Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma


Ferry “Tambor”
Pescadores navegam um pequeno barco em frente ao ferry "Tambor"
Vista de Ferry
Passageiros do ferry "Tambor" veem um outro a navegar no Golfo de Nicoya.
Gota a Gota
Banhista atravessa a cortina d'água da cascata de Montezuma,
Garça-Tigre
Garça-Tigre vigia peixes na beira-mar da Reserva Nacional Absoluta Nicolas Wessberg.
Tons Quentes
Jovem banhista fotografa o ocaso, sobre um trecho rochoso do litoral de Montezuma.
Mergulho Sincronizado
Pelicanos mergulham no mar ao largo de Malpaís, a oeste de Montezuma.
A Selva de Montezuma
Vista aérea da selva de Montezuma e do litoral banhado pelo oceano Pacífico.
Uma Reserva. Absoluta
Trilho irregular da Reserva Absoluta Nicolas Wessberg.
Capuchinho Curioso
Macaco-capuchinho examina os caminhantes que cruzam o seu território.
Salto do cimo
Jovens banhistas ensaiam saltos do nível superior da cascata de Montezuma.
Surfistas do crepúsculo
Surfistas deixam o mar baixo da Playa Malpaís.
Queda na Água
A cascata de Montezuma, a principal alternativa fluvial às praias ao largo da povoação.
Piedra Colorada
Vista aérea da Playa Colorada, sulcada por um riacho.
Montezuma Dourada
Enseada de Montezuma dourada pelo ocaso.
Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.

É toda uma maioridade viajante.

Em quase duas décadas da nossa deambulação terrestre, boa parte da nação Tica modernizou-se sem retrocesso. Nós, deixámos o mochilar puro e duro que nos fazia chegar a todo o lado.

Em Montezuma, salvo a estrada a partir do porto de Paquera estar agora asfaltada, pouco ou nada mudou.

Desembarcamos no cais a bordo de um carro alugado, já não para o autocarro a transbordar de adolescentes suados e motivados. Cumprimos os 40 km que separam o porto de Montezuma em menos que a hora prevista e sobre o pôr-do-sol.

Não conseguimos explicar ao certo porque não nos lembrávamos dos cenários que envolvem a estrada.

O mais certo é, à data, o “Tambor” – o ferry que ainda liga a cidade de Puntarenas a Paquera – ter chegado mais tarde ou se ter atrasado.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Ferry "Tambor", Puntarenas

Pescadores navegam um pequeno barco em frente ao ferry “Tambor”

Paquera a Montezuma por Prados Ondulantes, Dourados pelo Ocaso

E, de acordo, o autocarro ter feito a viagem já de noite. Também não nos espantaríamos que tivesse os vidros demasiado escuros, impedindo-nos de apreciar a paisagem. Não seria, por certo, o primeiro.

O que sabemos, é que os derradeiros raios solares, quase paralelos face à superfície da península de Nicoya, roçavam os pastos ganaderos e pintavam-nos de um encanto quase mágico, repletos, comos os víamos, de lombas verdejantes, salpicados de árvores de sombra e de vacas brancas cebu.

Sabemos ainda que, nesse deslumbre ervado, rejeitámos o atalho da Calle Pura Vida que, em vez, esbarrámos com o entroncamento semi-urbano de Gollo Cobano.

Daí, descemos em direcção à costa por uma estrada secundária tão precária e esburacada como as de há vinte anos.

Instalamo-nos na vivenda de férias de Rose Marie e Glen, um casal dos E.U.A. com quem, nos tempos livres da nossa sempre intensa descoberta fotográfica, convivemos.

Mesmo antes de o confirmarmos, o duo volta a louvar-nos os créditos zen de Montezuma. Falam-nos também de lugares vizinhos que devíamos aproveitar para desvendar.

É o que fazemos.

À Redescoberta do Abrigo Tropical de Montezuma

Mais móveis que em 2003, apontamos ao litoral oeste da Península Nicoya.

Damos entrada na Playa Malpaís e no seu areal vasto, bem distinto dos de Montezuma, e lá admiramos o deleite partilhado pela comunidade surf expatriada.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, surfistas

Surfistas deixam o mar baixo da Playa Malpaís.

Ondas para surf é algo que Montezuma não pode oferecer. Essa lacuna só a torna mais sossegada.

Cansados dos dias encharcados em Monteverde, no cimo da cordilheira que separa o lado caribenho da Costa Rica, do Pacífico, dividimos o dia inaugural de praia entre recreio balnear e fotos ocasionais e providenciais.

Só regressamos a casa sobre o anoitecer. Por fim, cedemos à ansiedade do reencontro.

Atravessamos o pueblo de Montezuma que encontramos a papel químico do que guardávamos na memória.

Jovens banhistas ensaiam saltos do nível superior da cascata de Montezuma, última foto

Jovem banhista fotografa o ocaso, sobre um trecho rochoso do litoral de Montezuma.

Do cimo de um rochedo coroado por uma bandeira branca-azul-vermelha da Costa Rica, espreitamos a enseada mais próxima, a primeira de uma sequência bendita que nos lembrávamos de ter calcorreado até à exaustão.

Em breve, escurece, culminar de um crepúsculo exuberante rasgado pelo sobrevoar de sucessivos esquadrões de pelicanos.

Malpaís, Montezuma, Costa Rica

Pelicanos mergulham no mar ao largo de Malpaís, a oeste de Montezuma.

O amanhecer seguinte revela-nos um novo dia solarengo e seco, característico da península de Nicoya.

Sem mais desvios, retomamos a deliciosa redescoberta de Montezuma.

Queda d’Águas de Montezuma. A Alternativa Fluvial às Praias Deslumbrantes

À entrada do Pueblo, há uma bifurcação em que a via direita dele se afasta, na direcção do famoso Cabo Blanco.

Lembrávamo-nos que a umas meras centenas de metros por essa estrada de terra, partia um trilho para uma grande queda d’água, um precipitar do rio que dá o nome à povoação.

Seguimos o seu leito, repleto de altos e baixos, de passagens escorregadias e de outras de tal forma precárias que foram dotadas de cordas de apoio.

Um quilómetro e meio depois, ouvimos o som refrescante do salto, na sequência da longa época das chuvas da América Central, ainda volumoso. Também por ali, a vida havia parado no tempo.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica

A cascata de Montezuma, a principal alternativa fluvial às praias ao largo da povoação.

Apesar da hora adiantada, o anfiteatro de selva em redor estava repleto de jovens entregues aos prazeres da Natureza, incluindo os estímulos sensoriais de alguma da sua erva, consumida em grande quantidade por aqueles lados, o que explica que, em jeito de sátira, Montezuma continue a ser conhecida como Montefuma.

Nesse deleite, rapazes cortejam raparigas. Raparigas cortejam rapazes. Como acontece desde sempre e, como tal, e se passava em 2003, os primeiros fazem de tudo para as impressionar e à plateia em geral.

Nestas quase duas décadas, os acidentes acumularam-se. Nem por isso, uma qualquer autoridade se atreveu a proibir as acrobacias.

Catarata, Montezuma, Costa Rica

Banhista atravessa a cortina d’água da cascata de Montezuma,

Saltos Mortais e alguns Banais, Acrobacias Arriscadas da Vida

À boa maneira tica, uma mensagem numa placa envelhecida e embelezada pelo sol e pela chuva, finge que cumpre o seu papel. Logo em frente, os mergulhos seguem-se, uns mais acrobáticos que outros.

Com o nosso banho tomado, concordamos em registá-los. Na primeira passagem por Montezuma, tínhamos assistido e fotografado em diapositivo ao mergulho dos mergulhos, protagonizado em por um jovem destemido que se lançara de cabeça, quase do topo dos 24 metros de altura.

Temos que confessar que, malgrado o risco de tragédia, tínhamos esperança que o momento se repetisse.

Em vez, sucederam-se saltos menores, alguns deles, insultuosos face a esse culminar histórico, de rapazes que mergulhavam a tapar o nariz. E um ou outro com salto mortal incluído mas executado de uns poucos metros de altura.

Assim decorria a manhã quando, do nada, um adolescente alvo e esguio, de cabelo encaracolado, que se limitava a apreciar os feitos dos restantes decide impressionar as moças com quem tinha metido conversa e suplantá-los a todos.

Mais que isso. Jesus, assim, se chamava o nativo de Montezuma, já tinha topado que registávamos as acrobacias e decide eternizar-se.

Vem ter connosco e comunica-nos a piscar o olho: “vou fazer um salto especial, só para vocês. Preparem-se para disparar.”

Dali, contorna a queda d’água e ascende-a até quase a meio. Com as mãos, limpa de terras uma pequena laje de rocha. Volta a descer.

Ganha balanço, projecta-se dessa base contra a parede da queda d’água e, com o impulso renovado, salta para as profundezas da lagoa.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, queda d'água

Jovens banhistas ensaiam saltos do nível superior da cascata de Montezuma.

Logo, vem verificar como se tinha saído.

“Bom número não foi?? Vocês têm que me enviar isso, OK?” e passa-nos o seu número de telefone.

As Praias Selvagens e Luxuriantes de Montezuma

Proezas como a sua não surgem assim ao acaso. Mais para a tarde, percorríamos já as enseadas de Montezuma quando voltamos a avistar Jesus.

Treinava saltos e acrobacias afins num castro de rochas que a maré vazia deixara descoberto.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, macaco-capuchinho

Macaco-capuchinho examina os caminhantes que cruzam o seu território.

Cruzamos toda a praia de Montezuma.

Na passagem para a seguinte, distrai-nos um bando de macacos-capuchinhos entretido com um dos seus frequentes e estridentes conflitos.

Segue-se a baía diminuta de Piedra Colorada, atravessada por um riacho frio que, tal como nos lembrávamos, sulcava o areal negro.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Playa Pedra Colorada

Vista aérea da Playa Colorada, sulcada por um riacho.

Em tempos, esta enseada era frequentada por um tal de Jake, um artista local que, manhã após manhã, ali costumava deixar uma escultura de pedras em equilíbrio.

O seu hábito gerou uma tradição. A razão porque encontramos todo um sector da praia repleto dessas esculturas.

Jovens famílias de estrangeiros piquenicam à sombra dos coqueiros, onde o riacho encontra o areal. A espaços, metem-se no mar tranquilo da enseada e alternam o banho de água doce, com outros de salgada.

A Playa de la Piedra Colorada dá para um dos incontáveis redutos naturais protegidos da Costa Rica, acessível por um sendero de início íngreme e em que vigora um silêncio e uma atmosfera clorofilina sagrada.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, trilho reserva Nicolas Wessberg

Trilho irregular da Reserva Absoluta Nicolas Wessberg.

A Selva Litoral Protegida da Reserva Wessberg

À entrada, uma placa identifica-o como Sueño Verde e ao lugar da finca em tempos habitada pelo casal Nicolas Wessberg e Karen Morgensen, homenageado, em 1994, com a criação da Reserva Nacional Absoluta Wessberg.

Nicolas, ou Olaf, como era tratado pela família, e a esposa foram defensores acérrimos dos ecossistemas da Costa Rica. Nicolas pereceu, aliás, vítima dessa postura.

Nos anos 60, o casal visitou a zona vizinha de Cabo Blanco.

Deparou-se com uma vasta área de floresta recém-cortada.

Decidiram-se a recuperá-la e a transformá-la numa reserva natural, para o que Nicolas procurou convencer o governo da Costa Rica e reunir fundos internacionais que facilitassem tal missão.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, vista aérea de Montezuma

Vista aérea da selva de Montezuma e do litoral banhado pelo oceano Pacífico.

Acabou por ter sucesso.

Não tarda, o casal interessou-se pela protecção de outra área selvagem única da Costa Rica, a de Corcovado.

Em 1975, Nicolas, partiu para lá com o objectivo de escrever um relatório que ajudasse a garantir a mesma protecção que obtivera para Cabo Blanco.

Não conseguiu, todavia, cumprir a promessa que tinha feito à esposa de que voltaria para o seu aniversário.

A versão mais aceite da sua tragédia é a de que o terá morto um guia local a mando de nativos da região que desejavam enriquecer com os recursos naturais da zona e temiam que fosse decretada parque nacional.

Na Reserva Nacional Absoluta Wessberg, em perseguição fotográfica de um pelicano solitário, perdemos meia-hora a focar uma garça-tigre menos fugidia.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Garça-Tigre

Garça-Tigre vigia peixes na beira-mar da Reserva Nacional Absoluta Nicolas Wessberg.

Ao som de uma qualquer música clássica grandiosa, o morador de uma cabana por ali perdida ajudou-nos a evocar os espíritos ecológicos de Olaf e de Karen.

As melodias que o entretinham, contribuíram para sentirmos ainda mais reforçada a espiritualidade verde e alternativa da elusiva Montezuma.

Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Ocaso

Enseada de Montezuma dourada pelo ocaso.

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

www.jumbocar-costarica.com

 Código JUMBOCOSTARICA  =  -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
Cidades
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
História
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Ilhas
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Natureza
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Parques Naturais
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Património Mundial UNESCO
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Magníficos Dias Atlânticos
Praias
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT