Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)


Casario Cubista
Formas e cores da sempre garrida Aguimes
Silhueta
Silhuetas numa rua de Aguimes.
Caldera de Los Marteles
Uma das muitas expressões do vulcanismo de Gran Canária.
Pico de Las Nieves
A floresta em redor do Pico de Las Nieves, com a ilha de Tenerife em fundo.
Roque Nublo
O monumento natural de Roque Nublo, nas imediações do Pico de Las Nieves.
La Tejeda
O casario alvo e descendente de La Tejeda.
Calle Real
Fim da tarde na Calle Real de Teror, com a sua principal igreja em fundo.
Varandas de Teror
As varandas tradicionais das Canárias, concentradas na Calle Real de Teror.
Passeio Canino
Passeio de mascote num beco elegante de Aguimes.
Um Lar espinhoso
Moradora entra em casa abaixo de um grande cacto que desponta do seu pátio.
Escaladas
Conquista de um pequeno cimo junto ao mirador de Los Pozos.
A Meio-caminho
Povoação entre La Tejeda e Teror.
Guayadeque
Carro sobe lentamente o Barranco profundo de Guayadeque
Iglésia de Aguimes
Cúpula da catedral bem destacada acima do casario da povoação.
Gente na Rua
Moradores cruzam-se numa esquina repleta de cor de Aguimes.
Cruz Florida
Cruz de flores decora e abençoa uma entrada de casa de Aguimes.
Camelo Estacionado
Estátua de camelo estacionado numa viela da Aguimes.
A Eira de “La Era”
Cadeiras panorâmicas de "La Era".
É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.

 Com um diâmetro de 45 a 50km e um seu zénite, quase central, a roçar os 2 km de altitude, mais que íngreme, a Gran Canária revela-se abrupta.

Sempre que apontamos ao seu interior, as estradas sobem a bom subir, pelos meandros a que os sulcos do vulcanismo e da erosão submeteram a modernidade.

O trajecto entre Vecindário e a vila secular de Aguimes, já 5km para dentro da ilha, pouco destoa.

A Visão Cubista de Aguimes

A povoação alonga-se sobre uma crista do sopé do Pico de Las Nieves, acima de um dos muitos desfiladeiros verdejantes que os canários preferem chamar de barrancos.

Espalha-se sobre a vegetação como um lego de peças pastel, coroado pela inevitável catedral católica.

Do lado de lá do barranco, retomamos a descoberta, já em modo pedestre, pelos becos, ruelas e vielas que sulcam o casario cubista.

Elegante no seu jeito excêntrico, Aguimes acolhe sucessivas vagas de visitantes. Àquela hora, quem sabe se pela distância das principais estâncias balneares, os forasteiros ainda estavam por chegar.

Cruzamo-nos com um ou outro, como nós, independentes, e deslumbrados pela harmonia cromática e de formas em que o pueblo se mantinha, adornado por deliciosos caprichos de arte de rua.

Despontam cactos do interior de pátios.

Potes enfeitam esquinas com pedras por pintar, uma moda arquitectónica que, como a de estilo profícuo de varandas e adufes, se estima importada de Portugal.

Outros pormenores já são, apenas e só, canários. É o caso do camelo de bronze deitado num beco, entre variantes de amarelo.

E o dos crucifixos de flores que abençoam e reforçam a exuberância do casario, uma tradição que vem de tempos ancestrais, mas muito posteriores à fundação de Aguimes.

Uma Povoação Pioneira de Gran Canária

Estima-se que os espanhóis começaram a erguer a povoação, a partir de 1491, pouco depois de terem submetido os indígenas canários e fundado o assentamento que deu origem a Las Palmas, o actual bairro de Vegueta.

Aliás, como aconteceria noutras partes, os conquistadores e os colonos que os seguiram, impuseram Aguimes a um assentamento que os indígenas se viram forçados a abandonar.

A supremacia indisputada da Igreja de San Sebastian, erguida com três naves, torres gémeas e altivas tem uma razão óbvia de ser. Foram os Reis Católicos de Espanha quem validou a fundação da vila.

Quando a ditaram, agradecidos pela participação dos missionários na guerra contra os aborígenes Canários, concederam-na à igreja.

O sol sobe no firmamento. Encurta às sombras dos transeuntes que, após a chegada de uns autocarros de turismo, são em maior número e  justificam que os donos de negócios, guias e afins a eles se dediquem.

Por irónico que soe, nos últimos tempos, Aguimes atrai tantos visitantes que justificou um fluxo imigratório de outras partes menos afortunadas da ilha.

Esta realidade contrasta com a de décadas anteriores, em que os produtos hortícolas e outros se revelaram proveitos insuficientes e forçaram os colonos canários a migrarem para Cuba, para Porto Rico, para outras paragens sobretudo hispânicas das Américas.

No cômputo geral, a população do município aumenta há cem anos e, do início do século XX para cá, assente na pujança da zona industrial da vizinha Arinaga, quase a dobrar.

Outros negócios, instalados ainda mais para o interior e para cima na ilha, têm-se provado casos de sucesso em tudo distintos.

Guayadeque: o Rio, o Barranco e as Casas Cuevas Restaurantes

Com Aguimes para trás, seguimos pelo barranco do rio Guayadeque.

Quanto mais subimos nos seus 15km de extensão, mais sentimos o bafo seco de África. Agaves e cactos opuntia floridos disputam a humidade parca retida pelas encostas, por ali, repletas de grutas e cavernas aprofundadas e adornadas pelo homem.

Numa zona panorâmica e de fortes tradições gastronómicas da ilha, vários restaurantes adaptaram-se às reentrâncias e restantes formas das falésias.

O “Tagoror”, o “Veja” e o “La Era”, entre outros, tornaram-se casas cuevas e albergues pitorescas, algumas até bizarras, com os seus túneis e salas lúgubres a contrastarem com as vistas monumentais dos terraços e jardins solarengos.

Servem parrilladas com papas fritas ó arrugadas – estas últimas, as tradicionais das Canárias – enriquecidas com pimentos padrón e morcilla, em qualquer caso, tudo produzido em redor, como o são o mel, os quesos de Ingenio e o viño abocado que mistura vinho doce com vinho tinto.

Almoçados no “La Era”, sentamo-nos na eira que lhe inspirou o nome. Dali, entre agaves e cactos, acompanhamos os carros no seu trajecto de ínfimos ao tamanho real, aos esses, pela estrada que de nós os aproximava.

Uns poucos minutos de sossego contemplativo depois, seguimos pelo mesmo asfalto, rumo às terras cimeiras da Gran Canária.

A Caminho do Cimo de Gran Canária, Pico de Las Nieves

Passamos por El Sequero. Entramos num barranco paralelo ao de Guayadeque – o de Ingenio – que se aproxima do rio homónimo.

Cruzadas algumas povoações de montanha: La Pasadilla, El Roque, La Solana, Cazadores e lugarejos afim, deixamos a zona ressequida da ilha para o domínio vasto da sua floresta de pinheiros, irrigada pela névoa e pela humidade que os ventos alísios fazem chegar do Atlântico.

Incontáveis curvas e pinheiros depois, atravessamos a Caldera de Los Marteles. Logo, atingimos o miradouro Pico de Los Pozos, também conhecido por de Las Nieves.

Com boa parte da ilha em redor, retém-nos a atenção o panorama a noroeste, com a penha de Roque Nublo bem destacada acima do pinhal que preenche a velha caldeira principal da ilha, definido contra os azuis unidos do Atlântico e do céu.

Por detrás, num segundo plano longínquo, impõem-se as linhas de Tenerife e do cone do vulcão El Teide, com os seus 3715 m, o tecto das Canárias sobranceiro face ao cimo de Gran Canária.

Proeminente, e muito.

Vemos caminhantes fazerem-se aos trilhos que se internam no pinhal. E outros que se fotogravam, em poses acrobáticas, sobre rochedos próximos.

Logo abaixo, desprovido de sentido, uma carripana-quiosque mantinha em funcionamento um gerador ruidoso.

A inesperada dessacralização da Natureza canária e a aspereza do sol, não tarda, a pique movem-nos a retomarmos o itinerário.

Tejeda, a Cruz e a Vila Branca

Descemos para Cruz de Tejeda. Logo à chegada, damos com o seu cruzeiro trabalhado, coroado por um Cristo em aflição. À margem do significado religioso, o monumento marcava o centro geográfico de Gran Canária.

Circundavam-no um galo e duas ou três galinhas concentrados nos petiscos que os turistas por ali deixam.

De Cruz de Tejeda, descemos para Tejeda, a povoação-mãe destas partes, toda ela alva, contrastante com o cinza-verde áspero da vertente que a protege.

Dezenas de quilómetros contados, percebemos que estamos a leste do Roque Nublo que antes tínhamos vislumbrado.

O rochedo projecta-se do cimo da vertente em forma de agulha geológica. Com os seus 67 metros pontiagudos, reforça o dramatismo diagonal da povoação.

Em plena caldeira, lar de quase dois mil canários, Tejeda é considerado um dos pueblos mais encantadores de Espanha. Vários outros na Gran Canária, se poderiam juntar ao grupo.

Já apontados à capital Las Palmas, cumpridos 25km de ziguezagues pelo limiar do Parque Rural de Doramas, damos entrada num deles.

Teror e o Culto da Virgen del Pino

Teror é, hoje, um município de pleno direito, relevante a dobrar já que nele se encontra a Basílica de Nuestra Señora del Pino, templo da santa patrona da diocese das Canárias e, em particular, de Gran Canária.

A Virgen del Pino protagonizou uma aparição mariana em Teror.

Tornou-se a razão de ser de um culto católico exacerbado.

E de uma das celebrações de fé mais exuberantes do arquipélago Canário, assente no costume do século XVI de levar a imagem da Virgen a Las Palmas e de, perante ela, rogar pelas chuvas que, à época, se mantinham arredadas da ilha.

Ao invés, à hora a que chegámos a Teror, o céu parecia preparar uma bátega. Virada a nordeste, exposta à nebulosidade arrastada pelos Alísios, só a beleza e alegria da povoação e da sua população quebrava a atmosfera plúmbea envolvente.

Caminhamos ao longo da rua pedestre Calle Real de La Plaza, deslumbrados com a elegância das varandas de madeira, destacadas de outras tantas fachadas seculares.

Ao fim de uma sexta feira, moradores e visitantes das imediações alongavam-se em conversas estridentes, umas apeadas, outras sentadas nas terrazas concorridas.

Já há muito sumido para lá das montanhas, o sol levou para poente o que restava da sua luz. Entregue à dos candeeiros parisienses, Teror passou a encantar em modo pós-crepuscular.

Até que a deixámos, destinados a Las Palmas, a Virgen del Piño furtou-se a irrigar aquela grande, árida, mas acolhedora Canária.

Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura - Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Em Viagem
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guia explica hieróglifos
História
Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico

Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Ilhas
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Natureza
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Foz incandescente, Grande Ilha Havai, Parque Nacional Vulcoes, rios de Lava
Parques Naturais
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Património Mundial UNESCO
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
Religião
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Sociedade
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT