PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero


Nª Srª de Tortuguero
Uma Nª Srª abrigada por uma grande escultura de tartaruga, à saída de La Pavona.
Canal de Palma abaixo
Barco publico transporta passageiros pelo Canal de Palma.
Tortuguero. El Pueblito de
Morador de Tortuguero passa atrás das duas estátuas aviárias da povoação.
Tarde Dourada
Casal sob o alpendre de sua casa, na aldeia de Tortuguero.
Grande Pescaria
Don Emílio e seus filhos regressam de mais uma pescaria na boa do rio Tortuguero, com grandes robalos.
Maternidade Preguiçosa
Mãe preguiça segura uma cria e procura o sol após um longo período de chuva.
Convívio à beira d’água
Amigos convivem numa casa à beira do canal de Tortuguero.
Anhinga Anhinga
PN Tortuguero, Costa Rica
Intersecção no Canal
Capitão Mainor manobra um dos muitos barco que percorrem os canais de Tortuguero.
Iguana zonza
Iguana volta a subir uma árvore após uma queda aparatosa durante o seu sono.
Tortuguero
O sol assenta no horizonte e doura a costa caribenha de Tortuguero, no litoral nordeste da Costa Rica.
O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.

Percorridos 50km de província Limon rural e solarenga, o limiar rodoviário de La Pavona depressa põe os pontos nos is quanto à ilusão de uma qualquer benesse barométrica.

Ainda nos dirigíamos para a protecção do bar-restaurante quando nuvens plúmbeas e inclementes lançam um dilúvio sobre o embarcadero.

Num momento em que as bátegas se aligeiraram, subimos a bordo do barco em que seguiríamos com destino a Tortuguero. À espera de outros passageiros, voltamos a sair em prospecção fotográfica.

Damos connosco encurralados por nova chuvada debaixo de um abrigo tosco de barrotes e tábuas.

Abençoava-o e os recém-chegados à beira-rio um santuário como nunca tínhamos visto, composto de uma tartaruga pernuda esculpida em madeira escura.

E, debaixo da carapaça elevada, uma estatueta verde brilhante, do que nos parecia uma Nossa Senhora a segurar um menino Jesus.

Por fim, com todos a bordo, Carlos Arceyut, o anfitrião do Laguna Lodge dá-nos as boas-vindas, apresenta-nos ao capitão do barco Minor.

Minor zarpa para o Suerte, um afluente do rio Tortuguero, outro de vários rios que fluem da Cordilheira Central na direcção da costa caribenha da Costa Rica e que alagam vastas áreas no seu caminho, como é o caso da de Caño Negro, mais a ocidente.

Passados 20 minutos, como por milagre da inusitada divindade, as nuvens abrem.

Durante quase uma hora, sob uma cúpula já só quase azul celeste, ziguezagueamos pelos os meandros do Suerte, até entrarmos num canal amplo apontado à povoação de San Francisco e à Laguna Penitência.

Dobrado o gancho de uma tal de Isla Quatro Esquinas, deixamos um passageiro na povoação de Tortuguero.

Voltamos a subir o canal paralelo ao da Laguna da Providência até que, sobre a hora prevista, ancoramos no Laguna Lodge.

Laguna Lodge, entre os Canais do Parque Nacional Tortuguero e o Mar das Caraíbas

Lá nos instalamos, entre o derradeiro canal da viagem e o Mar das Caraíbas e, mal saímos para o alpendre do quarto, já nos víamos em convívio com a fauna em redor.

Um grande baque deixa-nos de sobressalto. Ocorre-nos que o deveria ter causado um coco descartado pelo seu coqueiro.

Um olhar mais atento, revela-nos uma grande iguana recém caída do cimo de uma árvore e estatelada no solo humedecido.

Acompanhamo-la, incólume, mas algo atordoada, no regresso ao seu sono interrompido nas alturas.

Num cenário e ecossistema único como aquele, não queríamos desperdiçar um minuto que fosse.

De acordo, voltamos para o canal, uma vez mais capitaneados por Mainor e guiados por Carlos Arceyut.

A Vida Quase Anfíbia e Arriscada do Parque Nacional Tortuguero

Vasculhamos a vegetação das margens em busca de animais quando um trio a bordo de uma canoa “Rosmery”, esforçado a remar contra a corrente, nos chama a atenção. “São o Sr. Emílio e os filhos.” diz-nos Carlos.  “Foram pescar à boca do rio. Vamos ver o que apanharam”

Carlos interpela-los. Instantes depois, os pescadores exibem-nos um enorme robalo e um pargo só algo mais pequeno. “Para eles, pescaria desta é rotina. Conhecem estes canais como ninguém e já passaram por tudo.

Só para terem ideia, uma vez, um dos filhos do Sr. Emílio foi atacado por um crocodilo, até próximo de onde apanharam estes peixes. Sabem como ele se safou? Bateu-lhe com um pau. Não foi por isso que deixaram de lá voltar.”

Emílio e os descendentes não eram os únicos a recusarem intimidar-se pela omnipresença dos vorazes répteis.

Umas centenas de metros para montante, cruzamo-nos com um outro trio, desta feita, a bordo da canoa “Miss Sibella”. Dª Rosana, Axel e Genesis pescavam camarões de rio, que desemaranhavam de ilhas flutuantes de vegetação. Estabelecemos nova abordagem.

Malgrado uma certa timidez inicial, também eles nos lembrar que habitam sobre a água e que se os crocodilos os mantivessem longe dos canais, não poderiam viver. “De qualquer maneira, é para evitar chatices  que eu tenho a canoa entre mim e a margem.

Fazemos o que podemos.”

Tortuguero, a Povoação Caricata

O sol já quase assentava sobre a selva para ocidente. Prolongamos a navegação na direcção da povoação Tortuguero. Desembarcamos ao som de cumbia vinda de um bar de rua, àquela hora, com poucos clientes.

Mais que a banda sonora caribenha, é a imposição de um núcleo inusitado de estátuas que nos tira do sério.

Logo em frente ao molhe, para lá da colónia de pneus que amortece a atracagem dos barcos e acima de um parque infantil multicolor, uma arara verde convivia com um tucano.

Alguns metros para a esquerda, dois ursos polares sentados sobre um telheiro apreciavam a converseta das aves e o seu reflexo tremelicante na água escura do canal.

A razão de ser das aves era-nos clara.

A dos ursos polares, carecia de uma explicação. “Ah! Ficou aí de uma publicidade ou patrocínio de uma marca de gelados.

Acho que até era a Esquimo.” elucida-nos Carlos.

Estátuas à margem, a aldeola de Tortuguero foi gerada por ticos ancestrais, mestizos de afro-caribenhos, indígenas miskitos e de imigrantes de outras paragens bem mais longínquas.

Das Origens de Tortuguero ao Regresso Recompensador ao Laguna Lodge

Desenvolveu-se sobretudo pela necessidade de mão-de-obra das plantações de cacau que, pela sua iminência acabou por suscitar a exportação adicional de carne de tartaruga, também para os E.U.A. e a Europa.

Admiramos como o ocaso dourava o casario de Tortuguero. Extenuados de todo um dia de viagem rodoviária e fluvial, cedemos a trocar a penumbra intrigante do lugarejo pelo abrigo acolhedor, recarregador de energias do Laguna Lodge.

Enquanto jantamos, resistimos a uma tentativa de assalto de uma família de coatis esfomeados.

Deitamo-nos cedo, convencidos de que enfrentaríamos um novo dia solarengo, repleto de novidade e actividade, como o que se encerrava.

Enganávamo-nos e não era pouco.

Um Inesperado Dramatismo Meteorológico

A meio da noite, um ribombar que mais parecia o Mar das Caraíbas a passar-nos por cima do quarto faz-nos despertar em sobressalto. Quando espreitarmos pela janela, percebemos que se tratava de uma chuva diluviana, empurrada de norte por rajadas de vento quase ciclónicas.

A época dos furações do Caribe tinha findado havia uns dez dias. Ainda assim, em Dezembro, é comum frentes frias descerem pela América Central e descarregarem a sua humidade e fúria do lado caribenho.

As bátegas sucederam-se toda noite. Prosseguiram pelo dia fora. Agitaram e inflaram o Mar das Caraíbas acinzentado e, ali, mesmo em tempos de bonança, pouco aconselhável a banhos, devido às fortes correntes e à abundância de tubarões-touro.

Passou-se todo outro dia. Não passou a tempestade.

Neste descalabro meteorológico tão natural no pluvioso Tortuguero, o Mar das Caraíbas limitou-se a projectar as suas ondas quase até à floresta de coqueiros.

Já no canal, a água subia a olhos vistos. Invadiu o embarcadouro. Galgou a orla do jardim.

Nesse tempo, por três vezes, Luís Torres, um outro guia ao serviço do lodge, apareceu ao nosso serviço e, para frustração partilhada, viu os seus préstimos por nós adiados.

Assim foi até que, duas alvoradas tenebrosas e tormentosas depois, à terceira, a intempérie deu de si.

Despertamos sem chuva nem vento. Em vez do céu irado a desenrolar-se sobre as nossas cabeças, uma névoa suave massajava o cocuruto verdejante da selva.

Por Fim, de Volta aos Canais do Parque Nacional Tortuguero

Quando terminamos o pequeno-almoço, Luís Torres está uma vez mais a postos no embarcadouro, acompanhado pelo capitão da lancha, Chito, alcunha que substituiu o seu nome real Braulio.

“Desta vez, é mesmo, Luís, não se preocupe. É, e vai ser já” garantimos-lhe, imbuídos da mesma ansiedade evasiva do guia. Minutos depois, estávamos a navegar o canal.

O território previsto era bem mais amplo que o do dia inaugural. E, no entanto, bastou-nos atravessar para a margem oposta para logo nos maravilharmos.

Após o longo castigo ensopado, como nós, boa parte dos animais ansiavam pelo afago solar. Chito e Luís detectam uma família de macacos-uivadores numa árvore.

Enquanto os admiramos e fotografamos, encontram uma mãe preguiça ainda encharcada a dormitar ao sol, com uma cria de olhos piscos sobre o dorso.

Entusiasmados pelo absoluto revés na sorte que o Parque Nacional Tortuguero nos guardava, esforçamo-nos por deixar as criaturas entregues ao seu perene sono.

Apontamos uma vez mais à aldeia das aves-estátuas e, logo, ao gancho do canal. Na extensão da povoação, atingimos a entrada da área protegida.

Depois de três dias de acesso e de abrigo forçado, por fim, íamos aceder ao âmago selvagem e inundado do Parque Nacional Tortuguero.

Artigo realizado com o apoio de:

LAGUNA LODGE TORTUGUERO

www.lagunatortuguero.com

PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Gandoca-Manzanillo (Refúgio de Vida Selvagem), Costa Rica

O Refúgio Caribenho de Gandoca-Manzanillo

No fundo do seu litoral sudeste, na iminência do Panamá, a nação “tica” protege um retalho de selva, de pântano e de Mar das Caraíbas. Além de um refúgio de vida selvagem providencial, Gandoca-Manzanillo revela-se um deslumbrante éden tropical.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
panorâmica, Saint Pierre, Martinica, antilhas francesas
Cidades
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Djerbahood, Erriadh, Djerba, Espelho
Cultura
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Nova Gales do Sul Austrália, Caminhada na praia
Em Viagem
Batemans Bay a Jervis Bay, Austrália

Nova Gales do Sul, de Baía em Baía

Com Sydney para trás, entregamo-nos à “South Coast” australiana. Ao longo de 150km, na companhia de pelicanos, cangurus e outras peculiares criaturas aussie, deixamo-nos perder num litoral recortado entre praias deslumbrantes e eucaliptais sem fim.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Étnico
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Banco improvisado
História
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Sementeira, Lombok, mar Bali, ilha Sonda, Indonesia
Ilhas
Lombok, Indonésia

Lombok. O Mar de Bali Merece uma Sonda Assim

Há muito encobertos pela fama da ilha vizinha, os cenários exóticos de Lombok continuam por revelar, sob a protecção sagrada do guardião Gunung Rinjani, o segundo maior vulcão da Indonésia.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Aurora, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal
Natureza
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Moçamedes ao PN Iona, Namibe, Angola

Entrada em Grande na Angola das Dunas

Ainda com Moçâmedes como ponto de partida, viajamos em busca das areias do Namibe e do Parque Nacional Iona. A meteorologia do cacimbo impede a continuação entre o Atlântico e as dunas para o sul deslumbrante da Baía dos Tigres. Será só uma questão de tempo.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Sociedade
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.