Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos


Do Cimo do Farol
O Vulcão dos Capelinhos como visto do cimo do farol homónimo.
Cimo do Velho Farol
O Farol dos Capelinhos, desactivado após a destruição provocada pelas sucessivas erupções e sismos de 1957-58.
Arco-Íris de Limiar
Arco-íris resplandece sobre a fronteira entre a área verdejante e a árida da Península dos Capelinhos.
O Derradeiro Caminho
O Caminho do Vulcão. Atravessa a Península dos Capelinhos até a Ponta dos Capelinhos.
Jipe & Império
Jipe passa em frente a um dos Impérios do Divino da ilha do Faial.
Almoxarife
Vista de Almoxarife do cimo do Miradouro da Conceição.
Moinho Flamengo.
O moinho da Espalamaca, com a montanha do Pico em fundo.
Convívio ao vento
Amigas conversam junto a uma vedação do Vulcão dos Capelinhos.
Pasto Viçoso
Vacas pastam num prado entre Almoxarife e a Caldeira do Faial.
Arco e Íris
Arco-Íris dá mais cor a área enegrecida da Península dos Capelinhos.
O Velho Farol
Secção da Ponta dos Capelinhos, coroada pelo farol homónimo.
Coroa do Império
O cimo de um dos Impérios do Divino da Ilha do Faial.
O Vulcão dos Capelinhos
Panorâmica da Ponta dos Capelinhos com o vulcão homónimo em fundo.
Almoxarife de Basalto
Areal vulcânico da Praia de Almoxarife, com a montanha do Pico do outro lado do Canal do Faial.
De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.

Estava longe ser o caminho mais fácil e rápido para a costa e o extremo ocidental da ilha.

Era, no entanto, o único que a quase atravessava ao meio. Com passagem pela Caldeira, a cratera afundada e lacustre que era suposto provar-nos como o Faial, à imagem do vizinho Pico, tinha tanto de ilha como de vulcão.

Partimos para essa ascensão, das imediações da Praia do Almoxarife. Viramos as costas de vez ao Pico, primeiro apontados a Conceição, dali, EN1-2A acima, a ziguezaguearmos por entre moinhos de vento e minifúndios férteis, fertilizados por vacas entregues aos seus infindáveis pastos.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Vista de Almoxarife do cimo do Miradouro da Conceição.

Aos poucos, subimos do quase nível do mar, aos 1.043 metros do Cabeço Gordo, o tecto da ilha.

Estávamos a menos de metade da altitude do Pico. Mesmo assim, quando saímos do carro e vencemos o derradeiro trecho para o Miradouro, um vendaval tresloucado quase nos varre Faial abaixo.

Se fosse só a ventania, não estaríamos mal.

O Zénite Nublado do Cabeço Gordo e a Caldeira Sumida na Névoa

Uma caravana de nuvens passava por ali. Tão densas como desgovernadas, levavam consigo a visibilidade com que contávamos, uma claridade de atmosfera, parcial que fosse, que nos deixasse deslumbrarmo-nos com a cratera iminente. Sabíamos o quão verdejante e especial era a caldeira. Mede 1.5km de diâmetro. E quase 400 metros até ao seu ponto mais fundo, no leito da lagoa que há muito a habita.

Para mais, um trilho percorria toda a volta da sua orla. Dar-lhe um giro contemplativo, era, num dia de bonança, um exercício também fotográfico deslumbrante. Naquelas condições, só com muita sorte evitaríamos acabar estatelados nas profundezas do vulcão.

Esperamos vinte minutos. Depois meia-hora. De início sobre a orla, a tremer que nem varas. Momentos depois, já dentro do carro que o vento, além de furioso, soprava húmido e batia em nós gélido. Quase três quartos de hora de ditadura de branco depois, rendemo-nos à frustração.

Damos uma olhadela definitiva do cimo da orla. Sem vislumbrarmos uma aberta de azul que fosse, revertemos. Para o carro. E para a Estrada Nacional 2-2A.

Com aquelas desventuras da caldeira, já nos tínhamos esquecido da excentricidade rodoviária em que andávamos. Nuns poucos quilômetros, a estrada tratou de nos reavivar a memória. Em vez de uma mera via linear e estável de asfalto, à imagem do seu próprio nome, a EN 2-2A desmultiplicava-se e travestia-se numa sucessão de trechos inusitados.

O Percurso Mágico para a Costa Oeste. Na Senda dos Capelinhos

O percurso para o litoral oeste, obrigava-nos a contornar pelo menos metade da base da Caldeira, contra os ponteiros do relógio, em soluços ondulantes gerados pelas incontáveis linhas de água que ramificavam da barriga do Cabeço Gordo, em busca do Atlântico.

Nalgumas secções, a estrada mantinha-se convencional. Sem aviso, interrompia-a um longo remendo empedrado que as frequentes enxurradas abaulavam a seu gosto.

A espaços, a rota sinuosa entregava-nos ainda a pinhais e florestas de cedro, lúgubres a condizer.

Em puro contraste, de cada novo cimo de meandro, com o oceano cada vez mais perto, a estrada voltava a embasbacar-nos com a exuberância verde-azul-marinha em redor.

Praia de Almoxarife, Misterios, Faial, Açores

Areal vulcânico da Praia de Almoxarife, com a montanha do Pico do outro lado do Canal do Faial.

Nas imediações da aldeia de Joana Alves, sabíamos que tínhamos já entrado na espécie de fatia de queijo faialense da freguesia de Cedros.

Chegados a Ribeira Funda, faltava-nos pouco para entrarmos na de Praia do Norte. Seguir-se-iam a do Capelo e a península homónima que perseguíamos desde os antípodas de Almoxarife.

Escondia-se em Capelo, o intrincado Mistério dos Capelinhos, uma profusão de expressões vulcânicas e tectónicas que se alongava até à Ponta dos Capelinhos e salpicava o mar ao largo.

O Passado Dramático do Vulcão dos Capelinhos

Desde os confins da colonização portuguesa do Faial que as gentes da ilha ali confluíam em função da fertilidade dos solos. Século atrás de século, as gentes beneficiaram de uma produção agrícola imaculada e das pastagens que davam sentido a toda e qualquer existência.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Vacas pastam num prado entre Almoxarife e a Caldeira do Faial.

De tal maneira que, de ainda antes do Valadouro, estrada fora, pela falda circular do Monte Capelo, até ao Norte Pequeno, se repetem casas e casinhas alvas, boa parte delas, com vistas desafogadas para o oceano e que concedem aos moradores vidas rurais, piscatórias e até turísticas tão simples e estáveis como se possa imaginar.

No dia 16 de Setembro de 1957, a Terra começou a agitar essa tranquilidade. Nesse dia, tomou conta do lugar uma hiperactividade sísmica que abalaria, para sempre, as vidas destas paragens. Até dia 27, registaram-se mais de 200 sismos de intensidade Mercali intermédia.

Nesse mesmo dia, verificou-se que, a meras três centenas de metros da Ponta dos Capelinhos, o Atlântico, por norma frio, fervia e borbulhava.

Chegado o fim do mês, a intensidade dos sismos aumentou de forma brusca.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Arco-Íris dá mais cor a área enegrecida da Península dos Capelinhos.

Da Ameaça Sísmica, à Catástrofe Vulcânica

O mero borbulhar deu origem a uma projecção de cinza vulcânica, que nos seus momentos mais dramáticos, chegou ao quilómetro e meio de altitude, quinhentos metros mais alto que o tecto do Faial do Cabeço Gordo.

Mas não eram apenas as cinzas que explodiam para o céu. Com a água do oceano num modo de panela de pressão, também se geraram gigantescas nuvens de vapor. As mais dantescas ascenderam aos quatro quilómetros. Como se não bastasse, a 27 de Setembro, deu-se ainda uma erupção submarina ao largo da Ponta dos Capelinhos.

Avancemos até 13 de Outubro. A actividade vulcânica subiu de nível. Explosões poderosas projectaram verdadeiras bombas de lava e cinza para os céus.

Ao caírem sobre o Faial, essa lava e as cinzas arrasaram os cultivos e os pastos sobretudo os das freguesias actuais do Capelo e da Praia do Norte. Mas não só. Tornaram-se de tal forma aflitivas e perigosas que obrigaram à evacuação em massa dos habitantes com lares nas imediações do vulcão.

O Refúgio Providencial no Nordeste dos Estados Unidos

Daí em diante, durante um longo período, milhares de faialenses afligidos viram-se aliciados por uma cota de emigração extraordinária concedida pelas regiões de Rhode Island e de Massachussetts, também por vontade do Senador, não tarda presidente dos E.U.A., John Fitzgerald Kennedy.

Convencidos pelo espírito comunitário da migração, a maior parte dos faialenses caídos em desgraça, mudaram as suas vidas para o litoral nordeste dos Estados Unidos. É, aliás, a razão porque a maior parte dos emigrantes portugueses na América se concentram nestas zonas.

E porque nelas se perpetua o culto açoriano do Divino, com forte expressão no Faial.

Império do Divino, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Jipe passa em frente a um dos Impérios do Divino da ilha do Faial.

Enquanto essa emigração atlântica se desenrolava, nos Capelinhos, ao nível do solo e subterrâneo, já fluíam para o mar rios de lava imparáveis.

A actividade vulcânica prosseguiu, assim mesmo, dinâmica e complexa. O Faial ganhou novas terras.

Uma Iniciativa Nacionalista Desprezada pela Geologia do Faial

No dia 10 de Outubro, foi avistada uma ilha recém-formada. Treze dias depois, dois repórteres da RTP, Carlos Tudela e Vasco Hogan Teves e Urbano Carrasco, jornalista do Diário Popular, transportados num barco a remos pelo proprietário Carlos Raulino Peixoto, desembarcaram na recém-descoberta Ilha Nova.

Plantaram sobre as cinzas uma bandeira portuguesa. Este seu atrevimento ficou para a eternidade. Ao contrário da ilha.

Inflada até a uns quase 100 metros de altura e 800 de diâmetro, a Ilha Nova aguentou a bandeira das quinas apenas seis dias. A 29 de Outubro, afundou-se.

A actividade sísmica prolongou-se meses a fio. Nesse tempo, moldou a paisagem do Capelo e do oceano ao largo a seu bel-prazer. Esta obra da Terra provou-se de tal forma exuberante que a National Geographic decidiu registá-la e enviou dois dos seus repórteres.

Farol, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Secção da Ponta dos Capelinhos, coroada pelo farol homónimo.

Em termos sísmicos, o Vulcão dos Capelinhos teve um novo ápice na noite de 12 para 13 de Maio de 1958, quando se registaram quase quinhentos abalos.

No dia seguinte, as erupções passaram a um modo estromboliano. Mais regulares, as suas projecções de lava incandescente chegaram aos 500 metros.

Geraram um bruar assustador e uma vibração avassaladora que ameaçaram as casas do Faial e até das outras ilhas do triângulo atlântico.

Malgrado a sua exuberância, o longo fenómeno vulcânico do Mistério dos Capelinhos não fez vítimas.

Uma Séria Averiguação Fotográfica do Mistério dos Capelinhos

Mais metro menos metro de areal e cinza, ou de diâmetro da cratera e das ilhas que então se formaram, os Capelinhos e o Capelo ficaram como os estávamos prestes a encontrar.

Caminho do Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Caminho do Vulcão. Atravessa a Península dos Capelinhos até a Ponta dos Capelinhos.

Norte Pequeno já para trás, ao passarmos pelo sopé do Cabeço do Canto, flectimos para o Caminho do Vulcão.

Esta espécie de recta inaugural, transpõe-nos de um mato verdejante para uma planície de cinza-terra. Estacionamos.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Vulcão dos Capelinhos como visto do cimo do farol homónimo.

Caminhamos até ao Centro de Interpretação do Vulcão que estava prestes a fechar e subimos numa correria ao topo do farol da Ponta dos Capelinhos.

Ali, em modo panorâmico, batidos por um vendaval similar àquele com que a Caldeira nos havia prendado, apreciamos o cenário surreal, algo lunar em redor.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Panorâmica da Ponta dos Capelinhos com o vulcão homónimo ao fundo.

A mesma caravana de nuvens do zénite faialense sobrevoava-nos.

Prendava-nos com um jogo de sol e de sombra mágico que fazia oscilar o prateado marinho da enseada por diante e, de tempos a tempos, dourava a terra vulcânica do areal, das encostas de cinza e do que resta da cratera.

Chegaram nuvens mais densas que largaram uma chuva miudinha. E legaram um arco-íris que fez de ponte entre o mar de verde no interior da península e as “traseiras” da cratera.

Arco-íris, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Arco-íris resplandece sobre a fronteira entre a área verdejante e a árida da Península dos Capelinhos.

Já demasiado encharcados, recolhemos ao interior do farol e regressamos à sua base.

Com o sol quase a pôr-se ao largo, metemo-nos pelo trilho que conduzia à praia do vulcão. Caminhamos sobre o areal  basáltico. Resistimos a uma súbita vontade de mergulhar e de nadar.

Mal abrigados sob uma ilha de arbustos que ali resistia à opressão geológica, vimos mais nuvens e uma nova chuvinha apoderarem-se da velha torre.

O aguaceiro seguinte, caiu já com o grande astro a sumir-se para o outro lado da Terra.

Sabíamos que a longa erupção de 1957/58 dos Capelinhos tinha arruinado o farol. De acordo, consolámo-nos a apreciar a luz derradeira do ocaso.

Farol, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Farol dos Capelinhos, desactivado após a destruição provocada pelas sucessivas erupções e sismos de 1957-58.

Com uma tempestade séria e o breu a instalarem-se sobre a península cinzenta, refugiamo-nos no carro e inauguramos o regresso ao outro lado do Faial. E à Horta.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Sé Catedral, Funchal, Madeira
Cidades
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cansaço em tons de verde
Cultura
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Em Viagem
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Étnico
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
História
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Ilhas
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Lago Tinquilco no PN Huerquehue, Pucón, La Araucania, Chile
Natureza
Pucón, Chile

Entre as Araucárias de La Araucania

A determinada latitude do longilíneo Chile, entramos em La Araucanía. Este é um Chile rude, repleto de vulcões, lagos, rios, quedas d’água e das florestas de coníferas de que brotou o nome da região. E é o coração de pinhão da maior etnia indígena do país: a Mapuche.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Nacionalismo Colorido
Património Mundial UNESCO
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Sociedade
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT