Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)


Casario Cubista
Formas e cores da sempre garrida Aguimes
Silhueta
Silhuetas numa rua de Aguimes.
Caldera de Los Marteles
Uma das muitas expressões do vulcanismo de Gran Canária.
Pico de Las Nieves
A floresta em redor do Pico de Las Nieves, com a ilha de Tenerife em fundo.
Roque Nublo
O monumento natural de Roque Nublo, nas imediações do Pico de Las Nieves.
La Tejeda
O casario alvo e descendente de La Tejeda.
Calle Real
Fim da tarde na Calle Real de Teror, com a sua principal igreja em fundo.
Varandas de Teror
As varandas tradicionais das Canárias, concentradas na Calle Real de Teror.
Passeio Canino
Passeio de mascote num beco elegante de Aguimes.
Um Lar espinhoso
Moradora entra em casa abaixo de um grande cacto que desponta do seu pátio.
Escaladas
Conquista de um pequeno cimo junto ao mirador de Los Pozos.
A Meio-caminho
Povoação entre La Tejeda e Teror.
Guayadeque
Carro sobe lentamente o Barranco profundo de Guayadeque
Iglésia de Aguimes
Cúpula da catedral bem destacada acima do casario da povoação.
Gente na Rua
Moradores cruzam-se numa esquina repleta de cor de Aguimes.
Cruz Florida
Cruz de flores decora e abençoa uma entrada de casa de Aguimes.
Camelo Estacionado
Estátua de camelo estacionado numa viela da Aguimes.
A Eira de “La Era”
Cadeiras panorâmicas de "La Era".
É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.

 Com um diâmetro de 45 a 50km e um seu zénite, quase central, a roçar os 2 km de altitude, mais que íngreme, a Gran Canária revela-se abrupta.

Sempre que apontamos ao seu interior, as estradas sobem a bom subir, pelos meandros a que os sulcos do vulcanismo e da erosão submeteram a modernidade.

O trajecto entre Vecindário e a vila secular de Aguimes, já 5km para dentro da ilha, pouco destoa.

A Visão Cubista de Aguimes

A povoação alonga-se sobre uma crista do sopé do Pico de Las Nieves, acima de um dos muitos desfiladeiros verdejantes que os canários preferem chamar de barrancos.

Espalha-se sobre a vegetação como um lego de peças pastel, coroado pela inevitável catedral católica.

Do lado de lá do barranco, retomamos a descoberta, já em modo pedestre, pelos becos, ruelas e vielas que sulcam o casario cubista.

Elegante no seu jeito excêntrico, Aguimes acolhe sucessivas vagas de visitantes. Àquela hora, quem sabe se pela distância das principais estâncias balneares, os forasteiros ainda estavam por chegar.

Cruzamo-nos com um ou outro, como nós, independentes, e deslumbrados pela harmonia cromática e de formas em que o pueblo se mantinha, adornado por deliciosos caprichos de arte de rua.

Despontam cactos do interior de pátios.

Potes enfeitam esquinas com pedras por pintar, uma moda arquitectónica que, como a de estilo profícuo de varandas e adufes, se estima importada de Portugal.

Outros pormenores já são, apenas e só, canários. É o caso do camelo de bronze deitado num beco, entre variantes de amarelo.

E o dos crucifixos de flores que abençoam e reforçam a exuberância do casario, uma tradição que vem de tempos ancestrais, mas muito posteriores à fundação de Aguimes.

Uma Povoação Pioneira de Gran Canária

Estima-se que os espanhóis começaram a erguer a povoação, a partir de 1491, pouco depois de terem submetido os indígenas canários e fundado o assentamento que deu origem a Las Palmas, o actual bairro de Vegueta.

Aliás, como aconteceria noutras partes, os conquistadores e os colonos que os seguiram, impuseram Aguimes a um assentamento que os indígenas se viram forçados a abandonar.

A supremacia indisputada da Igreja de San Sebastian, erguida com três naves, torres gémeas e altivas tem uma razão óbvia de ser. Foram os Reis Católicos de Espanha quem validou a fundação da vila.

Quando a ditaram, agradecidos pela participação dos missionários na guerra contra os aborígenes Canários, concederam-na à igreja.

O sol sobe no firmamento. Encurta às sombras dos transeuntes que, após a chegada de uns autocarros de turismo, são em maior número e  justificam que os donos de negócios, guias e afins a eles se dediquem.

Por irónico que soe, nos últimos tempos, Aguimes atrai tantos visitantes que justificou um fluxo imigratório de outras partes menos afortunadas da ilha.

Esta realidade contrasta com a de décadas anteriores, em que os produtos hortícolas e outros se revelaram proveitos insuficientes e forçaram os colonos canários a migrarem para Cuba, para Porto Rico, para outras paragens sobretudo hispânicas das Américas.

No cômputo geral, a população do município aumenta há cem anos e, do início do século XX para cá, assente na pujança da zona industrial da vizinha Arinaga, quase a dobrar.

Outros negócios, instalados ainda mais para o interior e para cima na ilha, têm-se provado casos de sucesso em tudo distintos.

Guayadeque: o Rio, o Barranco e as Casas Cuevas Restaurantes

Com Aguimes para trás, seguimos pelo barranco do rio Guayadeque.

Quanto mais subimos nos seus 15km de extensão, mais sentimos o bafo seco de África. Agaves e cactos opuntia floridos disputam a humidade parca retida pelas encostas, por ali, repletas de grutas e cavernas aprofundadas e adornadas pelo homem.

Numa zona panorâmica e de fortes tradições gastronómicas da ilha, vários restaurantes adaptaram-se às reentrâncias e restantes formas das falésias.

O “Tagoror”, o “Veja” e o “La Era”, entre outros, tornaram-se casas cuevas e albergues pitorescas, algumas até bizarras, com os seus túneis e salas lúgubres a contrastarem com as vistas monumentais dos terraços e jardins solarengos.

Servem parrilladas com papas fritas ó arrugadas – estas últimas, as tradicionais das Canárias – enriquecidas com pimentos padrón e morcilla, em qualquer caso, tudo produzido em redor, como o são o mel, os quesos de Ingenio e o viño abocado que mistura vinho doce com vinho tinto.

Almoçados no “La Era”, sentamo-nos na eira que lhe inspirou o nome. Dali, entre agaves e cactos, acompanhamos os carros no seu trajecto de ínfimos ao tamanho real, aos esses, pela estrada que de nós os aproximava.

Uns poucos minutos de sossego contemplativo depois, seguimos pelo mesmo asfalto, rumo às terras cimeiras da Gran Canária.

A Caminho do Cimo de Gran Canária, Pico de Las Nieves

Passamos por El Sequero. Entramos num barranco paralelo ao de Guayadeque – o de Ingenio – que se aproxima do rio homónimo.

Cruzadas algumas povoações de montanha: La Pasadilla, El Roque, La Solana, Cazadores e lugarejos afim, deixamos a zona ressequida da ilha para o domínio vasto da sua floresta de pinheiros, irrigada pela névoa e pela humidade que os ventos alísios fazem chegar do Atlântico.

Incontáveis curvas e pinheiros depois, atravessamos a Caldera de Los Marteles. Logo, atingimos o miradouro Pico de Los Pozos, também conhecido por de Las Nieves.

Com boa parte da ilha em redor, retém-nos a atenção o panorama a noroeste, com a penha de Roque Nublo bem destacada acima do pinhal que preenche a velha caldeira principal da ilha, definido contra os azuis unidos do Atlântico e do céu.

Por detrás, num segundo plano longínquo, impõem-se as linhas de Tenerife e do cone do vulcão El Teide, com os seus 3715 m, o tecto das Canárias sobranceiro face ao cimo de Gran Canária.

Proeminente, e muito.

Vemos caminhantes fazerem-se aos trilhos que se internam no pinhal. E outros que se fotogravam, em poses acrobáticas, sobre rochedos próximos.

Logo abaixo, desprovido de sentido, uma carripana-quiosque mantinha em funcionamento um gerador ruidoso.

A inesperada dessacralização da Natureza canária e a aspereza do sol, não tarda, a pique movem-nos a retomarmos o itinerário.

Tejeda, a Cruz e a Vila Branca

Descemos para Cruz de Tejeda. Logo à chegada, damos com o seu cruzeiro trabalhado, coroado por um Cristo em aflição. À margem do significado religioso, o monumento marcava o centro geográfico de Gran Canária.

Circundavam-no um galo e duas ou três galinhas concentrados nos petiscos que os turistas por ali deixam.

De Cruz de Tejeda, descemos para Tejeda, a povoação-mãe destas partes, toda ela alva, contrastante com o cinza-verde áspero da vertente que a protege.

Dezenas de quilómetros contados, percebemos que estamos a leste do Roque Nublo que antes tínhamos vislumbrado.

O rochedo projecta-se do cimo da vertente em forma de agulha geológica. Com os seus 67 metros pontiagudos, reforça o dramatismo diagonal da povoação.

Em plena caldeira, lar de quase dois mil canários, Tejeda é considerado um dos pueblos mais encantadores de Espanha. Vários outros na Gran Canária, se poderiam juntar ao grupo.

Já apontados à capital Las Palmas, cumpridos 25km de ziguezagues pelo limiar do Parque Rural de Doramas, damos entrada num deles.

Teror e o Culto da Virgen del Pino

Teror é, hoje, um município de pleno direito, relevante a dobrar já que nele se encontra a Basílica de Nuestra Señora del Pino, templo da santa patrona da diocese das Canárias e, em particular, de Gran Canária.

A Virgen del Pino protagonizou uma aparição mariana em Teror.

Tornou-se a razão de ser de um culto católico exacerbado.

E de uma das celebrações de fé mais exuberantes do arquipélago Canário, assente no costume do século XVI de levar a imagem da Virgen a Las Palmas e de, perante ela, rogar pelas chuvas que, à época, se mantinham arredadas da ilha.

Ao invés, à hora a que chegámos a Teror, o céu parecia preparar uma bátega. Virada a nordeste, exposta à nebulosidade arrastada pelos Alísios, só a beleza e alegria da povoação e da sua população quebrava a atmosfera plúmbea envolvente.

Caminhamos ao longo da rua pedestre Calle Real de La Plaza, deslumbrados com a elegância das varandas de madeira, destacadas de outras tantas fachadas seculares.

Ao fim de uma sexta feira, moradores e visitantes das imediações alongavam-se em conversas estridentes, umas apeadas, outras sentadas nas terrazas concorridas.

Já há muito sumido para lá das montanhas, o sol levou para poente o que restava da sua luz. Entregue à dos candeeiros parisienses, Teror passou a encantar em modo pós-crepuscular.

Até que a deixámos, destinados a Las Palmas, a Virgen del Piño furtou-se a irrigar aquela grande, árida, mas acolhedora Canária.

Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura - Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
San Juan, Cidade Velha, Porto Rico, Reggaeton, bandeira em Portão
Cidades
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Mini-snorkeling
Cultura
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Étnico
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
História
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista aérea de Moorea
Ilhas
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Património Mundial UNESCO
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
A Crucificação em Helsínquia
Religião
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Sociedade
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES