Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway


Um Apego Especial
Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.
O Busto
Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.
Casal em fila
Visitantes passam pelo jardim da casa.
Felino de luxo
Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.
A Esquina da Vida
A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.
Baltimore Blocks
Velhos tijolos Baltimore descartados que Ernest Hemingway aproveitou para o piso da sua vivenda.
Casa de Gatos
Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.
Sloppy Joe’s Bar
Clientes em frente ao Sloppy Joe's Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.
Um Recanto da Memória
Recanto da sala da casa-museu de E. Hemingway.
Visuais tropicais
Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.
Ernest, ele Próprio
Retrato do escritor e dono da Casa Ernest Hemingway em trajes veraneantes condizentes com o clima de Key West.
Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.

O dia mal começou mas Key West já entra em parafuso. Na esquina da South St. e da Whitehead St., a fila de visitantes ansiosos por se fotografarem junto ao monumento do ponto mais a sul dos Estados Unidos continentais aumenta a olhos vistos e gera discussões cada vez mais ridículas.

“Sinceramente… não podem mesmo sair daí? Acham que as pessoas querem ficar com fotos convosco atrás do marco em vez do Mar das Caraíbas?“ indigna-se, em vão, uma adolescente alemã.

Marco do Southermost Point of the Continental USA, Key West, Flórida, Estados Unidos

Visitante de Key West faz-se fotografar junto ao marco do Southermost Point of the Continental USA

O mais curioso é que aquele não é sequer o derradeiro ponto meridional do país. Whitehead Spit, o real, está dentro de um complexo militar.

Para a multidão entusiasmada com o calor e a localização caribenha da povoação, a apenas 151km de Cuba, pouco importa que o monumento colorido e em forma de bala seja apenas mais uma atracção forçada da grande feira turística em que se tornou Key West.

Nesta povoação, ainda assim, marginal, só uma mão cheia de lugares se destaca da panóplia de museus e shows algo bregas. A Casa de Hemingway é uma delas.

O Amor à Primeira Vista de Hemingway por Key West

Estávamos em 1928. Até há algum tempo, Hemingway vivera em Paris num frenesim boémio e criativo em comunhão com artistas de vários países daquela que a escritora Gertrude Stein apelidaria de Lost Generation.

Tinha-se recentemente envolvido com Pauline Pfeiffer e divorciado da primeira das suas quatros esposas, Hadley Richardson. Pauline engravidou. O casal concordou com o regresso aos Estados Unidos. Por essa altura, John dos Passos, um amigo também ele escritor, falou a Hemingway de Key West.

Sempre ávidos por descoberta e aventura, em Abril, Hemingway e Pauline estavam a desembarcar de um cruzeiro para a cidade. Ficaram alojados num tal de Trev-Mor Hotel, cortesia da Trev-Mor Ford Agency que assim os procurou compensar por não ter o carro reservado para a visita, pronto a tempo.

O hotel agradou ao casal que nele se voltou a alojar, durante os dois anos seguintes, nas vezes em que regressaram à cidade. Já Key West, deixou-os extasiados.

Mesmo se integrante do território dos E.U.A., a remota cidade revelou-se um maravilhoso mundo à parte. “É o melhor sítio em que já estive, não importa quando nem onde. Flores, goiabeiras, tamarindos, coqueiros…”

Busto Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.

O escritor não resistiu a divergir para as incursões ébrias tresloucadas com que viria a encerrar a maior parte dos dias: “Enfrasquei-me ontem à noite com absinto e fiz uns truques com facas.”

Três décadas após a viragem para o século XX, em plena Grande Recessão, Key West evoluíra para a cidade maior e mais rica da Florida, ainda assim, uma verdadeira última fronteira tropical, habitada por pouco mais de doze mil habitantes, resgatadores de navios, pescadores, industriais e negociantes.

A Alma Tropical e Cubana de Key West

Então, como hoje, Key West ficava mais próxima de Havana que de Miami. Mais de metade dos seus habitantes tinham origem cubana e a cidade era inclusivamente governada por mayors cubanos. Cerca de duzentas fábricas de charutos da cidade tinham donos ou sócios cubanos.

Produziam todos os anos em redor de 100 milhões de charutos. Durante o famoso resgate de Mariel, Key West foi inundada com muitos mais refugiados cubanos. Este novo influxo reforçou a atmosfera latino-americana da cidade. Hemingway não podia desejar mais. Mas havia mais.

A Natureza envolvente era pujante. Como constatamos enquanto percorremos as intermináveis pontes da Overseas Highway, o mar só tem dois tons: ou turquesa ou esmeralda.

Sugeria frequentes pescarias aventureiras de que Hemingway regressaria a exibir enormes peixes – atuns, espadartes e afins – sobre o convés do seu barco “Pilar”. Desafiava-o também ao convívio com personagens locais que Ernest via como quase míticas.

Pelicanos, Key West, Florida, Estados Unidos

Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.

Nos dois anos seguintes à sua primeira visita, os Hemingway regressariam amiúde.

Convite da Lost Generation para uma Casa Habitada do Nada

Convidariam os amigos da Lost Generation para temporadas de pesca durante a Primavera, antes do calor e a humidade atroz dos meses estivais. Fizeram-lhes companhia o responsável por tudo, John dos Passos. Também F.Scott Fitzgerald, Waldo Pierce e outros.

Até 1931, os Hemingway, esses, passaram em Key West entre quatro a seis meses em cheio instalados primeiro num apartamento, depois, numa casa, ambos alugados. Em 1931, Pauline estava uma vez mais grávida. Com a ajuda do tio milionário de Pauline, Gus, que lhes doou 12.500 dólares, o casal comprou uma grande casa no número 907 da Whitehead Street.

Visitante, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.

Quando a encontraram, estava abandonada e semi-selada por placas de madeira. Esta condição não evitou que Pauline percebesse o seu potencial para um lar acolhedor e arejado.

A Tift House fora construída em 1851 por Asa Tift, um mercante dedicado a resgatar os muitos navios naufragados nas águas repletas de baixios e recifes em redor das Florida Keys, uma sucessão de ilhas e ilhéus em jeito de alpondra que se estendem da ponta sul da Península da Flórida até precisamente Key West.

Asa Tift ergueu-a em estilo colonial francês, com recurso a pedra calcária retirada do local. E ergueu-a bem. A casa sobreviveu a vários ciclones e a sua cave profunda ainda hoje permanece seca.

Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.

O tio Gus comprou-a por 8.000 dólares num leilão das Finanças e ofereceu-a aos Hemingways como presente de casamento. Daí em diante, a vida de ambos, em casal e não só, fluiu, como todas, repleta de tormentas e bonanças. Estávamos prestes a desvendar vários dos seus episódios.

Uma Volta Guiada pela Vida Floridense de Hemingway

Uma guia loura com ar e modos abrutalhados reúne o primeiro grupo do dia para a visita guiada da casa. O espaço de cada divisão é deveras contido. Amplifica a voz grave da cicerone que se esforça por enfatizar os episódios mais cómicos ou marcantes lá passados ou em Key West.

Não que precisassem de mais drama que aquele que o estoura-vergas Ernest Hemingway já lhes garantia. Por norma, Ernest dedicava a manhã à sua escrita, algum tempo depois de se instalarem, num estúdio no piso superior de um anexo acrescentado à casa a que acedia em modo de slide por uma corda que instalou entre os dois edifícios.

O seu trabalho foi, em Key West, profícuo. Hemingway lá criou ou completou algumas das obras que o eternizaram: “As Neves do Kilimanjaro”, “A Vida  Feliz de Francis Macomber”, o romance “Ter e Não Ter” e “As Verdes Colinas de África”.

Mas, como vimos já, em Key West, Hemingway bebia tanto como escrevia. Contam os guias que, nas noites mais desvairadas, se guiava pelo farol ainda hoje em frente de sua casa, para lá chegar.

O bar favorito de Hemingway era “Sloppy Joe’s”, também nos dias que correm um clássico da cidade, sempre a abarrotar de forasteiros, muitos empenhados em emular ou exagerar as noites loucas de Ernest. Numa dessas noites, o escritor e Russel, uma das figuras do “Sloppy Joe’s”, carregaram à mão um urinol do antro para a vivenda de Ernest.

Sloppy Joe's Bar, Key West, Florida, Estados Unidos

Clientes em frente ao Sloppy Joe’s Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.

Colocaram-no junto à piscina que Pauline mandou construir e que ainda serve de bebedouro aos muitos descendentes dos gatos da família. Tanto os gatos como a piscina são atractivos curiosos e incontornáveis da mansão Hemingway. Comecemos pela piscina.

As Avenças Profissionais e as Desavenças Conjugais com a Esposa Pauline

Como seria de esperar, durante o período em que partilhou a casa com Pauline e os filhos, Hemingway ausentou-se, entregue aos mais distintos projectos. Em 1937, mudou-se para Espanha para cobrir a Guerra Civil Espanhola para o jornal norte-americano Alliance.

Lá se apaixonou pela que viria a ser a sua terceira esposa, a colega correspondente de guerra Martha Gellhorn. Ora, há muito que Pauline desejava ter uma piscina na casa de Key West.

Quando a traição do marido lhe chegou aos ouvidos, ou por vingança ou para suavizar a ira, mandou construí-la. A casa toda tinha custado 8.000 dólares. A piscina ficou em 20.000. Tornou-se na única em Key West.

É consensual a versão de que, quando regressou e se inteirou do custo, Hemingway lhe atirou um penny e reclamou: “Pauline, só não gastaste este meu último penny. Mais vale ficares também com ele.”

Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitantes passam pelo jardim da casa.

A moeda permanece encapsulada em vidro entre a piscina e o anexo. A peripécia delicia todos os visitantes. Há que sublinhar que, com o projecto da piscina, Pauline não só terá despendido demasiado do dinheiro do casal como acabou com o ringue em que Ernest se habituara a receber pugilistas de Key West, pagos para contra ele lutarem.

Boxe e Gatos. Muitos Gatos.

Hemingway era um sério aficionado de boxe. Além de combater, arbitrava lutas num saloon denominado Blue Haven, hoje, restaurante. Não custa, assim, perceber porque conquistou o cognome de Papa, The Biggest Daddy of them All. E, no entanto, Hemingway tinha um fraquinho por gatos. Não por uns quaisquer, claro está.

Gato em quarto, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.

Durante as suas pescarias e convívios com os velhos lobos do mar de Key West, inteirou-se de que os capitães de veleiros faziam questão de ter a bordo gatos com seis dedos. Explicava a lenda que acreditavam que o dedo extra auxiliava aqueles felinos a proteger as embarcações de ratos.

E também que tinham poderes místicos que garantiam aos capitães mares mais calmos, ventos prevalentes e navegações seguras. Fascinado, Hemingway começou a coleccioná-los. Como compensação, cedeu ao capricho de Pauline de ter pavões no jardim.

Hoje, os gatos são mais de quarenta e estão por toda a casa. Deliciam os visitantes mas suscitaram uma forte polémica com o USDA (United States Department of Agriculture), que após queixa de um visitante mais picuinhas, apareceu na casa e exigiu que o museu tivesse uma licença como requerido pelo Animal Welfare Act, a mesma lei que regula os circos, zoos e outros espectáculos com animais.

À boa maneira fundamentalista americana, também exigiu que os gatos da casa estivessem em pequenas jaulas individuais ou que fosse construído um muro mais alto em redor da propriedade ou uma cerca eléctrica em redor, complementado por um vigia nocturno que estivesse de olho nos gatos.

Gato, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.

Exigiu ainda que cada um dos felinos fosse mantido com uma identificação. Caso o museu não cumprisse, teria que pagar multas. A casa Hemingway respondeu à boa maneira de Hemingway, sublinhando que a USDA não tinha qualquer autoridade sobre os gatos do escritor. A disputa mantém-se.

Já a contenda de Hemingway com Pauline, terminou de forma abrupta. Em 1939, o escritor mudou-se de Key West, 151 km para sul, para a vizinha Cuba deixando a esposa e os filhos para trás.

Em Cuba, tentou ultrapassar diversos tormentos da sua vida: a saúde deteriorada, em grande parte pelo excesso de álcool, depressões e até alguns acidentes. Lá se familiarizou com o regime de Fidel Castro e escreveu “The Old Man and The Sea” com que veio a conquistar um prémio Pulitzer (1953) e o Prémio Nobel da Literatura (1954).

Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Cidades
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Pequeno navegador
Étnico

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Ilhas
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Lento fim do dia
Natureza

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Parques Naturais
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Foz incandescente, Grande Ilha Havai, Parque Nacional Vulcoes, rios de Lava
Património Mundial UNESCO
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Sociedade
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.