Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda


Agaves
Agaves destacados do cimo do Delgadinho, a passagem mais apertada da estrada da Corda.
Em Doca Seca
Barcos de pesca garridos nas imediações de Porto Novo.
Burrico
Burrico estacionado numa berma da Estrada da Corda.
Trabalho do campo
Camponeses trabalham no fundo da Cova do Paul.
Em Reparação
Avaria motorizada em pleno Delgadinho.
Tarde quase noite
Ocaso como visto do cimo do Delgadinho para norte.
A caminho da Ribeira Grande
Carrinha desce a calçada estreita do Delgadinho.
Burrico carregado
Morador guia um burrico, na orla da montanha, acima de Porto Novo.
Cova do Paul
A caldeira sempre cultivada da Cova do Paul.
A Ribeira Grande e profunda
Meandro do desfiladeiro profundo da Ribeira Grande, como visto do Delgadinho.
Corda (de Estendal)
Pick up desce em direcção à Corda, e abaixo de uma corda de estendal.
Feijão-Pedra
Mãos que descascam feijão-pedra, um alimento tradicional de Santo Antão.
Feijão pedra para duas
Mãe e filha descascam feijão-pedra na sua casa à beira da Estrada da Corda.
A caminho
Carro vende mais uma ladeira da Estrada da Corda, ainda entre Porto Novo e a Corda.
José Cabral, da Corda
José Cabral, morador da Corda que chegou a trabalhar em Portugal.
“Mar d’Canal”
Ferry "Mar d'Canal" durante mais uma das travessias agitadas entre o Mindelo e Porto Novo.
Mar de Névoa
Névoa avança e recua na vertente o Lombo da Figueira.
Névoa monitorizada
Névoa sobe para o Lombo de Figueira e quase cobre o radar local.
Ocaso Escarlate
Outra vista do ocaso, de outro ponto da Estrada da Corda.
Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.

A génese vulcânica e uma geomorfografia caprichosa moldaram a exuberância verde-árida de Santo Antão. Mas não só. Ditaram também uma inacessibilidade por ar e respectivo isolamento que só a irmandade de São Vicente, logo ali do lado contrário do canal homónimo, parece aliviar.

Não fosse São Vicente, Santo Antão viveria um outro nível de solidão atlântica.

São Vicente confirmou-se o nosso ponto de aterragem inaugural em Cabo Verde. Sem surpresa, foi do Mindelo, a sua capital, que zarpámos para o canal, rumo ao Porto Novo de Santo Antão.

Quase residentes no arquipélago, há meses que os ventos Alísios castigavam tanto uma ilha como a outra. De maneira tal que, quando visitamos as instalações das companhias de navegação no porto de São Vicente, estavam por confirmar as travessias seguintes.

Por fim, com a tarde a meio, a ventania dá de si. O suficiente para permitir a navegação, afectada por uma turbulência a que os comandantes e os passageiros estavam já habituados. Quando embarcamos no “Mar d’Canal”, uma das primeiras medidas da tripulação é dotar os passageiros de sacos de enjoo. Mesmo se se tratava de um procedimento padrão, o Atlântico não tardou dar-lhe sentido.

O “Mar d’Canal” deixa a baía do Porto Grande para trás. Desliza, com suavidade, na direcção do ilhéu dos Pássaros. À medida que víamos definir-se os recortes do cimo do Monte Cara, as vagas do canal formavam altos e baixos cada vez mais cavados.  Agitavam o ferry e faziam-no adornar sem misericórdia. A espaços, de tal forma que, no convés superior em que seguíamos, qualquer esboço de deslocação se revelava uma aventura.

Ferry Mar d'Canal, Santo Antão, Cabo Verde

Ferry “Mar d’Canal” durante mais uma das travessias agitadas entre o Mindelo e Porto Novo.

Prosseguimos neste embalo violento por uns bons quarenta minutos, à mercê do Atlântico azulão mas encrespado,  salpicado de grandes cristas de espuma.

Aos poucos, Santo Antão usurpou o protagonismo de São Vicente. As vertentes imponentes, repletas de sulcos da costa sudeste da ilha ganharam volume, recorte e cor. Como ganhou o casario multicolor estendido entre a Ribeira do Tortolho e o porto do Porto Novo em que se encerrou a travessia.

À hora do desembarque, o sol já desaparecia para o oeste da ilha. Demos entrada no hotel. Pouco depois, voltamos a sair, esperançados de ainda resolvermos o eterno problema do cartão SIM e mais uma ou duas chatices essenciais ao périplo por Cabo Verde a que nos íamos dedicar.

Caminhamos pelas ruelas da cidade mais próximas do mar, entre casas e negócios enfiados em edifícios de tons pastel que, destacados do solo de asfalto ou de areia e poeira vulcânica, se disfarçavam de garridos.

Entretanto escurece. Se até os Alísios se rendiam a umas tréguas e repouso nocturno, quem éramos nós para destoar.

A Ascensão Vertiginosa de Porto Novo a Lombo da Figueira

Despertamos antes do vento. Regressamos à marginal de Porto Novo, apostados em arranjarmos um carro à altura da montanha-russa natural de Santo Antão. A primeira viatura que alugamos fica sem bateria pouco depois. Na segunda tentativa, fazemos finca-pé numa pick up, mais dispendiosa mas que sabíamos estar noutro nível de resistência e fiabilidade.

Com o transporte resolvido, confirmamos que a secção mais urbanizada e transitável da ilha se situava no seu terço superior. Só duas estradas permitiam viajar da maior cidade, Porto Novo, até aos polos urbanos da costa nordeste do Paul, Janela, Ribeira Grande e Ponta do Sol.

Uma dessas estradas avançava contra os ponteiros do relógio, pelo sopé das montanhas do norte. A outra, ascendia, sem grandes rodeios, mas por incontáveis meandros, a uma crista que coincidia com o limite da municipalidade do Porto Novo.

Ainda antes de partirmos, passeamos pela praia vulcânica em que desagua a Ribeira do Tortolho, entretidos com o contraste entre os grandes seixos negros e polidos de basalto e as cores vivas dos barcos de pesca. Apreciamo-los, alinhados no cimo do pedregal, em harmonia com o firmamento e com três ou quatro acácias verdejantes, como uma bem ponderada instalação piscatória.

Barcos pesca, Santo Antão, Cabo Verde

Barcos de pesca garridos nas imediações de Porto Novo.

Dali, voltamos a embrenhar-nos no casario do Porto Novo, até encontrarmos a perpendicular da cidade de que partia a Estrada da Corda.

Numa primeira secção, o empedrado ondulado da via leva-nos encosta acima, de forma gradual e pouco sinuosa, numa ascensão suave que a poderosa pick up vence sem esforço.

A determinada altura, a estrada chega a sectores da vertente bem mais íngremes. A Corda enrola-se em sucessivos ziguezagues murados, entre arbustos espinhosos e mais acácias.

Estrada da Corda, Santo Antao, Cabo Verde

Carro vende mais uma ladeira da Estrada da Corda, ainda entre Porto Novo e a Corda.

Mais esse, menos esse, atingimos o Lombo da Figueira. E um entroncamento já sobre a fronteira das municipalidades de Porto Novo e de Paul.

A Deslumbrante Caldeira Agrícola de Cova do Paul

Para diante no caminho, ficava a intrigante Cova de Paul. Para leste, a via conduzia ao miradouro de Paul e ao Pico da Cruz, estes pontos, como a estrada em si, com algumas das melhores vistas sobre o sul de Santo Antão e o Atlântico abaixo.

Damos prioridade ao desvio. Detemo-nos no miradouro de Paul. Dali, fascinamo-nos com os avanços e recuos subtis da névoa, a afagar e irrigar a falda arborizada abaixo, uma das mais frondosas de toda a ilha, viríamos mais tarde a concluir. Passamos a capela da Nª Srª da Graça.

Burrico carregado, Santo Antão, Cabo Verde

Morador guia um burrico, na orla da montanha, acima de Porto Novo.

No lugarejo abaixo, confraternizamos com alguns santoantonenses encasacados para o fresco e húmido das alturas, que se abasteciam no depósito de água potável local.

Regressamos à Estrada da Corda. Contados uns poucos quilómetros, achamos a abertura na vegetação que concedia o Miradouro da Cova.

Cova do Paul ,Santo Antão, Cabo Verde

A caldeira sempre cultivada da Cova do Paul.

A Cova é uma das várias caldeiras que aprofundam o perfil vulcânico de Santo Antão. Quando a espreitamos da beira da estrada, em vez de um ar sulfúrico, paira sobre ela uma névoa inócua, uma espécie de extensão interior das nuvens que tínhamos avistado do miradouro do Paul.

Essa névoa é vital para a actividade agrícola minifundiária e pitoresca com que os santoantonenses preenchem a quase totalidade do quilómetro de diâmetro da caldeira. Com milho, cana-de-açúcar, mandioca e, claro está, feijão-pedra. Descemos. Cirandamos por ali, entre as sebes de cana-de-açúcar com que os camponeses salpicam a terra fértil.

Camponeses, Cova do Paul, Santo Antão, Cabo Verde

Camponeses trabalham no fundo da Cova do Paul.

Quando as nuvens a cobrem na íntegra, uma chuvinha molha-tolos encharca-nos. Regressamos à Corda.

Arlinda, Kelly e o Castigo do Feijão-Pedra

Já em pleno domínio de Paul, atravessamos a Fajã de Cima. À passagem, atrai-nos a visão de uma mãe e filha, sentadas, lado a lado, ao sol, a descascarem feijão-pedra de cestos de vime para pequenas latas.

Feijão-Pedra, Santo Antão, Cabo Verde

Mãos que descascam feijão-pedra, um alimento tradicional de Santo Antão.

Chamam-se Arlinda Neves, a mãe.

E Kelly Neves, a filha. “Tenho o meu irmão e a minha nora a morarem lá ao pé de Lisboa…onde é… ah é na Baixa da Banheira” informa-nos Kelly. “Só os vemos uma vez por ano. Este ano, ainda não é certo.” acrescenta e mostra-nos uma fotografia emoldurada do casal.

Feijão-Pedra, Santo Antao, Cabo Verde

Mãe e filha descascam feijão-pedra na sua casa à beira da Estrada da Corda.

A conversa e o sol suave amornavam o convívio pelo que à conversa nos deixámos ficar. Isto, até que as interlocutoras terminam o afazer e percebemos que se queriam dedicar a outro.

Estrada da Corda Abaixo, com Passagem pela Corda

Voltamos uma vez mais à Estrada da Corda. Serpenteamos por uma floresta de pinheiros e cipreste volumosos. Contornamos uma caldeira secundária, bem mais pequena que a do Paul e entramos nos domínios da Ribeira Grande.

Daí em diante, ainda a uma cota de 1000 metros, até à Corda que lhe havia cedido o nome, a estrada desce aos poucos.

Corda, Santo Antão, Cabo Verde

Pick up desce em direcção à Corda, e abaixo de uma corda de estendal.

A 13km para o interior do ponto de partida de Porto Novo, mais que uma povoação, Corda mantem atadas diversas aldeolas e lugarejos de que se destacam Chã de Corda e Esponjeiro. Estabelece uma comunidade agrícola de altitude, acima de outra das crateras profundas de Santo Antão.

No entretanto, a estrada solta-se da Corda. Ganha embalo pelo alto do desfiladeiro da Ribeira Grande, a espaços, entre socalcos ora plantados ora ressequidos e colónias de agaves aguçados e exuberantes.

Agaves, Santo Antao, Cabo Verde

Agaves destacados do cimo do Delgadinho, a passagem mais apertada da estrada da Corda.

O Prodígio Rodoviário do Delgadinho

Por esta altura, em comunhão com tal flora intrépida, chegamos à entrada do Delgadinho, um ponto alto panorâmico da Estrada da Corda.

Umas espreitadelas para um lado e para o outro depois, confirmamos que se tratava de um dos lugares que melhor revelavam o esplendor geológico de Santo Antão.

Na prática, é o improvável Delgadinho que concede à Estrada da Corda a sua continuidade. Não fosse aquela crista morfológica modelada nas lavas de há milhões de anos, bem acima dos vales profundos da Ribeira da Torre e da Ribeira Grande, e o atalho da montanha entre Porto Novo e a cidade da Ribeira Grande teria sido impossível.

Paramos à sua entrada. Percorremo-lo a pé, indecisos sobre se nos haveríamos de deslumbrar primeiro com a escultura geológica de um lado ou do outro, incrédulos com ambas.

Ribeira Grande , Santo Antao, Cabo Verde

Meandro do desfiladeiro profundo da Ribeira Grande, como visto do Delgadinho.

Até que, do nada, aparecem dois santoantonenses. De cima, surge um morador das redondezas, com um grande molho de pasto debaixo do braço. No sentido ascendente, um motociclista empurrava a sua motorizada emperrada.

Enfiado num fato de macaco e à sombra de um boné da Super Bock, José Cabral, um nativo de Corda, percebia que bastasse de mecânica. Bastaram uns minutos de cooperação para o duo dar a volta à mota. O motociclista agradece a ajuda, despede-se, some-se no castigo da ladeira.

Avaria no Delgadinho, Santo Antão, Cabo Verde

Avaria motorizada em pleno Delgadinho.

Enquanto limpa o óleo das mãos a uma meda de erva improvisada, José Cabral explica-nos que trabalhou muitos anos em Portugal, na manutenção de barragens.

Morador da Corda, Santo Antão, Cabo Verde

José Cabral, morador da Corda que chegou a trabalhar em Portugal.

Gabamos-lhe a terra natal: a Corda, o Delgadinho. Santo Antão no seu todo abençoado. José Cabral retribui a gentileza. Aconselha-nos a continuarmos o percurso sempre em mudanças baixas.

A Descida Vertiginosa Rumo a Ribeira Grande

Nos 7km que nos separavam do destino final, de meandro para meandro, a pendente agravava-se. Só os nós e contra-nós da Estrada da Corda colaboravam com a pick up a refrear o ímpeto da gravidade.

Carrinha no Delgadinho, Santo Antão, Cabo Verde

Carrinha desce a calçada estreita do Delgadinho.

Aos poucos, o leito de gravilha então seco da Ribeira Grande torna-se mais largo. Vislumbramos os primeiros núcleos habitacionais na sua base, já suficientemente próximos da costa para suavizar a dureza espartana do seu retiro.

Sem aviso, voltamos a avistar o Atlântico e no fundo do V que o parecia sustentar, edifícios mal-acabados, demasiado altos para pertencerem a uma aldeia. Estávamos na iminência da segunda cidade de Santo Antão.

Quase 40km depois, tínhamos chegado à outra ponta da Estrada da Corda e ao norte de Santo Antão.

Ocaso, Santo Antão, Cabo Verde

Ocaso como visto do cimo do Delgadinho para norte.

São Vicente, Cabo Verde

O Deslumbre Árido-Vulcânico de Soncente

Uma volta a São Vicente revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Quem a visita, surpreende-se com a grandiosidade e excentricidade geológica da quarta menor ilha de Cabo Verde.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Étnico
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
História
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Ao fim da tarde
Ilhas
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Natureza
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Sal Muito Grosso
Parques Naturais
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Património Mundial UNESCO
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Fila Vietnamita
Praias

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Vida Selvagem
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES