Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura – Ilha Canária e Jangada do Tempo


Surf na Playa del Moro
Surfistas aproveitam as vagas suaves da Playa del Moro.
Torre e Cone
Uma das torres da Casa de Los Coroneles com a Montaña del Frontón em fundo.
Enseada de El Tostón
Quase ocaso doura o litoral norte de El Cotillo.
Casa de Los Coroneles
Palmeiras destacadas do Pátio da Casa de Los Coroneles, em La Oliva.
Tefia
Arquitectura Rural da aldeia-museu de Tefia.
Farol El Tostón
Farol de El Tostón, no limiar norte da península homónima.
A Postos
Nadador salvador de uma praia do PN Corralejo.
A grande Montaña del Frontón
O vulcão cónico de El Frontón destacado acima da Iglésia de Candelária e do centro histórico de La Oliva.
Beira-mar de El Tostón
Dunas da costa oposta à do PN Corralejo.
Moínhos de El Cotillo
Duo de moinhos salpicam a paisagem no interior de El Cotillo.
Estrada no PN Corralejo
Iglésia de la Candelária
Palmeiras antecedem o grande templo cristão de La Oliva.
Montanha del Frontón II
A montanha del Frontón destacada acima de ruínas, nas imediações da Casa de Los Coroneles.
Asfalto nas Dunas
Estrada percorre o PN Corralejo entre as maiores dunas das ilhas Canárias.
Montanha Tindaya
O vulcão cónico e icónico de Tindaya, acima de uma sebe de cactos.
Abrigo de Basalto
Banhistas abrigados dos ventos Alísios no interior de um abrigo feito de basalto.
A Montanha Roja
Jipe dirige-se ao sopé da montanha Roja, no leste de Fuerteventura.
PN Corralejo
Sombras do Farol de El Tostón
Sol põe-se atrás do Farol El Tostón.
Banhistas Nudistas
Veraneantes do norte da Europa entram na água cristalina da Playa del Pozo.
Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.

No mapa, o ponto em que a vastidão do Saara se rende ao Atlântico mais próximo, coincide com Tarfaya e o Cabo Juby.

São litorais da região Laâyoune-Boujdour-Sakia El Hamra que os marroquinos da zona celebram, mesmo se banhados por um mar que os Alísios mantêm enfarinhado de poeiras do deserto.

Ao deixarmos Corralejo na direcção do parque natural homónimo, deparamo-nos com uma espécie de extensão canária deste mundo.

Parte da areia com que os irascíveis e instáveis Alísios polvilham o Atlântico (e fazem, inclusive chegar às Américas) cai sobre Fuerteventura.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo

A costa nordeste da ilha, em particular, recebe quantidade tal que lá se formaram as dunas supremas das Canárias, avolumadas sobre uma base de matéria orgânica gerada pela desintegração de conchas e dos esqueletos externos de outras criaturas do mar.

Bem mais distante do Saara, a água do Atlântico é, por ali, cristalina. Mesmo se o vento raramente dá tréguas, flui em temperaturas que deixam os visitantes do norte da Europa em êxtase.

Parque Nacional Corralejo. O Deserto Litoral de Fuerteventura

O casario da Corralejo urbana fica, em definitivo e sem excepção para trás. Então, a estrada marginal ziguezagueia pelo deserto de Fuerteventura abaixo. Revela-nos praias selvagens com atmosferas balneares inusitadas.

À entrada da Playa del Pozo, uma manada de cabras verificava o quão edíveis seriam os arbustos que salpicavam o branco sem fim.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, Playa del Pozo

Veraneantes do norte da Europa entram na água cristalina da Playa del Pozo.

Quando se acercam da beira-mar, intrigam um casal já idoso de nudistas que se metia na água cristalina aquém do canal El Rio.

Insistimos com os Alísios, como os Alísios fazem com as paisagens que castigam.

Soprados de norte para sul, os ventos tornaram-se de tal maneira prevalentes que os majoreros (nativos de Fuerteventura) disseminaram, naquela e noutras praias, castros arredondados feitos de calhaus de basalto mal empilhados.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, abrigo

Banhistas abrigados dos ventos Alísios no interior de um abrigo feito de basalto.

Passamos junto a um desses abrigos. Vemos três bicicletas estacionadas contra a fachada oposta ao mar, a salvo da brisa salgada. Do interior, despontam chapéus de sol de várias cores.

Sobrevoam-nos gralhas determinadas. Quando uma delas pousa sobre o cimo do refúgio, compreendemos o seu mote, uma banhista que as prenda com bolachas achocolatadas.

Para sul, sucedem-se mais praias generosas, a Larga, a de Los Matos, a El Bajo Negro, a Dormidero, a Del Moro, a Del Rosadero e a Alzada.

Ondas mansas afagam a Del Moro.

Espalhado pela sua enseada profunda, um batalhão de estrangeiros enfiados em neoprene pratica os movimentos elementares do surf.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, Playa del Moro

Surfistas aproveitam as vagas suaves da Playa del Moro.

Outros areais estão desertos. Ou povoam-nos uns poucos banhistas adeptos da reclusão.

Por altura da calheta de Barca Quebrada, o areal dá de si. Aos poucos, cede a um ocre vulcânico gasto pelo tempo.

Numa ilha deste ocre, ainda envolta de dunas, afirma-se a cratera oval de Los Apartaderos e, após cruzarmos uma série barrancos, impõe-se à estrada a vertente crua de outro velho e dramático vulcão, a Montaña Roja (312m).

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, montanha Roja

Jipe dirige-se ao sopé da montanha Roja, no leste de Fuerteventura.

A proliferação vulcânica, sobretudo ao longo da crista da ilha, estende-se por mais algumas dezenas de quilómetros. Obriga-nos a prosseguirmos para sul. Atravessamos o barranco hiperbólico de Fimapaire.

Nas imediações de Puerto Lajas, por fim, a ilha aplana.

Permite-nos flectir para ocidente, rumo ao interior e a La Oliva.

A ex-Capital dos Coronéis de La Oliva

As ruas desta cidade cruzam o âmago histórico de Fuerteventura, de igual forma envolto de vulcões mal disfarçados de morros e de montes.

Metemo-nos pela Calle la Orilla. Percorridas umas centenas de metros, examinamos o extremo oposto, um cenário subtropical, western e surreal, magrebino, mexicano e andaluz que nos deixa perdidos no espaço e no tempo.

Uma pintura deste incaracterístico, em particular, estimula-nos os sentidos. À esquerda da estrada, próxima, uma palmeira frondosa. Oposta, uma casa térrea, ainda mais baixa que o lampião amarelo que lhe doura a noite.

fuerteventura ilha canária tempo, Montaña del Frontón, La Oliva

O vulcão cónico de El Frontón destacado acima da Iglésia de Candelária e do centro histórico de La Oliva.

No fundo da calle, distante, os contornos brancos e basálticos da Iglésia de Nuestra Señora de la Candelaria.

E a encerrar o quadro, contra o céu azulão, o cone raiado perfeito da Montaña del Frontón, outro vulcanismo excêntrico da ilha e um elemento incontornável da monumentalidade de La Oliva.

La Oliva sucedeu a Betancuria como capital de Fuerteventura,  de 1834 a 1860, em vinte e seis dos cento e cinquenta anos em que residiram na cidade os Coroneles, administradores e Governadores Militares todo-poderosos que só respondiam ao Capitão General das Ilhas e à Coroa de Castela, por esta altura, já Bourbon. Desde sempre católica.

fuerteventura ilha canária tempo, iglésia de la Candelária

Palmeiras antecedem o grande templo cristão de La Oliva.

Metade dos seis coronéis que mandaram na cidade e na região de La Oliva tinham apelido Bethencourt. Descendiam do conquistador Jean de Bethencourt.

No fim do século XIV, os reis de Castela confiaram a conquista das Ilhas Canárias a este normando determinado.

Uns poucos anos depois, fruto de os nativos serem umas meras centenas e pouco combativos, Jean de Bethencourt já tinha conquistado Lanzarote e Fuerteventura.

Casa de Los Coroneles. O Quartel-General dos Líderes de Fuerteventura

Passamos pela igreja-mãe da cidade. Logo, metemo-nos na Calle de Los Coroneles. A certo ponto, ficamos entregues a uma planície desolada, de solo-lixa encarniçado, não tarda, intersectada com o sopé da Montaña del Frontón.

Ali mesmo, na iminência do seu cone, achamos o quartel-general dos coronéis, uma casa fortificada de dois pisos, um quase castelo, com fachada amarela aberta por oito janelas simétricas, as quatro superiores dotadas de pequenas varandas.

fuerteventura ilha canária tempo, Casa de Los Coroneles e Montanha del Frontón

Uma das torres da Casa de Los Coroneles com a Montaña del Frontón em fundo.

Torres ameadas delimitam os extremos opostos. Encerram um pátio nuclear ladeado de galerias alpendradas de madeira.

De um recanto desse pátio meio sombrio, duas palmeiras buscam a luz solar e a imensidão celeste.

Em redor do pátio, no piso inferior, ficavam os aposentos dos servos, os celeiros, as zonas de vigilância e as protocolares e de arquivo do quartel. No superior, concentravam-se os lares dos coronéis, a cozinha, a sala de refeições, lugar dos quartos, todos eles com vistas abertas para as montanhas circundantes.

fuerteventura ilha canária tempo, Casa de Los Coroneles

Palmeiras destacadas do Pátio da Casa de Los Coroneles, em La Oliva.

Subimos à torre mais próxima da Montaña del Frontón. Do cimo muralhado, desvendamos uma outra série de edifícios menores, hoje, meras ruínas que fazem de biombo à aba do monte.

Em Busca da Montanha Sagrada de Tindaya

De regresso ao solo, inauguramos a descoberta da região de La Oliva em redor da ex-capital.

Para norte da cidade, impõe-se o domínio estorricado e cinza de outro vulcão, o de La Arena. Provou-se de tal maneira inóspito e intimidante que os colonos baptizaram a área contígua de Malpaís de Arena.

Sem desprezo para os seus visuais pós-apocalípticos, invertemos o caminho. Apontamos ao sul de Fuerteventura, estrada FV-101 abaixo, procuramos nova elevação emblemática.

A montaña de Tindaya (400m) é especial porque os majos (indígenas de Fuerteventura) a tinham como sagrada, lhe atribuíam poderes mágicos, lhe faziam oferendas rituais e a ilustraram com centenas de petróglifos com os mais distintos motivos, incluindo grandes pés.

fuerteventura ilha canária tempo, Montanha Tindaya

O vulcão cónico e icónico de Tindaya, acima de uma sebe de cactos.

Damos a volta à montanha, à procura da sua perspectiva mais vulcânica e dramática mas receosos de descobrir o que a modernidade por ali teria feito. Os temores confirmam-se.

Malgrado os sucessivos movimentos que lutam pela defesa de Tindaya: “Tindaya no se Toca” e outros, por altura do nosso périplo, já uma velha pedreira tinha desfigurado a encosta.

Em redor, demasiado próximas, estruturas modernas da povoação homónima (caso do campo de futebol) desrespeitavam o vulcão sacro dos majos.

Em simultâneo,  projectos com ambições financeiras desmedidas e falta de escrúpulos condizentes visavam a sua riqueza mineral.

O Legado Rural de Tefia

Mudamo-nos para a aldeia rural de Tefia.

Em tempos, este pueblo secular acolhia centenas de camponeses que subsistiam dos cereais de sequeiro que por ali produziam e que moíam nos moinhos de vento e de tracção animal com que a comunidade se havia dotado.

fuerteventura ilha canária tempo, moinhos de El Cotillo

Duo de moinhos salpicam a paisagem no interior de El Cotillo.

Sobretudo a partir da década de 70, o esforço intenso requerido pela agricultura afastou as novas gerações.

As gentes de Tefia mudaram-se em peso para Puerto Rosário (a capital actual da ilha) e para outras partes.

fuerteventura ilha canária tempo, Tefia

Arquitectura Rural da aldeia-museu de Tefia.

Em Tefia encontramos, agora, o Museu de Alcogida, constituído com o fim de perpetuar as tradições e conhecimentos rurais da ilha.

Há horas que desvendávamos o interior abafado, às vezes tórrido, de Fuerteventura.

Contra-sentido, quando a tarde e o calor se desvanecem, retomamos o litoral da ilha, o Noroeste, entre El Cotillo e El Tostón, já não o de Corralejo.

El Cotillo e o Farol Setentrional de El Tostón

Ao atravessarmos El Cotillo, constatamos como evoluiu de pueblito piscatório para o centro urbano e turístico prolífico que rivaliza com Corralejo.

fuerteventura ilha canária tempo, beira-mar El Tostón

Dunas da costa oposta à do PN Corralejo.

Passamos junto às enseadas recortadas e protegidas por recifes com que o Atlântico prenda a cidade. Vemos como se repetem norte acima.

Chegamos a El Tostón, uma península de dunas e de beira-mar rochosa, destacada no oceano à entrada do canal que separa Fuerteventura de Lanzarote e, como tal, crucial para a navegação.

fuerteventura ilha canária tempo, farol El Tostón, pôr-do-sol

Farol de El Tostón, no limiar norte da península homónima.

Virada ao poente, o ocaso tornou esta zona notória a dobrar. Àquela hora crepuscular, o retiro do grande astro já dourava o castillo local, uma pequena fortaleza cilíndrica.

A culminar uma condução tresloucada, ainda o vemos pegar fogo ao farol del Tostón, ao cimo e oeste recortado de Fuerteventura e aos fundos dantescos da vizinha Lanzarote.

fuerteventura ilha canária tempo, farol El Tostón, pôr-do-sol

Sol põe-se atrás do Farol El Tostón.

Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)

É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Península Iucatão, Cidade Mérida, México, Cabildo
Cidades
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Tatooine na Terra
Étnico
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
História
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Pequeno navegador
Ilhas
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Transpantaneira pantanal do Mato Grosso, capivara
Natureza
Pantanal do Mato Grosso, Brasil

Transpantaneira, Pantanal e Confins do Mato Grosso

Partimos do coração sul-americano de Cuiabá para sudoeste e na direcção da Bolívia. A determinada altura, a asfaltada MT060 passa sob um portal pitoresco e a Transpantaneira. Num ápice, o estado brasileiro de Mato Grosso alaga-se. Torna-se um Pantanal descomunal.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Parques Naturais
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Glamour vs Fé
Património Mundial UNESCO
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Religião
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Gatis de Tóquio, Japão, clientes e gato sphynx
Sociedade
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.