se acercam da beira-mar, intrigam um casal já idoso de nudistas que se metia na água cristalina aquém do canal El Rio.

Insistimos com os Alísios, como os Alísios fazem com as paisagens que castigam.

Soprados de norte para sul, os ventos tornaram-se de tal maneira prevalentes que os majoreros (nativos de Fuerteventura) disseminaram, naquela e noutras praias, castros arredondados feitos de calhaus de basalto mal empilhados.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, abrigo

Banhistas abrigados dos ventos Alísios no interior de um abrigo feito de basalto.

Passamos junto a um desses abrigos. Vemos três bicicletas estacionadas contra a fachada oposta ao mar, a salvo da brisa salgada. Do interior, despontam chapéus de sol de várias cores.

Sobrevoam-nos gralhas determinadas. Quando uma delas pousa sobre o cimo do refúgio, compreendemos o seu mote, uma banhista que as prenda com bolachas achocolatadas.

Para sul, sucedem-se mais praias generosas, a Larga, a de Los Matos, a El Bajo Negro, a Dormidero, a Del Moro, a Del Rosadero e a Alzada.

Ondas mansas afagam a Del Moro.

Espalhado pela sua enseada profunda, um batalhão de estrangeiros enfiados em neoprene pratica os movimentos elementares do surf.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, Playa del Moro

Surfistas aproveitam as vagas suaves da Playa del Moro.

Outros areais estão desertos. Ou povoam-nos uns poucos banhistas adeptos da reclusão.

Por altura da calheta de Barca Quebrada, o areal dá de si. Aos poucos, cede a um ocre vulcânico gasto pelo tempo.

Numa ilha deste ocre, ainda envolta de dunas, afirma-se a cratera oval de Los Apartaderos e, após cruzarmos uma série barrancos, impõe-se à estrada a vertente crua de outro velho e dramático vulcão, a Montaña Roja (312m).

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, montanha Roja

Jipe dirige-se ao sopé da montanha Roja, no leste de Fuerteventura.

A proliferação vulcânica, sobretudo ao longo da crista da ilha, estende-se por mais algumas dezenas de quilómetros. Obriga-nos a prosseguirmos para sul. Atravessamos o barranco hiperbólico de Fimapaire.

Nas imediações de Puerto Lajas, por fim, a ilha aplana.

Permite-nos flectir para ocidente, rumo ao interior e a La Oliva.

A ex-Capital dos Coronéis de La Oliva

As ruas desta cidade cruzam o âmago histórico de Fuerteventura, de igual forma envolto de vulcões mal disfarçados de morros e de montes.

Metemo-nos pela Calle la Orilla. Percorridas umas centenas de metros, examinamos o extremo oposto, um cenário subtropical, western e surreal, magrebino, mexicano e andaluz que nos deixa perdidos no espaço e no tempo.

Uma pintura deste incaracterístico, em particular, estimula-nos os sentidos. À esquerda da estrada, próxima, uma palmeira frondosa. Oposta, uma casa térrea, ainda mais baixa que o lampião amarelo que lhe doura a noite.

fuerteventura ilha canária tempo, Montaña del Frontón, La Oliva

O vulcão cónico de El Frontón destacado acima da Iglésia de Candelária e do centro histórico de La Oliva.

No fundo da calle, distante, os contornos brancos e basálticos da Iglésia de Nuestra Señora de la Candelaria.

E a encerrar o quadro, contra o céu azulão, o cone raiado perfeito da Montaña del Frontón, outro vulcanismo excêntrico da ilha e um elemento incontornável da monumentalidade de La Oliva.

La Oliva sucedeu a Betancuria como capital de Fuerteventura,  de 1834 a 1860, em vinte e seis dos cento e cinquenta anos em que residiram na cidade os Coroneles, administradores e Governadores Militares todo-poderosos que só respondiam ao Capitão General das Ilhas e à Coroa de Castela, por esta altura, já Bourbon. Desde sempre católica.

fuerteventura ilha canária tempo, iglésia de la Candelária

Palmeiras antecedem o grande templo cristão de La Oliva.

Metade dos seis coronéis que mandaram na cidade e na região de La Oliva tinham apelido Bethencourt. Descendiam do conquistador Jean de Bethencourt.

No fim do século XIV, os reis de Castela confiaram a conquista das Ilhas Canárias a este normando determinado.

Uns poucos anos depois, fruto de os nativos serem umas meras centenas e pouco combativos, Jean de Bethencourt já tinha conquistado Lanzarote e Fuerteventura.

Casa de Los Coroneles. O Quartel-General dos Líderes de Fuerteventura

Passamos pela igreja-mãe da cidade. Logo, metemo-nos na Calle de Los Coroneles. A certo ponto, ficamos entregues a uma planície desolada, de solo-lixa encarniçado, não tarda, intersectada com o sopé da Montaña del Frontón.

Ali mesmo, na iminência do seu cone, achamos o quartel-general dos coronéis, uma casa fortificada de dois pisos, um quase castelo, com fachada amarela aberta por oito janelas simétricas, as quatro superiores dotadas de pequenas varandas.

fuerteventura ilha canária tempo, Casa de Los Coroneles e Montanha del Frontón

Uma das torres da Casa de Los Coroneles com a Montaña del Frontón em fundo.

Torres ameadas delimitam os extremos opostos. Encerram um pátio nuclear ladeado de galerias alpendradas de madeira.

De um recanto desse pátio meio sombrio, duas palmeiras buscam a luz solar e a imensidão celeste.

Em redor do pátio, no piso inferior, ficavam os aposentos dos servos, os celeiros, as zonas de vigilância e as protocolares e de arquivo do quartel. No superior, concentravam-se os lares dos coronéis, a cozinha, a sala de refeições, lugar dos quartos, todos eles com vistas abertas para as montanhas circundantes.

fuerteventura ilha canária tempo, Casa de Los Coroneles

Palmeiras destacadas do Pátio da Casa de Los Coroneles, em La Oliva.

Subimos à torre mais próxima da Montaña del Frontón. Do cimo muralhado, desvendamos uma outra série de edifícios menores, hoje, meras ruínas que fazem de biombo à aba do monte.

Em Busca da Montanha Sagrada de Tindaya

De regresso ao solo, inauguramos a descoberta da região de La Oliva em redor da ex-capital.

Para norte da cidade, impõe-se o domínio estorricado e cinza de outro vulcão, o de La Arena. Provou-se de tal maneira inóspito e intimidante que os colonos baptizaram a área contígua de Malpaís de Arena.

Sem desprezo para os seus visuais pós-apocalípticos, invertemos o caminho. Apontamos ao sul de Fuerteventura, estrada FV-101 abaixo, procuramos nova elevação emblemática.

A montaña de Tindaya (400m) é especial porque os majos (indígenas de Fuerteventura) a tinham como sagrada, lhe atribuíam poderes mágicos, lhe faziam oferendas rituais e a ilustraram com centenas de petróglifos com os mais distintos motivos, incluindo grandes pés.

fuerteventura ilha canária tempo, Montanha Tindaya

O vulcão cónico e icónico de Tindaya, acima de uma sebe de cactos.

Damos a volta à montanha, à procura da sua perspectiva mais vulcânica e dramática mas receosos de descobrir o que a modernidade por ali teria feito. Os temores confirmam-se.

Malgrado os sucessivos movimentos que lutam pela defesa de Tindaya: “Tindaya no se Toca” e outros, por altura do nosso périplo, já uma velha pedreira tinha desfigurado a encosta.

Em redor, demasiado próximas, estruturas modernas da povoação homónima (caso do campo de futebol) desrespeitavam o vulcão sacro dos majos.

Em simultâneo,  projectos com ambições financeiras desmedidas e falta de escrúpulos condizentes visavam a sua riqueza mineral.

O Legado Rural de Tefia

Mudamo-nos para a aldeia rural de Tefia.

Em tempos, este pueblo secular acolhia centenas de camponeses que subsistiam dos cereais de sequeiro que por ali produziam e que moíam nos moinhos de vento e de tracção animal com que a comunidade se havia dotado.

fuerteventura ilha canária tempo, moinhos de El Cotillo

Duo de moinhos salpicam a paisagem no interior de El Cotillo.

Sobretudo a partir da década de 70, o esforço intenso requerido pela agricultura afastou as novas gerações.

As gentes de Tefia mudaram-se em peso para Puerto Rosário (a capital actual da ilha) e para outras partes.

fuerteventura ilha canária tempo, Tefia

Arquitectura Rural da aldeia-museu de Tefia.

Em Tefia encontramos, agora, o Museu de Alcogida, constituído com o fim de perpetuar as tradições e conhecimentos rurais da ilha.

Há horas que desvendávamos o interior abafado, às vezes tórrido, de Fuerteventura.

Contra-sentido, quando a tarde e o calor se desvanecem, retomamos o litoral da ilha, o Noroeste, entre El Cotillo e El Tostón, já não o de Corralejo.

El Cotillo e o Farol Setentrional de El Tostón

Ao atravessarmos El Cotillo, constatamos como evoluiu de pueblito piscatório para o centro urbano e turístico prolífico que rivaliza com Corralejo.

fuerteventura ilha canária tempo, beira-mar El Tostón

Dunas da costa oposta à do PN Corralejo.

Passamos junto às enseadas recortadas e protegidas por recifes com que o Atlântico prenda a cidade. Vemos como se repetem norte acima.

Chegamos a El Tostón, uma península de dunas e de beira-mar rochosa, destacada no oceano à entrada do canal que separa Fuerteventura de Lanzarote e, como tal, crucial para a navegação.

fuerteventura ilha canária tempo, farol El Tostón, pôr-do-sol

Farol de El Tostón, no limiar norte da península homónima.

Virada ao poente, o ocaso tornou esta zona notória a dobrar. Àquela hora crepuscular, o retiro do grande astro já dourava o castillo local, uma pequena fortaleza cilíndrica.

A culminar uma condução tresloucada, ainda o vemos pegar fogo ao farol del Tostón, ao cimo e oeste recortado de Fuerteventura e aos fundos dantescos da vizinha Lanzarote.

fuerteventura ilha canária tempo, farol El Tostón, pôr-do-sol

Sol põe-se atrás do Farol El Tostón.

Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Perth Cidade Solitária Austrália, CBD
Cidades
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Cultura
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Pórtico de entrada em Ellikkalla, Uzbequistão
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Canal de Lazer
História
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Sementeira, Lombok, mar Bali, ilha Sonda, Indonesia
Ilhas
Lombok, Indonésia

Lombok. O Mar de Bali Merece uma Sonda Assim

Há muito encobertos pela fama da ilha vizinha, os cenários exóticos de Lombok continuam por revelar, sob a protecção sagrada do guardião Gunung Rinjani, o segundo maior vulcão da Indonésia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Natureza
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Parques Naturais
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Praias
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário
Religião
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES