Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Ilhéu das Rolas: São Tomé e Principe a Latitude Zero


Ponta da Baleia
Passageiros prestes a embarcarem no ancoradouro da Ponta da Baleia.
Canoas ex-troncos
Canoas artesanais a salvo das vagas junto ao ancoradouro da Ponta da Baleia.
Vista do Pico Cão Grande
Panorama do sul da ilha de São Tomé com o Pico Cão-Grande na distância.
A bordo da Balsa
Timoneiro e passageiros durante a viagem para o Ilhéu das Rolas.
Roça Porto Alegre
Palmeiras acima da roça de Porto Alegre, no sul da ilha de São Tomé.
Estranha navegação
Dois santomenses em barcos de diferentes "campeonatos".
Pelourinho II
Pelourinho em frente a principal fazenda colonial do Ilhéu das Rolas.
O Molhe
Barqueiro sobre o molhe do Ilhéu das Rolas.
capela de São Francisco de Xavier
Capela de São Francisco, um dos edifícios que os passageiros veem à chegada ao Ilhéu das Rolas.
O Barqueiro
Timoneiro da balsa que liga a Ponta da Baleia ao Ilhéu das Rolas.
O Trilho dos Coqueiros
Trilho do ilhéu das Rolas ladeado de grandes coqueiros.
Porcos porcos
Suínos deambulam na selva equatorial do Ilhéu das Rolas.
O Pelourinho
Pelourinho colonial português junto ao embarcadouro do Ilhéu das Rolas.
Duo à sombra
Casal passa sob uma árvore frondosa do Ilhéu das Rolas.
Coqueiro só
Palmeira acrobática numa enseada do Ilhéu das Rolas virada a leste.
Enseada Tropical
Enseada do sul do Ilhéu das Rolas abaixo de um floresta densa de coqueiros.
Pouso na Praia
Jovem moradora do Ilhéu das Rolas numa enseada rochosa.
Coqueiros Equilibristas
Coqueiros em equilíbrio a meio de uma vertente vulcânica.
A Ponta da Cabra
Coqueiros coroam a Ponta da Cabra, no sul do Ilhéu das Rolas.
Praia efémera
Litoral arenoso do sudeste do Ilhéu das Rolas.
Ponto mais austral de São Tomé e Príncipe, o Ilhéu das Rolas é luxuriante e vulcânico. A grande novidade e ponto de interesse desta extensão insular da segunda menor nação africana está na coincidência de a cruzar a Linha do Equador.

Um funcionário do Pestana Resort dá as boas-vindas aos passageiros.

Seguimos no seu encalço, por uma escadaria abaixo, debaixo de uma selva de encosta de que se destacavam um coqueiro já sem cocos, e uma vizinha palmeira, parecia-nos das que dão origem ao óleo de palma.

Rochedos escuros, de lava solidificada, serviam de base ao conjunto e de pouso a uma colónia prolífica de caranguejos demasiado curiosos para resistirem a espreitar.

 

Um mar tão verde como a vegetação afagava o magma. Subia e descia o cascalho que ali fazia de areal, até à popa de duas canoas tradicionais, cada qual escavada no seu próprio tronco.

No fundo da escadaria, subimos a bordo de um barco a remos desafogado e, com o céu a escurecer a olhos vistos, instantes depois, o anfitrião e barqueiro passa-nos para uma espécie de casca-de-noz metálica.

A balsa de destino destoava da embarcação em que pensávamos espairecer das duas horas que tínhamos passado no mini-bus, o tempo da viagem entre a capital São Tomé e a Ponta da Baleia.

Em vez, mal deixamos a baía profunda que também acolhe Vila Malanza e Porto Alegre, a balsa fica à mercê do Atlântico. Por umas meras centenas de metros, o do Norte.

A determinada altura, alinhados com Porto Alegre, vemos destacarem-se contra o céu carregado de gravana, as palmeiras excêntricas que delimitam a alameda de entrada na roça homónima.

Quase podíamos jurar que essas eram arecas-bambu, de tão peculiar é o seu tronco longo e fino, coroado por uma copa diminuta em jeito de espanador.

Vence-se o quarto de hora habitual da travessia. Continuam a agitar-nos as vagas vigorosas do Atlântico quase sul, algumas, de tal maneira atrevidas que se desfazem para dentro da embarcação.

Distanciamo-nos de São Tomé, entre golfinhos saltitantes, entretanto, no enfiamento do Cais Ilhéu das Rolas.

Da roça Porto Alegre, já só vemos a copa das palmeiras de areca e o cimo da velha mansão que lhe servia de sede logística e operacional.

Acima, insinuava-se a ponta aguçada do Pico Cão Grande (663m de altitude, 300m a partir do solo), o guardião de fonólito de Ôbo, a selva que reveste o sudoeste de São Tomé de mistério tropical.

Por fim, sobre as onze da manhã, desembarcamos para o domínio exógeno do resort Pestana Equador.

Os passos inaugurais no Ilhéu das Rolas confrontam-nos com a capela amarela e azul de São Francisco de Xavier, um templo impreterível, como tantas outras do arquipélago.

São Tomé e Príncipe foi colonizado, durante o século XVI sobretudo de cristãos-novos que a Inquisição expulsou de Portugal mas também de esclavagistas e dos escravos que asseguraram os cultivos pioneiros de cana-de-açúcar do arquipélago.

Com o tempo, o açúcar brasileiro, muito mais abundante e de melhor qualidade, tornou dispensável o de São Tomé.

Em simultâneo, à imagem da Cidade Velha da ilha de Santiago de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe tornou-se uma plataforma de fornecimento de escravos para o Brasil.

Todas as tardes, dezenas de descendentes dos trabalhadores forçados trazidos das costas de África.

Ou, mais tarde, migrados de Cabo Verde, disputam partidas animadas de futebol em frente ao templo, nas imediações do pelourinho da ilha e da mansão colonial restaurada que o tem num pequeno jardim.

Mesmo murado, o átrio arenoso da capela falha em suster algumas bolas mal direccionadas ou ricocheteadas. Recuperá-las vem com a recompensa de um mergulho no mar esmeralda abaixo.

Também nos prendamos com alguns. Não tão breves, ainda assim, apressados pela ânsia de desvendarmos a ilha real para lá do hotel.

Em tempos, o Ilhéu das Rolas acolheu mais de 600 santomenses, sustidos pela escola local, por uma série de pequenos negócios, por alguma terra arável e pela pesca fácil e garantida.

A partir de 2004, no entanto, o Pestana Equador ocupou o norte do ilhéu.

É verdade que empregou uma parte dos moradores.

Mas também será que procurou cada vez mais a exclusividade insular, através de desalojamentos compensados por indemnizações que a comunidade local classificou de parcas e mal-intencionadas.

Hoje, de quase 700 santomenses, resta um décimo dos que continuam a resistir às ofertas do Grupo Pestana, o maior investidor de São Tomé e Príncipe, gerador de para cima de 600 empregos em todo o país.

Verdade seja dita que, empregados do resort à parte, durante a caminhada de descoberta do Ilhéu das Rolas, não encontramos um único morador.

A ajudar à festa, conseguimos a proeza de ler mal o mapa.

Em busca de umas alegadas ruínas do velho forte, perdermo-nos por trilhos desusados, com a vegetação em redor da cratera do vulcão mais próxima densa e alta.

Desorientamo-nos, aliás, por tanto tempo, que nos convencemos de que o termo ilhéu estaria desadequado. Cruzamo-nos com uma vara de porcos, enlameados e assustados pela nossa aparição numa terra por norma, só sua.

Perdemo-nos ainda mais, até que decidimos ligar os dados do telefone e pagar um balúrdio em roaming, o preço de sabermos onde nos tínhamos metido e como dali sairíamos.

No regresso ao ponto de partida, damos connosco num outro trilho, litorâneo e fácil de seguir. Acompanhava os recortes da costa leste da ilha, quando nele entramos, entre o Miradouro do Amor e o sul rugoso, dramático, da Ponta Cabra.

Por ali, sucediam-se enseadas profundas com grandes falésias de lava solidificada em tons de negro e de ocre que faziam realçar o verde da floresta tropical.

Diferentes padrões e orientações, revelavam distintas camadas lávicas. Da terra e poeira acumulada entre algumas, despontavam coqueiros acrobáticos, libertos da competição acérrima que os congéneres viviam no cimo das falésias.

O Atlântico invade estas enseadas com uma fúria concentrada.

Investe com vagas de um branco-azulado que fazem rolar e troar grandes pedras de basalto polidas por uma fricção milenar. Indiferentes e atarefados, espécimes de rabos-de-palha-de-bico-laranja sobrevoavam a brusquidão dos elementos, em incansáveis idas-e-voltas de pesca e regresso aos ninhos.

O embalo das vagas fez desaparecer, quase por completo, os areais das prainhas Escada e Joana que, sob uma meteorologia mais favorável, resplandecem, como que encaixadas na selva, e são das mais pitorescas e sedutoras de São Tomé e Príncipe.

De acordo, inauguramos o regresso à ponta norte, com passagem pelo farol da ilha, erigido em 1929.

Sem sequer nisso pensarmos, já tínhamos cruzado a linha do Equador, uma vez para cima, outra, para baixo.

Nesta terceira passagem, vamos directos ao marco que o assinala, o monumento supremo do Ilhéu das Rolas, também conhecido como Centro do Mundo.

Na viragem para a segunda década do século XX, eram precárias as noções geográficas e topográficas do arquipélago.

Resumiam-se a medições com o objectivo de estabelecer os limites das roças que, em ilhas diminutas, a determinada altura, entravam em conflito.

Essas medições e levantamentos careciam de uma rede geodésica e do respectivo rigor.

Ora, por essa data, além de oficial da marinha, Carlos Viegas Gago Coutinho, era já um aviador, geógrafo cartógrafo e um piloto com todas as qualificações e mais alguma para levar a bom porto a recém-delineada missão geodésica de São Tomé, a concretizar entre 1915 e 1918.

Em 1916, Gago Coutinho desembarcou incumbido de realizar a triangulação geodésica de São Tomé, de maneira a viabilizar uma carta topográfica do arquipélago na escala 1/25.000.

As suas medições e estabelecimento de vinte e duas marcas principais e dezanove marcos secundários prolongaram-se por 1917 adentro.

Malgrado a existência de referências inconfundíveis que serviam de pontos dos vértices, casos do Charuto, o Cão Grande e do Cão Pequeno, entre outros, a nebulosidade quase residente que os envolvia obrigou Gago Coutinho e à sua equipa a acamparem nesses lugares por vários dias.

Onze, doze e até quinze, sempre embebidos em humidade, ou encharcados pelas chuvas frequentes, como aconteceu em redor do Pico Cantagalo (848m).

As contas decorrentes, essas, deram que fazer até 1919. Dois anos decorridos da sua chegada, Gago Coutinho forneceu a carta final e o Relatório da Missão Geodésica, tido como o primeiro trabalho de geodesia completo de uma das colónias portuguesas.

Dos vértices a que chegou, destacava-se o do Ilhéu das Rolas, medido a partir do Equador.

Com este vértice primordial, Gago Coutinho provou que a latitude zero atravessava o norte do Ilhéu das Rolas em vez de passar entre o ilhéu e São Tomé como, até então, se supunha.

Em 1936, foi erguido o monumento que celebra a passagem da Linha do Equador e o trabalho de Gago Coutinho, com uma esfera armilar branca assente num mapa-mundo gráfico e garrido, como, entretanto, o encontramos, envolto de coqueiros, de bananeiras, com vista para o Atlântico Norte e um vislumbre de São Tomé.

Bem admirado o monumento e o panorama, sentamo-nos na pequena bancada, a recuperarmos das horas de caminhada que levávamos nas pernas.

De novo compostos, fazemos as nossas fotos. Algumas já esperadas, com um pé em cada um dos hemisférios da Terra. Outras, segundo outros vértices fotográficos que nos vêm à cabeça.

Sobre a Latitude Zero e o Ilhéu das Rolas, todos os dias duram o mesmo. Aquele ia longo, com o ocaso e a hora de todas as picadas iminente.

Abreviámos o regresso ao refúgio do resort, já em terras do Hemisfério Norte.

São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Cidades
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cultura
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
praca registao, rota da seda, samarcanda, uzbequistao
História
Samarcanda, Uzbequistão

Um Legado Monumental da Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Uzbequistão.
Ilha do Pico, Montanha Vulcão Açores, aos Pés do Atlântico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Salto Negao, chapada diamantina, bahia gema, brasil
Natureza
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Peregrinos no cimo, Monte Sinai, Egipto
Património Mundial UNESCO
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.