São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã


Fajã dos Vimes
Luz solar faz destacar a Fajã dos Vimes da costa sul de São Jorge.
Rosais
Contraste dramático na Ponta Ocidental da longilínea São Jorge.
Fajã do Ouvidor
Luz solar faz destacar o casario da Fajã do Ouvidor.
Manada Ensopada
Manada de vacas frisias sob um dos frequentes aguaceiros da ilha de São Jorge.
Pico da Boa Esperança
Marco C. Pereira e Sara Wong à beira de uma das lagoas do Pico da Boa Esperança.
Abençoado Declive
Torre da igreja da Fajã de São João, a leste da de Vimes.
Capuchinho Azul
Sara Wong caminha entre os cedros da floresta de Sete Fontes, em Rosais.
Ocaso bovino
Vacas pastam contra a derradeira luz do dia.
A Calheta
Casario de Calheta, apertado entre a falésia sul de São Jorge e o oceano.
Ponta de Rosais
Farol da Ponta de Rosais visto da Vigia da Baleia local.
Ocaso sobre o gado
Sol prestes a por-se a ocidente de São Jorge e dos Açores.
Calheta
A vila de Calheta na base de uma fajã estreita.
Vista para o sul do Leste
Um de muitos chafarizes de São Jorge, distrai do cenário grandioso do sul da ilha.
Curto Descanso
António Correia e Luís Azevedo numa curta pausa de trabalho rural num prado inclinado.
O Portão do Mar
Vulto cruza o Portão do Mar na beira-mar de Velas.
Incenseiro de Vimes
Incenso numa plantação da Fajã de Vimes.
À Luz de Velas
Iluminação artificial faz resplandecer o casario de Velas, a capital de São Jorge.
Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.

A primeira vez que sobrevoámos o Grupo Central açoriano, sentados à janela, reparámos em dois atributos.

A montanha cónica do Pico, tecto de Portugal, muito acima do plano médio em que assenta o triângulo insular. Do outro lado do mais longo dos canais, uma ilha longilínea, escarpada como nenhuma outra, uma gigantesca e verdejante nau da Terra por ali ancorada, com 54 km de comprimento por 7km de largura. Sobressaiam ainda várias das fajãs de São Jorge.

Não era esse o caso, mas, sempre que São Jorge é o destino final, ao fazer a sua aproximação à pista, o avião orienta-se a duas delas, a da Queimada e a de Santo Amaro.

A primeira vez que desembarcamos em São Jorge, deixamos o ferry oriundo de São Roque, destinado ao cais da Vila das Velas, a capital, também ela no fundo de um enorme declive.

Os vários dias na ilha, passamo-los sob esta ditadura geológica, entre as alturas da ilha e os seus acrescentos, fossem gerados por colapsos das vertentes ou por escoamentos ancestrais de lava.

Os Tempos de Incerteza da Descoberta e da Colonização

Malgrado a configuração, à primeira vista, desafiante de São Jorge, a Vila de Velas comprova o êxito da colonização local, com mais de meio milénio.

Foi inaugurada trinta anos após o descobrimento da ilha que se crê ter ocorrido por volta de 1439, mesmo que não se saiba ao certo quando se deu o primeiro avistamento e quem foi o marinheiro autor.

Os quase dois mil moradores de Velas habitam um casario prolífico que, com o tempo, ocupou a maior das áreas planas da ilha, na extensão de uma enseada generosa, favorável à ancoragem.

De 1470 em diante, as embarcações não mais pararam de chegar e zarpar, não tarda, incumbidas de carregar, destinados a Portugal Continental e ao norte da Europa, vinho, milho, inhame, pastel-dos-tintureiros e urzela.

À imagem do que aconteceu nas vizinhas ilhas do Pico e do Faial, parte dos colonos de São Jorge chegaram da Flandres. Deles se destacou o nobre Willem van der Haegen, cuja complexidade do nome justificou que o aportuguesassem para Guilherme da Silveira.

As Velas das Naus, e a Vila das Velas

As velas de tais embarcações terão, com forte probabilidade, inspirado o baptismo popular da Vila de Velas, se bem que coexistam diversas outras hipóteses.

São, algumas, a distorção de “belas”, a simples adaptação do nome de uma terra do Continente português ou até origem numa expressão derivada do “velar” sinónimo de vigiar, fosse a passagem de baleias, fosse a actividade vulcânica que, como veremos adiante, se veio a revelar um sério obstáculo à constância e paz do assentamento.

Caminhamos pelas ruas de Velas, do seu Portão do Mar para cima.

Admiramos a elegância açoriana da vila, abençoada como é suposto, por um templo do Senhor condigno, neste caso, a sua Igreja Matriz.

A inclinação do terreno pouco ou nada obstou à harmonia do casario, espaçado, polido, em certos pontos até resplandecente de cor, como em redor do Jardim da Praça da República, com coração no seu coreto escarlate.

Haveríamos de voltar a Velas dia após dia.

Com toda São Jorge por desvendar, fizemo-nos à estrada e à ladeira sinuosa que sobe do limiar da povoação às alturas da ilha.

No tempo que decorrera desde a travessia do Pico, uma tal de tempestade Bárbara afectava o Continente. Como o víamos, ou era outra que sobre nós se intensificava, ou chegava com tal nível de barbaridade que atormentava em simultâneo os Açores.

Quanto mais ascendemos na ilha e perdemos a protecção do seu Sul mais sentimos a força do vento. Avolumava-se em nós a curiosidade quanto à vertente setentrional de São Jorge.

Umas rabanadas invernosas e aguaceiros imprevisíveis, não chegariam para nos intimidar.

Barrados pela passagem de uma manada extensa de vacas frísias, deixamos a estrada N1.

Metemo-nos numa outra que, perdida em pastos e rectângulos agrícolas murados, intersecta a ilha.

A Visão Deslumbrante da Fajã do Ouvidor

Numa quase diagonal sinuosa, contornamos o domínio repleto de caldeiras do Pico da Boa Esperança (1053 m, maior elevação da ilha) e prosseguimos para Norte Grande. No limiar norte desse Norte, damos com o cimo e com o miradouro que procurávamos, o da Fajã do Ouvidor.

Por diante, mas cerca de 400 metros abaixo, destacava-se da ilha uma sua adenda. O nome da fajã advém de, nos tempos idos da colonização, ter sido seu proprietário Valério Lopes de Azevedo, o Ouvidor do Capitão Donatário de então.

Não obstante uma cobertura densa de ervado agrícola, a lava negra e sulcada a descoberto na orla do mar, parecia comprovar uma origem em escoadas lávicas. Uma vez solidificada e erodida, moldaram-se nela diversas piscinas marinhas naturais nessa altura, invadidas e batidas pelas vagas aumentadas pelo vento.

O factor balnear da fajã do Ouvidor faz com que, nos meses de Verão, seja uma das mais concorridas da ilha. As casas mais modernas ameaçam suplantar em número as de construção tradicional.

Por outro lado, malgrado durante quase todo o ano ser usada pelos agricultores da zona, com o Estio, chegam dezenas de famílias de férias.

O Café, o restaurante e, se for caso disso, até a discoteca abrem.

A Ouvidor ganha outra vida.

A Sequência Deslumbrante de Fajãs da Costa Norte

Do cimo do Miradouro, olhando a leste, vislumbrávamos também os contornos da fajã mais próxima, a da Ribeira da Areia. Logo, menos óbvias, a do Mero, a da Penedia, a das Pontas.

Mais distante, pronunciada sobre o Atlântico, em forma de vulcão achatado, distinguíamos ainda a dos Cubres, senhora de uma fascinante lagoa de água salobra, vulnerável às marés mais cheias e às vagas fortes das tempestades.

A Fajã dos Cubres é ainda o ponto de partida de uma caminhada deslumbrante à vizinha Fajã da Caldeira do Santo Cristo a que dedicaremos o seu próprio artigo. Até lá, regressemos às terras cimeiras de São Jorge.

Voltamos a atravessar para a costa sul onde descemos para a Calheta, a vizinha de Velas.

Já como vila, continuou a contribuir para a colonização e o desenvolvimento da ilha que não evitou um progressivo decréscimo populacional.

Calheta: há Séculos na Calha da Vila de Velas

Passada a segunda metade do século XIX, a Calheta, em particular, tinha quase 8400 habitantes. Em 2011, contava com 3773.

Como seria de esperar, a vila passou pelas mesmas provações que Velas. Ataques de piratas e corsários, sismos – com destaque para o “Mandado de Deus” de 1757 – derrocadas e maremotos inundantes como o de Outubro de 1945.

Hoje, protege a Calheta do Atlântico o término áspero de uma torrente lávica pré-histórica e um muro que a municipalidade lhe acrescentou como limite extra da marginal.

Chegamos ao limiar leste da sua enseada e porto. Espreitamos a antiga fábrica de conservas Marie d’Anjou, recém-transformada no Museu da Ilha.

Sentimos o pulso ao dia-a-dia da povoação, após o que voltamos a ascender a vertente jorgense.

De Volta ao Cimo, Rumo à Ponta Leste de São Jorge

Retomamos o rumo para o oriente da ilha, sempre atentos ao mapa, em busca das fajãs na sua base. Pelo caminho, deliciamo-nos com a sucessão de chafarizes seculares da ilha, todos marcados com as iniciais O.P. (obras públicas), e o ano da sua construção.

Um deles, de pedra vulcânica dourada pelo tempo, parecia querer distrair-nos da obra de arte natural que se estendia por detrás: o resto verdejante e abrupto da ilha, desdobrado em três grandes recortes de falésias meridionais.

Um meandro da estrada leva-nos à base de uma encosta resplandecente, verdejante e salpicada por pedras de um velho moinho de água. Uns quilómetros para diante, um novo miradouro revela-nos nova fajã, a de Vimes.

O Café Prodigioso da Fajã de Vimes

Ziguezagueamos a favor da gravidade, até desembocarmos no seu litoral humanizado. Mesmo se o dia continuava ventoso e fresco, o cenário acima tinha o seu quê de quase tropical. De tal maneira que em termos vegetais e rurais, o produto estrela da Fajã de Vimes é o café.

Metemo-nos por um trilho pedregoso acima. Não tarda, entre muros e uma quase selva açoriana, identificamos as suas bagas, por essa altura, amareladas de verdes.Tentávamos ainda perceber a configuração caótica da plantação, quando o céu plúmbeo nos soltou um dilúvio em cima. Corremos para a beira-mar.

Logo, desviamos para um estabelecimento. Já encharcados, mas em boa-hora, refugiamo-nos no Café Nunes. Ao balcão, Sr. Nunes, o próprio, dá-nos as boas-vindas. “Mas podiam ter-se metido no carro e traziam-no aqui até à porta.”

Agradecemos-lhe a atenção, pedimos dois cafés e queijadas para acompanhar. “E que tal? É especial, não é?” Expressamos ao Sr. Nunes a nossa concordância.

Ele, retorque com preocupações justificadas com o futuro do seu negócio. “Eu tenho cada vez menos saúde para tratar da plantação e não posso pagar para a manterem. O mato, ali, volta a crescer nuns poucos dias. O meu filho é arquitecto, a minha filha trabalha no turismo. Sobra-lhes pouco tempo. Mesmo assim, o ano passado conseguimos colher uma boa tonelada de café, arábica e do melhor!”

A conversa dura bem mais que a chuva. Amornados pelo calor do acolhimento, despedimo-nos.

Em Busca do Topo de São Jorge

Retornamos à estrada principal no cimo da falésia. Da qual, descemos à fajã de São João, onde, por algum tempo, a esplanada da pitoresca taberna Águeda nos serve de pouso.

Logo, visamos o extremo sudeste de São Jorge, ponta que os seus ilhéus chamam de Topo, e povoação senhora de um Império do Espírito Santo amarelo-vermelho dos mais elegantes que encontrámos por terras dos Açores.

Tudo, por estes lados, é conotado com o apogeu. Desviamos para o farol da Ponta do Topo.

Chegados à finisterra jorgense abaixo, ficamos a admirar a fúria com que o Atlântico castigava a costa em redor e, ao largo, o excêntrico Ilhéu do Topo.

Revertemos no itinerário.

Cumpridos 40km opostos da EN2 de São Jorge, chegamos a terras de Urzelina.

Damos com o que sobra da velha igreja local, a sua torre sineira.

Do Evento Vulcânico Inesperado de Urzelina à Vastidão da Ponta dos Rosais

Em 1808, uma inesperada erupção do vulcão de Urzelina arrasou boa parte da povoação, mas não só. A sua lava fluiu encosta abaixo. Só se deteve após acrescentar um V  lávico bem aberto ao sopé da ilha.

A erupção fez os moradores fugirem em pânico.

Na narrativa mais fidedigna do evento, o Padre João Ignácio da Silveira, conta que as freiras de Velas se refugiaram na igreja de Rosais. Seguimos-lhe os passos.

Cruzamos a floresta de cedros lúgubre e húmida de Sete Fontes.

Do lado oposto, encaramos a ponta de São Jorge oposta à do Topo e uma imensidão de retalhos agrícolas ainda fustigados pelo vendaval.

O farol abandonado de Rosais e a Vigia da Baleia que também olha pelas suas ruínas foi tanto quanto pudemos explorar do extremo ocidental intrigante de São Jorge.

Deixámos muitas das fajãs da ilha por desvendar.

E um pretexto incontornável para regressarmos.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Família em Hobart, Tasmânia, Austrália
Cidades
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Cultura
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Vanuatu, Cruzeiro em Wala
Étnico
Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
História
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Ilhas
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Parques Naturais
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Cavaleiros cruzam a Ponte do Carmo, Pirenópolis, Goiás, Brasil
Sociedade
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT