Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway


Um Apego Especial
Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.
O Busto
Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.
Casal em fila
Visitantes passam pelo jardim da casa.
Felino de luxo
Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.
A Esquina da Vida
A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.
Baltimore Blocks
Velhos tijolos Baltimore descartados que Ernest Hemingway aproveitou para o piso da sua vivenda.
Casa de Gatos
Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.
Sloppy Joe’s Bar
Clientes em frente ao Sloppy Joe's Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.
Um Recanto da Memória
Recanto da sala da casa-museu de E. Hemingway.
Visuais tropicais
Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.
Ernest, ele Próprio
Retrato do escritor e dono da Casa Ernest Hemingway em trajes veraneantes condizentes com o clima de Key West.
Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.

O dia mal começou mas Key West já entra em parafuso. Na esquina da South St. e da Whitehead St., a fila de visitantes ansiosos por se fotografarem junto ao monumento do ponto mais a sul dos Estados Unidos continentais aumenta a olhos vistos e gera discussões cada vez mais ridículas.

“Sinceramente… não podem mesmo sair daí? Acham que as pessoas querem ficar com fotos convosco atrás do marco em vez do Mar das Caraíbas?“ indigna-se, em vão, uma adolescente alemã.

Marco do Southermost Point of the Continental USA, Key West, Flórida, Estados Unidos

Visitante de Key West faz-se fotografar junto ao marco do Southermost Point of the Continental USA

O mais curioso é que aquele não é sequer o derradeiro ponto meridional do país. Whitehead Spit, o real, está dentro de um complexo militar.

Para a multidão entusiasmada com o calor e a localização caribenha da povoação, a apenas 151km de Cuba, pouco importa que o monumento colorido e em forma de bala seja apenas mais uma atracção forçada da grande feira turística em que se tornou Key West.

Nesta povoação, ainda assim, marginal, só uma mão cheia de lugares se destaca da panóplia de museus e shows algo bregas. A Casa de Hemingway é uma delas.

O Amor à Primeira Vista de Hemingway por Key West

Estávamos em 1928. Até há algum tempo, Hemingway vivera em Paris num frenesim boémio e criativo em comunhão com artistas de vários países daquela que a escritora Gertrude Stein apelidaria de Lost Generation.

Tinha-se recentemente envolvido com Pauline Pfeiffer e divorciado da primeira das suas quatros esposas, Hadley Richardson. Pauline engravidou. O casal concordou com o regresso aos Estados Unidos. Por essa altura, John dos Passos, um amigo também ele escritor, falou a Hemingway de Key West.

Sempre ávidos por descoberta e aventura, em Abril, Hemingway e Pauline estavam a desembarcar de um cruzeiro para a cidade. Ficaram alojados num tal de Trev-Mor Hotel, cortesia da Trev-Mor Ford Agency que assim os procurou compensar por não ter o carro reservado para a visita, pronto a tempo.

O hotel agradou ao casal que nele se voltou a alojar, durante os dois anos seguintes, nas vezes em que regressaram à cidade. Já Key West, deixou-os extasiados.

Mesmo se integrante do território dos E.U.A., a remota cidade revelou-se um maravilhoso mundo à parte. “É o melhor sítio em que já estive, não importa quando nem onde. Flores, goiabeiras, tamarindos, coqueiros…”

Busto Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Busto de Ernest Hemingway, o dono da casa de Key West.

O escritor não resistiu a divergir para as incursões ébrias tresloucadas com que viria a encerrar a maior parte dos dias: “Enfrasquei-me ontem à noite com absinto e fiz uns truques com facas.”

Três décadas após a viragem para o século XX, em plena Grande Recessão, Key West evoluíra para a cidade maior e mais rica da Florida, ainda assim, uma verdadeira última fronteira tropical, habitada por pouco mais de doze mil habitantes, resgatadores de navios, pescadores, industriais e negociantes.

A Alma Tropical e Cubana de Key West

Então, como hoje, Key West ficava mais próxima de Havana que de Miami. Mais de metade dos seus habitantes tinham origem cubana e a cidade era inclusivamente governada por mayors cubanos. Cerca de duzentas fábricas de charutos da cidade tinham donos ou sócios cubanos.

Produziam todos os anos em redor de 100 milhões de charutos. Durante o famoso resgate de Mariel, Key West foi inundada com muitos mais refugiados cubanos. Este novo influxo reforçou a atmosfera latino-americana da cidade. Hemingway não podia desejar mais. Mas havia mais.

A Natureza envolvente era pujante. Como constatamos enquanto percorremos as intermináveis pontes da Overseas Highway, o mar só tem dois tons: ou turquesa ou esmeralda.

Sugeria frequentes pescarias aventureiras de que Hemingway regressaria a exibir enormes peixes – atuns, espadartes e afins – sobre o convés do seu barco “Pilar”. Desafiava-o também ao convívio com personagens locais que Ernest via como quase míticas.

Pelicanos, Key West, Florida, Estados Unidos

Duo de pelicanos de Key West, um dos elementos tropicais que tanto encantaram Hemingway e o acompanharam nas suas pescarias.

Nos dois anos seguintes à sua primeira visita, os Hemingway regressariam amiúde.

Convite da Lost Generation para uma Casa Habitada do Nada

Convidariam os amigos da Lost Generation para temporadas de pesca durante a Primavera, antes do calor e a humidade atroz dos meses estivais. Fizeram-lhes companhia o responsável por tudo, John dos Passos. Também F.Scott Fitzgerald, Waldo Pierce e outros.

Até 1931, os Hemingway, esses, passaram em Key West entre quatro a seis meses em cheio instalados primeiro num apartamento, depois, numa casa, ambos alugados. Em 1931, Pauline estava uma vez mais grávida. Com a ajuda do tio milionário de Pauline, Gus, que lhes doou 12.500 dólares, o casal comprou uma grande casa no número 907 da Whitehead Street.

Visitante, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitante apoia-se à placa que sinaliza a casa de Key West de Ernest Hemingway.

Quando a encontraram, estava abandonada e semi-selada por placas de madeira. Esta condição não evitou que Pauline percebesse o seu potencial para um lar acolhedor e arejado.

A Tift House fora construída em 1851 por Asa Tift, um mercante dedicado a resgatar os muitos navios naufragados nas águas repletas de baixios e recifes em redor das Florida Keys, uma sucessão de ilhas e ilhéus em jeito de alpondra que se estendem da ponta sul da Península da Flórida até precisamente Key West.

Asa Tift ergueu-a em estilo colonial francês, com recurso a pedra calcária retirada do local. E ergueu-a bem. A casa sobreviveu a vários ciclones e a sua cave profunda ainda hoje permanece seca.

Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

A vivenda de Ernest Hemingway, numa zona frondosa de Key West.

O tio Gus comprou-a por 8.000 dólares num leilão das Finanças e ofereceu-a aos Hemingways como presente de casamento. Daí em diante, a vida de ambos, em casal e não só, fluiu, como todas, repleta de tormentas e bonanças. Estávamos prestes a desvendar vários dos seus episódios.

Uma Volta Guiada pela Vida Floridense de Hemingway

Uma guia loura com ar e modos abrutalhados reúne o primeiro grupo do dia para a visita guiada da casa. O espaço de cada divisão é deveras contido. Amplifica a voz grave da cicerone que se esforça por enfatizar os episódios mais cómicos ou marcantes lá passados ou em Key West.

Não que precisassem de mais drama que aquele que o estoura-vergas Ernest Hemingway já lhes garantia. Por norma, Ernest dedicava a manhã à sua escrita, algum tempo depois de se instalarem, num estúdio no piso superior de um anexo acrescentado à casa a que acedia em modo de slide por uma corda que instalou entre os dois edifícios.

O seu trabalho foi, em Key West, profícuo. Hemingway lá criou ou completou algumas das obras que o eternizaram: “As Neves do Kilimanjaro”, “A Vida  Feliz de Francis Macomber”, o romance “Ter e Não Ter” e “As Verdes Colinas de África”.

Mas, como vimos já, em Key West, Hemingway bebia tanto como escrevia. Contam os guias que, nas noites mais desvairadas, se guiava pelo farol ainda hoje em frente de sua casa, para lá chegar.

O bar favorito de Hemingway era “Sloppy Joe’s”, também nos dias que correm um clássico da cidade, sempre a abarrotar de forasteiros, muitos empenhados em emular ou exagerar as noites loucas de Ernest. Numa dessas noites, o escritor e Russel, uma das figuras do “Sloppy Joe’s”, carregaram à mão um urinol do antro para a vivenda de Ernest.

Sloppy Joe's Bar, Key West, Florida, Estados Unidos

Clientes em frente ao Sloppy Joe’s Bar, um dos pousos de Ernest Hemingway e ainda hoje um bar incontornável de Key West.

Colocaram-no junto à piscina que Pauline mandou construir e que ainda serve de bebedouro aos muitos descendentes dos gatos da família. Tanto os gatos como a piscina são atractivos curiosos e incontornáveis da mansão Hemingway. Comecemos pela piscina.

As Avenças Profissionais e as Desavenças Conjugais com a Esposa Pauline

Como seria de esperar, durante o período em que partilhou a casa com Pauline e os filhos, Hemingway ausentou-se, entregue aos mais distintos projectos. Em 1937, mudou-se para Espanha para cobrir a Guerra Civil Espanhola para o jornal norte-americano Alliance.

Lá se apaixonou pela que viria a ser a sua terceira esposa, a colega correspondente de guerra Martha Gellhorn. Ora, há muito que Pauline desejava ter uma piscina na casa de Key West.

Quando a traição do marido lhe chegou aos ouvidos, ou por vingança ou para suavizar a ira, mandou construí-la. A casa toda tinha custado 8.000 dólares. A piscina ficou em 20.000. Tornou-se na única em Key West.

É consensual a versão de que, quando regressou e se inteirou do custo, Hemingway lhe atirou um penny e reclamou: “Pauline, só não gastaste este meu último penny. Mais vale ficares também com ele.”

Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Visitantes passam pelo jardim da casa.

A moeda permanece encapsulada em vidro entre a piscina e o anexo. A peripécia delicia todos os visitantes. Há que sublinhar que, com o projecto da piscina, Pauline não só terá despendido demasiado do dinheiro do casal como acabou com o ringue em que Ernest se habituara a receber pugilistas de Key West, pagos para contra ele lutarem.

Boxe e Gatos. Muitos Gatos.

Hemingway era um sério aficionado de boxe. Além de combater, arbitrava lutas num saloon denominado Blue Haven, hoje, restaurante. Não custa, assim, perceber porque conquistou o cognome de Papa, The Biggest Daddy of them All. E, no entanto, Hemingway tinha um fraquinho por gatos. Não por uns quaisquer, claro está.

Gato em quarto, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Um gato descendente dos gatos de Ernest Hemingway dormita na cama do escritor.

Durante as suas pescarias e convívios com os velhos lobos do mar de Key West, inteirou-se de que os capitães de veleiros faziam questão de ter a bordo gatos com seis dedos. Explicava a lenda que acreditavam que o dedo extra auxiliava aqueles felinos a proteger as embarcações de ratos.

E também que tinham poderes místicos que garantiam aos capitães mares mais calmos, ventos prevalentes e navegações seguras. Fascinado, Hemingway começou a coleccioná-los. Como compensação, cedeu ao capricho de Pauline de ter pavões no jardim.

Hoje, os gatos são mais de quarenta e estão por toda a casa. Deliciam os visitantes mas suscitaram uma forte polémica com o USDA (United States Department of Agriculture), que após queixa de um visitante mais picuinhas, apareceu na casa e exigiu que o museu tivesse uma licença como requerido pelo Animal Welfare Act, a mesma lei que regula os circos, zoos e outros espectáculos com animais.

À boa maneira fundamentalista americana, também exigiu que os gatos da casa estivessem em pequenas jaulas individuais ou que fosse construído um muro mais alto em redor da propriedade ou uma cerca eléctrica em redor, complementado por um vigia nocturno que estivesse de olho nos gatos.

Gato, Casa de Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos

Outro gato atravessa um pátio da vivenda de Ernest Hemingway.

Exigiu ainda que cada um dos felinos fosse mantido com uma identificação. Caso o museu não cumprisse, teria que pagar multas. A casa Hemingway respondeu à boa maneira de Hemingway, sublinhando que a USDA não tinha qualquer autoridade sobre os gatos do escritor. A disputa mantém-se.

Já a contenda de Hemingway com Pauline, terminou de forma abrupta. Em 1939, o escritor mudou-se de Key West, 151 km para sul, para a vizinha Cuba deixando a esposa e os filhos para trás.

Em Cuba, tentou ultrapassar diversos tormentos da sua vida: a saúde deteriorada, em grande parte pelo excesso de álcool, depressões e até alguns acidentes. Lá se familiarizou com o regime de Fidel Castro e escreveu “The Old Man and The Sea” com que veio a conquistar um prémio Pulitzer (1953) e o Prémio Nobel da Literatura (1954).

Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Colonia del Sacramento, Uruguai
Cidades
Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Montanha da Mesa vista a partir de Waterfront, Cidade do Cabo, África do Sul
História
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Vertente leste do vulcão, Ilha do Fogo, Cabo Verde
Ilhas
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Parques Naturais
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Passerelle secular
Património Mundial UNESCO

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Religião
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
imperador akihito acena, imperador sem imperio, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.