Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda


Agaves
Agaves destacados do cimo do Delgadinho, a passagem mais apertada da estrada da Corda.
Em Doca Seca
Barcos de pesca garridos nas imediações de Porto Novo.
Burrico
Burrico estacionado numa berma da Estrada da Corda.
Trabalho do campo
Camponeses trabalham no fundo da Cova do Paul.
Em Reparação
Avaria motorizada em pleno Delgadinho.
Tarde quase noite
Ocaso como visto do cimo do Delgadinho para norte.
A caminho da Ribeira Grande
Carrinha desce a calçada estreita do Delgadinho.
Burrico carregado
Morador guia um burrico, na orla da montanha, acima de Porto Novo.
Cova do Paul
A caldeira sempre cultivada da Cova do Paul.
A Ribeira Grande e profunda
Meandro do desfiladeiro profundo da Ribeira Grande, como visto do Delgadinho.
Corda (de Estendal)
Pick up desce em direcção à Corda, e abaixo de uma corda de estendal.
Feijão-Pedra
Mãos que descascam feijão-pedra, um alimento tradicional de Santo Antão.
Feijão pedra para duas
Mãe e filha descascam feijão-pedra na sua casa à beira da Estrada da Corda.
A caminho
Carro vende mais uma ladeira da Estrada da Corda, ainda entre Porto Novo e a Corda.
José Cabral, da Corda
José Cabral, morador da Corda que chegou a trabalhar em Portugal.
“Mar d’Canal”
Ferry "Mar d'Canal" durante mais uma das travessias agitadas entre o Mindelo e Porto Novo.
Mar de Névoa
Névoa avança e recua na vertente o Lombo da Figueira.
Névoa monitorizada
Névoa sobe para o Lombo de Figueira e quase cobre o radar local.
Ocaso Escarlate
Outra vista do ocaso, de outro ponto da Estrada da Corda.
Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.

A génese vulcânica e uma geomorfografia caprichosa moldaram a exuberância verde-árida de Santo Antão. Mas não só. Ditaram também uma inacessibilidade por ar e respectivo isolamento que só a irmandade de São Vicente, logo ali do lado contrário do canal homónimo, parece aliviar.

Não fosse São Vicente, Santo Antão viveria um outro nível de solidão atlântica.

São Vicente confirmou-se o nosso ponto de aterragem inaugural em Cabo Verde. Sem surpresa, foi do Mindelo, a sua capital, que zarpámos para o canal, rumo ao Porto Novo de Santo Antão.

Quase residentes no arquipélago, há meses que os ventos Alísios castigavam tanto uma ilha como a outra. De maneira tal que, quando visitamos as instalações das companhias de navegação no porto de São Vicente, estavam por confirmar as travessias seguintes.

Por fim, com a tarde a meio, a ventania dá de si. O suficiente para permitir a navegação, afectada por uma turbulência a que os comandantes e os passageiros estavam já habituados. Quando embarcamos no “Mar d’Canal”, uma das primeiras medidas da tripulação é dotar os passageiros de sacos de enjoo. Mesmo se se tratava de um procedimento padrão, o Atlântico não tardou dar-lhe sentido.

O “Mar d’Canal” deixa a baía do Porto Grande para trás. Desliza, com suavidade, na direcção do ilhéu dos Pássaros. À medida que víamos definir-se os recortes do cimo do Monte Cara, as vagas do canal formavam altos e baixos cada vez mais cavados.  Agitavam o ferry e faziam-no adornar sem misericórdia. A espaços, de tal forma que, no convés superior em que seguíamos, qualquer esboço de deslocação se revelava uma aventura.

Ferry Mar d'Canal, Santo Antão, Cabo Verde

Ferry “Mar d’Canal” durante mais uma das travessias agitadas entre o Mindelo e Porto Novo.

Prosseguimos neste embalo violento por uns bons quarenta minutos, à mercê do Atlântico azulão mas encrespado,  salpicado de grandes cristas de espuma.

Aos poucos, Santo Antão usurpou o protagonismo de São Vicente. As vertentes imponentes, repletas de sulcos da costa sudeste da ilha ganharam volume, recorte e cor. Como ganhou o casario multicolor estendido entre a Ribeira do Tortolho e o porto do Porto Novo em que se encerrou a travessia.

À hora do desembarque, o sol já desaparecia para o oeste da ilha. Demos entrada no hotel. Pouco depois, voltamos a sair, esperançados de ainda resolvermos o eterno problema do cartão SIM e mais uma ou duas chatices essenciais ao périplo por Cabo Verde a que nos íamos dedicar.

Caminhamos pelas ruelas da cidade mais próximas do mar, entre casas e negócios enfiados em edifícios de tons pastel que, destacados do solo de asfalto ou de areia e poeira vulcânica, se disfarçavam de garridos.

Entretanto escurece. Se até os Alísios se rendiam a umas tréguas e repouso nocturno, quem éramos nós para destoar.

A Ascensão Vertiginosa de Porto Novo a Lombo da Figueira

Despertamos antes do vento. Regressamos à marginal de Porto Novo, apostados em arranjarmos um carro à altura da montanha-russa natural de Santo Antão. A primeira viatura que alugamos fica sem bateria pouco depois. Na segunda tentativa, fazemos finca-pé numa pick up, mais dispendiosa mas que sabíamos estar noutro nível de resistência e fiabilidade.

Com o transporte resolvido, confirmamos que a secção mais urbanizada e transitável da ilha se situava no seu terço superior. Só duas estradas permitiam viajar da maior cidade, Porto Novo, até aos polos urbanos da costa nordeste do Paul, Janela, Ribeira Grande e Ponta do Sol.

Uma dessas estradas avançava contra os ponteiros do relógio, pelo sopé das montanhas do norte. A outra, ascendia, sem grandes rodeios, mas por incontáveis meandros, a uma crista que coincidia com o limite da municipalidade do Porto Novo.

Ainda antes de partirmos, passeamos pela praia vulcânica em que desagua a Ribeira do Tortolho, entretidos com o contraste entre os grandes seixos negros e polidos de basalto e as cores vivas dos barcos de pesca. Apreciamo-los, alinhados no cimo do pedregal, em harmonia com o firmamento e com três ou quatro acácias verdejantes, como uma bem ponderada instalação piscatória.

Barcos pesca, Santo Antão, Cabo Verde

Barcos de pesca garridos nas imediações de Porto Novo.

Dali, voltamos a embrenhar-nos no casario do Porto Novo, até encontrarmos a perpendicular da cidade de que partia a Estrada da Corda.

Numa primeira secção, o empedrado ondulado da via leva-nos encosta acima, de forma gradual e pouco sinuosa, numa ascensão suave que a poderosa pick up vence sem esforço.

A determinada altura, a estrada chega a sectores da vertente bem mais íngremes. A Corda enrola-se em sucessivos ziguezagues murados, entre arbustos espinhosos e mais acácias.

Estrada da Corda, Santo Antao, Cabo Verde

Carro vende mais uma ladeira da Estrada da Corda, ainda entre Porto Novo e a Corda.

Mais esse, menos esse, atingimos o Lombo da Figueira. E um entroncamento já sobre a fronteira das municipalidades de Porto Novo e de Paul.

A Deslumbrante Caldeira Agrícola de Cova do Paul

Para diante no caminho, ficava a intrigante Cova de Paul. Para leste, a via conduzia ao miradouro de Paul e ao Pico da Cruz, estes pontos, como a estrada em si, com algumas das melhores vistas sobre o sul de Santo Antão e o Atlântico abaixo.

Damos prioridade ao desvio. Detemo-nos no miradouro de Paul. Dali, fascinamo-nos com os avanços e recuos subtis da névoa, a afagar e irrigar a falda arborizada abaixo, uma das mais frondosas de toda a ilha, viríamos mais tarde a concluir. Passamos a capela da Nª Srª da Graça.

Burrico carregado, Santo Antão, Cabo Verde

Morador guia um burrico, na orla da montanha, acima de Porto Novo.

No lugarejo abaixo, confraternizamos com alguns santoantonenses encasacados para o fresco e húmido das alturas, que se abasteciam no depósito de água potável local.

Regressamos à Estrada da Corda. Contados uns poucos quilómetros, achamos a abertura na vegetação que concedia o Miradouro da Cova.

Cova do Paul ,Santo Antão, Cabo Verde

A caldeira sempre cultivada da Cova do Paul.

A Cova é uma das várias caldeiras que aprofundam o perfil vulcânico de Santo Antão. Quando a espreitamos da beira da estrada, em vez de um ar sulfúrico, paira sobre ela uma névoa inócua, uma espécie de extensão interior das nuvens que tínhamos avistado do miradouro do Paul.

Essa névoa é vital para a actividade agrícola minifundiária e pitoresca com que os santoantonenses preenchem a quase totalidade do quilómetro de diâmetro da caldeira. Com milho, cana-de-açúcar, mandioca e, claro está, feijão-pedra. Descemos. Cirandamos por ali, entre as sebes de cana-de-açúcar com que os camponeses salpicam a terra fértil.

Camponeses, Cova do Paul, Santo Antão, Cabo Verde

Camponeses trabalham no fundo da Cova do Paul.

Quando as nuvens a cobrem na íntegra, uma chuvinha molha-tolos encharca-nos. Regressamos à Corda.

Arlinda, Kelly e o Castigo do Feijão-Pedra

Já em pleno domínio de Paul, atravessamos a Fajã de Cima. À passagem, atrai-nos a visão de uma mãe e filha, sentadas, lado a lado, ao sol, a descascarem feijão-pedra de cestos de vime para pequenas latas.

Feijão-Pedra, Santo Antão, Cabo Verde

Mãos que descascam feijão-pedra, um alimento tradicional de Santo Antão.

Chamam-se Arlinda Neves, a mãe.

E Kelly Neves, a filha. “Tenho o meu irmão e a minha nora a morarem lá ao pé de Lisboa…onde é… ah é na Baixa da Banheira” informa-nos Kelly. “Só os vemos uma vez por ano. Este ano, ainda não é certo.” acrescenta e mostra-nos uma fotografia emoldurada do casal.

Feijão-Pedra, Santo Antao, Cabo Verde

Mãe e filha descascam feijão-pedra na sua casa à beira da Estrada da Corda.

A conversa e o sol suave amornavam o convívio pelo que à conversa nos deixámos ficar. Isto, até que as interlocutoras terminam o afazer e percebemos que se queriam dedicar a outro.

Estrada da Corda Abaixo, com Passagem pela Corda

Voltamos uma vez mais à Estrada da Corda. Serpenteamos por uma floresta de pinheiros e cipreste volumosos. Contornamos uma caldeira secundária, bem mais pequena que a do Paul e entramos nos domínios da Ribeira Grande.

Daí em diante, ainda a uma cota de 1000 metros, até à Corda que lhe havia cedido o nome, a estrada desce aos poucos.

Corda, Santo Antão, Cabo Verde

Pick up desce em direcção à Corda, e abaixo de uma corda de estendal.

A 13km para o interior do ponto de partida de Porto Novo, mais que uma povoação, Corda mantem atadas diversas aldeolas e lugarejos de que se destacam Chã de Corda e Esponjeiro. Estabelece uma comunidade agrícola de altitude, acima de outra das crateras profundas de Santo Antão.

No entretanto, a estrada solta-se da Corda. Ganha embalo pelo alto do desfiladeiro da Ribeira Grande, a espaços, entre socalcos ora plantados ora ressequidos e colónias de agaves aguçados e exuberantes.

Agaves, Santo Antao, Cabo Verde

Agaves destacados do cimo do Delgadinho, a passagem mais apertada da estrada da Corda.

O Prodígio Rodoviário do Delgadinho

Por esta altura, em comunhão com tal flora intrépida, chegamos à entrada do Delgadinho, um ponto alto panorâmico da Estrada da Corda.

Umas espreitadelas para um lado e para o outro depois, confirmamos que se tratava de um dos lugares que melhor revelavam o esplendor geológico de Santo Antão.

Na prática, é o improvável Delgadinho que concede à Estrada da Corda a sua continuidade. Não fosse aquela crista morfológica modelada nas lavas de há milhões de anos, bem acima dos vales profundos da Ribeira da Torre e da Ribeira Grande, e o atalho da montanha entre Porto Novo e a cidade da Ribeira Grande teria sido impossível.

Paramos à sua entrada. Percorremo-lo a pé, indecisos sobre se nos haveríamos de deslumbrar primeiro com a escultura geológica de um lado ou do outro, incrédulos com ambas.

Ribeira Grande , Santo Antao, Cabo Verde

Meandro do desfiladeiro profundo da Ribeira Grande, como visto do Delgadinho.

Até que, do nada, aparecem dois santoantonenses. De cima, surge um morador das redondezas, com um grande molho de pasto debaixo do braço. No sentido ascendente, um motociclista empurrava a sua motorizada emperrada.

Enfiado num fato de macaco e à sombra de um boné da Super Bock, José Cabral, um nativo de Corda, percebia que bastasse de mecânica. Bastaram uns minutos de cooperação para o duo dar a volta à mota. O motociclista agradece a ajuda, despede-se, some-se no castigo da ladeira.

Avaria no Delgadinho, Santo Antão, Cabo Verde

Avaria motorizada em pleno Delgadinho.

Enquanto limpa o óleo das mãos a uma meda de erva improvisada, José Cabral explica-nos que trabalhou muitos anos em Portugal, na manutenção de barragens.

Morador da Corda, Santo Antão, Cabo Verde

José Cabral, morador da Corda que chegou a trabalhar em Portugal.

Gabamos-lhe a terra natal: a Corda, o Delgadinho. Santo Antão no seu todo abençoado. José Cabral retribui a gentileza. Aconselha-nos a continuarmos o percurso sempre em mudanças baixas.

A Descida Vertiginosa Rumo a Ribeira Grande

Nos 7km que nos separavam do destino final, de meandro para meandro, a pendente agravava-se. Só os nós e contra-nós da Estrada da Corda colaboravam com a pick up a refrear o ímpeto da gravidade.

Carrinha no Delgadinho, Santo Antão, Cabo Verde

Carrinha desce a calçada estreita do Delgadinho.

Aos poucos, o leito de gravilha então seco da Ribeira Grande torna-se mais largo. Vislumbramos os primeiros núcleos habitacionais na sua base, já suficientemente próximos da costa para suavizar a dureza espartana do seu retiro.

Sem aviso, voltamos a avistar o Atlântico e no fundo do V que o parecia sustentar, edifícios mal-acabados, demasiado altos para pertencerem a uma aldeia. Estávamos na iminência da segunda cidade de Santo Antão.

Quase 40km depois, tínhamos chegado à outra ponta da Estrada da Corda e ao norte de Santo Antão.

Ocaso, Santo Antão, Cabo Verde

Ocaso como visto do cimo do Delgadinho para norte.

São Vicente, Cabo Verde

O Deslumbre Árido-Vulcânico de Soncente

Uma volta a São Vicente revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Quem a visita, surpreende-se com a grandiosidade e excentricidade geológica da quarta menor ilha de Cabo Verde.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Jerusalém deus, Israel, cidade dourada
Cidades
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Mini-snorkeling
Cultura
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
História
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Ilhas
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Natureza
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monte Denali, McKinley, Tecto Sagrado Alasca, América do Norte, cume, Mal de Altitude, Mal de Montanha, Prevenir, Tratar
Parques Naturais
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Património Mundial UNESCO
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
Praias
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT