Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas


Nª Srª das Vitórias
A capela neo-gótica mandada erguer por José do Canto, como voto por a sua esposa ter padecido de uma doença grave.
Lagoa Nostra
Banhistas deleitados na água morna da lagoa do Parque Terra Nostra.
Vitórias-Régias
Vitórias-régias resplandecem ao sol em lagos do Parque Terra Nostra.
Arte Rural
Uma espécie de instalação nas imediações da Lagoa das Furnas.
A Vista do Pico do Ferro
Parte da vista do Miradouro do Pico do Ferro, com a Lagoa das Furnas à direita.
Fumo das Fumarolas
Visitantes percorrem os passadiços que revelam as fumarolas e caldeiras das Furnas.
As Tocas dos Cozidos das Furnas
Um dos buracos usado para a cozedura dos cozidos das Furnas fumega.
Lagoa das Furnas
A Lagoa das Furnas vista do Miradouro do Pico do Ferro.
O Enterro dos Cozidos
Funcionário da Povoação tapa um cozido, a partir daí pronto para as cinco horas de cozedura.
Povoado das Furnas
A povoação das Furnas concentrada no âmago do Vale das Furnas.
Uma Ponte Vegetada
Amigas cruzam uma ponte do Parque Terra Nostra, sobre um rio de vegetação.
Capela Nª Srª das Vitórias
A capela neo-gótica mandada erguer por José do Canto, como voto por a sua esposa ter padecido de uma doença grave.
O Forno da Terra
Funcionários da Povoação removem um cozido do seu buraco de cozedura.
Os Esses do Vale
Vacas pastam num pasto do Vale das Furnas.
Kit Cozido das Furnas
Um duo histórico e inseparável do cozido das Furnas.
Vista do Cimo de Ferro
Grupo de visitantes deslumbra-se com a vista do Vale das Furnas a partir do Pico do Ferro.
Mergulho de Açafrão
Banhista mergulha na água ferrosa da lagoa do Parque Terra Nostra.
Vale e Lagoa das Furnas
Parte da vista do Miradouro do Pico do Ferro, com a Lagoa das Furnas à direita.
Casario das Furnas
O aglomerado de edífícios, lares e outros, no coração do Vale das Furnas.
Terra Fervente e Borbulhante
Algumas das pequenas caldeiras nas imediações da lagoa das Furnas.
Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.

Ditou um mero acaso que partíssemos na direcção das Furnas do desvio que surge após a Fábrica de Chá Gorreana, na imediação dos Barreiros.

De um momento para o outro, a estrada impõe-se à ladeira que nos apontava à crista de São Miguel. Damos de caras com uma manada de vacas frísias, embaladas pela descida. Na sua dianteira, um vaqueiro solitário vê-se aflito para controlar duas ou três cabeças em tresmalhe e, para fazer abrandar os carros.

Em vez de nos desesperar, aquele trânsito bovino a preto e branco lança-nos novo desafio. Encostamos o carro à berma, saímos de câmaras preparadas e enfrentamos as vacas.

Dezenas de disparos fotográficos depois, com o vaqueiro atónito pela velocidade da operação, vemos a cauda da manada entrar para um portão com acesso a um pasto.

Conformados, regressamos ao carro. Retomamos a condução.

Numa diagonal sinuosa, a EN2-1A aproxima-se do cimo da ilha, por ali, ora exposto ora semi-velado por sucessivas sebes densas. Uma delas, oculta um campo de golfe já antes anunciado e a indicação de um miradouro, o do Pico do Ferro.

O Deslumbre Inevitável Gerado pelo Vale das Furnas

Por essa altura, estávamos mais que cientes do valor acrescido que estes pontos de observação têm nos Açores. Desviamos sem hesitar. Avançamos por uma alameda sombria, húmida, quase ensopada da névoa nortenha que ali se condensava. Quando o arvoredo abre à claridade, damos connosco num limiar inverosímil.

Num ápice, por diante, sobretudo para baixo, revela-se todo um lado de lá de São Miguel. Próxima e insinuante, uma grande lagoa, ainda mais verde que o verde micaelense em redor.

Na sua extensão, para sudeste, uma manta de retalhos feita de pastos, matas, cabeços, velhas crateras cobertas de vegetação e uma povoação branca aconchegada na vastidão.

Furnas, São Miguel, Açores

A povoação das Furnas concentrada no âmago do Vale das Furnas.

O céu de Estio, azulão, polvilhado de uns poucos novelos que se aventuravam à vertente desfavorável, permitia-nos ainda perceber uma orla florestada de caldeira que só não continha uma curta franja de Atlântico e o firmamento etéreo.

Em São Miguel, quem vem das Sete Cidades, sente-se tentado a pensar que tão cedo não verá igual.

Pois, apenas algumas dezenas de quilómetros para oriente da ilha, ali estava esse igual. Um cenário a que ninguém no seu perfeito juízo se atreveria a colocar defeitos.

Rendidos, apreciamo-lo e fotografamo-lo num silêncio quebrado por cliques, quase cerimonial.

Para não variar, com tanta contemplação, perdemos a noção do tempo.

Cozido das Furnas. Um Velho Ritual Geotermal

Se há hora sagrada no Vale das Furnas, é a de almoço. Não tanto pelo pitéu regional quase pronto em cada lar. Mais pelo que fumega e coze na cozinha ao ar livre entre as caldeiras e a Lagoa das Furnas.

Temos almoço marcado no Hotel Terra Nostra que serve o famoso cozido local. O plano mantinha-se, antes de o devorarmos, vemo-lo a sair da terra.

Ao nosso e a outros, também a serem enterrados, que a quantidade de encomendas, as de restaurantes e as privadas, e as cinco horas de cozedura subterrânea aconselhadas, obrigam a vários turnos. Tínhamos que voar baixinho.

Ora, o que nos faltava de caminho não era propriamente dado a pressas.

Cozido das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

Um duo histórico e inseparável do cozido das Furnas.

A estrada faz-se à orla da Caldeira. Um corrupio de meandros entretém-nos com novas perspectivas, menos panorâmicas à medida que nos acercávamos do fundo.

Logo, uma recta desafogada, ladeada de casinhas brancas com telha portuguesa clássica, aponta-nos ao casario predominante.

Por fim, dávamos entrada nas Furnas. Navegamos o trajecto de um lado ao outro da povoação e disparamos para a lagoa.

Quando estacionamos junto às fumarolas, dois funcionários da Povoação, Rui Pareço e Eduardo Bettencourt, já davam às enxadas.

Receosos de aquelas panelas fossem as últimas do dia, corremos na sua direcção.

“Calma, calma ainda têm bastante que ver, não é preciso essa aflição toda!” sossega-nos Rui Pareço que, logo nos autoriza a seguir-lhes os passos.

Cozido das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

Funcionários da Povoação removem um cozido do seu buraco de cozedura.

Aos poucos, os dois colegas removem mais e mais panelas com o conteúdo já fervente dos buracos. Passam-nas para a caixa da carrinha que conduziam.

Num ápice, voltam a ocupar os buracos vagados com refeições por cozinhar e a cobrir as tampas de madeira com o solo vulcânico abençoado da Terra.

Buracos dos cozidos das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

Um dos buracos usado para a cozedura dos cozidos das Furnas fumega.

O Vulcanismo Potencialmente Destrutivo do Vale das Furnas

Enquanto os cozidos fervilhavam, percorremos os passadiços que revelavam as caldeiras e fumarolas ali ao lado, mais fumegantes e sulfurosas que qualquer panela destapada.

Não obstante a sua aparência idílica, o Vale das Furnas é vulcânico a sério.

Quando dizemos sério, referimo-nos a eruptivo, a potencialmente disruptivo e catastrófico, tendo em conta que vivem quase duas mil pessoas nos 7km de diâmetro da caldeira.

São as próprias autoridades que classificam o estratovulcão das Furnas, (situado a oeste do vulcão da Povoação) como um dos três potencialmente mais activos da ilha de São Miguel.

Lagoa das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

A Lagoa das Furnas vista do Miradouro do Pico do Ferro.

A descoberta de São Miguel deu-se entre 1426 e 1439. A ilha começou a ser povoada em redor de 1444. Estima-se que, apenas quatro anos antes, se verificou uma erupção significativa, a partir de um tal de Pico do Gaspar.

Há ainda a certeza de que, em 1630, ocorreu uma outra ainda mais danosa, com centro eruptivo no sul da grande caldeira, a caldeira, por sua vez, gerada por um evento vulcânico massivo de há cerca de trinta mil anos.

A erupção de 1630 foi condignamente descrita. Por eremitas que se tinham estabelecido no Vale das Furnas, primeiro num quarto cedido pelo donatário Manuel da Câmara.

Mais tarde, em cabanas de taipa improvisadas junto a uma ermida que fundaram, a de Nª Srª da Consolação. E, entretanto, num verdadeiro convento.

Pois, a erupção de 1630 arrasou tudo o que os eremitas haviam edificado.

Essa inesperada destruição forçou-os a instalarem-se noutras paragens, enquanto os povoadores do leste de São Miguel cultivavam um receio místico do vale.

Nem mesmo os pastores lá queriam voltar com o seu gado.

Vacas em pasto do Vale das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

Vacas pastam num pasto do Vale das Furnas.

Com o passar dos anos e o solo re-fertilizado pela erupção, a vegetação recuperava a um ritmo inédito. Sem notarem nova actividade vulcânica, os religiosos regressaram.

Do Abandono à Povoação Ininterrupta e Prolífica das Furnas

Abençoaram, assim, a povoação definitiva das Furnas, como o constatámos do alto do Pico do Ferro, ainda hoje espiritualmente validada por uma igreja de duas torres, a de Nª Srª da Alegria.

Aos poucos, chegaram moradores da Ponta Garça, da Maia, de Povoação, de Vila Franca e de outros lugares.

Por mais que o adiássemos, estava na hora de lhe seguirmos o exemplo.

Inspeccionamos mais uma fumarola dissimulada na beira da lagoa, junto a uma roulotte de comes e bebes que encontrámos cercada por um exército de patos que disputavam ofertas de pão.

Capela de Nossa Senhora das Vitórias. Um Tributo à Fé

Ainda damos uma volta à lagoa de maneira a admirarmos a capela de Nª Srª das Vitórias, mandada erguer em estilo neo-gótico por José do Canto (1820-1898), um grande proprietário e intelectual micaelense, como voto por o ter afligido uma doença grave da esposa.

A capela destaca-se da margem da lagoa e da vegetação acima. Tem a companhia da casa de férias de José do Canto onde o casal se encontra sepultado.

Formam um duo arquitectónico improvável que, sobretudo em dias de nevoeiro, reforça a aura de mistério da lagoa e do vale das Furnas.

Capela Nª Srª Vitórias. Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

A capela neo-gótica mandada erguer por José do Canto, como voto por a sua esposa ter padecido de uma doença grave.

Por fim, invertemos rumo para o âmago da vila.

Aterramos, descansados, na sala de refeições do hotel Terra Nostra desejosos de saborearmos o cozido que tínhamos visto enterrar e feito por merecer, um cozido distinto dos do Continente sobretudo pelo ligeiro sabor a enxofre e pela presença de dois ingredientes açorianos: a batata doce e o inhame.

Parque Terra Nostra: Exuberância Botânica e Arquitectónica nas Já Exuberantes Furnas

O hotel Terra Nostra que nos acolhia integra o parque histórico homónimo das Furnas, um reduto luxuriante, em certos trechos, de visual mais tropical que temperado.

Com tempo até ao fim da tarde, caminhamos entre a sua floresta ajardinada, florescida da paixão de um comerciante endinheirado de Boston, Thomas Hicking, pelas Furnas.

Ponte Parque Terra Nostra, Furnas, São Miguel

Amigas cruzam uma ponte do Parque Terra Nostra, sobre um rio de vegetação.

Inteirado da beleza e valor terapêutico da hidrópole do vale, em 1755, Hicking mandou erguer uma casa dotada de um enorme tanque de água com um ilhéu no centro e cercada de árvores.

Baptizou-a de Yankee Hall. Setenta e três anos depois, o influente Visconde da Praia, ilha Terceira, adquiriu a propriedade e ergueu a actual mansão no lugar da Yankee Hall.

A sua esposa, a viscondessa, era adepta de jardinagem. De acordo, o Visconde adicionou dois hectares à propriedade.

Ele próprio e os seus descendentes mandaram-nos preencher com o jardim viçoso e garboso que enche o ar das Furnas de clorofila, um dos jardins mais exuberante dos Açores e, atrevemo-nos a dizê-lo, das ilhas atlânticas.

Parque Terra Nostra, Furnas, São Miguel, Açores, Portugal

Banhistas deleitados na água morna da lagoa do Parque Terra Nostra.

Nos dias que correm, o tanque de Hicking é a grande atracção do Parque Terra Nostra.

Está cheio de uma água termal morna tão ferrosa que, em vez de translúcida é ocre, quando batida pelo sol, quase açafrão.

Atrai uma multidão de visitantes que nele chapinham e nadam em absoluto deleite. O nosso dia de exploração de São Miguel aproximava-se do ocaso.

Estava na hora de nos banharmos na afabilidade geotermal do Vale das Furnas.

São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Cidades
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cultura
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Em Viagem
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Mulheres no forte de Jaisalmer, Rajastão, India
História
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Ilhas
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Natureza
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela
Parques Naturais
Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Religião
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Sociedade
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT