Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway


Um Apego Especial
Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.
O Busto
Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.
Casal em fila
Visitantes passam pelo jardim da casa.
Felino de luxo
Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.
A Esquina da Vida
A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.
Baltimore Blocks
Velhos tijolos Baltimore descartados que Ernest Hemingway aproveitou para o piso da sua vivenda.
Casa de Gatos
Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.
Sloppy Joe’s Bar
Clientes em frente ao Sloppy Joe's Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.
Um Recanto da Memória
Recanto da sala da casa-museu de E. Hemingway.
Visuais tropicais
Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.
Ernest, ele Próprio
Retrato do escritor e dono da Casa Ernest Hemingway em trajes veraneantes condizentes com o clima de Key West.
Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.

O dia mal começou mas Key West já entra em parafuso. Na esquina da South St. e da Whitehead St., a fila de visitantes ansiosos por se fotografarem junto ao monumento do ponto mais a sul dos Estados Unidos continentais aumenta a olhos vistos e gera discussões cada vez mais ridículas.

“Sinceramente… não podem mesmo sair daí? Acham que as pessoas querem ficar com fotos convosco atrás do marco em vez do Mar das Caraíbas?“ indigna-se, em vão, uma adolescente alemã.

Marco do Southermost Point of the Continental USA, Key West, Flórida, Estados Unidos

Visitante de Key West faz-se fotografar junto ao marco do Southermost Point of the Continental USA

O mais curioso é que aquele não é sequer o derradeiro ponto meridional do país. Whitehead Spit, o real, está dentro de um complexo militar.

Para a multidão entusiasmada com o calor e a localização caribenha da povoação, a apenas 151km de Cuba, pouco importa que o monumento colorido e em forma de bala seja apenas mais uma atracção forçada da grande feira turística em que se tornou Key West.

Nesta povoação, ainda assim, marginal, só uma mão cheia de lugares se destaca da panóplia de museus e shows algo bregas. A Casa de Hemingway é uma delas.

O Amor à Primeira Vista de Hemingway por Key West

Estávamos em 1928. Até há algum tempo, Hemingway vivera em Paris num frenesim boémio e criativo em comunhão com artistas de vários países daquela que a escritora Gertrude Stein apelidaria de Lost Generation.

Tinha-se recentemente envolvido com Pauline Pfeiffer e divorciado da primeira das suas quatros esposas, Hadley Richardson. Pauline engravidou. O casal concordou com o regresso aos Estados Unidos. Por essa altura, John dos Passos, um amigo também ele escritor, falou a Hemingway de Key West.

Sempre ávidos por descoberta e aventura, em Abril, Hemingway e Pauline estavam a desembarcar de um cruzeiro para a cidade. Ficaram alojados num tal de Trev-Mor Hotel, cortesia da Trev-Mor Ford Agency que assim os procurou compensar por não ter o carro reservado para a visita, pronto a tempo.

O hotel agradou ao casal que nele se voltou a alojar, durante os dois anos seguintes, nas vezes em que regressaram à cidade. Já Key West, deixou-os extasiados.

Mesmo se integrante do território dos E.U.A., a remota cidade revelou-se um maravilhoso mundo à parte. “É o melhor sítio em que já estive, não importa quando nem onde. Flores, goiabeiras, tamarindos, coqueiros…”

Busto Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.

O escritor não resistiu a divergir para as incursões ébrias tresloucadas com que viria a encerrar a maior parte dos dias: “Enfrasquei-me ontem à noite com absinto e fiz uns truques com facas.”

Três décadas após a viragem para o século XX, em plena Grande Recessão, Key West evoluíra para a cidade maior e mais rica da Florida, ainda assim, uma verdadeira última fronteira tropical, habitada por pouco mais de doze mil habitantes, resgatadores de navios, pescadores, industriais e negociantes.

A Alma Tropical e Cubana de Key West

Então, como hoje, Key West ficava mais próxima de Havana que de Miami. Mais de metade dos seus habitantes tinham origem cubana e a cidade era inclusivamente governada por mayors cubanos. Cerca de duzentas fábricas de charutos da cidade tinham donos ou sócios cubanos.

Produziam todos os anos em redor de 100 milhões de charutos. Durante o famoso resgate de Mariel, Key West foi inundada com muitos mais refugiados cubanos. Este novo influxo reforçou a atmosfera latino-americana da cidade. Hemingway não podia desejar mais. Mas havia mais.

A Natureza envolvente era pujante. Como constatamos enquanto percorremos as intermináveis pontes da Overseas Highway, o mar só tem dois tons: ou turquesa ou esmeralda.

Sugeria frequentes pescarias aventureiras de que Hemingway regressaria a exibir enormes peixes – atuns, espadartes e afins – sobre o convés do seu barco “Pilar”. Desafiava-o também ao convívio com personagens locais que Ernest via como quase míticas.

Pelicanos, Key West, Florida, Estados Unidos

Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.

Nos dois anos seguintes à sua primeira visita, os Hemingway regressariam amiúde.

Convite da Lost Generation para uma Casa Habitada do Nada

Convidariam os amigos da Lost Generation para temporadas de pesca durante a Primavera, antes do calor e a humidade atroz dos meses estivais. Fizeram-lhes companhia o responsável por tudo, John dos Passos. Também F.Scott Fitzgerald, Waldo Pierce e outros.

Até 1931, os Hemingway, esses, passaram em Key West entre quatro a seis meses em cheio instalados primeiro num apartamento, depois, numa casa, ambos alugados. Em 1931, Pauline estava uma vez mais grávida. Com a ajuda do tio milionário de Pauline, Gus, que lhes doou 12.500 dólares, o casal comprou uma grande casa no número 907 da Whitehead Street.

Visitante, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.

Quando a encontraram, estava abandonada e semi-selada por placas de madeira. Esta condição não evitou que Pauline percebesse o seu potencial para um lar acolhedor e arejado.

A Tift House fora construída em 1851 por Asa Tift, um mercante dedicado a resgatar os muitos navios naufragados nas águas repletas de baixios e recifes em redor das Florida Keys, uma sucessão de ilhas e ilhéus em jeito de alpondra que se estendem da ponta sul da Península da Flórida até precisamente Key West.

Asa Tift ergueu-a em estilo colonial francês, com recurso a pedra calcária retirada do local. E ergueu-a bem. A casa sobreviveu a vários ciclones e a sua cave profunda ainda hoje permanece seca.

Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.

O tio Gus comprou-a por 8.000 dólares num leilão das Finanças e ofereceu-a aos Hemingways como presente de casamento. Daí em diante, a vida de ambos, em casal e não só, fluiu, como todas, repleta de tormentas e bonanças. Estávamos prestes a desvendar vários dos seus episódios.

Uma Volta Guiada pela Vida Floridense de Hemingway

Uma guia loura com ar e modos abrutalhados reúne o primeiro grupo do dia para a visita guiada da casa. O espaço de cada divisão é deveras contido. Amplifica a voz grave da cicerone que se esforça por enfatizar os episódios mais cómicos ou marcantes lá passados ou em Key West.

Não que precisassem de mais drama que aquele que o estoura-vergas Ernest Hemingway já lhes garantia. Por norma, Ernest dedicava a manhã à sua escrita, algum tempo depois de se instalarem, num estúdio no piso superior de um anexo acrescentado à casa a que acedia em modo de slide por uma corda que instalou entre os dois edifícios.

O seu trabalho foi, em Key West, profícuo. Hemingway lá criou ou completou algumas das obras que o eternizaram: “As Neves do Kilimanjaro”, “A Vida  Feliz de Francis Macomber”, o romance “Ter e Não Ter” e “As Verdes Colinas de África”.

Mas, como vimos já, em Key West, Hemingway bebia tanto como escrevia. Contam os guias que, nas noites mais desvairadas, se guiava pelo farol ainda hoje em frente de sua casa, para lá chegar.

O bar favorito de Hemingway era “Sloppy Joe’s”, também nos dias que correm um clássico da cidade, sempre a abarrotar de forasteiros, muitos empenhados em emular ou exagerar as noites loucas de Ernest. Numa dessas noites, o escritor e Russel, uma das figuras do “Sloppy Joe’s”, carregaram à mão um urinol do antro para a vivenda de Ernest.

Sloppy Joe's Bar, Key West, Florida, Estados Unidos

Clientes em frente ao Sloppy Joe’s Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.

Colocaram-no junto à piscina que Pauline mandou construir e que ainda serve de bebedouro aos muitos descendentes dos gatos da família. Tanto os gatos como a piscina são atractivos curiosos e incontornáveis da mansão Hemingway. Comecemos pela piscina.

As Avenças Profissionais e as Desavenças Conjugais com a Esposa Pauline

Como seria de esperar, durante o período em que partilhou a casa com Pauline e os filhos, Hemingway ausentou-se, entregue aos mais distintos projectos. Em 1937, mudou-se para Espanha para cobrir a Guerra Civil Espanhola para o jornal norte-americano Alliance.

Lá se apaixonou pela que viria a ser a sua terceira esposa, a colega correspondente de guerra Martha Gellhorn. Ora, há muito que Pauline desejava ter uma piscina na casa de Key West.

Quando a traição do marido lhe chegou aos ouvidos, ou por vingança ou para suavizar a ira, mandou construí-la. A casa toda tinha custado 8.000 dólares. A piscina ficou em 20.000. Tornou-se na única em Key West.

É consensual a versão de que, quando regressou e se inteirou do custo, Hemingway lhe atirou um penny e reclamou: “Pauline, só não gastaste este meu último penny. Mais vale ficares também com ele.”

Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitantes passam pelo jardim da casa.

A moeda permanece encapsulada em vidro entre a piscina e o anexo. A peripécia delicia todos os visitantes. Há que sublinhar que, com o projecto da piscina, Pauline não só terá despendido demasiado do dinheiro do casal como acabou com o ringue em que Ernest se habituara a receber pugilistas de Key West, pagos para contra ele lutarem.

Boxe e Gatos. Muitos Gatos.

Hemingway era um sério aficionado de boxe. Além de combater, arbitrava lutas num saloon denominado Blue Haven, hoje, restaurante. Não custa, assim, perceber porque conquistou o cognome de Papa, The Biggest Daddy of them All. E, no entanto, Hemingway tinha um fraquinho por gatos. Não por uns quaisquer, claro está.

Gato em quarto, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.

Durante as suas pescarias e convívios com os velhos lobos do mar de Key West, inteirou-se de que os capitães de veleiros faziam questão de ter a bordo gatos com seis dedos. Explicava a lenda que acreditavam que o dedo extra auxiliava aqueles felinos a proteger as embarcações de ratos.

E também que tinham poderes místicos que garantiam aos capitães mares mais calmos, ventos prevalentes e navegações seguras. Fascinado, Hemingway começou a coleccioná-los. Como compensação, cedeu ao capricho de Pauline de ter pavões no jardim.

Hoje, os gatos são mais de quarenta e estão por toda a casa. Deliciam os visitantes mas suscitaram uma forte polémica com o USDA (United States Department of Agriculture), que após queixa de um visitante mais picuinhas, apareceu na casa e exigiu que o museu tivesse uma licença como requerido pelo Animal Welfare Act, a mesma lei que regula os circos, zoos e outros espectáculos com animais.

À boa maneira fundamentalista americana, também exigiu que os gatos da casa estivessem em pequenas jaulas individuais ou que fosse construído um muro mais alto em redor da propriedade ou uma cerca eléctrica em redor, complementado por um vigia nocturno que estivesse de olho nos gatos.

Gato, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.

Exigiu ainda que cada um dos felinos fosse mantido com uma identificação. Caso o museu não cumprisse, teria que pagar multas. A casa Hemingway respondeu à boa maneira de Hemingway, sublinhando que a USDA não tinha qualquer autoridade sobre os gatos do escritor. A disputa mantém-se.

Já a contenda de Hemingway com Pauline, terminou de forma abrupta. Em 1939, o escritor mudou-se de Key West, 151 km para sul, para a vizinha Cuba deixando a esposa e os filhos para trás.

Em Cuba, tentou ultrapassar diversos tormentos da sua vida: a saúde deteriorada, em grande parte pelo excesso de álcool, depressões e até alguns acidentes. Lá se familiarizou com o regime de Fidel Castro e escreveu “The Old Man and The Sea” com que veio a conquistar um prémio Pulitzer (1953) e o Prémio Nobel da Literatura (1954).

Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Rabat, Malta, Mdina, Palazzo Xara
Cidades
Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta

Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno
História
DMZ, Dora - Coreia do Sul

A Linha Sem Retorno

Uma nação e milhares de famílias foram divididas pelo armistício na Guerra da Coreia. Hoje, enquanto turistas curiosos visitam a DMZ, várias das fugas dos oprimidos norte-coreanos terminam em tragédia
Manhã cedo no Lago
Ilhas

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Natureza
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Património Mundial UNESCO
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Cavaleiros cruzam a Ponte do Carmo, Pirenópolis, Goiás, Brasil
Sociedade
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT