Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas


Uma Vida Sulfurosa
Um momento de rua de Soufrière, a povoação vizinha dos Pitons.
Ocaso Prateado
Morador de Soufrière junto à beira-mar prateada da povoação.
À Sombra de Deus
Transeuntes em frente à igreja da Assumpção, a principal igreja de Soufrière.
Passo apressado
Menina percorre a Frederick St. na direcção da beira-mar de Soufrière.
Público de Pesca
Curiosos assistem a uma pesca à rede comunitária na enseada de Soufrière.
Diversão de fim de dia
Amigos e cão sobre um molhe, com o Petit Piton ao fundo.
Le Petit Piton
Petit Piton resplandecente, visto do trilho do PN Tet Paul.
Pele e ossos do ofício
Pescador ajuda a recolher as redes estendidas na enseada em frente a Soufrière.
Operações marinhas
Pescadores orientam a tarefa de recolha de uma rede estendida na enseada em frente a Soufrière.
Soufrière & Pitons
Panorâmica de Soufrière no sopé dos Pitons de Saint Lucia.
Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.

É Domingo de manhã. McArthur Cornibert, o motorista designado, falha em disfarçar o quanto aquela inesperada jorna o deprimia. Partimos do bairro La Clery e das alturas de Castries. Atravessamos a capital actual de Santa Lúcia e vencemos a ladeira que a remata.

Daí, rumo ao litoral-sul que tínhamos programado explorar, a estrada asfaltada passa por uma sucessão de vales e encostas orientados do centro da ilha para o litoral caribenho. Uma hora e meia desta montanha-russa luxuriante depois, atingimos o cimo do ziguezagueado que conduz à zona de Palmiste.

Mac detém o carro junto a um miradouro e, mesmo no seu tom monocórdico de tímido e irremediável aborrecimento, faz por nos incitar: “Espreitem ali. É um dos melhores panoramas dos Pitons que vão encontrar.” Resgatamos as mochilas fotográficas.

O Primeiro Avistamento

Esquivamo-nos aos vendedores de recordações omnipresentes na rota turística da ilha. Instantes depois, o varandim prenda-nos com a primeira das revelações arrebatadoras de Santa Lúcia. Por diante, a floresta tropical predominante cedia a um casario multicolor que ocupava uma talhada do vale abaixo.

Soufrière e Pitons, Saint Luci

Panorâmica de Soufrière no sopé dos Pitons de Saint Lucia.

Delimitavam-no o contorno de uma enseada ampla e uma encosta densamente arborizada de que os moradores haviam reclamado apenas a orla. Só por si, o panorama já teria tudo para nos deslumbrar.

Como se não bastasse o que até aqui descrevemos, do lado de lá do vale, dois enormes rochedos afiados insinuavam-se sobre a crista acima do povoado.

Os colonos gauleses habituaram-se a chamá-los simplesmente de Pitons, como fizeram a vários outros picos do seu Império Ultramarino. Uma vez que a povoação se situava nas imediações de um vulcão fumegante, apelidaram-na de Soufrière. Também este termo está longe de ser único nas Caraíbas.

Randy, um guia espalhafatoso e sensacionalista de um tour a que nos juntámos uns dias depois, fez questão de pôr os pontos nos “is”:  “Os senhores por certo não o saberão mas eu informo-vos: graças aos franceses, só dois dos dezassete vulcões das Caraíbas é que não se chamam Soufrière. Verifiquem se quiserem!”

Les Pitons: o Monumento Geológico de Santa Lucia

Desde os confins coloniais de Santa Lúcia que Soufrière e os seus Pitons são indissociáveis. Por motivos programáticos, começámos por dedicar atenção ao duo de cumes, simbólicos da exuberância natural de Santa Lúcia ao ponto de darem o nome e a imagem de marca à cerveja nacional “Piton”.

No primeiro dia, limitámo-nos a atravessar a cidade apontados ao Trilho Natural Tet Paul, um percurso delineado no cimo da encosta de que despontam os Pitons: o Gros Piton (770 m) e o irmão Petit Piton (743m), ligados pela crista por que caminhávamos, de seu nome Piton Mitan.

Os mirantes privilegiados de Tet Paul revelavam-nos, em direcções agora opostas, os colossos de rocha no sentido da luz boa e em todo o seu esplendor, manchados pela vegetação que a eles se agarra.

Petit Piton, Soufrière, Saint Lucia

Petit Piton resplandecente, visto do trilho do PN Tet Paul.

O verde combinava na perfeição com o esmeralda-turquesa circundante do Mar das Caraíbas, ali dotado  de uma fauna e flora tão preservada e rica que a UNESCO  declarou toda a Reserva Ecológica Património da Humanidade.

Na última das varandas panorâmicas, a beleza semi-afundada do Petit Piton forçou-nos a interromper a caminhada. Sentamo-nos num banco de madeira e dedicamos-lhe uma merecida contemplação.

Nesse momento, pensávamos estar sós. O zunir de um drone em aproximação gera em nós dúvida. Activa o modo de defesa de um falcão que, ao sentir o seu território invadido, ataca o aparelho voador à bicada.

Nuvens maiores, mais escuras que os novelos que até aí pairavam furtam o brilho aos cumes. Ao constatarmos a extensão da nebulosidade, decidimo-nos pela retirada.

O Passado Ora Francófono Ora Anglofono de Santa Lucia

Voltamos a cruzar Soufrière, a caminho do vulcão que inspirou o nome da cidade, o único vulcão drive in à face da Terra, assim o promovem as autoridades turísticas de Saint Lucia apostadas em destacar o acesso facilitado às vertentes lamacentas, fumegantes, sulfurosas e inusitadas que, a partir do século XVI, surpreenderam e deliciaram os sucessivos visitantes europeus.

No período anterior às Descobertas, Santa Lúcia era habitada pelos aruaques. Pouco antes do advento da colonização europeia das Índias Ocidentais, estes viram-se dominados e expulsos pelos bem mais agressivos Caribes que, por sua vez, infernizaram a vida aos pioneiros do Velho Mundo.

Estima-se que Cristovão Colombo tenha avistado a ilha durante a sua quarta e derradeira expedição, quando se fez ao Mar das Caraíbas pelo norte da actual Barbados e passou para ocidente das Pequenas Antilhas precisamente a sul da ilha que nos acolhia. Colombo ignorou-a. Acabou por desembarcar em Martinica, a ilha que se seguia.

Cena de rua, Soufrière, Saint Lucia

Um momento de rua de Soufrière, a povoação vizinha dos Pitons.

Sabe-se que náufragos e – a partir de 1550 – piratas franceses liderados pelo temido Jambe de Bois (François Leclerc) foram os primeiros habitantes europeus fixos de Saint Lucia, originalmente baptizada como Sante Alousie.

Por essa altura, qualquer tentativa de colonização estável era repelida pelos irascíveis Caribes. Chegado o ano de 1664, o governador britânico da vizinha Saint Kitts tentou submeter os nativos com uma força de mais de mil homens. Volvidos dois anos, destes, sobravam 89. Os restantes sucumbiram às doenças e aos ataques dos nativos.

Dois outros anos passaram. A Companhia Francesa das Índias Ocidentais resolveu-se apoderar-se da ilha. Abordou-a com muitos mais homens e recursos até que o objectivo foi cumprido.

Saint Lucia tornou-se uma dependência de Martinica. Não tardou a suscitar a inveja dos Britânicos que, tal como os franceses, se mostravam ansiosos por ampliar o cultivo proveitoso da cana-de-açúcar.

Durante os séculos XVIII e XIX, consoante as marés históricas de cada nação, Saint Lucia alternou dos franceses para os britânicos e vice-versa. Nesse período, sobretudo os colonos franceses, estabeleceram uma série de grandes propriedades agrícolas trabalhadas por escravos trazidos de África.

Em 1774, as autoridades gaulesas retalharam a ilha em sete redutos administrativos. Soufrière, um deles, desenvolveu-se segundo os padrões francófonos de então, com uma disposição rectangular das ruas e bairros, organizados em função da igreja principal (dos poucos edifícios de pedra) que tinha na praça em redor os lares dos colonos mais abastados e influentes, ainda assim, erguidos em madeira.

Igreja da Assumpção, Soufrière, Saint Lucia

Transeuntes em frente à igreja da Assumpção, a principal igreja de Soufrière.

Desde então, em termos visuais, o que mudou em Soufrière foi a gradual expansão da povoação que chegou a capital da ilha e às orlas da baía que a acolheu.

O Reduto Afrancesado de Soufrière

No regresso de Tet Paul, paramos em mais um ponto elevado de observação. Desse outro mirante, apreciamos de uma perspectiva oposta à do primeiro dia, o casario prolífico de Soufrière, disseminado para lá de uma secção frondosa de coqueiros, na secção central do vale e da enseada.

Mesmo se os cruzeiros que sulcam as Caraíbas a transbordar de veraneantes atracam na capital actual de Saint Lucia, Castries, são os Pitons e Soufrière que os passageiros informados desejam.

Em Soufrière, em simultâneo, os moradores anseiam pelos magotes consumistas e excitados que lhes enchem os bolsos de dólares. Vendem-lhes artesanato e bugigangas Made in China. Demasiadas vezes, demasiado pertinazes, impingem serviços de guias para que não estão preparados.

Mais a norte na praia de Anse le Couchin, certos nativos já referenciados aguardam pelos snorkelers saídos dos tours de catamarãs em caiaques e conduzem os desavisados às zonas da praia com melhores recifes. Antes de estes voltarem para bordo das embarcações, apresentam-lhes a conta.

Um animador do catamarã em que percorremos o litoral de Rodney Bay a Soufrière garantiu-nos que já viu passageiros idosos forçados a pagarem 50 ou até 100 dólares.

Farta de os aturar sempre que vai à antiga capital, Maria, a nossa anfitriã holandesa (casada com um martiniquenho) de Castries descreve estes nativos oportunistas sem cerimónias: “umas pestes é o que eles são!”.

Quando os cruzeiros faltam, Soufrière vive a vida que, sem eles, teria. É numa dessas relativas pazes que a nos dedicamos à grande cidade do sul.

Menina na Frederick St, Soufrière, Saint Lucia

Menina percorre a Frederick St. na direcção da beira-mar de Soufrière.

Ao detectarem as nossas máquinas fotográficas, um ou dois “empresários” já demasiados formatados para a caça aos gringos, não resistem a oferecer-nos os seus préstimos. Como que a emularem o bilinguismo fascinante da ilha, um fá-lo em francês. O outro em inglês.

Ainda hoje, Soufrière e o sul de Saint Lucia se expressam num crioulo francófono cerrado. Isto, apesar de Saint Lucia ter sido colónia britânica desde o término das Guerras Napoleónicas até à emancipação do Reino Unido, em 1967, e de integrar a Commonwealth.

Escusado será dizer que, mal se viram donos da ilha, uma das primeiras medidas dos britânicos foi mudarem a capital da francófona Soufrière para Castries que se anglizaria sem retorno.

Um Fim de Tarde Piscatório

Deixamos a praça central e a Igreja da Assunção entregues aos transeuntes aliviados pelo fim da tarde de trabalho e bem-dispostos a condizer.

Ocaso prateado-Soufrière-Saint Lucia

Morador de Soufrière junto à beira-mar prateada da povoação.

Ao descermos a Frederick Clarke St. em direcção ao porto, cruzamo-nos com os inevitáveis convivas rastafarianos da cidade, habituados a cirandar entre os bares e negócios desta artéria da povoação e a sua arejada marginal. Nesse encerrar dourado da tarde, uma tarefa comunal recruta dezenas de mãos e atrai almas curiosas ao limiar murado da enseada.

Muito devido aos cruzeiros serem da conta de Castries e Soufrière ter ficado apenas com embarcações tradicionais de pesca, pequenas lanchas, veleiros e afins, os peixes abundam no mar em frente à Maurice Mason St. e à marginal em geral.

Pesca à rede, Soufrière, Saint Lucia

Pescadores orientam a tarefa de recolha de uma rede estendida na enseada em frente a Soufrière.

Meros vinte e cinco metros ao largo, dois pescadores de barbatanas e máscaras de mergulho orientavam uma complexa manobra de pesca à rede. Instruíam um séquito de puxadores em terra a recolherem a enorme rede de modo a preservarem o cardume cercado.

De início, os trabalhos evoluíram segundo previsto. Dois ou três percalços foram suficientes para desencadear a fúria dos cérebros da operação e discussões multidirecionais que, naquele crioulo ondulado, nos soaram a música, a temas entoados entre o Dance hall e o Boyoun soca.

Pesca à rede II, Soufrière, Saint Lucia

Pescador ajuda a recolher as redes estendidas na enseada em frente a Soufrière.

Por fim, a rede é recolhida. Com o horizonte quase a capturar o sol, pescadores e espectadores ficam entregues à intrincada distribuição do peixe.

Satisfeitos com o que levávamos de Soufrière, decidimos partilhar a derradeira atenção com os Pitons.

Público de pescaria, Soufrière, Saint Lucia

Curiosos assistem a uma pesca à rede comunitária na enseada de Soufrière.

A Deliciosa Visão do Petit Piton Crepuscular

Metemo-nos no carro. Atravessamos a povoação rumo ao limiar da sua baía. Logo, avançamos até ao areal e ao recanto em que a areia negra cede à floresta tropical dependurada na encosta. Um grupo de jovens mulheres determinadas a apurar a forma submete-se a exercícios extenuantes.

A poucos metros, sob o abrigo também ele vegetal de uma mangueira frondosa, três rapazes tratam de salvar a mente das agruras do dia, entregues aos seus weed fingers e àquele cenário tropical único com que boa parte do mundo só sonha.

Detemo-nos nas imediações, rendidos ao aroma da erva intensificado pela humidade caribenha. Apreciamos como o ocaso e o lusco-fusco maquilhavam o menor dos Pitons.

Petit Piton, Soufrière, Saint Lucia

Amigos e cão sobre um molhe, com o Petit Piton ao fundo.

Do nada, aparecem quatro amigos adolescentes, um deles com um pitbull pela trela. Caminham até ao pontão em T que se destacava do areal e inauguram uma sessão de mergulhos acrobáticos de que nem a mascote se safa.

Não tarda, o negrume da noite une-se ao do areal. Regressamos a Castries. Os Pitons ficam entre as estrelas das Caraíbas.

Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
White Pass & Yukon Train
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Anoitecer no Parque Itzamna, Izamal, México
Cidades
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Lento fim do dia
Em Viagem

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Wall like an Egyptian
História
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Tempo de surf
Ilhas

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Maksim
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Natureza
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Sem corrimão
Património Mundial UNESCO

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Cidade dourada
Religião

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Sociedade
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.