México


Izamal, México
A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela
Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México
Campeche Sobre Can Pech
Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México
A Mais Caribenha das Ruínas Maias
Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Dourado sobre azul
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Pastéis nos ares
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Um outro templo
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Cores e sombras

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Maias de agora

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

No coração amarelo de San Cristóbal

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Mapa


Como ir


VISTOS E OUTROS PROCEDIMENTOS

Cidadãos portugueses não necessitam de visto para estada até 30 dias. Cidadãos brasileiros devem requerer visto para entrar no México. Ambos devem ter passaportes válidos para pelo menos 6 meses após a chegada ao México.

CUIDADOS DE SAÚDE E DE SEGURANÇA

As autoridades do México exigem certificado da vacina da febre amarela a todos os visitantes com mais que um ano de idade que provenham de um destino com risco de transmissão do país ou que tenham transitado durante mais de 12 horas em aeroportos desses países. Existe um risco intermitente de contracção de malária nalgumas zonas do estado de Chiapas. Risco muito baixo nos estados de Chihuahua, Durango, Nayarit, Quintana Roo e Sinaloa. Proteja-se das picadas de mosquito também para evitar uma eventual contracção de febre de Dengue.  

Para mais informações sobre saúde em viagem, consulte o Portal da Saúde do Ministério da Saúde e Clínica de Medicina Tropical e do Viajante. Em FitForTravel encontra conselhos de saúde e prevenção de doenças específicas de cada país (em língua inglesa).

À data de criação deste texto, grande parte do norte do México permanecia extremamente insegura devido à rivalidade de cartéis de droga e às suas acções criminais violentas. A situação revelava-se particularmente perigosa nos estados de Chihuahua, Sinaloa, Tamaulipas, Michoacan, Coahuila e Durango, assim como no sul de Guerrero.

VIAGEM PARA O MÉXICO  

Cancun, Riviera Maya e a Cidade do México são as principais portas de entrada aérea no México.

Voe de Lisboa para Madrid. A Air Europa voa directamente de Madrid para Cancun por a partir de 1.500€.   

A KLM / Air France voam de Lisboa para a Cidade do México com uma única escala (Amesterdão à ida, Paris no regresso) por a partir de 800€.

A não perder


  • Cidade do México e Teotihuacán
  • ​Barranca del Cobre
  • Baja Califórnia (Reserva da Biosfera El Vizcaíno)​
  • Zacatecas
  • ​Real de Catorce
  • ​Taxco
  • ​Guadalajara
  • ​Guanajuato
  • ​Oaxaca
  • Litoral de Oaxaca
  • San Cristóbal de las Casas
  • Palenque
  • Puerto Vallarta
  • ​Mérida
  • Campeche
  • Ruínas Maias da Península de Iucatão
  • ​Praias da Riviera Maia
  • Festivais Culturais e Religiosos

Explorar


VOOS INTERNOS

Há cerca de 15 anos, verificou-se uma mudança drástica no panorama das companhias aéreas mexicanas com a entrada em cena de várias low-cost que quebraram o anterior domínio da Mexicana e da Aeroméxico. A partir daí, as passagens de voos domésticos diminuíram substancialmente de preço. Hoje, as principais companhias a operar a nível nacional são:

AeromarAeroMexico e Aeromexico ConnectMagnichartersInterjetVolarisVivaAerobus.

AUTOCARRO

O México desenvolveu uma rede aceitável de estradas que é percorrida por vários tipos de autocarros. Quase todas as grandes cidades têm terminais que recebem os autocarros de percursos de longa-distância. Consoante a sua qualidade, este dividem-se em Deluxe (De Lujo, também chamados Ejecutivos) Primera e Segunda Classes. 

Os Deluxe têm vidros fumados, bancos completamente reclináveis e com espaço entre eles, ar condicionado, TVs de qualidade e casa de banho a bordo. Só param uma ou duas vezes no percurso, às vezes nem isso. De acordo, praticam os preços mais elevados, de 4€ até 7€ ou 8€ por hora, este últimos valores para autocarros e serviços realmente especiais.

Os autocarros de Primera  incluem assentos garantidos para cada passageiro relativamente reclináveis e também ar condicionado, casa de banho e TVs que passam filmes mesmo à frente dos passageiros. Custam cerca de 3€ por cada hora de percurso. 

Já os de Segunda funcionam essencialmente entre cidades mais pequenas ou até vilas. São mais lentos que os anteriores e param mais vezes. Dependendo das empresas que os operam, podem ser modernos mas também velhas relíquias. Serão cerca de 20% mais baratos que os de Primera mas, em certos estados, também correm maior risco de sofrerem assaltos por bandidos. E, por muito que o governo federal e os estatais se esforcem por os combater, o México tem um historial demasiado longo e frequente deste infortúnios. 

Existem ainda os microbuses pequenos autocarros de 25 lugares normalmente novos mas considerados equivalentes a uma segunda classe que asseguram ligações entre povoações mais próximas.

E, por fim, os colectivos, uma espécie de microbuses que tanto podem ser relíquias com VW Combis como modelos mais modernos. Só partem para viagens de ida-e-volta a povoações nas imediações quanto repletos ou, no melhor dos casos, quando o condutor achar que o número de passageiros é suficiente.

ALUGUER DE VIATURA

É mais dispendioso que o aluguer na Europa e nos Estados Unidos mas simples de concretizar quer online quer ao balcão. Os rent-a-car mexicanos aceitam condutores a partir de 21 anos e até aos 24 anos, mediante pagamento de um valor extra. Todos os condutores devem apresentar carta de condução do seu próprio país, passaporte e cartão de crédito. 

Espere pagar um mínimo de 30€ por dia para um pequeno utilitário, já incluindo seguro e quilómetros ilimitados. Para conseguir preços mais baixos, alugue na internet com antecedência, por períodos de uma semana ou mais longos e evite alugar nas agências de aeroporto. As agências que vai encontrar mais facilmente um pouco por todo o México são as multinacionais do costume.

Verifique com atenção a segurança de cada um dos lugares em que planeia viajar. Onde quer que seja, é importante que evite viajar nos estados mais perigosos do país (mencionados em Cuidados de Saúde e Segurança) e, onde quer que seja, de noite. Mesmo que lhe saia dispendioso, conduza o mais possível por auto-estradas com portagens. 

Em Ticket Bus, pode fazer a sua reserva para viagens de autocarro na maior parte do México

Quando ir


Nenhuma altura é decisivamente má para visitar o México. Dito isto, nas zonas baixas e costeiras do país, Maio a Setembro são os meses mais quentes, húmidos e chuvosos. De Junho a Novembro, é época de ciclones por todo o litoral da Península do Iucatão (estados de Quintana Roo, Mérida e Campeche), ciclones poderosos podem afectar seriamente estes estados e até outros mais a norte como Tabasco e Chiapas. Mesmo que o normal seja não se verificar grande instabilidade, se viajar nesta altura para estas zonas, saiba que pode ter o azar de encontrar, durante uma semana ou mais, céus nublados, ventos e chuvas fortes que podem causar certa destruição. 

Ainda assim, Julho e Agosto e de meio de Dezembro a princípios de Janeiro são as épocas altas de férias tanto para os mexicanos como para os estrangeiros. Nestas alturas, os resorts costeiros costumam ficar à pinha.

De Novembro a fim de Fevereiro é o Inverno mexicano. As terras do interior arrefecem de tal forma que, nas mais altas, se verificam mínimas diurnas abaixo de 0ºC e até neve. É o que se passa, por exemplo, no estado de Chihuahua.

Dinheiro e Custos


A moeda do México é o Peso mexicano (MXN). Abundam na maior parte das cidades, caixas ATM e os estabelecimentos mais sofisticados estão preparados para aceitarem pagamentos com cartão de crédito. O México é um país com preços muito acessíveis.

ALOJAMENTO

Existe uma forte cultura mochileira no México o que significa que poderá encontrar hostels por toda a parte com dormidas em dormitórios e quartos privados. Conte pagar em volta de 3€ para dormitório, 10€ a 15€ por um quarto duplo com casa de banho partilhada, 15€ a 25€ por quarto duplo com casa de banho privada. 

Outro tipo de estadia é garantida por hotéis e motéis de beira de estrada mas, com demasiada frequência, revelam-se pouco confortáveis e até pouco seguros. 

Num nível de preço e requinte superior, os resorts e hotéis de cadeias internacionais são cada vez mais frequentes no país. Confortáveis e requintados, não permitem propriamente aos hóspedes sentir a alma mexicana. A Riviera Maia e Acapulco são bons exemplos de litorais repletos de resorts gigantescos com praias, piscinas e muitas outras infra-estruturas privadas, serviços tudo incluído e, em época alta, uma multidão caótica de hóspedes de inúmeras nacionalidades. Espere pagar de 400€ a 1.500€ por uma semana de estadia em meia-pensão neste tipo de hotéis. 

Tendo em conta o objectivo de viver a cultura mexicana, os melhores hotéis são os coloniais estabelecidos em velhas fazendas enequeras (de cultivo de cactos) e outros edifícios e propriedades históricas. Uma grande parte destes hotéis são de luxo (5 estrelas) e praticam preços elevados, facilmente 200€ a 800€ por noite por quarto duplo, dependendo do lugar, da hacienda em particular e da época do ano.

ALIMENTAÇÃO

O México, muito mais que os Estados Unidos, encerra um interminável universo gastronómico nacional digno de exploração cuidada. A gastronomia divide-se em nortenha, central, do sudeste e costeira. 

Vai encontrar comida de rua por toda a parte excepto, como é óbvio, dentro e em redor de resorts e grandes hotéis. Servida em pequenas bancas, carros e roulottes, a comida de rua é a menos dispendiosa do país. Não são propriamente frequentes problemas com este tipo de comida mas, de qualquer maneira, observe com atenção o aspecto do que comprar para evitar eventuais complicações. Refeições tradicionais completas são vendidas em simples bancas de mercados por tão pouco como 2,50€, bebidas à parte.

Apesar da qualidade e variedade da sua gastronomia, o México importou dos vizinhos Estados Unidos a cultura da fast junk food e grande parte dos mesmos restaurantes franchisados existentes a norte da fronteira também proliferam no território mexicano, com preços superiores aos da comida de rua.

À parte destes tipos de refeições, vai encontrar pequenos restaurantes populares que servem distintas combinações de pequenos-almoços que, consoante a riqueza e diversidade vão dos 2€ a 5€. Os mexicanos estão habituados a pequenos-almoços pesados com ovos, tortilhas, feijões e até carne. No entanto, nos lugares com maior afluência de turistas também vai encontrar lugares que se adaptaram ao que os estrangeiros mais procuravam: iogurtes com muesli, fruta, aveia e pão com manteiga e doces.

A maior parte dos restaurantes convencionais mexicanos oferecem, entre as 13h e as 16h, a chamada corrida corrida, cubiertos ou menu del dia. Estes últimos menus agrupam vários pratos da melhor comida tradicional mexicana a preços muito acessíveis, de 8€ a 20€ com sopa, pratos, bebida, sobremesa e café incluído. Ao jantar, é normal os mexicanos comerem menos pratos e pratos mais leves, por vezes, simples antojitos ou platillos mexicanos como burritos, tacos, enchiladas, quesadillas, tamales e tortas.

Note que vai encontrar estas especialidades por todo o lado. Nos muitos dias de calor abrasivo, poderá refrear-se de comer refeições demasiado compostas e volumosas. Em vez disso, compre destes antojitos ou platillos mexicanos a preço reduzido – 1€ a 3€ nas ruas e mercados, mais em restaurantes – e a qualquer hora do dia. 

INTERNET

Disseminou-se pelo país a grande velocidade por todo o país. Alguns resorts da Riviera Maia cobram-na à parte. A maior parte dos hostels e seguramente dos hotéis de cadeias internacionais e coloniais oferecem acesso Wi-fi como parte da tarifa. 

Se se achar retido numa povoação de zona rural, procure por um Café Internet, o mais próximo possível do centro. O mais certo é não estar longe de um. Espere pagar 0,50€ a um máximo de 1€ por hora de navegação. 

Em alternativa, adquira à chegada ao México, um SIM da Telmex ou empresa concorrente que poderá instalar num smartphone desbloqueado ou pen para ter internet para onde quer que vá.