Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor


Vestaravág a Dobrar
Lado do porto de Tórshavmn de Vestaravág. Em duplicado.
Arquitectura nórdica, a cores
Telhados e fachadas dão mais cor à capital das ilhas Faroe.
Península sem Saída
Adolescentes chegam ao um extremo da Península de Skansapakkhusid.
Pasto como telhados
Casas tradicionais com telhado de turfa e relva.
Penama
Boneco desagasalhado à entrada do restaurante Penama.
Vestaravág à Pinha
Embarcações arrumadas no sector do porto de Vestaravág.
Tagarelice em Tinganes
Duas amigas conversam na base dos edifícios históricos e governamentais de Tinganes.
Ao Balcão
Empregada do restaurante Katrina Christiansen.
Tórshavn Panorâmica
Tórshavn e Nólsoy vistas da encosta da montanha de Húsareyn.
A Catedral de Tórshavn
A velha catedral da capital das ilhas Faroe.
Da Luz para a Sombra
Passageira de um veleiro dirige-se à rua Undir Bryggjubakka.
A Ilha Vizinha
Sol ilumina um istmo da ilha de Nólsoy, em frente de Tórshavn.
O campo em casa
Uma de várias casas tradicionais com telhado de turfa, de Tórshavn.
Barbara Fish House
Empregado trabalha no restaurante Barbara Fish House.
A Remos, pela História das Faroé
Grupo de adolescentes zarpam para um passeio de barco a remos em redor da zona histórica e governamental de Tinganes.
Undir Bryggjubakka
Pedestre entra na rua marginal Undir Bryggjubakka.
Undir Bryggjubakka Iluminada
Edifícios históricos e coloridos que delimitam a rua marginal Undir Bryggjubakka.
Casa Tradicional
Moradora no exterior do seu lar de turfa e erva.
É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.

É sábado. No final boreal de Junho, a tarde passeia-se com a noite, ambas borrifadas por uma chuva miúda que, caída de nuvens baixas e escuras, nos deixam confusos quanto a quantas vai o dia.

Vínhamos de uma boa meia-hora a apreciar e a fotografar o casario, o porto e o cenário que envolve Tórshavn, de uma meia encosta da montanha que a encerra a noroeste, a Húsareyn.

Dali, das imediações do hotel Foroyar que nos acolhia, a cidade estendia-se pela encosta verdejante abaixo, num salpicado de telhados negros e fachadas de todas as cores em que se encaixava o reduto murado do porto.

O canal de mar azulão de Nólsoyarfjordur separava a capital de Nólsoy, uma ilha alongada que em tempos, se terá libertado de Streymoy, aquela que explorávamos, a maior das dezoito que formam o arquipélago das Faroé.

Torshavn, Ilhas Faroe, panorâmica

Tórshavn e Nólsoy vistas da encosta da montanha de Húsareyn.

Fartamo-nos da contemplação das alturas. Ladeira após ladeira, Descemos apontados ao coração urbano de Tórshavn. Assim que chegamos à entrada da rua pedestre Niels Finsens Gota, a urbe que, de longe, nos parecia um cenário subárctico anestesiante, estremecia de vida.

O Festival de Música Ébrio e Escuro de Voxbotn

O Voxbotn, um festival de música predilecto dos jovens das Faroe, desenrolava-se. Uma multidão trajada de negro, alourada e, em boa parte, embriagada partilhava gritos, abraços e outras expressões de euforia que destoavam da tranquilidade habitual das Faroé e da cidade.

Entusiasmava-os a evasão cerimonial do evento. E o ritmo de rap semi-metálico dos Swangah Dangah, um duo da casa, de quase todos se orgulhavam, como estandarte contemporâneo, irreverente da nação faroense, súbdita da monarquia dinamarquesa, se bem que, desde 1948, autónoma e auto-governada.

O hino das ilhas Faroé intitula-se “Tú alfagra land mítt”, algo como “Tu Minha Terra Bela”. Os faroeses sabem bem o quão especial é o seu arquipélago, como estão conscientes do protagonismo histórico que Tórshavn preserva desde os tempos da remota fundação.

Noutras ocasiões, com o Voxbotn já encerrado, em dias solarengos, exploramos o âmago da capital de uma ponta à outra: a velha catedral – a segunda igreja mais antiga do arquipélago – e a rua Bryggiubakki por ela abençoada. Abaixo, a marginal Undir Bryggjubakka.

E a separá-las, uma sequência de prédios de madeira de três andares e águas furtadas de frentes alinhadas pela marina Vestaravág, a metade oeste do porto, quase sempre repleta de veleiros, lanchas e outras embarcações de menor porte.

Com a intempérie já ao largo, encontramos tudo espelhado nas mesmas cores e na perfeição sobre a água escura, gélida e imóvel daquele reduto do norte do Atlântico do Norte.

Vestaravág, Torshavn, Ilhas Faroe

Embarcações arrumadas no sector do porto de Vestaravág.

Caminhada até à Ponta sem Saída de Skansapakkhusid

Prosseguimos ao longo da Undir Bryggjubakka. Chegados ao extremo, encontramos a ponta de Tinganes, a “ponta do parlamento” de Tórshavn e a génese da nacionalidade das Faroé. Hoje, destaca-se do resto da cidade pela uniformidade branca (nas bases) vermelha (acima, até aos telhados) e verde (nos telhados) dos seus edifícios seculares.

Na dianteira do conjunto arquitectónico, sobre uma laje de rocha proeminente, uma bandeira ondulante impinge a quem chega a intensa faroesidade do lugar.

Os primeiros habitantes das Faroes até poderão ter sido celtas provenientes da Irlanda ou da Escócia, eremitas dessas paragens, assim o afiançou o monge irlandês Dicuil na sua obra De mensura orbis terrae. Sabe-se, todavia, que por volta do século IX, os viquingues chegaram e colonizaram boa parte do arquipélago.

Era norma, entre os viquingues fundar o Parlamento da colónia num sítio inabitado, de maneira a garantir a sua neutralidade política.

Quando o estabeleceram em Tinganes, em 850 d.C., ergueram uma das assembleias (Ting) mais antigas à face da Terra, ainda mais antiga que a da Islândia (Thingvellir), essa datada de 930 d.C.. E ergueram ainda a base política da evolução de Thórshavn.

O Rei Olavo, a Cristianização das Ilhas Faroé e o Declínio Viquingue

Por volta de 1035, a era de descoberta e conquista viquingue chegou ao seu término, ditado pela Cristianização imposta pelo rei Olavo, pelo abandono forçado da colónia de Vinlândia – no actual litoral leste do Canadá (Terra Nova).

E por derrotas militares retumbantes, as das batalhas de Stiklestad em que Olavo pereceu e outras em solo britânico, a de Stamford Bridge e a de Hastings.

Torshavn, Ilhas Faroe, catedral

A velha catedral da capital das ilhas Faroé, testemunho histórico da Cristianização quase milenar do arquipélago

Em Tórshavn, o ting de Tinganes deu lugar a um mercado casual que se desenvolveu até que, em 1271, a Coroa Norueguesa a tornou num entreposto comercial importante que comerciava em permanência com Bergen, na costa ocidental da Noruega.

Mesmo assim, o desenvolvimento da remota Tórshavn provou-se lento. Na viragem para o século XVII, contavam-se apenas cento e um habitantes na povoação.

Visitante de Torshavn, Ilhas Faroe, arquitectura

Passageira de um veleiro dirige-se à rua Undir Bryggjubakka.

Eram famílias de agricultores, seus servos, encarregados do entreposto comercial, oficiais governamentais e dezenas de trabalhadores de outras partes que, sem terras, afluíam à cidade esperançados em encontrar trabalho.

Tórshavn: das Tragédias à Prosperidade

A vida em Tórshavn melhorava a olhos vistos mas calamidades imprevistas travaram o progresso.

Em 1673, Thor, o deus da guerra e do trovão que inspira o nome da cidade resolveu fazer das suas. Sem se saber muito bem como, um paiol repleto de pólvora explodiu e fez alastrar um incêndio que arrasou muitas das casas e edifícios até então erguidos.

Torshavn, Ilhas Faroe, rua Undir Bryggjubakka

Pedestre entra na rua marginal Undir Bryggjubakka.

Já sob a Coroa Dinamarquesa, em 1709, o entreposto comercial de Tórshavn passou a servir um monopólio real com base em Copenhaga.

Fruto dessa benesse, a povoação abrigava já trezentos habitantes mas, uma epidemia de varíola assolou-a. Terão sobrevivido menos de cinquenta habitantes.

Torshavn, Ilhas Faroe, Skansapakkhusid

Adolescentes chegam ao um extremo da Península de Skansapakkhusid.

Não obstante, o estatuto de porto do Monopólio Real atraiu novos moradores e comerciantes.

Durante o século XVIII, Tórshavn recuperou a bom ritmo. Ao ponto de se tornar uma cidade nórdica digna desse nome, com os seus armazéns a transbordar de bens que, a meio do século, podiam já ser comerciados com todos os portos disponíveis e viáveis, não só com os pré-definidos pela monarquia dinamarquesa.

Torshavn, Ilhas Faroe, arquitectura

Telhados e fachadas dão mais cor à capital das ilhas Faroe.

Com o tempo e a consolidação da capital até aos seus 21.200 habitantes de hoje – um terço do das ilhas Faroé – a península administrativa de Tinganes evoluiu.

Até se tornar a unidade urbanística actual, aquela porque, continuámos a cirandar, num absoluto deslumbre histórico.

Do nada, três rapazes amigos, vestidos de negro como dita a moda jovem da cidade, irrompem pela pequena península oposta à ocupada pela bandeira faroense, com as proas dos barcos do estaleiro local e o prateado contraluz do mar em fundo.

Na direcção oposta, a bem iluminada, duas amigas tagarelam e põem os níveis de vitamina D em ordem, num banco instalado contra o fundo de pedra de um dos edifícios estatais.

Subimos para o cimo urbanizado do promontório. Cruzamos um pequeno túnel, internamo-nos no complexo de edifícios, alguns deles com mais de quinhentos anos.

Sem pressas, inteiramo-nos da sua configuração e funções. E sentimos a vida pacata do lugar fluir arejada pela brisa marinha.

Torshavn, Ilhas Faroe, edifícios de Tinganes

Duas amigas conversam na base dos edifícios históricos e governamentais de Tinganes.

Tinganes, o Âmago Político e Histórico de Tórshavn

O edifício no extremo absoluto da península de Skansapakkhusid, mais exposto ao mar e às intempéries foi, em tempos, o velho forte de Skansapakkasini. E é, hoje, o Lögtingid, o edifício principal do governo faroês, representado em termos gráficos por um carneiro de língua de fora.

Para o interior, já com telhados típicos e pitorescos de erva, sucedem-se o velho Portugalid, uma antiga prisão e casa do seu guarda. Nas imediações, estão o Munkastovan, um mosteiro em que se realizaram missas, e os adjacentes Leigubudin, um armazém real.

O movimento humano é ténue por estes lados. Passam dois homens, um de fato e gravata, coisa incomum na cidade, pelo que estimamos que se dirijam ao Lögtinget (Logting). Cruzamo-nos ainda com alguns visitantes dinamarqueses de férias. Quando o Reynagardur fica para trás, finda-se a uniformidade do vermelho e verde.

Ali mesmo, encaixada entre o muro branco e a sua casa negra de telhado de turfa e erva e de encantar, uma senhora trata do seu jardim térreo.

Torshavn, Ilhas Faroe, Lar de turfa

Moradora no exterior do seu lar de turfa e erva.

Prosseguimos para a base de Skansapakkhusid, por becos e vielas. Sem que o esperássemos, reencontramos a catedral. Antes de regressarmos à Undir Bryggjubakka e à pedestre Niels Finsens Gota, damos uma derradeira olhadela no sector oriental do porto, o Eystaravág.

Do lado de lá, uma frota de jovens descendentes de viquingues coloca barcos a remos no mar, zarpa península abaixo, contorna a ponta rochosa e a bandeira da sua nação e entrega-se a uma navegação lúdica mas comprometida por parte da rota do ferry que liga Tórshavn à ilha de Nólsoy.

Torshavn, Ilhas Faroe, remo

Grupo de adolescentes zarpam para um passeio de barco a remos em redor da zona histórica e governamental de Tinganes.

A Lenda de Barbara, o “Barbara Fish House” e Outras Experiências Gastronómicas

No entretanto, longe de escurecido, o dia chegava à hora convencionada nestas paragens boreais para o jantar. Com mesa marcada, retrocedemos para o bairrinho antigo na base de Skansapakkhusid, disposto em redor de uma artéria fulcral, a Gongin.

Damos entrada no restaurante “Barbara Fish House”, instalado noutra das várias casas tradicionais com telhado de turfa desta zona.

Mais que nos sentarmos para uma experiência gastronómica, tínhamos inaugurado uma nova incursão ao passado das ilhas Faroé.

Torshavn, Ilhas Faroe, casa tradicional

Uma de várias casas tradicionais com telhado de turfa, de Tórshavn.

De tal maneira emblemática que Jorgen-Frantz Jacobsen, um escritor faroense fez da narrativa que inspirou o baptismo do restaurante uma das suas obras mais famosas”.

O enredo do romance tem lugar no século XVIII. Recupera “Beinta e Peder Arrheboe” uma das Faroé famosa.

Barbara é viúva de dois párocos protestantes, vista por boa parte da comunidade como responsável pelas suas mortes. Quando o navio “Fortuna” atraca, tráz a bordo um novo pároco chamado Poul. Já desembarcado, Poul é avisado sobre o passado de Barbara. Mesmo assim, apaixona-se pela mulher.

Barbara interessa-se por Poul mas cede à atração por outros homens, marinheiros chegados em barcos vindos de longe. Barbara e Poul casam mas, Barbara apaixona-se por Andreas e parte com ele. Andreas vê-se confrontado por Poul e deixa-se persuadir a partir para Copenhaga sem Barbara.

Torshavn, Ilhas Faroe, restaurante Barbara Fish House

Empregado trabalha no restaurante Barbara Fish House.

A história termina com o desespero de Barbara a tentar alcançar o “Fortuna”, em vão, já após o navio ter zarpado rumo à capital dinamarquesa.

Entre repastos noutros restaurantes, no “Barbara Fish House”, comemos uma Fiskasuppa, Torskur e Jákupsskeljar: sopa de peixe, com bacalhau e escalopes. Também um Oda, um mexilhão-cavalo em escabeche.

O menu dos vinhos contava com vinhos espanhóis, franceses e alguns portugueses. Pedimos um Alvarinho que o empregado de mesa, esmerado, mas sem poder fazer milagres no que diz respeito ao português, nos apresenta como proveniente de Melgago, em vez de Melgaço.

Rimo-nos um pouquinho entre nós. Apenas o suficiente para descontraímos do frenesim fotográfico faroês que os dias sem fim do estivo árctico intensificava.

Quase duas horas e meia depois, com o lento lusco-fusco a começar a azular Tórshavn e todo o sul da ilha de Streymoy, recolhemos ao abrigo quase no cimo da montanha do Foroyar.

Nolsoy, Torshavn, Ilhas Faroe

Sol ilumina um istmo da ilha de Nólsoy, em frente de Tórshavn.

Vários dias, várias ilhas das Faroés vizinhas de Streymoy se seguiriam. Caso de Kalsoy, com o seu remoto farol de Kallur.

Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes

São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Luzes aussies da Ribalta
Cidades
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Cultura
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
História
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Ilhas
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Natureza
Cascatas e Quedas de Água

Cascatas do Mundo: Impressionantes Rios Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra cascatas de todos os tipos.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Hell's Bend do Fish River Canyon, Namíbia
Parques Naturais
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.