Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca


O Auditório de Santa Cruz
Banhista em topless seguida por mascotes caninas, em frente ao auditório da capital de Tenerife.
Tenerife tropical
Mini palmeiral em pleno centro histórico de La Laguna.
Do dia para a Noite
Sol pôe-se a Ocidente da Playa Benijo, no sudoeste de Tenerife.
Pintura Miradoural
Pintura dá mais cor a uma pedra no cimo do Miradouro Las Gaviotas, em Tenerife.
Quase Noite em Benijo
Cores da quase noite na maré-vazia da praia Benijo.
Las Teresitas
A grande praia e principa recreio balnear da capital de Tenerife, Santa Cruz.
Los Roques do Bodyboard
Bodyboarders divertem-se com as ondas longas na Playa Los Roques.
Casario de San Andrés
O inusitado pueblo de San Andrés, dependurado de uma encosta íngreme do sul de Tenerife.
Pueblo de Taganana
As linhas de casario de Taganana e povoações vizinhas, adaptadas às das encostas dramáticas do sul de Tenerife.
Paisagem balnear de Teresita
Um recanto desportivo da Playa de Teresita, o principal refúgio balnear da capital Santa Cruz de Tenerife.
Terras de Anaga
Montanhas e vales florestados e áridos do domínio de Anaga.
Um dos inúmeros palacetes que compõem o âmago histórico de San Cristobal de La Laguna.
Los Roques
Mar da maré-cheia de Los Roques gera vagas em distintas direcções.
Playa Roques
Banhista solitária bronzeia-se numa praia rochosa ao lado de Los Roques.
A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.

O sol mal saiu detrás das colinas a oriente mas a Cidade de los Adelantados apresta-se a recuperar o dia-a-dia atarefado, nos devidos momentos, prazeroso que constatámos e voltámos a constatar.

Este cognome advém de, no seu dealbar, a povoação ter sido fundada e regida por um tal de Adelantado Alonso Fernández de Lugo, o conquistador andaluz das ilhas de Tenerife e de La Palma que as entregou à Coroa de Castela-Aragão, já livres da ameaça dos nativos guanches.

De Lugo recebeu o título de Adelantado. Ficou para a história sobretudo pela crueldade e obsessão com que impôs a sua liderança enquanto governador e chefe de justiça de ambas as ilhas.

E por como fez funcionar e desenvolver San Cristóbal de La Laguna, à data e por algum tempo, capital do arquipélago das Canárias, a cidade em que se encontra o seu túmulo.

Em sua homenagem, na hoje tratada apenas por La Laguna, pelo menos, uma rua e uma praça por que cirandamos têm o nome de Del Adelantado.

Passou mais de meio milénio. Boa parte do âmago de La Laguna é pedestre.

Preserva a grandiosidade e elegância de pastel de várias outras povoações das Canárias, financiadas com os proveitos que as oito ilhas entretanto garantiram à Coroa e aos seus senhores coloniais.

De tal maneira que La Laguna é, em simultâneo, a Capital Cultural das Canárias e, desde 1999, Património Universal UNESCO.

De San Cristobal de La Laguna para Oriente da Ilha

Encontramo-nos com o guia que nos fora designado para Tenerife, Juan Miguel Delporte, no átrio do La Laguna Grande Hotel.

Este estabelecimento resultou de um aproveitamento quase-perfeito da casa original (1755) de D. Fernando de La Guerra, lar em que, mesmo receosos da Inquisição, se reuniam os chamados “Los Caballeritos”, tertulianos que ansiavam por que Tenerife fosse governada segundo os preceitos proscritos pelo Santo Ofício de Rousseau, de Voltaire e de outros iluminados.

Juan Miguel oferece-se para nos conduzir. Nessa mesma manhã, deixamos La Laguna apontados ao Parque Rural e bosque de Anaga.

Nas imediações de Jardina e de Mercedes, um vale amplo dá lugar a uma encosta florestada. Ascendemos a ziguezaguear, devagar devagarinho, atrás de ciclistas que por ali treinam.

Detemo-nos. No Mirador de Jardina, apreciamos o cenário no sentido inverso, espraiado e difuso nalguma névoa que envolvia até o El Teide, o grande vulcão de Tenerife, das Canárias e de Espanha.

Já distante, assente numa vertente suave e sobre o que nos parece ser um grande prado, dá mais sentido ao miradouro a aldeia de Jardina, feita de um aglomerado multicolor de casas de tons quentes, com algum branco e azul a quebrar a monotonia.

O Litoral Rude e Abrupto do Nordeste de Tenerife

Dessa espécie de prado, o leste de Tenerife evolui para uma floresta de encosta, íngreme, irrigada pela nebulosidade que os Alísios empurram ilha adentro.

A toda a volta, vemos o limiar leste de Tenerife entregue ao Maciço de Anaga, recortado por uma cordilheira de cumes aguçados, alguns, acima dos 1000 metros (Chinobre, Anambro, Roques de Anaga e outros).

Onde a vegetação se agarra com raízes eficientes, prolifera o bosque do Parque Rural de Anaga, Reserva da Biosfera, floresta de vertente, resiliente, repleta de mistérios e de espécies endémicas, um dos lugares da Europa com mais endemismo, há que sublinhá-lo.

Ao mesmo tempo, lar caprichoso e exigente de 2.500 almas, habitantes de quase trinta pequenos pueblos, com os seus redutos agrícolas e pecuários.

Avançamos pela sua crista verdejante, com a névoa a entrar de norte, logo, retida pelos picos destacados a sul. Por altura de El Bailadero, inauguramos uma descida abrupta e sinuosa até à beira-mar escarpada da ilha.

Pelo caminho, detemo-nos nos miradouros de León de Taganana e “Risco de Amogoje”. De lá apreciamos os picos e recortes dramáticos em que se alojaram os casarios de Azanos, de Bajo El Roque e, claro está, de Taganana.

Cruzamos Taganana. A continuação da carretera Almaciga deixa-nos primeiro de frente para o Atlântico, logo, a progredirmos paralelos ao oceano, no sopé de escarpas ressequidas pelo longo Verão, de que sobressai o emblemático Roque de las Animas.

Sob uma meteorologia ventosa mas amornada por nova onda de cacima (tempo vindo do deserto do Sara), mais que animada, a vida seguia deleitosa por estas paragens de Tenerife.

Chegados à Playa del Roque de Las Bodegas, damos com a marginal da enseada repleta de banhistas, surfistas e convivas às mesas dos bares e restaurantes que matam a fome e a sede à multidão em evasão.

Playa del Roque à Deslumbrante Benijo

Soam tons de viola e jambé, abafados por outros bem mais electrónicos do reggaeton que se alastrou pelo mundo como um maremoto portoriquenho avassalador.

Com a maré a subir, as vagas embatem na base do paredão da marginal com estrondo. Ao voltarem para trás, colidem com as seguintes.

Formam estranhos vectores aquáticos, frentes temporárias de espuma marinha que contrastam com a negrura vulcânica da areia, e que vemos estenderem-se até aos rochedos de Roque de Las Bodegas que emprestam o nome à praia.

Surfistas e bodyboarders atiram-se ao mar bravio como se o de amanhã não estivesse igual. Logo ao lado, uma banhista solitária bronzeia-se, deitada, num retalho de areia-cinza exíguo perdido num mar de calhaus.

Com a manhã já bem mais longa do que contávamos, sentamo-nos no restaurante Playa Casa Africa determinados a repor energias. O peixe-grelhado vem com papas arrugadas e uma salada mista enriquecida com fruta. Provamos ainda o café barraquito (ou zaperoco) típico de Tenerife, potenciado com Tia Maria, Licor 43 ou afim, e limão.

De seguida, espreitamos a praia Benijo, lugar incontornável da adolescência de Juan Miguel, perceberíamos, mais tarde, o porquê. Por essa altura, a maré-cheia retirava-lhe boa parte do areal e do encanto. De acordo, voltamos noutro dia, sobre o pôr-do-sol.

O areal negro revelava-se enorme. Dele se projectavam penhascos aguçados batidos por grandes ondas.

Quando o sol se pôs a ocidente, estes penhascos geraram silhuetas avassaladoras que competiam com as dos picos afiados à distância.

Originaram jogos de luz derradeira e de sombra que inspiraram incontáveis fotos, selfies, intercaladas por tropelias e mergulhos.

Las Teresitas: o Recreio Balnear da Capital Santa Cruz

Mas regressemos à tarde que antecedeu este tal crepúsculo mágico. Após nova maratona de curvas e contracurvas, regressamos a El Bailadero. Daí, descemos toda a vertente oposta à que tínhamos explorado, rumo ao litoral sul de Tenerife.

Confrontamo-nos com o mar suave desse lado, no Mirador Gaviotas, bem acima da Playa de Las Teresitas, uma enseada aberta de areia dourada importada do Sara, com mar esmeralda, suavizado por um grande molhe e por um recife artificial perfeito para qualquer tipo de natação.

Por si só, o recreio balnear de Las Teresitas dá mais sentido à vida em Santa Cruz de Tenerife e pueblos veciños.

A praia não se fica por aí.

Encerra-a, a sudoeste, o povoado de San Andrés, um dos mais excêntricos da ilha, com o seu casario branco e de cores sortidas, amontoado quase até ao cume de um monte castanho-escuro de Anaga, salpicado por arbustos verdejantes.

San Andrés vai mais além.

À margem das suas gentes e lares contemporâneos, encontrou-se numa gruta nas imediações uma múmia de um indígena guanche, não necessariamente real, apesar de fontes recentes terem apurado que o rei dos Guanches da altura da conquista espanhola habitava o Vale de San Andrés.

Contornamos o monte em que se encosta a povoação. Do lado de lá, por alguns quilómetros, o sul de Tenerife torna-se portuário e algo industrial.

De Entrada em Santa Cruz, a Capital na Extensão de La Laguna

Até que entramos na capital Santa Cruz e nos sentimos pela primeira vez num domínio urbano e moderno da ilha. Falta a Santa Cruz o encanto e a profundidade histórica de La Laguna. Para compensar, Santa Cruz vive sobre o oceano e a sua beira-mar é coroada por dois monumentos obrigatórios das Canárias.

O Castillo Negro de San Juan, da primeira metade do século XVII. E, ao alcance, o auditório em forma ou de vaga ou de vela, da autoria de Santiago Calatrava, o edifício cívico mais moderno da cidade, erguido entre 1997 e 2003, considerado, aliás, o símbolo principal de Santa Cruz de Tenerife.

Circundamo-lo, até ficarmos entre o castillo e o mar. Sem que o esperássemos, damos connosco num recanto balnear e alternativo da cidade. Uma placa determina que é proibido mergulhar. Não obstante, um grupo de jovens entregam-se a saltos sem fim a partir do molhe.

Mais próximas, duas mulheres, cinquentonas ou até sessentonas, bronzeiam-se em modo topless, na companhia de chihuahuas e pequenos rafeiros irritadiços e estridentes que nos infernizam o passeio.

Um aroma a erva, da espécie marijuana, paira e adoça a inusitada marginal. Também o sol começava a relaxar.

Ao regressarmos ao ponto de partida, encontramos La Laguna em peso na rua, a usufruir do modo terraza (esplanada) que há muito rege a cidade a partir das cinco da tarde.

Sentamo-nos numa delas. Celebramos o dia canário que tínhamos feito por merecer.

A BINTER www.bintercanarias.com ; (+351) 291 290 129 VOA DE LISBOA E DO FUNCHAL PARA TENERIFE, NAS CANÁRIAS, ÀS QUINTAS E DOMINGOS.

Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Emma
Cidades
Melbourne, Austrália

Uma Austrália “Asienada”

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Em Viagem
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
real de Catorce, San Luís Potosi, México, Capela de Guadalupe
História
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Ilhas
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Espargos, ilha do Sal, Cabo Verde
Natureza
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Sal Muito Grosso
Parques Naturais
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Património Mundial UNESCO
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Religião
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Hipopótamo na Lagoa de Anôr, Ilha de Orango, Bijagós, Guiné Bissau
Vida Selvagem
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT