Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca


O Auditório de Santa Cruz
Banhista em topless seguida por mascotes caninas, em frente ao auditório da capital de Tenerife.
Tenerife tropical
Mini palmeiral em pleno centro histórico de La Laguna.
Do dia para a Noite
Sol pôe-se a Ocidente da Playa Benijo, no sudoeste de Tenerife.
Pintura Miradoural
Pintura dá mais cor a uma pedra no cimo do Miradouro Las Gaviotas, em Tenerife.
Quase Noite em Benijo
Cores da quase noite na maré-vazia da praia Benijo.
Las Teresitas
A grande praia e principa recreio balnear da capital de Tenerife, Santa Cruz.
Los Roques do Bodyboard
Bodyboarders divertem-se com as ondas longas na Playa Los Roques.
Casario de San Andrés
O inusitado pueblo de San Andrés, dependurado de uma encosta íngreme do sul de Tenerife.
Pueblo de Taganana
As linhas de casario de Taganana e povoações vizinhas, adaptadas às das encostas dramáticas do sul de Tenerife.
Paisagem balnear de Teresita
Um recanto desportivo da Playa de Teresita, o principal refúgio balnear da capital Santa Cruz de Tenerife.
Terras de Anaga
Montanhas e vales florestados e áridos do domínio de Anaga.
Um dos inúmeros palacetes que compõem o âmago histórico de San Cristobal de La Laguna.
Los Roques
Mar da maré-cheia de Los Roques gera vagas em distintas direcções.
Playa Roques
Banhista solitária bronzeia-se numa praia rochosa ao lado de Los Roques.
A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.

O sol mal saiu detrás das colinas a oriente mas a Cidade de los Adelantados apresta-se a recuperar o dia-a-dia atarefado, nos devidos momentos, prazeroso que constatámos e voltámos a constatar.

Este cognome advém de, no seu dealbar, a povoação ter sido fundada e regida por um tal de Adelantado Alonso Fernández de Lugo, o conquistador andaluz das ilhas de Tenerife e de La Palma que as entregou à Coroa de Castela-Aragão, já livres da ameaça dos nativos guanches.

De Lugo recebeu o título de Adelantado. Ficou para a história sobretudo pela crueldade e obsessão com que impôs a sua liderança enquanto governador e chefe de justiça de ambas as ilhas.

E por como fez funcionar e desenvolver San Cristóbal de La Laguna, à data e por algum tempo, capital do arquipélago das Canárias, a cidade em que se encontra o seu túmulo.

Em sua homenagem, na hoje tratada apenas por La Laguna, pelo menos, uma rua e uma praça por que cirandamos têm o nome de Del Adelantado.

Passou mais de meio milénio. Boa parte do âmago de La Laguna é pedestre.

Preserva a grandiosidade e elegância de pastel de várias outras povoações das Canárias, financiadas com os proveitos que as oito ilhas entretanto garantiram à Coroa e aos seus senhores coloniais.

De tal maneira que La Laguna é, em simultâneo, a Capital Cultural das Canárias e, desde 1999, Património Universal UNESCO.

De San Cristobal de La Laguna para Oriente da Ilha

Encontramo-nos com o guia que nos fora designado para Tenerife, Juan Miguel Delporte, no átrio do La Laguna Grande Hotel.

Este estabelecimento resultou de um aproveitamento quase-perfeito da casa original (1755) de D. Fernando de La Guerra, lar em que, mesmo receosos da Inquisição, se reuniam os chamados “Los Caballeritos”, tertulianos que ansiavam por que Tenerife fosse governada segundo os preceitos proscritos pelo Santo Ofício de Rousseau, de Voltaire e de outros iluminados.

Juan Miguel oferece-se para nos conduzir. Nessa mesma manhã, deixamos La Laguna apontados ao Parque Rural e bosque de Anaga.

Nas imediações de Jardina e de Mercedes, um vale amplo dá lugar a uma encosta florestada. Ascendemos a ziguezaguear, devagar devagarinho, atrás de ciclistas que por ali treinam.

Detemo-nos. No Mirador de Jardina, apreciamos o cenário no sentido inverso, espraiado e difuso nalguma névoa que envolvia até o El Teide, o grande vulcão de Tenerife, das Canárias e de Espanha.

Já distante, assente numa vertente suave e sobre o que nos parece ser um grande prado, dá mais sentido ao miradouro a aldeia de Jardina, feita de um aglomerado multicolor de casas de tons quentes, com algum branco e azul a quebrar a monotonia.

O Litoral Rude e Abrupto do Nordeste de Tenerife

Dessa espécie de prado, o leste de Tenerife evolui para uma floresta de encosta, íngreme, irrigada pela nebulosidade que os Alísios empurram ilha adentro.

A toda a volta, vemos o limiar leste de Tenerife entregue ao Maciço de Anaga, recortado por uma cordilheira de cumes aguçados, alguns, acima dos 1000 metros (Chinobre, Anambro, Roques de Anaga e outros).

Onde a vegetação se agarra com raízes eficientes, prolifera o bosque do Parque Rural de Anaga, Reserva da Biosfera, floresta de vertente, resiliente, repleta de mistérios e de espécies endémicas, um dos lugares da Europa com mais endemismo, há que sublinhá-lo.

Ao mesmo tempo, lar caprichoso e exigente de 2.500 almas, habitantes de quase trinta pequenos pueblos, com os seus redutos agrícolas e pecuários.

Avançamos pela sua crista verdejante, com a névoa a entrar de norte, logo, retida pelos picos destacados a sul. Por altura de El Bailadero, inauguramos uma descida abrupta e sinuosa até à beira-mar escarpada da ilha.

Pelo caminho, detemo-nos nos miradouros de León de Taganana e “Risco de Amogoje”. De lá apreciamos os picos e recortes dramáticos em que se alojaram os casarios de Azanos, de Bajo El Roque e, claro está, de Taganana.

Cruzamos Taganana. A continuação da carretera Almaciga deixa-nos primeiro de frente para o Atlântico, logo, a progredirmos paralelos ao oceano, no sopé de escarpas ressequidas pelo longo Verão, de que sobressai o emblemático Roque de las Animas.

Sob uma meteorologia ventosa mas amornada por nova onda de cacima (tempo vindo do deserto do Sara), mais que animada, a vida seguia deleitosa por estas paragens de Tenerife.

Chegados à Playa del Roque de Las Bodegas, damos com a marginal da enseada repleta de banhistas, surfistas e convivas às mesas dos bares e restaurantes que matam a fome e a sede à multidão em evasão.

Playa del Roque à Deslumbrante Benijo

Soam tons de viola e jambé, abafados por outros bem mais electrónicos do reggaeton que se alastrou pelo mundo como um maremoto portoriquenho avassalador.

Com a maré a subir, as vagas embatem na base do paredão da marginal com estrondo. Ao voltarem para trás, colidem com as seguintes.

Formam estranhos vectores aquáticos, frentes temporárias de espuma marinha que contrastam com a negrura vulcânica da areia, e que vemos estenderem-se até aos rochedos de Roque de Las Bodegas que emprestam o nome à praia.

Surfistas e bodyboarders atiram-se ao mar bravio como se o de amanhã não estivesse igual. Logo ao lado, uma banhista solitária bronzeia-se, deitada, num retalho de areia-cinza exíguo perdido num mar de calhaus.

Com a manhã já bem mais longa do que contávamos, sentamo-nos no restaurante Playa Casa Africa determinados a repor energias. O peixe-grelhado vem com papas arrugadas e uma salada mista enriquecida com fruta. Provamos ainda o café barraquito (ou zaperoco) típico de Tenerife, potenciado com Tia Maria, Licor 43 ou afim, e limão.

De seguida, espreitamos a praia Benijo, lugar incontornável da adolescência de Juan Miguel, perceberíamos, mais tarde, o porquê. Por essa altura, a maré-cheia retirava-lhe boa parte do areal e do encanto. De acordo, voltamos noutro dia, sobre o pôr-do-sol.

O areal negro revelava-se enorme. Dele se projectavam penhascos aguçados batidos por grandes ondas.

Quando o sol se pôs a ocidente, estes penhascos geraram silhuetas avassaladoras que competiam com as dos picos afiados à distância.

Originaram jogos de luz derradeira e de sombra que inspiraram incontáveis fotos, selfies, intercaladas por tropelias e mergulhos.

Las Teresitas: o Recreio Balnear da Capital Santa Cruz

Mas regressemos à tarde que antecedeu este tal crepúsculo mágico. Após nova maratona de curvas e contracurvas, regressamos a El Bailadero. Daí, descemos toda a vertente oposta à que tínhamos explorado, rumo ao litoral sul de Tenerife.

Confrontamo-nos com o mar suave desse lado, no Mirador Gaviotas, bem acima da Playa de Las Teresitas, uma enseada aberta de areia dourada importada do Sara, com mar esmeralda, suavizado por um grande molhe e por um recife artificial perfeito para qualquer tipo de natação.

Por si só, o recreio balnear de Las Teresitas dá mais sentido à vida em Santa Cruz de Tenerife e pueblos veciños.

A praia não se fica por aí.

Encerra-a, a sudoeste, o povoado de San Andrés, um dos mais excêntricos da ilha, com o seu casario branco e de cores sortidas, amontoado quase até ao cume de um monte castanho-escuro de Anaga, salpicado por arbustos verdejantes.

San Andrés vai mais além.

À margem das suas gentes e lares contemporâneos, encontrou-se numa gruta nas imediações uma múmia de um indígena guanche, não necessariamente real, apesar de fontes recentes terem apurado que o rei dos Guanches da altura da conquista espanhola habitava o Vale de San Andrés.

Contornamos o monte em que se encosta a povoação. Do lado de lá, por alguns quilómetros, o sul de Tenerife torna-se portuário e algo industrial.

De Entrada em Santa Cruz, a Capital na Extensão de La Laguna

Até que entramos na capital Santa Cruz e nos sentimos pela primeira vez num domínio urbano e moderno da ilha. Falta a Santa Cruz o encanto e a profundidade histórica de La Laguna. Para compensar, Santa Cruz vive sobre o oceano e a sua beira-mar é coroada por dois monumentos obrigatórios das Canárias.

O Castillo Negro de San Juan, da primeira metade do século XVII. E, ao alcance, o auditório em forma ou de vaga ou de vela, da autoria de Santiago Calatrava, o edifício cívico mais moderno da cidade, erguido entre 1997 e 2003, considerado, aliás, o símbolo principal de Santa Cruz de Tenerife.

Circundamo-lo, até ficarmos entre o castillo e o mar. Sem que o esperássemos, damos connosco num recanto balnear e alternativo da cidade. Uma placa determina que é proibido mergulhar. Não obstante, um grupo de jovens entregam-se a saltos sem fim a partir do molhe.

Mais próximas, duas mulheres, cinquentonas ou até sessentonas, bronzeiam-se em modo topless, na companhia de chihuahuas e pequenos rafeiros irritadiços e estridentes que nos infernizam o passeio.

Um aroma a erva, da espécie marijuana, paira e adoça a inusitada marginal. Também o sol começava a relaxar.

Ao regressarmos ao ponto de partida, encontramos La Laguna em peso na rua, a usufruir do modo terraza (esplanada) que há muito rege a cidade a partir das cinco da tarde.

Sentamo-nos numa delas. Celebramos o dia canário que tínhamos feito por merecer.

A BINTER www.bintercanarias.com ; (+351) 291 290 129 VOA DE LISBOA E DO FUNCHAL PARA TENERIFE, NAS CANÁRIAS, ÀS QUINTAS E DOMINGOS.

Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura - Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)

É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Cidades
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia
Em Viagem
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Étnico
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Comunismo Imperial
História
Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.
Ilhas
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Natureza
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Parques Naturais
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Património Mundial UNESCO
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Praias
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.