Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis


Dhongi
O Yasawa visto à distância, de um barco típico das Maldivas colorido e com a sua proa enrolada.
Lanchas
Lanchas de apoio seguem o Yasawa Princess.
Atóis
Atóis resplandecentes das Maldivas salpicam o oceano Índico.
Passarada
Aves marinhas levantam voo de um recanto dum banco de areia, prestes a esvoaçar para o recanto oposto.
Investigações
Duas passageiras do Yasawa Princess entretêm-se a investigar um estranho coral submerso.
Perseguição
Juliana afugenta um bando de aves marinhas sobre um banco de areia visitado pelos passageiros do Yasawa.
Ocaso maldiviano
O barco de apoio do Yasawa Princess, o "Dolphin" afasta-se sobre o pôr-do-sol para um fim de dia de pescaria.
O Pontão
Visitantes de um ilheu usado e tratado como "barbeque island" percorrem um longo pontão até ao local de atracagem dos barcos.
Snorkeling
Snorkeler explora um dos incontáveis recifes de coral do oceano Indico em que assentam as vastas Maldivas.
Coral celestial
Um grande recife de coral visto de um dos muitos hidroaviões que sobrevoam as Maldivas.
Amizade v. Tradicional
Três amigas de Maamigli, à porta de uma loja e em trajes tradicionais muçulmanos.
Spider
Faya, RP do Yasawa Princess com a sua roupa de snorkeling aracnídea.
Yasawa Princess
O Yasawa Princess" com a sua iluminação interior já activa numa altura em que o sol se põe sobre aquela zona do oceano Índico
Comandante Muhammed
Ahmed Muhammed, comandante do Yasawa Princess.
Descanso sagrado
Descanso sagrado com o Princess Yasawa em fundo.
Recreio Balnear
Dois passageiros do Yasawa Princess descontraem num mar esmeralda quase imóvel.
Donghi Duplo
Donghi navega o mar espelho das Maldivas.
Donghi no azul
Donghi percorre o mar pouco profundo de um dos 26 atóis das Maldivas.
Hora do chá
Dois tripulantes do Yasawa Princess aguardam passageiros num barco de apoio.
Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

A visão do Yasawa Princess atracado nas imediações da ilha de Villingily não tarda.

O dhoni encosta-se-lhe suavemente. Permite-nos passar à escadaria de acesso e, logo, ao convés, onde nos instalamos. Como era esperado, o jantar comunal ao pôr-do-sol serve de quebra-gelo e a conversa à mesa entra em piloto-automático.

Alguns dos passageiros já repetiam a dose do Yasawa.

Pelo meio, esses e outros tinham experimentado barcos e cruzeiros alternativos. Depressa perceberam que nenhum lhes concedia o à vontade e o bem-estar do Yasawa Princess.

Cruzeiro Princess Yasawa, Comandante, Maldivas

O barco de apoio do Yasawa Princess, o “Dolphin” afasta-se sobre o pôr-do-sol para um fim de dia de pescaria.

Do Sri Lanka ao Conforto Náutico do Cruzeiro Yasawa Princess

Regressaram e serviam agora de conselheiros para as dúvidas que os estreantes manifestavam. Por volta das nove da noite, o jet lag e o cansaço começam a apoderar-se de vários deles, provenientes da Grã-Bretanha, do norte de Itália ou de Chipre.

Nós, tínhamos chegado dali do lado, da capital cingalesa Colombo. Mesmo assim, o sobre-esforço em que havíamos vívido as semanas de exploração do Sri Lanka, faziam com que nos sentíssemos igual ou pior. De acordo, por volta, das dez da noite, a ondulação suave do atol de Kaafu já nos embalava a todos.

Despertamos bem depois do nascer do sol mas a tempo de um pequeno-almoço partilhado entre os passageiros ainda ensonados. Era suposto o Yasawa já navegar desde a alvorada. Um problema de motor atrasara a partida e obriga-nos a mudar a primeira escala.

Em vez da ilha de Kuda Bandos, levam-nos a uma língua de areia perdida entre atóis que parece flutuar num mar azul-turquesa.

Passarada, Maldivas, Cruzeiro Princess Yasawa

Aves marinhas levantam voo de um recanto dum banco de areia, prestes a esvoaçar para o recanto oposto.

Yasawa Princess e o Primeiro dos Incontáveis Mergulhos no Índico

Os mergulhadores são os primeiros a explorarem uma área de recife mais longínqua.

A nós, conduzem-nos de lancha ao limite do recife que envolvia o banco de areia, um maravilhoso mundo subaquático que desvendamos durante quase uma hora em modo de snorkeling aventureiro.

Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Snorkeler explora um dos incontáveis recifes de coral do oceano Indico em que assentam as vastas Maldivas.

De cada vez que encontrávamos formações de corais atractivas, cardumes de peixes garridos ou espécimes mais fascinantes, fazíamos uma outra incursão a maior profundidade até que a pressão nos fustiga os tímpanos e nos vemos forçados a emergir.

Ali, entre grandes peixes-papagaio e trompeta, envoltos de cardumes de incontáveis exemplares garridos e ínfimos, olhados de soslaio por moreias, tartarugas e tubarões de recife, deliciamo-nos com a incrível exuberância do oceano Índico.

Ao mesmo tempo que a exaustão se começava a instalar, também o paredão de coral se esgotava. Recolhemos, assim, à terra pouco firme do banco de areia, hidratamo-nos.

Reaquecemos sob o sol escaldante daquela latitude equatorial.

Problemas na Navegação de Cruzeiro, Malé Sempre à Vista

Nos primeiros dias, o problema de motor manteve parte da tripulação atrapalhada e de olhos postos em Malé, de onde, a correr tudo bem, chegaria a solução. Mas o barco tinha outro motor.

No mar liso dos atóis ou entre atóis maldivianos, era suficiente para continuarmos a navegar e a visitar outros bancos de areia tão ou mais aliciantes.

Recife coral, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Um grande recife de coral visto de um dos muitos hidroaviões que sobrevoam as Maldivas.

Nessas ocasiões, guiava-nos o R.P.

Por essa altura, apesar das diferenças de idades e do predomínio britânico, já praticamente todos passageiros se davam entre si e começavam a conhecer a tripulação multinacional. Havia Issey (Ismail Faysal), o proprietário maldiviano do barco, dono de um riso infanto-juvenil que nos deliciava.

Apoiava-o o seu braço direito, Faya, também ele maldiviano que connosco lidava em permanência, sempre de sorriso nos lábios quer portasse boas-notícias quer as tivesse más, estas, por norma, relacionadas com o encrencado motor.

Faya tinha uma grande teia de aranha tatuadas nas costas. Usava uma licra de mergulho inspirada no homem-aranha. “Faya, essa paixão por aranhas vem de onde?” perguntamos-lhe quando regressava de um mergulho no mar delicioso.

Ao que o maldiviano responde e nos surpreende: “Já as admirava há muito tempo. Entretanto, fui ver o “Homem-Aranha”. Fiquei a gostar ainda mais.”

Spider, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Faya, RP do Yasawa Princess com a sua roupa de snorkeling aracnídea.

O sempre sereno comandante Ahmed Mohamed pouco ou nada se esquivava às explicações. Era igualmente das Maldivas, como o era o barman e DJ Diggy Digs.

Já o prestável cozinheiro, tinha origem em Colombo, a capital do Sri Lanka. Refeição após refeição, socorria-se de uma paciência de guru para suportar a pergunta com que todos convivas ocidentais o massacravam: “isto é picante chefe? E isto aqui?”.

Vários outros tripulantes tinham como origem o Sri Lanka, a Índia ou o Bangladesh. Os que haviam trabalhado antes nas Maldivas já falavam um bom maldiviano, língua que combina elementos cingaleses e árabes.

Noutros casos, a tripulação recorria ao conveniente inglês.

Hora do chá, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Dois tripulantes do Yasawa Princess aguardam passageiros num barco de apoio.

O Atol Maafushi, no Caminho de Outros Atóis

A navegação evolui. Passamos para o atol Maafushi e detemo-nos para novos banhos na ilha privada de Rannalhi.

Donald Trump acabara de ganhar as eleições presidenciais dos E.U.A. e dominou boa parte das conversas a bordo. Nesse e noutros dias, os passageiros participaram em pescarias nocturnas a bordo do Dolphin, um dos barcos de apoio, ou a partir da popa do Yasawa Princess.

Donghi, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Donghi navega o mar espelho das Maldivas.

Além de suscitarem festejos exuberantes, os espécimes pescados foram oferecidos ao cozinheiro que assim pôde diversificar a oferta do bufê.

Avançámos do atol Maafushi para o Felidhoo, dois dos vinte e seis das Maldivas. Entre novas doses de mergulho e snorkeling, fomos prendados pela terra-firme de uma ilha-churrasco cercada por coqueiros.

E por um novo recife tão ou mais exuberante que os anteriores.

Atóis, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Atóis resplandecentes das Maldivas salpicam o oceano Índico.

Escala Numa Pequena Ilha do Atol Felidhoo

Habitavam essa pequena ilha alguns bangladeshis que nela permaneciam por longos períodos, com o único propósito de acolherem visitantes de resorts, pousadas ou passageiros de cruzeiros. Tinham inclusive a sua própria mini-mesquita identificada com um crescente rabiscado na parede.

Durante o tempo que passámos nesta ilha, recorreram ao seu refúgio religioso por duas vezes em que entoaram cânticos muçulmanos e oraram.

Por essa altura, fazer nada de nada e ver as mãos encarquilharem aos poucos das horas que passávamos à conversa dentro do mar eram já as actividades oficiais do cruzeiro.

Recreio Balnear, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Dois passageiros do Yasawa Princess descontraem num mar esmeralda quase imóvel.

Dedicamos-lhe boa parte de uma das tardes, na companhia de Georgio e Juliana, um casal italo-romeno que vivia em Londres.

Os dois descobriram uma rocha submersa que não demorámos a classificar de extraterrestre. Com a água pouco acima dos joelhos, dedicamo-nos a estudar o estranho comportamento dos peixes que se tinham instalado em redor e a conjecturar explicações disparatadas.

Investigações, Cruzeiro Princess Yasawa, Comandante, Maldivas

Duas passageiras do Yasawa Princess entretêm-se a investigar um estranho coral submerso.

Só colocamos fim na brincadeira, quando Juliana nos confessa que adorava ser fotografada e lhe dedicamos a ela e a Geórgio uma produção fotográfica improvisada.

A Longa Conversa com o Comandante Ahmed Mohamed

À tarde, após o almoço, juntámo-nos a uma longa conversa de Giorgio com o comandante, deitados no areal de giz, à sombra clemente dos coqueiros.

Ahmed Mohamed descreve-nos algumas das suas experiências de navegação. Volta a abordar a facilidade com que se compram ilhas e atóis nas Maldivas: “Georgio, é como já te tinha dito. Com 100 mil euros arranjo-te uma ilha fabulosa!”.

Abordámos ainda a vivência do tsunami de 2004 naquele arquipélago do Índico e o mistério do voo MH-370 que vários habitantes das suas ilhas afirmaram ter observado a baixa altitude.

Comandante, Maldivas, Cruzeiro Princess Yasawa

Ahmed Muhammed, comandante do Yasawa Princess.

Entretanto, Georgio deixa-nos. Suave e volátil, a conversa desviou para o Corão e a Bíblia e de como, pelo menos na sua génese histórica, ambas as obras tinham tanto em comum: Abrãao, Adão e Eva, Jesus Cristo e Maria, para mencionar apenas os protagonistas mais populares.

O Jantar-Festa Surpresa de Felidhoo

Voltamos à ilha para jantar. Os tripulantes tinham recreado um grande tubarão-baleia na areia que fez a delícia dos passageiros e introduziu as actividades dos dias seguintes.

A noite foi de absoluto delírio. DJ Diggy Digs recorreu a uma playlist em que predominavam sucessos dos anos 70 a 90. Luzes instaladas com capricho, recrearam uma discoteca sobre a areia.

A resistência durou pouco. Num instante, invadimos a pista. Dançámos tema atrás de tema até à exaustão, sem abrirmos sequer excepção para os êxitos bollywoodescos que nenhum de nós tinha alguma vez ouvido mas que DJ Diggs nos impingia.

A alvorada regenera a excitação a bordo.

Lanchas, Cruzeiro Princess Yasawa, Comandante, Maldivas

Lanchas de apoio seguem o Yasawa Princess.

À Descoberta do Atol Alifu Dhaluu

Durante a noite, tínhamos cruzado do atol Felidhoo para o Alifu Dhaluu. Estávamos ao largo de Maamingli, uma das maiores povoações das Maldivas, rodeada de resorts imponentes e arrojados e ao largo da qual se habituaram a vaguear pequenos cardumes de tubarões-baleia.

Saímos para o mar sob o repto de ajudarmos a tripulação a procurá-los e a verdade é que os avistámos várias vezes. No entanto, de cada vez que saltámos para a água para deles nos aproximarmos, os bichos sumiam-se.

Só numa quarta oportunidade, quando já ninguém esperava, vislumbrámos, alguns metros abaixo de nós, um espécime esquivo que nunca se atreveu a vir à tona.

Na derradeira tarde a bordo do Yasawa, temos uma incursão recompensadora ao modo de vida maldiviano.

Já sobre o pôr-do-sol, a tripulação leva-nos a Maamingli. Subimos do pequeno barco para o cimo do muro que fazia de fronteira entre a povoação e o mar e, na companhia de Georgio e Juliana internamo-nos pelas ruas de terra batida da cidade.

Maamingli: as Maldivas Como Realmente São

Passamos por um grupo de jovens adolescentes que suspendem o seu convívio na penumbra criada por uma grande árvore para nos analisarem como forasteiros que éramos. Prosseguimos pela rua principal.

Aos poucos, vencemos a relutância que nos gerava a fama das Maldivas de promover o turismo em inúmeros resorts espalhados pelo seu território insular mas de evitarem a intrusão dos estrangeiros no seu modo de vida muçulmano tradicionalista.

Três amigas de Maamigli, Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

Três amigas de Maamigli, à porta de uma loja e em trajes tradicionais muçulmanos.

Metemos conversa com quatro ou cinco mulheres de abayas e hijabs que conferenciavam à entrada de uma loja. Em cinco minutos, inspirados por uma das senhoras mais desenvolta, evoluíram de um total desconforto e receio para uma pose de grupo e risada partilhada perante as nossas máquinas fotográficas.

Caminhamos em direcção ao sol que se põe no fim da rua. Um grupo de raparigas divertem-se a jogar netball. Até que um muezzin inaugura o seu chamamento cantado e lhes anuncia a hora de afluir a casa ou às mesquitas.

Escurece a olhos vistos. Regressamos por ruas mais estreitas paralelas à principal formadas por paredes de casas e por muros compostos de pedra-coral.

Já quase a chegarmos à doca, Juliana detém-se numa loja explorada por dois costureiros bangladeshis. Escolhe tecidos que a atraem e encomenda um vestido que viria buscar na tarde seguinte.

Os rapazes do Yasawa já nos esperavam há demasiado tempo. Não queríamos abusar.

Retomámos a descoberta da vida maldiviana genuína uns dias depois, em Malé, a capital.

Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas

O Yasawa Princess” com a sua iluminação interior já activa numa altura em que o sol se põe sobre aquela zona do oceano Índico

Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Bom conselho Budista
Cidades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Surfspotting
Em Viagem

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Moradora de Nzulezu, Gana
Étnico
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
no Palco, Antigua, Guatemala
História
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Vista Serra do Cume, Ilha Terceira, Açores Ímpares
Ilhas
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Enseada do Éden
Natureza

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
A Toy Train story
Património Mundial UNESCO
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Praias
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Sombra vs Luz
Religião

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Cavaleiros cruzam a Ponte do Carmo, Pirenópolis, Goiás, Brasil
Sociedade
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Trio das alturas
Vida Selvagem

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.