Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Ilhéu das Rolas: São Tomé e Principe a Latitude Zero


Ponta da Baleia
Passageiros prestes a embarcarem no ancoradouro da Ponta da Baleia.
Canoas ex-troncos
Canoas artesanais a salvo das vagas junto ao ancoradouro da Ponta da Baleia.
Vista do Pico Cão Grande
Panorama do sul da ilha de São Tomé com o Pico Cão-Grande na distância.
A bordo da Balsa
Timoneiro e passageiros durante a viagem para o Ilhéu das Rolas.
Roça Porto Alegre
Palmeiras acima da roça de Porto Alegre, no sul da ilha de São Tomé.
Estranha navegação
Dois santomenses em barcos de diferentes "campeonatos".
Pelourinho II
Pelourinho em frente a principal fazenda colonial do Ilhéu das Rolas.
O Molhe
Barqueiro sobre o molhe do Ilhéu das Rolas.
capela de São Francisco de Xavier
Capela de São Francisco, um dos edifícios que os passageiros veem à chegada ao Ilhéu das Rolas.
O Barqueiro
Timoneiro da balsa que liga a Ponta da Baleia ao Ilhéu das Rolas.
O Trilho dos Coqueiros
Trilho do ilhéu das Rolas ladeado de grandes coqueiros.
Porcos porcos
Suínos deambulam na selva equatorial do Ilhéu das Rolas.
O Pelourinho
Pelourinho colonial português junto ao embarcadouro do Ilhéu das Rolas.
Duo à sombra
Casal passa sob uma árvore frondosa do Ilhéu das Rolas.
Coqueiro só
Palmeira acrobática numa enseada do Ilhéu das Rolas virada a leste.
Enseada Tropical
Enseada do sul do Ilhéu das Rolas abaixo de um floresta densa de coqueiros.
Pouso na Praia
Jovem moradora do Ilhéu das Rolas numa enseada rochosa.
Coqueiros Equilibristas
Coqueiros em equilíbrio a meio de uma vertente vulcânica.
A Ponta da Cabra
Coqueiros coroam a Ponta da Cabra, no sul do Ilhéu das Rolas.
Praia efémera
Litoral arenoso do sudeste do Ilhéu das Rolas.
Ponto mais austral de São Tomé e Príncipe, o Ilhéu das Rolas é luxuriante e vulcânico. A grande novidade e ponto de interesse desta extensão insular da segunda menor nação africana está na coincidência de a cruzar a Linha do Equador.

Um funcionário do Pestana Resort dá as boas-vindas aos passageiros.

Seguimos no seu encalço, por uma escadaria abaixo, debaixo de uma selva de encosta de que se destacavam um coqueiro já sem cocos, e uma vizinha palmeira, parecia-nos das que dão origem ao óleo de palma.

Rochedos escuros, de lava solidificada, serviam de base ao conjunto e de pouso a uma colónia prolífica de caranguejos demasiado curiosos para resistirem a espreitar.

 

Um mar tão verde como a vegetação afagava o magma. Subia e descia o cascalho que ali fazia de areal, até à popa de duas canoas tradicionais, cada qual escavada no seu próprio tronco.

No fundo da escadaria, subimos a bordo de um barco a remos desafogado e, com o céu a escurecer a olhos vistos, instantes depois, o anfitrião e barqueiro passa-nos para uma espécie de casca-de-noz metálica.

A balsa de destino destoava da embarcação em que pensávamos espairecer das duas horas que tínhamos passado no mini-bus, o tempo da viagem entre a capital São Tomé e a Ponta da Baleia.

Em vez, mal deixamos a baía profunda que também acolhe Vila Malanza e Porto Alegre, a balsa fica à mercê do Atlântico. Por umas meras centenas de metros, o do Norte.

A determinada altura, alinhados com Porto Alegre, vemos destacarem-se contra o céu carregado de gravana, as palmeiras excêntricas que delimitam a alameda de entrada na roça homónima.

Quase podíamos jurar que essas eram arecas-bambu, de tão peculiar é o seu tronco longo e fino, coroado por uma copa diminuta em jeito de espanador.

Vence-se o quarto de hora habitual da travessia. Continuam a agitar-nos as vagas vigorosas do Atlântico quase sul, algumas, de tal maneira atrevidas que se desfazem para dentro da embarcação.

Distanciamo-nos de São Tomé, entre golfinhos saltitantes, entretanto, no enfiamento do Cais Ilhéu das Rolas.

Da roça Porto Alegre, já só vemos a copa das palmeiras de areca e o cimo da velha mansão que lhe servia de sede logística e operacional.

Acima, insinuava-se a ponta aguçada do Pico Cão Grande (663m de altitude, 300m a partir do solo), o guardião de fonólito de Ôbo, a selva que reveste o sudoeste de São Tomé de mistério tropical.

Por fim, sobre as onze da manhã, desembarcamos para o domínio exógeno do resort Pestana Equador.

Os passos inaugurais no Ilhéu das Rolas confrontam-nos com a capela amarela e azul de São Francisco de Xavier, um templo impreterível, como tantas outras do arquipélago.

São Tomé e Príncipe foi colonizado, durante o século XVI sobretudo de cristãos-novos que a Inquisição expulsou de Portugal mas também de esclavagistas e dos escravos que asseguraram os cultivos pioneiros de cana-de-açúcar do arquipélago.

Com o tempo, o açúcar brasileiro, muito mais abundante e de melhor qualidade, tornou dispensável o de São Tomé.

Em simultâneo, à imagem da Cidade Velha da ilha de Santiago de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe tornou-se uma plataforma de fornecimento de escravos para o Brasil.

Todas as tardes, dezenas de descendentes dos trabalhadores forçados trazidos das costas de África.

Ou, mais tarde, migrados de Cabo Verde, disputam partidas animadas de futebol em frente ao templo, nas imediações do pelourinho da ilha e da mansão colonial restaurada que o tem num pequeno jardim.

Mesmo murado, o átrio arenoso da capela falha em suster algumas bolas mal direccionadas ou ricocheteadas. Recuperá-las vem com a recompensa de um mergulho no mar esmeralda abaixo.

Também nos prendamos com alguns. Não tão breves, ainda assim, apressados pela ânsia de desvendarmos a ilha real para lá do hotel.

Em tempos, o Ilhéu das Rolas acolheu mais de 600 santomenses, sustidos pela escola local, por uma série de pequenos negócios, por alguma terra arável e pela pesca fácil e garantida.

A partir de 2004, no entanto, o Pestana Equador ocupou o norte do ilhéu.

É verdade que empregou uma parte dos moradores.

Mas também será que procurou cada vez mais a exclusividade insular, através de desalojamentos compensados por indemnizações que a comunidade local classificou de parcas e mal-intencionadas.

Hoje, de quase 700 santomenses, resta um décimo dos que continuam a resistir às ofertas do Grupo Pestana, o maior investidor de São Tomé e Príncipe, gerador de para cima de 600 empregos em todo o país.

Verdade seja dita que, empregados do resort à parte, durante a caminhada de descoberta do Ilhéu das Rolas, não encontramos um único morador.

A ajudar à festa, conseguimos a proeza de ler mal o mapa.

Em busca de umas alegadas ruínas do velho forte, perdermo-nos por trilhos desusados, com a vegetação em redor da cratera do vulcão mais próxima densa e alta.

Desorientamo-nos, aliás, por tanto tempo, que nos convencemos de que o termo ilhéu estaria desadequado. Cruzamo-nos com uma vara de porcos, enlameados e assustados pela nossa aparição numa terra por norma, só sua.

Perdemo-nos ainda mais, até que decidimos ligar os dados do telefone e pagar um balúrdio em roaming, o preço de sabermos onde nos tínhamos metido e como dali sairíamos.

No regresso ao ponto de partida, damos connosco num outro trilho, litorâneo e fácil de seguir. Acompanhava os recortes da costa leste da ilha, quando nele entramos, entre o Miradouro do Amor e o sul rugoso, dramático, da Ponta Cabra.

Por ali, sucediam-se enseadas profundas com grandes falésias de lava solidificada em tons de negro e de ocre que faziam realçar o verde da floresta tropical.

Diferentes padrões e orientações, revelavam distintas camadas lávicas. Da terra e poeira acumulada entre algumas, despontavam coqueiros acrobáticos, libertos da competição acérrima que os congéneres viviam no cimo das falésias.

O Atlântico invade estas enseadas com uma fúria concentrada.

Investe com vagas de um branco-azulado que fazem rolar e troar grandes pedras de basalto polidas por uma fricção milenar. Indiferentes e atarefados, espécimes de rabos-de-palha-de-bico-laranja sobrevoavam a brusquidão dos elementos, em incansáveis idas-e-voltas de pesca e regresso aos ninhos.

O embalo das vagas fez desaparecer, quase por completo, os areais das prainhas Escada e Joana que, sob uma meteorologia mais favorável, resplandecem, como que encaixadas na selva, e são das mais pitorescas e sedutoras de São Tomé e Príncipe.

De acordo, inauguramos o regresso à ponta norte, com passagem pelo farol da ilha, erigido em 1929.

Sem sequer nisso pensarmos, já tínhamos cruzado a linha do Equador, uma vez para cima, outra, para baixo.

Nesta terceira passagem, vamos directos ao marco que o assinala, o monumento supremo do Ilhéu das Rolas, também conhecido como Centro do Mundo.

Na viragem para a segunda década do século XX, eram precárias as noções geográficas e topográficas do arquipélago.

Resumiam-se a medições com o objectivo de estabelecer os limites das roças que, em ilhas diminutas, a determinada altura, entravam em conflito.

Essas medições e levantamentos careciam de uma rede geodésica e do respectivo rigor.

Ora, por essa data, além de oficial da marinha, Carlos Viegas Gago Coutinho, era já um aviador, geógrafo cartógrafo e um piloto com todas as qualificações e mais alguma para levar a bom porto a recém-delineada missão geodésica de São Tomé, a concretizar entre 1915 e 1918.

Em 1916, Gago Coutinho desembarcou incumbido de realizar a triangulação geodésica de São Tomé, de maneira a viabilizar uma carta topográfica do arquipélago na escala 1/25.000.

As suas medições e estabelecimento de vinte e duas marcas principais e dezanove marcos secundários prolongaram-se por 1917 adentro.

Malgrado a existência de referências inconfundíveis que serviam de pontos dos vértices, casos do Charuto, o Cão Grande e do Cão Pequeno, entre outros, a nebulosidade quase residente que os envolvia obrigou Gago Coutinho e à sua equipa a acamparem nesses lugares por vários dias.

Onze, doze e até quinze, sempre embebidos em humidade, ou encharcados pelas chuvas frequentes, como aconteceu em redor do Pico Cantagalo (848m).

As contas decorrentes, essas, deram que fazer até 1919. Dois anos decorridos da sua chegada, Gago Coutinho forneceu a carta final e o Relatório da Missão Geodésica, tido como o primeiro trabalho de geodesia completo de uma das colónias portuguesas.

Dos vértices a que chegou, destacava-se o do Ilhéu das Rolas, medido a partir do Equador.

Com este vértice primordial, Gago Coutinho provou que a latitude zero atravessava o norte do Ilhéu das Rolas em vez de passar entre o ilhéu e São Tomé como, até então, se supunha.

Em 1936, foi erguido o monumento que celebra a passagem da Linha do Equador e o trabalho de Gago Coutinho, com uma esfera armilar branca assente num mapa-mundo gráfico e garrido, como, entretanto, o encontramos, envolto de coqueiros, de bananeiras, com vista para o Atlântico Norte e um vislumbre de São Tomé.

Bem admirado o monumento e o panorama, sentamo-nos na pequena bancada, a recuperarmos das horas de caminhada que levávamos nas pernas.

De novo compostos, fazemos as nossas fotos. Algumas já esperadas, com um pé em cada um dos hemisférios da Terra. Outras, segundo outros vértices fotográficos que nos vêm à cabeça.

Sobre a Latitude Zero e o Ilhéu das Rolas, todos os dias duram o mesmo. Aquele ia longo, com o ocaso e a hora de todas as picadas iminente.

Abreviámos o regresso ao refúgio do resort, já em terras do Hemisfério Norte.

São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
São Tomé (cidade), São Tomé e Príncipe

A Capital dos Trópicos Santomenses

Fundada pelos portugueses, em 1485, São Tomé prosperou séculos a fio, como a cidade porque passavam as mercadorias de entrada e de saída na ilha homónima. A independência do arquipélago confirmou-a a capital atarefada que calcorreamos, sempre a suar.
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Centro de São Tomé, São Tomé e Príncipe

De Roça em Roça, Rumo ao Coração Tropical de São Tomé

No caminho entre Trindade e Santa Clara confrontamo-nos com o passado colonial terrífico de Batepá. À passagem pelas roças Bombaim e Monte Café, a história da ilha parece ter-se diluído no tempo e na atmosfera clorofilina da selva santomense.
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe

A Certeza da Teoria da Relatividade

Em 1919, Arthur Eddington, um astrofísico britânico, escolheu a roça Sundy para comprovar a famosa teoria de Albert Einstein. Decorrido mais de um século, o norte da ilha do Príncipe que o acolheu continua entre os lugares mais deslumbrantes do Universo.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Étnico
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cavaleiros cruzam a Ponte do Carmo, Pirenópolis, Goiás, Brasil
História
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirinéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Ilhas
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Parques Naturais
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Praia Balandra, México, Baja Califórnia, vista aérea
Praias
Playas Balandra e El Tecolote, Baja California Sur, México

Tesouros Balneares do Mar de Cortés

Proclamada, amiúde, a praia mais bonita do México, encontramos na enseada recortada de playa Balandra um caso sério de exotismo paisagístico. Em duo com a vizinha playa Tecolote, revela-se uma das beira-mares realmente imperdíveis da vasta Baixa Califórnia.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.