Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre


Mulher Rarámuri
Artesã rarámuri cria novas peças num pinhal nas imediações da casa-gruta de Dª Catalina.
Barrancas sobre Barrancas
Recortes geológicos das vastas Barrancas del Cobre.
Crias
Crias rarámuri brincam com crias de cão.
Cactos
v
Família Raramuri
v
Crista geológica
Mais recortes geológicos, moldados pela forte erosão.
Mãe e Filha
Duas gerações de artesãs rarámuris, junto a estação mais profunda do teleférico das Barrancas del Cobre.
O Teleférico
Cabine do teleférico sobe para a arriba da Barranca del Cobre.
BTT
Bicicleta todo-o-terreno contra a vastidão de pinhal, no cimo da Barranca del Cobre.
Arbusto sobre a Piedra Volada
Arbusto espinhoso resiste, em equilíbrio, agarrado à famosa Piedra Volada.
Zip Rider
Aventureiro lança-se na Zip Rider, a longa tirolesa da Barranca del Cobre.
Ocaso sobre as Barrancas
Sol põe-se a Ocidente e pinta de tons mais quentes o cimo das Barrancas de Cobre.
Rarámuri Atarefado
Guia rarámuri trajado a rigor cruza o hotel del Mirador.
Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.

“Isto não é nada!” assegura-nos Pedro Palma. “Vocês vêm aqui em Julho ou Agosto e quase assam.

Chegam a fazer 40º cá em cima, a 2400 metros de altitude. Imaginem lá em baixo, aos 400 metros em que correm o Urique, apertado pelas ravinas.”

Pedro sabia do que falava. Já tinha liderado expedições de muitos dias ao longo desse rio. Pelas beiras e, quando necessário, a flutuar nas suas águas cálidas.

No caso do guia, a ligação com as Barrancas del Cobre era de aventura passageira.

Barrancas del Cobre: o Canyon Imenso da Sierra de Tarahumara e do Povo Rarámuri

Mesmo extremo e áspero como se revelava, aquele domínio de 65.000 km2 –  é muito mais vasto que o vizinho Grand Canyon do Arizona e que o Fish River Canyon do extremo sul da Namíbia.

Talharam-no seis rios e, pelo menos, 60 milhões de anos de vulcanismo, de actividade tectónica e de erosão menos drástica, era há muito habitado.

Quando os conquistadores e colonos espanhóis chegaram a estas paragens, no século XVII, depararam-se com indígenas Rarámuri disseminados pelas terras do actual estado de Chihuahua.

Barrancas del Cobre, ChihuahuaChamaram-lhes Tarahumara, de acordo com o termo que os nativos usavam para definir os seus homens.

Anos depois, tal como desejavam, descobriram prata. À medida que submeteram os indígenas, forçaram-nos a minerar para seu proveito. As tentativas de libertação dos nativos esbarraram na superioridade bélica dos europeus.

Como consequência, os Tarahumara retiraram-se para áreas afastadas e de difícil acesso.

As Barrancas del Cobre, um refúgio desafiante mas à mão de semear, continuam a acolhê-los.

O Artesanato que Sustenta a Vida dos Rarámuri

À imagem do que acontece em Creel, o principal polo turístico da região, noutras povoações e até em Chihuahua, sobretudo as mulheres Rarámuri dedicam-se a vender aos forasteiros o artesanato colorido que aprenderam a produzir.

Vemo-las à entrada do parque de aventuras, acima do miradouro da Piedra Volada.

Encontramo-las, nas suas blusas e saias folhadas e garridas, em Mesa de Bacajipare, a estação mais profunda do teleférico residente, com uma vista deslumbrante sobre a confluência de três das barrancas, a del Cobre, a Tararecua e a de Urique.

Algumas mulheres Rarámuri felizardas, têm direito a bancas de madeira que as legitimam e protegem do sol. Outras, instalam vendas móveis à sombra de árvores ou até sobre rochas polidas.

Têm a companhia de filhas crianças que, fartas do castigo de ali terem que estar, se entregam a contemplações alienadas da paisagem.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, mãe e filha Rarámuri

Tirolesa, Via Ferrata e outros: o Mundo de Aventuras da Barranca del Cobre

No cimo da falésia, sucessivos voluntários lançam-se na tirolesa local, uma das mais longas do mundo, com 2.545 m de cabo, três minutos de percurso em que os viajantes mais pesados atingem os 130km/h.

A Zip Rider, assim foi baptizada, gera gritos tão histéricos como duradouros.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, Zip Rider

Ouvimo-los quase até ao sumiço de quem os entoa nas profundezas do barranco, umas entranhas mesoamericanas da Terra que a época seca e o calor do meio da manhã enevoavam e tornavam mais estranhas.

A espaços, bem mais silenciosas, as cabinas de teleférico voltam a cruzar o canhão. 3km, para baixo, outros 3km para cima.

Desde 2010, quando foram inauguradas, que os Rarámuri têm o direito de as usar.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, teleférico

Tal usufruto poupa-os a caminhadas diárias atrozes, aos exercícios intensos a que os nativos toda a vida se viram obrigados e que deles fizeram casos prodigiosos de resistência física e atlética.

A Incrível Aptidão Atlética do Povo Rarámuri

Com os organismos adaptados à altitude, à secura e ao frio atroz do Inverno, oxigenados por um ar filtrado pelos incontáveis pinheiros da Serra de Tarahumara, energizados por alimentos naturais e nutritivos e acostumados a subirem ladeiras de 500 metros com cargas de 15 ou 20kg, os Rarámuri sempre foram corredores natos.

Mais que corredores, maratonistas comparáveis aos kalenjin ou Masai do Quénia, se bem que com fisionomias distintas e com menor sucesso e notoriedade internacional.

Os Rarámuris partilham um dito que resume a sua estamina milenar: “Quien no aguenta, no vale!. Muito antes de participarem em maratonas e ultramaratonas, já a colocavam em prática em competições tradicionais só suas.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, Rarámuri atarefadoA Rarajípari, por exemplo, é disputada entre equipas masculinas de distintas aldeias, por norma, após convívios em que os nativos partilhavam tejuino, cerveja de milho.

Durante uma Rarajípari, cada equipa de corredores jumame, chuta para diante uma kamakali, uma bola com 7 ou 8 cm de diâmetro feita da raiz de carvalhos, medronhos ou de outra árvore, o tascate.

Os participantes correm atrás da bola. Apanham-na. Voltam a chutá-la, com frequência, ravinas abaixo, num progresso em que devem evitar que a bola se imobilize que emula o movimento incessante do sol.

Em eventos de maior rivalidade, uma Rarajípari pode estender-se por 50 ou 60 km. A equipa que percorre primeiro a distância combinada, sagra-se vencedora.

Já as mulheres, defrontam-se nas romeras, ou carreras de ariweta, em que fazem mover um aro composto de ramos, com diâmetro entre 5 a 15 cm.

Das Corridas na Serra Tarahumara às Competições Mundiais

Moldados pelo este contexto geográfico e sociológico, alguns Rarámuri conquistaram uma fama peculiar. Desde os Jogos Olímpicos de Amesterdão (1928) que os seus homens participam em provas de renome.

Triunfaram, por várias vezes, em maratonas mexicanas e até internacionais, a correrem como se habituaram a fazer na Serra de Tarahumara: descalços ou sobre huaraches, calçado com sola de pneu e tiras de couro.

A Netflix divulgou recentemente o documentário de Juan Carlos Rulfo “Lorena, la de Pies Ligeros”. dedicado a Lorena Ramirez.  À primeira vista, Lorena é apenas uma mulher rarámuri.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, mulher Rarámuri

Lorena: a Rarámuri Voadora

À medida que o documentário evolui, desvenda como, aos 21 anos, sem qualquer treino regular ou preocupação com a sua forma, de saia comprida e huaraches, Lorena terminou a Ultramaratona Caballo Blanco, de 100km, em segundo lugar.

E como, decorrido apenas um ano, triunfou no UltraTrail Cerro Rojo, de 50km e na Ultramaratona de Los Cañones, de 100km, resultados que lhe granjearam convites para provas internacionais de renome, caso do Tenerife Blue Trail.

Mas, voltemos ao dia-a-dia corriqueiro dos Rarámuri e ao fundo “intermédio” da Mesa de Bacajipare. Por ali, enquanto as vendedoras sugeriam aos visitantes o seu artesanato, aos poucos, o sol deixava de dar nas profundezas do rio Urique.

Já só incidia na sucessão de cristas e de vês em que se retalhava a barranca homónima, longe de representar um alívio significativo da fornalha.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, crista

Hotel El Mirador, Varandas Panorâmicas

Apanhamos o teleférico de volta ao ponto de partida. Do cimo, cumprimos 3.5km até ao Hotel Mirador em que iríamos passar a noite. Instalados no quarto, percebemos o quanto de Mirador tinha o albergue.

Tanto o terraço contíguo à sala de refeições como a varanda do nosso quarto se situavam sobre o limiar leste do hotel e sobre a ravina. Concediam vistas amplas e dramáticas do barranco, de um ângulo diferente dos pontos panorâmicos do parque de aventuras.

O que restava da tarde, dedicamo-lo a uma caminhada, primeiro pela orla do barranco, com passagem por mais bancas improvisadas de vendedores Rarámuri, seguidos por um grupo de cachorros com visuais e tamanhos destoantes que passaram o tempo todo em lutas e mordidelas a fingir.

Do cimo, o trilho submete-se a uma ladeira curva, escondida entre pinheiros.

Conduz-nos ao sopé da falésia, a uma colónia de cactos verdejantes.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, Cactos

E a uma outra, Rarámuri, de lares improvisados contra o paredão de rocha, numa versão actualizada das grutas e fendas que os indígenas habitaram ao longo dos milénios.

Os Lares Ajustados às Falésias dos Rarámuri

Numa delas, uma anciã tomava conta de três crianças.

Estabelecido contacto, os miúdos revelam-nos cachorros recém-nascidos, expostos como os brinquedos felpudos e patudos de que serviam, tudo acompanhado de um balbuciar vigoroso, mas ternurento, em dialecto rarámuri.

Deixada para trás a comunidade no fundo da falésia, galgamos os “esses” da rampa que levavam de volta ao hotel Mirador. Sem os atributos pulmonares dos indígenas, com as coxas a arder e ofegantes a condizer.

Subimo-los, numa pressa aflita, por percebermos que se desenrolava o ocaso, num modo de livro infantil, de colorir, que reavivava as Barrancas.

Quando chegámos à varanda do quarto, o céu estava em fogo.

Os sulcos daquela terra mexicana exibiam o tom mais cobreado que lhe tínhamos visto.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, ocaso

Onde Ficar nas Barrancas del Cobre

www.hotelmirador.mx

Tel.: +52 (668) 812 1613

Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Huang Shan, China

Huang Shan: as Montanhas Amarelas dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos das montanhas amarelas e flutuantes de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas da China sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Porvoo, Finlândia, armazéns
Cidades
Porvoo, Finlândia

Uma Finlândia Medieval e Invernal

Uma das povoações anciãs da nação suómi, no início do século XIV, Porvoo era um entreposto ribeirinho atarefado e a sua terceira cidade. Com o tempo, Porvoo perdeu a importância comercial. Em troca, tornou-se um dos redutos históricos venerados da Finlândia.  
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Em Viagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

História
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Ilhas
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
Natureza
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Património Mundial UNESCO
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Mascarado de Zorro em exibição num jantar da Pousada Hacienda del Hidalgo, El Fuerte, Sinaloa, México
Personagens
El Fuerte, Sinaloa, México

O Berço de Zorro

El Fuerte é uma cidade colonial do estado mexicano de Sinaloa. Na sua história, estará registado o nascimento de Don Diego de La Vega, diz-se que numa mansão da povoação. Na sua luta contra as injustiças do jugo espanhol, Don Diego transformava-se num mascarado esquivo. Em El Fuerte, o lendário “El Zorro” terá sempre lugar.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.