Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)


Casario Cubista
Formas e cores da sempre garrida Aguimes
Silhueta
Silhuetas numa rua de Aguimes.
Caldera de Los Marteles
Uma das muitas expressões do vulcanismo de Gran Canária.
Pico de Las Nieves
A floresta em redor do Pico de Las Nieves, com a ilha de Tenerife em fundo.
Roque Nublo
O monumento natural de Roque Nublo, nas imediações do Pico de Las Nieves.
La Tejeda
O casario alvo e descendente de La Tejeda.
Calle Real
Fim da tarde na Calle Real de Teror, com a sua principal igreja em fundo.
Varandas de Teror
As varandas tradicionais das Canárias, concentradas na Calle Real de Teror.
Passeio Canino
Passeio de mascote num beco elegante de Aguimes.
Um Lar espinhoso
Moradora entra em casa abaixo de um grande cacto que desponta do seu pátio.
Escaladas
Conquista de um pequeno cimo junto ao mirador de Los Pozos.
A Meio-caminho
Povoação entre La Tejeda e Teror.
Guayadeque
Carro sobe lentamente o Barranco profundo de Guayadeque
Iglésia de Aguimes
Cúpula da catedral bem destacada acima do casario da povoação.
Gente na Rua
Moradores cruzam-se numa esquina repleta de cor de Aguimes.
Cruz Florida
Cruz de flores decora e abençoa uma entrada de casa de Aguimes.
Camelo Estacionado
Estátua de camelo estacionado numa viela da Aguimes.
A Eira de “La Era”
Cadeiras panorâmicas de "La Era".
É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.

 Com um diâmetro de 45 a 50km e um seu zénite, quase central, a roçar os 2 km de altitude, mais que íngreme, a Gran Canária revela-se abrupta.

Sempre que apontamos ao seu interior, as estradas sobem a bom subir, pelos meandros a que os sulcos do vulcanismo e da erosão submeteram a modernidade.

O trajecto entre Vecindário e a vila secular de Aguimes, já 5km para dentro da ilha, pouco destoa.

A Visão Cubista de Aguimes

A povoação alonga-se sobre uma crista do sopé do Pico de Las Nieves, acima de um dos muitos desfiladeiros verdejantes que os canários preferem chamar de barrancos.

Espalha-se sobre a vegetação como um lego de peças pastel, coroado pela inevitável catedral católica.

Do lado de lá do barranco, retomamos a descoberta, já em modo pedestre, pelos becos, ruelas e vielas que sulcam o casario cubista.

Elegante no seu jeito excêntrico, Aguimes acolhe sucessivas vagas de visitantes. Àquela hora, quem sabe se pela distância das principais estâncias balneares, os forasteiros ainda estavam por chegar.

Cruzamo-nos com um ou outro, como nós, independentes, e deslumbrados pela harmonia cromática e de formas em que o pueblo se mantinha, adornado por deliciosos caprichos de arte de rua.

Despontam cactos do interior de pátios.

Potes enfeitam esquinas com pedras por pintar, uma moda arquitectónica que, como a de estilo profícuo de varandas e adufes, se estima importada de Portugal.

Outros pormenores já são, apenas e só, canários. É o caso do camelo de bronze deitado num beco, entre variantes de amarelo.

E o dos crucifixos de flores que abençoam e reforçam a exuberância do casario, uma tradição que vem de tempos ancestrais, mas muito posteriores à fundação de Aguimes.

Uma Povoação Pioneira de Gran Canária

Estima-se que os espanhóis começaram a erguer a povoação, a partir de 1491, pouco depois de terem submetido os indígenas canários e fundado o assentamento que deu origem a Las Palmas, o actual bairro de Vegueta.

Aliás, como aconteceria noutras partes, os conquistadores e os colonos que os seguiram, impuseram Aguimes a um assentamento que os indígenas se viram forçados a abandonar.

A supremacia indisputada da Igreja de San Sebastian, erguida com três naves, torres gémeas e altivas tem uma razão óbvia de ser. Foram os Reis Católicos de Espanha quem validou a fundação da vila.

Quando a ditaram, agradecidos pela participação dos missionários na guerra contra os aborígenes Canários, concederam-na à igreja.

O sol sobe no firmamento. Encurta às sombras dos transeuntes que, após a chegada de uns autocarros de turismo, são em maior número e  justificam que os donos de negócios, guias e afins a eles se dediquem.

Por irónico que soe, nos últimos tempos, Aguimes atrai tantos visitantes que justificou um fluxo imigratório de outras partes menos afortunadas da ilha.

Esta realidade contrasta com a de décadas anteriores, em que os produtos hortícolas e outros se revelaram proveitos insuficientes e forçaram os colonos canários a migrarem para Cuba, para Porto Rico, para outras paragens sobretudo hispânicas das Américas.

No cômputo geral, a população do município aumenta há cem anos e, do início do século XX para cá, assente na pujança da zona industrial da vizinha Arinaga, quase a dobrar.

Outros negócios, instalados ainda mais para o interior e para cima na ilha, têm-se provado casos de sucesso em tudo distintos.

Guayadeque: o Rio, o Barranco e as Casas Cuevas Restaurantes

Com Aguimes para trás, seguimos pelo barranco do rio Guayadeque.

Quanto mais subimos nos seus 15km de extensão, mais sentimos o bafo seco de África. Agaves e cactos opuntia floridos disputam a humidade parca retida pelas encostas, por ali, repletas de grutas e cavernas aprofundadas e adornadas pelo homem.

Numa zona panorâmica e de fortes tradições gastronómicas da ilha, vários restaurantes adaptaram-se às reentrâncias e restantes formas das falésias.

O “Tagoror”, o “Veja” e o “La Era”, entre outros, tornaram-se casas cuevas e albergues pitorescas, algumas até bizarras, com os seus túneis e salas lúgubres a contrastarem com as vistas monumentais dos terraços e jardins solarengos.

Servem parrilladas com papas fritas ó arrugadas – estas últimas, as tradicionais das Canárias – enriquecidas com pimentos padrón e morcilla, em qualquer caso, tudo produzido em redor, como o são o mel, os quesos de Ingenio e o viño abocado que mistura vinho doce com vinho tinto.

Almoçados no “La Era”, sentamo-nos na eira que lhe inspirou o nome. Dali, entre agaves e cactos, acompanhamos os carros no seu trajecto de ínfimos ao tamanho real, aos esses, pela estrada que de nós os aproximava.

Uns poucos minutos de sossego contemplativo depois, seguimos pelo mesmo asfalto, rumo às terras cimeiras da Gran Canária.

A Caminho do Cimo de Gran Canária, Pico de Las Nieves

Passamos por El Sequero. Entramos num barranco paralelo ao de Guayadeque – o de Ingenio – que se aproxima do rio homónimo.

Cruzadas algumas povoações de montanha: La Pasadilla, El Roque, La Solana, Cazadores e lugarejos afim, deixamos a zona ressequida da ilha para o domínio vasto da sua floresta de pinheiros, irrigada pela névoa e pela humidade que os ventos alísios fazem chegar do Atlântico.

Incontáveis curvas e pinheiros depois, atravessamos a Caldera de Los Marteles. Logo, atingimos o miradouro Pico de Los Pozos, também conhecido por de Las Nieves.

Com boa parte da ilha em redor, retém-nos a atenção o panorama a noroeste, com a penha de Roque Nublo bem destacada acima do pinhal que preenche a velha caldeira principal da ilha, definido contra os azuis unidos do Atlântico e do céu.

Por detrás, num segundo plano longínquo, impõem-se as linhas de Tenerife e do cone do vulcão El Teide, com os seus 3715 m, o tecto das Canárias sobranceiro face ao cimo de Gran Canária.

Proeminente, e muito.

Vemos caminhantes fazerem-se aos trilhos que se internam no pinhal. E outros que se fotogravam, em poses acrobáticas, sobre rochedos próximos.

Logo abaixo, desprovido de sentido, uma carripana-quiosque mantinha em funcionamento um gerador ruidoso.

A inesperada dessacralização da Natureza canária e a aspereza do sol, não tarda, a pique movem-nos a retomarmos o itinerário.

Tejeda, a Cruz e a Vila Branca

Descemos para Cruz de Tejeda. Logo à chegada, damos com o seu cruzeiro trabalhado, coroado por um Cristo em aflição. À margem do significado religioso, o monumento marcava o centro geográfico de Gran Canária.

Circundavam-no um galo e duas ou três galinhas concentrados nos petiscos que os turistas por ali deixam.

De Cruz de Tejeda, descemos para Tejeda, a povoação-mãe destas partes, toda ela alva, contrastante com o cinza-verde áspero da vertente que a protege.

Dezenas de quilómetros contados, percebemos que estamos a leste do Roque Nublo que antes tínhamos vislumbrado.

O rochedo projecta-se do cimo da vertente em forma de agulha geológica. Com os seus 67 metros pontiagudos, reforça o dramatismo diagonal da povoação.

Em plena caldeira, lar de quase dois mil canários, Tejeda é considerado um dos pueblos mais encantadores de Espanha. Vários outros na Gran Canária, se poderiam juntar ao grupo.

Já apontados à capital Las Palmas, cumpridos 25km de ziguezagues pelo limiar do Parque Rural de Doramas, damos entrada num deles.

Teror e o Culto da Virgen del Pino

Teror é, hoje, um município de pleno direito, relevante a dobrar já que nele se encontra a Basílica de Nuestra Señora del Pino, templo da santa patrona da diocese das Canárias e, em particular, de Gran Canária.

A Virgen del Pino protagonizou uma aparição mariana em Teror.

Tornou-se a razão de ser de um culto católico exacerbado.

E de uma das celebrações de fé mais exuberantes do arquipélago Canário, assente no costume do século XVI de levar a imagem da Virgen a Las Palmas e de, perante ela, rogar pelas chuvas que, à época, se mantinham arredadas da ilha.

Ao invés, à hora a que chegámos a Teror, o céu parecia preparar uma bátega. Virada a nordeste, exposta à nebulosidade arrastada pelos Alísios, só a beleza e alegria da povoação e da sua população quebrava a atmosfera plúmbea envolvente.

Caminhamos ao longo da rua pedestre Calle Real de La Plaza, deslumbrados com a elegância das varandas de madeira, destacadas de outras tantas fachadas seculares.

Ao fim de uma sexta feira, moradores e visitantes das imediações alongavam-se em conversas estridentes, umas apeadas, outras sentadas nas terrazas concorridas.

Já há muito sumido para lá das montanhas, o sol levou para poente o que restava da sua luz. Entregue à dos candeeiros parisienses, Teror passou a encantar em modo pós-crepuscular.

Até que a deixámos, destinados a Las Palmas, a Virgen del Piño furtou-se a irrigar aquela grande, árida, mas acolhedora Canária.

Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura - Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Presa por vários arames
Cidades
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Ilha de São Miguel, Acores Deslumbrantes por Natureza
Ilhas
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira
Natureza
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Selfie, Muralha da china, Badaling, China
Património Mundial UNESCO
Badaling, China

A Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da Muralha da China, a maior estrutura criada pelo homem. Recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES