Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro


Pedra Bela, Vista a condizer
Casario de encosta
Ao Sol das Terras de Bouro
Caudal só para um casal
Monumento de Granito
Piscina d’Homem
Pequena Lagoa Exclusiva
Safari à moda das Terras de Bouro
Igreja e cemitério
Diversão de pedra e água
Uma fachada pouco Ortodoxa
Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português, cruzamos lugares repletos de visitantes. E visitamos muitos outros entregues apenas às suas gentes resilientes e à vidinha rural de há muito.

O Panorama Privilegiado a Partir da Pedra Bela

Como que por mero capricho fluvial, o Cávado decide multiplicar-se. São vários os braços amplos de rio que estica, sem cerimónias, serranias de Gerês adentro. Dos 829 metros de altitude do Miradouro da Pedra Bela víamos um deles, contido pela súbita inclinação da encosta.

Víamos ainda espreitar um segundo, virado a noroeste. E, por fim, um terceiro apontado a sudoeste, a direcção do fluxo principal do rio.

Lá em baixo, às suas margens, aldeolas em fila anunciavam a povoação termal que acolhe boa parte dos veraneantes e usa e abusa do nome da região.

Rio Cávado, vista do Miradouro da Pedra Bela, Gerês, Portugal

Vista de um braço do rio Cávado a partir do Miradouro da Pedra Bela.

O Gerês tem, ali, o seu âmago civilizacional e logístico. Por norma, à medida que nos afastamos da vila, o sossego aumenta de tom. As excepções estão nas pequenas dádivas da natureza com fama a corresponder à beleza. É o caso da vizinha cascata do Arado.

Cascata do Arado: tão Ansiada como Difícil de alcançar.

Quando a espreitamos, uma pequena multidão disputava o limiar do parapeito de observação. As autoridades do parque nacional desencorajam o acesso às piscinas naturais escavadas no granito que a queda d’água abastece. Mesmo assim, um casal tinha lá ascendido. Exibia o seu recreio balnear exclusivo e gerava uma inveja crescente na plateia do lado de cá do desfiladeiro.

Estávamos entre os que, mesmo àquela hora matinal, já sonhavam com mergulhos e chapinhares em tais recantos deslumbrantes. Resignados com a falta de tempo e de oportunidade, migramos para um cenário afim.

Filipa Gomes, uma nativa de Campo do Gerês, continua a guiar-nos pelos domínios em que cresceu. “vamos até à Mata da Albergaria. Deve estar muito menos gente e também tem uma cascata pequena onde eu e os meus pais costumávamos ir!”

À laia de feito simbólico, passamos para lá da fronteira com Espanha de Portela do Homem. Filipa deixa-nos no início de um dos trilhos incontornáveis da zona, parte da Geira. Assim ficou conhecida uma estrada militar que os romanos construíram entre Bracara Augusta e Asturica Augusta (Astorga, Espanha). Em conexão com uma outra que ligava a Portela do Homem a (Castro) Laboreiro

Marcos Romanos, Geira, Mata da Albergaria, rio Homem, Gerês

Marcos miliários da Geira, na margem esquerda do rio Homem.

As Amoras Irresistíveis da Velha Geira Romana

Essa estrada terá sido catalogada como a Via nº18 da grelha de Antonino, uma complexa rede por que se moviam as legiões de soldados e os seus líderes romanos. Construída por volta do século I d.C., a Geira media 215 milhas, sendo que, a cada milha, correspondiam mil passos.

A nós, cabia-nos caminhar e apreciar o cenário e os marcos cilíndricos legados pelos romanos numa ínfima parte do trecho compreendido entre as milhas XXVII e XXXIV.

Filipa levou a carrinha em que nos transportava até ao fim desse trecho, com a ideia de nos recolher no fim do percurso. Um imprevisto fez com que demorássemos bem mais que o estimado e que resolvesse antecipar o encontro. As beiras do trilho estavam carregadas de silvas.

As silvas, por sua vez, estavam carregadas de amoras maduras e suculentas. A meio da manhã, com o pequeno-almoço leve já sumido, não conseguimos rejeitar o banquete. Como consequência, cumprimos a distância num dos tempos mais lentos de que não haverá registo.

De um momento para o outro, o trilho revela-nos o leito pedregoso do rio Homem e um seu meandro repleto de poços e lagoas fluviais cristalinas partilhadas por quatro ou cinco banhistas felizardos. Para mal dos nossos pecados, vemo-nos de novo forçados a prosseguir sem paragem recreativa.

Da Vilarinho das Furnas Submersa, Terras de Bouro Acima

Adiante, o Homem abre para a grande albufeira contida pela barragem de Vilarinho das Furnas que, em 1971, submergiu a aldeia homónima. Em meses de seca extrema, a água da represa baixa de tal maneira que as ruínas da povoação ficam a descoberto. Malgrado o comprometimento do estio, não era coisa para ali ficarmos à espera.

Em vez, cruzamos o Homem pelo coroamento do açude. Ascendemos pelo cenário rochoso e abrupto a norte do rio. Só nos voltamos a deter em Brufe, uma aldeia a salvo da enchente gerada pela barragem mas vítima da lenta drenagem das suas poucas gentes.

Desde meio do século XIX, mais de metade dos cento e poucos habitantes de Brufe partiram de uma ou outra forma. Sobram agora menos de cinquenta, almas que resistem ao tempo e ao destino como os canastros de granito em que há muito armazenam o sustento.

São de Bouro as terras que continuamos a atravessar. Como o fizeram os Búrios, uma tribo germânica que chegou ao oeste da Península Ibérica (incluindo a Galécia) com os Suevos, no início do século V e que se instalou nesta precisa zona de montanha entre os rios Cávado e Homem.

Rio Cávado, Gerês, Portugal

Rio Cávado multiplicado tal como visto de um cume acima do Mosteiro São Bento da Porta Aberta

Os Búrios, os Suevos e os Visigodos

Pouco depois, o Reino Suevo foi anexado pelos Visigodos que invadiram a Hispania Romana e a Galécia Sueva sem apelo. Os Búrios permaneceram. Ajustaram-se ao domínio e aos modos visigóticos. De tal maneira, que resistem no nome da região e na genética das suas gentes.

Os Búrios chegaram com crenças e costumes pagãos. Mas, no final do século VI, os monarcas suevos (várias teorias apontam reis distintos) tinham já cedido à acção evangelizadora de missionários em acção na Península Ibérica.

Como o narra a História de regibos Gothorum, Vandalorum et Suevorum, obra do arcebispo Isidoro de Sevilha, terá sido o bispo Martinho de Braga a conseguir a sua conversão, por influência sobre o rei Teodomiro, considerado o primeiro monarca cristão ortodoxo dos Suevos. Esta é, no entanto, apenas uma de várias postulações que defendem o protagonismo de monarcas, missionários e épocas distintas.

Independentemente de como aconteceu, as Terras de Bouro tornaram-se cristãs. Com o tempo, de ortodoxas, passaram a católicas. Os templos lítúrgicos e graníticos da já milenar fé salpicam a paisagem. Uns, são mais excêntricos que outros.

Igreja de Santo António de Mixões da Serra, Valdreu, Terras de Bouro, Portugal

Fachada da igreja de Santo António de Mixões da Serra, em Valdreu, Terras de Bouro

A Mítica Igreja de Santo António de Mixões da Serra

De Brufe, vamos até Valdreu. Lá encontramos o Santuário de Santo António de Mixões da Serra, uma igreja com arquitectura pouco convencional e origem no dealbar da época medieval.

Subimos uma escadaria que  nos conduz a um cume pedregoso. Dali se projecta a estátua clássica do padroeiro Santo António, que segura um Jesus Menino e, ao mesmo tempo, a Bíblia. Daquele alto cristão, admiramos o casario e os minifúndios disseminados no cenário agreste em redor. E, logo abaixo, o cimo da igreja, com os seus torreões gémeos destacados sobre o frontão.

Em Junho, a igreja de Santo António de Mixões e o átrio amplo em frente são palco de uma cerimónia religiosa inusitada, a Bênção dos Animais. Diz-se que a tradição surgiu no século XVII (outras fontes situam a sua génese no início do século XX).

Terá sido suscitada por uma peste que se alastrou àqueles confins e vitimou boa parte do gado da região. Necessitados dos animais, devastados pela sua mortandade, os moradores terão prometido a Santo António que lhe ergueriam um templo se detivesse a epidemia.

A Abençoada Bênção dos Animais

Santo António cedeu às preces dos crentes e, estes, construíram-lhe uma capela no cimo da Serra. Além da edificação, as gentes da região começaram a levar os seus animais – de vacas a cães e gatos – ornamentados com flores, fitas e outros adereços à igreja de Mixões da Serra. Lá assistem à missa. Em seguida, o pároco asperge as criaturas com água benta e roga pela devida protecção divina.

De Mixões da Serra, apontamos a Santa Isabel do Monte. Pelo caminho, passamos por manadas de cachenas e avistamos uma outra, de garranos, a pastarem sobre um tapete de fetos e tojos, aquém de um castro de grandes rochedos de granito. Todos os animais que víamos pareciam gozar de perfeita saúde.

Mais que saúde, um vigor e portento físico só possível numa região verde e fértil como aquela em que continuávamos a cirandar.

Igreja de Santa Isabel do Monte, Terras de Bouro, Portugal

Igreja de Santa Isabel do Monte, entre milheirais e outros campos agrícolas

As Terras de Bouro à Parte de Santa Isabel do Monte

Filipa Gomes tinha um apreço especial por Santa Isabel do Monte. Um carinho adicional que depressa assimilámos.

Ali, as aldeolas pareciam surgir ainda mais remotas e orgulhosas que as de outras partes. “Às vezes passo aqui e tenho que abrandar porque os animais andam à solta por todo o lado.

Os porcos, as galinhas as cabras, é tudo deles!  E circulam tão poucos carros que os animais cruzam a estrada, sem grandes preocupações. De facto, passámos por porcos, rosados, por galinhas e até perus entregues a uma frenética prospeção alimentar do solo.

Depois dos Abades, a Casa dos Bernardos, versão Laica

Filipa levou-nos a um outro edifício secular elegante, a Casa dos Bernardos, em tempos habitada pelos Abades (cistercienses) Bernardos e, desde os tempos fulcrais da nação portuguesa, parte do Couto do Mosteiro de Bouro, um domínio que lhes foi doado pelo próprio rei D. Afonso Henriques.

Lá nos espantamos com o espigueiro mais longo do concelho de Terras de Bouro, um canastro imponente com 16 metros de comprimento e segundo dita a descrição histórica: “capacidade para arrecadar 18 carros de pão” (leia-se espigas de milho).

Casa dos Bernardos, Santa Isabel do Monte, Terras de Bouro

Grande espigueiro da Casa dos Bernardos, em Santa Isabel do Monte

Filipa apresenta-nos Dª Leopoldina. A anfitriã abre-nos a porta da capela da casa e revela-nos a decoração garrida, com óbvia inspiração naife da pequena nave da capela.

A tarde precipitava-se para o fim mas Filipa guardava-nos um derradeiro lugar especial na manga. A determinada altura, deixamos a estradinha de asfalto para um caminho de terra irregular que se fazia à encosta. Progredimos um pouco mais, aos solavancos. Só nos detemos do lado de lá da cumeada num mundo distinto e bem mais desafogado das Terras de Bouro.

Por diante, tínhamos um cenário complementar ao do Miradouro da Pedra Bela, em que havíamos começado o dia. Subimos aos rochedo de granito mais próximos e ficamos a apreciá-lo. Logo abaixo, o grande mosteiro de São Bento da Porta Aberta parecia abençoar o caudal do Cávado, “estrelado” como nos tínhamos já habituado a vê-lo.

João Vieira. Ainda existem Pastores assim.

Estávamos entregues a esta contemplação quando o som de guizos nos chama atenção. Nas nossas costas, um pastor de sachola pendurada ao ombro seguia um rebanho de cabras. Fotografamo-lo a aproximar-se aos poucos. Já junto a nós, o pastor atira um “olhem que vocês ainda partem essas câmaras de tanto disparar!”.

Foi o início de uma longa conversa em que João Vieira nunca deixou de nos espantar. O recém-chegado estava quase com 50 anos. Foi pastor quase toda a vida, como o tinham sido o seu pai e o avô. Era dono de 180 cabras que guardava junto à igreja de São Bento.

Pastor João Vieira, Terras de Bouro, Gerês, Portugal

O pastor de cabras João Vieira durante uma pausa no seu pastorício, para conversa.

“Os lobos?” perguntamos-lhe. “Então não andam aí?” afiança-nos. “Só a mim já me mataram umas vinte cabras. O que é que gente faz? Olhem… nada, a gente tenta mantê-los longe mas nem sempre é fácil. O ICNF diz que devíamos ter um cão por cada dez ovelhas ou cabras.

Mas e quem é que paga a ração dos cães?  Eles dizem que temos direito a receber os cães de graça quando os lobos nos matam os animais mas, se querem saber, aquilo, para mim, é uma aldrabice tão grande que eu já nem abro as cartas que eles me mandam!”.

Fim do Dia (de novo), bem acima do Cávado

Enquanto falávamos, o telemóvel do pastor tocou vezes sem conta. João Vieira, respondeu numa só ocasião. “Opá, que é tu queres agora? Já falámos muito hoje, não tás a ver que tou ocupado! Tou aqui com umas pessoas.”

Percebemos que a companhia de gente nova lhe agradava sobremaneira. De tal forma que o pastor deixou as cabras seguir o seu caminho e continuou a inaugurar estória atrás de estória. “Ora, para acabar, vou-vos contar só mais esta. Vocês ‘tão a ver o mosteiro lá em baixo.

Pastor João Vieira persegue as cabras do seu rebanho, numa serrania acima do mosteiro de São Bento da Porta Aberta.

Sabem uma coisa: eu até ia à missa. Uma vez, tinha eu 15 anos, na confissão, o padre resolveu perguntar-me se eu ia às meninas! Digo-vos uma coisa. Até era miúdo mas fiquei tão indignado que nunca mais lá pus os pés.”

O telemóvel voltou a tocar. João Vieira rejeitou uma vez mais a chamada. Despediu-se e saiu a correr atrás das cabras que há muito se haviam impacientado. Ficámos, deslumbrados, a vê-lo desaparecer na vastidão da serrania da Peneda-Gerês e das velhas Terras de Bouro.

 

Os autores agradecem às seguintes entidades o apoio prestado à criação deste artigo:

Turismo Porto e Norte

Equi’Desafios

Reserve o seu passeio a cavalo e outras actividades no Gerês e Terras de Bouro no site da Equi’Desafios.

Ilha do Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Terceira: e os Açores continuam Ímpares

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. Estes são apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da Terceira especial não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Confins Inverosímeis de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
As Cores da Ilha Elefante
Cidades

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
O projeccionista
Cultura

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Aurora fria II
Em Viagem
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Sodade, Sodade

A voz de Cesária Verde cristalizou o sentimento dos caboverdeanos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau percebe porque lhe chamam, para sempre e com orgulho, "nha terra".
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Canal de Lazer
História

Amesterdão, Holanda

Numa Holanda Surreal (Sempre a Mudar de Canal)

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato. 

Autoridade bubalina
Ilhas

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Punta Cahuita
Natureza

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Jingkieng Wahsurah
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Num equilíbrio fluvial
Religião

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.