Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas


Uma Vida Sulfurosa
Um momento de rua de Soufrière, a povoação vizinha dos Pitons.
Ocaso Prateado
Morador de Soufrière junto à beira-mar prateada da povoação.
À Sombra de Deus
Transeuntes em frente à igreja da Assumpção, a principal igreja de Soufrière.
Passo apressado
Menina percorre a Frederick St. na direcção da beira-mar de Soufrière.
Público de Pesca
Curiosos assistem a uma pesca à rede comunitária na enseada de Soufrière.
Diversão de fim de dia
Amigos e cão sobre um molhe, com o Petit Piton ao fundo.
Le Petit Piton
Petit Piton resplandecente, visto do trilho do PN Tet Paul.
Pele e ossos do ofício
Pescador ajuda a recolher as redes estendidas na enseada em frente a Soufrière.
Operações marinhas
Pescadores orientam a tarefa de recolha de uma rede estendida na enseada em frente a Soufrière.
Soufrière & Pitons
Panorâmica de Soufrière no sopé dos Pitons de Saint Lucia.
Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.

É Domingo de manhã. McArthur Cornibert, o motorista designado, falha em disfarçar o quanto aquela inesperada jorna o deprimia. Partimos do bairro La Clery e das alturas de Castries. Atravessamos a capital actual de Santa Lúcia e vencemos a ladeira que a remata.

Daí, rumo ao litoral-sul que tínhamos programado explorar, a estrada asfaltada passa por uma sucessão de vales e encostas orientados do centro da ilha para o litoral caribenho. Uma hora e meia desta montanha-russa luxuriante depois, atingimos o cimo do ziguezagueado que conduz à zona de Palmiste.

Mac detém o carro junto a um miradouro e, mesmo no seu tom monocórdico de tímido e irremediável aborrecimento, faz por nos incitar: “Espreitem ali. É um dos melhores panoramas dos Pitons que vão encontrar.” Resgatamos as mochilas fotográficas.

O Primeiro Avistamento

Esquivamo-nos aos vendedores de recordações omnipresentes na rota turística da ilha. Instantes depois, o varandim prenda-nos com a primeira das revelações arrebatadoras de Santa Lúcia. Por diante, a floresta tropical predominante cedia a um casario multicolor que ocupava uma talhada do vale abaixo.

Soufrière e Pitons, Saint Luci

Panorâmica de Soufrière no sopé dos Pitons de Saint Lucia.

Delimitavam-no o contorno de uma enseada ampla e uma encosta densamente arborizada de que os moradores haviam reclamado apenas a orla. Só por si, o panorama já teria tudo para nos deslumbrar.

Como se não bastasse o que até aqui descrevemos, do lado de lá do vale, dois enormes rochedos afiados insinuavam-se sobre a crista acima do povoado.

Os colonos gauleses habituaram-se a chamá-los simplesmente de Pitons, como fizeram a vários outros picos do seu Império Ultramarino. Uma vez que a povoação se situava nas imediações de um vulcão fumegante, apelidaram-na de Soufrière. Também este termo está longe de ser único nas Caraíbas.

Randy, um guia espalhafatoso e sensacionalista de um tour a que nos juntámos uns dias depois, fez questão de pôr os pontos nos “is”:  “Os senhores por certo não o saberão mas eu informo-vos: graças aos franceses, só dois dos dezassete vulcões das Caraíbas é que não se chamam Soufrière. Verifiquem se quiserem!”

Les Pitons: o Monumento Geológico de Santa Lucia

Desde os confins coloniais de Santa Lúcia que Soufrière e os seus Pitons são indissociáveis. Por motivos programáticos, começámos por dedicar atenção ao duo de cumes, simbólicos da exuberância natural de Santa Lúcia ao ponto de darem o nome e a imagem de marca à cerveja nacional “Piton”.

No primeiro dia, limitámo-nos a atravessar a cidade apontados ao Trilho Natural Tet Paul, um percurso delineado no cimo da encosta de que despontam os Pitons: o Gros Piton (770 m) e o irmão Petit Piton (743m), ligados pela crista por que caminhávamos, de seu nome Piton Mitan.

Os mirantes privilegiados de Tet Paul revelavam-nos, em direcções agora opostas, os colossos de rocha no sentido da luz boa e em todo o seu esplendor, manchados pela vegetação que a eles se agarra.

Petit Piton, Soufrière, Saint Lucia

Petit Piton resplandecente, visto do trilho do PN Tet Paul.

O verde combinava na perfeição com o esmeralda-turquesa circundante do Mar das Caraíbas, ali dotado  de uma fauna e flora tão preservada e rica que a UNESCO  declarou toda a Reserva Ecológica Património da Humanidade.

Na última das varandas panorâmicas, a beleza semi-afundada do Petit Piton forçou-nos a interromper a caminhada. Sentamo-nos num banco de madeira e dedicamos-lhe uma merecida contemplação.

Nesse momento, pensávamos estar sós. O zunir de um drone em aproximação gera em nós dúvida. Activa o modo de defesa de um falcão que, ao sentir o seu território invadido, ataca o aparelho voador à bicada.

Nuvens maiores, mais escuras que os novelos que até aí pairavam furtam o brilho aos cumes. Ao constatarmos a extensão da nebulosidade, decidimo-nos pela retirada.

O Passado Ora Francófono Ora Anglofono de Santa Lucia

Voltamos a cruzar Soufrière, a caminho do vulcão que inspirou o nome da cidade, o único vulcão drive in à face da Terra, assim o promovem as autoridades turísticas de Saint Lucia apostadas em destacar o acesso facilitado às vertentes lamacentas, fumegantes, sulfurosas e inusitadas que, a partir do século XVI, surpreenderam e deliciaram os sucessivos visitantes europeus.

No período anterior às Descobertas, Santa Lúcia era habitada pelos aruaques. Pouco antes do advento da colonização europeia das Índias Ocidentais, estes viram-se dominados e expulsos pelos bem mais agressivos Caribes que, por sua vez, infernizaram a vida aos pioneiros do Velho Mundo.

Estima-se que Cristovão Colombo tenha avistado a ilha durante a sua quarta e derradeira expedição, quando se fez ao Mar das Caraíbas pelo norte da actual Barbados e passou para ocidente das Pequenas Antilhas precisamente a sul da ilha que nos acolhia. Colombo ignorou-a. Acabou por desembarcar em Martinica, a ilha que se seguia.

Cena de rua, Soufrière, Saint Lucia

Um momento de rua de Soufrière, a povoação vizinha dos Pitons.

Sabe-se que náufragos e – a partir de 1550 – piratas franceses liderados pelo temido Jambe de Bois (François Leclerc) foram os primeiros habitantes europeus fixos de Saint Lucia, originalmente baptizada como Sante Alousie.

Por essa altura, qualquer tentativa de colonização estável era repelida pelos irascíveis Caribes. Chegado o ano de 1664, o governador britânico da vizinha Saint Kitts tentou submeter os nativos com uma força de mais de mil homens. Volvidos dois anos, destes, sobravam 89. Os restantes sucumbiram às doenças e aos ataques dos nativos.

Dois outros anos passaram. A Companhia Francesa das Índias Ocidentais resolveu-se apoderar-se da ilha. Abordou-a com muitos mais homens e recursos até que o objectivo foi cumprido.

Saint Lucia tornou-se uma dependência de Martinica. Não tardou a suscitar a inveja dos Britânicos que, tal como os franceses, se mostravam ansiosos por ampliar o cultivo proveitoso da cana-de-açúcar.

Durante os séculos XVIII e XIX, consoante as marés históricas de cada nação, Saint Lucia alternou dos franceses para os britânicos e vice-versa. Nesse período, sobretudo os colonos franceses, estabeleceram uma série de grandes propriedades agrícolas trabalhadas por escravos trazidos de África.

Em 1774, as autoridades gaulesas retalharam a ilha em sete redutos administrativos. Soufrière, um deles, desenvolveu-se segundo os padrões francófonos de então, com uma disposição rectangular das ruas e bairros, organizados em função da igreja principal (dos poucos edifícios de pedra) que tinha na praça em redor os lares dos colonos mais abastados e influentes, ainda assim, erguidos em madeira.

Igreja da Assumpção, Soufrière, Saint Lucia

Transeuntes em frente à igreja da Assumpção, a principal igreja de Soufrière.

Desde então, em termos visuais, o que mudou em Soufrière foi a gradual expansão da povoação que chegou a capital da ilha e às orlas da baía que a acolheu.

O Reduto Afrancesado de Soufrière

No regresso de Tet Paul, paramos em mais um ponto elevado de observação. Desse outro mirante, apreciamos de uma perspectiva oposta à do primeiro dia, o casario prolífico de Soufrière, disseminado para lá de uma secção frondosa de coqueiros, na secção central do vale e da enseada.

Mesmo se os cruzeiros que sulcam as Caraíbas a transbordar de veraneantes atracam na capital actual de Saint Lucia, Castries, são os Pitons e Soufrière que os passageiros informados desejam.

Em Soufrière, em simultâneo, os moradores anseiam pelos magotes consumistas e excitados que lhes enchem os bolsos de dólares. Vendem-lhes artesanato e bugigangas Made in China. Demasiadas vezes, demasiado pertinazes, impingem serviços de guias para que não estão preparados.

Mais a norte na praia de Anse le Couchin, certos nativos já referenciados aguardam pelos snorkelers saídos dos tours de catamarãs em caiaques e conduzem os desavisados às zonas da praia com melhores recifes. Antes de estes voltarem para bordo das embarcações, apresentam-lhes a conta.

Um animador do catamarã em que percorremos o litoral de Rodney Bay a Soufrière garantiu-nos que já viu passageiros idosos forçados a pagarem 50 ou até 100 dólares.

Farta de os aturar sempre que vai à antiga capital, Maria, a nossa anfitriã holandesa (casada com um martiniquenho) de Castries descreve estes nativos oportunistas sem cerimónias: “umas pestes é o que eles são!”.

Quando os cruzeiros faltam, Soufrière vive a vida que, sem eles, teria. É numa dessas relativas pazes que a nos dedicamos à grande cidade do sul.

Menina na Frederick St, Soufrière, Saint Lucia

Menina percorre a Frederick St. na direcção da beira-mar de Soufrière.

Ao detectarem as nossas máquinas fotográficas, um ou dois “empresários” já demasiados formatados para a caça aos gringos, não resistem a oferecer-nos os seus préstimos. Como que a emularem o bilinguismo fascinante da ilha, um fá-lo em francês. O outro em inglês.

Ainda hoje, Soufrière e o sul de Saint Lucia se expressam num crioulo francófono cerrado. Isto, apesar de Saint Lucia ter sido colónia britânica desde o término das Guerras Napoleónicas até à emancipação do Reino Unido, em 1967, e de integrar a Commonwealth.

Escusado será dizer que, mal se viram donos da ilha, uma das primeiras medidas dos britânicos foi mudarem a capital da francófona Soufrière para Castries que se anglizaria sem retorno.

Um Fim de Tarde Piscatório

Deixamos a praça central e a Igreja da Assunção entregues aos transeuntes aliviados pelo fim da tarde de trabalho e bem-dispostos a condizer.

Ocaso prateado-Soufrière-Saint Lucia

Morador de Soufrière junto à beira-mar prateada da povoação.

Ao descermos a Frederick Clarke St. em direcção ao porto, cruzamo-nos com os inevitáveis convivas rastafarianos da cidade, habituados a cirandar entre os bares e negócios desta artéria da povoação e a sua arejada marginal. Nesse encerrar dourado da tarde, uma tarefa comunal recruta dezenas de mãos e atrai almas curiosas ao limiar murado da enseada.

Muito devido aos cruzeiros serem da conta de Castries e Soufrière ter ficado apenas com embarcações tradicionais de pesca, pequenas lanchas, veleiros e afins, os peixes abundam no mar em frente à Maurice Mason St. e à marginal em geral.

Pesca à rede, Soufrière, Saint Lucia

Pescadores orientam a tarefa de recolha de uma rede estendida na enseada em frente a Soufrière.

Meros vinte e cinco metros ao largo, dois pescadores de barbatanas e máscaras de mergulho orientavam uma complexa manobra de pesca à rede. Instruíam um séquito de puxadores em terra a recolherem a enorme rede de modo a preservarem o cardume cercado.

De início, os trabalhos evoluíram segundo previsto. Dois ou três percalços foram suficientes para desencadear a fúria dos cérebros da operação e discussões multidirecionais que, naquele crioulo ondulado, nos soaram a música, a temas entoados entre o Dance hall e o Boyoun soca.

Pesca à rede II, Soufrière, Saint Lucia

Pescador ajuda a recolher as redes estendidas na enseada em frente a Soufrière.

Por fim, a rede é recolhida. Com o horizonte quase a capturar o sol, pescadores e espectadores ficam entregues à intrincada distribuição do peixe.

Satisfeitos com o que levávamos de Soufrière, decidimos partilhar a derradeira atenção com os Pitons.

Público de pescaria, Soufrière, Saint Lucia

Curiosos assistem a uma pesca à rede comunitária na enseada de Soufrière.

A Deliciosa Visão do Petit Piton Crepuscular

Metemo-nos no carro. Atravessamos a povoação rumo ao limiar da sua baía. Logo, avançamos até ao areal e ao recanto em que a areia negra cede à floresta tropical dependurada na encosta. Um grupo de jovens mulheres determinadas a apurar a forma submete-se a exercícios extenuantes.

A poucos metros, sob o abrigo também ele vegetal de uma mangueira frondosa, três rapazes tratam de salvar a mente das agruras do dia, entregues aos seus weed fingers e àquele cenário tropical único com que boa parte do mundo só sonha.

Detemo-nos nas imediações, rendidos ao aroma da erva intensificado pela humidade caribenha. Apreciamos como o ocaso e o lusco-fusco maquilhavam o menor dos Pitons.

Petit Piton, Soufrière, Saint Lucia

Amigos e cão sobre um molhe, com o Petit Piton ao fundo.

Do nada, aparecem quatro amigos adolescentes, um deles com um pitbull pela trela. Caminham até ao pontão em T que se destacava do areal e inauguram uma sessão de mergulhos acrobáticos de que nem a mascote se safa.

Não tarda, o negrume da noite une-se ao do areal. Regressamos a Castries. Os Pitons ficam entre as estrelas das Caraíbas.

Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Telhados cinza
Cidades

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Mme Moline popinée
Étnico

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
O atoleiro de Magalhães
História

Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.

Solovestsky Outonal
Ilhas

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Punta Cahuita
Natureza

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Parques Naturais
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Património Mundial UNESCO
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Peregrinos no cimo, Monte Sinai, Egipto
Religião
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.