Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal


Padrão
Arte urbana e Vida
Prainha e Centro Histórico
Jardim Duque da Terceira e Casario
Arquitectura Terceirense
Vitrais vs Beirais
Telhados Portugueses
Fonte Nova
Brasão 5 Quinas
Marina Lotada
Caminhadas
Fachada da Misericórdia e o Obelisco
O Obelisco da Memória
Os Passos de Camões
Ladeira Património Mundial
Esplanada Estrelada
Ilhéu das Cabras
Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores e da ilha Terceira. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.

O tempo passou.

Com ele, foi-se a vida do amarelo-torrado do obelisco do Alto da Memória. Cientes da importância do lugar e do monumento, para Angra do Heroísmo e para Portugal, as autoridades lembram-se de lhe devolver o brilho.

Quando chegamos ao seu cimo relvado, cinco pintores munidos de escadas, repetem pinceladas cuidadosas.

Abundam as linhas e arestas em relevo pelo que o trabalho requer tanto jeito quanta paciência.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, obelisco do Alto da Memória

Para norte e o interior da ilha, o céu providenciava um fundo branco denso.

Na direcção oposta, sobre a enseada abrigada ao sul a cidade rejeitava a nebulosidade. Amornava sob os sucessivos laivos do sol ainda vigoroso de Setembro.

O limiar murado do outeiro prenda-nos com a vista do casario de Angra, daquele ângulo, sobretudo telhados de barro, o mais portugueses possível. Não só.

Antecedia-o, logo abaixo, um horto salpicado de palmeiras, com um quê de tropical que se o Jardim Duque da Terceira contíguo adensava.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, Casario Centro Histórico

A leste e ao poente, a envolverem esse Éden luxuriante, surgiam duas casas de Deus magnificentes, a fachada e as torres gémeas da igreja de Nª Srª de Carmo num duelo de reverência arquitectónica secular com as da Nª Srª da Guia.

Outras igrejas, outras torres, inúmeros solares, palacetes, edifícios apalaçados e filas de prédios repetem-se até às estradas Gaspar Corte-Real e Pêro de Barcelos, à Prainha e à Marina d’Angra, já sobre o Atlântico.

Formam uma urbe harmoniosa, resultado de meio milénio de planeamento ortogonal, mais que isso, resplandecente de uma prosperidade e fausto que a omnipresença clerical contribuiu para uniformizar.

Hoje, aqui e ali, enriquecidos com obras de arte de rua que não deixam ninguém indiferente.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, arte urbana

A Fundação e Urbanização Exemplar de Angra do Heroísmo

Desde, pelo menos 1474, que os colonos da metrópole se empenham em aprimorar o seu refúgio no Atlântico do Norte.

Álvaro Martins Homem e João Vaz Corte-Real, os primeiros Capitães Donatários de Angra, esmeraram-se e deram o exemplo. Decorridos quatro anos, Angra passou a vila. Sessenta anos depois, tornou-se a primeira povoação dos Açores a ascender a cidade.

O vigor do Cristianismo local acompanhou o do urbanismo. Nesse mesmo ano de 1534, o Papa Paulo III emitiu a bula Aequum reputamus e decretou a Diocese de Angra, com jurisdição religiosa sobre as restantes ilhas açorianas. Compreende-se, assim, melhor, a profusão de igrejas, catedrais, Impérios do Divino, capelas e afins.

A devoção que as gentes da cidade e da ilha Terceira preservam por Deus e que, fruto da diáspora açoriana, contribuíram para globalizar.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, Igreja da Misericórdia e o ObeliscoO Merecido Estatuto de Cidade Património Mundial

Cumpridos vinte minutos de contemplação e deslumbre, descemos à beira-mar da terra angrense, às ruas elegantes do centro histórico que, a condizer, a UNESCO declarou, em 1983, Património Mundial.

Caminhamos em redor do Palácio dos Capitães Generais, que os Jesuítas ergueram como Colégio com Pátio de Estudos mas que, em 1776, pouco depois da expulsão da ordem da Ibéria, o primeiro Capitão-General dos Açores, D. Antão de Almada apalaçou e ajustou a propósitos administrativos e militares.

Haveria de servir como Paço Real, em duas ocasiões distintas.

De Paço em Paço, descemos para os do Concelho, sobranceiros à Praça Velha e à calçada branca e negra, padronizada, que ali faz de xadrez humano.

Num movimento característico de rainha, avançamos Rua Direita abaixo, em busca de outra igreja emblemática de Angra, a da Misericórdia, da Marina sobrelotada da cidade e da sua baía balnear preferida, a Prainha.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, Marina

Loja Basílio Simões: Legado Pitoresco da História Comercial de Angra do Heroísmo

Pelo caminho, reparamos na fachada da loja Basílio Simões, listada online como supermercado mas em que identificamos um misto de grémio com mercearia.

O interior, orgânico, de madeira, prateleiras envidraçadas, caixas de cartão a servir de expositores adicionais.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, Loja Basílio SimõesUm mostrador de sementes de plantar, ferramentas, linóleos, rações, adubos e produtos do campo afins, forma um sortido lucrativo.

Logo ao lado, o negócio justifica uma espécie de escritório-antiquário, dotado de um velho cofre, estantes, escrivaninhas e cadeiras cada peça mais vetusta e bem preservada que a outra, como boa parte dos donos e funcionários do negócio familiar.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, Escritório Basílio SimõesA forte tradição comercial de Angra do Heroísmo vem de há muito. Está na base da sua bonança.

Angra do Heroísmo: derradeira Escala da Carreira da Índia e da Rota Hispânica das Américas

Intercâmbios mais próximos e simples à parte, Angra era a derradeira escala da Carreira da Índia. Acolhia, reparava e fornecia os navios que se afastavam da costa ocidental de África para se fazerem à Volta do Mar e, em simultâneo, evitarem os ataques dos piratas mouros, mais tarde, das nações europeias rivais.

Com o advento da Dinastia Filipina, aos navios portugueses, juntaram-se os galeões espanhóis, provindos de Cartagena das Índias e de Porto Rico, repletos de ouro, de prata e de tantos outros tesouros subtraídos às Américas.

Todo este trânsito marítimo e a riqueza que com ele navegava justificou, inclusive, a criação de uma instituição dedicada, a Provedoria das Armadas, complementada de estaleiros navais e das várias fortalezas e fortificações que continuam a defender a cidade.

Um desses estaleiros ocupava a área da actual Prainha, hoje, uma espécie de piscina marinha arredondada em que moradores e forasteiros se banham e deleitam, que usam e ao paredões acima como ginásio ao ar livre – desde que a meteorologia caprichosa o conceda – entregues a exercícios de tronco nu.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, Centro HistóricoMonte Brasil: um Vulcão Extinto e HiperFortificado

Da Prainha, rumamos à que terá sido a fortificação mais importante de Angra, destacada para dentro do Atlântico no promontório do Monte Brasil, numa posição favorável para atingir com artilharia, os navios atacantes.

No cimo deste vulcão extinto, damos com uma perspectiva sobre a cidade oposta à do Alto da Memória. Encontramos ainda a Fortaleza de São João Baptista (Castelo de São Filipe), o Forte de São Sebastião e outras muralhas e bastiões.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, ilheu das CabrasForam erguidos e reforçados, pelos espanhóis, fartos dos piratas e corsários, conscientes de que, por si só, as bênçãos da Ermida de Santo António e da Igreja da Misericórdia, não exorcizariam tais demónios.

Um brasão de armas de Portugal vermelho, azul, dourado destacado da fachada da Igreja da Misericórdia, reluz de patriotismo.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, Brasão

É só um de incontáveis elementos da nacionalidade lusa disseminados por Angra, símbolos de uma fidelidade para com a Coroa e, mais tarde, a República que a história se encarregou de registar.

Os espanhóis ergueram as suas fortalezas.

Usaram Angra do Heroísmo e a Terceira mas só até onde e quando puderam. Chegado o contexto ideal, os Angrense deram sequência ao apoio ao Prior do Crato que, de 1580 a 1582, lá se havia instalado e ao seu governo provisório.

O Contributo de Angra para a Restauração da Independência e o Triunfo Liberal de 1834

A partir de 16 de Março de 1642, rebelaram-se, triunfaram sobre os castelhanos e expulsaram-nos da ilha. A abnegação e o sacrifício dos Angrenses fez com que D. João IV concedesse a Angra o título de “Muito Nobre e Leal Cidade”.

Restaurada a independência, a história lusa depressa voltou a pôr a cidade à prova.

Entre 1828 e 1834, as Guerras Liberais tomaram conta da metrópole. Angra assumiu-se o fulcro logístico das Forças Liberais e acolheu a Junta Provisória, em nome da rainha Maria II. De capital dos Açores, viu-se promovida a capital do Reino.

Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, rua das fachadasNo entretanto, D. Pedro IV tomou os Açores. Fez da ilha Terceira o seu quartel-general e lá preparou uma força naval e militar à altura do conflito.

A partir de Angra navegou para o norte de Portugal.

Em 8 de Julho de 1832, levou a cabo o Desembarque do Mindelo de onde se reorganizou para tomar o Porto e, ultrapassado o Cerco dos Miguelistas, o resto do país, após navegar para os Algarves e, dos Algarves rumo a Lisboa, num plano de tal forma inusitado e acautelado por uma esquadra inglesa que os Miguelistas nunca o puderam travar.

Nesse lugar da Praia dos Ladrões, em que os Liberais desembarcaram, resiste, hoje, o memorial às vítimas da Guerra Civil, com a forma de um obelisco. De nome indigno para a sua importância, a praia nortenha foi rebaptizada de Praia da Memória.

De então para cá, a identidade e a nacionalidade portuguesa continuaram a contorcer-se. Portugal passou de monarquia a república, de ditadura a democracia.

Sejam quais forem os próximos meandros, os Angrenses celebrarão sempre e para sempre o seu protagonismo.

Entre 1845 e 1856, ergueram o tal obelisco “espelho” do Alto da Memória. Quando lá voltamos sobre o fim do dia, continuavam a pincelar e a reavivar a história ilustre de Angra do Heroísmo.

Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname
Cidades
Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos

Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
História
Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas

Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Ilhas
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Parques Naturais
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Património Mundial UNESCO
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES