Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé


Sobre a crista de Mykines
Ovelhas num primeiro plano e uma fila de caminhantes nas alturas de Mykines.
A bordo do “Jósup”
Passageiros do "Jósup", o barco que faz a viagem entre Sórvagur e a ilha de Mykines.
As 40 Casas de Mykines
A única povoação de Mykines, Ilhas Faroé
Caminhante atrás da crista de Mykines
Visitante de Mykines, passa por um corredor protegido por um portão.
Rio para Mykines
Casario de Mykines além de um dos riachos que sulcam a ilha.
Papagaios-do-mar no ar
Papagaios-do-mar tentam aterragens complicadas no limiar de Mykines.
Erva do solo aos telhados
Casas tradicionais do povoado de Mykines, com telhados de erva e turfa.
Vida de papagaio-do-mar
Papagaios-do-mar sobre um tapete de erva de Mykines.
Caminhada pastoril
Caminhantes descem um trilho de Mykines com um rebanho a percorrê-lo à sua frente.
Duo ovino
Ovelhas com estilos distintos de lã sobre um ervado de Mykines.
Trio na névoa
Vultos sumidos na névoa que se apoderou subitamente de Mykinesholmur.
Ovelha a perder o seu tapete de lã
Ovelha em processo de perda de lã, coça-se contra uma rocha.
Picos de Mykines
Picos aguçados de Mykines e Mykinesholmur.
Duo em tons de verde
Caminhantes percorrem o trilho que conduz a Mykinesholmur.
Papagaiada-do-mar
Colónia de papagaios-do-mar sobre um penhasco de Mykinesholmur.
Louro & Moreno
Cavalos pastam acima do povoado de Mykines.
Fila Faroense
Jovens caminhantes percorrem um trilho de volta ao povoado de Mykines.
Curiosidade de lã
Cordeiros espreitam do cimo da crista de Mykines, com um enorme precipício detrás de si.
O abrigo perfeito
Cordeiro abrigado do vento e da névoa num recorte de terra de Mykinesholmur.
Papagaios-do-mar, papagaios-do-ar
Dois dos muitos papagaios-do-mar. Mykines alberga a maior colónia das ilhas Faroé desta aves.
Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.

Com Mykines já em vista, passamos da ilha de Streymoy para a de Vagar por um dos túneis submarinos longos (4.9km) e convenientes das Faroé. Contornamos a pista de aterragem do aeroporto internacional encaixado em Vagar. Da sua projecção, descemos, aos esses, para o nível do mar.

À imagem de tantas outras povoações disseminadas pelo arquipélago intrincado e recortado, Sorvágur esconde-se numa enseada que encerra um fiorde.

Quase no término da estrada Bakkavegur e nos confins da aldeia, chegamos à última paragem rodoviária da viagem: o pequeno porto local de que partiam as embarcações para a ilha vizinha de Mykines.  Damos com uma fila multinacional, conversadora e, como é suposto nestas terras nórdicas da Europa, ordeira.

Tindhólmur, Drangarnir e a Travessia Embalada a Bordo do “Jósup”

De baptismo “Jósup”, o barco revela-se menor do que esperávamos. Mesmo assim, os passageiros ajustam-se sem percalços aos lugares sentados na popa e aos de pé nas bordas em redor da cabine do timoneiro. Não tardamos a navegar ao longo do Sorvagsfjordur.

Ilheu de Tindhólmur e o rochedo de Dranganir, ao longe, Ilhas Faroé

Ilheu de Tindhólmur e o rochedo de Dranganir, vistos à distância.

Quando aquele golfo se abre ao Atlântico, o homem do leme aponta a embarcação a sudoeste. Fá-la navegar entre a península sinuosa que delimita o fiorde e o ilhéu de Tindhólmur. Sulcamos um Atlântico Norte especial. O rochedo de Drangarnir que contornamos e o próprio Tindhólmur projectam-se do leito marinho para o céu como esculturas exuberantes da erosão e dos milénios. Nos tempos recentes, estão entre as imagens  mais divulgadas do arquipélago.

Drangarnir, aquela por que passamos primeiro, é composta por duas formações rochosas. A mais proeminente é uma espécie de pórtico marinho surreal. Conta com um “buraco de agulha” no âmago de um penhasco massivo com o cimo cortado na diagonal, como que por um machado dos deuses.

Ilhéu de Tindhólmur, Ilhas Faroé

Ilhéu de Tindhólmur visto do barco “Jósup” com os seus cinco picos ainda visíveis.

À medida que dele nos distanciamos, vemos Tindhólmur definir-se com os seus cinco picos aguçados alinhados no cimo de uma falésia rochosa e côncava que contrasta com a vertente oblíqua e verdejante oposta. Mais que gráfico e fotogénico, o ilhéu é excêntrico e majestoso. De tal forma emblemático que as gentes das Faroé se dignaram a dar nomes a cada um dos seus picos: Ytsti, Arni, Lítli, Breidi e Bogdi.

Mas não é só a geologia que engrandece Drangarnir e Tindhólmur. Os feroeses costumam dizer que “as suas ilhas não têm má meteorologia, o que têm é muita meteorologia.” Ali mesmo, o tempo agreste e a inevitável bravura do mar ilustram na perfeição esse dizer.

Passageiros do "Jósup", rumo a Mykines, Ilhas Faroé

Passageiros do “Jósup”, o barco que faz a viagem entre Sórvagur e a ilha de Mykines.

Navegação pelo Sul e Ancoragem no Extremo Ocidente de Mykines

Mal deixamos a proteção afunilada do fiorde e nos metemos na passagem entre o limiar de Vagar e Tindhólmur, o “Jósup” luta contra correntes poderosas e contra vagas que o enguiço do vento e das marés tornam caprichosas. Alguns passageiros sofrem os efeitos do embalo que se prolonga, inclemente, até nos alinharmos com a costa sul de Mykines e ficarmos ao abrigo da poderosa nortada.

Percorremos boa parte dos 10km recortados do litoral meridional da ilha, ao longo do sopé das suas falésias de rocha que, a espaços, vemos cobertas por uma erva estival resiliente.

Uma hora depois da partida de Sórvagur, o barco faz-se a uma enseada mais apertada que outras por que havíamos passado. Desvenda-nos o portinho improvisado de Mykines e a povoação homónima – a única da ilha – com o seu casario aglomerado acima, num vale ervado.

Povoado de Mykines, Ilhas Faroé

Casario de Mykines, visto do mar.

Centenas de aves instaladas nas fendas e nichos dos penhascos em redor recebem-nos com guinchos estridentes de indignação.

Tão ordeiros como havíamos embarcado, desembarcamos. Subimos uma escadaria íngreme. No topo, uma jovem moradora recebe os forasteiros e elucida-os quanto ao que podem e não podem fazer na ilha.

O Incrível Trilho Para o Farol Mykineshólmur

Foram delineados cinco trilhos, cada qual com a sua cor no mapa e características. Sabíamos de antemão que o nº5, o que seguia até ao farol na ponta da ilha-irmã de Mykineshólmur e voltava ao ponto de partida, era o mais popular. Não tardaríamos a confirmar porquê.

Caminhante num trilho de Mykinesholmur, Mykines, Ilhas Faroé

Caminhante percorre o trilho que conduz ao farol de Mykinesholmur.

Optamos por guardar a visita à povoação para o regresso. Viramos-lhe as costas e ascendemos uma longa ladeira na extremidade de prados salpicados de ovelhas. No seu cimo, alcançamos a crista daquela secção de Mykines. Este padrão contrastante e vertiginoso viria a repetir-se em boa parte da caminhada.

De cada vez que nos aventurávamos a espreitar para norte dessa crista, dávamos com abismos aprumados que, nos pontos mais elevados, chegavam às várias centenas de metros. Não obstante, como tínhamos já constatado noutros lugares das Faroé, determinadas em alcançar a erva viçosa irrigada pelo vento húmido do norte, as ovelhas desafiavam-nos amiúde. Víamo-las de todas as cores e feitios. Negras, brancas, castanhas e malhadas.

Ovelhas e Mais Ovelhas

Ovelhas, cordeiros e borregos plácidos. Carneiros enormes com trejeitos territoriais e cornos enrolados a condizer. Muitos dos espécimes tinham sido tosquiados. Ou, semi-nús, largavam o manto de lã farto que os protegia do Inverno frígido. Entre estas ovelhas, várias tentavam aliviar a comichão que o (relativo) calor estival provocava esfregando-se em rochas aguçadas.

Nos primeiros momentos sobre a ilha, perdemo-nos naquele deslumbre ovino e fotogénico de vermos tanta ovelha em movimentos e poses fotogénicas: sobre saliências e nichos ervados, umas empoleiradas com o mar cinzentão em fundo, outras, contra o céu coberto que acinzentava o oceano.

Ovelhas em Mykines, Ilhas Faroé

Cordeiros espreitam do cimo da crista de Mykines, com um enorme precipício detrás de si.

Por fim, consciencializamo-nos de que não tínhamos todo o tempo do mundo. Retomamos o trilho já só com paragens incontornáveis para registarmos as vistas incríveis que detectávamos. Sobretudo o vale que ficara para trás e o casario colorido que o habitava.

Ainda em fase ascendente do percurso, iludimo-nos a pensar que o caminho que conduzia ao farol seguiria, plano e liso. Umas dezenas de metros para diante, o trilho entra num aperto ainda mais exíguo da crista. Revela-nos um inesperado abismo frontal. Procurámos uma sequência que não nos acabasse com a vida.

Por fim, achamos o fio ao trilho, escondido numa espécie de passagem natural que a erosão tinha forçado à falésia. Um portão de madeira e uma vedação de arame protegiam-nos de uma longa queda mortal. Em simultâneo, serviam de pórtico e de corredor de acesso a uma área distinta da ilha, o reduto repleto de aves marinhas responsável pela fama suprema do trilho para o farol.

Um Outro Domínio Vertiginoso e Avícola

Num dos dias anteriores, tínhamos participado num tour aos rochedos de Vestmanna, divulgado como ideal para contemplação dos pitorescos papagaios-do-mar. Verdade seja dita que, por uma ou por outra razão, não vimos nesses rochedos, sem dúvida impressionantes, um único espécime.

Tal frustração fez com que os participantes tivessem regressado a terra a resmungar com o engano. Ao invés, daquele recanto em diante, partilharíamos Mykines com a maior colónia de papagaios-do-mar das Faroé.

Colónia de papagaios-do-mar à entrada de Mykinesholmur, Ilhas Faroé

Colónia de papagaios-do-mar sobre um penhasco de Mykinesholmur.

Saímos desse corredor uma vez mais para a vertente sul e ervada da ilha. De um momento para o outro, avistamos várias cabecinhas coloridas a espreitar-nos de dentro de tocas abertas na terra molhada e dissimuladas por tufos frondosos. Trilho fora, os espécimes isolados e ocultos transformaram-se em grupos sem nada a esconder, alinhados em arestas inclinadas que espreitavam braços de mar abaixo.

Aproximamo-nos do desfiladeiro marinho que separa o corpo principal de Mykines da sub-ilha de Mykineshólmur. A nortada enfia-se, furiosa, nesse intervalo. Fustiga a paisagem e os papagaios-do-mar, as gaivotas, os corvos-marinhos, as tordas-mergulheiras, alcatrazes e guillemots.

No Reino dos Papagaios-do-Mar

Sentamo-nos por momentos em frente a um núcleo de papagaios-do-mar sobre uma crista da ilha que usavam como ponto de aterragem. Apreciamo-los a virarem as cabeças para cá e para lá, desconfiados, como bonecos mecânicos pré-programados. A descolarem arrastados, a grande velocidade, pela ventania.

Papagaios-do-mar, Mykines

Dois dos muitos papagaios-do-mar. Mykines alberga a maior colónia das ilhas Faroé desta aves.

E, no regresso, a tentarem alinhar as suas travagens desajeitadas com o perfil da vertente e o espaço que a colónia lhes reservava. Riamo-nos a bom rir de cada vez que abortavam as suas aterragens e, aflitos, se viam obrigados a aproximações correctivas contra o vento.

Mas, tal como acontecera com as ovelhas, lembramo-nos que não podíamos conviver a tarde toda com os adoráveis “puffins”. De acordo, atravessamos a ponte que cruza o desfiladeiro e aventuramo-nos por um trilho intermédio da encosta sul de Mykineshólmur. Apesar de uma névoa fulminante se apoderar da ilha, voltamos a detectar ovelhas em toda a sua abundância e graciosidade.

Cordeiro abrigado do vento em Mykinesholmur, Ilhas Faroé

Cordeiro abrigado do vento e da névoa num recorte de terra de Mykinesholmur.

O Velho Farol de Mykineshóllmur Perdido na Névoa

Quando chegamos ao farol de Mykines, a visibilidade estava reduzida a uns meros metros. Empresta mais sentido ao hólmur colocado em 1909 no extremo da ilha como alerta para a navegação. A náutica mas não só. Antes dele, já muitas catástrofes tinham acontecido.

Vultos na névoa, junto ao farol de Mykinesholmur, Ilhas Faroé.

Vultos sumidos na névoa que se apoderou subitamente de Mykinesholmur.

Segundo reza a história, em 1595, cerca de 50 navios de várias partes do arquipélago foram surpreendidos por uma tempestade fulminante e naufragaram. Crê-se que todos os homens aptos para o trabalho de Mykines pereceram. Em 1607, o “Walcheren“, um navio holandês naufragou ao largo da ilha e os moradores abasteceram-se com boa parte dos bens que seguiam a bordo.

Quando passamos no extremo sul e mais baixo de Mykineshólmur, damos de caras com um mar distorcido, repleto de ondas e cristas geradas por correntes poderosas. Não estávamos sequer sob nenhuma tormenta mas esta visão deixa-nos poucas dúvidas do que aquele Atlântico do Norte era capaz.

Colónia de aves e mar revolto em Mykinesholmur, Ilhas Faroé

Colónia de aves sobre um rochedo no limiar de Mykinesholmur com um mar mexido por uma forte corrente.

Em 1970, um avião Fokker F27 Friendship  procedente de Bergen, Noruega  e destinado ao aeroporto de Vagar viu-se em más condições meteorológicas. Despenhou-se em Mykines. O capitão e todos os passageiros sentados no lado esquerdo do avião morreram de imediato.

Outros vinte e seis sobreviveram se bem que alguns com ferimentos graves.  Três dos que haviam sustido apenas ferimentos ligeiros conseguiram caminhar até à povoação e pedir auxílio. Os habitantes acorreram em socorro até pelo menos à chegada de uma embarcação de patrulha dinamarquesa.

Nesse mesmo ano, a luz do farol foi automatizada. De acordo, o último morador (de um máximo histórico de 22) abandonou de vez o lugarejo de Holm.

Jovens visitantes regressam à povoação de Mykines, Ilhas Faroé

Jovens caminhantes percorrem um trilho de volta ao povoado de Mykines.

Regresso à Pressa ao Povoado da Ilha

Pelo nosso lado, não estávamos em modo de protagonizar tragédias. Preocupava-nos a perspectiva de que a névoa se espessasse ainda mais e dissimulasse os trilhos dependurados e vertiginosos que ali nos haviam levado. Como tal, apressámos o retorno.

Descemos para o povoado de Mykines, encharcados em suor mas a salvo. Recuperado o fôlego, deambulamos pelas suas ruelas, entre casas tradicionais com telhados de turfa e erva e outras com arquitecturas distintas, incluindo a igreja sem cruz que abençoa a comunidade diminuta e há muito decrescente da ilha.

Casas tradicionais de Mykines, Ilhas Faroé

Casas tradicionais do povoado de Mykines, com telhados de erva e turfa.

Cruzamo-nos apenas com os forasteiros com quem tínhamos chegado de barco, vários deles à conversa na pousada local, a Marit’s House B&B.

No seu ápice populacional de 1925 – quando formava uma das maiores aldeias das Faroé – Mykines chegou a acolher 179 habitantes. Em 1940, ainda eram 170. De então em diante, aos poucos, os nativos abandonaram o seu retiro, rendidos à vida mais conveniente de outras paragens do arquipélago.

Subsistem 40 casas na povoação. Já só seis delas são habitadas durante todo o ano. Como acontece um pouco por todas as Faroé, os nove habitantes da ilha, proprietários resilientes dos terrenos, dos muitos ovinos e alguns equino da ilha usam helicópteros para irem e voltarem da ilha e receberem abastecimentos e o correio que continua a ser distribuído por Jancy, a sua fiel carteira.

Cavalos em Mykines, Ilhas Faroé

Cavalos pastam acima do povoado de Mykines.

Os helicópteros são providenciais sobretudo durante o Inverno, quando o mar está quase sempre demasiado bravo para que as viagens se façam em segurança. Mas, mesmo no Verão, tempestades que chegam sem aviso obrigam ao cancelamento das travessias de barco.

Com frequência, a meteorologia traiçoeira força os forasteiros a permanecer em Mykines dias a fio. Por volta das sete da tarde, avistámos o “Jósup” a atracar uma vez mais na ilha.

Barco Jósup no porto de Mykines, Ilhas Faroé

Barco “Jósup” ancorado no pequeno porto de Mykines.

Estava na hora de regressarmos à capital Torshavn. Enquanto embarcávamos não conseguíamos afastar a sensação de ali querermos ficar retidos por dois, três, quatro dias. Uma semana. Que fosse.

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
Cidades
Iraklio, Grécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Cansaço em tons de verde
Cultura

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

A Toy Train story
Em Viagem
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Manobras a cores
História

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Caribe profundo
Ilhas

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Vista aérea de Moorea
Natureza
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Parques Naturais
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Mulheres no forte de Jaisalmer, Rajastão, India
Património Mundial UNESCO
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Praias
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Chegada à festa
Sociedade

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.